Your SlideShare is downloading. ×
Impacto da esterilização na manutenção das escovas dentárias e de outros recursos mecânicos de higiene bucal - Parte 1
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Introducing the official SlideShare app

Stunning, full-screen experience for iPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Impacto da esterilização na manutenção das escovas dentárias e de outros recursos mecânicos de higiene bucal - Parte 1

733
views

Published on

Esta publicação foi feita baseada no estudo realizado no Departamento de Farmácia da USP (CONFAR) - em 30 de maio de 2011 - "Avaliação da eficácia do processo de esterilização das escovas …

Esta publicação foi feita baseada no estudo realizado no Departamento de Farmácia da USP (CONFAR) - em 30 de maio de 2011 - "Avaliação da eficácia do processo de esterilização das escovas TePe".

Prevenir a ocorrência de novos problemas sistêmicos, nos pacientes em condições especiais (caso dos internados nas Unidades de Terapia Intensiva – UTI´s), é questão básica para a redução do tempo, do custo de hospitalização e para o aprimoramento da qualidade de vida.

Os protocolos para cuidados bucais das UTI’s colaboram com a melhora das condições médicas dos pacientes hospitalizados. Eles cooperam para a diminuição da ocorrência de problemas secundários - caso das pneumonias e as endocardites infecciosas.

Dentre as atitudes mais relevantes do protocolo de atendimento odontológico para as UTI’s e outros centros de referência médica, merecem destaque os recursos e as técnicas para a prática da higiene bucal desses pacientes.

Published in: Health & Medicine

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
733
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
5
Actions
Shares
0
Downloads
7
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. 12 Clínica Odontologia www.dentistry.com.br Clínica Impacto da esterilização na manutenção das escovas dentárias e de outros recursos mecânicos de higiene bucal – Parte 1A atuação do profissional da Odontologia nas UTIs focando o uso correto e adequado dos materiais e equipamentos que viabilizam a higiene bucal dos pacientesO s recursos de higiene bucal (escovas e limpa- Os protocolos para cuidados bucais das UTI’s co- dor lingual) utilizados nas unidades hospita- laboram com a melhora das condições médicas dos lares, especialmente no ambiente das UTI´s, pacientes hospitalizados. Eles cooperam para a dimi-representam uma questão vital à saúde desses pacien- nuição da ocorrência de problemas secundários - casotes. Uma cadeia potencial de infecção cruzada pode das pneumonias e as endocardites infecciosas5,6,7.ocorrer através da contaminação de instrumentos e Dentre as atitudes mais relevantes do protocolodo pessoal relacionado com a cobertura das demandas de atendimento odontológico para as UTI’s e outrosmédicas e odontológicas desses pacientes, graças aos centros de referência médica, merecem destaque osmicro-organismos procedentes do próprio paciente e/ recursos e as técnicas para a prática da higiene bucalou do ambiente no seu entorno 1. desses pacientes14,15,16. Prevenir a ocorrência de novos problemas sistêmicos, Devido ao complexo estado de comprometimentonos pacientes em condições especiais (caso dos interna- da saúde, a que podem se submeter os pacientes dasdos nas Unidades de Terapia Intensiva – UTI´s), é questão UTI’s, é necessário valorizar as atitudes que ofereçambásica para a redução do tempo, do custo de hospitali- uma maior rigidez no controle da infecção - especial-zação e para o aprimoramento da qualidade de vida2,3,4. mente a cruzada14. Infecção cruzada é aquela decorrente da transmis- são de micro-organismos de uma pessoa a outra pes- Felipe Rebello Lourenço: soa (ou de um objeto a uma pessoa), resultando em Professor Doutor do uma doença infecciosa1. Departamento de Fármacia Dentre os micro-organismos mais listados neste da Faculdade de Ciências tipo de transmissão incluem- se o mycobacterium Farmacêuticas da Universidade tuberculosis, o pseudomonas aerugionosa e o sta- Figura1: Exemplos de recursos de higiene que podem de São Paulo. phylococcus aureus - além de algumas outras