• Save
Primeira guerra
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Primeira guerra

on

  • 1,808 views

 

Statistics

Views

Total Views
1,808
Views on SlideShare
770
Embed Views
1,038

Actions

Likes
0
Downloads
0
Comments
0

5 Embeds 1,038

http://www.thiagohmlopes.blogspot.com.br 574
http://thiagohmlopes.blogspot.com.br 451
http://thiagohmlopes.blogspot.com 7
http://thiagohmlopes.blogspot.cz 5
http://thiagohmlopes.blogspot.pt 1

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Primeira guerra Primeira guerra Presentation Transcript

  • PRIMEIRA GUERRA MUNDIAL www.thiagohmlopes.blogspot.com
  • Entre a segunda metade do século XIX e início do século XX(1914), o mundo industrializado vivia uma era de otimismotecnocrata, inspirado nos progressos tecnológicos que prometiamcerta “maturidade” e “agilidade” nas resoluções de possíveisproblemas, diplomáticos principalmente. Porém, os eventos relacionadosao Imperialismo, aosNacionalismos e o RevanchismoFrancês, provocaram umambiente hostil naEuropa, criando assim uma PazArmada, corridaarmamentista, através de jogos dealiançasinternacionais, transformandoaquele continente num campominado que poderia explodir aqualquer instante.
  • CAUSAS GERAIS: Disputa colonial: buscando novos mercados para a venda deseus produtos, os países industrializados entravam em choquepela conquista de colônias na África e na Ásia. Concorrência econômica: cada um dos grandes paísesindustrializados dificultara a expansão econômica do paísconcorrente. Essa briga econômica foi especialmente intensaentre Inglaterra e Alemanha. Pan-eslavismo: buscava a união de todos os povos eslavos daEuropa oriental. Era liderado pela Rússia. Pan-germanismo: buscava a expansão da Alemanha atravésdos territórios ocupados por povos germânicos da Europa central. Revanchismo francês: visava desforrar a derrota francesa paraa Alemanha em 1870 (Guerra Franco-Prussiana) e recuperar osterritórios da Alsácia-Lorena, cedidos aos alemães.
  • A política das alianças: O clima de tensão internacional levouas potências europeias a firmarem tratados de alianças entre si. Oobjetivo desses tratados era somar forças para enfrentar aspotências rivais. TRÍPLICE Alemanha, Itália e Áustria- Hungria. ALIANÇA TRÍPLICE Reino Unido, França e Rússia. ENTENTE
  • Aliados ou inimigos, os senhores da guerra eram primos: George V, Guilherme II e Nicolau II.
  • O ESTOPIM DO CONFLITO: O assassinato do arquiduque Francisco Ferdinando: EmSarajevo, Bósnia, 28/06/1914, pelo militante do separatismosérvio, Gavrilo Princip, do Mão Negra, grupo ligado indiretamentea Rússia. O arquiduque era príncipe-herdeiro do trono austríaco.
  • FASES DO CONFLITO: Primeira fase (1914/1915): Movimentação de tropas e equilíbrioentre as forças rivais; Segunda fase (1915/1917): Guerra de trincheiras, e novastecnologias (submarinos, aviões, tanques blindados, armasquímicas e biológicas, fuzis de repetição). Terceira fase (1917/1918): Saída da Rússia, entrada dos EstadosUnidos, derrota da Alemanha.MUDANÇAS NA ENTENTE: Entrada da Itália: A Itália, membro da Tríplice Aliança, manteve-se neutra até que, em 1915, sob promessa de receber territóriosaustríacos, mudou de lado. Saída da Rússia: Com o triunfo da Revolução Socialista Russade 1917, onde os bolcheviques estabeleceram-se no poder, foiassinado um acordo com a Alemanha para oficializar sua retiradado grande conflito. Este acordo chamou-se Tratado de Brest-Litovsk, que impôs duras condições para a Rússia.
  • Entrada dos EUA: Os norte-americanos possuíam muitosinvestimentos, e empréstimos, nesta guerra com seus aliados(Inglaterra e França). Era preciso garantir o recebimento de taisinvestimentos. Utilizou-se como pretexto o afundamento do navio“Lusitânia”, que conduzia passageiros norte-americanos. Umgrande volume de soldados, tanques, navios e aviões de guerraforam utilizados para que a vitória da Entente fosse assegurada.Em pouco tempo, as tropas alemãs e austríacas foram derrotadas.
