aptidao morfologica

4,057 views

Published on

aptidap

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
4,057
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
25
Actions
Shares
0
Downloads
80
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

aptidao morfologica

  1. 1. APTIDÃO FÍSICA RELACIONADA À SAÚDE I. Aptidão morfológica II. Aptidão cardiorespiratória III. Aptidão músculoesquelética APTIDÃO FÍSICA
  2. 2. APTIDÃO MORFOLÓGICA Avaliando a composição corporal
  3. 3. COMPOSIÇÃO CORPORAL <ul><li>Avaliam a aptidão morfológica </li></ul><ul><ul><li>Densidade óssea </li></ul></ul><ul><ul><li>Composição corporal </li></ul></ul><ul><li>“A densidade óssea e a composição corporal juntas constituem a aptidão morfológica.” </li></ul>Aptidão morfológica
  4. 4. POR QUE AVALIAR A COMPOSIÇÃO CORPORAL? <ul><li>Como parte de uma avaliação abrangente da aptidão física relacionada à saúde: </li></ul><ul><ul><li>Uma composição corporal desejável é importante para a saúde e bem-estar de crianças e adultos. </li></ul></ul><ul><ul><li>Em indivíduos ou populações (CDC, 1960) </li></ul></ul>Aptidão morfológica
  5. 5. POR QUE AVALIAR A COMPOSIÇÃO CORPORAL? <ul><li>Como parte de um exame físico abrangente ou de uma avaliação de fatores de risco cardiovascular: </li></ul><ul><ul><li>O excesso de gordura corporal está relacionada ao aumento do risco de doenças cardiovasculares e outras doenças crônico degenerativas. </li></ul></ul>Aptidão morfológica
  6. 6. POR QUE AVALIAR A COMPOSIÇÃO CORPORAL? <ul><li>Para monitorar mudanças nos componentes corporais em resposta a programas de perda ou de ganho de peso: </li></ul><ul><ul><li>A informação objetiva sobre as mudanças na composição cororal pode motivar os clientes a aderirem melhor aos seus programas. </li></ul></ul>Aptidão morfológica
  7. 7. POR QUE AVALIAR A COMPOSIÇÃO CORPORAL? <ul><li>Para monitorar a eficiência de programas de treinamento físico para atletas: </li></ul><ul><ul><li>Eles podem ganhar vantagens competitivas quando alcançam um equilíbrio ótimo entre gordura corporal e massa magra, que varia conforme o esporte. </li></ul></ul>Aptidão morfológica
  8. 8. POR QUE AVALIAR A COMPOSIÇÃO CORPORAL? <ul><li>Para monitorar a nutrição: </li></ul><ul><ul><li>Fornecem indícios de nível nutricional e o padrão de gordura entre crianças e adultos. </li></ul></ul>Aptidão morfológica
  9. 9. POR QUE AVALIAR A COMPOSIÇÃO CORPORAL? <ul><li>Para identificar a eficiência potencial dos profissionais na área de aptidão: </li></ul><ul><ul><li>Pesquisas têm mostrado que um profissional da saúde que está evidentemente acima do peso é visto pelos clientes como sendo menos conhecedor e menos motivador do que um profissional com o peso adequado. </li></ul></ul>Aptidão morfológica
  10. 10. POR QUE AVALIAR A COMPOSIÇÃO CORPORAL? <ul><li>Para avançar as pesquisas sobre as relações entre a composição corporal e outros fenômenos físicos e psicológicos: </li></ul><ul><ul><li>Estudos para conhecer a relação da composição corporal com outras doenças e em diferentes ciclos da vida. </li></ul></ul>Aptidão morfológica
  11. 11. POR QUE AVALIAR A COMPOSIÇÃO CORPORAL? <ul><li>Para o uso no desenvolvimento de produtos e no estabelecimento de padrões de segurança: </li></ul><ul><ul><li>São dados para os criadores e constritores de produtos como roupas, automóveis, móveis, elevadores, que consideram a média destas informações. </li></ul></ul>Aptidão morfológica
