Apresentação Trabalho de Conclusão de Curso - Ciência da Computação

1,298 views
1,113 views

Published on

DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVO PARA DISPOSITIVO MÓVEL COM
FINALIDADE DE REALIZAR O MONITORAMENTO EM TEMPO REAL DO
ÔNIBUS DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO UTILIZANDO A PLATAFORMA
JAVA E SISTEMA OPERACIONAL ANDROID

Published in: Technology
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
1,298
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
41
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Apresentação Trabalho de Conclusão de Curso - Ciência da Computação

  1. 1. Trabalho de Conclusão de Curso Acadêmico: Thiago Marinho de OliveiraThiago Marinho de Oliveira Orientador: Carlos Eduardo CayresCarlos Eduardo Cayres Uniderp - 2012
  2. 2. Tema DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVO PARA DISPOSITIVO MÓVEL COM FINALIDADE DE REALIZAR O MONITORAMENTO EM TEMPO REAL DO ÔNIBUS DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO UTILIZANDO A PLATAFORMA JAVA E SISTEMA OPERACIONAL ANDROID
  3. 3. O objetivo deste estudo foi desenvolver um aplicativo que pudesse exibir na tela do smartphone a localização exata e em tempo real do ônibus de transporte coletivo urbano. Para desenvolver esse projeto foi necessário a utilização da linguagem de programação Java, IDE eclipse, SDK Android, API do Google Maps para exibir o mapa e o ponto geográfico da localização do ônibus. Foram necessários o desenvolvimento de três sistemas, sendo que dois foram desenvolvidos para executarem no smartphone e um para executar em uma máquina servidor, esses três sistemas formaram uma estrutura, onde o aplicativo BusCg é o cliente, BusCgSender é o fornecedor, e o ServerBus é o WebService e servidor de banco de dados, o qual armazena os dados enviados pelo BusCgSender e fornece ao BusCg quando solicitado pelo mesmo. Ao final do projeto, o BusCgSender enviou sua coordenada geográfica para o ServerBus e o aplicativo BusCg consumiu essas informações renderizando na tela do smarphone o mapa, a rota e o ponto de latitude e longitude do ônibus que foi pesquisado, foi observado em testes que posição geográfica foi exibida corretamente e o tempo foi próximo do tempo instantaneo. Portanto esse projeto além de ter provado a viabilidade de implementação, pode comprovar a possibilidade de implantação bem como de melhorias futuras como por exemplo interface com usuário, serviços e outras funcionalidades que bem atende a população. TRANSCRICÃO DO RESUMO
  4. 4. Introdução ● A plataforma a linguagem Java consolidada no mercado. ● Google com seus parceiros da Open Handset Alliance (OHA) desenvolveram o Android ● O sistema operacional Android, está presente em vários modelos de aparelhos celulares, é um dos sistemas operacionais mais vendidos no mercado, pois várias empresas tem em seus dispositivos móveis o Android como sistema operacional ● Recursos como mapas do Google Maps ● Atualmente os usuários de transporte coletivo urbano tem apenas uma informação estática da hora que o ônibus está previsto a passar no bairro e no centro da cidade ● Grandes capitais do Brasil, tem alguma solução para isso, por exemplo a capital de São Paulo-SP ● O objetivo deste trabalho é mostrar a possibilidade de fazer uso das tecnologias atuais, para o monitoramento em tempo real, pelos usuários, dos ônibus de transporte coletivo urbano que circulam na cidade, através de dispositivos móveis. ● Com este trabalho a sociedade campograndense pode ter uma solução para obter informações precisas da localidade do ônibus que irá pegar. Os acadêmicos terão como base um sistema complexo, atual e interessante para estudar, a comunidade de desenvolvimento pode utilizar, adaptar e melhorar o projeto, ou até mesmo a partir deste desenvolver outros.