bacté- funcionar como área de colonização de micro-organismos, no caso de mal acondicionamento e manutenção – uma rias, fungos e vírus, que podem, inclusive, habitar a questão relevante aos Hospitais Teresinha de Jesus Andreoli cavidade bucal - caracterizando-a como uma porta de Pinto: Professora Titular entrada para o restante do organismo1,8,9, 15. preconiza o uso de substâncias de efeito antisséptico da Faculdade de Ciências Essa constatação deixa claro que os micro-organis- - como a clorexidina ou outras substâncias abordadas Farmacêuticas da Universidade de São Paulo. mos podem ser disseminados, de forma cruzada, atra- na literatura científica 9,10,15. vés de contatos interpessoais ou mesmo de objetos Apesar dos efeitos positivos deste método de con- Marco Aurélio Hiendlemeyer mal conservados, que retornam à boca com regulari- trole químico, o controle mecânico (especialmente Furtado: Cirurgião-dentista e dade - como é o caso da escova dentária de uso roti- quando associado ao químico) demonstra superiori- Mestre em Odontologia - área neiro ou do limpador de língua14,17,18,19 (Figura 1). dade, em longo prazo, quanto à maior capacidade de de concentração em Diagnóstico A contaminação da escova dentária ou dos recur- eliminação do biofilme bucal e à sensação de conforto Bucal - pela Universidade sos mecânicos de higiene bucal caracteriza-se pela ao paciente. Essa constatação não pode ser desconsi- Paulista. presença do agente infeccioso nas suas superfícies e derada para pacientes em situações de internação - tal trata-se de um fenômeno distinto da poluição. Mais qual os das UTI’s 17,18. Rodrigo Guerreiro Bueno de do que dispor de substâncias nocivas à saúde, a con- Dentro desse contexto, a proposta de esterilização Moraes: Cirurgião-dentista e taminação dessas superfícies potencializa o risco de em autoclave das escovas e dos outros recursos mecâ- Mestre em Odontologia - área doença infecciosa - principalmente para organismos nicos de higiene bucal atende, principalmente, duas de concentração em Diagnóstico debilitados - como os das pessoas em tratamento nas necessidades distintas cogitadas na literatura cientí- Bucal - pela Universidade Paulista. UTI’s 14,15,18,19. fica mundial: a da recomendação para a melhor eli- Contato: rodrigoguerreirobueno Como alternativa aos recursos mecânicos de higie- minação dos micro-organismos depositados sobre as demoraes@gmail.com ne bucal, foram cogitadas outras medidas de uso local cerdas e outras estruturas desses recursos e a do me- - caso do controle químico do biofilme bucal - que lhor acondicionamento desse material até o próximo
  • 2. Odontologia Clínica 16 13 www.dentistry.com.br Tabela 1 - Resultados do 1º. meio ciclo (135ºC por 3,5 minutos) Tabela 2 - Resultados do 2º meio ciclo (135ºC por 3,5 minutos) Tipo de escova Microrganismo-teste Resultado Tipo de escova Microrganismo-teste Resultado Escova dentária Escherichia coli Estéril Escova dentária Escherichia coli Estéril Escova dentária Pseudomonas aeruginosa Estéril Escova dentária Pseudomonas aeruginosa Estéril Escova dentária Aspergillus niger Estéril Escova dentária Aspergillus niger Estéril Escova dentária Candida albicans Estéril Escova dentária Candida albicans Estéril Escova dentária Staphylococcus aureus Estéril Escova dentária Staphylococcus aureus Estéril Escova dentária Bacillus subtilis Estéril Escova dentária Bacillus subtilis Estéril Escova interdentária Escherichia coli Estéril Escova interdentária Escherichia coli Estéril Escova interdentária Pseudomonas aeruginosa Estéril Escova interdentária Pseudomonas aeruginosa Estéril Escova interdentária Aspergillus niger Estéril Escova interdentária Aspergillus niger Estéril Escova interdentária Candida albicans Estéril Escova interdentária Candida albicans Estéril Escova interdentária Staphylococcus aureus Estéril Escova interdentária Staphylococcus aureus Estéril Escova interdentária Bacillus subtilis Estéril Escova interdentária Bacillus subtilis Estéril Limpadores de língua Escherichia coli Estéril Limpadores de língua Escherichia coli Estéril Limpadores de língua Pseudomonas aeruginosa Estéril Limpadores de língua Pseudomonas aeruginosa Estéril Limpadores