• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Redes 3
 

Redes 3

on

  • 4,859 views

 

Statistics

Views

Total Views
4,859
Views on SlideShare
4,840
Embed Views
19

Actions

Likes
2
Downloads
10
Comments
0

3 Embeds 19

http://supportinfosolutions.blogspot.com 12
http://supportinfosolutions.blogspot.com.br 6
http://www.supportinfosolutions.blogspot.com.br 1

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Redes 3 Redes 3 Document Transcript

    • 0Instalações Lógicas Autor: Sidney de Sales Leão
    • 1CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS CURSO TÉCNICO EM ELETROTÉCNICA INSTALAÇÕES LÓGICAS Sidney de Sales Leão BELO HORIZONTE 2008
    • 2SumárioConceitos para instalações lógicas - Componentes básicos........................................4Cabo utilizado nas instalações: par trançado.................................................................5 Definições...............................................................................................................5 Utilidades e vantagens...........................................................................................5 Taxa de transmissão..............................................................................................6 Tipos de Cabo Par Trançado.................................................................................7 Categoria dos cabos..............................................................................................8 Características físicas............................................................................................8Montagem da rede – componentes..................................................................................9Conectores RJ 45.....................................................................................................................9 Crossover.............................................................................................................12 RJ-45 Fêmea (jack)..............................................................................................13 Tomadas e Espelhos............................................................................................14 Tomadas..............................................................................................................15 Espelhos...............................................................................................................16 Patch Panels........................................................................................................17 Painel de conexão reduzido (mini patch panel)...................................................19 Blocos com Saída RJ-45......................................................................................20 Blocos de Conexão 110.......................................................................................21 Patch Cables e Adapter Cables...........................................................................23 Marcação de cabos..............................................................................................25Aparelhos e instrumentos utilizados nas instalações.................................................25 Gabinete..............................................................................................................25 Racks...................................................................................................................26 Brackets...............................................................................................................29 Prateleiras............................................................................................................30 Painel de Fechamento.........................................................................................30 Guia de Cabos.....................................................................................................31
    • 3 Organizador horizontal para cabos......................................................................31 Régua de Tomadas..............................................................................................31Dispositivos de distribuição de dados..........................................................................32 Hub.......................................................................................................................32 Switch...................................................................................................................33 Roteadores...........................................................................................................33 Redes sem fio(wireless).......................................................................................35Ferramentas para instalações e testes de redes..........................................................38 Punch Down.........................................................................................................38 Alicate crimpador..................................................................................................39 Testador de cabo.................................................................................................39
    • 4Introdução Tão importante quanto cabos de rede elétrica, as redes de internet espalham eligam todo mundo, seja conectando pessoas, movendo dinheiro, expandindo idéias, etc.É no caminho dessa troca de informações que envolve o conceito de instalações lógicas. Apresentarei conceitos sobre como instalar uma rede feita por cabos de partrançado, bem como instalação de seus componentes, desde um switch, hub ou roteador,até o usuário, mostrando as dimensões de componentes, tipos de materiais usados, entreoutros.
    • 5 Conceitos para instalações lógicas Componentes básicos Os componentes básicos da rede são uma placa de rede para cada micro, oscabos e o hub ou switch que serve como um ponto de encontro, permitindo que todos osmicros se enxerguem e conversem entre sí. As placas de rede já foram componentes caros, mas como elas são dispositivosrelativamente simples e o funcionamento é baseado em padrões abertos, qualquer umpode abrir uma fábrica de placas de rede o que faz com que exista uma concorrênciaacirrada que obriga os fabricantes a produzirem placas cada vez mais baratas etrabalhem com margens de lucro cada vez mais estreitas. As placas de rede mais barataschegam a ser vendidas no atacado por menos de três dólares. O preço final é um poucomais alto naturalmente, mas não é difícil achar placas por 20 reais ou até menos. Placa de rede Os cabos de rede mais usados atualmente são os cabos Cat 5 ou Cat 5e. Onúmero indica a qualidade dos cabos. Existem cabos Cat 1 até Cat 7, mas como oscabos Cat 5 são suficientes tanto para redes de 100 quanto de 1000 megabits (chamadasde Gigabit Ethernet) eles são os mais comuns e mais baratos. Geralmente custam emtorno de 70 centavos o metro. O cabo normalmente vem em uma caixa padrão com 300m, pesando cerca de10kg.
    • 6 Entre as fabricantes, encontem-se a Furukawa, Alcatel, Nexans e outros. Cabo utilizado nas instalações: par trançado Definições O cabeamento por par trançado (Twisted pair) é um tipo de fiação na qual doiscondutores são trançados um ao redor do outro para cancelar interferências eletromagnéticas de fontes externas e interferências mútuas (linha cruzada ou, em inglês, crosstalk) entre cabos vizinhos. A taxa de giro (normalmente definida em termos de giros por metro) é parte da especificação do tipo de cabo.Quanto maior o número de giros, mais o ruído é cancelado. Foi um sistema originalmenteproduzido para transmissão telefônica analógica, que utilizou o sistema de transmissãopor par de fios. Aproveita-se esta tecnologia que já é tradicional por causa do seu tempode uso e do grande número de linhas instaladas. Utilidades e vantagens A rede feita com cabo de par trançado está substituindo as redes de cabocoaxial de 50 Ohms devido à facilidade de manutenção, pois neste último é muitotrabalhoso achar um defeito devido a um mau contato ou qualquer problema com asconexões em algum ponto da rede, que acaba por refletir em todas as máquinas da rede,o que não acontece em uma rede de par trançado.
    • 7 Outro motivo para adoção do cabo de par trançado foi à vantagem em atingirmaiores taxas de transferência. Com cabos convencionais haveria comunicação, mascom ruídos prejudicariam em muito a qualidade. As taxas usuais são: 10 Mbps; 100 Mbps (Fast Ethernet); ou 1000 Mbps (Gigabit Ethernet). As placas são intercompatíveis, mas ao usar placas de velocidades diferentes,as duas vão conversar na velocidade da placa mais lenta. Quando existem várias máquinas envolvidas, os dados só podem ser recebidosou enviados por uma máquina de cada vez, enquanto isso, as outras máquinas esperampara enviar os seus dados. Se o pacote de dados chegar corrompido, a máquina que osrecebeu requer que eles sejam enviados novamente e isto custará mais tempo de esperadas outras máquinas, então quanto mais perfeita a linha de dados, mais rápida será arede, utilizando-se placas Fast Ethernet e cabos CAT 5 obtém-se taxas de 100 Mbs. Com a popularização das conexões rápidas (ADSL, Cabo etc.) as placas de 100Mbps e os Hubs tornaram-se acessíveis no seu preço, portanto são ideais para umapequena rede ou rede doméstica, e também utilizando o cabo UTP CAT 5. Deve-se verificar também a ligação do cabo de acordo com os sinais envolvidos.No conector RJ-45, para a ligação de rede convencional (10 ou 100 Mbps) somente ospinos 1,2,3 e 6 são na verdade utilizados. Dependendo da ligação ou não dos demaispares, pode ocasionar ruídos quando menos de 10 Mb/s, e não funcionar a 100 Mb/s,podendo até travar os computadores da rede. A vantagem principal na utilização do par de fios é seu baixo custo de instalaçãoe manutenção, considerando o grande número de bases instaladas. Taxa de transmissão A taxa de transmissão varia deacordo com as condições das linhasutilizadas Todo o meio físico detransmissão sofre influências do meioexterno acarretando em perdas dedesempenho nas taxas de transmissão.Essas perdas podem ser atenuadas limitando a distância entre os pontos a seremligados.