  5. 5. ABORDAGEM CONCEITUAL & TÉCNICA DE TECNOLOGIAS ADOTADAS
  6. 6. ABORDAGEM CONCEITUAL E TÉCNICA ● Sistema Operacional ● Android ● GPS ● Banco de Dados ● Linguagem de programação Java
  7. 7. SISTEMA OPERACIONAL Sistema operacional é um programa que atua como intermediário entre o usuário e o hardware de um computador. O propósito de um sistema operacional é fornecer um ambiente no qual o usuário possa executar programas. O principal objetivo de um sistema operacional é portanto tornar o uso do sistema de computação conveniente. Uma meta secundário é usar o hardware do computador de forma eficiente. [1]
  8. 8. Sistema Operacional Android ● Surgimento do Android ● Afinal de contas o que é Android? ● Open Handset Alliance ● Características do Android ● Versões ● Diagrama de Arquitetura ● Considerações finais sobre o SO Android
  9. 9. Surgimento do Android Em julho de 2005 a Google adquiriu a Android Inc, uma pequena empresa em Palo Alto, California, USA. No tempo da Google conduzido por Andy Rubin, foi desenvolvida uma plataforma de telefone móvel baseado em Linux, com o objetivo de ser uma plataforma flexível, aberta e de fácil migração para os fabricantes.
  10. 10. O que é Android Android é um sistema operacional móvel que roda sobre o núcleo Linux, embora por enquanto a sua versão do núcleo Linux divirja da versão oficial. Foi inicialmente desenvolvido pelo Google e posteriormente pela Open Handset Alliance, mas a Google é a responsável pela gerência do produto e engenharia de processos. O Android permite aos desenvolvedores escreverem software na linguagem de programação Java controlando o dispositivo via bibliotecas desenvolvidas pela Google. Em Janeiro de 2012, existiam mais de 400 mil aplicações disponíveis para Android
  11. 11. Open Handset Alliance http://www.openhandsetalliance.com/oha_members.html Open Handset Alliance (OHA) é uma aliança de diversas empresas em diversos ramos da tecnologia com a intenção de criar padrões abertos para telefonia móvel. Entre as empresas participantes estão Google como a líder, HTC, Dell, Intel, Motorola, Qualcomm, Texas Instruments, Samsung, LG, T-Mobile e Nvidia.
  12. 12. Características do Android a) Handset layouts A plataforma é adaptada tanto para dispositivos VGA maiores, gráficos 2D, bibliotecas gráficas 3D baseadas em OpenGL ES especificação 2.0 e os layouts mais tradicionais de smartphones. b) Armazenamento O SGBD SQLite é utilizado para armazenamento de dados. c) Mensagens Tanto SMS quanto MMS são formas disponíveis de envio de mensagens. d) Navegador O navegador disponível no sistema é baseado no framework de Código aberto conhecido como WebKit.
  13. 13. Características do Android e) Máquina virtual Dalvik Aplicações escritas em Java são compiladas em bytecodes Dalvik e executadas usando a máquina virtual Dalvik, que é uma máquina virtual especializada desenvolvida para uso em dispositivos móveis, o que permite que programas sejam distribuídos em formato binário (bytecode) e possam ser executados em qualquer dispositivo Android, independentemente do processador utilizado. Apesar das aplicações Android serem escritas na linguagem Java, ela não é uma máquina virtual Java, já que não executa bytecode JVM. f) Multimídia O sistema irá suportar formatos de áudio e vídeo como: MPEG-4, H.264, MP3, e AAC. g) Suporte Adicional de Hardware O Android é totalmente capaz de fazer uso de câmeras de vídeo, tela sensível ao toque, GPS, acelerômetros, e aceleração de gráficos 3D. h) Ambiente de desenvolvimento (SDK) Inclui um emulador, ferramentas para debugging, memória e análise de performance. O Eclipse (IDE) (atualmente 3.4 ou 3.5) poderá ser utilizado através do plugin Android Develpment Tools (ADT).