  12. 12. MÉTODOS DE AVALIAÇÃO DE COMPOSIÇÃO CORPORAL <ul><li>Arquimedes </li></ul><ul><li>Grécia </li></ul><ul><li>22 séculos atrás </li></ul>Aptidão morfológica
  13. 13. PESAGEM HIDROSTÁTICA <ul><li>Princípio de Arquimedes </li></ul><ul><li>Medida da densidade de um objeto </li></ul><ul><li>“O peso da água deslocada é igual a diferença entre o peso corporal em terra firme e o peso subaquático” </li></ul>Aptidão morfológica
  14. 15. LIMITAÇÕES <ul><li>Inapropriada para ambientes pequenos </li></ul><ul><li>O tanque deve ser limpo, desinfetado, com água em temperatura ideal </li></ul><ul><li>Erro na estimativa do volume de ar residual </li></ul><ul><li>Pessoas que tenham medo de ficar totalmente submersas, com asma ou enfisema </li></ul><ul><li>Obesos mórbidos tendem a flutuar </li></ul>Aptidão morfológica
  15. 16. BOD POD <ul><li>Procedimento de composição corporal que estima a densidade corporal a partir de uma medida de deslocamento de ar. </li></ul>Aptidão morfológica
  16. 17. DOBRAS CUTÂNEAS <ul><li>Metade da gordura corporal está sob a pele </li></ul><ul><li>Dobra cutânea é uma dobra dupla de pele e da camada imediata de gordura subcutânea, medida em milímetros pelo compasso. </li></ul>Aptidão morfológica
  17. 18. TIPOS DE COMPASSO Aptidão morfológica
  18. 19. TIPOS DE COMPASSO <ul><li>Utilizar o tipo e a marca do compasso que foi utilizado para desenvolver o procedimento selecionado </li></ul><ul><li>Pesquisa: </li></ul><ul><ul><li>Sete dobras, compasso de Langer ou Harpender </li></ul></ul><ul><li>Clínica ou campo: </li></ul><ul><ul><li>De uma a quatro dobras </li></ul></ul><ul><ul><li>Jackson e Pollock 3 ou 7 dobras </li></ul></ul>Aptidão morfológica
  19. 20. COMO MEDIR <ul><li>Usar o indicador e polegar da mão esquerda, 1 cm acima do ponto de medida da dobra </li></ul><ul><li>Dobra com lados paralelos </li></ul><ul><li>Compasso posicionado de forma perpendicular a dobra </li></ul>Aptidão morfológica
  20. 21. LOCALIZAÇÃO <ul><li>Praticar a localização precisa dos pontos </li></ul><ul><li>Usar fita métrica e caneta lavável </li></ul><ul><li>Não há unanimidade nas localizações dos pontos das dobras cutâneas </li></ul><ul><li>“ Anthropometric standardization reference manual” </li></ul>Aptidão morfológica
  21. 22. Aptidão morfológica
  22. 28. JACKSON E POLLOCK Mulheres <ul><li>Objetivo: </li></ul><ul><ul><li>Avaliação rápida e prática da composição corporal em mulheres </li></ul></ul><ul><ul><li>Estimam gordura corporal para mulheres de 18 a 57 anos que possuem % de gordura entre 9 e 45% </li></ul></ul>Aptidão morfológica
  23. 29. JACKSON E POLLOCK Mulheres <ul><li>Dobras usadas: </li></ul><ul><ul><li>Tríceps, abdominal e suprailíaca </li></ul></ul><ul><li>Recomendado o compasso de Lange </li></ul><ul><li>Ler o mostrador do compasso para o 0,5mm mais próximo, 1 a 2 segundos após aplicar a pressão </li></ul><ul><li>Coletar a medida pelo menos 2 vezes </li></ul><ul><li>Ler % de gordura corporal estimada na tabela </li></ul>Aptidão morfológica
  24. 30. JACKSON E POLLOCK Homens <ul><li>Objetivo: </li></ul><ul><ul><li>Avaliação válida e prática de campo da composição corporal de homens </li></ul></ul><ul><ul><li>Estima quantidade de gordura corporal para homens com idade entre 18 e 57 anos, com % entre 2 e 35% </li></ul></ul>Aptidão morfológica
