Um bom protótipo vale mais que mil imagens Prototipação eletrônica com Arduino C.E.S.A.R - 08 | 2010 Tiago Barros | tiago....
Prototipación Electrónica en Diseño 07 | 2010 Tiago Barros | tiago.barros@cesar.org.br Érico Fileno | erico.fileno@cesar.o...
sumário <ul><li>conceito de design de interação </li></ul><ul><li>processo de inovação centrado no usuário </li></ul><ul><...
design de interação é o campo do conhecimento que estuda como criar experiências significativas para os usuários através d...
 
 
processo de inovação centrado no usuário
design centrado no usuário o &quot;ser humano&quot; é o elemento fundamental do desenvolvimento de um produto ou serviço “ ”
Design Centrado no Usuário O usuário pode ser enquadrado em diversas dimensões, tais como: 1) O usuário como sujeito em te...
<ul><li>Os usuários devem ser envolvidos no projeto para que seja resolvido um problema. </li></ul><ul><li>Designers e usu...
Identificar a necessidade do projeto centrado no usuário Analisar e especificar o contexto de uso Especificar as exigência...
Pesquisa “ Ideação” Design Prototipação Avaliação Desenvolvimento Design Centrado no Usuário
pessoal coletivo Contexto Design é um processo social -> Troca social
prototipação Prototipar é: fazer protótipos, modelos,  mock-ups  ou  maquetes.
Prototipagem é a  simplificação da informação .
A prototipação faz parte da cultura de projeto:  1 Ferramenta de colaboração 2 Ajuda a controlar o risco 3 Propicia descob...
1  Ferramenta de colaboração <ul><li>Os limites da linguagem [e dos desenhos]  </li></ul><ul><li>Palavras criam imagens di...
1  Ferramenta de colaboração James Watson e Francis Crick, descobriram a estrutura do DNA sem trabalhando apenas com model...
2 Ajuda a controlar o risco O único jeito de você descobrir se aquela idéia funciona ou não é com  um protótipo ! Não acum...
É muito mais seguro decidir diante de um protótipo do que baseado em desenhos ou relatórios.  2 Ajuda a controlar o risco ...
Em projetos complexos, as variáveis são muito  numerosas para serem controladas ao mesmo  tempo. A prototipagem localizada...
Decisões mais fáceis.   P roblemas melhor  compreendidos. 2 Ajuda a controlar o risco
<ul><li>Manipular o objeto é mais rico do que lidar com desenhos; </li></ul><ul><li>Possibilita encontrar diversas soluçõe...
<ul><li>Pode ser feito em qualquer material (dirty prototyping) </li></ul><ul><li>Não precisa fazer todo, apenas o problem...
<ul><li>Construir para aprender </li></ul><ul><li>Agir antes de ter todas as respostas; depois vai melhorando o que estive...
Pode-se  [deve-se!] fazer protótipos também de uma experiência.
Experimente viver o papel do usuário / consumidor
Visualize o processo de serviço através de modelos reduzidos.
<ul><li>Equipamentos de precisão que trabalham a partir de um arquivo em 3D do produto: estereolitografia / sinterização a...
Teste com componentes reais, como se fosse o produto final .
Um bom protótipo vale mais que mil imagens
computação física <ul><li>uso de computação e eletrônica [sensores e atuadores] na prototipação de objetos físicos para in...
computação física <ul><li>interligar  o mundo  físico  com o mundo  virtual </li></ul><ul><li>usar a computação e a intera...
computação física <ul><li>dispositivos de entrada </li></ul><ul><ul><li>captação dos eventos físicos </li></ul></ul><ul><l...
computação física <ul><li>dados digitais </li></ul><ul><ul><li>variação discreta no tempo </li></ul></ul><ul><li>dados ana...
computação física conceitos entrada processamento saída
computação física conceitos saída processamento entrada
computação física conceitos saídas processamento entradas
computação física conceitos saída processamento entrada
computação física como vemos os computadores?
computação física <ul><li>teclado </li></ul><ul><li>mouse </li></ul><ul><li>monitor </li></ul><ul><li>CPU </li></ul><ul><l...
computação física como os computadores nos veem?
computação física <ul><li>dedo    [teclado/mouse] </li></ul><ul><li>olho    [monitor] </li></ul><ul><li>duas orelhas    [c...
computação física “ mudar a forma que os computadores nos veem mudará como eles interagem conosco” Tom Igoe – Physical Com...
microcontrolador Atmel processador utilizado na plataforma programação usando Wiring (subconjunto de processing, baseado e...
plataforma arduino hardware
portas 14 entradas/saídas digitais sensores e atuadores digitais   6 entradas analógicas sensores analógicos memória RAM: ...
plataforma arduino
prototipando com arduino área de código área de status e saída serial compilar  (verif. programa) parar execução novo abri...
prototipando com arduino
prototipando com arduino
Exemplos Prototipando instrumento musical Possui um sensor capacitivo e um potenciometro como dispositivos de entrada (sen...
Exemplos Prototipando instrumento musical Possui um sensor capacitivo e um potenciometro como dispositivos de entrada (sen...
exemplos Calvin Harris Humanthesizer -  http://www.engadget.com/2009/08/11/humanthesizer-turns-15-bikini-models-into-a-liv...
<ul><li>Design de interação e o processo de inovação </li></ul><ul><li>Importância da prototipação para: </li></ul><ul><ul...
Obrigado! Prototipaçión Electrónica em Diseño Tiago Barros | tiago.barros@cesar.org.br Érico Fileno | erico.fileno@cesar.o...
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

