Tabuleiro O Povo E A Terra

17,900 views

Published on

Livro de Gumercindo Cláudio Maia

Published in: Education, Technology
2 Comments
3 Likes
Statistics
Notes
  • Sou neta de Zacarias Cândido da Silva (já falecido) e sempre tive curiosidade de descobrir onde mora a familia do meu avô, o que eu sei é que ele era de Limoeiro do Norte no Ceará e quando tinha mais ou menos 14, 15 anos ele foi entregue a uma família que veio trabalha no Acre no Amazonas, lá ele conheceu minha avó e casou, teve vários filhos e quando eram ainda crianças ele veio com a família morar em um Municipio de Manaus no Amazonas. Meu e-mail é: betelins@hotmail.com
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
  • A foto em baixo da Emília Rodrigues Chaves é do meu avô Luíz Chaves, casado com Maria Maia Chaves e pais de Maria Zildenir Chaves Costa (minha mãe), Zildeirton Chaves e José Ziltamir Chaves (meus tios)
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
No Downloads
Views
Total views
17,900
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
80
Comments
2
Likes
3
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Tabuleiro O Povo E A Terra

  1. 1. Gumercindo Cláudio Maia GUMERCINDO CLÁUDIO MAIA TABULEIRO, O POVO E A TERRA 1999
  2. 2. Gumercindo Cláudio Maia
  3. 3. Gumercindo Cláudio Maia D E D I C O A memória de meus pais Que me trouxeram a vida. À minha esposa Anita com amor. Aos meus filhos: José Ribamar, José Arimatéa, Maria Ilnah, Maria Sylda, Maria Stela, José Cláudio, E José Valter. Aos meus genros e noras: Celínio, Chico, Jefferson, Vera Terezinha e Cristiane. Aos meus netos: Rodrigo, Ana Lycea, Rafael, Caroline, Bruno (in-memoriam), Natália, Caio, Dante, Dalmo, Felipe, Yuri, Mariana, Tibério e Vitor.
  4. 4. Gumercindo Cláudio Maia REVISÃO Maria Enilde Lima Chaves CAPA CARNAUBAIS DO VALE JAGUARIBANO FOTOGRAFIAS ARQUIVO DO AUTOR DIGITAÇÃO E CORREÇÃO José Ribamar Ferreira Maia Rua Maia Alarcon, 603 – Fone 088 3424 1253 CEP 62.960-000 – Tabuleiro do Norte – CE
  5. 5. Gumercindo Cláudio Maia AUTOBIOGRAFIAAUTOBIOGRAFIAAUTOBIOGRAFIAAUTOBIOGRAFIA Gumercindo Cláudio Maia nasceu a seis de julho de 1920, na localidade Saco do Barro, município de Tabuleiro do Norte. Filho de Acelino Alves Maia e Maria Senhorinha de Jesus, pecuaristas da região. Em 1929 aos nove anos de idade, freqüentou, pela primeira vez, uma escola, tendo como professor o Sr. Francisco Cidrônio, com o qual aprendeu as lições da carta de ABC. Retornou à escola, pela Segunda vez, em 1933. Desta feita o seu professor foi o Sr. Hermenegildo Mariano. Levou para estudar, um livro de primeira leitura, do professor Antônio Firmino de Proença. Foi um mês e poucos dias de aula. Em 1937, voltou à escola, pela terceira vez, para estudar numa Escola Noturna com o professor Raimundo Afonso Loureiro. Nesta escola, ficou conhecendo um pouco de Gramática-Portuguesa, apesar dos poucos dias de aula. Em 1940, já com 20 anos de idade, voltou à escola, pela quarta e última vez, para aprender um pouco de Aritmética. Até ali não sabia fazer uma conta de somar. Comprou uma Aritmética Elementar do professor Antônio Trajano e foi com este pequeno livro estudar com o professor Cândido Moreira Maia. Em resumo, juntando os quatro períodos escolares, não somaram seis meses de aula. Em 16 de fevereiro de 1950, tirou sua carteira de motorista profissional (CNH) e exerceu a profissão até 1959, quando ingressou no serviço público estadual, na Secretaria da Fazenda, em oito de maio de 1959, permanecendo até quatro de abril de 1987, quando foi afastado, a pedido, aguardando aposentadoria, na categoria de Auditor Fiscal – TAF 21.
  6. 6. Gumercindo Cláudio Maia APRESENTAÇÃO Escrever não é tarefa fácil. E escrever principalmente, sobre família ou pessoas antigas, torna-se ainda mais árdua. Árdua e gratificante. O presente livro que poderá se tornar um informativo histórico, é fruto de um trabalho persistente e dedicado do autor, que no curso de sete anos, pesquisou, procurando informações que se aproximassem da realidade das gerações passadas. Gumercindo Cláudio Maia, cidadão tabuleirense, preocupou-se em preservar e repassar a memória, principalmente, às novas gerações, através de fatos e dados biográficos de algumas pessoas, que certamente contribuíram, com o seu trabalho, na construção do município de Tabuleiro do Norte. Procurou nas conversas e entrevistas com pessoas mais vividas, resgatar e colher informações, que forneceram subsídios para escrever este livro, que está dividido em quatro partes, assim distribuído: A primeira parte visa esclarecer e mostrar uma parte da família “Maia”, que está bastante dividida em grupos, que representam as famílias e suas descendências. A Segunda parte trata das famílias nominalmente, procurando esclarecer as suas origens. A terceira parte refere-se a pessoas que não fazem parte da família tabuleirense, mas aqui residiram e foram homenageadas. A Quarta parte enfoca as localidades que compõem o município e seus moradores, retratando algumas famílias. Apesar do esforço do autor, não deixa de ficar alguém sem constar neste compêndio, por falta de lembrança ou de informações. José Arimatéa Ferreira Maia
  7. 7. Gumercindo Cláudio Maia DIVISÕES E GRUPOS FAMÍLIA MAIA 1 - Francisco Alves Maia Alarcon 11 2 - Antônio Ferreira Maia 15 3 - Vicente Lobo dos Santos Maia 21 4 - Cel. Antônio Manoel Ferreira Maia 25 5 - Francisco Alves Ferreira Maia 29 6 - José Moreira Maia 33
  8. 8. Gumercindo Cláudio Maia FRANCISCO ALVES MAIA ALARCON Francisco Alves Maia Alarcon, não sabemos porque este sobrenome espanhol. Era conhecido como latinista, por ser licenciado em latim. Passava-se por Jesuíta que fugira às perseguições de Pombal. (João Brígido, Ceará Homens e Fatos, página 144, ano 1919). Se for considerada essa tese, Francisco Alves Maia Alarcon, chegou em nossa terra depois de 1751. Razão porque, Sebastião José de Carvalho e Melo – Marquês de Pombal – assumira o cargo de Primeiro Ministro de Portugal, com a ascensão de Dom José I, ao reino deste país, no ano de 1751 até 1777. Por todos estes 26 anos, Pombal tinha condições e poder para perseguir os Jesuítas. Quem não obedecesse cegamente as determinações de Pombal, sofreria penas rigorosas; foi nessa época a perseguição aos Jesuítas, em Portugal e no Brasil. Era forte o Marquês de Pombal. Maia Alarcon, assumiu de fato a administração da Fazenda São José, localizada na região chamada Tabuleiro de Areia, na segunda metade do século XVIII. Maia Alarcon foi Capitão do Regimento de Cavalaria Auxiliar, sediado em Russas. Exerceu funções de médico e boticário. Casou-se com Luzia Maria Maciel, filha do português João Rodrigues Ferreira e Joana Paes Maciel, filha de Luciano Cardoso de Vargas (o Abraão do Jaguaribe). Maia Alarcon ficou viúvo e casou-se mais uma vez, no ano de 1789, com Teresa Francisca, filha de Eugênio da Rocha Bezerra e Ana Maria de Jesus. Do casamento com Luzia Maria Maciel, o casal teve seis filhos. Eis os nomes:
  9. 9. Gumercindo Cláudio Maia 1º) Francisco Alves Maia Alarcon (filho), casado com Teresa Francisca Joaquina de Jesus, filha de João Velho Gondim e Antônia Maria do Nascimento. 2º) José Felipe Maia Alarcon, casado com Teresa de Jesus Maria, filha de Francisco Xavier Ribeiro e Ângela da Silva Moreira. 3º) Luzia Ferreira Maia, casou-se com José Moreira de Sousa, filho de Manoel Moreira de Sousa. 4º) Reinaldo Maia Alarcon, casou-se com Francisca Angélica do Céu Empíreo, filha de Eugênio da Rocha Bezerra e Ana Teresa Maria de Jesus. Há informantes que dizem ser, Ana Maria da Assunção da Santa Cruz a Segunda mulher, do segundo matrimônio de Reinaldo Maia Alarcon. 5º) Ana Felícia de Jesus Maia, casou-se na família Nogueira, do Riacho do Sangue (Jaguaretama). 6º) Quitéria Maia, também casou-se no Riacho do Sangue, na família Pinheiro. Todas essas informações foram coletadas de Pequena História do Ceará – Raimundo Girão. -x- Em Tabuleiro do Norte, na localidade de Gangorrinha, existe a família Felipe Maia, que é descendente de Joaquim Felipe Maia, um cidadão que morou ali no início do século XIX, casado com uma mulher de nome Delfina, que descende de outro ramo da Família Maia. Joaquim Felipe Maia era irmão de Antônio Torquato Felipe Maia, casado com Rosa Maria, irmã de Delfina. O casal Joaquim Felipe e Delfina, teve nove filhos: José Felipe Maia, Cândido Felipe Maia, Antônio Felipe Maia, Francelino Felipe Maia (França), e as mulheres: Felícia, Salviana, Luzia, Maria e Sabina.
  10. 10. Gumercindo Cláudio Maia Antônio Torquato Felipe Maia foi casado com Rosa Maria, ,irmã mais nova de Delfina, filhas de José Francisco Galvão e Luzia Ferreira Maia. Este casal teve três filhos que enumeramos: 1º) Manoel Felipe Maia (Manoel Torquato), casado com Maria Moreira Maia, filha de João Moreira de Sousa e Inês Maria do Espirito Santo. 2º) Rosa Lina do Amor Divino, casada com Juvenal Alves da Rocha, filho de Antônio Alves da Rocha e Alexandrina Joaquina de Jesus. 3º) Ana Felícia, casou-se com Vicente Gomes de Melo(Vicente Trajano). Estes residiam na localidade de São Sebastião, em Apodi, Rio Grande do Norte. Essa descendência, até que me provem o contrário, é de José Felipe Maia Alarcon. -X- Da descendência de Reinaldo Maia Alarcon, localizamos uma mulher: Francisca Rosa Gondim, casada com Manoel Lourenço de Oliveira Gondim. Este casal teve quatro filhos: 1º) Joaquim Lourenço Ferreira Maia (Quincó), casado com Francisca Maria da Glória. Morava na povoação de Tabuleiro de Areia (Tabuleiro do Norte). Era o pai de José Luiz Ferreira Maia, Luiz Marcelino Ferreira Maia e Joaquim Ferreira Maia. 2º) Antônio Joaquim Ferreira Maia, Coronel da Guarda Nacional, casado com Luzia Ferreira Maia, filha de João Monteiro de Oliveira Gondim (João Reinaldo). O Coronel Antônio Joaquim era o pai de Arsênio Ferreira Maia e Eugênio Ferreira Maia, com residência em Limoeiro do Norte. 3º) Manoel Lourenço de Oliveira Gondim, (Leléo), casado com Joana Monteiro de Oliveira Gondim.
  11. 11. Gumercindo Cláudio Maia Leléo morava no sitio Bebedouro. Foi Leléo um dos antecessores da família Gondim, neste Município. 4º) Maria, casou-se com José Sabino Maia. São os pais de Manoel Lourenço Alves Maia (Manezinho do juazeiro), onde residia a sua família. Pela Lei Municipal Nº 115, de 24 de maio de 1967, e promulgada pelo então Prefeito Municipal Alcides Monteiro Chaves, foi denominada de Rua Maia Alarcon, a rua da Igreja, que tem início do lado esquerdo do cemitério, onde termina a rua Manoel Lourenço, que também consta da mesma Lei Nº 115, de 24 de maio de 1967.