  25. 31. JACKSON E POLLOCK Homens <ul><li>Dobras utilizadas: </li></ul><ul><ul><li>Peitoral </li></ul></ul><ul><ul><li>Tricipital </li></ul></ul><ul><ul><li>Subescapular </li></ul></ul><ul><li>Compasso de Lange, com pelo menos duas medidas em cada dobra </li></ul>Aptidão morfológica
  26. 32. CIRCUNFERÊNCIAS <ul><li>Medidas de circunferências são úteis para: </li></ul><ul><ul><li>Determinar padrões de distribuição de gordura de um indivíduo </li></ul></ul><ul><ul><li>Identificar mudanças no padrão de gordura de uma pessoa ao longo do tempo </li></ul></ul><ul><ul><li>Classificar os indivíduos dentro de um grupo de acordo com a gordura </li></ul></ul>Aptidão morfológica
  27. 33. COMO MEDIR <ul><li>Fita métrica flexível, não elástica e estreita </li></ul><ul><li>Segurar o “zero” da fita com a mão esquerda, exatamente abaixo ou acima da fita restante, com a mão direita </li></ul>Aptidão morfológica
  28. 34. LOCALIZAÇÃO <ul><li>A colocação da fita é perpendicular ao eixo longo da parte do corpo e paralela ao chão </li></ul><ul><li>Acomodar a fita sem pressão </li></ul>Aptidão morfológica
  29. 35. KATCH E McARDLE Mulheres <ul><li>Objetivo: </li></ul><ul><ul><li>Estimar a porcentagem de gordura corporal a partir da medida de circunferências selecionadas de mulheres com idades entre 17 e 26 anos </li></ul></ul>Aptidão morfológica
  30. 36. KATCH E McARDLE Mulheres <ul><li>Circunferências utilizadas: </li></ul><ul><ul><li>Abdominal </li></ul></ul><ul><ul><li>Coxa direita </li></ul></ul><ul><ul><li>Antebraço direito </li></ul></ul><ul><li>Medida duas vezes </li></ul><ul><li>Aredondado para o 0,5cm mais próximo </li></ul>Aptidão morfológica
  31. 38. KATCH E McARDLE Mulheres <ul><li>Aplicar na tabela para determinar o valor das constantes A, B e C </li></ul><ul><ul><li>Não praticante regular de exercícios vigorosos (mínimo de 240minutos por semana): </li></ul></ul><ul><ul><li>%GC= const A+const B-const C-19,6 </li></ul></ul>Aptidão morfológica
  32. 39. KATCH E McARDLE Mulheres <ul><li>Aplicar na tabela para determinar o valor das constantes A, B e C </li></ul><ul><ul><li>Praticante regular de exercícios (mínimo de 240minutos por semana): </li></ul></ul><ul><ul><li>%GC= const A+const B-const C-22,6 </li></ul></ul>Aptidão morfológica
  33. 40. KATCH E McARDLE Homens <ul><li>Objetivos: </li></ul><ul><ul><li>Estimar a porcentagem de gordura corporal a partir da medida de circunferênciasselecionadas de homens com idade entre 17 e 26 anos </li></ul></ul>Aptidão morfológica
  34. 41. KATCH E McARDLE Homens <ul><li>Circunferências utilizadas: </li></ul><ul><ul><li>Abdominal </li></ul></ul><ul><ul><li>Porção superior do braço direito </li></ul></ul><ul><ul><li>Antebraço direito </li></ul></ul><ul><li>Usar a tabela para determinar o valor das constantes A, B, e C </li></ul>Aptidão morfológica
  35. 43. KATCH E McARDLE Homens <ul><li>Não praticante regular de exercícios vigorosos (mínimo de 240minutos por semana): </li></ul><ul><ul><li>%GC= const A+const B-const C-10,2 </li></ul></ul>Aptidão morfológica
  36. 44. KATCH E McARDLE Homens <ul><li>Praticante regular de exercícios vigorosos (mínimo de 240minutos por semana): </li></ul><ul><ul><li>%GC= const A+const B-const C-14,2 </li></ul></ul>Aptidão morfológica
  37. 45. ANÁLISE BIOELÉTRICA DA COMPOSIÇÃO CORPORAL <ul><li>Método par a determinação da composição corporal calculado a partir da resistência à corrente elétrica </li></ul><ul><li>Tecidos magros, por conterem mais água conduzem melhor a eletricidade do que tecidos gordurosos </li></ul>Aptidão morfológica
