Your SlideShare is downloading. ×
Tarefa 1 Sessao 1
Tarefa 1 Sessao 1
Tarefa 1 Sessao 1
Tarefa 1 Sessao 1
Tarefa 1 Sessao 1
Tarefa 1 Sessao 1
Tarefa 1 Sessao 1
Tarefa 1 Sessao 1
Tarefa 1 Sessao 1
Tarefa 1 Sessao 1
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Tarefa 1 Sessao 1

794

Published on

Published in: Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
794
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
13
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Modelo de Autoavaliação das Bibliotecas Escolares Sessão1 TABELA MATRIZ Análise SOWT Conhecimento na área Biblioteca escolar Aspectos críticos que a Desafios. Acções a Domínio Pontos fortes Fraquezas Oportunidades Ameaças Literatura identifica implementar Competência na estruturação de unidades, pessoas e fluxos de Promover sessões de informação; conhecimentos trabalho com das teorias de docentes, professores comunicação; gestão de O desempenho do bibliotecários e sistemas de controlo da cargo de professor órgãos de gestão com 90% dos Apenas 15 % dos 1 informação; análise de bibliotecário é intuito de posicionar professores professores sistemas de informação; reconhecido como o PB no contexto da bibliotecários bibliotecários são noções de gestão de Reconhecimento um dinamizador de actual legislação e Competências do desempenham detentores de recursos humanos e institucional da actividades no consequente professor este cargo em formação coordenação de equipas; função de professor âmbito da reconhecimento bibliotecário exclusividade de especializada e controle de orçamentos; bibliotecário. promoção e transversal das suas funções. mais de dois anos conhecimentos de dinamização da funções no contexto de experiência no promoção e marketing; leitura e não como de cargo. ética social e legal; um gestor de escola/agrupamento; conhecimento actualizado informação. dos normativos legais em vigor. Maria Teresa Semedo 2 Novembro 2009
  • 2. Modelo de Autoavaliação das Bibliotecas Escolares Sessão1 Conhecimento na área Biblioteca escolar Gestão de recursos humanos, materiais (instalações, equipamentos A envolvente sócio Acesso físico a e tecnologias) e da cultural e serviços de qualidade dos serviços. económica da biblioteca por As necessidades e Processos de trabalho, localidade em que parte de toda a expectativas dos operações, regras e Valor da BE e do se insere. Motivar para o comunidade utilizadores sobre a procedimentos impacto que pode trabalho colaborativo educativa. biblioteca. estabelecidos. ter na escola e nas através de sessões de aprendizagens. A cultura trabalho com Tempo para Factores ambientais, Sistema interno de organizacional/edu diferentes parceiros reflectir na visão com incidência nos comunicação e grau de Articular cativa da internos e externos à de missão da BE e tipos de projectos e desenvolvimento. prioridades e administração Escola; nas decisões actividades a 2 objectivos com a gestora (mais ou Organização e subsequentes. desenvolver. Formação da equipa e escola os menos flexível). Sessões de formação Gestão da BE planos de formação programas e com vista a conceber Constituição de adaptados às necessidades projectos em Inovação PAA e PA; equipas coesas e Legislação e da mesma. desenvolvimento. tecnológica, que estáveis. normativos com determina o que Sessões de trabalho incidência directa na Capacidade de liderança do Envolvimento dos somos no mensais com os Motivação e biblioteca. professor bibliotecário. Directores no momento e a Grupos de Trabalho implicação do sucesso dos imagem tida junto Concelhio/Interconcel professor Cultura organizacional da projectos. de cidadãos e hio. bibliotecário no biblioteca. políticos. projecto da Grau de autonomia na biblioteca. gestão. Resistências à mudança. Maria Teresa Semedo 2 Novembro 2009
