Material de incendio

21,262 views

Published on

Published in: Education
3 Comments
10 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total views
21,262
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
5
Actions
Shares
0
Downloads
1,321
Comments
3
Likes
10
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Material de incendio

  1. 1. PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO EDUARDO LUIZ
  2. 2. Fogo É um fenômeno químico denominado combustão que ocorre com a produção de Luz e Calor. Incêndio - É a propagação rápida e violenta do fogo provocando danos materiais ou perda de vidas humanas. - Fogo que foge do controle do homem.
  3. 3. TRIÂNGULO DO FOGO comburente combustível calor Reação em cadeia TETRAEDRO DO FOGO
  4. 4. ELEMENTOS ESSENCIAIS DO FOGO Combustível : é toda a substância capaz de queimar e alimentar a combustão. É o elemento que serve de campo de propagação ao fogo, os combustíveis podem se sólidos, líquidos ou gasosos. Calor : é o elemento que inicia a combustão, forma de energia que eleva a temperatura. O calor é gerado por: Energia Química, Energia Elétrica, Energia Mecânica, Energia Nuclear.
  5. 5. Energia Química Energia Nuclear Energia Elétrica Energia Mecânica
  6. 6. ELEMENTOS ESSENCIAIS DO FOGO Comburente : é o elemento que possibilita vida às chamas e intensifica a combustão, o mais comum é o oxigênio. Atmosfera é composta por 21% de oxigênio , 78% de nitrogênio e 1% de outros gases. Outros gases Oxigênio Nitrogênio
  7. 7. REAÇÃO EM CADEIA A reação em cadeia torna a queima auto-sustentável. O calor irradiado das chamas atinge o combustível e este é decomposto em partículas menores, que se combinam com o oxigênio e queimam, irradiando outra vez calor para o combustível formando um ciclo constante.
  8. 8. COMBUSTÃO Reação química, combinada com oxigênio, suficiente para desenvolver energia luminosa, produzindo mais calor. PONTOS DE COMBUSTÃO <ul><li>PONTO DE FULGOR; </li></ul><ul><li>PONTO DE COMBUSTÃO OU INFLAMAÇÃO; </li></ul><ul><li>PONTO DE IGNIÇÃO; </li></ul>
  9. 9. FASES DO FOGO FLASHOVER E BACKDRAFT FASE INICIAL QUEIMA LIVRE QUEIMA LENTA
  10. 16. FASES DO FOGO Backdraft <ul><li>As condições a seguir podem indicar uma situação de Backdraft; </li></ul><ul><li>Fumaça sob pressão, num ambiente fechado; </li></ul><ul><li>Fumaça escura, tornando-se densa, mudando de cor e saindo do ambiente em forma de lufadas; </li></ul><ul><li>Calor excessivo; </li></ul><ul><li>Pequenas chamas ou inexistência destas; </li></ul><ul><li>Resíduos da fumaça impregnando o vidro das janelas; </li></ul><ul><li>Pouco ruído; </li></ul><ul><li>Movimento de ar para o interior do ambiente quando alguma abertura é feita. </li></ul>
  11. 17. PRODUTOS DA COMBUSTÃO FUMAÇA VAPOR D’AGUA CALOR CARVÃO CINZAS
  12. 18. FUMAÇA DE INCÊNDIO <ul><li>Num incêndio, além das chamas ocorre o desenvolvimento da fumaça. </li></ul><ul><li>Fatores que afetam a formação da fumaça: </li></ul><ul><li>Q O M I T </li></ul><ul><li>Composição química do material; </li></ul><ul><li>A distribuição do material; </li></ul><ul><li>Duração do incêndio; </li></ul><ul><li>O estado físico do material. </li></ul>
  13. 19. TIPO DE COMBUSTÃO Combustão completa: Quando todos os elementos do combustível possíveis de se combinarem com o oxigênio reagirem com o mesmo, não restando nos produtos da combustão combustível nenhum, dizemos que a combustão é completa. Combustão incompleta: Quando a quantidade de oxigênio que entra na combustão é menor que a necessária, teoricamente, aparecem nos produtos da combustão combustíveis, tais como CO, H 2 e em casos de grande escassez de oxigênio até hidrocarbonetos de carvão em pó. Neste caso dizemos que a combustão e incompleta.
  14. 20. QUANTO Á VELOCIDADE A velocidade da combustão depende do grau de divisão da matéria. <ul><li>Lenta; </li></ul><ul><li>Viva; </li></ul><ul><li>Muito Viva; </li></ul><ul><li>Instantânea. </li></ul>