  12. 12. Gumercindo Cláudio Maia ANTÔNIO FERREIRA MAIA Outro Maia que aportou na Região Jaguaribana, foi “Antônio Ferreira Maia”, vindo de Catolé do Rocha, Estado da Paraíba. Filho do Português Francisco Alves Maia, casado com a pernambucana Teodósia Ferreira da Silva, filha de Bento de Araújo Barreto. Talvez por laços de parentesco, com Francisco Alves Maia Alarcon, Antônio Ferreira Maia também mudou-se para o Ceará, indo morar no Riacho do Sangue (Jaguaretama), na Segunda metade do século XVIII, casando-se com Mariana Ferreira Maciel, nascida em 27 de abril de 1734, em Russas, irmã de Luzia Maria Maciel, esposa de Francisco Alves Maia Alarcon. Antônio Ferreira Maia, nasceu numa data de Sesmaria, herdada por seu pai, do sogro Bento de Araújo Barreto, denominada “Bom Jesus da Cachoeira”, hoje Município de Brejo do Cruz, no Estado da Paraíba. (Américo Sérgio Maia, para o autor). É possível que, Antônio Ferreira Maia tenha residido em Jaguaretama, mas o que confunde é a presença da família Ferreira Maia, em Tabuleiro, e Limoeiro do Norte. Aparecer somente no Baixo-Jaguaribe, subentende-se que, Antônio ferreira Maia, tenha saído de Jaguaretama, mudando-se para o Baixo-Jaguaribe. São filhos de Antônio Ferreira Maia e Mariana Ferreira Maciel: Vicente Ferreira Maia, José Ferreira Maia, Francisco Ferreira Maia, Ana Quitéria Ferreira Maia, Felícia Ferreira Maia, João Batista Maia e Teresa Ferreira Maia. João Batista Maia, casou-se com Josefa Maria do Nascimento. Foi o único dos filhos de Antônio Ferreira Maia, de que se tem notícias possivelmente exatas. Consta em “Ceará Homens e fatos”, página 148 e 149 (João Brígido),
  13. 13. Gumercindo Cláudio Maia que João Batista Maia, era um homem bem sucedido e respeitado, sendo o líder da Família Maia, em Tabuleiro. Por ter acusado Ângelo do Gado Bravo de roubo de gado em sua fazendo, foi assassinado em frente à capela de Nossa Senhora das Brotas, em janeiro de 1846, um mês depois das festas em homenagem a seu filho, Padre João Batista Alves Maia, que celebrou a primeira missa de ordenação, em 08 de dezembro de 1845, depois de ordenado em Olinda Pernambuco. Em frente à Igreja de Nossa Senhora das Brotas, existe uma casa que foi construída há muitos anos pelo Senhor Chiquinho de Leléo. Bem em frente da mesma casa, havia uma pedra plana onde puseram o corpo de João Batista Maia, depois de morto, a tiro de bacamarte. O construtor da referida casa, transportou a citada pedra para dentro do muro, que ficou servindo de batente da porta da cozinha, onde se encontra atualmente, embora coberta com cimento, mas está lá. Há quem diga, que João Batista Maia tinha dez filhos. É difícil sabermos, com exceção do Padre João Batista Alves Maia e Luzia Ferreira Maia. Em memória a João Batista Maia, foi seu nome posto em uma rua do centro da cidade. “Rua Batista Maia”. Inicia-se ao lado direito da Capela de Santo Antônio, onde termina a Rua José Muniz. Luiza Ferreira Maia casou-se com José Francisco Galvão, (origem desconhecida). Residiam num sitio próximo ao povoado de Tabuleiro, por onde atualmente passa a Avenida Antônio Alves Maia. Dos quatro filhos identificados de Luzia Maia, veremos em seguida: 1º) Raimundo Francisco Galvão, casado com Joana Moreira de Sousa. O casal teve dez filhos: • Manoel Moreira Galvão, casado com Semírames, de Apodi RN. • Antônio Moreira Galvão, casado com Calasinha, filha de Chico Vidal, dos Morros.
  14. 14. Gumercindo Cláudio Maia • Pedro Moreira Galvão casou-se com Tibúrcia, de Aracoiaba. • José Moreira Galvão casou-se com Maria Avelina, da Família Vidal. • França casou-se com João Enes da Silva. • Maria Galvão (Maroca) casou-se com Vicente Alves Ferreira Maia. • Luzia Maria Maia casou-se com Antônio Ferreira Maia, irmão de Vicente Maia. • Francisca (Chiquinha) casou-se com André Leitão. • Joaninha casou-se com Vicente Moreira de Sousa. • Mariana, Segunda esposa de João Enes da Silva. Raimundo Francisco Galvão morava num sítio que ficou conhecido como “O Galvão”. Construiu um açude onde mantinha um pequeno criar. Fez várias viagens ao Amazonas. Precisava ganhar dinheiro para ajudar no sustento da família, porque vivia basicamente da agricultura. 2º) Alexandrina Joaquina de Jesus, uma das três filhas de Luzia Maia e José Francisco, casou-se com Antônio Alves da Rocha, filho de Manezinho da Rocha, de Catolé do Rocha. Foram morar no sítio Alívio, hoje Sitio do Rocha. Construiu um açude pequeno e um cacimbão, que ainda hoje existem. O casal teve os seguintes filhos: • Juvenal Alves da Rocha, casado com Rosa Lina do Amor Divino. • Antônio Alves da Rocha Filho, casou-se com Guilhermina, da Região de Aracoiaba. • José Alves da Rocha, Casado com Francisca Marcionila Freire.
  15. 15. Gumercindo Cláudio Maia • Galdêncio Alves da Rocha faleceu solteiro, no Estado do Amazonas. • Jovêncio Alves da Rocha faleceu solteiro, em 1926. • Felisdona Maria do Espírito Santo, casada com Francisco José Ferreira. • Felismina Perolina da Rocha, casada com João Florentino Maia. • Maria Rocha, casada com Francisco Evangelista, do Município de Russas. • Francelina Eufrasina da Rocha faleceu solteira Destes nove irmãos, quem mais teve filhos foi Felisdona, hei-los: Acelino Alves Maia, Vicente Alves Ferreira, Antônio Balduino Maia, Pedro Laurindo Maia, Germano Alves da Rocha e José Alves da Rocha. Mulheres: Francisca Maria de Jesus (Neném), Emília Marcionilia de Jesus, Maria Luzia de Jesus (Marica), Maria de Jesus, e Maria do Carmo de Jesus. As outras duas filhas de Luzia Maia e José Francisco, Delfina e Rosa Maria, já foram citadas nas páginas anteriores, que tratam dos casamentos delas com Joaquim Felipe Maia e Antônio Torquato Felipe Maia. Dados sobre Acelino Alves Maia; Nasceu em 20 de setembro de 1881, na localidade de Sitio do Rocha. Em 1905, com 24 anos der idade, embarcou para o Amazonas; já era reservado o destino de todo o rapaz pobre da região, trabalhar nos seringais da Amazônia, com o fim de arranjar dinheiro para ter um futuro melhor. Acelino Alves Maia (meu pai), no Amazonas começou a trabalhar nas colônias do Pará. Subindo o rio foi
  16. 16. Gumercindo Cláudio Maia até o Acre; entrando pelo Rio Xapuri, foi cortar seringa no Rio Iaco, em território boliviano. De volta ao Ceará, comprou aos herdeiros de Antônio Torquato Felipe Maia, a propriedade que pertencera a este Senhor. Organizou uma pequena fazenda, inclusive com os apetrechos da época: um carro de boi com a boiada e um comboio arreado. Casou-se em 05 de novembro de 1911, com Maria Senhorinha de Jesus, filha de Antônio José Ferreira e Senhorinha Francelina de Jesus. Era católico, cumpridor dos mandamentos da Igreja. Irmão do Santíssimo Sacramento e confrade de São Vicente de Paula. Faleceu em 18 de junho de 1952. Hoje o seu nome é homenageado em uma das artérias públicas de nossa cidade. “Rua Acelino Maia”.
  17. 17. Gumercindo Cláudio Maia
  18. 18. Gumercindo Cláudio Maia VICENTE LÔBO DOS SANTOS MAIAVICENTE LÔBO DOS SANTOS MAIAVICENTE LÔBO DOS SANTOS MAIAVICENTE LÔBO DOS SANTOS MAIA Vicente Lobo dos Santos Maia, elemento chefe de um grupo originário do Estado da Paraíba, residente no Sítio Água Suja, num local por nome poço dos cavalos. Em Água Suja, também morava a lendária Quitéria Maria; diziam ser irmã de Vicente Lobo. Antônio Sabino Lobo, era seu irmão, e, morava em Olho D’água dos Currais, uma moradia muito escondida, próxima a vertente do Olho d’água. Vicente Lobo tinha um filho por nome de Felício Lobo dos Santos Maia, casado e tinha quatro filhos: João Felício Maia, casado com uma mulher de nome Maria; Felício Maia (Felicinho), não sabemos se ficou solteiro; Francisco Felício Maia (Chico Felício), casado com uma mulher de nome Joaquina e Maria da Trindade Maia, casada com José Joaquim, da Vaca Morta, Morada Nova. Chico Felício, como era conhecido, entre os irmãos, foi quem deixou maior número de filhos: Felício Alves Maia casou-se com Elviça, da família Isídio Gadelha; Ângelo Felício Maia, casou-se com Maria Feliciana; Antônio Felício Maia casou-se com Augusta, filha de Francisco Pereira de Melo e Celestina Maia, portanto sua sobrinha; José Australiano Maia (Dodô) casou-se com Maria Madalena; Juvêncio Felício Maia, casou-se com Maria Felícia e Celestina Maia, casou-se com Francisco Pereira de Melo. João Brígido informa que Vicente Lobo foi assassinado no Sítio Água Sujo, município de Tabuleiro, em 1845, membro importante da família Lobo Maia. Logo em janeiro de 1846, na povoação de Tabuleiro, teve a mesma sorte João Batista Maia, parente do precedente, homem de prestígio e liderança no seio da Família. Como não bastasse, no mês seguinte, fevereiro, foi morto em Olho D’água dos
  19. 19. Gumercindo Cláudio Maia Currais, Antônio Sabino Lobo, irmão de Vicente Lobo dos Santos. Estes três assassinatos foram postos a conta de Ângelo do Gado Bravo. Este homem terrível, tinha a seus serviços os mais afamados sicários da terra. Em vindita, porém, a 25 de maio de 1846, os Lobos o mandaram matar em sua fazenda Gado Bravo, dentro de sua própria casa, por uma malta de assassinos comandados por um irmão dos precedentes. (João Brígido, Ceará Homens e Fatos, páginas 148 e 149, Tipografia Besnard Frebes – Rio de Janeiro – 1919) -x- Falar em Quitéria Maria é como se fosse uma lenda; história cheia de contos divergentes. Seguindo uma trilha de informações de pessoas idosas, encontramos coisas até engraçadas. Veja: Quitéria foi casada com João Batista Maia. Quitéria foi casada com Diogo Saldanha. E, finalmente, Quitéria foi casada com João Ferreira de Aguiar. Quitéria Maria, realmente existiu como proprietária de uma fazenda no Sítio Água Suja. Com a sua partida para o seu estado natal, ficou a propriedade na posse de seu genro, Cap. Manoel Antônio. É certo que muitos anos depois, Pio da Costa Lima, para comprar a referida propriedade, teve que se deslocar ao Estado da Paraíba, para adquirir dos herdeiros do Capitão Manoel Antônio, legítimos possuidores dos direitos de posse daquelas terras. Quitéria tinha duas filhas. A primeira era casada com o Capitão Manoel Antônio e a Segunda, diziam morar num sítio no município de Alto Santo e era casada com o Coronel Antônio Manoel Ferreira Maia.
  20. 20. Gumercindo Cláudio Maia Fala-se, que depois das mortes dos três parentes, Quitéria teria voltado para a Paraíba, temendo ser também emboscada e assassinada, ficando o referido Capitão na direção da Fazenda.
  21. 21. Gumercindo Cláudio Maia CEL. ANTÔNIO MANOEL FERREIRA MAIACEL. ANTÔNIO MANOEL FERREIRA MAIACEL. ANTÔNIO MANOEL FERREIRA MAIACEL. ANTÔNIO MANOEL FERREIRA MAIA Informações pessoais nos dão que naquele tempo, membros da família Ferreira Maia, se envolviam em romances amorosos, como é o caso do Cel. Antônio Manoel Ferreira Maia, com uma mulher de nome Maria Chiquinha, residente no lugar Mundo Novo, teve um filho com o citado Coronel. O menino recebeu o nome de Vicente Alves Ferreira Maia (Vicente Maia), que casou-se com Maria Moreira Galvão (Maroca), filha de Raimundo Francisco Galvão e Joana Moreira de Sousa. Vicente Maia tinha um irmão de nome Antônio Ferreira Maia (Totonho). Não sabemos se era filho do mesmo pai. Esse Totonho casou-se com Luzia Maria Maia, irmã de Maroca, esposa de Vicente Maia. Vicente Alves Ferreira Maia tinha muitos filhos. Hei-los: 1º) Vicente Ferreira Maia, vulgo (Vicentim), nasceu em 1900; casou-se com Maria Amélia Colares, filha de Joaquim Bernardino Colares (Quincozinho) e Maria Josina de Andrade. 2º) Manoel Ferreira Maia, vulgo (Menel), casado com Adelaide Enes Maia, filha do Capitão João Enes da Silva. 3º) Francisco Alves Maia, vulgo (Chiquinho), casado com Joana de Oliveira Maia. 4º) José Ferreira Maia, vulgo (Zezinho), casado com Francisca Maia, vulgo (Chiquinha). 5º) Maria Vitalina Maia, vulgo (Sinhá), casou-se com Joaquim Moreira, residentes em São João do Jaguaribe. 6º) Delmina, casou-se com Luiz Alves da Rocha, filho de Juvenal Alves da Rocha. 7º) Isabel Maia (Belinha), casou-se com Raimundo Nanão, residentes no Figueiredo.
  22. 22. Gumercindo Cláudio Maia 8º) Joana Moreira casou-se com Vicente Freire, residentes em São João do Jaguaribe. Como podemos constatar a família de Vicente Alves Ferreira Maia, era bastante numerosa. -x- Antônio Ferreira Maia (Totonho), irmão de Vicente Maia, casou com Luzia Maria Maia, já citada; esta família é a mais numerosa. Criaram seus filhos numa propriedade em Sítio do Rocha, onde não havia escola para uma criança aprender as primeiras letras; era isso o que se podia chamar de vida de uma família na virada do século XIX. Eis os nomes dos filhos do casal e os consortes: 1º) Pedro Moreira de Sousa Galvão casado com Teodósia Maria de Santana. Filha de Manoel Felício de Carvalho Chaves. 2º) Antônio Maia de Sousa Galvão casado com Ana Maria de Oliveira, filha de Manoel Rodrigues de Oliveira (o velho Malveira). 3º) Henrique Maia de Sousa casou-se com Maria Senhorinha Maia. 4º) Cassimiro Moreira Maia casou-se com Maria Maia de Oliveira. 5º) João Maia casou-se com uma mulher de nome Raimunda, da família Nanão. 6º) André Moreira Maia casou-se com Ernestina Moreira Maia, filha de Antônio Balduino Maia. 7º) Francisco Alves Maia casou-se com Jovita Alves Maia, filha de José Alves da Rocha.
  23. 23. Gumercindo Cláudio Maia 8º) Adelaide casou-se com Francisco (Chiquinho) de Cassimiro, residente em Aracoiaba. 9º) Maria Moreira Maia casou-se com Sérvulo Moreira, residentes em São João do Jaguaribe. 10º, 11º e 12º) José Moreira Maia, Izaulino e Manoel Maia faleceram solteiros. Esta família pobre, rústica e trabalhadora vivia da caça, do criar e da agricultura de subsistência.
