• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
03_CN9_saúde individual_comunitária_promoção_saúde_tc_2011_2012
 

03_CN9_saúde individual_comunitária_promoção_saúde_tc_2011_2012

on

  • 2,086 views

 

Statistics

Views

Total Views
2,086
Views on SlideShare
2,086
Embed Views
0

Actions

Likes
1
Downloads
93
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment
  • Carta de Otava - 1986 Carta de Banguecoque – Nova carta, foi adoptada na 6ª Conferência Mundial sobre promoção de Saúde em 2005, com o patrocínio da OMS.
  • Profilaxia – Prevenção do aparecimento de doenças. Visitas a escolas e locais de trabalho para verificar condições de estudo e trabalho. Estudos, normalmente temporários e gratuitos, de carácter voluntário. Têm como objectivo a prevenção. Em Portugal, os rastreios mais frequentes são à próstata nos homens e à mama nas mulheres.
  • Identificação de problemas de saúde: Saúde oral Visão Audição Cancro mama e próstata Hipertensão arterial Colesterol Osteoporose O SNS recomenda que todos os homens com mais de 50 anos façam um exame periódico à próstata e todas as mulheres com mais de 40 anos façam um exame à mama, como forma de prevenção contra o cancro.
  • Processo que consiste na introdução, no organismo, de substâncias com o objectivo de desencadear imunidade a um certo tipo de agente patogénico. As vacinas, são substâncias preparadas a partir de microorganismos patogénicos com o objectivo de proteger o organismo contra determinadas doenças. Responsável pela diminuição da TMI e aumento da esperança de vida. Tratamento médico mais eficaz.Em Portugal, administram-se vacinas desde o início do séc. XIX, nomeadamente a anti-variólica, mas foi apenas a partir de 1965, com a criação do Programa Nacional de vacinação (PNV), que os seus benefícios foram mais significativos. Grande vitória da vacinação, a nível mundial, foi a erradicação da varíola. Esta doença durante muitos séculos matou milhões de pessoas, foi considerada eliminada em 1978 e erradicada em 1980; o último caso ocorreu na Etiópia em 1977. Apesar de, por vezes, a imunidade não ser total, quem está vacinado tem maior resistência aos agentes patogénicos para que foi vacinado. A vacinação para além da protecção pessoal, traz também benefícios para a comunidade (interrompe transmissão de doenças).
  • No conjunto das doenças infecciosas, a tuberculose continua a ser a primeira causa de morte a nível mundial. Na década de 60, chegou a pensar-se que a tuberculose seria erradicada no ano 2000. Porém hoje assiste-se a um aumento do número de casos de tuberculose. De acordo com OMS a China, Índia, Bangladesh, Paquistão, Indonésia e Filipinas são os seis países responsáveis por 50% do número total de casos de tuberculose. Nestes países o aumento de casos de doença deve-se essencialmente a: Bacilos resistentes às drogas conhecidas; aumento do número de casos com Sida; baixo nível económico das populações. Para além PNV… existe a vacina da gripe (recomendada a grupos de risco: idosos e crianças); vacinas para grupos profissionais mais expostos; vacinas para pessoas que viajam para outros países.
  • Embora as vacinas sejam administradas sobretudo em crianças e adolescentes, os adultos devem ter actualizadas as suas vacinações contra a hepatite B (principalmente se tiverem comportamentos de risco, como vários parceiros sexuais e toxicodependência) e contra a difteria e o tétano (reforços de 10 em 10 anos). A Rubéola pode causar graves problemas no desenvolvimento do feto, pelo que é aconselhada a vigilância médica da grávida caso esta não esteja imunizada. A papeira , vulgarmente designada por trasorelho, origina, em certas situações, nos indivíduos do sexo masculino, durante a puberdade, problemas de infertildade.
  • Embora as vacinas sejam administradas sobretudo em crianças e adolescentes, os adultos devem ter actualizadas as suas vacinações contra a hepatite B (principalmente se tiverem comportamentos de risco, como vários parceiros sexuais e toxicodependência) e contra a difteria e o tétano (reforços de 10 em 10 anos).