de língua Aspergillus niger Estéril Limpadores de língua Aspergillus niger Estéril Limpadores de língua Candida albicans Estéril Limpadores de língua Candida albicans Estéril Limpadores de língua Staphylococcus aureus Estéril Limpadores de língua Staphylococcus aureus Estéril Limpadores de língua Bacillus subtilis Estéril Limpadores de língua Bacillus subtilis Estéril Indicadores biológicos Bacillus stearothermophillus Estéril Indicadores biológicos Bacillus stearothermophillus Estéril Indicadores biológicos Bacillus stearothermophillus Estéril Indicadores biológicos Bacillus stearothermophillus Estéril Indicadores biológicos Bacillus stearothermophillus Estéril Indicadores biológicos Bacillus stearothermophillus Estérilato de higiene previsto18, 20. 2. Escovas dentárias comuns autoclaváveis TePe® - b.2. Meio ciclo de Esterilização por calor úmido Inúmeras avaliações ponderam sobre a valia dos modelo Select (AUTOCLAVE)procedimentos para a redução da quantidade de 3. Escovas interdentarias TePe® ( autoclaváveis) As escovas dentárias, interdentais e os limpadores demicro-organismos depositados sobre os recursos 4. Limpadores de língua TePe® (autoclaváveis) língua inoculados foram submetidos a períodos de meiode higiene de uso rotineiro e recomendam a valiosa 5. Micro-organismos ciclo de esterilização (135ºC por 3,5 minutos ou 121 ºCcontribuição dessa abordagem à promoção de saú- - Escherichia coli (A TCC 8739) por 10 minutos). Após o meio ciclo de esterilização, osde 11,12,13,20. - Staphylococcus aureus (ATCC 6538) recursos de higiene citados foram avaliados quanto a efi- Considerando os históricos recentes de exposição - Pseudomonas aeruginosa (ATCC 9027) cácia desta abordagem de esterilização. Também foramhospitalar às superbactérias e outras passagens re- - Candida albicans (ATCC 10231) empregados indicadores biológicos para avaliar a eficá-lacionadas com o risco à saúde deste público – esta - Aspergillus niger (ATCC 16404) cia do meio ciclo de esterilização. Este procedimento foipode ser mais uma importante contribuição da odon- - Bacillus subtilis (ATCC 6633) repetido por mais 2 vezes, totalizando 6 meios ciclos detologia ao ambiente dos Hospitais e das UTI´s19. 6. Meio de cultura esterilização (3 meios ciclos a 135ºC par 3,5 minutos e - Caldo de Caseína Soja (TSB) 3 meios ciclos a 121ºC por 10 minutos – baseado nasProposição: 7. Pinças estéreis recomendações determinadas pelo fabricante no rótuloO objetivo dessa investigação foi o de avaliar se o pro- 8. Indicadores biológicos dos produtos).cesso de esterilização das escovas dentárias comuns, 9. Incubadora B.O.D. (CF-312)escovas interdentais e limpadores de língua - por 10. Autoclave (CF-630 e CF-644) b.3. Ciclo de Esterilização por calor úmidocalor úmido (135ºC por 7 minutos ou 121 ºC por 11 . Fluxo laminar (CF-126) (AUTOCLAVE)20 minutos) representa uma alternativa segura para As escovas dentárias, interdentais e os limpadores de lín-a diminuição da exposição aos agentes infecciosos. b-) Metodologia gua inoculados foram submetidos a ciclos de esterilizaçãoOutro objetivo é o de avaliar a resistência mecânica b.1. Inoculação das escovas dentárias, interdentárias e (135ºC por 7 minutos ou 121 ºC por 20 minutos, confor-das escovas dentárias comuns das interdentais e dos limpadores de língua me instrução do fabricante). Após o ciclo de esterilização aslimpadores de língua ao longo dos repetidos ciclos de As escovas dentárias, interdentais e os limpadores de língua escovas dentárias, interdentárias e os limpadores de línguaesterilização por calor úmido. foram inoculados com suspensões microbianas contendo foram avaliados quanto a esterilidade. Foram empregados 106 Unidades Formadoras de Colônias (UFC) dos micro- indicadores biológicos para avaliar a eficácia do cicio deMaterial e Métodos: organismos Escherichia coli, Pseudomonas aeruginosa, esterilização. Este procedimento foi repetido por mais 2a-) Material: Staphylococcus aureus, Candida albicans, Aspergillus ni- vezes, totalizando 6 ciclos de esterilização (3 ciclos a 135ºC1. Escovas dentárias não-autoclaváveis (Controle) ger e Bacillus subtilis. por 3,5 minutos e 3 ciclos a 121 ºC por 10 minutos).