  24. 24. Gumercindo Cláudio Maia FRANCISCO ALVES FERREIRA MAIA Francisco Alves Ferreira Maia, um descendente da família mais dividida em grupos, de Tabuleiro do Norte. Possivelmente descende de Antônio ferreira Maia. Ele dizia ser filho e neto de dois Antônio Alves Maia. Será que um destes “Antônios” não seria Antônio Ferreira Maia? Ninguém sabe! O sobrenome Ferreira Maia, aparece em todos os ramos desta família e para complicar, a família Maia Alarcon, desprezou o sobrenome Alarcon e adotou o Ferreira Maia. Francisco Alves Ferreira Maia, vulgo (Chico Frade ou Chico Alves), casado com Rosa Maria de Santana, morava em Saco do Barro, no lugar onde hoje está sentado a casa de Valdon Maia de Lima. O casal Francisco Alves e Rosa Maria de Santana, era pai de dez filhos. Criaram todos naquele lugar que só dispunha de muita água, peixe, caça e muita terra de criar gado e caprinos. Escola nem se conhecia; somente trabalho e nada de educação. Vejamos os nomes dos filhos: 1º) Manoel Alves Ferreira Maia, casado com uma irmã de Manoel Cazuza. Enviuvou, casou novamente com Rosa Maria, que lhe deu os seguintes filhos: Joaquim Alves, Francisco, João, Antônio, Maria, Ana e José Alves, pai do Padre José Augusto. 2º) Zacarias Alves Ferreira Maia casou-se com Maria da Glória dos Anjos. 3º) João Bertoldo Ferreira Maia casou-se com Antônia Celestina Freire. 4º) José Joaquim Ferreira Maia, vulgo (Zé Frade), foi o Dom Juan da família em matéria de casamento. Casou-se quatro vezes: a 1ª esposa foi Cândida de Jesus; a 2ª esposa foi Maria Glória dos Anjos, viúva de seu irmão Zacarias Alves; a 3ª esposa, uma mulher de nome Benedita e a 4ª esposa, foi Maria, filha de Zé Ciríaco.
  25. 25. Gumercindo Cláudio Maia 5º) Pedro Antunes Ferreira Maia casou-se com Umbelina Maria de Santana, filha de Pedro José de Freitas e Rita Maria de Freitas. 6º) Teodósia Ferreira Maia casou-se com Manoel Januário de Oliveira Gondim. 7º) Joséfa Ferreira Maia casou-se com Francisco Ciríaco. 8º) Rosa Ferreira Maia casou-se com Manoel Felício de Carvalho Chaves. 9º) Mariângela foi casada com Gabriel Nogueira, (de Russas); enviuvou e casou a Segunda vez com Raimundo Malheiro Tavares, de São José de Piranhas, Paraíba. 10º) Sabina Ferreira casou-se com Vicente Ermógenes de Freitas. Foram os pais de Sisenando Jacó de Freitas, comerciante em Limoeiro do Norte. Dos filhos de Francisco Alves Ferreira Maia, somente Pedro Antunes Ferreira Maia ficou residindo com a família, na localidade de Saco do Barro. Localizou os filhos todos em suas proximidades: Manoel Alves, Francisco, Joaquim, João Alves e Antônio Alves que comprou dos seus irmãos a herança que lhes couberam. As filhas mulheres ao casarem como é de praxe, acompanharam os maridos para os seus lugares de residências. -x- Antônio Alves Maia, o maior destaque desta família, nasceu em 13 de setembro de 1900. Casou-se com Ana Edite Maia, filha de Agostinho Pacheco. Foi também agraciado dando o seu nome a uma Avenida, “Avenida Antônio Alves Maia”. Este tabuleirense teve méritos, e fez jus a homenagem recebida. Aos nove anos de idade, Antônio Alves dedicou-se ao comércio começando por baixo: comprava e
  26. 26. Gumercindo Cláudio Maia transportava na cabeça, um balaio cheio de pães da padaria de seu tio, Francisco Remígio de Freitas, da cidade de Limoeiro do Norte, para vender no mercado de Tabuleiro. Com a venda, foi juntando algum dinheiro, até se estabelecer com uma pequena mercearia no mercado. Depois, comprou uma pequena tropa de burros e entrou no comércio de aguardente, transportado em ancoretas, vendendo na ribeira do Jaguaribe. A medida era a “CANADA”. (seis litros ou nove garrafas era uma CANADA). Antônio Alves comprou propriedades, construiu casas e armazéns. Tinha duas residências: uma na cidade de Tabuleiro e outra na Fazenda São Pedro. Trouxe benefícios para Tabuleiro do Norte, como sejam: Uma Agência dos Correios e Telégrafos (ECT), através do Dr. Carlos Lobo, Diretor do serviço Postal Telegráfico. Construiu um prédio escolar com a ajuda dos produtores do Distrito, porque o dinheiro arranjado com o Estado deu apenas para fazer os alicerces e começar as paredes. Fazia leilões para angariar dinheiro. Queria ver seu sonho realizado, o de construir uma escola para os filhos dos conterrâneos, o que ele próprio não teve quando criança. Antônio Alves era político. Foi eleito vereador para a Câmara Municipal de Limoeiro do Norte, em 1936. Assumiu a cadeira no início de 1937. A Câmara foi destituída pelo Golpe de Estado, em 10 de novembro do mesmo ano. Em 1950 voltou novamente a Câmara e desta vez permanecendo por duas legislaturas. Terminando seu mandato, voltou a chefiar a política local já com o Município recém-criado. Antônio Alves faleceu em 17 de fevereiro de 1988, deixando atrás de si, uma belíssima história de vida e trabalho em prol de sua família e do município de Tabuleiro do Norte.
  27. 27. Gumercindo Cláudio Maia Mariângela Ferreira Maia, teve dois filhos dos dois casamentos: Maria Nogueira de Jesus foi casada com Serafim Dias Ferreira e Francisco Denondas Maia (seu Maia como queria ser chamado). Casou-se com a professora Dona. Carlota Pinheiro Maia, da família Pinheiro do Riacho do Sangue (Jaguaretama). O casal teve cinco filhos e lhes puseram nomes um tanto curiosos: Bonaparte de São Domingos Pinheiro Maia; Salomão Mussoline Pinheiro Maia; Valadão Vesúvio Pinheiro Maia; Catarina Vitória Pinheiro Maia e Condeusa Candelária Pinheiro Maia. Todos advogados. -x- João Bertoldo Ferreira Maia (João Alves). Dos muitos filhos de João Alves, um destaque é para João Delmiro Maia (Joca Alves), vereador de 1959 a 1963. (uma legislatura). Teve boa atuação e muito respeito pela causa pública. Pelo seu trabalho profícuo, merecia uma homenagem.
  28. 28. Gumercindo Cláudio Maia
  29. 29. Gumercindo Cláudio Maia JOSÉ MOREIRA MAIAJOSÉ MOREIRA MAIAJOSÉ MOREIRA MAIAJOSÉ MOREIRA MAIA A família Moreira Maia originara-se em Russas, através dos consórcios entre a família Moreira de Sousa e a Família Maia Alarcon. Ambas do Município de Russas. É daí que vem os Moreira Maia. José Moreira Maia morava no Sítio Macambira daquele Município e mudou-se para o Sítio Patos, do distrito de Tabuleiro de areia (Tabuleiro do Norte), no século XIX, trazendo consigo mulher e filhos. Era casado com Marica Prata, que ganhou esse apelido por causa da cor; alva de olhos azuis. O casal como sempre, teve uma numerosa família; eis os nomes: José Moreira Maia (Zezé), casado com Maria Marcionilia de Jesus. Joaquim Moreira Maia (Quinco), casado com Rosa Moreira de Alencar. Manoel Moreira Maia (Néo), casado com Antônia Josina Maia. Pedro Moreira Maia (Pedrinho), casado com Ana Maria de Jesus (Aninha). Maria Moreira Maia casou- se com Joaquim Pessoa. Francisca Rosa de Jesus (Chiquinha), casada com Antônio Manoel da Costa Lima (Gadelha). Vitalina Jardilina de Jesus (Vitória), casada com Francisco Xavier de Oliveira. Ana Felícia de Jesus casada com Pio da Costa Lima (Pio Gadelha). Idalina primeira esposa de Francisco Paes de Lima; esta senhora ao falecer deixou quatro filhas: eis os nomes: Glória Rosa de Lima casou-se com José Maximiliano de Alencar. Cecília Moreira Lima (Salomé), casou-se com Gustavo Cândido da Silva. Isabel casou-se com João Jerônimo da Costa Lima. Maria casou-se com Antônio Rebouças de Sousa, morava em Saco do Barro. Maria do Carmo de Jesus (Carminha) última filha de José Moreira Maia, é a segunda esposa de Francisco Paes de Lima; residiam no Sítio Juazeiros.
  30. 30. Gumercindo Cláudio Maia -x- Uma descendente de José Moreira Maia, de nome Maria de Fátima Maia de Freitas, filha de André Moreira Maia e Adélia Jesuíta Maia, nasceu em 09 de outubro de 1952 e faleceu num acidente de veículo, em 04 de junho de 1986. Hoje, é nome de uma rua nesta cidade de Tabuleiro do Norte. Aluna estudiosa, fez o primeiro grau menor na Escola de 1º Grau Avelino Magalhães; ingressou no curso ginasial onde concluiu em 1972 em seguida cursou o 2º grau concluindo em 1974. Ingressou da Universidade Estadual do Ceará, no Departamento do Ensino de Graduação, concluindo em julho de 1978. Como menina pobre e órfã de pai, aos 12 anos de idade, entrou cedo na luta para encontra o seu espaço no mercado de trabalho. Em 1968, trabalhou como balconista durante três anos, com Euclides Maia, em uma padaria. Em 1973 foi bibliotecária do Colégio Nossa Senhora das Brotas, até janeiro de 1974. Em 1971 concluiu o curso de corte e costura e datilografia. Ingressou no Ministério da Saúde, em 25 de abril de 1977, conforme contrato firmado pela Fundação serviço de Saúde Pública (FSESP), representado no ato pelo Dr. Carlos Ivo de Novais Menezes, onde permaneceu até 1986, ano do seu trágico falecimento. -x- Pedro Xavier Maia, filho de Francisco Xavier de Oliveira e Vitalina Jardilina de Jesus (Vitória), neto de José Moreira Maia, tem seu nome gravado numa rua da cidade, em homenagem a um moço pobre, trabalhador e acima de tudo honesto. Nasceu a 15 de setembro de 1906, na localidade de Patos e faleceu em 19 de janeiro de 1957.
  31. 31. Gumercindo Cláudio Maia Foi pioneiro na industrialização do pó de carnaubeira, montando uma prensa rústica de ferro e madeira para prensar o pó cozido, extraindo assim, a cera líquida de boa qualidade. Escolheu Patos onde morava, para estabelecer seu pequeno negócio. Perseverante no seu empreendimento comercial, cedo se expandiu em outras partes do município, muito embora, junto com outros proprietários.
  32. 32. Gumercindo Cláudio Maia
  33. 33. Gumercindo Cláudio Maia ALGUMAS FAMÍLIAS EM DESTAQUE 1- OS GONDINS 39 2- OS CHAVES 41 3- OS MAURÍCIO MAIA 47 4- OS MOREIRA DE SOUSA 49 5- OS GADELHAS 51 6- OS ANDRADES 57 7- OS FERNANDES 59 8- OS NORONHAS 61 9- OS BRAUNAS 63 10 - OS TAVARES 65 11 - OS SOARES 67
  34. 34. Gumercindo Cláudio Maia OS GONDINS Conhecemos a família Gondim, desde o tempo do filho de Maia Alarcon, que tinha o nome do pai: Francisco Alves Maia Alarcon. Casou-se com Teresa Francisca Joaquina de Jesus, filha de João Velho Gondim e Antônia Maria do Nascimento. É este o primeiro Gondim que aparece na história. Francisca Rosa Gondim filha de Reinaldo Maia Alarcon casou-se com Manoel Lourenço de Oliveira Gondim; desde então, o sobrenome “Maia Gondim” tornou-se uma família numerosa, com uma certa respeitabilidade. Com este reconhecimento, o povo proclama os seus nomes para ruas da cidade, ficando estas famílias perpetuadas na memória do povo tabuleirense. -x- Bevenuto Pompeu de Oliveira Gondim. Casado com Maria Gelazia Gondim, tem seu nome em uma rua. Bevenuto, exerceu funções como: professor e fiscal de rendas públicas. Tinha 08 filhos dos quais destacamos dois: Pompílio Maia Gondim, comerciante, e Senhorinha de Oliveira Gondim, genitora de Joaquim Maia Gondim, José Gondim e outros. -x- José Monteiro Gondim casado com Ursulina Monteiro Gondim foram os pais de Manoel Guerreiro Gondim, primeiro Prefeito eleito de Tabuleiro do Norte. O nome de José Monteiro Gondim está representado em uma rua pelo seu apelido: José Cazuza.
  35. 35. Gumercindo Cláudio Maia -x- Raimundo Maia Gondim (Raimundo Pereira), foi vereador e vice-prefeito; faleceu aos 57 anos de idade. Era filho de Pedro Maia Gondim e Maria Sabina Maia. Muito prestativo, sabia cultivar boas amizades, conquistando da população, o voto para vereador. Eleito para o período de 1967 a 1971, na próxima eleição elegeu-se vice-prefeito, para o curto período de 24 de março de 1971 a 31 de janeiro de 1973. Candidatou-se novamente a vereador, quando foi vitimado, em 08 de dezembro de 1975, num acidente com um trator, falecendo em pleno exercício. Hoje tem seu nome numa rua da cidade de Tabuleiro. Deixou viúva, Maria Freire Gondim. -x- Manoel Guerreiro Gondim nasceu no dia 11 de agosto de 1915, no Sitio Barrinha. Casou-se a primeira vez com Felismina Nogueira Chaves, filha de Antônio Monteiro Chaves. Do casamento nasceram dois filhos: José Guerreiro Chaves e Maria Nogueira. Viúvo, Guerreiro casou-se pela Segunda vez com Ernestina, filha de João Felício Chaves. Por sua brilhante atuação em prol do desenvolvimento de Tabuleiro do Norte, foi homenageado pela população, com a denominação de uma praça: “Praça Manoel Guerreiro”. O destaque na sua prole é para José Guerreiro Chaves. Comerciante de peças para veículos, político, foi vereador com boa atuação, prestígio e gozando de boas amizades. Faleceu de um colapso cardíaco, em 30 de julho de 1982. Como homenagem póstuma, deram ao prédio onde funciona a Câmara Municipal o nome de: “Palácio Legislativo Vereador José Guerreiro Chaves”.