  38. 47. ANÁLISE BIOELÉTRICA DA COMPOSIÇÃO CORPORAL <ul><li>Vantagens: </li></ul><ul><li>Treinamento mínimo </li></ul><ul><li>Técnica não invasiva </li></ul><ul><li>Rápida e prática </li></ul><ul><li>Várias informações para o cliente </li></ul><ul><li>Desvantagens: </li></ul><ul><li>Resultado pouco fidedigno </li></ul><ul><li>Sofre influências de TPM, retenção hídrica, cafeína, exercício, idade, hora do dia, jejum </li></ul>Aptidão morfológica
  39. 48. INTERACTÂNCIA DE INFRAVERMELHO <ul><li>Utilizado comercialmente para medir a gordura nas carnes </li></ul><ul><li>É um pequeno instrumento, que é segurado sobre o bíceps e feita a leitura </li></ul><ul><li>Rápido e não invasivo </li></ul><ul><li>Erro padrão maior que 4,0% </li></ul>Aptidão morfológica
  40. 49. ABSORTOMETRIA DE RAIOS X DE DUPLA ENERGIA (DXA) <ul><li>Três componentes de composição corporal: </li></ul><ul><ul><li>Ossos </li></ul></ul><ul><ul><li>Gordura </li></ul></ul><ul><ul><li>Tecidos moles magros </li></ul></ul><ul><li>Alto custo, porém rápido </li></ul><ul><li>Pode ser usado em adultos, crianças e idosos </li></ul>Aptidão morfológica
  41. 50. AVALIAÇÃO DO PERCENTUAL DE GORDURA <ul><li>O que o % de gordura significa? </li></ul><ul><li>Padrões de gordura corporal saudáveis: </li></ul><ul><ul><li>Dados epidemiológicos do NHANES </li></ul></ul><ul><ul><li>Amostra internacional, muito grande, de homens e mulheres </li></ul></ul><ul><ul><li>Separados por sexo e idade </li></ul></ul>Aptidão morfológica
  42. 51. NOVOS PADRÕES SAUDÁVEIS DE PERCENTUAL DE GORDURA PARA HOMENS E MULHERES Adaptado de Lohman, T.G. Body fat mensurament goes hightech: not all are created equal. ACSM’s Health & Fitness Journal, p37, 1997 Aptidão morfológica       22 25 23 35 38 35 13 18 16 28 32 30 8 10 10 20 25 25 <8 <10 <10 <20 <25 <25 HOMENS Jovens Meia-idade Idosos MULHERES Jovens Meia-idade Idosas Obesidad Superior Central Inferior Não recomendado
  43. 52. QUESTIONANDO... <ul><li>Amplitude grande para gordura aceitável </li></ul><ul><li>Mortalidade: em níveis de gordura muito alta ou muito baixa </li></ul><ul><li>Gordura essencial </li></ul><ul><li>Quando começa a obesidade? </li></ul>Aptidão morfológica
  44. 53. EFEITO DA IDADE NA AVALIAÇÃO DA COMPOSIÇÃO CORPORAL <ul><li>Menor quantidade de gordura subcutânea </li></ul><ul><li>Maior quantidade de gordura envolvendo órgão internos </li></ul><ul><li>Ossos mais porosos </li></ul>Aptidão morfológica
  45. 54. EFEITO DA IDADE NA AVALIAÇÃO DA COMPOSIÇÃO CORPORAL <ul><li>É comum ganhar peso de gordura conforme se envelhece </li></ul><ul><li>A obesidade progressiva é a tendência de adultos mais velhos acumulares gradualmente maiores quantidades de gordura corporal, resultado mais provável das adaptações de uma vida sedentária </li></ul>Aptidão morfológica
  46. 55. GORDURA CORPORAL PARA UM ÓTIMO BEM-ESTAR E DESEMPENHO ESPORTIVO <ul><li>Para pessoas não atletas, preocupadas com a aptidão física geral, com estilo de vida ativo </li></ul><ul><li>Recomendações diferentes daquelas para a saúde em geral e as médias para os atletas </li></ul>Aptidão morfológica