    • 8 A indução ocorre devido a alguma interferência elétrica externa ocasionada porcentelhamentos, harmônicos, osciladores, motores ou geradores elétricos, mau contatoou contato acidental com outras linhas de transmissão que não estejam isoladascorretamente, ou até mesmo tempestades elétricas ou proximidades com linhas de altatensão. Tipos de Cabo Par Trançado Unshielded Twisted Pair - UTP ou Par Trançado sem Blindagem: é o mais usado atualmente tanto em redes domésticas quanto em grandes redes industriais devido ao fácil manuseio e instalação, permitindo taxas de transmissão de até 100 Mbps, e pelo fato de que o cabo CAT 5 é o mais barato. Para distâncias maiores que 150 metros; emprega-se cabos de fibra óptica, que vêm barateando os seus custos. Sua estrutura é de quatro pares de fios entrelaçados e revestidos por uma capa de PVC Shield Twisted Pair - STP ou Par Trançado Blindado (cabo com blindagem): Ésemelhante ao UTP. A diferença é que possui uma blindagem feita com a malha do cabo.Sendo basicamente necessário em ambientes com grande nível de interferênciaeletromagnética. É mais caro, menos usado e necessita de aterramento. Este gênero decabo, por estar revestido, diminui as interferências eletromagnéticas externas,protegendo mais da umidade. Deve-se dar preferência a sistemas com cabos de fibraótica em grandes distâncias ou com elevadas velocidades de transmissão, podem serencontrados com blindagem simples ou com blindagem par a par. Screened Twisted Pair - ScTP também referenciado como FTP (Foil Twisted Pair), os cabos são cobertos pelo mesmo composto do UTP categoria 5 Plenum. Para este tipo de cabo, no entanto, uma película de metal é enrolada sobre todos os pares trançados, o que contribui para um maiorcontrole de EMI, embora exija maiores cuidados quanto ao aterramento do mesmo.
    • 9 Categoria dos cabos Os cabos UTP foram padronizados pelas normas da EIA/TIA com a norma 568 esão divididos em 5 categorias, levando em conta o nível de segurança e a bitola dofio, onde os números maiores indicam fios com diâmetros menores: Categoria do cabo 1 ( Voz): possui medida 26 AWG. São utilizados porequipamentos de telecomunicação e rádio e não devem ser usados para uma rede local(padronizado pela norma EIA/TIA-568B). (Não é mais indicado pela norma TIA/EIA) Categoria do cabo 2 (Dados - LocalTalk)): usado antigamente nas redes tokenring chegando a velocidade de 4 Mbps. (Não é mais indicado pela norma TIA/EIA) Categoria do cabo 3: cabo padronizado foi usado para transmissão de dados atéa freqüência 16 MHz e dados a 10 Mbps Ethernet em redes da mesma capacidade. (Nãoé mais indicado pela norma TIA/EIA) Categoria do cabo 4: pode ser utilizado para transmissão até a freqüência de 20MHz e dados a 20 Mbps foi usado em redes token ring a uma taxa de 16 Mbps. (Não émais indicado pela norma TIA/EIA) Categoria do cabo 5: usado em redes fast ethernet em freqüências de até 100MHz com uma taxa de 100 Mbps. Categoria do cabo 5e: é uma melhoria da categoria 5. Pode ser usado parafreqüências de até 125 MHz em redes 1000BASE-T gigabit ethernet. Categoria do cabo 6: definido pela norma ANSI TIA/EIA 568B-2.1 possui bitola24 AWG e banda passante de até 250 MHz e pode ser usado em redes gigabit ethernet avelocidade de 1.000 Mbps. Categoria do cabo 6a – Subcategoria dentro do CAT6. Providência acima de 500MHz. Categoria do cabo 7 – Ainda em testes.Essa tecnologia será avaliada aproximadamenteem 2013. Diz-se que esta categoria possui umamelhor blindagem do que a CAT6, e umafreqüência maior que 600 MHz Características físicas Os cabos contém 4 pares de fios, quesão crimpados (ligados ao conector) com umadeterminada combinação de cores onde existem
    • 10dois padrões: T568A, o mais utilizado, e o 568B criado pela AT&T. A seqüência de cores na prática não é importante, desde que toda a rede sejainstalada desta mesma forma, mas a norma EIA/TIA 568A determina. Essa seqüênciadeve ser usada pra ligar um computador a um hub, ou switch. Para evitar confusões noato a EIA-TIA 568-B prescreve que o par Branco-Azul seja designado com número 1, opar Branco-Laranja número 2, o Branco-Verde número 3 e o Branco- Marrom número 4.Atualmente por facilidade de instalação e conexão as normas brasileiras permitemalternativas de identificação em clores claras. A cor branca do par 1 fica como azul claro-azul, o par 2 branco-laranja, o par 3 verde claro- verde e o par 4 marrom claro-marromObs: Existem cabos com diferentes representações destes códigos de cores:− O fio com a cor branca pode ser a cor mais clara;− Fio branco com uma lista de cor;− Fio completamente branco. Neste caso é necessário ter atenção aos cabos que estão entrelaçados; Existem também limites de comprimentos para esse tipo de cabo. Érecomendado um limite de 80 a 100 metros de comprimento para que não haja lentidão eperda de informações. Obs.: A taxa de transmissão de dados correspondente depende dosequipamentos a serem utilizados na implementação da rede. Obs: Um outro tipo de ligação de cabos pode também aparecer, chamado decross-over, que permite ligar diretamente dois micros, sem precisar do hub.Montagem da rede - componentes Conectores RJ 45 Nas redes de cabos UTP, a normaEIA/TIA padronizou o conector RJ-45 paraa conectorização de cabos UTP. Sãoconectores que apresentam uma extremafacilidade de manuseio, tempo reduzido naconectorização e confiabilidade, sendo queestes fatores influem diretamente no custoe na qualidade de uma instalação. Os
    • 11conectores estão divididos em dois tipos: macho (plug) e fêmea (jack). O conector RJ-45macho possui um padrão único no mercado, no que diz respeito ao tamanho, formato eem sua maior parte material, pois, existem vários fabricantes deste tipo de conector,portanto todos devem obedecer a um padrão para que qualquer conector RJ-45 machode qualquer fabricante seja compatível com qualquer conector RJ-45 fêmea de qualquerfabricante. Já o conector RJ- 45 fêmea pode sofrer algumas alterações com relação àsua parte externa. Para a conectorização do cabo UTP, a norma EIA/TIA 568 A/B determina apinagem e configuração. Esta norma é necessária para que haja uma padronização nomercado. Contudo, existem, no mercado, duas padronizações para a pinagem categoria5, o padrão 568 A e 568 B, que diferem apenas nas cores de dois pares de condutoresdo cabo UTP. EIA/TIA-568A EIA/TIA-568B 1. Branco-Laranja 1. Branco-Verde 2. Laranja 2. Verde 3. Branco-Verde 3. Branco-Laranja 4. Azul 4. Azul 5. Branco-Azul 5. Branco-Azul 6. Verde 6. Laranja 7. Branco-Marrom 7. Branco-Marrom 8. Marrom 8. Marrom
    • 12 Instalação1. Decapar a capa externa do cabo cerca de 20 mm;2. Posicionar os pares de condutores lado a lado, com cuidado de não misturar os fiosentre si. Utilizar um dos padrões de conexão: T568A ou T568B;3. Destorcer e posicionar os condutores segundo a tabela abaixo;4. Cortar as pontas dos condutores expostos de forma que os condutores fiquemparalelos entre si;5. Inserir o cabo no conector com a trava voltada para baixo. Certificar que os condutoresestão nas posições corretas e totalmente inseridos no conector nas respectivascavidades. A capa externa do cabo UTP deve ser inserida até a entrada dos condutoresnas cavidades dos contatos;6. Inserir o conector no alicate de crimpador mantendo-o devidamente posicionado e"crimpar" firmemente.OBS: O conector pode ser crimpado somente uma vez, não permitindo uma segundatentativa. Após a crimpagem, certifique se os condutores estão bem crimpados e a capado cabo esteja presa firmemente. É importante lembrar que não há qualquer problema uma rede inteira ser montada com a trava do conector RJ-45 (jack) apontada "para cima" ou "para baixo" em relação à ordem dos cabos, pois, desde que se obedeça aordem até o fim desta rede, a mesma estará operacional em quaisquer condições.Usualmente, a trava é apontada para baixo, como os pontilhados do esquema mostram.