  36. 36. Gumercindo Cláudio Maia Raimundo Maia Gondim
  37. 37. Gumercindo Cláudio Maia
  38. 38. Gumercindo Cláudio Maia OS CHAVES Chaves: Dizem os genealogistas, que essa família provém de Garcia Lopes Chaves e seu irmão Rui Lopes de Chaves, expulsaram os mouros da vila deste nome, em 1160, e que o mais velho membro desta família é Lourenço Pires de Chaves. Gente de origem portuguesa. Os primeiros conhecidos nesta terra são associados aos Rodrigues, originários da Espanha como sejam: Capitão José Rodrigues Pereira Chaves que dá nome a uma artéria desta cidade, “Rua Capitão José Rodrigues”, filho de André Felício Chaves; residia na fazenda Poço das Pedras, onde ficou conhecido por José Rodrigues do Poço das Pedras. Casado, tinha cinco filhos: Maria Joana, Segunda mulher de Serafim Tolentino Freire Chaves, de Limoeiro; Maria de Jesus casada com Francisco Xavier de Sousa Carvalho, residente no sítio Espera; Eulália casou-se com Manoel Colares, residente em Fortaleza, pais do General Manoel Colares Chaves e mais dois filhos: Francisco e Antônio Chaves. O Capitão José Rodrigues era um matuto durão; por ocasião de uma festa religiosa em Tabuleiro, fez-se presente com toda a família. Trazia mantimentos para muitos dias de permanência no povoado, quando foi avisado que sua filha Maria Joana, havia fugido com o Coronel Serafim Chaves. José Rodrigues ficou calado. Pouco tempo depois, chamou os serviçais, mandou atrelar os bois ao carro, que era o seu transporte, reuniu a família e foi embora. Abandonando a festa que apenas começara. Apesar de analfabeto, que não era novidade na época, comparecia a todos os eventos promovidos pela Igreja, especialmente, às festas da Padroeira.
  39. 39. Gumercindo Cláudio Maia -x- Dona Emília Rodrigues Chaves nasceu em sete de novembro de 1882. Faleceu em treze de outubro de 1965. Destacaram seu nome para uma rua da cidade, “Rua Emília Chaves”, pelo reconhecimento do valor que detém a família. Era filha de Daniel Rodrigues Chaves e Maria de Jesus Paula Chaves. Casou- se com Francisco Xavier de Carvalho Chaves, filho de Francisco Xavier de Sousa Carvalho. O casal Fransquinho da Espera, como era conhecido, e Emília teve seis filhos: Adelário Chaves, Aldonso Chaves, Luiz Chaves, José Olindo, Cleudon Chaves e Raimundo Rodrigues Chaves, Ex-Prefeito de Tabuleiro do Norte. Dona Emília residia na Fazenda Quigombê, distante quatro quilômetros da cidade, onde criou a família. Com o falecimento do esposo, em oito de setembro de 1938, Dona Emília mudou-se para a cidade, onde passou a residir à rua Batista Maia; s/n, quando faleceu. -x- Luiz Chaves nasceu em 16 de abril de 1909, na fazenda Quimgombê. Filho de Francisco Xavier de Carvalho Chaves e Emília Rodrigues Chaves. Faleceu em 28 de dezembro de 1972. Hoje seu nome está estampado em uma rua, “Rua Vereador Luiz Chaves”. Era casado com Maria Chaves; exerceu as seguintes funções: Delegado Civil, Condutor de veículo para transporte de passageiros e finalmente, candidato a Câmara de vereadores de Tabuleiro do Norte. Foi eleito, legislando no período de 1971 a 1972. Presidiu a Câmara de vereador por um curto período legislativo. Foi assassinado no segundo ano de exercício, em sua fazenda Lobo.
  40. 40. Gumercindo Cláudio Maia -x- Os Chaves, pelo prestígio que detém, sempre se faz representar por uma pessoa dos seus quadros. Leôncio Monteiro Chaves nasceu em 17 de julho de 1885, na fazenda Boa Esperança. Filho de José Felício de Carvalho Chaves e Umbelina de Oliveira Gondim. Casou duas vezes: a primeira com Almerinda Argentina Chaves e a Segunda com Ana Maria de Freitas. Foi agricultor e comerciante no sítio Boa Esperança. Muito voltado para a educação dos filhos, contratava professores particulares para, em sua casa, alfabetizar seus filhos e os filhos dos vizinhos. Mudando-se para a vila de Tabuleiro, exerceu as funções de sub- prefeito, no período de 1938 a 1945, quando era Prefeito de Limoeiro Custódio Saraiva de Menezes, que o nomeou. Em reconhecimento ao seu trabalho, foi homenageado denominando uma rua desta cidade. Leôncio tinha muitos filhos, entre eles: Adosmiro, Alcides, Argemiro, Oliveira, Olímpio, Argentina, Almiro e outros. Faleceu no dia 14 de setembro de 1971. -x- O quinto nome que aparece destas personalidades é Pio Afonso Chaves, nascido em cinco de maio de 1893. Em dezoito de agosto de 1928, casou-se com Ana Rosa de Lima. Tiveram cinco filhos: Maria Eneídes, Odete, Ana Anete, Osael e Marileide. Pio Afonso (Pio da Boa Esperança) foi agricultor, criador e comerciante. A coisa que mais gostava de fazer, era postar-se em frente a uma mesa
  41. 41. Gumercindo Cláudio Maia de leilão e dar uma de leiloeiro. Gostava de um bate-papo sem formalidades. Faleceu aos 74 anos de idade, no dia primeiro de novembro de 1967. Recebeu duas homenagens: denominação a uma rua e a um Conjunto Habitacional nesta cidade. -x- José Muniz Chaves nasceu em 1905, no dia cinco de maio, no sítio Peixe Gordo, filho de Francisco Sebastião Freire Chaves e Raimunda Nunes Freire Chaves. Casou-se com Antônia Moreira Maia, continuando a residir em Peixe Gordo onde era proprietário e ali criou os filhos. Zé Muniz era um exímio tocador de violino, que passou também a seu filho José Muniz. Depois de seu falecimento, em 08 de julho de 1952, José Muniz foi agraciado com seu nome numa rua de Tabuleiro. -x- Chagas Muniz, filho de José Muniz, que assinava seu nome como Francisco Moreira Maia, nasceu em 20 de junho de 1925, casou a primeira vez com Jovelina Nogueira Chaves, e a Segunda vez com Maria de Sousa Maia. Chagas Muniz foi eleito vereador para a Câmara Municipal de Tabuleiro do Norte, em 1967/1971. Reelegeu-se, novamente, para um mandato de 1971 a 1973. Passou sem exercer mandato no legislativo tabuleirense uma vez. Voltou a assumir uma cadeira na Câmara Municipal em 1976, para o período de 1977 a 1983. Por motivos políticos foi
  42. 42. Gumercindo Cláudio Maia assassinado numa emboscada à margem do Rio Jaguaribe, em 14 de agosto de 1979, deixando um casal de filhos menores. É o sétimo elemento da família Chaves que obtém o privilégio de ter seu nome gravado em uma rua da cidade.
  43. 43. Gumercindo Cláudio Maia
  44. 44. Gumercindo Cláudio Maia Emília Rodrigues Chaves
  45. 45. Gumercindo Cláudio Maia
  46. 46. Gumercindo Cláudio Maia
  47. 47. Gumercindo Cláudio Maia
  48. 48. Gumercindo Cláudio Maia MAURÍCIO MAIA As famílias aqui residentes, ou que residiram, vieram de outros Estados, ou de outros Municípios. No passado, era um fato corriqueiro mudança de uma pessoa, ou até de uma família inteira. No ano de 1831, Manoel Maurício Maia natural de Cachoeira do Riacho do Sangue (Solonópole) mudou-se de sua terra e veio localizar-se no sítio Barrinha, do distrito do então Tabuleiro de Areia (Tabuleiro do Norte). Tinha três filhos: Francisco Maurício Maia, Manoel Maurício Maia e Guilhermina. Esta casou-se com o cidadão João Daniel e tiveram os seguintes filhos: Daniel do Belém, Eugênio Daniel, Joca Daniel e Manoel Daniel (Nenel) casado com Joaquina Daniel, que viveu 103 anos, pais de Duca Daniel e Emília. Veja bem: a família de Guilhermina adotou o sobrenome “Daniel”, enquanto os outros seguiram o antigo sobrenome “Maurício”, como veremos a seguir: Francisco Maurício Maia nasceu em 1855, Casou-se com Celestina Cordulina de Jesus, filha de João Pessoa de Farias. Chico Maurício, como era conhecido, tinha os seguintes filhos: João Maurício Maia, nascido em 1884, era agricultor; Francisco Maurício Maia, fruticultor, nasceu em 1885; Pedro Maurício Maia nasceu em 1886, era agricultor e marchante; José Maurício Maia nascido em 1888, agricultor, pedreiro e banqueiro de jogo; Joaquina Maurício Maia (Quininha) nasceu em 1890 e casou-se com Pedro Jerônimo; Neném Maurício Maia nasceu em 1892 e casou-se com Antônio Claudino; André Maurício Maia nasceu em 1893, era pecuarista; Antônio Maurício Maia nasceu em 1895, marchante e pradista; Manoel Maurício Neto (Neco) nasceu em 1897, era pedreiro; Gerôncio Maurício Maia nasceu em 1901, tropeiro (comerciante em costas de burro).
  49. 49. Gumercindo Cláudio Maia MOREIRA DE SOUSA Do município riograndense de Apodí, vieram os Moreira de Sousa. Instalaram-se no Distrito de Tabuleiro e aqui lançaram suas raízes no século XIX. De Manoel Moreira de Sousa nasceram seis filhos: Joana Moreira de Sousa, Pedro Moreira de Sousa, João Moreira de Sousa, Silvério Moreira de Sousa, Casusa Moreira e uma mulher de nome Cota. São filhos de Pedro Moreira de Sousa: Pedro Moreira de Sousa (Pedrinho), José Pedro Moreira, Manoel Moreira de Sousa, Vicente Moreira de Sousa, Francisco Higino Moreira, Antônio Moreira de Sousa, Joaquim Moreira de Sousa (Quincó), Aninha Moreira e Maria, casada com Antônio Ferreira das Varzantes. Hoje, podemos verificar, que alguns descendentes da família Moreira de Sousa são homenageados e postos seus nomes em ruas da cidade de Tabuleiro do Norte, em sinal de agradecimento pêlos serviços prestados à terra de Maia Alarcon. Francisco Moreira Filho nasceu em três de dezembro de 1913, no sítio Saco do Barro, onde morava seu pai Francisco Higino Moreira. Começou a vida como agricultor até tornar-se tropeiro (comboieiro) e depois, político. Casou-se com Expedita Moreira de Andrade, filha de Manoel Franklin de Andrade e Sofia Florencia de Andrade. Chico Moreira foi eleito em três legislaturas para a Câmara Municipal de Limoeiro do Norte, antes da emancipação política de Tabuleiro do Norte. Sua vida, como sua carreira política, foi interrompida aos 53 anos de idade, faleceu num acidente de carro, em 24 de novembro de 1966. Como reconhecimento pelos seus serviços prestados ao Município, Chico Moreira foi agraciado com seu nome posto numa rua, “Rua Francisco Moreira”. Anos depois, com a construção de mais um colégio na cidade novamente foi homenageado:
  50. 50. Gumercindo Cláudio Maia “Escola de 1º e 2º Graus Francisco Moreira Filho”. É certo que se faça justiça a todos aqueles que fizeram algo de bom pelo seu município. -x- Pedro José de Alencar. Este nome consta em uma rua no perímetro urbano da cidade, homenageando um homem simples, de atitudes honestas. Nasceu em três de junho de 1913, no sítio Patos. Filho de José Pedro Moreira e Maria do Sacramento Moreira. Casou-se em 25 de setembro de 1935, com Eulália Xavier de Alencar. Agropecuarista, possuidor de várias glebas de terras agrícolas e de criar. Nas horas vagas e aos domingos, exercia a profissão de barbeiro; por ser a região muito habitada, exigiam seus serviços. Pedro José colaborava com tudo o que fosse evento. Em qualquer necessidade os moradores podiam contar com seus préstimos, quer que fosse para a construção de escola, campo de futebol, etc., sempre estava pronto a colaborar com a comunidade. Faleceu com 65 anos de idade, no dia 14 de julho 1978.
  51. 51. Gumercindo Cláudio Maia
  52. 52. Gumercindo Cláudio Maia
  53. 53. Gumercindo Cláudio Maia OS GADELHAS Os primeiros Gadelhas que chegaram ao Ceará procediam do Estado de Pernambuco e se instalaram em Aquiraz. Do Aquiraz, adentraram o interior do Estado à procura de boas terras para fixar residência e trabalhar. Encontraram essas boas terras no Município de Limoeiro do Norte, onde se estabeleceram. Com o crescimento das famílias, alguns se mudaram para o Distrito de Tabuleiro de Areia, localizando-se em propriedades que adquiriram próximo a sede do distrito: Pio da Costa Lima, Jerônimo da Costa Lima, Antônio Manoel da Costa Gadelha, dono Zefinha casada com Francisco Franklin de Andrade e outros. Criavam gado, caprinos e ovinos, nas mesmas terras onde exploravam a cera de carnaúba dos vastos carnaubais ali existentes. Comercializavam a maneira antiga, comprando e vendendo mercadorias transportadas em costa de burros, era assim o comércio da época. Criadores de gado na região adquiriram terras na chapada do Apodi pelo sistema foreiro; Os Gadelhas aforaram grandes áreas de terras onde construíram: casas, cercados e poços artesianos. O gado era criado solto, no inverno se dispersavam e passavam para o vizinho Estado do Rio Grande do Norte. Era necessária a vaqueirama se reunir no vizinho Estado para o que chamavam de apartação; consistia em separar o gado do Ceará pela marca ou pela freguesia, e recambiá-los de volta as fazendas de origens. Os gadelhas se faziam presentes, mesmo porque tinham os maiores rebanhos e o maior número de reses extraviadas. Em Patos e Água Suja, ficava as sedes das respectivas fazendas, que nas décadas de 30, 40 e 50 a extração da cera de carnaúba era a maior fonte de renda destes fazendeiros.
