Aula 3 thaís - cabeleireiro

448 views
333 views

Published on

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
448
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
20
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Aula 3 thaís - cabeleireiro

  1. 1. CÓDIGODEDEFESADO CONSUMIDOR Profª.Enfª.ThaísBragaAben-Athar
  2. 2. INTRODUÇÃO |ConstituiçãoFederal–art5°incisoXXXII:“ OEstadopromoverá,naformadalei,adefesado consumidor.” |Lei8.078/90–CódigodeDefesadoConsumidor. |Lei8.137/90–LeidosCrimesContraaOrdem Tributária,EconômicaeContraasRelaçõesde Consumo.
  3. 3. CONCEITOSGERAIS |CONSUMIDOR:étodapessoafísicaou jurídicaqueADQUIREouUTILIZAproduto ouserviçocomodestinatáriofinal.
  4. 4. CONCEITOSGERAIS |FORNECEDOR:étodapessoafísicaou jurídica,públicaouprivada,nacionalou estrangeira,bemcomoosentes despersonalizados,quedesenvolvem atividadedeprodução,montagem,criação, construção,transformação,importação, exportação,distribuiçãooucomercialização deprodutosouprestaçãodeserviços.
  5. 5. CONCEITOSGERAIS |PRODUTO:équalquerbem,móvelou imóvel,materialouimaterial. |SERVIÇO:équalqueratividadefornecida nomercadodeconsumo,mediante REMUNERAÇÃO,inclusiveasdenatureza bancária,financeira,decréditoe securitária,SALVOASDECORRENTES DASRELAÇÕESDECARÁTER TRABALHISTA.
  6. 6. PRINCÍPIOSGERAIS •I-reconhecimentodavulnerabilidadedo consumidornomercadodeconsumo; •II-açãogovernamentalnosentidode protegerefetivamenteoconsumidor: •III-harmonizaçãodosinteressesdos participantesdasrelaçõesdeconsumoe compatibilizaçãodaproteçãodo consumidorcomanecessidadede desenvolvimentoeconômicoetecnológico,sempre combasenaboa-féeequilíbrionasrelações entreconsumidoresefornecedores;
  7. 7. PRINCÍPIOSGERAIS •IV-educaçãoeinformaçãodefornecedores econsumidores,quantoaosseusdireitose deveres,comvistasàmelhoriadomercadode consumo; •V-incentivoàcriaçãopelosfornecedoresde meioseficientesdecontroledequalidadee segurançadeprodutoseserviços,assim comodemecanismosalternativosde soluçãodeconflitosdeconsumo;
  8. 8. PRINCÍPIOSGERAIS •VI-coibiçãoerepressãoeficientesdetodos osabusospraticadosnomercadode consumo,INCLUSIVEaconcorrênciadesleal eutilizaçãoindevidadeinventosecriações industriaisdasmarcasenomescomerciaise signosdistintivos,quepossamcausarprejuízos aosconsumidores; •VII-racionalizaçãoemelhoriadosserviços públicos;
  9. 9. CAMPOSDEAPLICAÇÃO •osobjetivosprincipaisdoCódigodeDefesa doConsumidorsão: •oATENDIMENTOdasnecessidadesdos consumidores; •oRESPEITOàsuadignidade,saúdee segurança; •aPROTEÇÃOdeseusinteresses econômicos; •aMELHORIAdasuaqualidadedevida; •aTRANSFERÊNCIAeHARMONIAdas relaçõesdeconsumo.
