“Dia desses ouvi certa pessoa dizer que tem sido difícil de agüentar oúltimo golpe que a vida lhe dera. Pensei um pouco so...
sentir seu perfume, transpirei ao senti-la tão perto e ofeguei quando ela se despirapara mim.             Aquele jovem cor...
velou o corpo do casal morto em um acidente de carro. Lucas, o sobrinho de Julieta,passara a viver com casal. Eduardo já n...
Mas também sei que fui forte, segurei firme na mão que Deus meestendeu. Criei minha filha, e meu sobrinho emprestado. Ambo...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

À Espera-II

111 views
82 views

Published on

Published in: Entertainment & Humor
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
111
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

À Espera-II

  1. 1. “Dia desses ouvi certa pessoa dizer que tem sido difícil de agüentar oúltimo golpe que a vida lhe dera. Pensei um pouco sobre tal idéia e, por um acaso ounão, vi-me bem próximo da realidade de tal vivente. Está difícil, eu sei...” Esta fora uma das anotações que Padre Inácio lera no antigo diário queseu irmão de sacerdócio lhe enviara em busca de conforto. Eduardo martirizou-setanto para viver o amor com a tal boa moça da cidade, na qual um dia fora muito bemaceito como o mais jovem pároco da região. Mas como a vida não é feita por uma cama de rosas, padre Inácioresolvera voltar a ler o pequeno livro de segredos em busca de reconhecer a nova dordaquele que considerava um filho. Lembrava-se com exatidão do dia em que Eduardo largou a batina emseus pés, quando lhe contou toda a história, ou melhor, parte da história. Sim, eleomitira alguns fatos. “Sim, eu amo Maria Julieta, descobri hoje cedo tal novidade. Veio elaconfessar a mim seus sentimentos. Beijou-me no confessionário. Ah, meu bom Deusse tu soubesses o quanto essa mulher tem me atormentado, mas me feito bem... Ah,meu bom Deus, por que tu inventaste o amor? É tão bipolar, frio, quente, ardente,consumidor... Tu fizeste a arma mais poderosa do Universo, como És inteligente!Tampouco sabes que dias atrás, eu tentei dar cabo a vida, procurando conforto emTua presença. Arrependo-me. Peço encarecidamente, que me envies alguém com que podereiconfessar minha angústia, um ancião talvez. Alguém que me ofereça palavrasreconfortantes diante de tamanho erro. Perdoa-me Deus por não te servir como um bom sacerdote, masacredito que tens um propósito no que fazes.” Passou a folhear as anotações dos últimos anos, da data em queEduardo fora embora em diante. Algumas páginas eram marcadas por lágrimas,outras continham diversas fragrâncias, talvez os perfumes da jovem amada. PadreInácio chegou ao ponto quando Maria Julieta fora até a humilde casa onde o jovem ex-pároco vivia. “Minha Julieta acabou de deixar-me. Veio despedir-se, dizer que irápara a capital, tentar uma nova vida, formar-se, lecionar talvez. Fiquei orgulhoso desuas declarações tão motivadoras. Fiquei também tentado em largar tudo quando ela me fizera o convitepara fugirmos juntos. Vivermos tranquilamente. Ah como o Diabo nos atenta com suasperipécias! Chegara aqui, na calada da noite, trajando apenas um longo casacopreto, com o cabelo bem preso, e aqueles olhos de esmeraldas reluzentes. Tremi ao
  2. 2. sentir seu perfume, transpirei ao senti-la tão perto e ofeguei quando ela se despirapara mim. Aquele jovem corpo, com suas suaves curvas, aquela pele macia,branca... Seu inebriante perfume, seus seios não tão fartos, mas extremamentetentadores. Seus doces lábios se aproximaram dos meus inexperientes, tocaram-nos com tanta leveza, que tive vontade de mais, muito mais. A envolvi em meu abraço.Deixei-me levar, sentir, tocar, amar... Como uma só pessoa pode nos levar às loucas e mágicasexperiências? Uma única pessoa é capaz de nos levar a caminhos desconhecidostortuosos e tentadores... „Pai, por que me abandonaste?‟ Por que me deixara cair em tentação,Pai? Deixamos-nos levar tanto, que acabamos estirados em minha cama,saciados, mas ainda sedentos por mais uma noite, mais toques entre dois amantes tãovirgens quanto outros quaisquer. Depois disso, ela partiu, deixou-me. Deixou-me seu perfume, suas marcas, seu sorriso e também suaslágrimas. Não fugi com ela, não fugiria por enquanto, apenas disse que fosse. E ela sefoi. E agora a pouco pude perceber que Tu, Pai, nunca me abandonaste!” Ainda perplexo após tomar conhecimento do ocorrido naquela noite,Padre Inácio já não queria dedicar-se mais àquela leitura, mas a curiosidade era tanta,que decidiu continuar a desvendar a história do casal. Em algumas páginas, os meses se passaram. Nove mais precisamente.Encontrou várias fotografias de um recém-nascido. Parou nas anotações da data 16de setembro de 1982. “Hoje Deus nos presenteou com uma benção, nossa pequena Lauraveio à luz do mundo. Saudável, forte e guerreira, símbolo do nosso amor. Têm osolhos verdes da mãe, traços leves, seus cabelos e boca acompanham meus formatos.Ah, meu bom Deus, obrigado!” Uma foto da família seguia em anexo. Uma linda família. Após este episódio, as anotações tornaram-se mais espaçadas, trêsanos após o caderno já continha desenhos infantis, provavelmente da pequena Laura.Mais algumas fotos da família, dos aniversários, dos amigos e de tudo queconstruíram após partirem da pequena cidade onde viviam. A primeira ida à escola, o primeiro passeio a praia e quando contousobre a morte dos pais de Julieta. A esposa mergulhou em depressão e padre Inácio