  • 3. 14 Clínica Odontologiawww.dentistry.com.br Tabela 3 - Resultados do 3º meio ciclo (135ºC por 3,5 minutos) Tabela 4 - Resultados do 1º ciclo completo (135ºC por 7 minutos) Tipo de escova Microrganismo-teste Resultado Tipo de escova Microrganismo-teste Resultado Escova dentária Escherichia coli Estéril Escova dentária Escherichia coli Estéril Escova dentária Pseudomonas aeruginosa Estéril Escova dentária Pseudomonas aeruginosa Estéril Escova dentária Aspergillus niger Estéril Escova dentária Aspergillus niger Estéril Escova dentária Candida albicans Estéril Escova dentária Candida albicans Estéril Escova dentária Staphylococcus aureus Estéril Escova dentária Staphylococcus aureus Estéril Escova dentária Bacillus subtilis Estéril Escova dentária Bacillus subtilis Estéril Escova interdentária Escherichia coli Estéril Escova interdentária Escherichia coli Estéril Escova interdentária Pseudomonas aeruginosa Estéril Escova interdentária Pseudomonas aeruginosa Estéril Escova interdentária Aspergillus niger Estéril Escova interdentária Aspergillus niger Estéril Escova interdentária Candida albicans Estéril Escova interdentária Candida albicans Estéril Escova interdentária Staphylococcus aureus Estéril Escova interdentária Staphylococcus aureus Estéril Escova interdentária Bacillus subtilis Estéril Escova interdentária Bacillus subtilis Estéril Limpadores de Iíngua Escherichia coli Estéril Limpadores de língua Escherichia coli Estéril Limpadores de Iíngua Pseudomonas aeruginosa Estéril Limpadores de Iíngua Pseudomonas aeruginosa Estéril Limpadores de língua Aspergillus niger Estéril Limpadores de língua Aspergillus Níger Estéril Limpadores de língua Candida albicans Estéril Limpadores de língua Candida albicans Estéril Limpadores de Iíngua Staphylococcus aureus Estéril Limpadores de Iíngua Staphylococcus aureus Estéril Limpadores de Iíngua Bacillus subtilis Estéril Limpadores de língua Bacillus subtilis Estéril Indicadores biológicos Bacillus stearothermophillus Estéril Indicadores biológicos Bacillus stearothermophillus Estéril Indicadores biológicos Bacillus stearothermophillus Estéril Indicadores biológicos Bacillus stearothermophillus Estéril Indicadores biológicos Bacillus stearothermophillus Estéril Indicadores biológicos Bacillus stearothermophillus Estéril Tabela 5 - Resultados do 2º ciclo completo (135ºC por 7 minutos) Tabela 6 - Resultados do 3º ciclo completo (135ºC por 7 minutos) Tipo de escova Microrganismo-teste Resultado Tipo de escova Microrganismo-teste Resultado Escova dentária Escherichia coli Estéril Escova dentária Escherichia coli Estéril Escova dentária Pseudomonas aeruginosa Estéril Escova dentária Pseudomonas aeruginosa Estéril Escova dentária Aspergillus niger Estéril Escova dentária Aspergillus niger Estéril Escova dentária Candida albicans Estéril Escova dentária Candida albicans Estéril Escova dentária Staphylococcus aureus Estéril Escova dentária Staphylococcus aureus Estéril Escova dentária Bacillus subtilis Estéril Escova dentária Bacillus subtilis Estéril Escova interdentária Escherichia coli Estéril Escova interdentária Escherichia coli Estéril Escova interdentária Pseudomonas aeruginosa Estéril Escova interdentária Pseudomonas aeruginosa Estéril Escova interdentária Aspergillus niger Estéril Escova interdentária Aspergillus niger Estéril Escova interdentária Candida albicans Estéril Escova interdentária Candida albicans Estéril Escova interdentária Staphylococcus aureus Estéril Escova interdentária Staphylococcus aureus Estéril Escova interdentária Bacillus subtilis Estéril Escova interdentária Bacillus subtilis Estéril Limpadores de língua Escherichia coli Estéril Limpadores de língua Escherichia coli Estéril Limpadores de língua Pseudomonas aeruginosa Estéril Limpadores de língua Pseudomonas aeruginosa Estéril Limpadores de língua Aspergillus niger Estéril Limpadores de língua Aspergillus niger Estéril Limpadores de língua Candida albicans Estéril Limpadores de língua Candida albicans Estéril Limpadores de língua Staphylococcus aureus Estéril Limpadores de língua Staphylococcus aureus Estéril Limpadores de língua Bacillus subtilis Estéril Limpadores de língua Bacillus subtilis Estéril Indicadores biológicos Bacillus stearothermophillus Estéril Indicadores biológicos Bacillus stearothermophillus Estéril Indicadores biológicos Bacillus stearothermophillus Estéril Indicadores biológicos Bacillus stearothermophillus Estéril Indicadores biológicos Bacillus stearothermophillus Estéril Indicadores biológicos Bacillus stearothermophillus Estéril