  47. 56. NOVOS PADRÕES DE APTIDÃO DE PERCENTUAL DE GORDURA PARA HOMENS E MULHERES ATIVOS Adaptado de Lohman, T.G. Body fat mensurament goes hightech: not all are created equal. ACSM’s Health & Fitness Journal, p37, 1997 Aptidão morfológica 33 27 20 Idosas 33 27 20 Meia-idade 28 23 16 Adultas jovens MULHERES 18 12 9 Idosos 18 11 7 Meia-idade 15 10 5 Adultos jovens HOMENS SUPERIOR CENTRAL INFERIOR
  48. 57. GORDURA CORPORAL PARA A ESTÉTICA <ul><li>Valorizar o sentimento do cliente </li></ul><ul><li>Não deixar que a beleza seja definida pela moda e pela mídia </li></ul><ul><li>Priorizar sempre a saúde </li></ul><ul><li>Reforçar os benefícios e fazer com que o cliente aprenda a aceitar seu corpo </li></ul>Aptidão morfológica
  49. 58. PESO IDEAL A PARTIR DO % DE GORDURA <ul><li>Determine o % de gordura e o peso corporal total </li></ul><ul><li>Calcule o peso de gordura e o peso de massa corporal magra </li></ul><ul><ul><li>PG = %GC x PCT </li></ul></ul><ul><ul><li>PMCM = PCT – PG </li></ul></ul><ul><li>Determine o % de gordura desejado </li></ul>Aptidão morfológica
  50. 59. PESO IDEAL A PARTIR DO % DE GORDURA <ul><li>Determine o % de massa magra desejada </li></ul><ul><ul><li>1 - %GC desejada = %MCM desejada </li></ul></ul><ul><li>Calcule o peso corporal desejado dividindo o PMCM pelo % de MCM desejada </li></ul><ul><li>Calcule o peso de gordura a ser perdido ou ganho </li></ul><ul><ul><li>PCT – PC desejado = PG a ser ganho ou perdido </li></ul></ul>Aptidão morfológica
  51. 60. PESO IDEAL A PARTIR DO % DE GORDURA <ul><li>EXEMPLO : </li></ul><ul><li>Mulher, 20 anos, 160cm, ativa </li></ul><ul><ul><li>Peso corporal total = 68 Kg </li></ul></ul><ul><ul><li>PG = 0,32 x 68 = 21,7Kg </li></ul></ul><ul><ul><li>PMCM = 68 – 21,7 = 46,3 Kg </li></ul></ul><ul><ul><li>%GC atual = 32% (três dobras) </li></ul></ul>Aptidão morfológica
  52. 61. PESO IDEAL A PARTIR DO % DE GORDURA <ul><ul><li>%GC desejada = 23% </li></ul></ul><ul><ul><li>%MCM desejada = 1 – 23% = 0,77 </li></ul></ul><ul><ul><li>PC desejado = 46,3/0,77 = 60,1Kg </li></ul></ul><ul><ul><li>PG a ser perdido = 68Kg – 60,1 = 7,9Kg </li></ul></ul>Aptidão morfológica
  53. 62. TÉCNICAS PARALELAS PARA A COMPOSIÇÃO CORPORAL Aptidão morfológica
  54. 63. ÍNDICE DE MASSA CORPORAL <ul><li>IMC = PESO/(ALT x ALT) </li></ul><ul><li>Largamente utilizado em estudos </li></ul><ul><li>Erro padrão grande </li></ul><ul><li>Relação entre IMC e gordura corporal é imprecisa </li></ul>Aptidão morfológica
  55. 64. CLASSIFICAÇÃO PELO IMC Clinical Guidelines on the identification, evaluation and treatment of overweight and obesity in adults. Wahington, National Institutes of Health, 1998 Aptidão morfológica = ou > 40 III Obesidade mórbida 35 a 39,9 II 30 a 34,9 I Obesidade 25 a 29,9 Sobrepeso 18,5 a 24,9 Normal <18,5 Baixo peso IMC (KG/M 2 ) CLASSE CLASSIFICAÇÃO
  56. 65. RAZÃO CINTURA/QUADRIL <ul><li>Obesidade central (maçã): maior risco para doenças cardiovasculares </li></ul><ul><li>Obesidade ginecóide (pêra): menor risco </li></ul>Aptidão morfológica
  57. 66. RAZÃO CINTURA/QUADRIL <ul><li>Ferramenta paralela rápida e fácil, criada por Ahmed Kissebah </li></ul><ul><li>Circunferência da cintura dividida pela circunferência do quadril </li></ul><ul><ul><li>Mulheres: 0,85 ou menos </li></ul></ul><ul><ul><li>Homens: 0,95 ou menos </li></ul></ul>Aptidão morfológica
  58. 67. CINTURA E QUADRIL Aptidão morfológica