  10. 10. |Porseuturno,oart.6ºprevêosdireitos básicosdoconsumidor,quaissejam: |Art.6º-Sãodireitosbásicosdoconsumidor: |I–aproteçãodavida,saúdeesegurança contraosriscosprovocadosporpráticasno fornecimentodeprodutoseserviços consideradosperigososounocivos; |II–aeducaçãoedivulgaçãosobreo consumoadequadodosprodutoseserviços, asseguradasaliberdadedeescolhaea igualdadenascontratações;
  11. 11. |III–ainformaçãoadequadaeclarasobreos diferentesprodutoseserviços,comespecificação corretadequantidade,características,composição, qualidadeepreço,bemcomosobreosriscosque apresentem; |IV–aproteçãocontraapublicidadeenganosae abusiva,métodoscomerciaiscoercitivosoudesleais, bemcomocontrapráticasecláusulasabusivasou impostasnofornecimentodeprodutoseserviços; |V–amodificaçãodascláusulascontratuaisque estabeleçamprestaçõesdesproporcionaisousua revisãoemrazãodefatossupervenientesqueas tornemexcessivamenteonerosas;
  12. 12. |VI–aefetivaprevençãoereparaçãodedanos patrimoniaisemorais,individuais,coletivosedifusos; |VII–oacessoaosórgãosjudiciáriose administrativos,comvistasàprevençãooureparação dedanospatrimoniaisemorais,individuais,coletivos oudifusos,asseguradaaproteçãojurídica, administrativaetécnicaaosnecessitados; |VIII–afacilitaçãodadefesadeseusdireitos, inclusivecomainversãodoônusdaprova,aseu favor,noprocessocivil,quando,acritériodojuiz,for verossímilaalegaçãoouquandoforele hipossuficiente,segundoasregrasordináriasde experiências;
  13. 13. RESPONSABILIDADEDOS FORNECEDORES •SERVIÇOS •OFORNECEDORDESERVIÇOSresponde, independentementedaexistênciadeculpa, pelareparaçãodosdanoscausadosaos consumidorespordefeitosrelativosà prestaçãodosserviços,bemcomopor informaçõesinsuficientesouinadequadas sobresuafruiçãoeriscos.
  14. 14. RESPONSABILIDADEDOS FORNECEDORES •serviçodefeituoso:quandonãofornecea segurançaqueoconsumidordelepode esperar,levando-seemconsideraçãoas circunstânciasrelevantes,entreasquais: •I-omododeseufornecimento; •II-oresultadoeosriscosque razoavelmentedeleseesperam; •III-aépocaemquefoifornecido. •Oserviçonãoéconsideradodefeituoso pelaadoçãodenovastécnicas
  15. 15. RESPONSABILIDADEDOS FORNECEDORES •OFORNECEDORDESERVIÇOS •SÓNÃOSERÁresponsabilizadoquando provar: •I-que,tendoprestadooserviço,odefeito inexiste; •II-aculpaexclusivadoconsumidoroude terceiro. •Atenção:Aresponsabilidadepessoaldos profissionaisliberaisSERÁAPURADA medianteaverificaçãodeculpa.
  16. 16. OFERTAEPUBLICIDADE •OFERTA •Ofertaéumveículo,quetransmiteuma •mensagem,queincluiinformaçãoepublicidade.O •fornecedoréoemissordamensagemeo •consumidoréseureceptor. •Art30CDC: •“Todainformaçãooupublicidade,suficientementeprecisa, veiculadaporqualquerformaoumeiodecomunicaçãocom relaçãoaprodutoseserviçosoferecidosouapresentados, obrigaofornecedorqueafizerveicularoudelaseutilizare integraocontratoquevierasercelebrado.” •Obs:Suficientementeprecisa/Absolutamente precisa •Nãovinculainformaçõesgenéricas:“venhaficar linda” •Apenasespecíficas:“spademãoepés”
  17. 17. OFERTAEPUBLICIDADE •Art48CDC: •“Asdeclaraçõesdevontadeconstantesdeescritos particulares,recibosepré-contratosrelativosàsrelaçõesde consumovinculamofornecedor,ensejandoinclusive execuçãoespecífica,nostermosdoart.84eparágrafos” •Art31CDC: •“Aofertaeapresentaçãodeprodutosouserviçosdevem assegurarinformaçõescorretas,claras,precisas,ostensivas eemlínguaportuguesasobresuascaracterísticas, qualidades,quantidade,composição,preço,garantia, prazosdevalidadeeorigem,entreoutrosdados,bemcomo sobreosriscosqueapresentamàsaúdeesegurançados consumidores.” •Obs:quemouoquedefineoquedeveserinformado? •Opróprioprodutoouserviço,nadefiniçãodesua finalidadecomtudooquefornecessárioparaseu efetivousoeconsumo,semnenhumriscoàsaúde e/ousegurançadoconsumidor.