  54. 54. Gumercindo Cláudio Maia Uma breve história sobre Jerônimo Gadelha. Criador de gado bovino, caprino e ovino, dono de uma vasta extensão de terra própria pra criar, grande área de carnaubal e terras para agricultura. Tudo junto lhe valia o título de fazendeiro rico e bem conceituado perante a sociedade local. Foi por este motivo que atraiu a atenção dos cangaceiros. Teve a sua casa invadida pelo bando de Massilon, no dia 14 de agosto de 1927, antes das seis horas da manhã. No exato momento em que Zacarias, o filho mais moço, saia de casa para o curral desleitar as vacas. Os cabras o pegaram de surpresa, obrigando a entrar em casa, novamente, de onde acabava de sair. Trancaram Zacarias num quarto prometendo matá-lo, se o velho não entregasse o dinheiro. Zacarias quebrou as grades de madeira da janela e fugiu. Os bandidos pegaram o velho Jerônimo ainda deitado, mas o velho com medo de ser assaltado, colocara numa lata, sessenta contos de réis (60:000$000) e, enterrou embaixo da rede onde dormia. Fez um pacote com aproximadamente 12 contos de réis (12:000$000) em cédulas de menor valor e depositou num baú. Massilon estava bem informado da existência de sessenta contos de réis, porque Jerônimo tinha contado para um amigo, que de amigo só tinha a cara. Tanto é chegaram logo procurando pêlos 60 contos de réis. Puseram-lhe armas em baixo do queixo, mas o velho não se intimidou; com o sangue frio que lhe era peculiar respondeu a ameaça; eu tinha essa quantia, mas com medo de cangaceiros, comprei umas casas em Limoeiro e o resto botei naquele baú, apontou com a mão: os bandidos não quebraram; pediram a chave e abriram o baú. Vendo o tamanho do pacote, pegaram, talvez pensando ser bastante dinheiro; saíram a cata de jóias; levaram, também, várias peças de ouro de dona Maria das Dores. Depois deste episódio, Jerônimo Gadelha comprou várias casas em Limoeiro do Norte, investindo quase todo o seu capital.
  55. 55. Gumercindo Cláudio Maia - X – Francisco Xavier de Lima (Chico Sabino), neto de Jerônimo Gadelha, diz que estes sessenta contos de réis, já haviam sido salvos por um cavalo; foi o seguinte:- No dia 16 de junho do mesmo ano, quando Lampião entrou na cidade de Limoeiro, Jerônimo foi avisado e tomou suas providências. Selou um cavalo colocando no bolso da coronha o referido dinheiro, e mandou-se para o Tapuio, um pouco distante de sua residência, indo abrigar-se na casa do velho Chico Menino. No dia seguinte, foi tomar banho e dá água ao cavalo numa cacimba, à beira da estrada, um lugar ermo, que ele nunca esperava que por ali passasse um cangaceiro. O cavalo bebeu e ficou solto, enquanto Jerônimo tomava seu banho tranqüilo. Como o cavalo ficou solto, voltou imediatamente para onde tinha saído. Neste momento, Jerônimo ouviu um tropel, era exatamente o grupo de Lampião. Por essa eu não esperava, disse consigo mesmo; estes bandidos passarem por aqui! Perdi meu cavalo, meu dinheiro e a viagem. Só que os bandidos passaram a galope e nem sequer olharam para ele. Vestiu-se e foi procurar o cavalo, que por sorte sua, o animal ficara encoberto na curva do caminho; os bandidos não o viram. Foi, realmente, assim, que o dinheiro de Jerônimo Gadelha, foi salvo pelo cavalo. -x- Antônio Manoel da Costa Gadelha foi um dos mais velhos comerciantes de Tabuleiro do Norte, possuía uma mercearia bem montada, onde vendia, inclusive, mercadoria por atacado. Era casado com Francisca Rosa de Jesus (Chiquinha), filha de José Moreira Maia, casado com Marica Prata. Morava no sítio Patos, lugar aprazível, onde criou filhos: Alfredo da Costa Gadelha, Odorico, Antero, José, Domingos, Limério, Marcelino, Donana, Cristina, Alvina e Alzira.
  56. 56. Gumercindo Cláudio Maia Antônio Gadelha, depois que deixou o comércio, passou a viver de rendas; tinha muitas terras, especialmente com carnaubal. Criava um bom rebanho de gado, tudo isso gerava uma boa renda, que dava para viver folgado, muito embora, dos três irmãos, fosse o mais pobre. Alfredo da Costa Gadelha é o destaque da família. Farmacêutico, casou-se com Maria. Filha de Pedrinho Moreira. Era um homem calmo e responsável; são estas as características de Alfredo Gadelha. -x- Pedro Jerônimo da Costa Lima nasceu no dia 02 de agosto de 1899 e faleceu em 09 de março de 1961, aos 62 anos de idade. Teve sua infância pautada na disciplina e obediência aos bons costumes ditados por seus pais, Jerônimo da Costa Lima e Maria das Dores de Jesus. O comportamento herdado de seus pais o tornou um homem sério e de relevante conceito. Dedicou-se a leitura de bons livros e os tinha como verdadeiros professores. Era intransigente em sua fé. Amava a poesia, o lar e a família. Seu enlace matrimonial realizou-se a 08 de fevereiro de 1926, com Maria Moreira Lima. Desta união nasceram 13 filhos; criaram-lhes, dentro da mesma fé que fora criado. Pedro Jerônimo é nome de rua nesta cidade de Tabuleiro do Norte, em reconhecimento à sua honradez e a nobreza de seus gestos. -x-
  57. 57. Gumercindo Cláudio Maia Jerônimo Batista Gadelha, filho de João Batista de Almeida e Ana Teresa de Jesus. Nasceu em 18 de fevereiro de 1908 no sítio Saquinho, município de Limoeiro do Norte e faleceu aos 47 anos de idade, em Olho D’água dos Currais, a 24 de junho de 1955. Tem seu nome em uma rua da cidade de Tabuleiro do Norte. Descendente da família Gadelha por parte de Dona Ana Teresa de Jesus, (Dudu), por ser filha de Isídio da Costa Gadelha, portanto prima irmã de Pio Gadelha. A família de João Batista de Almeida mudou-se para a localidade de “Currais”, no início do século XX. Jerônimo casou-se duas vezes; do primeiro matrimônio nasceram quatro filhos; do segundo casamento nasceram três filhos. Era barbeiro profissional, moço simpático e comunicativo; exerceu a profissão, enquanto pode trabalhar. Entrou na política, elegendo-se vereador, representado o Distrito de Olho D’água da Bica, quando este Distrito ainda fazia parte do município de Limoeiro do Norte. Exerceu a vereança de 1950 a 1954. Falecendo muito moço, foi com ele o sonho que tinha de ver dias melhores para o distrito que defendia, Olho D’água da Bica. -x- Breve história sobre Pio Gadelha. Pio nasceu em 05 de maio de 1867 e faleceu aos 78 anos de idade, em 30 de julho de 1945. Tem seu nome numa rua da cidade de Tabuleiro do Norte. Pecuarista, dono de muitas terras de criar e de carnaubal, tinha sua residência no sítio Água Suja, no distrito sede.
  58. 58. Gumercindo Cláudio Maia Fez duas viagens ao Amazonas, indo trabalhar nos seringais do Rio Javarí, território peruano. De volta ao Ceará, procurou comprar terras no sítio Água Suja. A Fazenda que pertencera a Quitéria Maria, estava desativada e era uma propriedade muito boa, localizada próxima ao açude do mesmo nome. Pio Gadelha, viajou ao Estado da Paraíba, e comprou aos proprietários herdeiros do Capitão Manoel Antônio, que foi o herdeiro de Quitéria Maria. Pio Gadelha, como homem abastado, foi brilhante edil da Câmara Municipal de Limoeiro, no período de 1896 a 1898. O ano de 1927 foi marcado pelas investidas dos bandos de cangaceiros; o primeiro foi Lampião, no dia 16 de junho de 1927 e o segundo Massilon. Este era mais perigoso do que Lampião. No dia 14 de agosto do mesmo ano, pela manhã, Pio Gadelha voltava do açude onde tinha tomado seu banho matinal, quando avistou, no alpendre de sua casa Chico Pinto amarrado sobre um cavalo. Aproximando-se da casa, Chico Pinto disse: Pio, sua casa está cheia de cangaceiros. Pio ainda disse: eu vou pegar meu rifle, que está no paiol de algodão; Chico pinto advertiu: não faça isso! Eles lhe matarão. Pio recuou e escondeu-se no milharal, atrás da casa. Como os bandidos não encontraram dinheiro, roubaram várias peças de ouro e rumaram para a vila de Tabuleiro. A rua Pio Gadelha fica no Centro da Cidade, homenagem do povo tabuleirense ao velho Pio da Costa Lima.
  59. 59. Gumercindo Cláudio Maia
  60. 60. Gumercindo Cláudio Maia
  61. 61. Gumercindo Cláudio Maia
  62. 62. Gumercindo Cláudio Maia OS ANDRADES Os Andrades em Tabuleiro do Norte, estão representados por Manoel Franklin de Andrade, vulgo (Manduca), nascido em 29 de junho de 1878. Residente em Tabuleiro do Norte, no sítio Água Suja, no local conhecido por Moitas. Casou-se com Sofia Florência de Andrade. Entre seus muitos filhos, destacamos: Raimundo Franklin de Andrade, (Raimundo Manduca), que seguiu os passos do pai, criando gado e uma tropa de burros na estrada, comércio muito usado na época. Raimundo era um homem calmo, tranqüilo e honesto. Casou-se com Ernestina Gadelha de Andrade, (Tina), filha de Pio da Costa Lima (Pio Gadelha). Manoel Franklin ficou viúvo, casou-se novamente, com a jovem Maria Nogueira da Costa, filha de André Sabino e Dona Ursulina. Manoel Franklin faleceu no dia 26 de janeiro de 1960. Foi homenageado com seu nome em uma rua, na cidade de Tabuleiro do Norte.
  63. 63. Gumercindo Cláudio Maia
  64. 64. Gumercindo Cláudio Maia OS FERNANDES Fernandes, patronímico de Fernando, pelo que o atual apelido não tem uma só origem. Em Tabuleiro do Norte existe a família Fernandes Colares; não se pode afirmar que os Colares de Tabuleiro sejam descendentes do Padre Manoel Vicente Colares. Este Padre tinha um filho por nome: Fernando Deodato Colares. (D. Pompeu Bezerra Bessa, “A Antiga Freguesia de Limoeiro, página 144, ano 1998). Lino Fernandes Colares, (tem uma rua com o seu nome), pecuarista, nasceu em 03 de maio de 1876, nesta Cidade. Casou-se com Maria Celestina Colares. Seu irmão, Francisco Fernandes, casou-se com Aninha (Ana Andrade). Joaquim Bernardino Fernandes Colares (irmão de Lino), também pecuarista, casou-se com Maria Josina Andrade. Joaquina Fernandes, (Quininha), foi casada com Antônio Franklin de Andrade. João Fernandes Colares, sacristão, era solteiro. Portanto, os irmão Fernandes, todos se casaram com os irmãos Andrade (irmãos de Manoel Franklin de Andrade). Lino Fernandes, que foi o destaque desta família, faleceu em 21 de fevereiro de 1956. A esposa de Lino Fernandes tem hoje seu nome gravado no hospital da Cidade. “Hospital e Maternidade Celestina Colares”.
  65. 65. Gumercindo Cláudio Maia OS NORONHAS A família Noronha, vem de D. Afonso Henrique, Conde de Noronha que casou-se em Burgos, em 1378, com Dona Isabel, filha de D. Fernando I, rei de Portugal. Tabuleiro do Norte orgulha-se de ter um ramo desta família. Constantino Antônio de Noronha, era pai de Carlos Antônio de Noronha, que era pai de Tertuliano Antônio de Noronha que era o pai de Germano Antônio de Noronha e seus irmãos. (Estas informações foram prestadas por Marcelino Noronha Maia, pouco antes de falecer). Os Noronha são um povo inteligente, digno de menção. Lino Noronha e seus irmãos foram os inventores do cata-vento de madeira; até então, só existia o cata-vento americano, todo de aço e com pouca vazão. Germano foi o idealizador do aviamento a motor, eliminando a roda de veios manuais e colocando um motor, em cima da mesa do rodete ou moedor de mandioca. Mundico foi autor de uma série de inventos. Germano Noronha nasceu no dia 30 de outubro de 1900, no sítio Moita Verde, filho de Tertuliano Antônio de Noronha e Maria Teresa do Sacramento. Em 1922 prestou o Serviço Militar. Em 1923 casou-se com Ana Florismina dos Santos e tiveram somente quatro filhos: Luiz, Joaquim, David e Júlia. Faleceu em 21 de agosto de 1953, ficando seu nome como lembrança gravada numas placas de rua: “Rua Germano Noronha”. -x- Raimundo Nonato de Noronha (Mundico) nasceu no sítio Moita Verde, em 26 de março de 1913, irmão de Germano Noronha, e faleceu no dia 06 de junho de 1977, aos 64 anos de idade.