  • A implementação de programas neste âmbito pode envolver profissionais de saúde e educadores. A intenção é ajudar as pessoas a compreender e valorizar comportamentos promotores de saúde, recorrendo à reflexão sobre temáticas como: Importância de de fazer regularmente exercício físico adequado a cada pessoa (previne o aparecimento de doenças e pode facilitar o convívio); A limpeza diária do corpo (previne doenças) Um repouso de qualidade, dormindo o número de horas adequado à idade e às necessidades de cada um, num espaço limpo, arejado e silencioso; A escolha de dietas equilibradas; A importância de viver plenamente e de modo responsável a sexualidade; Os riscos associados ao stress, ansiedade e depressão; O reconhecimento de comportamentos sexuais de risco; As consequências nefastas do consumo de substâncias nocivas.
  • A implementação de programas neste âmbito pode envolver profissionais de saúde e educadores. A intenção é ajudar as pessoas a compreender e valorizar comportamentos promotores de saúde, recorrendo à reflexão sobre temáticas como: Importância de de fazer regularmente exercício físico adequado a cada pessoa (previne o aparecimento de doenças e pode facilitar o convívio); A limpeza diária do corpo (previne doenças) Um repouso de qualidade, dormindo o número de horas adequado à idade e às necessidades de cada um, num espaço limpo, arejado e silencioso; A escolha de dietas equilibradas; A importância de viver plenamente e de modo responsável a sexualidade; Os riscos associados ao stress, ansiedade e depressão; O reconhecimento de comportamentos sexuais de risco; As consequências nefastas do consumo de substâncias nocivas.
  • A implementação de programas neste âmbito pode envolver profissionais de saúde e educadores. A intenção é ajudar as pessoas a compreender e valorizar comportamentos promotores de saúde, recorrendo à reflexão sobre temáticas como: Importância de de fazer regularmente exercício físico adequado a cada pessoa (previne o aparecimento de doenças e pode facilitar o convívio); A limpeza diária do corpo (previne doenças) Um repouso de qualidade, dormindo o número de horas adequado à idade e às necessidades de cada um, num espaço limpo, arejado e silencioso; A escolha de dietas equilibradas; A importância de viver plenamente e de modo responsável a sexualidade; Os riscos associados ao stress, ansiedade e depressão; O reconhecimento de comportamentos sexuais de risco; As consequências nefastas do consumo de substâncias nocivas.
  • A implementação de programas neste âmbito pode envolver profissionais de saúde e educadores. A intenção é ajudar as pessoas a compreender e valorizar comportamentos promotores de saúde, recorrendo à reflexão sobre temáticas como: Importância de de fazer regularmente exercício físico adequado a cada pessoa (previne o aparecimento de doenças e pode facilitar o convívio); A limpeza diária do corpo (previne doenças) Um repouso de qualidade, dormindo o número de horas adequado à idade e às necessidades de cada um, num espaço limpo, arejado e silencioso; A escolha de dietas equilibradas; A importância de viver plenamente e de modo responsável a sexualidade; Os riscos associados ao stress, ansiedade e depressão; O reconhecimento de comportamentos sexuais de risco; As consequências nefastas do consumo de substâncias nocivas.
  • A implementação de programas neste âmbito pode envolver profissionais de saúde e educadores. A intenção é ajudar as pessoas a compreender e valorizar comportamentos promotores de saúde, recorrendo à reflexão sobre temáticas como: Importância de de fazer regularmente exercício físico adequado a cada pessoa (previne o aparecimento de doenças e pode facilitar o convívio); A limpeza diária do corpo (previne doenças) Um repouso de qualidade, dormindo o número de horas adequado à idade e às necessidades de cada um, num espaço limpo, arejado e silencioso; A escolha de dietas equilibradas; A importância de viver plenamente e de modo responsável a sexualidade; Os riscos associados ao stress, ansiedade e depressão; O reconhecimento de comportamentos sexuais de risco; As consequências nefastas do consumo de substâncias nocivas.
  • A organização de espaços urbanos deve prever a existência de zonas verdes e de outros espaços de lazer. O planeamento atempado das vias de comunicação e das redes de transporte diminui a poluição e os problemas de saúde associados, o tempo perdido no trânsito e evita situações de stresse. Organização do território nacional de forma a valorizar os seus recursos naturais e humanos., com o estudo do impacte ambiental. São contributos para a saúde: Saneamento básico Levantamento de lixos Exploração pecuária devidamente situadas e fiscalizadas Distribuição de água potável Ordenamento das cidades Construção de locais de convívio e lazer Vias de acesso que evitem o congestionamento Abolição dos bairros de lata