  18. 18. OFERTAEPUBLICIDADE •PROIBIÇÃODERECUSADOCUMPRIMENTO DAOFERTAart.35 •Seofornecedordeprodutosouserviçosrecusar cumprimentoàoferta,apresentaçãooupublicidade,o consumidorpoderá,alternativamenteeàsualivre escolha: •I-exigirocumprimentoforçadodaobrigação, nostermosdaoferta,apresentaçãooupublicidade; •II-aceitaroutroprodutoouprestaçãode serviçoequivalente; •III-rescindirocontrato,comdireitoà restituiçãodequantiaeventualmenteantecipada, monetariamenteatualizada,eaperdasedanos.
  19. 19. OFERTAEPUBLICIDADE •ESPÉCIESDEPUBLICIDADEVEDADAS PELOCÓDIGODOCONSUMIDOR •PublicidadeEnganosa–Induzoconsumidor aerro,paraadquirirprodutooucontratar serviçoque,emcircunstânciasnormais,não adquiriranemcontrataria. •Previsão–Art.37parágrafo1ºdoCDC •Conceito–§1°Éenganosaqualquer modalidadedeinformaçãooucomunicaçãode caráterpublicitário,inteiraouparcialmente falsa,ou,porqualqueroutromodo,mesmopor omissão,capazdeinduziremerrooconsumidora respeitodanatureza,características,qualidade, quantidade,propriedades,origem,preçoe quaisqueroutrosdadossobreprodutoseserviços.
  20. 20. OFERTAEPUBLICIDADE •Princípio–Veracidadedapublicidade. •Responsabilidadecivil:Art.927doCódigoCivil ouCDC. •Responsabilidadeadministrativa: Contrapropaganda •Responsabilidadepenal:Art.67e68doCDC. •Art.67.Fazeroupromoverpublicidadeque sabeoudeveriasaberserenganosaouabusiva: PenaDetençãodetrêsmesesaumanoemulta. •Art.68.Fazeroupromoverpublicidadeque sabeoudeveriasabersercapazdeinduziro consumidorasecomportardeformaprejudicialou perigosaasuasaúdeousegurança:Pena-Detenção deseismesesadoisanosemulta:
  21. 21. PROTEÇÃOCONTRATUALE PRÁTICASABUSIVAS •Oconsumidorpodedesistirdocontrato,no prazode7diasacontardesuaassinatura oudoatoderecebimentodoprodutoou serviço,semprequeacontrataçãode fornecimentodeprodutoseserviçosocorrerfora doestabelecimentocomercial,especialmente portelefoneouadomicílio. •Seoconsumidorexercitarodireitode arrependimento,osvaloreseventualmente pagos,aqualquertítulo,duranteoprazode reflexão,serãodevolvidos,deimediato, monetariamenteatualizados.
  22. 22. PROTEÇÃOCONTRATUALE PRÁTICASABUSIVAS •DasCláusulasAbusivas •Sãonulasdeplenodireito,entreoutras,as cláusulascontratuaisrelativasaofornecimento deprodutoseserviçosque: •I-impossibilitem,exoneremouatenuema responsabilidadedofornecedorporvícios dequalquernaturezadosprodutoseserviçosou impliquemrenúnciaoudisposiçãodedireitos; •II-subtraiamaoconsumidoraopçãode reembolsodaquantiajápaga,noscasos previstosnestecódigo; •III-transfiramresponsabilidadesa terceiros;
  23. 23. PROTEÇÃOCONTRATUALE PRÁTICASABUSIVAS •IV-estabeleçamobrigaçõesconsideradas iníquas,abusivas,quecoloquemo consumidoremdesvantagemexagerada,ou sejamincompatíveiscomaboa-féouaeqüidade; •V-estabeleçaminversãodoônusdaprova emprejuízodoconsumidor; •VI-determinemautilizaçãocompulsóriade arbitragem; •VII-imponhamrepresentanteparaconcluir ourealizaroutronegóciojurídicopelo consumidor;
  24. 24. PROTEÇÃOCONTRATUALE PRÁTICASABUSIVAS •VIII-deixemaofornecedoraopçãode concluirounãoocontrato,embora obrigandooconsumidor; •IX-permitamaofornecedor,diretaou indiretamente,variaçãodopreçode maneiraunilateral; •X-autorizemofornecedoracancelaro contratounilateralmente,semqueigual direitosejaconferidoaoconsumidor; •XI-obriguemoconsumidoraressarciros custosdecobrançadesuaobrigação,sem queigualdireitolhesejaconferidocontrao fornecedor;
  25. 25. PROTEÇÃOCONTRATUALE PRÁTICASABUSIVAS •XII-autorizemofornecedoramodificar unilateralmenteoconteúdoouaqualidade docontrato,apóssuacelebração; •XIII-infrinjamoupossibilitemaviolação denormasambientais; •XIV-estejamemdesacordocomosistema deproteçãoaoconsumidor; •XV-possibilitemarenúnciadodireitode indenizaçãoporbenfeitoriasnecessárias.