  • 3. Modelo de Autoavaliação das Bibliotecas Escolares Sessão1 Conhecimento na área Biblioteca escolar O investimento nas Incutir trabalho colecções das BE e colaborativo BM é concelhio (BE’s e Tipologia e quantidade de Serviços de apoio Tratamento maioritariamente em BM’s) com vista a documentos. ao utilizador e documental opções físicas e não uma política de empréstimo. informatizado da virtuais. colecções concelhia colecção. que permita o Agentes, critérios e fontes Apoio à utilização A gestão da colecção empréstimo inter- de selecção. dos recursos Acesso ao catálogo das bibliotecas O investimento nas bibliotecas e multimédia, através do site da escolares, de acordo colecções das BE e catálogos colectivos; Critérios de organização e digitalização, Escola/Biblioteca com a realidade BM é Gestão da política de gestão da impressão e Escolar. portuguesa, será a de maioritariamente Apoiar na elaboração Colecção colecção. reprografia. continuar a em opções físicas e de uma política de Colecções pouco considerar os não virtuais. desenvolvimento da 3 Actualização dos fundos. Utilização de equilibradas e tradicionais recursos colecção. software adequadas aos impressos ao mesmo Tratamento técnico normalizado. utilizadores, tanto tempo que se documental. de BE como de BM. inserem documentos digitais nas Acessibilidade. colecções, tentado suprir as grandes expectativas e necessidades dos utilizadores. A BE como espaço A BE como espaço de O bibliotecário A comunicação é Aprendizagem activa Manutenção da Incentivar a conhecimento, ferramenta escolar como feita baseada na resolução excessiva divulgação, de forma de conhecimento pedagógica de primeira formador e principalmente de compartimentação acessível, do e aprendizagem. ordem e extensão natural e facilitador da num sentido, problemas/construçã do currículo. resultado de estudo lógica da sala de aula. aprendizagem. biblioteca - sala de o de projectos sobre a importância Maria Teresa Semedo 2 Novembro 2009
  • 4. Modelo de Autoavaliação das Bibliotecas Escolares Sessão1 Conhecimento na área Biblioteca escolar aula e raramente, da BE no sucesso O aluno gere a dimensão A BE como recurso sala de aula - BE ainda não é dos alunos. Trabalho social da aprendizagem, fundamental à biblioteca. encarada com colaborativo e sabe como aprende, usa a operacionalização recurso transversalEm sessões de informação e participa na do currículo. da aprendizagem, trabalho com os articulado com vida da comunidade de dificultando o directores de Turma Departamentos e aprendizagem. A implementação trabalho facultar evidências docentes. Colaboração com articulada de colaborativo com em que o projecto A BE como recurso da os docentes ao modelos de os docentes. da BE não é comunidade educativa que nível da Literacia da elaborado à parte do serve o desenvolvimento de planificação das Informação. projecto da escola competências de actividades mas sim em aprendizagens. educativas. articulação, definindo quais são 4 O uso das TIC/Internet ao os objectivos nível do processo de ensino comuns e de que e aprendizagem. forma a função educativa da BE e o seu programa de funcionamento, quer através de actividades autónomas, quer em cooperação, se conjuga com aquele projecto. As BE desempenham um O professor As Bibliotecas Intervenção decidida As chamadas Reforçar parcerias Formação para a papel central no bibliotecário tem Escolares para elevar os níveis novas literacias – através do PNL, para leitura e para as desenvolvimento de acesso a desenvolvem de literacia dos com destaque estreitar relação das Maria Teresa Semedo 2 Novembro 2009
  • 5. Modelo de Autoavaliação das Bibliotecas Escolares Sessão1 Conhecimento na área Biblioteca escolar literacias programas programas e a programas de portugueses através para a literacia em BM’s e BE’s no que desenvolvimento actividades já formação de da criação do Plano informação e concerne à leitura. competências de concebidos e que alunos na área da Nacional de Leitura. literacia digital – leitura/prazer de ler e de pode aplicar literacia em não podem ser Rentabilizar a programas formais de directamente, informação, sem Modernização descuradas. As presença do PB no desenvolvimento poupando tempo qualquer ligação tecnológica do escolas que o não Conselho Pedagógico competências de no entanto é com conteúdos ensino através da fazem colocam e na equipa do Plano informação. Estes preciso construir das áreas implementação do efectivamente em Tecnológico para programas resultarão do o programa a curriculares. Plano Tecnológico da risco a educação implementar Planos trabalho colaborativo com partir das linhas educação. global que hoje se de trabalho no os departamentos gerais propostas pretende. A âmbito da pesquisa curriculares e da no modelo. situação é muito da informação, a cooperação com outras diversa, desenvolver nas áreas escolas, com a BM e outras A biblioteca começando nas de projecto. 