    • 13 Crossover No cabo crossover são invertidos os pinos 1(TD-Transmite dados) com o 3(RD-Recebe dados) e 2(TD-Transmite dados) com 6(RD-Recebe dados),isso para que o sinalde transmissão de uma placa de rede chegue aos pinos de recepção da outra placa. Avantagem dessa ligação é que não será necessário um HUB. Porém, só podem serinterligados dois micros. O cabo crossover também pode ser utilizado para interligar HUBa HUB ou SWITCH a SWITCH quando estes não tiverem porta UPLINK, que faz ainversão na própria porta. Pode-se então utilizar um cabo DIRETO. Para fazer um cabocrossover PARCIAL utilize o padrão de conectorização 568A em uma ponta e 568B naoutra ponta. Este cabo suporta velocidades de 10/100 Mpbs. Esquema a seguir:1- Branco com Laranja2- Laranja3- Branco com Verde4- Azul5- Branco com Azul6- Verde7- Branco com Marrom8- Marrom
    • 14 RJ-45 Fêmea (jack)Aplicação - Conexões de terminações de cabos UTP de condutores sólidos (solid wire)com bitolas de 22 a 26 AWG.Funcionamento - Conexão com conectores RJ 45 macho através do contato elétrico e detravamento mecânico (trava do conector fêmea).Material - Corpo principal em termoplástico fosco classe UL V-0 com 8 contatos metálicosbanhados com uma fina camada em ouro e terminal de contatos para os cabos UTP dotipo 110 IDC. Instalação1. Preparação do Cabo: Decapar a capa externa cerca de 50 mm com o cuidados de nãodanificar os condutores. Observar a posição final do conector na tomada ou espelho,efetuando a acomodação do cabo;2. Em um dos lados do conector, posicionar os dois pares dos condutores nos terminaisordenadamente segundo a correspondênciade cores. existem também duas ordens dospares de fios, assim como no RJ-45. Utiliza-se a mesma deste;3. Inserir os condutores com a ferramentaPuch Down na posição de baixo impacto -perpendicular ao conector apoiando-ocontra uma base firme e com o auxílio dosuporte que acompanha o produto. Com ouso da ferramenta Puch Down as sobrasdos fios são automaticamente cortadas;
    • 154. Repetir os passos 2 e 3 com os outros 2 pares para o lado oposto do conector;5. Acomodar o cabo convenientemente e encaixar as travas de segurança manualmentesobre os terminais;6. Encaixar o conector na tomada ou espelho e identificar o ponto com os ícones deidentificação;7. Como o conector inclinado, encaixe a trava fixa na parte inferior da abertura doespelho e empurre até a trava flexível ficar perfeitamente encaixada;8. Após a instalação do conector RJ-45 fêmea, encaixar a tampa de proteção do conectorque acompanha o produto (dust cover).OBS: O raio de curvatura do cabo não deve ser inferior a quatro vezes o diâmetro domesmo (21,2 mm) e evitar que o comprimento dos pares destorcidos ultrapasse 13 mm. Tomadas e Espelhos Para a acomodação e fixação dos conectores RJ-45 fêmea descritosanteriormente, são necessários os acessórios de terminação que, no caso, são astomadas e espelhos para redes locais, os quais, fazem parte da lista de acessóriosobrigatórios que compõe uma instalação estruturada. As tomadas são caixas moldadas em plástico e salientes que acomodam e fixamos conectores RJ-45 fêmea que,geralmente, são utilizadas emlocais onde as condições oferecidaspelo ambiente não são apropriadaspara a instalação de uma infra-estrutura embutida, por exemplo,locais onde são utilizadas canaletasaparentes para a instalação decabos, a instalação de tomadasseria a mais apropriada, além deproporcionar um bom acabamento. Os espelhos possuem a mesma função das tomadas, ou seja, também sãoutilizados para a acomodação e fixação dos conectores RJ-45 fêmea e, ao contrário dastomadas, estes são utilizados em instalações que ofereçam uma infra-estrutura embutida,onde estes espelhos possam ser fixados em caixas de embutir de tamanho padronizado.
    • 16Como relação ao tamanho e formato, os espelhos possuem dimensões que atendem aospadrões 4"x2" e 4"x4", hoje muito utilizado no mercado. Na tomada, é possível instalar-se dois conectores RJ-45 fêmea, proporcionandoa interligação de até dois pontos de rede. Quanto aos espelhos, dispõem-se de doistipos, duas e seis posições, sendo possível interligar-se até seis pontos de rede. Tanto astomadas como os espelhos, possuem cores e formatos que proporcionam um ótimoacabamento em qualquer ambiente. TomadasAplicação - Acomodação e fixação de até dois conectores RJ-45 fêmea.Montagem - Fixação em parafusos ou fitas dupla face que acompanham o produto, efixação dos conectores através de encaixe.Materiais - Corpo principal em termoplástico classe UL V-0.Dimensões - (AxLxP) = (38,1x82,5x57,1) mm. Instalação 1. A tomada é constituída de duas partes: a base e a tampa. Inicialmente colocara base na parede ou na superfície onde será instalada a tomada, considerando-se aposição de saída e entrada dos cabos e/ou demais condições para o encaixe emcanaletas ou a infra-estrutura que irá acomodar os cabos.;2. Fixar a base da tomada na superfície usando a fita adesiva dupla face que acompanhao produto e/ou os parafusos de fixação fornecidos.;3. Com relação à fixação, recomenda-se que, na medida do possível, sejam utilizadosparafusos, pois estes proporcionam uma fixação mais segura e duradoura;4. Conectorizar os conectores RJ-45 fêmea deixando uma folga de 50 mm do cabo UTPpara permitir a acomodação do conector em sua posição final. Lembrando que o raio decurvatura do cabo UTP não deverá ser inferior a 21,2 mm;5. Para a fixação dos conectores RJ-45 fêmea na base da tomada, primeiramenteencaixe a trava fixa e depois levante a parte traseira da tomada mantendo a trava flexívelpressionada até o encaixe;6. No caso de instalações com canaletas, abrir a entrada dos cabos nas laterais datampa. Fixar a tampa, assegurando-se de que os conectores fiquem encaixados;7. Quando apenas um conector for instalado por tomada, utilizar a tampa cega queacompanha o produto para fechar a posição vazia. Para o encaixe da tampa cega
    • 17na tomada deve-se proceder da mesma forma que o procedimento do conector RJ-45 fêmea;8. Para a instalação das etiquetas de identificação, acomodar o papel que acompanha oproduto no friso localizado na parte superior da tampa;9. Inserir a extremidade esquerda da capa transparente que acompanha o produto naabertura do lado esquerdo do friso;10. Usando as ranhuras da capa transparente, pressione e deslize-a para a direita até operfeito encaixe da capa;11. Para remover as etiquetas, pressione uma das extremidades da capa transparente edeslize a mesma para o interior da tampa até liberar a extremidade oposta. Verificarsempre se o conector e o cabo estão bem acomodados no interior da tomada,considerando-se o raio de curvatura do cabo, de forma que a tampa da tomada possa serencaixada convenientemente. EspelhosAplicação - Acomodação e fixação de até seis conectores RJ-45 fêmea.Montagem - Fixação através de parafusos em caixas de embutir.Materiais - Corpo principal em termoplástico classe UL V-0.Dimensões - Padrões 4"x2" (2 posições), 4"x4" (6 posições). InstalaçãoDevem ser obedecidos os seguintes procedimentos:1. Com o espelho na mão, incline o conector RJ-45 fêmea encaixando a trava fixa naparte inferior do suporte do espelho e pressione empurrando a trava flexível até o encaixecompleto do conector;2. Quando o número de conectores instalados for inferior ao número de orifícios doespelho, encaixar a tampa cega que acompanha o produto da mesma forma que osconectores, para fechar as posições vazias;3. Instalar os conectores primeiramente nos orifícios superiores e depois nos inferiores;4. Encaixar os conectores RJ-45 fêmea já com a folga de 50 mm no cabo UTP paraacomodar-se convenientemente o mesmo na caixa de embutir;5. Fixar o espelho nas caixas de embutir com os parafusos que acompanham o produto;6. Para identificação, inserir a etiqueta branca básica no friso superior e inferior doespelho. Inserir a extremidade esquerda da capa transparente que acompanha o produtona abertura do lado esquerdo. Usando as ranhuras da capa transparente, pressione o
    • 18lado direito da capa deslizando-a para a direita até um perfeito encaixe no espelho. Pararemover as etiquetas, pressione a extremidade da capa transparente e deslize a mesmapar o interior do espelho até liberar a extremidade oposta;7. Lembrar sempre sobre o raio de curvatura do cabo UTP que não deve ser inferior à21,2 mm e tomando-se o cuidado de não prensar o cabo no momento do fechamento doespelho. Patch Panels Patch Panels são painéis de conexão utilizados para a manobra de interligaçãoentre os pontos da rede e os equipamentos concentradores da rede. É constituído de umpainel frontal, onde estão localizados os conectores RJ-45 fêmea, e de uma partetraseira, onde estão localizados os conectores que são do tipo "110 IDC". Os cabos depar trançado que chegam dos pontos da rede são conectorizados nesses conectores e,nos conectores RJ-45 fêmea são ligados os cabos pré conectorizados com conectoresRJ-45 macho (patch cables). Os cabos denominados patch cables fazem a ligação entreconcentrador e o painel (Patch Panel). O Patch Panel tem a função de uma interface flexível, ou seja, através dele épossível alterar-se o layout lógico dos pontos da rede. Além disso, os patch panels,juntamente com as tomadas providas de conectores RJ-45 fêmea, proporcionam à redeuma grande flexibilidade em termos de deslocamento de pontos e eventuais extensõesda localização de pontos de rede.