  14. 14. Versões ● As diferentes versões de Android têm desde a versão 1.5, nomes de sobremesas ou bolos (em inglês) e seguem uma lógica alfabética: 1.5: Cupcake (Abril de 2009, com a última revisão oficial a maio de 2010) 1.6: Donut (Setembro de 2009, com a ultima revisão oficial a maio de 2010) 2.1: Eclair (Janeiro de 2010, com a última revisão oficial a maio de 2010) 2.2: FroYo (Frozen Yogourt - Maio de 2010, com a última revisão oficial a julho de 2011) 2.3-2.4: Gingerbread (versão atual lançada a 6 de dezembro de 2010) 3.0-3.2: Honeycomb (Lançada especialmente para tablets em Janeiro de 2011) 4.0: Ice Cream Sandwich (Anunciada oficialmente em 19 de outubro de 2011). + Nova versão: Jelly Bean (Android 4.2) - http://www.android.com/whatsnew/
  15. 15. Arquitetura do Android
  16. 16. Considerações finais sobre o SO Android Android é baseado no kernel (núcleo) do Linux, portanto esse sistema operacional denominado Android é livre, grátis, de código aberto, a Google junto com outras empresas da OHA desenvolveram o sistema operacional. Quando usamos o smartphone ou o tablet com Android estamos usando um dispostivo móvel inteligente, multitarefa, que tem uma interface gráfica rica (cheias de efeito e muito bonita). SO Android gerência os recursos como memória, CPU, placa de vídeo, som, 3G, receptor gps, wireless, touch screen (toque na tela). Dispositivo móvel com Android é consagrado no mercado, pois, é barato, customizável, com uma excelente aparência, de fácil utilização, excelente suporte na comunindade Android através de rede sociais, fóruns e grupos de discussão e grandes empresas como Samsung, Sony Ericcson, Motorola vendem seus aparelhos com esse sistema operacional e fornecem suporte.
  17. 17. GPS (Global Positioning System) GPS é uma sigla para Global Positioning System, em portugues Sistema Global de Posicionamento. Quando as pessoas falam sobre "um GPS", estão normalmente se referindo a um Receptor GPS. O Sistema de Posicionamento Global (GPS) é uma verdadeira constelação de 27 satélites em órbita ao redor da Terra (24 em operação e 3 extras caso haja falha nos outros). O exército americano desenvolveu e implementou essa rede de satélites como um sistema de navegação militar, mas logo a disponibilizou às demais pessoas.
  18. 18. Como funciona o GPS Trilateração É um modelo que pode ser utilizado quando são conhecidas as posições de três referências e as distâncias destas referências até o ponto que se deseja estimar. As referências são representadas graficamente por círculos centrados nas respectivas posições e com raio igual à distância até o ponto que se deseja calcular. O resultado está na intersecção de três círculos.
  19. 19. BANCO DE DADOS “É uma coleção de dados inter-relacionados, representando informações sobre um domínio específico. Exemplos: Lista Telefônica, Fichas do acervo de uma biblioteca” [5]. 2.4.2 O que é um sistema de banco de dados? “Consiste em uma coleção de dados, inter-relacionados e uma coleção de programas para prover o acesso a esses dados. O objetivo principal de um sistema de banco de dados é possibilitar um ambiente que seja adequado e eficiente para uso na recuperação e armazenamento de informações”. [6]
  20. 20. JAVA ● Java além de uma linguagem de programação é considerado uma plataforma de desenvolvimento de software. ● A plataforma Java, foi desenvolvida pela Sun Microsystems, que recentemente foi comprada pela Oracle. Java possui mais de 6,5 milhões de desenvolvedores de software. É utilizado em todos os principais segmentos da indústria, estando presente em muitos dispositivos, como computador, TV, redes, celulares. [3 – traduzido e adaptado] ● Java é versátil, eficiente, portável, seguro, é uma tecnologia que está em todo o lugar, projetada originalmente para Internet, é onde o java encontra-se presente. A tecnologia Java está presente em 4,5 bilhões de dispositivos, incluindo Mais de 800 milhões de PCs, 2,1 bilhões de telefones celulares, 3,5 bilhões de cartões inteligentes, além de impressoras, jogos, webcams, GPS, dispositivos médicos, guichês de pagamentos, entre outros [3 – traduzido e adaptado].
  21. 21. JAVA O que podemos fazer com Java? - Criar um software em uma plataforma e executá-lo em praticamente qualquer outra. - Criar programas para execução em navegadores e serviços da Web - Desenvolver aplicativos no lado do servidor usados tanto em fóruns, lojas e pesquisas on-line, como no processamento de formulários HTML, e muito mais. - Combinar aplicativos ou serviços usando a linguagem Java para criar aplicativos ou serviços altamente personalizados. - Criar aplicativos potentes e eficazes para telefones celulares, processadores remotos, produtos de consumo de baixo custo e praticamente qualquer outro dispositivo com tecnologia digital. - Desenvolver aplicativos para Android e hospedá-los no Google Play (com um custo para o desenvolvedor), onde o usuário do dispositivo móvel com Android pode efetuar o download de forma simples e utilizar o aplicativo.