  15. 21. FORMA DE PROPAGAÇÃO DO CALOR <ul><li>O calor pode ser propagado de três diferentes maneiras: </li></ul><ul><li>Condução; </li></ul><ul><li>Convecção; </li></ul><ul><li>Irradiação. </li></ul>
  16. 22. FORMA DE PROPAGAÇÃO DO CALOR
  17. 23. EFEITOS DO CALOR O calor é uma forma de energia que produz efeitos físicos e químicos nos corpos e efeitos fisiológicos nos seres vivos. <ul><li>O Calor produz cinco efeitos, a saber: </li></ul><ul><li>Aumento de temperatura; </li></ul><ul><li>Aumento de volume; </li></ul><ul><li>Mudança do estado físico; </li></ul><ul><li>Efeito químico; </li></ul><ul><li>Efeito fisiológico. </li></ul>
  18. 24. MÉTODOS DE EXTINÇÃO DO FOGO Os métodos de extinção de fogo baseiam-se na eliminação de um ou mais do elementos essenciais que provocam o fogo.
  19. 25. MÉTODOS DE EXTINÇÃO DO FOGO Retirada do Material: Forma mais simples de extinguir um incêndio, retirada do material combustível.
  20. 26. MÉTODOS DE EXTINÇÃO DO FOGO Resfriamento: Método mais utilizado, diminuição da temperatura do combustível que esta queimando.
  21. 27. MÉTODOS DE EXTINÇÃO DO FOGO Abafamento: Método mais difícil, consiste em diminuir ou impedir o contato do oxigênio com o material combustível que esta queimando.
  22. 28. MÉTODOS DE EXTINÇÃO DO FOGO Quebra da Reação em Cadeia: Certos agentes extintores, quando lançados sobre o fogo, sofrem ação do calor, reagindo sobre a área das chamas, interrompendo assim a reação em cadeia.
  23. 29. CLASSES DOS INCÊNDIOS Classificamos os incêndios de acordo com o material combustível envolvido. Classe “A” Combustíveis sólidos que queimam em superfície e em profundidade, deixa resíduos.
  24. 30. CLASSES DOS INCÊNDIOS Classe “B” Líquidos inflamáveis, gases combustíveis, graxas, queima em superfície, não deixam resíduos.
  25. 31. CLASSES DOS INCÊNDIOS Classe “C” Materiais ligados à parte elétrica, ou seja, energizados eletricamente.
  26. 32. CLASSES DOS INCÊNDIOS Classe “D” Metais combustíveis pirofóricos (magnésio, alumínio em pó, zinco e etc).
  27. 33. CLASSIFICAÇÃO DOS INCÊNDIOS QUANTO À PROPORÇÃO <ul><li>Esta classificação visa definir as dimensões e a intensidade de um incêndio, bem como os meios necessários para sua extinção. São Classificados em cinco itens: </li></ul><ul><li>Princípio de Incêndio; </li></ul><ul><li>Pequeno Incêndio; </li></ul><ul><li>Médio Incêndio; </li></ul><ul><li>Grande Incêndio ; </li></ul><ul><li>Extraordinário; </li></ul>
  28. 34. <ul><li>ÁGUA </li></ul><ul><li>ESPUMA QUÍMICA </li></ul><ul><li>PÓ QUÍMICO SECO – PQS </li></ul><ul><li>GÁS CARBÔNICO – CO 2 </li></ul><ul><li>ESPECIAL </li></ul>AGENTE EXTINTORES
  29. 35. APARELHOS EXTINTORES <ul><li>Para uso automotivo; </li></ul><ul><li>Para uso náutico; </li></ul><ul><li>Para uso geral; </li></ul><ul><li>Uso do extintor correto; </li></ul><ul><li>Precauções de segurança; </li></ul><ul><li>Inspeção; </li></ul>Utilizados para a fase inicial do incêndio
  30. 36. EXTINTORES PORTÁTEIS <ul><li>Dimensionamento; </li></ul><ul><li>Classe ocupacional de risco; </li></ul><ul><li>Área de proteção de acordo com a classe ocupacional de risco; </li></ul><ul><li>Condições especificas; </li></ul><ul><li>Sinalização; </li></ul>
  31. 37. TIPO DE APARELHOS EXTINTOR PORTÁTEIS ÁGUA CO 2 PQS ESPUMA
  32. 38. TIPO DE APARELHOS EXTINTOR PORTÁTEIS Água Pressurizada Capacidade 10 litros Aplicação Classe “A” Alcance do Jato 10 metros Tipo de Jato Contínuo Distância de Uso 04 a 08 metros Funcionamento A pressão interna expele água quando acionado Obs: Não utilizar em Classe “C”
  33. 39. TIPO DE APARELHOS EXTINTOR PORTÁTEIS Extintor de Espuma Em desuso Capacidade 10 litros Aplicação Classe “A” e “B” Alcance do Jato 05 metros Tipo de Jato Contínuo Distância de Uso 02 a 04 metros
  34. 40. TIPO DE APARELHOS EXTINTOR PORTÁTEIS Extintor de pó químico Capacidade 1,2,3,4,6,8,10 e 12 kg Aplicação Classe A, B, C e D Alcance do Jato 05 metros Tipo de Jato Intermitente Distância de Uso 02 a 04 metros