    • 19 Por exemplo, através dos patch panels e tomadas é possível conectar-se oscabos pré-conectorizados aos equipamentos com o comprimento necessário, isto desdeque o comprimento total do lance esteja dentro do permitido pela norma EIA/TIA.Aplicação - Interligação de cabos dos pontos de uma rede local e conexões determinações de cabos UTP de condutores sólidos (solid wire) com bitolas de 22 a 26AWG.Montagem - Fixação através de parafusos em racks e conectorização dos cabos dospontos da rede através dos conectores "110 IDC" e ferramenta Punch Down.Materiais - Corpo do chassi em material metálico e conectores RJ-45 fêmea e "110 IDC".Dimensões - (AxL) - 24 posições (44,45x485) mm; 48 posições (88,90x485) mm Instalação1. Decapar a capa externa do cabo UTP aproximadamente 50 mm com o cuidado de nãodanificar os condutores. Segurar firmemente o cabo na remoção da capa externa eposicionar os pares conforme descrição para cabos UTP;2. Conectar os condutores individualmente usando a ferramenta Puch Down na posiçãode baixo impacto, obedecendo a correspondência entre as cores dos condutores e dosterminais. Evitar que o comprimento máximo dos pares destrançados ultrapasse o valorde 13 mm.3. Os cabos deverão ser instalados e crimpados partindo do centro do painel edistribuídos em direção às duas laterais, dividindo os cabos em duas partes;4. Os cabos ficarão agrupados ordenadamente e fixados entre si por abraçadeirasplásticas na parte traseira do patch panel. Cuidado para não apertar as abraçadeiras emexcesso, além disso, lembrar sempre que o raio de curvatura deverá ser de, no mínimo,de 21,2 mm para o cabo UTP Cat.5;5. Observar a compatibilidade de pinagem entre o patch panel e o conector RJ-45 macho.A pinagem do conector RJ-45 macho deverá obedecer ao padrão de pinagem do patchpanel (568A ou 568B);6. Após a conectorização dos cabos UTP Cat 5 - quatro pares na parte traseira do PatchPanel, o passo seguinte é a fixação destes nos racks ou brackets através de parafusosM5, utilizando-se de porcas e arruelas no caso da utilização de brackets;7. No momento da fixação do Patch Panel, tomar cuidado para que os cabos não sejamacidentalmente desconectados dos terminais 110 IDC.
    • 20 Painel de conexão reduzido (mini patch panel)Descrição: Painel de conexão reduzido com capacidade máxima de 12 conectores RJ-45,terminação IDC 110 e dimensões para instalação que atendam ao padrão "89D".Compatibilidade total com TIA/EIA 568-A categoria 5e Power Sum Next.Utilizado para a terminação de cabos UTP rígidos ou flexíveis nos armários ou em pontosde baixa concentração.Características técnicas: Sistema de terminação através de método de inserção rápido,tipo IDC 110, para condutores sólidos de 22 a 26 AWG ou similar;Terminação reutilizável para, no mínimo, 50 reconexões;Compatibilidade do conjunto: TIA/EIA 568-A categoria 5e e ISO 11801;Conformidade com o padrão TIA/EIA 568-A Power Sum Next e desempenho superior nafaixa de freqüência até 100 MHz, de no mínimo 3 dB, em relação à curva de referência daTIA/EIA 568-A e testado a 350 MHz;Conector RJ45 8P/8C com os seguintes indíces de desempenho: PSNEXT mínimo de 40dB, atenuação máxima de 0,4dB, perda de retorno mínima de 18 dB, atraso depropagação máximo de 2,5 ns e delay skew máximo de 1,25 ns;Régua ou placa para a identificação individual de cada conector RJ45;Suporte ou sistema de fixação traseira dos cabos;Identificação dos pares T568-A na parte traseira, para a terminação dos cabos;Área para a identificação do painel (à esquerda ou direita);
    • 21 Blocos com Saída RJ-45 São acessórios similares ao Patch Panel, funcionalmente e construtivamente,diferenciam-se apenas pelo número menor de portas RJ-45 (12) e por apresentar umabase de apoio que pode ser fixada ser fixada em qualquer superfície plana. É umasolução direcionada para a instalação de redes de pequeno porte que não necessitam deacessórios com maior capacidade.Aplicação - Interligação de cabos dos pontos de uma rede local e conexões determinações de casos UTP de condutores sólidos (solid wire) com bitolas de 22 a 26AWG.Montagem - Fixação da base através de parafusos diretamente em superfícies planas efixação do chassi à base através de encaixes. Conectorização dos cabos dos pontos darede através dos conectores "110 IDC" com a ferramenta Punch Down.Materiais - Corpo do chassi em material metálico, base em material plástico e conectoresRJ-45 fêmea e "110 IDC".Dimensões - (AxL) = (255x58) mm. InstalaçãoMesma forma de instalação do Patch Panel, exceto o passo 6:
    • 22Após a conectorização dos cabos UTP na parte traseira do bloco, o passo seguinte é afixação da base em uma superfície plana, através de parafusos que devem ser detamanho S6. Em seguida, encaixar o bloco na base 89D. Blocos de Conexão 110 São blocos de distribuição de cabos, ou seja, neste bloco são conectorizadoscabos multipar trançados de 25 pares, onde se derivam para as estações e sãoconstituídos de uma base que possui um bloco com terminais para conectores do tipo110. Os cabos multipar (25 pares) são conectados nos terminais do bloco. Os condutoresdo cabo são fixados aos conectores 110, que possuem lâminas que fazem a fixação(contato elétrico) dos condutores através do encaixe dos conectores com o bloco e, naoutra extremidade dos conectores, são conectorizados os cabos de par trançado dedistribuição (2/4 pares). Os blocos de conexão são muito utilizados quando há a necessidade deinterligar-se as estações da rede, cujos cabos são os UTP Cat.5 quatro pares, comequipamentos e/ou acessórios de rede que aceitam interligação apenas com cabosmultipares (25 pares). Dependendo de cada situação, os blocos de conexão sãoacessórios indispensáveis para a instalação de uma rede com cabeamento estruturado.É um dos tipos de hardware de conexão utilizados para que sejam terminados eadministrados tanto o cabeamento horizontal como o do Backbone. Normalmente estáalocado nos Armários de Telecomunicações e/ou nas Salas de Equipamentos. Os Blocos 110 se constituem, ao lado dos Patch Panels, em uma das soluçõesmais flexíveis para Sistemas de Cabeamento Estruturado. Algumas vezes a performancedos Blocos 110 é questionada quando comparada a Patch Panels. Ambas as soluçõessão adequadas, porém os Blocos 110 possuem um NEXT (Near End Crosstalk) melhorque o conector modular de oito posições (RJ-45) utilizado nos Patch Panels, pois adistância física entre os pares é maior nos contatos do Bloco 110 atenuando possíveis