  22. 22. FERRAMENTAS DE DESENVOLVIMENTO, ESTRUTURA BÁSICA DO PROJETO, FRAMEWORK, CLASSES E INTERFACES DO SDK ANDROID, OBTENDO A LOCALIZAÇÃO DO SMARTPHONE. FERRAMENTAS DE DESENVOLVIMENTO
  23. 23. Principais Ferramentas Utilizadas Para desenvolver o projeto foram utilizados as seguintes ferramentas: a. IDE (Ambiente Integrado para o Desenvolvimento de Software) chamado Eclipse versão 3.7.2 (Indigo) (http://www.eclipse.org). b. JDK (Kit de desenvolvimento Java) e JRE (Ambiente de execução Java) na versão 6 http://www.oracle.com/br/technologies/java/index.html c. SDK (Kit de desenvolvimento de software) do Android, disponível em http://developer.android.com/sdk/index.html d. Plugin ADT (Android Development Tools) para Eclipse http://developer.android.com/sdk/eclipse-adt.html.
  24. 24. Conceitos e Classes importantes do Android Toda documentação oficial das classes e interfaces que foram utilizadas no projeto encontram-se em inglês no site: http://developer.android.com/index.html
  25. 25. Classes do Android Action (Ação) Action ou Ação em português é a descrição de algo que uma Intent (Intenção) quer que seja feito. Uma action é representada por uma string, que tem um valor definido pelo sitema Android ou por quaisquer aplicações. Exemplo de Action: android.intent.action.VIEW para acesar uma URL da Web ou com.example.rumbler.SHAKE_PHONE para fazer com que o celular vibre. Action é uma cadeia de caracteres (String) que representa uma Intent. Action é Intent disparada
  26. 26. Classes do Android Activity (Atividade) É uma simples tela da aplicação, com suporte a código Java, é uma classe derivada de Activity. Conceitualmente, uma Activity é representada visualmente em uma janela de tela cheia, que pode receber e manipular eventos com a Interface do Usuário (UI) e executar tarefas complexas.
  27. 27. Classes do Android Ciclo de VidaCiclo de Vida ActivityActivity
  28. 28. Ciclo de Vida Activity http://developer.android.com/training/basics/activity-lifecycle/starting.html#lifecycle-states
  29. 29. Classes do Android import android.app.Activity;import android.app.Activity; import android.os.Bundle;import android.os.Bundle; public class TelaApp extends Activity {public class TelaApp extends Activity { /** Chamado quando a activity é criada pela primeira vez *//** Chamado quando a activity é criada pela primeira vez */ @Override@Override public void onCreate(Bundle savedInstanceState) {public void onCreate(Bundle savedInstanceState) { super.onCreate(savedInstanceState);super.onCreate(savedInstanceState); setContentView(R.layout.main);setContentView(R.layout.main); }} @Override@Override protected void onStart() {protected void onStart() { super.onStart();super.onStart(); }} @Override@Override protected void onResume() {protected void onResume() { super.onResume();super.onResume(); }} @Override@Override protected void onPause() {protected void onPause() { super.onPause();super.onPause(); }} @Override@Override protected void onStop() {protected void onStop() { super.onStop();super.onStop(); }} @Override@Override protected void onRestart() {protected void onRestart() { super.onRestart();super.onRestart(); }} @Override@Override protected void onDestroy() {protected void onDestroy() { super.onDestroy();super.onDestroy(); }} }} Estrutura da Activity Código do Ciclo de vida
  30. 30. Classes do Android Intent (Intenção) Intent é um recurso muito interessante para o SO Android, imagina-se que deseja executar um aplicativo ou Activity mas o SO verifica que não tem memória disponível, logo a sua intenção (Intent) de executar tal aplicativo ou Activity será negada pelo gerenciador de memória do sistema operacional Android.