  35. 41. TIPO DE APARELHOS EXTINTOR PORTÁTEIS Extintor de pó químico, pressão injetada Capacidade 2,3,4,6,8,10 e 12 kg Aplicação Classe A, B, C e D Alcance do Jato 05 metros Tipo de Jato Intermitente Distância de Uso 02 a 04 metros
  36. 42. TIPO DE APARELHOS EXTINTOR PORTÁTEIS Extintor de CO 2 Capacidade 1, 2, 4 e 6 kg Aplicação Classe A, B e C Alcance do Jato 2,5 metros Tipo de Jato Contínuo Distância de Uso 01 a 02 metros
  37. 43. APARELHOS EXTINTORES * Se for à base de Bicarbonato de Sódio não se deve utilizá-lo; se for especial, específico, deve-se usá-lo.   ÁGUA ESPUMA PQS CO 2 CLASSE A   SIM   SIM   SIM   SIM   CLASSE B   NÃO     SIM   SIM   SIM CLASSE C   NÃO     NÃO   SIM   SIM CLASSE D   NÃO   NÃO   * NÃO   NÃO  
  38. 44. SISTEMAS PREVENTIVOS FIXOS <ul><li>Canalização de preventivos e registros de passeio; </li></ul><ul><li>Caixas de incêndio e seus respectivos equipamentos: </li></ul><ul><li>Caixa D’água Subterrânea; </li></ul><ul><li>Caixa D’água Superior; </li></ul><ul><li>Dispositivo de Emergência para uso do corpo de Bombeiros (DEPUCB); </li></ul><ul><li>Cores das canalizações em uma Edificação; </li></ul><ul><li>Chuveiro Automático (SPRINKLERS); </li></ul>
  39. 45. SISTEMAS PREVENTIVOS FIXOS CORES DAS CANALIZAÇÕES EM UMA EDIFICAÇÃO; OBSERVAÇÃO:O VERDE É A COR DA SEGURANÇA COR TIPO DE CANALIZAÇÃO AZUL / VERDE ÁGUA POTÁVEL PRETO / MARRON ESGOTO CINZA FIAÇÃO ELÉTRICA AMARELO / LARANJA GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO (GLP) VERMELHO COMBATE A INCÊNDIO
  40. 46. SISTEMAS PREVENTIVOS FIXOS <ul><li>CHUVEIRO AUTOMÁTICO (SPRINKLERS) </li></ul><ul><li>Funcionamento; </li></ul><ul><li>Abastecimento do sistema de chuveiros automáticos; </li></ul><ul><li>Tipos de chuveiros automáticos (dilúvio/cortina) </li></ul><ul><li>Tipos de sistemas de chuveiros automático(seco/molhado) </li></ul><ul><li>Cor do Líquido na ampola dos Splinklers ; </li></ul>
  41. 47. SISTEMAS PREVENTIVOS FIXOS <ul><li>Detectores de Incêndio </li></ul><ul><li>Detectores térmicos </li></ul><ul><li>Detector à temperatura fixa </li></ul><ul><li>Detector termovelocimétrico </li></ul><ul><li>Detector de fumaça </li></ul><ul><li>Detector de chamas </li></ul><ul><li>Central de Alarme de incêndio </li></ul>
  42. 48. SISTEMA DE ALARME <ul><li>Sistema de alarme de incêndio quanto ao AVISO </li></ul><ul><li>- local </li></ul><ul><li>- setorizado </li></ul><ul><li>- geral </li></ul>
  43. 49. SISTEMA DE ALARME <ul><li>Quanto a composição </li></ul><ul><ul><li>Detecção </li></ul></ul><ul><ul><li>Acionadores manuais </li></ul></ul><ul><ul><li>Central de alarme </li></ul></ul><ul><ul><li>Rede elétrica </li></ul></ul><ul><ul><li>Sistema de aviso (visual ou sonoro) </li></ul></ul>Inspeção do brigadista
  44. 50. SISTEMAS PREVENTIVOS FIXOS <ul><li>Iluminação de Emergência: </li></ul><ul><li>Conceito importantes; </li></ul><ul><li>Inspeção em sistema de iluminação de emergência; </li></ul>
  45. 51. SISTEMAS PREVENTIVOS FIXOS <ul><li>Saída de Emergência: </li></ul><ul><li>Conceito importantes; </li></ul>
  46. 52. GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO - GLP <ul><li>Gás liquefeito de petróleo - GLP: </li></ul><ul><li>Conceito importantes; </li></ul><ul><li>Características dos gases derivados de petróleo </li></ul>
  47. 53. GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO - GLP
  48. 54. GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO - GLP <ul><li>Riscos: </li></ul><ul><li>Válvula e mecanismo de segurança do P45 e do P90 ; </li></ul><ul><li>Válvula e mecanismo de segurança do P-13 ; </li></ul><ul><li>Cuidados com o recipiente ; </li></ul><ul><li>Cuidados diversos. </li></ul><ul><li>Controle de vazamento de GLP com fogo </li></ul><ul><li>Precauções ao chegar ao local; </li></ul>
  49. 55. GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO - GLP VERIFICAÇÃO DE VAZAMENTOS; Nunca vedar vazamento com Sabão ou Cera
  50. 56. GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO - GLP EXEMPLOS DE BLEVE;
  51. 57. GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO - GLP EXEMPLOS DE BLEVE;

×