Projeto comunicar se
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Projeto comunicar se

on

  • 1,014 views

 

Statistics

Views

Total Views
1,014
Views on SlideShare
1,014
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
18
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Projeto comunicar se Projeto comunicar se Document Transcript

  • Projeto Comunicar-se....Essa é a onda!!!JustificativaOs canais de comunicação sofrem constantes inovações, estando a Internet à frentedas maiores mudanças. Hoje encontramos sites institucionais, empresariais,educacionais, pessoais e Blogs como fonte primária de informação para jornaisimportantes. Possibilitar que a comunidade escolar possa passar de expectadoradessas informações à produtora de informações, nos canais de comunicação é umtrabalho que traz muitos benefícios à prática pedagógica enriquecendo a forma deaprender. Fazer isso de maneira Interativa, de forma a abrir as janelas do mundo paraos educandos, criar possibilidades de comunicação com pessoas de locais geográficosdiferentes, possibilitando aos educandos ampliarem sua visão de mundo, posicionar-sesobre diferentes assuntos e saber trabalhar com as críticas recebidas.Este projeto justifica-se portanto, na criação de um espaço de aprendizagem atravésda comunicação, promovendo e possibilitando junto aos educadores e educandos umaaprendizagem dinâmica, direta e contextualizada, bem como, na pesquisa e produçãode uma programação de rádio com objetivos educacionais bem definidos e queprincipalmente levem à aprendizagem pela produção da programação com os recursosdas TICs e da Web.Objetivos  Utilizar as Tecnologias da Informação e Comunicação para construir e disponibilizar produções dos alunos através de diferentes mídias;  Proporcionar ambiente para interação entre educandos e professores de diversas cidades;  Divulgar junto à comunidade escolar, em especial para professores, a viabilidade e as vantagens de se desenvolver projetos dessa natureza em escolas públicas;  Discutir questões de direitos autorias, copyright x copyleft, Creative commons; a fim de sensibilizar os alunos para a responsabilidade na disponibilização de material na Internet e outras mídias;  Aprimorar os conhecimentos dos alunos quanto às características da linguagem de rádio, em especial, da rádio novela;  Desenvolver nos alunos habilidades de pesquisa e investigação;  Estimular os alunos a realizarem ações, na comunidade em que vivem, sobre a temática do projeto.  Proporcionar o desenvolvimento de projetos de aprendizagem com alunos e professores, de forma interdisciplinar e contextualizada;  Elaborar estratégias de pesquisa e produção com professores e alunos de classes regulares com vistas ao trabalho interdisciplinar, baseados nos interesses e necessidades do grupo envolvido no "projeto rádio" para o desenvolvimento de suas potencialidades cognitivas.  Discutir e divulgar as produções/programações da rádio à comunidade com o intuito de construir estratégias de conscientização da comunidade escolar para a importância do Projeto.  Divulgar pela rádio e Internet (produção de PodCasts) projetos e produções dos alunos à comunidade 1
  • Público AlvoProfessores, alunos e gestores das Unidades Escolares que integram as Oficinas deInformática das Escolas de Tempo Integral da Diretoria de Ensino Região de CampinasOeste.Procedimentos Metodológicos  Encontros mensais com participação dos professores na organização das atividades. Assessoria ao desenvolvimento do projeto em todas as etapas: pesquisa, estudo do tema e dos conteúdos e nas produções no laboratório de informática.  Realizar pesquisas na Internet e biblioteca com discussões posteriores entre os alunos e professores sobre temas como: tecnologia na sala de aula, direitos autorais, linguagem, rádio, ferramentas de comunicação e interação, desenvolvimento sustentável, meio ambiente e questões locais relacionadas ao tema; a fim de propor ações para desenvolvimento do projeto Radio Virtual (Novela).  