  31. 31. Classes do Android View (Visão) View é um objeto para desenhar telas em uma área retangular e manipula clique, entre outros eventos. Uma View é uma classe base da maioria dos componentes de layout de uma Activity ou tela de diálogo (caixa de texto, janelas, e assim por diante). Em outras palavras Views são os componentes de tela.
  32. 32. Classes do Android LocationManager (Gerenciador de Localização) Essa classe fornece acesso aos serviços do sistema de localização. Estes serviços permitem que aplicações recebam periodicamente atualizações da localização geográfica de um dispostivo ou dispara uma Intent para aplicação especifica que quando o dispostivo aproximar de uma determinada localização geográfica a mesma seja executada. A classe LocationManager não deve ser instanciada diretamente, em vez disso, recuperamos uma instância através do código Context.getSystemService(Context.LOCATION_SERVICE).
  33. 33. Classes do Android LocationProvider (Provedor de Localização) É uma superclasse abstrata para os provedores de localização. Um provedor de localização fornece feedback periódicos sobre a localização geográfica do dispositivo. Cada provedor tem um conjunto de critérios que pode ser usado, por exemplo, alguns provedores requerem um hardware de GPS, que seja vísivel para um número de x de satélites; outros requerem o uso de uma rede de celular (Estação Rádio Base), ou acesso para uma rede de um transmissor específico, ou Internet. Eles também podem ter características diferentes para o consumo de baterias ou custos monetários para o usuário.
  34. 34. FRAMEWORK, BIBLIOTECA EXTERNA DO GOOGLE MAPS Para tornar mais fácil, fazer um bom trabalho com mapas e adicionar recursos poderosos na aplicação o Google dispõe uma biblioteca externa de Mapas que incluem o pacote com.google.android.maps. A classe do com.android.maps tem incorporado recursos para fazer o processamento, caching (armazenamento) dos mapas em pequenas proporções quando é feito a navegação, e oferece uma variedade de opções de exibição e controles dos mapas. A classe chave dos Mapas é a com.google.android.maps.MapView, é uma sublicasse de ViewGroup. A MapView mostra o mapa com os dados obtidos do serviço do Google Maps. Quando o MapView (Visualização do Mapa) tem o foco, ele vai capturar as teclas pressionadas e os gestos de toque feitos na tela para mexer e aumentar/dimunuir o zoom no mapa automaticamente, incluindo o tratamento de requisições na rede feitas pelos toques na tela. A classe View fornece também todos os componentes UI necessários para trabalhar o controle do mapa. O aplicativo também pode usar métodos da classe MapView para controloar o MapView através de programação, inclusive mudar as camadas do mapa.
  35. 35. Utilização da Lib GoogleMaps Declarando a biblioteca Maps no arquivo Manifesto da aplicação. Para usar a classe Maps da biblioteca externa da aplicação, deve-se referenciar a biblioteca no arquivo de manifesto AndroidManifest.xml. Utilizando a tag <uses-library> que é filha da <application>, com o atríbuto “android:name” que recebe um valor com.google.android.maps que é a classe a ser utilizada.
  36. 36. ESTRUTURA E ANÁLISE DO PROJETO ESTRUTURA Três aplicações: 1)Cliente para Servidor 2)Disponibilizador para Servidor 3)Servidor Web/BD
  37. 37. ESTRUTURA E ANÁLISE DO PROJETO Descrição da estrutura do projeto: Cliente para Servidor: É o aplicativo cliente, BusCg, que envia uma requisição HTTP, via WebService, enviando o ID do ônibus, com a instrução SQL SELECT, para obter um objeto ônibus e pegar dele a informação de Latitude e Longitude, e renderizar na tela do smartphone o mapa (MapView) da localização do ônibus e a rota que ele faz. Disponibilizador para Servidor: É o aplicativo servidor, BusCgSender, obtém a coordenada geográfica (latitude e longitude) do smartphone Android, através do GPS, e envia para o servidor web/banco de dados que armazena através de um UPDATE a última localização (latitude e longitude) do ônibus do ID (número identificador único) informado. Servidor Web/BD: É um sistema web (webservice) rodando em um container web chamado Apache TomCat 7, que recebe os dados das duas aplicações supracitadas, o servidor web se conecta ao SGBD MySql que faz a persistência e seleção de dados no banco de dados.