    • 23interferências entre os pares. O ponto mais importante é a performance do Canal(Channel) e não a dos componentes isoladamente.Aplicações dos Blocos 110 – Normalmente são utilizados para aplicações de telefoniacomo, por exemplo, o DG de um edifício e em outros casos são utilizados paraaplicações de voz e dados. A principal diferença entre os dois tipos é que os Blocos 110para dados possuem um Organizador Horizontal de Patch Cords, o qual é de extremaimportância visto que, obrigatoriamente utiliza-se Patch Cords e conectores modulares(padrão RJ) para aplicações de dados. Em aplicações de telefonia normalmente sãoutilizados fios jumpers para a conexão e, portanto devesse utilizar Organizadores de Fios.Os Blocos apresentam outra vantagem em relação aos Patch Panels no que diz respeitoà flexibilidade, pois nos mesmos pode-se administrar pares, enquanto nos Patch Panelspode-se administrar somente pontos, o que limita o uso de Patch Panels em aplicaçõesde telefonia.Rack x Parede - Os Patch Panels são tradicionalmente instalados em racks, enquanto osBlocos 110 são normalmente instalados em uma prancha de madeira (playwood) naparede (podendo ser instalados também em racks). Os racks apresentam vantagensquando o site da obra não possui uma Sala de Equipamentos ou um Armário deTelecomunicações disponível.Organização - Quando utilizasse Blocos 110 deve-se usar Organizadores Horizontais eVerticais de Patch Cords, assim como quando utilizamos Patch Panels deve-se utilizarOrganizadores de Cabos e Patch Cords. Para instalações de grande porte os Blocos 110permitem uma melhor organização, pois disponibilizam uma quantidade maior deorganizadores assim como maior espaço físico para o gerenciamento dos Patch Cords.Para aplicações de interconexão com uma quantidade menor de pontos ou aplicaçõessomente de dados os Patch Panels têm-se mostrado como uma boa alternativa.Pontos de Dados - Normalmente para dados deve-se utilizar circuitos de quatro pares,embora aplicações como 10BASE-T utilizem apenas dois pares. Aplica novamente oBloco 110 e como normalmente necessita espelhar as portas dos equipamentos (hubs ouswitches), os Blocos utilizam Patch Cords com um Conector Modular de oito posições(RJ-45) em somente uma das extremidades, sendo que a outra extremidade deve serterminada nos Blocos 110.Pontos de Voz - Normalmente os circuitos de voz utilizam apenas um ou dois pares.Identificação - Deve utilizar Organizadores Verticais de Patch Cords entre os campos deconexão: dados, Cabeamento Horizontal e voz, cuja finalidade é exatamente organizar eacomodar os Patch Cords. De acordo com a norma ANSI/TIA/EIA-606, identifica-se oBloco do Cabeamento Horizontal com etiquetas azuis e os Blocos de equipamentos (voz
    • 24e dados) com etiquetas violeta de maneira a identificar a instalação adequadamente.Montagem - Fixação do bloco em superfícies planas e firmes (paredes, Backboard, DGs)através de parafusos e conectorização dos condutores dos cabos através de conectores"110 IDC" com a ferramenta Punch Down.Materiais - Corpo principal em plástico e conectores com contatos metálicos.Dimensões - (LxAxP) = Bloco (279x92,1x82,5) mm; Conector (30,5x6,3x23,6) mm.Instalação1. Fixar o bloco no Backboard através de 4 parafusos (6 x 20 mm);2. Decapar cerca de 50 mm da capa externa dos cabos e organizar o acesso doscondutores até os terminais;3. Inserir ordenadamente os condutores nos terminais (manualmente) observando acodificação de cores e a devida correspondência com o conector 110 IDC;4. Inserir os conectores observando a ordem das cores;5. Crimpar os condutores com a ferramenta Punch Down na posição de baixo impacto,com o cuidado de não danificar os conectores;6. Após a crimpagem, acomodar os cabos e fixá-los com abraçadeiras plásticas ou fioencerado. Lembrar sempre que o raio de curvatura do cabo UTP Cat.5 é de 21,2 mm. Patch Cables e Adapter Cables Utilizados na interligação entre os patch panels e os concentradores de rede. Ospatch cables proporcionam uma flexibilidade de alterações lógicas de layout dos pontosde rede. Basicamente são constituídos de um cabo UTP Cat.5 - quatro pares provido de2 conectores RJ-45 macho conectorizados nas extremidades do cabo. O comprimentodos patch cables dependerá de cada aplicação.Os adapter cables também são cabosque possuem a mesma constituição física dos patch cables. Contudo, os Adapter Cablessão utilizados para interligar as placas de comunicação das estações de trabalho àstomadas com conectores RJ-45 fêmea. O comprimento irá depender da distância entre aestação e a tomada. A determinação da norma EIA/TIA que proíbe a montagem de patch e adaptercables em campo, dispõe de patch e adapter cables pré-fabricados de fábrica, onde aconectorização é executada por máquinas que garantem um padrão de qualidadeequalizado para todos os patch e adapter cables. Além disso, os patch e adapter cablessão constituídos de cabos UTP Cat.5 e conectores RJ-45 macho que garantem umaótima durabilidade à estes materiais que são submetidos à manobras constantes.
    • 25 Aplicação - Patch Cable - Interligação entre patch panels e equipamentos derede. Adapter Cable - Interligação entre tomadas e estações de trabalho.Montagem - Já vem montado de fábrica.Materiais - Patch Cable - Cabo UTP - quatro pares categoria 5 e 2 conectores RJ-45macho. Adapter Cable - Cabo UTP - quatro pares categoria 5, 2 conectores RJ-45 machocom capas protetoras de PVC.Dimensões - Comprimentos padrões de 1,5 e 2,5 metros (Patch Cable) e 2,5 metros(Adapter Cable).Cuidados:1. Ao conectar/desconectar o patch ou adapter cable, segurar sempre o corpo doconector pressionando a trava do mesmo;2. Jamais tracionar o patch ou adapter cable pelo cabo, pois poderá provocar um maucontato ou mesmo até a desconectorização do cabo;3. Não permitir que o cabo sofra torções, dobramentos, estrangulamentos outracionamentos, para que o mesmo não seja danificado;4. O raio mínimo de curvatura do cabo é de 21,2 mm.