C.E.S.A.R - Prototipación Electronica en Diseño

2,905

Published on

Apresentação feita no Congresso Latinoamericano de Design, Universidade de Palermo, Buenos Aires.

Published in: Education
0 Comments
3 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
2,905
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
64
Comments
0
Likes
3
Embeds 0
No embeds

No notes for slide
  • O C.E.S.A.R – Centro de Estudos e Sistemas Avançados do Recife – é uma instituição privada de classe mundial que cria produtos, processos, serviços e empresas inovadoras usando Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC). Atuando há mais de 11 anos em âmbito nacional e internacional, o C.E.S.A.R interliga centros de inovação numa rede de conhecimento que torna possível realizar projetos de desenvolvimento conectados ao futuro, com qualidade e agilidade.
  • O C.E.S.A.R – Centro de Estudos e Sistemas Avançados do Recife – é uma instituição privada de classe mundial que cria produtos, processos, serviços e empresas inovadoras usando Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC). Atuando há mais de 11 anos em âmbito nacional e internacional, o C.E.S.A.R interliga centros de inovação numa rede de conhecimento que torna possível realizar projetos de desenvolvimento conectados ao futuro, com qualidade e agilidade.
  • O C.E.S.A.R – Centro de Estudos e Sistemas Avançados do Recife – é uma instituição privada de classe mundial que cria produtos, processos, serviços e empresas inovadoras usando Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC). Atuando há mais de 11 anos em âmbito nacional e internacional, o C.E.S.A.R interliga centros de inovação numa rede de conhecimento que torna possível realizar projetos de desenvolvimento conectados ao futuro, com qualidade e agilidade.
  • C.E.S.A.R - Prototipación Electronica en Diseño