5 instituições. escolar é um lugar famílias e O funcionamento da BE privilegiado para prolongando-se permite numerosos desenvolver o aos recursos e intercâmbios entre o gosto pela leitura. equipamentos adulto e as crianças ou disponibilizados jovens a propósito da pelas escolas. leitura e possibilita ocasiões de contacto afectivo com os textos, nomeadamente através de actividades de animação para a leitura. As actividades inerentes ao A liberdade de Alunos cada vez Web 2.0 é somente Sobre a população Incentivar uso das BE e os novos trabalho dos profissionais acesso à mais detentores de uma das muitas em idade escolar, novas tecnologias ambientes de informação não informação, competências mudanças. As o estudo mais aplicadas aos Maria Teresa Semedo 2 Novembro 2009
  • 6. Modelo de Autoavaliação das Bibliotecas Escolares Sessão1 Conhecimento na área Biblioteca escolar digitais. sofreram alterações, a independenteme tecnológicas e bibliotecas devem recente é o PISA, recursos didácticos, forma como são realizadas nte de suporte e menos tentar adaptar-se a realizado em tendo para isso de (relativamente aos recursos fronteiras, é uma competentes na ela, assim como se 2000, que apetrechar a colecção digitais) é que sofreu responsabilidade pesquisa, adaptaram à Web apresenta uma das BE’s com recursos alterações. Com o primordial da tratamento e originalmente, e imagem pouco online. aparecimento dos biblioteca e dos produção de devem continuar animadora das documentos electrónicos, profissionais da informação. adaptando-se às competências quase todas as funções informação. previsíveis mudanças básicas de tradicionais do profissional Em contexto futuras. literacia dos da informação sofreram O livre acesso à escolar, o que se nossos jovens. transformações e surgiram Internet, verifica, face à novas tarefas. oferecido pelas quase bibliotecas e generalidade dos serviços de professores, é que 6 informação, estes querem que contribui para os seus alunos que as pesquisem a comunidades e os informação indivíduos rapidamente para atinjam a completarem uma liberdade, a dada tarefa. prosperidade e o desenvolvimento O professor bibliotecário está preocupado sobretudo com o processo de Maria Teresa Semedo 2 Novembro 2009
  • 7. Modelo de Autoavaliação das Bibliotecas Escolares Sessão1 Conhecimento na área Biblioteca escolar pesquisa de informação. Na verdade, todos os professores precisam de ter consciência de que o processo é tão importante como os resultados finais. Implementação nacional de formação Formação no Modelo no Modelo de Auto- de Auto-avaliação avaliação permitindo 7 Parca experiência Falta de rigor nas Reconhecimento permite obter maior alargar horizontes dos na recolha de tarefas Definição de estratégias que da recolha de segurança no processo PB e com maior evidências segundo desempenhas no permitem a recolha de evidências como de recolha de segurança a as directrizes do contexto da recolha evidências; factores de evidências; implementação do Modelo de Auto- de evidências; Gestão de mudança e Modelo e avaliação RBE; Falta de formação na evidências/ Apresentação de dados sucesso do Contacto com a consequente recolha aplicação dos vários avaliação. como factores que trabalho efectuado mesma realidade de de evidências; domínios do Modelo possibilitam a correcção de para melhor servir escolas diferentes, Parca de Auto-avaliação procedimentos da prática os utilizadores; permite riqueza de Formação permite sistematização na RBE pedagógica. experiências e encarar a sua recolha de facilitação na aplicação como uma evidências compreensão do correcção de Modelo. procedimentos levando à melhoria dos serviços da BE. Maria Teresa Semedo 2 Novembro 2009