  • Relato de um soldadoO campo de batalha é terrível. Há um cheiro azedo, pesado e penetrante de cadáveres. Homens que foram mortos no último outubro estão meio afundados no pântano e noscampos de nabo em crescimento. As pernas de um soldado inglês, ainda envoltas em polainas, irrompem de uma trincheira, o corpo está empilhado com outros; um soldado apóia seu rifle sobre eles. Um pequeno veio de água correatravés da trincheira, e todo mundo usa a água para beber ese lavar; é a única água disponível. Ninguém se importa com o inglês pálido que apodrece alguns passos adiante. No cemitério de Langermak, os restos de uma matança foramempilhados e os mortos ficaram acima do nível do chão. As bombas alemãs, caindo sobre o cemitério, provocam uma horrível ressurreição. Num determinado momento, eu vi 22cavalos mortos, ainda com os arreios. Gado e porcos jaziam em cima, meio apodrecidos. Avenidas rasgadas no solo, inúmeras crateras nas estradas e nos campos.(Extraído de: Rudolf Binding. Um fatalista na guerra. Em: Adhemar M. Marques, Flávio Berutti e Ricardo Faria. História contemporânea através de textos. 3. ed. São Paulo, Contexto, 1994, p. 119.)
  • PARTICIPAÇÃO DO BRASIL: Embora o Brasil não tenha participado diretamente da guerra, opaís enviou navios ao continente europeu que receberam ordensda marinha inglesa. Já bem próximo ao final do conflito mundial, aMarinha do Brasil, recebeu ordens para ir a Gibraltar e patrulhar aregião. A ordem foi acompanhada do alerta de que umencouraçado britânico tinha sido naufragado por um submarinoalemão na mesma região. Assim, o almirante brasileiro Pedro MaxFernando Frontin alertou a possibilidade de haver maissubmarinos na área. O Cruzador Bahia, notou uma estranha movimentação no mar eavistou algo que, segundo ele, seria o periscópio de umsubmarino alemão. Diante de tal situação, o almirante ordenou umpoderoso ataque. No entanto, o que acreditava ser um submarinoalemão era, na verdade, um bando de toninhas. Oataque, contudo, foi pesado e rigoroso. Somente ao término dosdisparos e já com muito sangue na água que os marinheirosbrasileiros averiguaram que o que atacaram não eram alemães etampouco oferecia algum perigo.
  • CONSEQUÊNCIAS DA 1ª GUERRA: Revolução Russa de 1917 e surgimento da URSS (União dasRepúblicas Socialistas Soviéticas); O Tratado de Versalhes; Desmembramento do Império Austro-Húngaro (Tratado de Saint-Germain) e o surgimento de novas nações; Fortalecimento domilitarismo francês, em decorrência do desarmamento alemão; A Inglaterra dividiu sua hegemonia marítima com os EstadosUnidos; O enriquecimento dos Estados Unidos; Criação da Liga das Nações (embrião da ONU); A depreciação do marco alemão, que baixou à milionésima partedo valor, inflação recorde da Alemanha; A crise econômica de 1929, Grande Depressão, quebra da bolsade Nova York; O surgimento do fascismo na Itália e do nazismo na Alemanha(revanchismo alemão); Segunda Guerra Mundial.
  • TRATADO DE VERSALHES (medidas): Reconhecimento da independência da Áustria; Devolução dos territórios da Alsácia-Lorena à França; Devolução à Polônia das províncias de Posen e PrússiaOcidental; As cidades alemãs de Malmedy e Eupen passariam para ocontrole da Bélgica; A província do Sarre passaria para o controle da Liga dasNações por 15 anos; A região da Sonderjutlândia deveria ser devolvida à Dinamarca; Pagamento aos países vencedores, principalmente França eInglaterra, uma indenização pelos prejuízos causados durante aguerra. Este valor foi estabelecido em 269 bilhões de marcos. Proibição de funcionamento da aeronáutica alemã (Luftwaffe) A Alemanha deveria ter seu exército reduzido para, nomáximo, cem mil soldados; Proibição da fabricação de tanques e armamentos pesados; Redução da marinha alemã para 15 mil marinheiros, seis naviosde guerra e seis cruzadores.