  66. 66. Gumercindo Cláudio Maia Trabalhou como ferreiro, fazendo e consertando peças de cata-vento de madeira, muitos por ele mesmo fabricados, junto ao seu irmão Lino Noronha. Em 1927 aventurou-se a consertar um motor de automóvel Chevrolet, trabalho inédito na região, sem nunca ter visto um motor desmontado. Foi este o seu primeiro trabalho mecânico. Um dos seus maiores feitos foi, com um motor de Chevrolet movido a gasogênio, adaptado a um dínamo gerador de energia, iluminou a pequena cidade de Tabuleiro do Norte; foi o maior sucesso na zona jaguaribana. Pouco tempo depois, Mundico comprou um motor industrial de quatro cilindros, marca LISTER a óleo diesel, iniciando aí sua empresa de energia elétrica, na cidade de Tabuleiro do Norte. São coisas que precisam ser lembradas, valorizando desta maneira, os gênios de nossa terra.
  67. 67. Gumercindo Cláudio Maia
  68. 68. Gumercindo Cláudio Maia
  69. 69. Gumercindo Cláudio Maia OS BRAÚNAS O braço operário está presente em Tabuleiro do Norte, como força e profissão. Encontramos uma rua na cidade com o nome: “Rua João Ferreira Braúna”. Foi um homem simples, pobre e trabalhador. Profissional ou amador, era ferreiro por necessidade. João Braúna nasceu em 08 de agosto de 1892, residia no sítio Patos, próximo ao Córrego de Areia. Foi casado com Maria Leonora de Jesus, com quem teve 10 filhos. Nos anos de inverno dividia a tenda de ferreiro com o roçado, por que também era agricultor desde infância. Como ferreiro João Braúna superava a todos. Bom ferreiro, bom camarada, atendia todos com atenção e muita perfeição no seu trabalho. Ficou viúvo, casou-se com Maria Joaquina Braúna, que lhe deu mais 04 filhos. Faleceu em 29 de janeiro de 1984, com 92 anos de idade. Na família Braúna não há somente ferreiro; existem músicos e pessoas de grau universitário. -x- Pedro Pessoa de Lima era do município de Pereiro; mudou-se para Tabuleiro no começo deste século; casou-se com Joaquina Cordulina de Jesus, filha de Francisco Maurício Maia, residente neste Município. Pedro Pessoa era agricultor; sofreu um acidente de trabalho, ficou aleijado de uma perna, continuou trabalhando, mas com uma tropa de burros (Comboieiro); assim viveu até o ano de 1957, quando faleceu, a 15 de outubro. Não sei qual foi o mérito, mas seu nome está numa rua desta cidade, “Rua Pedro Pessoa”.
  70. 70. Gumercindo Cláudio Maia OS TAVARES Manoel Tavares de Almeida, (Neco Pacheco), nasceu no Rio de Janeiro, no dia 03 de fevereiro de 1893. Filho de Francisco Tavares de Almeida Magalhães e Geracina Tavares Magalhães. De volta ao Ceará, Neco estabeleceu-se em Tabuleiro de Areia (Tabuleiro do Norte); casou-se com Júlia Moreira Maia, em 04 de outubro de 1925, filha de Joaquim Moreira Maia (Quinco Moreira). Seus pais ficaram morando em Iracema, junto aos seus irmãos, tios e muitos outros parentes. Em Tabuleiro, a família Manoel José de Lima é da mesma família Pacheco, da qual descende a Senhora Pacheca, esposa de Alonso Soares Campos. Neco e seu irmão José Tavares Magalhães (Zé Pacheco), trabalharam juntos, muito tempo no comércio local. Zé Pacheco morreu aos 97 anos de idade. Em Fortaleza estão os filhos e netos de Neco Pacheco. Por seus méritos, seu nome foi lembrado com o nome de rua. “Rua Manoel Tavares Almeida”. Neco Pacheco faleceu em 17 de abril de 1984, com 91 anos de idade. -x- Avelino Magalhães, irmão de Manoel Tavares de Almeida, nasceu em 20 de dezembro de 1894, no município de Iracema; casou-se com a Senhora Adalgiza Magalhães, e, tiveram 07 filhos. Hei-los: Leônidas, Rita, Terezinha, Pierre (Brasil), Marta, Sebastião e Míriam. Avelino, exerceu várias funções: Guarda livros (Contador), Juiz de Paz, Comerciante e finalmente, Inspetor Escolar do Ensino Público. Foi o idealizador da construção do Grupo Escolar, que recebeu seu nome. No ano de 1953, mudou-se para Fortaleza com o intuito de dar melhor educação para os filhos. Faleceu aos 61 anos de idade, em 10 de fevereiro de 1956.
  71. 71. Gumercindo Cláudio Maia OS SOARES Soares não é uma família numerosa, mas tem uma curiosidade: Os Soares pretos e os Soares brancos. Na localidade de Tapera, existem os Soares de cor branca, de onde procede Vicente Soares Campos. É o nosso destaque, para essas linhas que escrevo. Nasceu em 02 de junho de 1866. Agropecuarista, dono da Fazenda Arapuá, no município de Alto Santo. Católico, participava dos atos da Igreja de Tabuleiro do Norte, colaborador expontâneo com as festividades e eventos que houvessem na localidade; bastava que fossem para fins humanitários. Nunca faltava com a oferta de um bezerro para um leilão e lá estava o filho, José Soares Campos, para arrematar o citado bezerro. Quando moço, Vicente Soares fez quatro viagens ao Amazonas. Numa dessas viagens, já de volta, conheceu Salviana Barbosa com quem se casou. Foi aí, que se instalou de verdade, a Fazenda Arapuá. A partir de 1929, os filhos iniciaram a mudança para Tabuleiro. Primeiro veio José Soares; depois de um ano, Alonso Soares (Marinheiro), seguido de Vital Soares, Júlio e Cabocla, a única mulher que morou em Tabuleiro. José Soares e Marinheiro, tornaram-se grandes comerciantes; foram eles os precursores do desenvolvimento comercial de Tabuleiro do Norte. Justiça seja feita. Antes ninguém se aventurava em lançar-se no comércio, com tanto empenho, como José Soares e Marinheiro. Vicente Soares foi homenageado pêlos tabuleirenses. Hoje é nome de uma rua no centro da cidade. Homenagem justa para o crescimento do Município. Seus filhos aqui se destacaram em todos os ramos que atuaram. Mesmo sem residirem neste Município, contribuíram, consideravelmente, para o seu progresso.
  72. 72. Gumercindo Cláudio Maia I N D I V I D U A I S 1 – FRANCISCO CELESTINO MALAQUIAS 71 2 – FRANCISCO ERCILIO PINHEIRO 73 3 – JOÃO GOMES DE OLIVEIRA 75 4 – DIMAS E OTACILIO BATISTA 77 5 – OS PADRES HOMENAGEADOS 79
  73. 73. Gumercindo Cláudio Maia FRANCISCO CELESTINO MALAQUIAS JOSÉ ANTÔNIO ou Francisco Celestino Malaquias nasceu em Sousa, no estado da Paraíba, em 10 de maio de 1906. Filho de João Celestino Malaquias e Julieta Dantas Ribeiro. De Sousa foi morar em Juazeiro do Norte. Dizia conhecer pessoalmente o Padre Cícero Romão Batista e foi o próprio Padre que o incentivou a indicar remédios, usando os conhecimentos de que dispunha como vendedor balconista em uma farmácia. Em 1932, ano seco, foi trabalhar numa construção, quando foi apelidado de José Antônio. Aceitou o apelido e deixou o Francisco Celestino Malaquias somente nos documentos. Mudou-se de Juazeiro para o Baixo Jaguaribe, no município de Limoeiro do Norte casou-se com Teresa Alves de Lima, filha de Francisco Alves de Lima e Francisca Teresa de Jesus. Entrou para a política, candidatando-se a vereador para a Câmara Municipal de Tabuleiro do Norte. Nesta época, já estava morando no sítio Poço Barrento. Foi eleito para exercer o mandato de 1963 a 1967. Doente faleceu em 07 de outubro de 1967. Foi homenageado pela Câmara Municipal de Vereadores, dando seu nome a uma rua. “Rua Vereador José Antônio”.
  74. 74. Gumercindo Cláudio Maia
  75. 75. Gumercindo Cláudio Maia FRANCISCO HERCÍLIO PINHEIRO Francisco Ercílio Pinheiro nasceu no Arapuá, município de Luiz Gomes, no Rio Grande do Norte, em 18 de novembro de 1918. Filho de Manoel Franco de Oliveira e Dona Otília Fernandes Pinheiro. Foi batizado pelo Padre Elesbão e foram seus padrinhos: Felipe Lopes Cardoso e Rita Maria dos Impossíveis. A sua escolaridade foi através do professor e Tabelião, Domingos Cipriano, que o incentivou a comprar alguns livros e o preparou para os exames finais. Incentivou-o também, a cantar, porque levava jeito e sabia rimar perfeitamente. Já fazia repentes e poesias e ainda mais o presenteou com uma viola. Ercílio fez sua primeira cantoria fazendo dupla com o cantador Inocêncio Gato, no ano de 1938. Ganhou cinco mil réis, que entregou para seu pai Manoel Franco de Oliveira. Já cantador renomado, mudou-se para Tabuleiro do Norte, trazendo consigo a família, os pais e os irmãos: João Pinheiro e Joaquim Pinheiro e as irmãs: Amélia e Maroca. Casou-se no dia 15 de janeiro de 1942 com a jovem Maria Sousa Lima. Faleceu em 09 de abril de 1958, aos 40 anos de idade. Como cantador agradava a todos. Deixou muitos amigos; por isso foi agraciado e hoje “Ercílio Pinheiro” é nome de uma rua, em Tabuleiro do Norte.
  76. 76. Gumercindo Cláudio Maia
  77. 77. Gumercindo Cláudio Maia JOÃO GOMES DE OLVEIRA João gomes de Oliveira, natural de Apodi, Rio Grande do Norte. Comerciante no ramo de algodão estabeleceu-se em Tabuleiro, por volta do ano de 1922. Instalou uma pequena indústria de beneficiar algodão; era um processo muito rudimentar; uma prensa manual com capacidade de imprensar um fardo de no máxima 60 quilos. Os volumes eram transportados em carros puxados a bois, para a cidade de Mossoró, no Rio Grande do Norte. Para transitar entre Tabuleiro e Mossoró, foi preciso fazer as suas custas toda melhoria da estrada, porque a mesma era somente uma trilha para o transporte em animais de carga. Anos depois, comprou a fazenda Volga, no distrito de São João do Jaguaribe, onde passou a residir. Poucos anos depois, faleceu em Fortaleza, vitimado por um câncer na próstata. Durante o tempo que morou em Tabuleiro, fez mais amizades do que inimizades. Gostava de dar respostas grosseiras, como a que deu ao seu amigo Jerônimo Gadelha, que não levou em consideração. Certo dia João Gomes tinha viajado a Quixadá, chegou com a mola do carro quebrada, mandou fazer o conserto e na hora do pagamento o mecânico cobrou muito caro pelo serviço. – João Gomes disse que não pagava, e o mecânico que também era esquentado, na discussão bateu com um pedaço de ferro na cabeça de João Gomes, que o sangue desceu na testa; aí, João Gomes pagou o conserto e foi embora. Dias depois, encontrou-se com Jerônimo Gadelha, que perguntou-lhe: - João Gomes, é verdade o que disseram que você para pagar uma conta teve que apanhar primeiro? João Gomes respondeu: - Foi Jerônimo. Apanhei, paguei, mas não caguei; se fosse você, apanhava, pagava e cagava. Tudo terminou em risos. Só que João Gomes deu tempo ao tempo. Certo dia voltou a Quixadá, acertou com dois policiais para pegar o referido mecânico numa bebedeira, que gostava de fazer, e dar-lhe uma tremenda surra; e aconteceu como desejava. O mecânico apanhou muito e o pior, não ficou sabendo porque apanhou. Com essa João Gomes ficou vingado.
  78. 78. Gumercindo Cláudio Maia DIMAS E OTACILIO BATISTA DIMAS E OTACILIO BATISTA, dois irmãos pernambucanos, ganharam notoriedade em Tabuleiro do Norte. Dimas como cantador, professor e comerciante e Otacílio como cantador e político. Chegaram em Tabuleiro do Norte, entre 1941 e 1942. Traziam consigo as violas e muito repente. Dimas casou-se com Judite Gadelha ainda em 1942. Deu início a seus estudos, fazendo o artigo 91, uma forma de supletivo. Foi comerciante de ferragens, depois lojista e Diretor do Colégio Nossa Senhora das Brotas, em Tabuleiro. Cursou a Faculdade de Filosofia Dom Aureliano Matos em Limoeiro do Norte, onde se formou em letras. Fez uma faculdade em Sousa da Paraíba, formando-se em Direito. Foi professor da Faculdade D. Aureliano Matos, sem no entanto abandonar a viola e o repente. Tem seu nome em uma rua de Tabuleiro e na Biblioteca Municipal. Faleceu sem deixar descendentes, em 1986. Otacílio era um pouco diferente de Dimas. Brincalhão e muito bom de repente, caiu nas graças do povo. Onde ele estava havia sempre uma turma desejosa de ouvir suas piadas e anedotas. Gostava de jogar baralho, mais para se divertir do que para ganhar dinheiro. Sempre foi pobre. Casou-se com a professora Rosina Freitas Patriota, de tradicional família limoeirense. Ingressou na política na época da Revolução de 64. Foi eleito vereador, mas sua participação, na política foi muito conturbada por causa de desentendimentos com o Prefeito da época. Perdeu a eleição seguinte e mudou-se para a capital da Paraíba, onde reside atualmente.