    • 26 Marcação de cabos É de extrema importância que os cabos sejam marcados com anilhas, adesivosou outros. As marcações tipo anilha são utilizadas no próprio cabo, dentro de uma caixalógica ou na canaleta. O mesmo número deve acompanhar até a oura extremidade docabo(que, em sua maioria, liga um switch ou hub). Deve-se colocar a anilha antes doJack ou RJ-45. A fita adesiva pode ser colocada da mesma forma que a anilha(no cabo),mas costuma-se coloca-la na caixa lógica do cabo, para ficar de fácil visualização. Aparelhos e instrumentos utilizados nas instalações Acessórios para Suporte de Cabos e Equipamentos Quando em uma rede de comunicação de dados existirem os equipamentosconcentradores, devem existir também os cabos de interligação destes equipamentos.Normalmente estes equipamentos e os cabos encontram-se instalados em um únicolocal. No ambiente de rede local, à medida que a importância da rede cresce, aumentao volume de informações, tornando-se extremamente necessário o uso de acessóriosque ofereçam o mínimo de proteção necessária aos equipamentos (servidores, hubs,roteadores, etc.), dispositivos e acessórios (patch panels, blocos de distribuição). Alémdisso, a outra parte do cabeamento, ou seja, os cabos e acessórios que interligam ospontos de rede, também devem receber uma proteção adequada, ou seja, uma infra-estrutura que ofereça uma proteção aos cabos e acessórios que compõem a rede. GabineteDescrição: Gabinete fechado composto de quatrocolunas verticais, com teto, base, tampos lateral etraseiro removíveis em chapa de aço e portafrontal em acrílico com fecho e chave. Utilizadopara instalação de painéis de conexão eequipamentos.Características técnicas: Estrutura soldadacomposta de quatro colunas verticais com quadro
    • 27no teto e na base; laterais e tampo traseiro removíveis em chapa de aço e porta frontalem acrílico transparente com fecho e chave em concordância com a norma IEC3-D;Profundidade útil mínima de 470mm; colunas laterais em "L" com furação para instalaçãode porca "gaiola" (primeiro plano de fixação) deslizante, permitindo ajuste deprofundidade do plano;Opção para instalação de segundo plano de fixação;Largura compatível com padrão IEC de 19 polegadas (482,6 mm); Altura útil nominal de 12 a 44 UA (unidade de altura) e furação para fixação de equipamentos e acessórios através de porcas tipo "gaiola" M5; Tampos laterais com venezianas para ventilação; Quatro pés com niveladores embutidos na opção de instalação no piso; Teto "chapéu" para gabinetes com altura superior a 34 UA; Moldura basculante com dobradiça no caso de instalação em parede; Racks Racks são gabinetes com largura padrão de 19“ que poderão ser abertos oufechados onde serão fixados os equipamentos ativos de rede, patch panels e demais acessórios. São suportes constituídos de peças metálicas que compõem uma estrutura na qual são fixados os equipamentos concentradores e respectivos acessórios de uma rede. O rack aberto é constituído de duas barras metálicas que compõem a sua estrutura. Nestas barras são fixados os equipamentos concentradores de uma rede e seus acessórios. O rack aberto serve também para acomodar e proporcionar um melhor acabamento ao "chicote" de cabos que chegam dos pontos da rede ao patch panel. A vantagem do rack aberto consiste no seu baixo custo e facilidade de manutenção. Para
    • 28uma maior firmeza, estes racks são fixados no piso. Os racks são ideais para a fixação de equipamentos e acessórios quenecessitam ser acondicionados e organizados adequadamente. Além disso, aconfiguração física dos racks facilita a fixação dos equipamentos e acessórios e aorganização dos cabos que, geralmente são difíceis de ser organizados.Características técnicas: Conjunto composto de duas colunas verticais em "U", comtampo superior e base de sustentação emconcordância com a norma IEC -310-D;Largura compatível com padrão IEC de 19polegadas (482,6 mm);Altura útil nominal a partir de 6 UA (unidade dealtura) e furação para fixação de equipamentos eacessórios através de porcas tipo "gaiola" M5;Coluna extra instalada na lateral esquerda do rackcom espaçadores simetricamente distribuídos navertical, servindo como passa-cabos verticais;Base de sustentação com quatro furos parainstalação direta no piso acabado;Fornecimento de quatro parafusos com buchas S8para instalação da base.Aplicação - Suporte de equipamentos e acessóriosde rede.Materiais - Chapas de aço.Dimensões - (LxA) = 44" (485x1336) mm; 66" (485x1830) mm.Montagem - Conforme instruções do fabricante, mas de modo geral deve-se seguir ospassos:1. Unir cada componente com parafusos M8 fornecidos. Lista de Componentes: ColunasLaterais; Bases; Travessas Superiores; Organizador vertical de cabos;2. Fixar o rack montado no piso por meio de quatro parafusos S12 com buchas e arruelas(não fornecidos) utilizando os furos existentes nas bases. Caso o piso seja co tipoelevado, utilizar pelo menos duas placas do piso para a fixação do rack, de modo a obteruma maior firmeza à base do rack. Antes de fixar o rack recomenda-se que a partetraseira do mesmo fique afastada cerca de 60cm da parede para facilitar a instalação irádepender fundamentalmente da profundidade dos equipamentos ou acessórios, podendoentão ser maior que a distância de 60 cm;
    • 293. Uma vez montado e fixado o rack, fixar os equipamentos, acessórios no rack por meiodos parafusos M5 fornecidos com o produto, nas duas colunas laterais do rack;4. Os cabos deverão ser fixados nas colunas laterais do rack ou no organizador decabos, sendo presos com abraçadeiras plásticas;5. Aterrar o rack por meio de um fio terra parafusando-o em um dos parafusos da base;6. Não apertar excessivamente os cabos com as abraçadeiras plásticas, evitartrançamentos entre os cabos, evitar torções/nós/estrangulamentos nos cabos e atentarpara o raio mínimo de curvatura dos cabos. Características construtivas: Consideram dois tipos básicos de rack: o rack aberto que consiste em umaestrutura retangular fixada no piso, indicada para ambientes protegidos, livres de pó ecom acesso restrito, ou rack fechado que possui porta com visor de vidro ou acrílico, queem função disto apresenta uma maior segurança e integridade dos equipamentos tendoinclusive a possibilidade de controle de circulação de ar interno, podendo ser fixado emparede ou no piso. Este tipo de rack pode perfeitamente ser usado em áreas de livreacesso, pois sua porta pode ser trancada com chave. AcessóriosForam desenvolvidos vários tipos de acessórios para racks tais como: calha de tomadascom 4, 8 ou 12 tomadas para alimentação elétrica dos equipamentos, régua de fixaçãodos equipamentos, sistema de teto ventilado com 2 ou 4 ventiladores, gavetas fixas oumóveis, gavetas de ventilação e organizadores de cabos. Como dimensionar a altura um rackNo rack serão instalados patch panels, hubs, organizadores de cabos, distribuidoresópticos, etc. Estes acessórios tem uma medida padrão de altura, que é 1U (44,45mm),assim para se especificar a altura do rack levar em consideração o seguinte:1- O nº de equipamentos que deverão ser instalados;2- O nº de patch panels;3- Instalar um organizador de cabos para cada patch panel.Deve-se somar todos estes itens (considerando 1U cada) e tem-se a altura mínimanecessária do rack. Lembrar sempre de deixar uma folga para futuras ampliações darede e melhor acomodação dos equipamentos e acessórios. O ideal é planejar autilização de no máximo 70% da área útil de um rack, permitindo assim a dissipaçãotérmica do calor gerado pelos equipamentos;Largura: 19” (largura padrão para equipamento de dados)Altura: sempre especificada em Us (1U= 44,45mm)Profundidade: é sempre dada em mm
    • 30 Brackets São suportes constituídos de peças metálicas onde são fixados os equipamentoscomo concentradores (Hubs) e os acessórios (patch panels). São de construção mais simples que os racks e adequados para redes de pequeno porte que exijam soluções econômicas. Sua vantagem consiste no baixo custo e na facilidade de manutenção. Os brackets devem ser fixados em superfícies planas, verticais e firmes. O bracket é constituído deuma lateral móvel (articulada) que proporciona grandes facilidades na fixação emanutenção de equipamentos e acessórios, alémde proporcionar um bom acabamento em ambientes disponham de pouco espaço físico.Características técnicas: Largura compatível com padrão IEC de 19 polegadas(482,6mm);Profundidade útil de, no mínimo, 350 mm;Altura útil mínima de 6 UA e furação para fixação de equipamentos e acessórios atravésde porcas "gaiola" M5;Preferencialmente dotado de dobradiça em uma das laterais para facilitar a montagem depainéis;Furação para parafusos de fixação na parte traseira da estrutura e fornecimento dequatro parafusos com buchas S8.Aplicação - Suporte de equipamentos de pequeno porte.Materiais - Chapa de aço.Dimensões - (LxAxP) = (485x240x300) mm. Montagem1. Fixação através de parafusos e buchas S8 em superfícies verticais planas efirmes (paredes de alvenaria e de madeira). Não sendo recomendado a fixação debrackets em divisórias ou similares, pois geralmente não apresentam resistênciasuficiente para o peso do bracket e os equipamentos e acessórios que estivereminstalados no mesmo;
    • 312. Fixação dos equipamentos ou acessórios ao bracket através de parafusos M5 providosde porcas e arruelas.Cuidados: Carga máxima permissível: 10 Kg. Fixar os cabos através de abraçadeirasplásticas sem, contudo, apertar excessivamente. Prateleiras São utilizadas como bandejas de sustentação para equipamentos. Podem ser instaladas em racks e brackets através de parafusos de fixação. São dois os modelos de prateleiras: normal e chantelier. A prateleira normal possui pontos de fixação na face central sendo indicado para fixação em racks abertos ou fechados e brackets. A prateleira chantelier possui pontos de fixação próximos ao centro de seu corpo, proporcionando assim, uma melhor distribuição de peso, sendo indicado para fixação em racks abertos.Aplicação - Bandeja de suporte de equipamentos.Materiais - Chapa de aço.Dimensões - (LxAxP) = Normal (485x90x290) mm; Chantelier (485x90x480) mm.Montagem - Fixação através de parafusos M5 em racks ou brackets (com porcas earruelas). Carga máxima permissível: 10 Kg. Fazer o possível para que o peso docomponente a ser suportado pela prateleira seja distribuído uniformemente. Painel de FechamentoAcessório utilizado para o fechamento de "espaços" não preenchidos nos racks. Sãofixados aos racks através de parafusos.Aplicação - Fechamento de espaçosa não ocupados em racks.