  26. 26. INVERSÃODOÔNUSDAPROVA |NoCódigoCivil,quemacusatemodeverde apresentarasprovas.JánoCódigodeDefesa doConsumidor,háAINVERSÃODOÔNUSDA PROVA,ouseja,éofornecedordoproduto quemdeveprovarqueoseuprodutoou serviçoestádeacordocomasnormaslegais previstasnoCDCedemaisórgãos fiscalizadoresenormatizadores. |Istoveioprovocarafacilitaçãodadefesados direitosdoconsumidor,quando,acritériodojuiz, forverossímilaalegaçãoouquandoforele hipossuficiente,segundoasregrasordináriasde experiências;
  27. 27. VIGILÂNCIASANITÁRIA– BELEZACOMSEGURANÇA
  28. 28. |LeiNo.8.080/90–InstituiuoSistemaÚnico deSaúde-SUS; |LeiNo.9.782/99–CriouaAgênciaNacional deVigilânciaSanitáriaANVISA– Finalidadedescentralizarocontrole federal,transferindoestecontroleaos EstadoseMunicípios; |ResoluçãoANVISAn.79,de28/08/2000- estabeleceadefiniçãoeclassificaçãode produtosdehigienepessoal,cosméticose perfumeseoutroscomabrangêncianeste contexto;
  29. 29. |Competeaosgovernosestaduaise municipais,estabelecersobreoCódigo SanitáriodoEstadualedoMunicípio, alémdedefinirNormasecritériospara oControleHigiênico-Sanitário. |AsaçõesdaVigilânciaSanitária relacionadasàáreaBelezaemgeral estãoinseridasnasaçõesdesaúde,e devem:-avaliarosriscoscontaminação eepidemiológicosdentrodas prioridadeslocais,seguindoo determinadopeloSistemaÚnicode Saúde-SUS.
  30. 30. ATENÇÃOAOCONSUMIDOR |Operfildoconsumidorbrasileiromudou,estamaisatendo ahigienedoestabelecimento,procedimentosdehigienedos profissionaisqueprestamserviçosnaáreadeBelezaem geral. |OempresáriodaáreadeBelezadeveadaptar-seaoCDC. |PRESTADORDESERVIÇOSseráresponsabilizadopor acidentescausadosaosseusconsumidores,porexemplo: |-Alergiaseouintoxicaçõesaprodutosquímicosutilizados naprestaçãodeserviços,quandonãoforemrealizados testesparaverificaroníveldetolerânciaaoproduto; |-Quandonãoutilizarequipamentosdevidamente esterilizadosoudescartável,quepossamcausar transmissãodedoençacomoAids,HepatiteBeC,Micoses, infecções,etc.
  31. 31. ATENÇÃOAOCONSUMIDOR |Todocuidadoépoucoquandoselidacomo público,emespecialquandooserviçoprestado podeprejudicarasaúdedoclienteedo profissional. |Prevenirdoençasepromoverasaúdeéodeverde todososórgãosdesaúdepública,fabricantes, empresárioseprestadoresdeserviçosde embelezamento,disponibilizamosasnormasde vigilânciasanitáriaedeboaspráticasnoquese refereainstalaçõesfísicas,controledeprodutos, medidasdehigieneelimpezaeesterilizaçãode materiais.