  79. 79. Gumercindo Cláudio Maia OS PADRES 1º - Padre Clicério da Costa Lobo, que tem uma rua da cidade com o seu nome. Como coadjutor de Limoeiro do Norte, morava em Tabuleiro de Areia (Tabuleiro do Norte), onde atuava como Pároco e Professor. Não sabemos exatamente quanto tempo o Padre Clicério passou em Tabuleiro. O que sabemos mesmo, é que o Padre era um homem virtuoso, sério e de bom coração. 2º - Padre Acelino Viana Arrais nasceu em São Mateus (Jucás), filho de Nicolau da Costa Viana Arrais e de Joaquina Viana Arrais. Vigário da paróquia de Limoeiro, mas muito amigo do povo de Tabuleiro, ao ponto de até hoje, ser o Padre mais lembrado pela população dos antigos, em Tabuleiro. Foi homenageado pela Câmara Municipal, que deu seu nome a uma rua. Fatos que aconteceram com o Padre Acelino, em Tabuleiro: numa festa da Padroeira, alguns adversários do Padre, vieram de Limoeiro e se posicionaram em frente à mesa do leilão, posta no patamar da Igreja. Começaram com indiretas para aborrece-lo. O Padre era tido como valente; ouviu as provocações e disse para João Fernandes, o sacristão: João, eu vou me retirar; estou aqui para promover uma festa e não para brigar. Você está ouvindo aqueles insultos? É comigo! Bem perto estava sentado o Sr. João Quincó, matuto destemido e perguntou: - O que está acontecendo? O padre relatou o incidente. João Quincó com uma faca lombada fincou com toda força no tampo da mesa e disse em voz alta: - Sente-se padre, porque enquanto essa faca tiver ponta, ninguém mexe com o Senhor. Foi o suficiente para que os provocadores do Padre debandassem e não aparecessem mais, enquanto durou a festa. E a paz reinou sob o patrocínio da faca de João Quincó.
  80. 80. Gumercindo Cláudio Maia Um certo dia de Domingo, pelas 05 horas da manhã, o Padre Acelino se deslocava de Limoeiro para celebrar a missa em Tabuleiro. Passando ao lado da casa de Zezé Moreira, este estava com os filhos juntando palha de carnaubeira para desocupar o lastro, que no dia seguinte, tornaria a ocupar com palhas verdes. O Padre parou o cavalo e disse: Zezé você não sabe que hoje é Domingo? Dia de descanso, dia santo e dia de missa? Você está pecando e fazendo seus filhos pecarem! Deixe isto prá manhã; vamos para a missa. Zezé desculpou-se, mas o padre foi intransigente; mande os meninos tomarem banho, trocar de roupa, que eu chegando em Tabuleiro farei o mesmo. Vou tomar banho, trocar de roupa e esperar por vocês. E só celebrarei a missa, quando vocês chegarem. E assim aconteceu. Depois da missa o padre chamou Zezé e disse: Zezé, o Domingo é dia santo, dia de descanso, dia de missa e não dia de trabalho, lembre-se disso. Não houve aborrecimento por parte de Zezé Moreira, porque eram bons amigos. 3º- Monsenhor Otávio de Alencar Santiago nasceu em 08 de dezembro de 1905, na cidade de Viçosa do Ceará. Filho de Otávio Correia de Melo Santiago e Grasiela de Alencar Santiago. Foi designado Vigário Geral da Diocese de Limoeiro do Norte, empossado em 25 de agosto de 1940. Apesar de não ser engenheiro civil, despontou como um grande elaborador de planta e administrador de obras. Foi responsável pela restauração da atual Igreja de Nossa Senhora das Brotas, em Tabuleiro do Norte, do projeto de construção da Praça Central e da Casa de Residência de Antônio Alves Maia. Em São João do Jaguaribe, fez a planta das Capelas: da Volta – Padroeira Santa Teresinha do Menino Jesus; do Lima – Padroeiro Coração de Jesus e na sede, a capela de Nossa Senhora de Fátima. Monsenhor Otávio muito contribuiu para o desenvolvimento de Tabuleiro. Interessou-se bastante pela criação da paróquia, transmitindo o cargo para o novo Vigário, e desligou-se um pouco de Tabuleiro do Norte. Monsenhor Otávio foi homenageado com seu nome em uma rua da cidade.
  81. 81. Gumercindo Cláudio Maia
  82. 82. Gumercindo Cláudio Maia
  83. 83. Gumercindo Cláudio Maia
  84. 84. Gumercindo Cláudio Maia
  85. 85. Gumercindo Cláudio Maia LOCALIDADES 1. MALHADINHA, TIÚ E MOITA VERDE 85 2. - COBERTO, PEIXE GORDO E TAPERA 87 3. - BARRINHA 91 4. - JUAZEIRO, CARNAUBAL E PATOS 95 5. - ÁGUA SUJA 99 6. - SACO DO BARRO 103 7. - ALDEIA VELHA 107 8. - ALTO DO MENDES E CURRAIS 109 9. - BOA ESPERANÇA 113 10. - GANGORRINHA E ADJACÊNCIAS 115 11. - TAPUIO E ADJACÊNCIAS 117 12. - OLHO D’ÁGUA DA BICA 119
  86. 86. Gumercindo Cláudio Maia MALHADINHA, TIÚ E MOITA VERDE Malhadinha, Tiú e Moita verde. Estas localidades ficam à margem esquerda do Rio Jaguaribe, favorecidas pela abundância d’água e as terras de aluvião, próprias para o cultivo de algodão, milho e feijão. No verão são cultivadas pelo sistema irrigado. Outrora, eram aguadas pelos velhos cata-ventos; hoje, por motores-bomba a diesel, a carvão e a energia elétrica; sistema moderno um pouco mais caro, mas diferente daquele dos antigos moradores que ali existiram. Escrevo, repassando conhecimentos buscados na tradição oral, que nos informa quem foram aos mais antigos habitantes, ou os mais aproximados dos antigos que moraram nestes lugares. No caso da Malhadinha, Teu e Moita Verde, foram os descendestes destes povos que deram continuidade, morando e trabalhando nas mesmas terras. Com o passar dos anos, muitos fatos estão no esquecimento, até mesmo pêlos parentes mais próximos. José Joaquim de Oliveira, casado com Dona Maria Celestina de Jesus, era um dos proprietários de terras do sítio Tiú. Irmão de Vicente Xavier de Oliveira, casado com Dona Maria José; o primeiro homem a comprar um automóvel neste Município. Era o pai de Possidônio Xavier de Oliveira, José Vicente de Oliveira e Brígido Oliveira; todos possuidor de boa situação financeira e prestígio no seio das sociedades. Muita gente morava no sítio Teú: Lucas André casado com Ana Martins; Fernando Barreto, Luiz Barreto; Cândido Babuje casado com Raimunda Rodrigues, irmã de Antônio Cardoso; Raimundo Lopes (Velho) casado com Maria das Neves; Manoel Francisco dos Santos (O Velho) casado com Ana Sabina avó de Raimundo Barros; Antônio Francisco das Chagas pai de Miguel Brilhante; Joaquim Silva casado com Maria Felícia; Antônio Bel casado com Júlia Bezerra; Pedro Martins morava no alto da malhadinha; José Mendes morava bem próximo ao Rio. Casou-se duas vezes: a primeira mulher chamava-se Filomena e a segunda, Maria; Francisco Vicente dos Santos (Chico Barros), também morava no sítio Tiú.
  87. 87. Gumercindo Cláudio Maia Moita Verde, terra de Constantino Pessoa, pai de Antônio Quinado, Raimundo Constantino, José Pessoa (Zé Grande), casado com Argemira Xavier; Francisco Pessoa (Chico Nó) casado com Maria Pessoa; Francisco Rodrigues; Zeca Brilhante avô de Zeca Conrado. Também morava naquele setor: Tertuliano Noronha, pai de Germano, Ezequiel, Marcelino, Lino Noronha e Mundico Noronha; Joaquim José de Oliveira; André Felício; Joaquim Jerônimo de Matos; Quinco Noronha, todos com pequenas propriedades no sítio Moita Verde, onde criaram as famílias. Em Malhadinha, a família Silva, Agostinho e Januário; Maria Mendes casada com Benedito Martins; Chico Rosa e Teresa sua esposa; Lucas Soares e Carminda; Terto Dantas casado com Doninha; André de Têta e Chiquinha sua mulher; João Rodrigues casado com Mariquinha Pessoa; Faustino Ferro casado com Divina Soares. Uma legião de pessoas que viveram ou vivem trabalhando a terra de onde tiravam ou ainda tiram o sustento. Muitos ficam no anonimato, porque é impossível encontrar todos os nomes dos que habitaram àquelas terras.
  88. 88. Gumercindo Cláudio Maia COBERTO, PEIXE GORDO E TAPERA COBERTO, PEIXE GORDO E TAPERA. No cruzamento da estrada, Tabuleiro São João do Jaguaribe, com a BR 116, é o limite, Peixe Gordo, Tapera. Este lugar, no passado era conhecido por Picadinha ou Apertar da Hora. O nome indicava uma passagem estreita, com largura somente para um carro de bois. Numa estiagem, uns retirantes arrancharam-se nas oiticicas próximas a Impueira Funda. Foram à lagoa ver se tinha peixe e realmente tinha. Jogaram as tarrafas pescando alguns peixes e no momento em que estavam limpando os peixes diziam: ou lagoa de peixe gordo. Foi o bastante. O nome pegou. Hoje, toda a região, inclusive o outro lado do Rio, a antiga Gameleira, chama-se Peixe Gordo. Houve um motivo: O DNER instalou uma residência na margem esquerda do Rio Jaguaribe, construiu uma capela em honra de São Francisco de Assis e tudo ficou como Peixe Gordo. Aqui predomina a família Barbosa. Na Tapera, predomina a família Custódio. Entre eles, o velho Luiz Martins Barbosa (Luiz Custódio) casado com Maria Elias Nobre. Entre seus filhos citarei: José Elias Nobre (Casé), comerciante de fumo (grossista), casado com Amália Ângelo; Francisco Chagas Martins casado com Maria Felícia Chaves (Felicinha). Chagas Martins foi comerciante com mercearia, fabricante de doces e político. A família deu continuidade as atividades comerciais do velho Chagas. Tapera completa-se com os Soares de Fulgêncio, os Chaves de Dona Terezinha, que foi casada com Raimundo Domingos (Raimundão), o pai de Cazim e outros.
  89. 89. Gumercindo Cláudio Maia Grandes partes dos Barbosas ocupam terras, tanto na Tapera como em Peixe Gordo. Olegário Barbosa, Manoel Barbosa é um exemplo. José Rosendo Freire, irmão de Antônio Xavier da Moita Verde, era o pai de Manoel Rosendo Freire (Manduca Cândido); morava no sítio Coberto. Manduca era o pai de José Rosendo Freire (Zezito vereador). O velho José Rosendo Freire foi casado com Marica Cândida. Por motivos conjugais, separaram-se. Ele foi embora para o Estado do Amazonas, voltando depois de 40 anos, quando a mulher já havia morrido. Manoel Cândido de Lima, era o pai de Isidoro Cândido e da mulher de Olegário Barbosa. Francisco Ângelo, mestre de montaria (ensinava cavalo a marchar), era o pai de Manoel Soriano (Manoel Ângelo), Francisco Concílio da Silva e outros. A família de Manoel André Chaves e Basília Desidéria Freire; ela filha de José André Freire e Merandulina Chaves. Manoel André Chaves era bisneto do Capitão José Rodrigues Pereira Chaves. Viviam da agricultura e trabalhos diversos. Trabalhavam em qualquer serviço, desde que ganhassem dinheiro. Segundo José André Chaves, o último dos irmãos vivo, cortavam, rachavam a lenha de pau branco e vendiam nas casas de pessoas mais abastadas de Limoeiro do Norte. Era uma família de 13 irmãos. Vejamos os nomes de alguns: José Nunes foi marchante; Luiz André e José André Chaves foram comboieiros por 12 anos, caminhoneiros por 14 anos, vereador de 1963/67 e fabricante de sabão. André Chaves fabricante de doces e Raimundo Basílio, comerciante. Altina, esposa de Silvino Constantino; Felicinha, esposa de Chagas Martins; Tina, casada com Manoel Alves; Maria Joana esposa de José Conrado, de onde se origina a família Conrado.
  90. 90. Gumercindo Cláudio Maia Divina, casada com Nicodemus Conrado; Joventina, esposa de Tomas, filho do velho Dedeco (José Severiano Freire), que era irmão de Dona Basília, mãe de Zé André; Dedeco foi casado com Eulália, filha de José Xavier; este cidadão tinha tanto filho, que só filhas eram dez. José Silva, Doca Barbosa, Senhor Barbosa, moravam na entrada da trilha, conhecida por picadinha ou Apertar da Hora. No local onde mora José André Chaves, chamava-se Alta do Lobo, antiga moradia de Fernando Barbosa, tido como o homem mais rico do lugar; dono de muita terra e muito gado; João Rosa morava no alto, em frente à estrada do Peixe Gordo. Esta região foi muito privilegiada com o sistema de irrigação. Tudo começou com a plantação de mangueiras, laranjeiras e expandiu-se mais com o plantio de bananeiras irrigadas a “cata-ventos”, que no seu apogeu, mais pareciam um carnaubal. Tanta roda de velas de madeira, rodando, puxando água para o bananeiral. Os caminhoneiros transportavam, diariamente, para Mossoró e outras praças consumidoras do produto. Antônio Monteiro Chaves trabalhava sempre com dois caminhões. José André Chaves, André Chaves (André Basílio), Manoel Ângelo, José Monteiro Chaves e outros exploraram o mesmo ramo. Depois que a bananeira fracassou nesta região surgiram outras fontes de produção; acabou-se todo o trânsito comercial que havia entre Tabuleiro do Norte e Mossoró, que era motivado pelo fluxo da banana, barateando o frete das mercadorias adquiridas naquela praça.