    • 32 Montagem - Fixação através de parafusos M5 em racks e brackets. Materiais - Chapa de aço. Dimensões - (LxA) = (485x45) mm. Guia de Cabos É um acessório que possui a função deorganizar a sobra de cabos de manobra (patch eadapter cables) no rack ou bracket. Um guia de cabosdispõe de uma tampa encaixável que proporciona umbom acabamento além de ser bastante prático.Aplicação - Organização dos cabos UTP Cat.5Montagem - Fixação através de parafusos M5 em rackse brackets.Materiais - Chapa de aço.Dimensões - (LxAxP) = (485x44,45x50) mm.Cuidados: Ao acomodar as sobras de cabos no interior do guia de cabos, evitar torcer,prensar, estrangular e respeitar o raio mínimo de curvatura dos cabos UTP Cat.5. Organizador horizontal para cabosDescrição: Organizador horizontal para cabos de 1 UA.Características técnicas:Largura compatível com padrão IEC de 19 polegadas (482,6mm);Altura máxima de 1 UA e furação para fixação de equipamentos e acessórios através deparafusos/porcas "gaiola" M5;Dotado de no mínimo 5 anéis simetricamente distribuídos ao longo de seu comprimentopara passagem dos cabos, com excelente acabamento, de forma anão ocasionar danos aos cabos de manobra; Régua de Tomadas É um acessório que complementa os componentes descritos anteriormente,necessitando de alimentação elétrica. Proporciona uma proteção adequada e umamaior comodidade na alimentação dos equipamentos instalados nos acessórios.
    • 33 A régua de tomadas proporciona uma grande facilidade em termos de alimentação elétrica dos equipamentos, pois a mesma dispõe de cinco tomadas no padrão 2P + T, adequados para a alimentação de equipamentos de rede. Além disso, a régua é instaladafixando-se a mesma ao rack, dispensando o uso de extensões que não podem serfixadas ao rack. Aplicação - Alimentação elétrica dos equipamentos.Montagem - Fixação através de parafusos M5 nos racks.Materiais - Carcaça em chapa de aço e cinco tomadas do tipo 2P + T, universal(15A-250V), alimentadas por um cabo elétrico.Dimensões - (LxA) = (485x44,45) mm.Cuidados: Ao ligar o plug da extensão na tomada ver ificar sempre a polaridade datomada. Observar sempre a tensão de alimentação que deverá ser compatível com osequipamentos. Recomenda-se que seja instalado um disjuntor de proteção para aalimentação da régua de tomadas para que se tenha uma segurança.Normalmente, tem-se verificado que nas instalações de redes locais, o tamanho dodisjuntor situa-se em torno de 15A. Contudo, o dimensionamento irá depender dademanda de carga dos equipamentos à serem ligados na régua de tomadas. Dispositivos de distribuição de dadosHub O hub é um dispositivo que tem a função de interligar os computadores de umarede local. Sua forma de trabalho é a maissimples se comparado ao switch e aoroteador: o hub recebe dados vindos de umcomputador e os transmite às outrasmáquinas. No momento em que isso ocorre,nenhum outro computador consegue enviar sinal. Sua liberação acontece após o sinalanterior ter sido completamente distribuído.
    • 34 Em um hub é possível ter várias portas, ou seja, entradas para conectar o cabode rede de cada computador. Geralmente, há aparelhos com 8, 16, 24 e 32 portas. Aquantidade varia de acordo com o modelo e o fabricante do equipamento. Caso o cabo de uma máquina seja desconectado ou apresente algum defeito, arede não deixa de funcionar, pois é o hub que a "sustenta". Também é possível adicionarum outro hub ao já existente. Hubs são adequados para redes pequenas e/ou domésticas. Havendo poucoscomputadores é muito pouco provável que surja algum problema de desempenho. Switch O switch é um aparelho muitosemelhante ao hub(função), mas tem umadiferença significativa: os dados vindos docomputador de origem somente sãorepassados ao computador de destino.Isso porque os switchs criam uma espéciede canal de comunicação exclusiva entre aorigem e o destino. Dessa forma, a redenão fica "presa" a um único computador noenvio de informações. Isso aumenta o desempenho da rede já que a comunicação estásempre disponível, exceto quando dois ou mais computadores tentam enviar dadossimultaneamente à mesma máquina. Essa característica também diminui a ocorrência deerros (colisões de pacotes, por exemplo). Assim como no hub, é possível ter várias portas em um switch e a quantidadevaria da mesma forma. O hub está cada vez mais em desuso. Isso porque existe um dispositivochamado "hub switch" que possui preço parecido com o de um hub convencional. Trata-se de um tipo de switch econômico, geralmente usado para redes com até 24computadores. Para redes maiores mas que não necessitam de um roteador, os switchssão mais indicados. Roteadores O roteador (ou router) é um equipamento utilizado em redes de maior porte. Eleé mais "inteligente" que o switch, pois além de poder fazer a mesma função deste,
    • 35também tem a capacidade de escolher a melhor rota que um determinado pacote dedados deve seguir para chegar em seu destino. É como se a rede fosse uma cidadegrande e o roteador escolhesse os caminhos mais curtos e menos congestionados. Daí onome de roteador. Existem basicamente dois tipos de roteadores: Estáticos: este tipo é mais barato e é focado em escolher sempre o menorcaminho para os dados, sem considerar se aquele caminho tem ou nãocongestionamento; Dinâmicos: este é mais sofisticado (e conseqüentemente mais caro) e considerase há ou não congestionamento na rede. Ele trabalha para fazer o caminho mais rápido,mesmo que seja o caminho mais longo. De nada adianta utilizar o menor caminho seesse estiver congestionado. Muitos dos roteadores dinâmicos são capazes de fazercompressão de dados para elevar a taxa de transferência. Os roteadores são capazes de interligar várias redes e geralmente trabalham emconjunto com hubs e switchs. Ainda, podem ser dotados de recursos extras, comofirewall, por exemplo.