  38. 38. TOPOLOGIA Satélite BusCgSender BusCg ServerBus
  39. 39. ANÁLISE Caso de Uso - BusCgSenderCaso de Uso - BusCgSender Link da imagem abaixo: http://yuml.me/196949ba.jpg
  40. 40. ANÁLISE Link da imagem abaixo: http://yuml.me/06a8909d.jpg Caso de Uso - BusCgCaso de Uso - BusCg
  41. 41. Diagrama de Atividade BusCgSenderBusCgSender Link da imagem abaixo: http://yuml.me/ab339ff5.jpg
  42. 42. Diagrama de Atividade Link da imagem abaixo: http://yuml.me/09b6a311.jpg BusCgBusCg
  43. 43. BusServer WebService que recebe requisições HTTP, requisições chegam em formato JSON, o sistema web recebe requisição e devolve uma resposta, essa requisição pode ser uma instrução SQL select ou update, que faz select é o BusCg e quem faz o update é o BusCgSender.
  44. 44. BusServer ● Aqui o servidor web está apto a receber requisições, conforme mostra a figura abaixo:
  45. 45. Telas dos Aplicativos ✔ BusCgSenderBusCgSender ✔ BusCgBusCg
  46. 46. App - BusCgSender 1° 2° 3° 4°
  47. 47. App - BusCg 1° 2° 3° 4°
  48. 48. App - BusCg 5° 6°
  49. 49. Conclusão ● A plataforma e linguagem de programação Java, bem como o sitema operacional e SDK Android foram suficientes para desenvolver a aplicação proposta. ● Foram desenvolvidos três sistemas, ServerBus, BusCgSender e BusCg ● Foram realizado testes, e o resultado obitido foi que tanto a aplicação BusCgSender quanto BusCg em alguns momentos por causa da conexão com a Internet via 3G e falha no GPS deixou a desejar ● A aplicação é executada em tempo real, pois o BusCgSender envia a coordenada, o ServerBus armazena no banco de dados, e o BusCg busca no ServerBus, e essas operações são feitas em poucos segundos, o usuário obtém a informação assim que solicita, e as coordenadas do ônibus são plotados no mapa instantaneamente ● Para desenvolver esse sistema não tive muitas dificuldades tecnológicas, toda tecnologia necessária esteve ao meu alcance através da API e ferramentas oferecidas pelo Google e pela plataforma Java
  50. 50. Conclusão O óbice encontrado foi na hora de efetuar os testes das aplicações, pois foi necessário que eu estivesse com meu smartphone conectado a Internet 3G, executando a aplicação BusCgSender dentro do carro para simular o ônibus, e com uma outra pessoa em casa observando o notebook com conexão com Internet, e onde estava configurado o webservice BusServer e rodando aplicação BusCg no emulador (dispositivo móvel virtual) que vem no SDK do Android. Para fidelizar o teste realizado, eu efetuei uma ligação para pessoa que estava em casa verificando os resultados no notebook, pedia para que ela me informasse onde eu estava no mapa, e ela afirmava corretamente a minha posição, de forma que a aplicação serviu como um localizador. Outro ponto que deu trabalho extra foi para obter as coordenadas das rotas que o ônibus faz, primeiro precisei saber qual a rota (ruas que ele passa) que um determinado ônibus executa, e desenhar a rota do ônibus utilizando a ferramenta disponível no Google Earth, a rota desenhada gerou um arquivo XML com todas as coordenadas geográficas, peguei o arquivo e adaptei em um arquivo de texto (.txt) onde a aplicação pudesse ler e o algoritmo de desenho de rota ler cada coordenada e criar uma sobreposição no mapa, gerando assim a rota do ônibus. O desenvolvimento desse projeto pode ser continuado por outros trabalhos acadêmicos, fica um desafio para otimização de consumo da bateria do smartphone, uma implementação que otimize o tráfego de dados, o estudo sobre a nova maneira para armazenar dados, através do conceito BigData e NoSQL. As telas do aplicativo podem ser rendezenhadas para ter uma melhor a usabilidade e deixar a GUI (Interface Gráfica do Usuário) mais rica. Pode-se adicionar Overlays representado os pontos de ônibus da cidade. Pode ser feito um trabalho com teoria dos grafos para exibir o ônibus que chega mais rápido no destino desejado.