03_CN9_saúde individual_comunitária_promoção_saúde_tc_2011_2012 03_CN9_saúde individual_comunitária_promoção_saúde_tc_2011_2012 Presentation Transcript

  • SAÚDE INDIVIDUAL E COMUNITÁRIA O QUE É A PROMOÇÃO DE SAÚDE? Prof. Teresa Condeixa Monteiro – 2008/2009 ESCOLA CIDADE DE CASTELO BRANCO CIÊNCIAS NATURAIS 9º ANO
  • Promoção de saúde
    • Carta de OTAVA (1986)
    • “ Processo que visa aumentar a capacidade dos indivíduos e das comunidades para controlarem a sua saúde, no sentido de a melhorar”
    • Carta de Banguecoque (2005)
    Prof. Teresa Condeixa Monteiro – 2008/2009
  • Prof. Teresa Condeixa Monteiro – 2008/2009 AVALIAÇÃO SAÚDE INDIVIDUAL SAÚDE DA POPULAÇÃO UTILIZAÇÃO DE INDICADORES OBTENÇÃO DE INFORMAÇÃO IDENTIFICAÇÃO DE PROBLEMAS IMPLEMENTAÇÃO DE MEDIDAS DE ACÇÃO PROMOTORAS DE SAÚDE
  • Estado de saúde de uma população Prof. Teresa Condeixa Monteiro – 2008/2009
  • Implementação de programas de saúde pública 1 - Vigilância médica periódica
    • ACÇÃO:
    • Consultas de acompanhamento regular por um médico de família.
    • RESULTADO:
    • Prevenção do aparecimento de doenças;
    • Tratamento de doenças;
    • Identificação de doenças contagiosas;
    • Identificação de comportamentos de risco ( Violência; abuso de substâncias tóxicas; Distúrbios alimentares)
    • Planeamento familiar;
    • Aconselhamento nutricional;
    • Vigilância na gravidez.
  • Implementação de programas de saúde pública 2 - Rastreio
    • ACÇÃO:
    • Realização de diagnósticos (gratuitos e voluntários).
    • RESULTADO:
    • Identificação de problemas de saúde:
    • Promoção de hábitos de higiene e alimentação equilibrada;
    Prof. Teresa Condeixa Monteiro – 2008/2009
  • Implementação de programas de saúde pública 2 - Rastreio
    • Têm como objectivo diagnosticar doenças numa fase precoce da sua evolução..
    osteoporose diabetes Cancro da mama hipertensão audição cáries
  • Implementação de programas de saúde pública Vacinação
    • ACÇÃO:
    • Aplicação sistemática e gratuita de vacinas
    • RESULTADO:
    • Erradicação de algumas doenças infecto-contagiosas;
    • Criação em cada indivíduo, de imunidade em relação a doenças potencialmente perigosas.
    • Responsável pela diminuição da TMI e aumento da esperança de vida.
    Prof. Teresa Condeixa Monteiro – 2008/2009
  • Implementação de programas de saúde pública Vacinação Prof. Teresa Condeixa Monteiro – 2008/2009 http://www.min-saude.pt/portal/conteudos/enciclopedia+da+saude/doencas/doencas+infecciosas/tuberculose.htm http://www.min-saude.pt/portal/conteudos/informacoes+uteis/vacinacao/vacinas.htm
  • Implementação de programas de saúde pública Vacinação
    • As vacinas do nosso PNV permitem combater:
      • Difteria
      • Doença invasiva por Haemophilus influenze b
      • Meningite C
      • Hepatite B
      • Papeira
      • Poliomielite
      • Rubéola
      • Sarampo
      • Tétano
      • Tosse convulsa
      • Tuberculose
    Prof. Teresa Condeixa Monteiro – 2008/2009
  • Implementação de programas de saúde pública Vacinação
    • Vacina contra o cancro do colo do útero:
      • Já faz parte do PNV.
      • Actua contra quatro tipos de papilomavírus humano.
      • Ideal ser administrada a raparigas, entre os 10 e os 15 anos, que ainda não tenham iniciado a vida sexual.
    Prof. Teresa Condeixa Monteiro – 2008/2009
    • Reflexão sobre temáticas diversificadas…
    Implementação de programas de educação para a saúde e sexualidade – Programa Nacional de Saúde Escolar Prof. Teresa Condeixa Monteiro – 2008/2009
    • Reflexão sobre temáticas diversificadas…
    Implementação de programas de educação para a saúde e sexualidade – Programa Nacional de Saúde Escolar Prof. Teresa Condeixa Monteiro – 2008/2009
    • Fazer regularmente exercício físico adequado a cada pessoa
    • Previne o aparecimento de doenças e pode facilitar o convívio
    • A limpeza diária do corpo previne doenças
    • Reflexão sobre temáticas diversificadas…
    Implementação de programas de educação para a saúde e sexualidade – Programa Nacional de Saúde Escolar Prof. Teresa Condeixa Monteiro – 2008/2009
    • Um repouso de qualidade, dormindo o número de horas adequado à idade e às necessidades de cada um, num espaço limpo, arejado e silencioso
    • A escolha de dietas equilibradas
    • Reflexão sobre temáticas diversificadas…
    Implementação de programas de educação para a saúde e sexualidade – Programa Nacional de Saúde Escolar Prof. Teresa Condeixa Monteiro – 2008/2009
    • A importância de viver plenamente e de modo responsável a sexualidade.
    • O reconhecimento de comportamentos sexuais de risco
    • Os riscos associados ao stress, ansiedade e depressão
    • Reflexão sobre temáticas diversificadas…
    Implementação de programas de educação para a saúde e sexualidade – Programa Nacional de Saúde Escolar Prof. Teresa Condeixa Monteiro – 2008/2009 As consequências nefastas do consumo de substâncias nocivas.
  • Criação de ambientes e infra-estruturas estimulantes
    • A qualidade de vida é influenciada pela qualidade do ambiente circundante.
    • Gestão das autarquias é muito importante.
    Prof. Teresa Condeixa Monteiro – 2008/2009
  • Prof. Teresa Condeixa Monteiro – 2008/2009 fim