  • 8. Modelo de Autoavaliação das Bibliotecas Escolares Sessão1 Gestão da mudança SÍNTESE Factores de sucesso Obstáculos a vencer Acções prioritárias Necessidade de o ensino Pelos professores: O sucesso da BE depende do apoio dos aprendizagem se processar de forma90% dos professores bibliotecários Facilitar a personalização e diversos órgãos de gestão da escola e do a estabelecer uma ligação ao desempenham este cargo em individualização do ensino porque colectivo de professores. Não pode quotidiano, a promover a autonomiaexclusividade de funções. permite articular os recursos com continuar a ser encarada como um do aluno e a desenvolver os interesses, capacidades e estilos recurso marginal ao trabalho pedagógico. competências que facilitem a de aprendizagem dos alunos; A situação desejável é que todos aprendizagem ao longo da vida, A relação directa existente entre a Proporcionar uma maior variedade partilhem uma ideia comum, que consiste recorrendo a metodologias activas e qualidade da BE (nos diversos nas metodologias utilizadas e nas na procura de uma aprendizagem de a recursos diversificados. parâmetros de apreciação) e os actividades que desenvolve com os sucesso para os alunos, e na qual a BE resultados alcançados no que se alunos; ocupa um lugar de direito. Cada um dos Necessidade de se reflectir sobre refere ao sucesso escolar. parceiros do processo educativo da escola uma aprendizagem baseada em Estimular a inovação e a irá contribuir com as suas competências 8 recursos diversos e não apenas no experimentação; próprias, os seus conhecimentos e manual escolar. Incentivar a capacidade criativa responsabilidades no campo educativo. para a produção de novos Quanto mais o apoio mútuo se consolida, materiais de apoio ao ensino, para mais efectivo será o contributo que a BE o desenvolvimento de novas pode dar. metodologias de abordagem dos conteúdos; Desenvolver o trabalho Incentivar trabalho colaborativo com vista à colaborativo, em especial com o articulação de parcerias BE / Sala de aula e professor bibliotecário, com o qual sala de aula/BE. pode planificar e implementar unidades de trabalho. Por subsistirem concepções Pelo professor bibliotecário: Maria Teresa Semedo 2 Novembro 2009
  • 9. Modelo de Autoavaliação das Bibliotecas Escolares Sessão1 completamente ultrapassadas Trabalhar com os professores na relativamente ao papel e missão da BE, selecção de um modelo de por parte de Directores e docentes, pesquisa de informação proporcionar momentos de reflexão com (recordamos que diferentes a comunidade educativa que contribuam modelos foram objecto de análise para uma “cultura” de escola orientada no primeiro ponto desta unidade) para a colaboração e o diálogo, que e na sua adaptação aos diferentes poderão facilitar um maior envolvimento níveis de escolaridade e do corpo docente no cumprimento dos capacidade dos alunos; objectivos da BE. Sugerir novas metodologias aos professores que pretendam diversificar os recursos de aprendizagem; Apoiar os professores que pretendam implementar novas 9 ideias, providenciando os recursos adequados; Proporcionar aos professores informações relativas aos recursos que a BE possui - e consideramos que esta é uma questão central, pois é uma forma importante de procurar envolver os professores na diversificação das estratégias de ensino e aprendizagem; Proporcionar aos professores informações sobre acontecimentos (de carácter cultural, profissional, etc.) que, localmente ou não, Maria Teresa Semedo 2 Novembro 2009
  • 10. Modelo de Autoavaliação das Bibliotecas Escolares Sessão1 possam apoiar o seu trabalho; Identificar os pontos fracos e fortes dos alunos e apoiá-los na escolha dos recursos mais apropriados; Proporcionar recursos e meios adequados paras o professor trabalhar com alunos com necessidades educativas especiais. 10 Maria Teresa Semedo 2 Novembro 2009

×