  51. 51. Referências Bibliográficas [1] Lecheta, Ricardo R, Introdução ao Android. Google Android: aprenda a criar aplicações para dispositvos móveis com Android SDK / Ricardo R. Lecheta, 2. Ed. Rev, e ampl. São Paulo, Novatec Editora, 2010. [2] Silberschatz, A., Galvin, P., and Gagne, G. (2001). Sistemas Operacionais – Conceitos e Aplicações. Campus. [3] Sobre o Java. Disponível em 17 de Abril de 2012 <http://www.java.com/pt_BR/about/> . Acesso em 17 de Abril de 2012. [4] Ferramenta YUML para desenhar caso de uso. Online em <http://yuml.me/>. [5] Documentação do Android. Disponível em 01 de Dezembro de 2012 < http://developer.android.com/index.html>. Acesso em 01 de Dezembro de 2012. [6] Ricardo Reghelin. TCC. Um Algoritmo Descentralizado de Localização para Rede de Sensores Sem Fio Usando Calibragem Cooperativa e Heurísticas . Florianópolis . 2007 . Online em < http://www.tede.ufsc.br/teses/PGCC0807-D.pdf> . Acesso em 13 de Maio de 2012.
  52. 52. Imagens utilizadas REFERÊNCIAS DAS IMAGENS Figura 1 - http://pt.wikipedia.org/wiki/Ficheiro:Diagram_android.png Figura 2 - http://static.hsw.com.br/gif/gps-3.jpg Figura 3 - http://static.hsw.com.br/gif/satellite-navstar.jpg Figura 4 - Criação própria Figura 5 - Criação própria Figura 6 - Capturei a tela do eclipse, criação própria Figura 7 - http://tgmarinho.files.wordpress.com/2012/03/gsm_call_phonenumber.png Figura 8 - http://developer.android.com/images/activity_lifecycle.png Imagens utilizadas para fazer a estrutura do projeto: http://phenom16.webnode.com.br/album/fotos-de-onibus/onibus-t11-jpg/ http://mundorealista.com/tecnologia/2012/07/17/curso-de-redes-parte-2-topologia-de-redes/ http://www.assuntosgerais.com/wp-content/uploads/2010/01/apache_display.png http://www.infoescola.com/wp-content/uploads/2011/01/mysql.jpg http://www.productwiki.com/upload/images/ibm_x3400.gif http://images04.olx.com.br/ui/11/29/04/1339796962_400672504_1-Fotos-de--CELULAR-ANDROID-S5000-FRETE-GRaTIS.jpg Imagens para o aplicativo: Tela de splash feita pelo autor no Corel Draw Ícones e outras imagens extraída do site: http://
  53. 53. Obrigado! Thiago Marinho de Oliveira, Apresentação à banca do Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) para o curso de Ciência da Computação, Uniderp, Dezembro de 2012. @tgmarinho Campo Grande - MS
  54. 54. Glossário Activity = Classe especial do Android, tradução livre: Atividade Android = Sistema operacional de dispositivo móvel BD = Banco de Dados BusCg = Aplicativo para dispositivo mobile, desenvolvido pelo autor. BusCgSender = Aplicativo para dispositivo, mobile desenvolvidor pelo autor. BusSender = WebService desenvolvido pelo autor CRUD = Create Retrieve Update Delete (Criar Buscar (recuperar) Atualizar Deletar) DAO = Data Access Object (Acesso Direto a Objeto) GPS = Global Positioning System (Sistema de Posicionamento Global) HTTP = Hypertext Transfer Protocol ID = Número ou palavra única indetificadora, exemplo é o CPF, RG, etc. Java = Linguagem de programação JSON = JavaScript Object Notation (http://www.json.org/) Plugin = Pequeno programa que apoia o desenvolvimento de outros programas SQL = Structured Query Language (Linguagem Estruturada de Consulta) Request = Requisição Response = Resposta SDK = Software Development Kit SGBD = Sistema Gerenciador de Banco de Dados Smartphone = Aparalho celular inteligente SO = Sistema Operacional Software = Programa de computador URL = Uniform Resource Locator (Localizador padrão de recursos) WEB = refere-se a World Wide Web ou sistemas que utilizam a Internet como um meio de tráfego de dados.

×