  • 4. Odontologia Clínica 16 15 www.dentistry.com.br Tabela 7 - Resultados do 1º meio ciclo (121ºC por 10 minutos) Tabela 8 - Resultados do 2º meio ciclo (121ºC por 10 minutos) Tipo de escova Microrganismo-teste Resultado Tipo de escova Microrganismo-teste Resultado Escova dentária Escherichia coli Estéril Escova dentária Escherichia coli Estéril Escova dentária Pseudomonas aeruginosa Estéril Escova dentária Pseudomonas aeruginosa Estéril Escova dentária Aspergillus niger Estéril Escova dentária Aspergillus niger Estéril Escova dentária Candida albicans Estéril Escova dentária Candida albicans Estéril Escova dentária Staphylococcus aureus Estéril Escova dentária Staphylococcus aureus Estéril Escova dentária Bacillus subtilis Estéril Escova dentária Bacillus subtilis Estéril Escova interdentária Escherichia coli Estéril Escova interdentária Escherichia coli Estéril Escova interdentária Pseudomonas aeruginosa Estéril Escova interdentária Pseudomonas aeruginosa Estéril Escova interdentária Aspergillus niger Estéril Escova interdentária Aspergillus niger Estéril Escova interdentária Candida albicans Estéril Escova interdentária Candida albicans Estéril Escova interdentária Staphylococcus aureus Estéril Escova interdentária Staphylococcus aureus Estéril Escova interdentária Bacillus subtilis Estéril Escova interdentária Bacillus subtilis Estéril Limpadores de língua Escherichia coli Estéril Limpadores de língua Escherichia coli Estéril Limpadores de língua Pseudomonas aeruginosa Estéril Limpadores de língua Pseudomonas aeruginosa Estéril Limpadores de língua Aspergillus niger Estéril Limpadores de língua Aspergillus niger Estéril Limpadores de língua Candida albicans Estéril Limpadores de língua Candida albicans Estéril Limpadores de língua Staphylococcus aureus Estéril Limpadores de língua Staphylococcus aureus Estéril Limpadores de língua Bacillus subtilis Estéril Limpadores de língua Bacillus subtilis Estéril Indicadores biológicos Bacillus stearothermophillus Estéril Indicadores biológicos Bacillus stearothermophillus Estéril Indicadores biológicos Bacillus stearothermophillus Estéril Indicadores biológicos Bacillus stearothermophillus Estéril Indicadores biológicos Bacillus stearothermophillus Estéril Indicadores biológicos Bacillus stearothermophillus Estérilb.4. Avaliação da resistência mecânica após a es- meios ciclos e ciclos completos estão apresentados nasterilização tabelas 1 a 12. Apesar dos efeitosApós a realização de cada meio ciclo ou ciclo com- Os resultados de resistência mecânica das escovaspleto de esterilização, os recursos de higiene bucal dentárias, interdentarias e dos limpadores de língua positivos deste método detestados foram inspecionadas quanto ao aparecimen- submetidos aos meios ciclos e ciclos completos estãoto de deformidades, alterações de cor e variações nas apresentados nas tabelas 13 e 14. controle químico,características das cerdas. Estas alterações foram afe- Os achados parecem atender os requisitos necessá-ridas de acordo com a intensidade das variações ob- rios às demandas dos pacientes alocados nas UTI´s ou o controle mecânicoservadas no Laboratório de Controle de Medicamen- nas unidades hospitalares de maior complexidade. Fi-tos, Cosméticos,Domissanitarios e Produtos Afins do cou evidente o potencial desse recurso para colaborar (especialmente quando associadoDepartamento de Farmácia da FOUSP. com as necessidades aventadas pela literatura pertinen- As respectivas matérias-primas (recursos de higiene te ao tema1, 2,3, 4,5,6, 19 e 20. ao químico) demonstrabucal) foram avaliadas, ao final da investigação, como: - (0) sem alteração, Conclusões superioridade, em longo prazo, - (1) alteração leve, Conclui-se que os recursos testados são resistentes ao - (2) alteração intermediaria e processo de esterilização (121ºC por 20 minutos ou quanto à maior capacidade de - (3) alteração severa. 135ºC por 7 minutos). Os resultados obtidos foram comparados com os Os processos de esterilização a 121ºC para 20 mi- eliminação do biofilme bucalaspectos dos recursos de higiene bucal controle, não nutos ou 135ºC por 7 minutos foram absolutamentesubmetidos a esterilização. eficazes, apresentando redução significativa (1012) e à sensação de conforto ao Esse levantamento foi registrado pelos autores no da carga microbiana inoculada nas escovas dentáriasdepartamento de Farmácia da USP, sob o título Ava- comuns, interdentais e os limpadores de língua e da pacienteliação da Eficácia do Processo de Esterilização de Es- carga microbiana dos indicadores biológicos.covas TePe (CA0448/11) As escovas dentárias comuns, as interdentais e os limpadores de língua submetidos aos sucessivos ciclosResultados e Discussão de esterilização, não apresentaram alterações compatí-Os resultados microbiológicos das escovas dentárias, veis com o aparecimento de deformidades, variaçõesinterdentais e limpadores de língua submetidos aos da coloração ou na integridade das cerdas.