    • 36Redes sem fio(wireless) Usar algum tipo de cabo, seja um cabo de par trançado ou de fibra óptica é aforma mais rápida e em geral a mais barata de transmitir dados. Os cabos de partrançado que podem transmitir dados a até 1 gigabit a uma distância de até 100 metros,enquanto os cabos de fibra ótica são usados em links de longa distância, quando énecessário atingir distâncias maiores. Mas, em muitos casos não é viável usar cabos. Asolução nestes casos são as redes sem fio que estão caindo de preço e por issotornando-se bastante populares. O padrão mais usado é o Wi-Fi, também chamado de 802.11b. A topologia destetipo de rede é semelhante a das redes de par trançado, com um Hub central. A diferençano caso é que simplesmente não existem os fios. Existem tanto placas para notebooksquanto para micros desktop. O que precisa prestar atenção na hora de comprar é se omodelo escolhido é bem suportado no Linux. Caso a placa tenha um driver disponível aconfiguração será simples, quase como a de uma placa de rede normal. O Hub é chamado de ponto de acesso (access point em inglês) e tem a mesmafunção que desempenha nas redes com fios: retransmitir os pacotes de dados, de formaque todos os micros da rede os recebam. Em geral nos pontos de acesso não existelimite no número de estações que podem ser conectadas a cada ponto de acesso, mas a
    • 37velocidade da rede decai conforme aumenta o número de micros conectados a ele, jáque apenas uma pode transmitir de cada vez. A velocidade também é mais baixa que a de uma rede convencional: apenas 11megabits (em situações ideais, cerca de 60% disso na prática), muito menos que os 100megabits a que estamos acostumados nas redes com fios. Mas, a maior arma do802.11b contra as redes cabeadas é a versatilidade. O simples fato de poder interligar osPCs sem precisar passar cabos pelas paredes já é o suficiente para convencer algumaspessoas, mas existem mais alguns recursos interessantes que podem ser explorados. Sem dúvidas, a possibilidade mais interessante é a mobilidade para os portáteis.Tanto os notebooks quanto handhelds e as futuras webpads podem ser movidoslivremente dentro da área coberta pelos pontos de acesso sem que seja perdido o acessoà rede. Esta possibilidade lhe dará alguma mobilidade dentro de casa para levar onotebook para onde quiser, sem perder oacesso à Web, mas é ainda maisinteressante para empresas e escolas. Nocaso das empresas a rede permite que osfuncionários pudessem se deslocar pelaempresa sem perder a conectividade coma rede e bastaria se aproximar do prédiopara que fosse possível se conectar àrede e ter acesso aos recursosnecessários. No caso das escolas aprincipal utilidade seria fornecer acesso àWeb aos alunos. Algumas lojas e aeroportos pelomundo já começam a oferecer acesso à internet através de redes sem fio como umaforma de serviço para seus clientes. Um exemplo famoso é o da rede de cafés Starbuksnos EUA e Europa, onde todas as lojas oferecem acesso gratuito à web para os clientesque possuem um notebook ou outro portátil com uma placa de rede sem fio. O alcancedo sinal varia entre 15 e 100 metros, dependendo da quantidade de obstáculos entre oponto de acesso e cada uma das placas. Paredes, portas e até mesmo pessoasatrapalham a propagação do sinal. Numa construção com muitas paredes, ou paredesmuito grossas, o alcance pode se aproximar dos 15 metros mínimos, enquanto numambiente aberto, como o pátio de uma escola o alcance vai se aproximar dos 100 metrosmáximos. Se colocar o ponto de acesso próximo da janela da frente da sua casa porexemplo, provavelmente um vizinho distante dois quarteirões ainda vai conseguir se
    • 38 conectar à sua rede. A potência do sinal decai conforme aumenta a distância, enquanto a qualidade decai pela combinação do aumento da distância e dos obstáculos pelo caminho. É por isso que num campo aberto o alcance será muito maior do que dentro de um prédio por exemplo. Conforme a potência e qualidade do sinal se degrada, o ponto de acesso pode diminuir a velocidade de transmissão a fim de melhorar a confiabilidade datransmissão. A velocidade pode cair para 5.5 megabits, 2 megabits ou chegar a apenas 1megabit por segundo antes do sinal se perder completamente. Algumas placas e pontosde acesso são capazes de negociar velocidades ainda mais baixas, possibilitando aconexão a distâncias ainda maiores. Nestes casos extremos o acesso à rede pode separecer mais com uma conexão via modem do que via rede local. É possível aumentar oalcance máximo da rede usando antenas mais potentes, que podem ser compradasseparadamente. Wired-Equivalent Privacy, que como o nome sugere traz como promessa umnível de segurança equivalente à das redes cabeadas. Na prática o WEP também temsuas falhas, mas não deixa de ser uma camada de proteção básica que sempre devemanter ativada. A opção de ativar o WEP aparece no painel de configuração do ponto deacesso. O WEP se encarrega de encriptar os dados transmitidos através da rede.Existem dois padrões WEP, de 64 e de 128 bits. O padrão de 64 bits é suportado porqualquer ponto de acesso ou interface que siga o padrão WI-FI, o que engloba todos osprodutos comercializados atualmente. O padrão de 128 bits por sua vez não é suportadopor todos os produtos. Para habilitá-lo será preciso que todos os componentes usados nasua rede suportem o padrão, caso contrário os nós que suportarem apenas o padrão de64 bits ficarão fora da rede. Atualmente existem pesquisas que mostram que a internet wireless pode serbem mais rápida que a convencional através do uso de radiofreqüência. Ospesquisadores obtiveram taxas de 15 Gbps em distâncias de um metro, 10 Gbps em dois
    • 39metros e 5 Gbps para distâncias de cinco metros.Se essa estrutura de rede funcionar,toda a rede baseada em cabeamento se tornará obsoleta. Com uma velocidade de transmissão desse nível é possível baixar o conteúdode um DVD inteiro em apenas cinco segundos. O maior desafio para os engenheiros daGeorgia Tech, atualmente, é aumentar as taxas de transmissão e diminuir o consumo deenergia de uma rede como essa. A pesquisa pode resultar numa rede pessoal (PAN, nasigla em inglês), usando freqüencias de 60 GHz para melhorar a conectividade em redescaseiras ou em escritórios. A equipe norte-americana espera que o sistema estejafuncionando em até três anos.Segundo os pesquisadores, essa rede terá compatibilidadecom as atuais redes WiFi e a radiação emitida não é nociva à saude humana. Afreqüência de 60 GHz é detida pela pele e por obstáculos como paredes. Isso explica porque o foco da pesquisa são redes de curta distância. Ferramentas para instalações e testes de redes Existem muitos instrumentos utilizados para as instalações e testes nas redes,como alicates universais, chaves, fitas, entre outros. Estes aqui apresentados são osmais comuns devido ao seu uso para testar cabos, crimpar conectores, etc. Punch Down - (Soco para baixo) é uma ferramenta versátil, tão útil quanto umalicate de crimpar conectores. O mesmo é utilizado para colocar cabos de redes emjacks(RJ fêmea) Para fazer uma boa inserção dos cabos no jack, deve-se primeiramente deve desencapar 10cm do fio protetor (aquele que guarda os pares trançados - não desencape jamais os nenhum fio dos pares). Após fazer isso o ideal é separar cada um dos pares e puxar o filete de nylon por mais 5 a 10 cm, ele vai rasgaro encapamento externo. Corte o excesso, uns 4 cm. Depois disso separe os cabos até aparte rasgada do encapamento externo. Após fazer isso, colocar os fios dentro dosencaixes do jack fêmea do cat5e. Coloque o primeiro fio e observa a cor, normalmentetodo jack vem com as próprias instruções de cor. Alguns Punch Down possuem um ladoque corta o fio, deixe o mesmo voltado para fora do adaptador, se for o seu caso. Faça omesmo procedimento com todos os fios. O ponto de boa fixação é quando a mola dopunch down faz um barulho mais forte, como impacto (o que realmente acontece). Tire o
    • 40excesso da capa externa e depois insira a parte superior do jack, que garante que os fiosnão soltarão. Ao fixar na parede, deixe os contatos na parte superior da tomada, de formaque evite que resíduos caiam sobre eles, isso evita a oxidação (boa parte dela). Alicate crimpador Servem para decapar cabos lógicos e crimpar conectores. Existem váriosmodelos, e entre estes selecionei um que aparece em uma venda de produto na internetno mercado livre. Este produto mostra bem suas especificações e finalidades: Recomendado para a crimpagem de conectores modulares: 8P8C / RJ -45 / 6P6C / RJ12 / 6P4C / RJ - 11. Instruções: Remova a trava para manusear, Cortando um cabo modular: Posicione o alicate com a lâmina simples de frente para você e corte o cano modular no comprimento que desejar, certifique - se de que cortou de forma reta e não diagonal; Decapando o cabo (Flat): 2.a - Insira o cabo 4P/6P na parte lateral das duas lâminas do alicate até atingir o guia de parada; 2.b - Insira o cabo 8P / 10P na parte lateral das duas lâminas do alicate e deixe - o avançar até o ponto de corte; 2.c - Aperte até o fim, o cabo precisa ser mantido na perpendicular. Puxe - o para fora da ferramenta. Decapando e crimpando um cabo redondo: 3.a - Insira o cabo no orifício de decapagem localizado ao lado das lâminas e pressione o alicate e gire o cabo no sentido horário e anti - horário; 3.b - Remova a capa, insira as vias do cabo conector; 3.c - Coloque o conector modular com o cabo nas posições 6P ou 8P do alicate, de acordo com o conector utilizado. Certifique - se de que o cabo decapado esteja entre a presilha e os contatos dourados. Aperte até o fim; 3.d - Remova o conector crimpando a ferramenta; Composição: Termoplástico e metais. Validade do produto: Indeterminada Testador de cabo O testador de cabos, de forma geral, permite em segundos conferir cabos econectores de dados RJ-45 ou telefonia RJ-11/12 se estão transmitindo corretamente.Efetua testes de transmissão e recepção de sinal desde o ponto do usuário(espelho/caixa de superfície) até hub/switch ou rack (patch panel). Ele verifica se os cabos estão conectados de forma correta, e também a suapolarização. Se houver erro(sem contato, troca de pares, etc...) aparecerá no terminalcom visor.