    1. 1. Um bom protótipo vale mais que mil imagens Prototipação eletrônica com Arduino C.E.S.A.R - 08 | 2010 Tiago Barros | tiago.barros@cesar.org.br
    2. 2. Prototipación Electrónica en Diseño 07 | 2010 Tiago Barros | tiago.barros@cesar.org.br Érico Fileno | erico.fileno@cesar.org.br Apresentação feita no Congresso Latinoamericano de Design Universidade de Palermo – Buenos Aires
    3. 3. sumário <ul><li>conceito de design de interação </li></ul><ul><li>processo de inovação centrado no usuário </li></ul><ul><li>processo de prototipação </li></ul><ul><li>conceitos de computação física </li></ul><ul><li>arduino como plataforma de prototipação </li></ul><ul><li>exemplos </li></ul><ul><li>conclusão </li></ul>
    4. 4. design de interação é o campo do conhecimento que estuda como criar experiências significativas para os usuários através de produtos e serviços interativos. O foco do Design de Interação está nas relações humanas tecidas através dos artefatos e serviços interativos.
    5. 7. processo de inovação centrado no usuário
    6. 8. design centrado no usuário o &quot;ser humano&quot; é o elemento fundamental do desenvolvimento de um produto ou serviço “ ”
    7. 9. Design Centrado no Usuário O usuário pode ser enquadrado em diversas dimensões, tais como: 1) O usuário como sujeito em testes de usabilidade e prototipagem, onde o foco é saber a performance do sujeito com relação a um sistema particular ou a uma característica deste sistema ou serviço; 2) O usuário com alguém que tem preferências, particularmente com serviços comerciais; 3) O usuário como experiente em assuntos específicos, como provedor de informações.
    8. 10. <ul><li>Os usuários devem ser envolvidos no projeto para que seja resolvido um problema. </li></ul><ul><li>Designers e usuários têm preocupações e repertórios um pouco diferentes. </li></ul><ul><li>É muito difícil para o designer predizer que efeito determinada decisão de projeto terá no comportamento do usuário. </li></ul>Design Centrado no Usuário
    9. 11. Identificar a necessidade do projeto centrado no usuário Analisar e especificar o contexto de uso Especificar as exigências dos usuários Produzir soluções de projeto Avaliar o projeto contra as exigências O sistema satisfaz as exigências dos usuários Design Centrado no Usuário
    10. 12. Pesquisa “ Ideação” Design Prototipação Avaliação Desenvolvimento Design Centrado no Usuário
    11. 13. pessoal coletivo Contexto Design é um processo social -> Troca social
    12. 14. prototipação Prototipar é: fazer protótipos, modelos, mock-ups ou maquetes.
    13. 15. Prototipagem é a simplificação da informação .
    14. 16. A prototipação faz parte da cultura de projeto: 1 Ferramenta de colaboração 2 Ajuda a controlar o risco 3 Propicia descobertas felizes (sorte!) 4 Modo rápido e barato de resolver problemas
    15. 17. 1 Ferramenta de colaboração <ul><li>Os limites da linguagem [e dos desenhos] </li></ul><ul><li>Palavras criam imagens diferentes para cada pessoa. </li></ul><ul><li>O protótipo torna as idéias concretas </li></ul><ul><li>Participação de toda equipe: empresário, designer, engenheiros, marketing, etc; </li></ul><ul><li>Otimiza as contribuições de cada um ao projeto - menos re-trabalho. </li></ul>
    16. 18. 1 Ferramenta de colaboração James Watson e Francis Crick, descobriram a estrutura do DNA sem trabalhando apenas com modelos. Foram construindo estruturas até chegarem à solução. “Mutações, replicação da molécula por um mecanismo de molde / cópia complementar, linearidade da codificação genética, tudo podia ser percebido pelo simples exame do modelo proposto”. Darcy Almeida. Ciência Hoje, Vol 32, no192 Nobel 1962
    17. 19. 2 Ajuda a controlar o risco O único jeito de você descobrir se aquela idéia funciona ou não é com um protótipo ! Não acumular riscos, prototipar (e checar) a cada etapa. “ Erre logo para ser bem sucedido mais cedo.” IDEO
    18. 20. É muito mais seguro decidir diante de um protótipo do que baseado em desenhos ou relatórios. 2 Ajuda a controlar o risco Protótipo de papelão do Pelicano Criação Paraná – Centro de Design Paraná 2001
    19. 21. Em projetos complexos, as variáveis são muito numerosas para serem controladas ao mesmo tempo. A prototipagem localizada permite solucionar pequenos problemas cruciais, um a um.
    20. 22. Decisões mais fáceis. P roblemas melhor compreendidos. 2 Ajuda a controlar o risco
    21. 23. <ul><li>Manipular o objeto é mais rico do que lidar com desenhos; </li></ul><ul><li>Possibilita encontrar diversas soluções e até novos caminhos; </li></ul><ul><li>Possibilita conhecer o entorno da idéia. </li></ul><ul><li>A prototipagem estimula pequenas inovações não planejadas. </li></ul>É o mesmo método que tem ajudado cientistas a revelar alguns dos maiores segredos da natureza. 3 Propicia descobertas felizes
    22. 24. <ul><li>Pode ser feito em qualquer material (dirty prototyping) </li></ul><ul><li>Não precisa fazer todo, apenas o problema a ser detalhado; </li></ul><ul><li>Não precisa ser perfeito e com acabamento. </li></ul>4 Modo rápido e barato
    23. 25. <ul><li>Construir para aprender </li></ul><ul><li>Agir antes de ter todas as respostas; depois vai melhorando o que estiver ruim; </li></ul><ul><li>Se você estiver sem saber como agir, faça um protótipo! </li></ul>O processo de “edição” do projeto IDÉIA PRODUTO Acumulação de Risco