  32. 32. COMOADEQUARSEU ESTABELECIMENTOASNORMASDA VIGILÂNCIASANITÁRIA |Osestabelecimentos,devemrespeitareseadequara legislaçãosanitáriavigente,seguindoasnormasdeboas práticas,paragarantiraoprofissionaleaseusclientes, segurançaequalidadenosserviçosqueprestam,evitando riscosàsaúde. |Devemverificar: |Iluminaçãonaturalouartificialadequadaquepermitaa realizaçãodeprocedimentoscomsegurançaeboacondição visual; |Instalaçãoelétricasuficienteparaonúmerode equipamentos.Nãoutilizeextensõesoubenjamins (sobrecarga):éproibidoterfiaçãoexpostaparaevitarcurto circuito; |Ventilaçãonaturalouartificialadequadaquegarantaum ambientearejado;
  33. 33. COMOADEQUARSEU ESTABELECIMENTOASNORMAS DAVIGILÂNCIASANITÁRIA |Pisoseparedescomrevestimentosquesejam laváveis,ouseja,resistentesalimpezacomágua esabão. |Ralosdevemtercondiçõesdefechamentooucom telamilimétrica; |Águaencanadapotável; |Ligaçãonarededeesgoto; |Mobiliáriosdevemtersuperfícielisa,nãoporosa; |Vestiáriocomarmáriosparaprofissionais; |Banheiroparaosfuncionários,compia,água corrente,sabãolíquidoepapeltoalha;
  34. 34. COMOADEQUARSEU ESTABELECIMENTOASNORMAS DAVIGILÂNCIASANITÁRIA |Piaexclusivaparalimpezadematerialcomo:alicates, espátulasdemetalparaunhas,escovasdecabelo,pentes, bacias,cubaseoutros; |Equipamentosadequadosparaaesterilizaçãodematerial demetalcomoalicates,espátulasdemetalparaunhase outros; |Tanquesparalavarospanosdelimpezaehigienização; |Banheiroparaosclientes,compia,águacorrente,sabão líquidoepapeltoalha. |Quandoemcentroscomerciais,podeserutilizadoo sanitáriodestinadoaopúblico,desdequeestejalocalizado nasproximidades; |Organizarolixocomumemsacoplástico,separando-odo lixodematerialreciclável.
  35. 35. COMOADEQUARSEU ESTABELECIMENTOASNORMAS DAVIGILÂNCIASANITÁRIA |TodoestabelecimentodeveterumManualdeRotinas eProcedimentos,queéumroteirodescritivodecada serviçoprestado,mostrandoopassoapassoeas recomendaçõessobreasatividadesexecutadas. |OManualdeveabordarasrotinasdetrabalhocomo: |Tingimentoourelaxamentodecabelos; |Depilação; |Tratamentoestético; |Podologia. |Cuidadoscomosinstrumentosdetrabalho:toalhas, pentes,escovas,esterilizaçãodealicateseorientações relativasàhigienizaçãodoambientedetrabalho.
  36. 36. COMOADEQUARSEU ESTABELECIMENTOASNORMAS DAVIGILÂNCIASANITÁRIA |Assim,naelaboraçãodoManual,recomenda-se enfocarprocedimentosquantoa: |HigienizaçãodoAmbiente-pisoseparedes, mobiliárioebanheirosequalaperiodicidadedecada um. |HigienizaçãodosprodutosemGeral-produtos cosméticos,toalhas,alicates,espátulaseoutros. |ProcessosdeEsterilização-tiposdeesterilizaçãoe equipamentos. |Serviços-manicure,pedicuroepodólogo;cabeleireiro ebarbeiro;depilaçãoeesteticista;
  37. 37. |HIGIENIZAÇÃODOAMBIENTE |Pisos:énecessárioaretiradaimediatadoscabelos decorrentesdocorte,acadacliente. |Mobiliários:devemserlimposcomáguaesabãoou detergente,pordentroeporfora. |Banheiro:devemserlimposcomáguaesabãoefeita adesinfecçãodovasosanitáriocomáguasanitária. |PRODUTOSEMGERAL |Osprodutosutilizadosparaembelezamento pertencemàcategoriadoscosméticosesão regulamentadospelaANVISA
  38. 38. |TOALHASDETECIDOOUDESCARTÁVEIS |Devemestarlavadasepreferencialmenteembaladas emsacoplásticoindividualmente; |Guardadasdeformaorganizadaemlocallimpo,secoe arejado,podendoserprateleiraouarmário; |Usarumaparacadaprocedimento,independentede seromesmocliente; |Assujasdevemsercolocadasemlocaldiferentedas limpas,paraevitarcontaminação;
  39. 39. |ALICATES,ESPÁTULASEOUTROS MATERIAISDEMETAL |Devemserlavadoseescovadoscomsabão líquido,emáguacorrenteabundante,oulavadora ultrassônicaacadaprocedimento; |Emseguida,enxaguar,secareacomodaro materialemembalagemapropriadaparao processodeesterilização; |Naembalagemdeveconstaradatade esterilizaçãoeonomedequempreparouo material; |Aembalagemdevesersempreabertanafrente do(a)cliente.