  59. 68. CIRCUNFERÊNCIA DA CINTURA <ul><li>Pode substituir a RCQ como preditor de risco </li></ul><ul><li>Valores limites: </li></ul><ul><ul><li>Mulheres 89cm </li></ul></ul><ul><ul><li>Homens 101cm </li></ul></ul><ul><li>Homens e mulheres com IMC acima de 25Kg/m2 e CC acima de valores limites, possuem maior risco para DCV e DM </li></ul>Aptidão morfológica
  60. 70. COMPOSIÇÃO CORPORAL EM CRIANÇAS Aptidão morfológica
  61. 71. AVALIAÇÃO DAS DOBRAS CUTÂNEAS <ul><li>Equações de adultos não são válidas para crianças </li></ul><ul><ul><li>Mais água </li></ul></ul><ul><ul><li>Maior conteúdo mineral ósseo </li></ul></ul><ul><li>Lohman, conduziu pesquisas extensas com crianças e propôs dois procedimentos práticos, válidos e fidedignos </li></ul>Aptidão morfológica
  62. 72. AVALIAÇÃO DO PERCENTUAL DE GORDURA PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES <ul><li>Objetivo: </li></ul><ul><ul><li>Avaliar a gordura corporal em crianças e adolescentes e fornecer uma estimativa válida e fidedigna do percentual de gordura corporal a partir da dobra cutânea tricipital e da panturrilha </li></ul></ul>Aptidão morfológica
  63. 73. AVALIAÇÃO DO PERCENTUAL DE GORDURA PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES <ul><li>Dobras utilizadas: </li></ul><ul><ul><li>Tricipital </li></ul></ul><ul><ul><li>Panturrilha </li></ul></ul><ul><li>Coletar 3 medidas em cada dobra, resgistrando o valor mediano </li></ul><ul><li>Somar a medida tricipital e da panturrilha e converter para % de gordura de acordo com os normogramas </li></ul>Aptidão morfológica
  64. 74. Aptidão morfológica
  65. 75. DOBRAS CUTÂNEAS RECOMENDADAS PELA OMS <ul><li>Subescapular </li></ul><ul><li>Tricipital </li></ul><ul><li>Classificadas em percentis, pelo padrão de referência NCHS </li></ul><ul><ul><li>Acima do percentil 90 = obesidade </li></ul></ul>Aptidão morfológica
  66. 76. COMENTÁRIOS... <ul><li>Tomar cuidado quando recomendar perda ou ganho de peso para crianças e adolescentes </li></ul><ul><li>Possibilidade de estimular o aparecimento de um distúrbio alimentar </li></ul><ul><li>Envolver pais e professores </li></ul>Aptidão morfológica
  67. 77. IMC PARA CRIANÇAS <ul><li>Calculado da mesma forma que para os adultos </li></ul><ul><li>Recomendado pela OMS </li></ul><ul><li>Classificação pelo NIN/CDC </li></ul><ul><ul><li>Sobrepeso entre p85 - p95 </li></ul></ul><ul><ul><li>Obeso > p95 </li></ul></ul><ul><li>Classificação OMS, 1995 </li></ul><ul><ul><li>< p5 Abaixo do peso </li></ul></ul><ul><ul><li>Entre p85-95 - Em risco de sobrepeso </li></ul></ul><ul><ul><li>>p95 - Sobrepeso </li></ul></ul>Aptidão morfológica
  68. 78. SUGESTÕES PARA A AVALIAÇÃO DA COMPOSIÇÃO CORPORAL <ul><li>Explique a avaliação </li></ul><ul><li>Preserve a privacidade do cliente </li></ul><ul><li>Conduza a avaliação em um ambiente diferente daquele das medidas </li></ul><ul><li>Não enfatize demais a magreza </li></ul><ul><li>Reconheça as limitações da avaliação da comosição corporal </li></ul>Aptidão morfológica
  69. 79. SUGESTÕES PARA A AVALIAÇÃO DA COMPOSIÇÃO CORPORAL <ul><li>Encoraje os clientes a fazerem perguntas e expressarem seus sentimentos sobre a avaliação </li></ul><ul><li>Siga a avaliação com recomendações apropriadas sobre dieta e exercícios </li></ul><ul><li>Mantenha a confidencialidade dos registros da composição corporal </li></ul>Aptidão morfológica
  70. 80. <ul><li>Trabalhar a Auto-Estima </li></ul><ul><li>Trabalhar a Auto-Imagem </li></ul><ul><li>Reforço Positivo – O poder do Elogio </li></ul>Sofrimento Emocional

×