  • 5. 16 Clínica Odontologiawww.dentistry.com.br Tabela 9 - Resultados do 3º meio ciclo (121ºC por 10 minutos) Tabela 10- Resultados do 1º ciclo completo (121ºC por 20 minutos) Tipo de escova Microrganismo-teste Resultado Tipo de escova Microrganismo-teste Resultado Escova dentária Escherichia coli Estéril Escova dentária Escherichia coli Estéril Escova dentária Pseudomonas aeruginosa Estéril Escova dentária Pseudomonas aeruginosa Estéril Escova dentária Aspergillus niger Estéril Escova dentária Aspergillus niger Estéril Escova dentária Candida albicans Estéril Escova dentária Candida albicans Estéril Escova dentária Staphylococcus aureus Estéril Escova dentária Staphylococcus aureus Estéril Escova dentária Bacillus subtilis Estéril Escova dentária Bacillus subtilis Estéril Escova interdentária Escherichia coli Estéril Escova interdentária Escherichia coli Estéril Escova interdentária Pseudomonas aeruginosa Estéril Escova interdentária Pseudomonas aeruginosa Estéril Escova interdentária Aspergillus niger Estéril Escova interdentária Aspergillus niger Estéril Escova interdentária Candida albicans Estéril Escova interdentária Candida albicans Estéril Escova interdentária Staphylococcus aureus Estéril Escova interdentária Staphylococcus aureus Estéril Escova interdentária Bacillus subtilis Estéril Escova interdentária Bacillus subtilis Estéril Limpadores de língua Escherichia coli Estéril Limpadores de língua Escherichia coli Estéril Limpadores de língua Pseudomonas aeruginosa Estéril Limpadores de língua Pseudomonas aeruginosa Estéril Limpadores de língua Aspergillus niger Estéril Limpadores de língua Aspergillus niger Estéril Limpadores de língua Candida albicans Estéril Limpadores de língua Candida albicans Estéril Limpadores de língua Staphylococcus aureus Estéril Limpadores de língua Staphylococcus aureus Estéril Limpadores de língua Bacillus subtilis Estéril Limpadores de língua Bacillus subtilis Estéril Indicadores biológicos Bacillus stearothermophillus Estéril Indicadores biológicos Bacillus stearothermophillus Estéril Indicadores biológicos Bacillus stearothermophillus Estéril Indicadores biológicos Bacillus stearothermophillus Estéril Indicadores biológicos Bacillus stearothermophillus Estéril Indicadores biológicos Bacillus stearothermophillus EstérilTabela 11 - Resultados do 2º ciclo completo (121ºC por 20 minutos) Tabela 12 - Resultados do 3º ciclo completo (121ºC por 20 minutos) Tipo de escova Microrganismo-teste Resultado Tipo de escova Microrganismo-teste Resultado Escova dentária Escherichia coli Estéril Escova dentária Escherichia coli Estéril Escova dentária Pseudomonas aeruginosa Estéril Escova dentária Pseudomonas aeruginosa Estéril Escova dentária Aspergillus niger Estéril Escova dentária Aspergillus niger Estéril Escova dentária Candida albicans Estéril Escova dentária Candida albicans Estéril Escova dentária Staphylococcus aureus Estéril Escova dentária Staphylococcus aureus Estéril Escova dentária Bacillus subtilis Estéril Escova dentária Bacillus subtilis Estéril Escova interdentária Escherichia coli Estéril Escova interdentária Escherichia coli Estéril Escova interdentária Pseudomonas aeruginosa Estéril Escova interdentária Pseudomonas aeruginosa Estéril Escova interdentária Aspergillus niger Estéril Escova interdentária Aspergillus niger Estéril Escova interdentária Candida albicans Estéril Escova interdentária Candida albicans Estéril Escova interdentária Staphylococcus aureus Estéril Escova