  40. 40. CABELEIREIROEBARBEIRO |Oprofissionaldeve: |Lavarasmãosantesdeatendercadacliente; |Perguntaraoclientesepossuialgumaalergiaaos produtosquevaiutilizar; |Manterasescovasepentesemrecipienteslimpos eorganizados; |Usarlâminasnovasacadaclienteedescartá-las apósouso. |Usarluvasaofazerusodequímica.
  41. 41. CONCLUÍDOOSERVIÇO,DEVE |Lavarasmãosapósatendercadacliente; |Limparescovasepentes,removendoos cabelos,apóscadauso; |Lavarpentes,escovasedemais equipamentosutilizados,comáguae sabãolíquidodetergente,apósousoem cadacliente; |Descartaraslâminasutilizadasem recipientesrígidos; |Retirardochãooscabelosdecorrentesdo corte.
  42. 42. CUIDADOSCOM… |MATERIAISePRODUTOS |devemterregistronoMinistériodaSaúde ouindicaçãodeisenção, |respeitaravalidadeeotempodeaçãoespecíficos decadafabricante,questionaroclientesobre possíveisalergias,realizartestedecontato. |Lâminas |usarlâmina descartávele colocaremlocal adequado.
  43. 43. CÓDIGODEÉTICA PROFISSIONAL
  44. 44. PARAQUÊEPORQUÊ |OCódigodeÉticaProfissionaldeveser resultantedeumpactoprofissionalemtornodas condiçõesdeconvivênciaerelacionamento existenteentreascategoriasintegrantesdeum mesmosetorprofissional,visandoumaconduta cidadã,ouseja,umacondutaprofissional, direcionandoatitudeseposturasdentroda ÉTICA.
  45. 45. DALIBERDADEINTELECTUAL |OsprofissionaisdaBelezaassumemcomoprópriasas seguintesresponsabilidades: |Art1º.Facilitaroacessodosutilizadoresdosserviços deBelezaainformaçõessobreasdatasdevalidades deprodutoseregistrosquandosolicitados. |Art2º.Utilizar-sedomaiornumeropossívelde materiaisdescartáveis,assegurandoaoclientea higienização. |Art3º.ManterasuaOutorgaprofissional (Certificado),semprequepossívelemlocaldefácil visibilidade,facilitandocomissoqueoclienteposso identificá-lo. |Art4º.Higienizartodomaterial(ferramentas),na utilizaçãodopróximoclienteàtemperaturae condiçõeselencadasnaLei6437/77eDec-Lei214/75
  46. 46. DAPRIVACIDADEDOSCLIENTESDOS SERVIÇOSDEBELEZA |Art1º.Utilizarasinformações,decaráter pessoal,apenasparaofimaqueforam recolhidas. |Art2º.Considerarcomodadosemsituaçãode privacidade:conversassobrereligião, política,etc... |Art3º.Considerarabusivoqualquerpedidode informaçãocujaintençãosejaviolara privacidadedeumcliente.
  47. 47. DOPROFISSIONALISMO |Art1º.Assegurarumdesempenhoprofissional competente. |Art4º.Procurarumcontínuodesenvolvimento profissional,apoiandooscolegasquepretendam fazeromesmo. |Art6º.Considerarasnecessidadesdeinformação dosclientes,dosserviçosedopúblicoemgeral, acimadosseusprópriosinteressesedosda organizaçãonaqualtrabalham. |Art10.Manteraconfidencialidadedainformação dentrodoestabelecimentonosquaistrabalham. Esterespeitomantém-semesmoparaalémda cessaçãodovínculolaboral.
  48. 48. DOPROFISSIONALISMO |Art14.Assegurar-sedequeainformação fornecidaaosclienteséadequada,completae claramenteesclarecedora. |Art15.Aceitararesponsabilidadepelaqualidade doseutrabalhoepelasconseqüênciasdeerros cometidosporimprudênciaouimperícia. |Art16.Forneceramelhorinformaçãopossívelde acordocomasnecessidadesdosclientes,ou indicaroserviçomaisadequado.

×