  3. 3. velou o corpo do casal morto em um acidente de carro. Lucas, o sobrinho de Julieta,passara a viver com casal. Eduardo já não parecia contente e a vida parecia desandar. “Julieta não anda bem. Já não leciona, não nos olha nos olhos, nosevita, nos troca e nos exclui. Laura, sofre com a mudança da mãe, tão carinhosaanteriormente, tornara-se amarga e fria sem reagir aos carinhos de nossa pequena. Lucas, que agora mora conosco, nos ajuda com as despesas da casa,dá aulas particulares para os colegas de classe. Mas, mesmo assim, o dinheiro andaapertado, nada nos falta, porém, está difícil de manter tudo o que construímos. Infelizmente hoje tive que dispensar nossa ajudante nos serviçosdomésticos, ela precisava tanto... Mas Deus irá ampará-la. Com esta perda, eumesmo farei os trabalhos da casa. Tentei entrar em contato com meus familiares, mas os magoei tanto quenão quiseram sequer receber meus telegramas ou telefonemas. Tenho medo, meubom Deus, que Tu estejas sempre ao lado de minha família. Que nada nos falte.” Por que Eduardo não o solicitou? Por que não foi chamado para ajudaro velho amigo? Por quê? Fechou o diário mais uma vez. Mas que fim levara Eduardo e sua família? “ 30 de março de 1994. Laura aos 11 nos e meio já tem problemas o suficiente em sua vida,minha pequena está sofrendo e eu nada posso fazer. Julieta oscila em seus delíriosnoturnos e sanidade matinal e vespertina, já estou desesperado. Os tratamentos nãotêm eficácia, e agarro-me cada vez mais em minha fé. Senhor, que Tu não meabandones jamais!” As crônicas seguintes seguiram desconexas até que um golpe foi dado. Maria Julieta, a jovem de pele branca e alva, olhos verdes comoesmeraldas, jogou-se do décimo sexto andar do prédio onde residia. Diagnosticadacomo louca e insana a jovem decidiu dar cabo a vida. A polícia investigou o caso,Eduardo nunca fora apontado como suspeito, todos o conheciam como um ótimo, pai,marido e chefe de família. Maria Julieta suicidara-se de braços abertos ao vento. Oenterro foi feito no dia seguinte à tragédia, 02 de junho de 1995. A notícia tomou contade todas as páginas dos célebres jornais da época. Eduardo seguiu sua vida, adoentou-se algumas vezes, quase seentregou, assim como sua mulher amada. Páginas em branco foram deixadas,algumas continham mensagens de saudade da pequena Laura dedicadas à mãe. “Dia desses ouvi certa pessoa dizer que tem sido difícil de agüentar oúltimo golpe que a vida lhe dera. Pensei um pouco sobre tal idéia e, por um acaso ounão, vi-me bem próximo da realidade de tal vivente. Está difícil, eu sei...
  4. 4. Mas também sei que fui forte, segurei firme na mão que Deus meestendeu. Criei minha filha, e meu sobrinho emprestado. Ambos são formados, temvida feita e nunca me abandonaram. Padre Inácio, meu bom amigo, envio-lhe este diário, pois quero quesaiba que em nenhum momento deixei de pensar no que tinhas a me oferecer. Masvoltar ao ponto inicial não seria o ideal. Meu amigo, pai e conselheiro, obrigado portudo que fizeste por mim. Despeço-me deste mundo, dizendo que o protegerei ondeeu estiver, a qualquer hora e em qualquer lugar, o golpe foi forte de mais e já não seimais ser forte. Se cuide, meu amigo.” Dias depois recebera uma carta de Laura em nome de seu pai,agradecendo-lhe por tudo o que fez pelo antigo jovem que falecera há tão poucotempo. Lucas retornou à cidade, quis rever os conhecidos, os amigos e mais próximos.Já era pai de família e trouxera toda a criançada para conhecer suas origens. Alguns meses se passaram e a morte de Padre Inácio fora anunciada.Os moradores da cidade, já esperavam pelo acontecimento já que a idade avançadaconsumia a antiga vitalidade do ancião mais velho das redondezas. O golpe foi forte, mas todos esperavam que tudo desse certo, quenovos amores nascessem, que essa poderosa arma pudesse ser usada contra tudoque nos consome, nos faz mal e nos faz sentir a beira do precipício. Para lembrarapenas, que os golpes são fortes o suficientes para agüentarmos o que temos pelafrente, para vivermos a vida à espera de tudo que nos fará bem. 20/02/2012

×