    24. 26. Pode-se [deve-se!] fazer protótipos também de uma experiência.
    25. 27. Experimente viver o papel do usuário / consumidor
    26. 28. Visualize o processo de serviço através de modelos reduzidos.
    27. 29. <ul><li>Equipamentos de precisão que trabalham a partir de um arquivo em 3D do produto: estereolitografia / sinterização a laser / CNC </li></ul><ul><li>Solução barata para um teste antes da ferramentaria final: pre-série. Molde de silicone. </li></ul>Prototipagem rápida IDÉIA PRODUTO
    28. 30. Teste com componentes reais, como se fosse o produto final .
    29. 31. Um bom protótipo vale mais que mil imagens
    30. 32. computação física <ul><li>uso de computação e eletrônica [sensores e atuadores] na prototipação de objetos físicos para interação com seres humanos </li></ul><ul><li>comportamento implementado por software </li></ul><ul><li>utilização de microcontroladores </li></ul>
    31. 33. computação física <ul><li>interligar o mundo físico com o mundo virtual </li></ul><ul><li>usar a computação e a interação com a tecnologia para o desenvolvimento das suas atividades </li></ul><ul><li>meio para comunicação e interação entre pessoas </li></ul>
    32. 34. computação física <ul><li>dispositivos de entrada </li></ul><ul><ul><li>captação dos eventos físicos </li></ul></ul><ul><li>dispositivos de saída </li></ul><ul><ul><li>geração de eventos físicos </li></ul></ul><ul><li>transdutores </li></ul><ul><ul><li>conversão da energia física em energia elétrica </li></ul></ul>conceitos
    33. 35. computação física <ul><li>dados digitais </li></ul><ul><ul><li>variação discreta no tempo </li></ul></ul><ul><li>dados analógicos </li></ul><ul><ul><li>variação contínua no tempo </li></ul></ul>conceitos
    34. 36. computação física conceitos entrada processamento saída
    35. 37. computação física conceitos saída processamento entrada
    36. 38. computação física conceitos saídas processamento entradas
    37. 39. computação física conceitos saída processamento entrada
    38. 40. computação física como vemos os computadores?
    39. 41. computação física <ul><li>teclado </li></ul><ul><li>mouse </li></ul><ul><li>monitor </li></ul><ul><li>CPU </li></ul><ul><li>caixas de som </li></ul>como vemos os computadores?
    40. 42. computação física como os computadores nos veem?
    41. 43. computação física <ul><li>dedo [teclado/mouse] </li></ul><ul><li>olho [monitor] </li></ul><ul><li>duas orelhas [caixas de som] </li></ul>como os computadores nos veem? reflexo das entradas e saídas do computador figura reproduzida do livro Physical Computing Tom Igoe
    42. 44. computação física “ mudar a forma que os computadores nos veem mudará como eles interagem conosco” Tom Igoe – Physical Computing
    43. 45. microcontrolador Atmel processador utilizado na plataforma programação usando Wiring (subconjunto de processing, baseado em C/C++) liguagem de programação open-source: evolução da plataforma através de contribuições dos usuários plataforma arduino
    44. 46. plataforma arduino hardware
    45. 47. portas 14 entradas/saídas digitais sensores e atuadores digitais 6 entradas analógicas sensores analógicos memória RAM: 1K Flash (programa): 16k – 2k (bootloader) velocidade de processamento: 16MHz plataforma arduino
    46. 48. plataforma arduino
    47. 49. prototipando com arduino área de código área de status e saída serial compilar (verif. programa) parar execução novo abrir salvar enviar programa para placa exibir serial
    48. 50. prototipando com arduino
    49. 51. prototipando com arduino
    50. 52. Exemplos Prototipando instrumento musical Possui um sensor capacitivo e um potenciometro como dispositivos de entrada (sensores) Possui um buzzer e um LED como dispositivos de saída (atuadores) Caso sensor capacitivo seja tocado, emite nota musical através do buzzer, de acordo com valor do potenciometro.
    51. 53. Exemplos Prototipando instrumento musical Possui um sensor capacitivo e um potenciometro como dispositivos de entrada (sensores) Possui um buzzer e um LED como dispositivos de saída (atuadores) Caso sensor capacitivo seja tocado, emite nota musical através do buzzer, de acordo com valor do potenciometro.
    52. 54. exemplos Calvin Harris Humanthesizer - http://www.engadget.com/2009/08/11/humanthesizer-turns-15-bikini-models-into-a-live-dancing-synth/ Aaron Alai Stochasticity - http://www.aaronalai.com/stochasticity
    53. 55. <ul><li>Design de interação e o processo de inovação </li></ul><ul><li>Importância da prototipação para: </li></ul><ul><ul><li>- identificar requisitos </li></ul></ul><ul><ul><li>- validar produtos e serviços através de testes e estudos </li></ul></ul><ul><li>Design e a Eletrônica </li></ul><ul><li>Conceitos de computação física </li></ul><ul><li>Prototipação eletrônica com arduino </li></ul>conclusão
    54. 56. Obrigado! Prototipaçión Electrónica em Diseño Tiago Barros | tiago.barros@cesar.org.br Érico Fileno | erico.fileno@cesar.org.br
    1. A particular slide catching your eye?

      Clipping is a handy way to collect important slides you want to go back to later.

    ×