interdentária Staphylococcus aureus Estéril Escova interdentária Bacillus subtilis Estéril Escova interdentária Bacillus subtilis Estéril Limpadores de língua Escherichia coli Estéril Limpadores de língua Escherichia coli Estéril Limpadores de língua Pseudomonas aeruginosa Estéril Limpadores de língua Pseudomonas aeruginosa Estéril Limpadores de língua Aspergillus niger Estéril Limpadores de língua Aspergillus niger Estéril Limpadores de língua Candida albicans Estéril Limpadores de língua Candida albicans Estéril Limpadores de língua Staphylococcus aureus Estéril Limpadores de língua Staphylococcus aureus Estéril Limpadores de língua Bacillus subtilis Estéril Limpadores de língua Bacillus subtilis Estéril Indicadores biológicos Bacillus stearothermophillus Estéril Indicadores biológicos Bacillus stearothermophillus Estéril Indicadores biológicos Bacillus stearothermophillus Estéril Indicadores biológicos Bacillus stearothermophillus Estéril Indicadores biológicos Bacillus stearothermophillus Estéril Indicadores biológicos Bacillus stearothermophillus Estéril
  • 6. Odontologia Clínica 16 17 www.dentistry.com.br Tabela 13 - Resultados da resistência mecânica após esterilização (121ºC) Os processos de Nº de ciclos Escovas dentárias Escovas interdentárias Limpadores de língua 1 meio ciclo (0) sem alteração (0) sem alteração (0) sem alteração esterilização a 121ºC para 2 meios ciclos (0) sem alteração (0) sem alteração (0) sem alteração 3 meios ciclos (0) sem alteração (0) sem alteração (0) sem alteração 20 minutos ou 135ºC por 7 1 cicio completo (0) sem alteração (0) sem alteração (0) sem alteração minutos foram absolutamente 2 ciclos completos (0) sem alteração (0) sem alteração (0) sem alteração 2 ciclos completos (0) sem alteração (0) sem alteração (0) sem alteração eficazes, apresentando redução Legenda: (0) sem alteração, (1) alteração leve, (2) alteração intermediaria e (3) alteração severa. Os resultados obtidos serao comparados com controles não submetidos a Esterilização significativa (1012) da carga microbiana inoculada nas escovas Tabela 14 - Resultados da resistência mecânica após esterilização (135ºC) dentárias comuns, interdentais Nº de ciclos Escovas dentárias Escovas interdentárias Limpadores de língua 1 meio cicio (0) sem alteração (0) sem alteração (0) sem alteração e os limpadores de língua e da 2 meios ciclos (0) sem alteração (0) sem alteração (0) sem alteração 3 meios ciclos (0) sem alteração (0) sem alteração (0) sem alteração carga microbiana dos 1 cicio completo (0) sem alteração (0) sem alteração (0) sem alteração indicadores biológicos 2 ciclos completos (0) sem alteração (0) sem alteração (0) sem alteração 2 ciclos completos (0) sem alteração (0) sem alteração (0) sem alteração Legenda: (0) sem alteração, (1) alteração leve, (2) alteração intermediaria e (3) alteração severa. Os resultados obtidos serao comparados com controles não submetidos a EstérilizagaoReferências Bibliográficas: associated pneumonia in critically ill adults.Am J Crit Care. monia in mechanically ventilated patients: a randomised1. Jorge AOC Princípios de Biossegurança em Odontologia 2009 Sep;18(5):428-37. control trial.Int J Nurs Stud. 2011 Jun;48(6):681-8.Revista Biociências, Taubaté, 2002 8(1):7-17. 