  91. 91. Gumercindo Cláudio Maia BARRINHA Barrinha. Possivelmente uma das mais antigas localidades na formação do Município de Tabuleiro do Norte. Foi na Barrinha a residência do português João Rodrigues Ferreira, casado com Joana Paes Maciel. Eram os pais de Luzia Maria Maciel e Mariana Ferreira Maciel. Tratando-se de antigos moradores desta localidade, precisamos citar os “Alves”: Manoel Alves, Zacarias Alves; João Bertoldo Ferreira Maia; André Nogueira Mendes Guerreiro (Andrezinho da Barrinha), nascido em 1867, casado com Filomena Olindina de Oliveira Gondim; José Avelino Freire Chaves; Norberto, o pai de José Norberto, bisavô de Dionísio Norberto ; também morava na Barrinha, Raimundo Pessoa da Silva (Raimundo Constantino), foi quem primeiro comprou caminhão em Tabuleiro, por volta de 1935, sendo pioneiro no ramo de caminhão. Pode-se dizer que foi precursor dos caminhoneiros de Tabuleiro do Norte. Antônio Monteiro Chaves casou-se com Filomena, filha de Andrezinho da Barrinha; Marcelino Monteiro casado com Amélia, também filha de Andrezinho. Antônio Monteiro tornou-se caminhoneiro, João Paulino era comboieiro, chefe político e muito católico; cuidava das coisas da Igreja. A mulher de João Paulino foi escrava. Com o direito a alforria, foi alforriada. Era irmã de Zé Martins, que nasceu em 1858. Vicente ramos morava próximo ao Coberto. Barrinha tem as mesmas características do Coberto. Os mesmos sítios de bananeiras, laranjeiras e mangueiras. Residência de Antônio Monteiro, que trabalhava cobrindo toda aquela região sempre com seus caminhões, junto a outros caminhoneiros no transporte de frutas da região. Não era motorista; motorista eram seus filhos: José Monteiro Chaves, Josué Monteiro Chaves, Ramiro Monteiro Chaves e Valdimiro Monteiro Chaves, e o genro Noé Avelino Maia. Era um trabalho lucrativo, por isso reunia tantos caminhoneiros.
  92. 92. Gumercindo Cláudio Maia Entre as pessoas com destaque na Barrinha citarei Pedro Rodrigues Chaves (Pedro de Veneranda); nasceu em 1883, no mês de outubro, naquela localidade. Filho de Veneranda Freire do Prado, da família freire do Prado de São João do Jaguaribe. Da mesma família eram também: Francisco Freire do Prado, Caetano Freire do Prado e do Padre José Freire de Castro. O Pedro Veneranda aprendeu a ler e escrever no sistema antigo, escolas na casa do professor, e foi o suficiente para, dentro de sua religiosidade, aprender a missa em latim. Recitava de cor debaixo de uma oiticica, sozinho, ou com alguém que quisesse ouvi-lo. Era comerciante; sempre possuiu uma mercearia; foi chefe político e solteirão. Era o organizador das novenas do mês de maio, com a tradicional “coroação de Maria”, no encerramento do mês. Rezava o terço de São Pedro, a 29 de junho, que era uma festa; fazia fogueira, soltava balões, foguetórios e tudo que fosse de direito numa festa de São Pedro. A 13 de dezembro festejava Santa Luzia, rezando um terço em sua honra com muita devoção. Com o passar dos anos, ficou rezando somente o mês de maio e fazendo a tradicional “coroação de Nossa Senhora”. Depois de seu desaparecimento, em 27 de julho de 1970, seus parentes deram continuidade aos festejos, até hoje. Os irmãos de Pedro Veneranda foram: Anselmo; Clicério, o pai de Nozinha, vereadora; Celestina Freire do Prado ficou solteira queixando-se não ter casado, por interferência do irmão.
  93. 93. Gumercindo Cláudio Maia Estes dados foram-me passados por Dona Maria Liuta de Lima. Nas terras adjacentes a Barrinha, existe a família Inácio; são os filhos de Maria Senhorinha Maia casada com Inácio Teotônho de Freitas, egresso de Limoeiro do Norte. São os pais de Inácio Teotônho de Freitas (Inacinho), casado com Dona Lídia Moura Freitas; Francisco Inácio e outros. A família Cazuza, que naturalmente já foi citada tanto pêlos seus nomes corretos, como no caso de João Cazuza, Pedro Cazuza, Manoel Cazuza e tantos outros. Todos pertencem às mesmas famílias: Monteiro, Gondim, Maia e, assim, se confundem por causa do apelido. Da mesma maneira é a família Mendes de Francisco Mendes, Antônio Mendes e outros. Chico Mendes era o pai de Almeron Mendes, caminhoneiro do passado; Lídio, carpinteiro; Joaquim e, finalmente, a família Mendes é constituída por um imensurável número de descendestes.
  94. 94. Gumercindo Cláudio Maia
  95. 95. Gumercindo Cláudio Maia JUAZEIRO, CARNAUBALJUAZEIRO, CARNAUBALJUAZEIRO, CARNAUBALJUAZEIRO, CARNAUBAL E PATOSE PATOSE PATOSE PATOS Juazeiro, Carnaubal e Patos. Terra de José Sabino Maia, Francisco Paes de Lima; da família Chaves Gondim, Ramos de Menezes e tantos outros. 10ª SESMARIA, desde 1685, que se tornou propriedade da família Ribeiro Bessa (Monsenhor João Olímpio Castelo Branco, Limoeiro da Igreja, 1995, página 67.) A Senhora Maria Menezes de Oliveira tem um trabalho importante a ser lançado sobre o sítio Juazeiro. Fica a seu critério apresentar a juventude tabuleirense a história completa, em seus mínimos detalhes. Mesmo assim, não poderia deixar de lembrar quantos amigos e conhecidos estão localizados no sítio Juazeiro. Temos os Canutos descendentes de João Canuto Freire e Maria da Assunção: André Canuto; Pedro Canuto; Agostinho Canuto Freire, pai de Gregório Xavier e Josué Xavier Freire e muitos outros irmãos e irmãs; José Canuto; Raimundo Canuto Freire, casado com Maria do Carmo de Jesus, pais de Pedro Laurindo Maia. O velho amigo Moisés Gondim era uma enciclopédia aberta; Joaquim Maia Gondim, (Joaquim Venâncio), comerciante e muito bom de papo, conhecedor das coisas de Juazeiro, como ninguém conhecia. No Carnaubal, localidade próxima a Juazeiro, as residências eram poucas e todas próximas à barranca do Rio Jaguaribe. Francisco Batista de Oliveira, filho de João Batista de Oliveira e Maria Antônia de Jesus. Chico Batista, como era conhecido, exercia a profissão de carpinteiro; era casado com Dona Maria Vicência de Jesus, vulgo Maria Batista, que era parteira e enfermeira prática. Eram os pais de Pedro Batista de Oliveira, dono da “Mecânica Batista” e Jesus Batista de Oliveira, dono de uma indústria de peças para bicicleta, em Fortaleza. Dona Maria Batista é filha de Maria Teresa de Jesus, (Maria Charneca), e Pedro Ferreira Maciel, membros da família Maciel, que se acha dispersa por todo esse Município. Seu Chico Batista nasceu em 16 de setembro de 1908. Dos poucos moradores do Carnaubal, João Palhares era o que dispunha de maiores recursos; criava gado e caprinos, afora as terras que possuía. João Carlos, casado com Maria Rosa, irmã de Maria Charneca, não tinha filhos; criou Chicó de José Lúcio, da Charneca.
  96. 96. Gumercindo Cláudio Maia José Vicente tinha muitos filhos: João, o melhor vareiro no corte de carnaubal; José Pequeno; Paulo; Luiz e Eurico. As mulheres: Lídia; Maria; Elisa e Adelaide. José Vicente vivia do carnaubal, gostava de festas dançantes, era muito animado e, para isso, era muito requisitado, inclusive junto às filhas. Patos fica localizado entre Carnaubal, Água Suja, Salina e Córrego dos Bodes, de um lado e do outro, até o Altinho. Nesse lugar Córrego dos Bodes no passado foi moradia dos Claúdios, no setor dos Dois Serrotes, até as proximidades do Castelo de Vento. Marco que representava a divisa do sítio Água Suja com os outros sítios. Essa família mudara-se e ficou apenas os filhos de João Cláudio e uma filha de Laurindo; os filhos de João Cláudio, em número de seis, foram embora para o Amazonas: primeiro, os dois homens, João e Joaquim; depois, as quatro mulheres: Avelina; Constância; Alexandra e Dulcelina (Dudu). Entregaram as terras para Jerônimo Gadelha administrar até quando eles voltassem, coisa que nunca aconteceu. Desapareceram como por encanto. Jerônimo administrava as terras dizendo para os filhos: estas terras são dos “Ausentes”. Nunca sequer cercou. Com o seu desaparecimento, coube por inventário a um genro, que as juntou às suas e vendeu. Hoje, pertencem a Luiz Girão. O segundo morador foi Rosa Laurindo, curandeira de crianças, esposa de Francelino Felipe Maia. Eis os nomes a seguir: João França; José França; Chico França; Delfino; Antônio França e Martins Martiminiano Maia. Prosseguindo com os moradores da localidade de Patos: muitos já foram citados noutras páginas. Como Jerônimo Gadelha e a família de José Moreira Maia.
  97. 97. Gumercindo Cláudio Maia Havia outros moradores: Francisco Pinto; Doca Pinto; Pedro Batista; a família Clemente que se dividia entre Patos e Carnaubal; João Clímaco (Quilimaço); José Maximiliano de Alencar, irmãos e filhos; a família de Chiquinho Xavier; André Rodrigues Ramos, da Lagoa Rasa; Sabino Rodrigues, (Sabininho); Antônio Lopes, que no tempo da malária mudou-se do Córrego de Areia, pensando escapar da doença. Pensava ele que o mau não atravessaria o Rio Jaguaribe. Germano Alves da Rocha casado com Diolinda Xavier de Lima; Antônio Maximiliano; José Raimundo Pessoa casado com Maria Inês, da família Noronha. Morava nos Patos Crisóstomo José do Amaral, pai de seis filhos, uma época muito difícil do século XIX. Crisóstomo (não sabemos o nome de sua mulher), tinha somente um filho homem, José Correia do Amaral, conhecido por Zeroasto casado com Maria de Jesus de Nazaré, morava no sítio Alto do Mendes. Crisóstomo tinha mais quatro filhas: Joana Teresa de Jesus (Joaninha) foi casada com Luiz de França Ribeiro Maia, irmão de Maria Avelina esposa de José Moreira Galvão. Luiz de França com poucos meses de casado largou a mulher e foi embora para o Amazonas e por lá morreu. A mulher ficou grávida, e a 19 de janeiro de 1900, nascia Pedro Batista Maia, que se tornou um fazendeiro de pequeno porte e dono de muitas terras nas várzeas e na Chapada do Apodí. Sabina Cordulina do Amaral, Segunda filha de Crisóstomo, casou-se com João Rodrigues Pereira; são os pais de José Rodrigues Pereira; Antônio Pereira; Francisco Rodrigues e Sabino Rodrigues Pereira, das mulheres: Adelina Marcelina Rodrigues, casada com Manoel Rodrigues Maia, morador do sítio Juazeiro; Celestina Rodrigues Pereira; Maria Rodrigues Pereira; Raimunda Rodrigues Pereira e Ana Rodrigues Pereira. Maria, a terceira filha de Crisóstomo, foi a Segunda esposa de Inácio Mendes de Sousa Guerreiro (Mendin), morava no sítio Espera. Marcionilia Cordulina do Amaral, ficou prá titia e Ana, foi a primeira esposa de Francisco Maurício (o filho), que depois de viúvo casou-se com Laurentina, filha de Antônio Sabino.
  98. 98. Gumercindo Cláudio Maia A curiosidade dessa história é a idéia que tiveram as irmãs: Joaninha (viúva) e Marcionilia (solteira), de fabricar telhas artesanalmente, fazendo de tudo: cavando o barro, aguava e amassava, batia e lanceava. Como os anos de 1900 a 1905 foram escassos, foi com este trabalho que essas bravas mulheres se mantiveram e criaram o pequeno Pedro Batista Maia. Ficaram conhecidas por produzirem telhas de boa qualidade. Foi um caso raro, porque não se constata na história que outras mulheres tivessem exercido essa profissão que atualmente é exercida por homens. A região de Juazeiro, Carnaubal e Patos, a fonte de renda maior era mesmo a palha da carnaubeira, tanto para os proprietários, como os trabalhadores braçais, que tinham garantido o seu sustento durante o verão, como mão de obra alugada. O corte da palha da carnaubeira necessitava de muita gente: vareiros, aparadores, enfeixadores, carregadores e uma infinidade de outros serviços, até o fabrico da cera. E nessas localidades havia gente para executar todas essas especialidades.
  99. 99. Gumercindo Cláudio Maia ÁGUA SUJA Água Suja (Água Santa). Terra onde residia a família Lobo Maia. Onde se originara a família Felício Maia. Quitéria Maria, que Lauro de Oliveira Lima diz chamar-se “Quitéria Maria do Nascimento”, casada com Antônio Ferreira de Aguiar. Proprietária da maior gleba de terra no lugar, sogra do Capitão Manoel Antônio, muito odiado pela própria família, devido às perseguições executadas no tempo da Guerra do Paraguai. Autorizado a recrutar jovem e enviar para o fronte da guerra e enfrentar o cólera-morbo, que infestava toda a região envolvida pela guerra, ceifando a vida de muitos soldados brasileiros. Foi este Manoel Antônio que ficou por dono da propriedade, com a volta de Quitéria Maria para o Estado da Paraíba. Isso veio favorecer para que, Pio da Costa Lima, (Gadelha), anos mais tarde, comprasse dos herdeiros de Manoel Antônio a referida propriedade. A família Rodrigues que tem a pessoa de Vicente Rodrigues Ramos como antecessor, casado com Francisca das Chagas de Jesus, eram também moradores do sítio Água Suja. Eis os filhos do casal: Raimundo Rodrigues Sobrinho, carpinteiro, casado com Maria Bringel de Noronha; Ângelo Rodrigues Ramos, casado com Maria do Espírito Santo Maia e Francisca Maria, casada com José Pinto Bezerra. Bringel Leonel de Noronha era casado com Maria do Carmo do Sacramento, pai de Leonel Bringel de Noronha e avô de Antônio Leonel e outros.

×