9. Roca Biosca A, Anguera Saperas L, García Grau N, Ru- 15. Carvajal C, Pobo A, Díaz E, Lisboa T, Llauradó M, Rello2. Li X, Kolltveit KM,Tronstad L, Olsen I. Systemic di- bio Rico L, Velasco Guillén MC. Prevention of mechanical J. Oral hygiene with chlorhexidine on the prevention ofseases caused by oral infection.Clin Microbiol Rev ventilator-associated pneumonia: a comparison of two di- ventilator-associated pneumonia in intubated patients: a sys-2000;13(4):547–558. fferent oral hygiene methods. Enferm Intensiva. 2011 Jul- tematic review of randomized clinical trials.Med Clin. 20103. Morais T M N, Silva A, Avi A L R O, Souza P H R, Knobel Sep;22(3):104-11. Oct 9;135(11):491-7.E, Camargo L F A. A importância da atuação odontológica 10. Danchaivijitr S, Assanasen S, Apisarnthanarak A, Juda- 16. Hirota K, Yumoto H, Miyamoto K, Yamamoto N, Mu-em pacientes internados em unidade de terapia intensiva. eng T, Pumsuwan V. Effect of an education program on the rakami K, Hoshino Y, Matsuo T, Miyake Y. MPC-polymerRev. bras. ter. intensiva. 2006  Dec ; 18(4): 412-417. prevention of ventilator-associated pneumonia: A multicen- reduces adherence and biofilm formation by oral bacteria.J4. Fourrier F, Duvivier B, Boutigny H et al - Colonization of ter study.J Med Assoc Thai. 2005 Dec;88 Suppl 10:S36-41. Dent Res. 2011 Jul;90(7):900-5.dental plaque: a source of nosocomial infections in intensive 11. Casemiro L A, Martins CHG, Souza FC P P, Panzeri H, 17. Bélanger-Giguère K, Giguère S, Bélanger M. Disinfectioncare unit patients. Crit Care Med, 1998;26:301-308 Ito I Y. Bacterial, fungal and yeast contamination in six bran- of toothbrushes contaminated with Streptococcus mutans.5. Yoneyama T, Yoshida M, Ohrui T et al - Oral care reduces ds of irreversible hydrocolloid impression materials. Braz. Am J Dent. 2011 Jun;24(3):155-8.pneumonia in older patients in nursing homes. J Am Geriatr oral res. 2007  Jun;  21(2): 106-111. 18. Dias JA, Costa AMDD, Terra FS, Costa RD, Costa MD,Soc. 2002;50:430:433. 12. Sato S, Pedrazzi V, Guimarães Lara EH, Panzeri H, Fer- Zanetti HHV.Avaliação do índice de placa bacteriana e sua re-6. Kahn S, Mangialardo E S, Garcia C H, Namen F M, Galan reira de Albuquerque R Jr, Ito IY. Antimicrobial spray for lação com a condição física e o acondicionamento das escovasJ J, Machado W A S. Controle de infecção oral em pacientes toothbrush disinfection: an in vivo evaluation.Quintessence dentais. Odontol. Clín.-Cient.,2010 jul/set.;9(3):253–55.internados: uma abordagem direcionada aos médicos inten- Int. 2005 Nov-Dec;36(10):812-6. 19. Colluci C. Superbactéria é alerta para hospitais dosivistas e cardiologistas. Ciênc. saúde coletiva 2010 [dispo- 13. Nelson-Filho P, Faria G, da Silva RA, Rossi MA, Ito IY. Brasil, diz infectologista. Folha On Line. Publicado emnível online], 15(1):1819-26. Evaluation of the contamination and disinfection methods of 13.10.2010, acesso pelo: http://www1.folha.uol.com.br/7. Munro CL, Grap MJ. Oral health and care in the inten- toothbrushes used by 24- to 48-month-old children.J Dent cotidiano/813725-superbacteria-e-alerta-para-hospitais-do-sive care unit: state of the science. Am J Crit Care. 2004 Child (Chic). 2006 Sep-Dec;73(3):152-8. pais-diz-infectologista.shtmlJan;13(1):25-33. 14. Berry AM, Davidson PM, Masters J, Rolls K, Ollerton R. 20. Junior JC & Pallos D. Avaliação da esterilização de esco-8. Munro CL, Grap MJ, Jones DJ, McClish DK, Sessler CN. Effects of three approaches to standardized oral hygiene to vas dentais em fornos de microondas ( estudo in vitro). Rev.Chlorhexidine, toothbrushing, and preventing ventilator- reduce bacterial colonization and ventilator associated pneu- biociênc., Taubaté, 7(2), 2001: 39-42.