Produzir com os alunos e professores envolvidos, com auxílio de computador e outras ferramentas, programas de rádio para disponibilizar na Internet e rádios locais. Criação de um Blog e inserção da descrição do projeto, registros dos participantes, disponibilizando a possibilidade de interação dos “expectadores” por meio de comentários no site.  Criação de um programa de podcast. Para sua criação, é necessário gravar comentários utilizando um microfone ligado ao computador e transformar este arquivo em mp3. Posteriormente pode-se colocar uma música de fundo e efeitos sonoros. Para isso, utilizaremos programas que permitem gravar qualquer som do computador, entre eles o Audacity - http://audacity.sourceforge.net. - desenvolvido sob licença Open Source e possibilita a criação, edição de som com uma qualidade profissional.Recursos Materiais  Acesso à Internet  Estação de Computador com kit multimídia  Cds  Microfones  Softwares free e livres, específicos para gravação e edição de podcasts.Cronograma de execução:  Reunião com equipe gestora da escola e supervisor responsável pelas Escolas de Tempo Integral, para planejamento das ações e divisão das tarefas, objetivando a apresentação e sensibilização dos responsáveis para a implantação do projeto;  Trabalho de sensibilização e estímulo junto aos alunos, visando ao engajamento destes no projeto;  Seleção dos professores e alunos que participarão das oficinas.  Pesquisa e elaboração do projeto; 2
  •  Contatos buscando colaboradores para o projeto.  Reunião de avaliação e replanejamento sempre que se fizer necessário durante todo o período letivo.  Acompanhamento do ATP Responsável pelo projeto, diretamente nas escolas, avaliando a qualidade da produção bem como os recursos técnicos pertinentes, auxiliando de forma direta o professor responsável pelo projeto na unidade escolar.Sugestões de Utilização Pedagógica  Realização de programas por alunos sobre determinado tema como se fosse um programa de rádio.  Criação de uma rádio novela com alunos.  Criar um mapa da cidade e gravar uma narração com curiosidades e história dos principais pontos turísticos, centros comerciais, oportunidades de estágios, escolas técnicas, universidades, praças e monumentos. .  Professores podem gravar um programa com curiosidades de suas disciplinas.  Trechos de filmes;  Apresentação do Projeto, diferentes tipos de canais de comunicação na Internet: Blogs, Flogs, Portais interativos, Orkut e Podcasts.  Temas que podem surgir: Ipodder Apple computers Compra de músicas pela Internet Importância dos Registros Super Exposição  Aprendendo a "postar" no Blog do projeto  Verificar se existem comentários no Blog do Projeto. Gravar (áudio) entrevistas com os alunos e professores para saber as expectativas quanto ao projeto. Começar a discutir ações para o formato do programa. Lei de Direitos autorais. Creative Commons  Ouvir o podcast criado com as entrevistas da aula passada. Começar produzir o primeiro podcastAvaliaçãoAvaliar o conhecimento é um processo mais amplo do que a simples verificação por umúnico instrumento, devendo esta ocorrer de maneira continua, interdisciplinar, comabrangência na oralidade, produção de textos, raciocínio lógico, aplicando a práticaescolar em situações do cotidiano.Cada item da avaliação deve ser apresentado anteriormente aos alunos para que estestenham compreensão do processo.Neste projeto, podem ser avaliadas questões como atitudes de cada envolvido emrelação ao grupo e a si mesmo enquanto aprendiz, bem como, o interessedemonstrado na aquisição e produção das atividades propostas e construídas pelogrupo, a distribuição e realização das tarefas de pesquisa, análise e conclusão. 3
  • ReferênciasPoucos equipamentos são necessários para montar um estúdio de rádio, que vaimotivar a garotada a aprender uma nova linguagem.Bom dia, amigo ouvinte. São exatamente 9 horas.Começa agora mais um programa da Rádio Escola,com música e notícia para você." Uma programaçãocomo essa poderia animar o recreio na sua escola.Para isso, acredite, não é necessário um grandeestúdio. Um kit básico (veja quadro) já é suficientepara a turma divertir os colegas no intervalo eaprender um bocado sobre esse meio decomunicação. "Os alunos passam a ver o rádio nãosó como uma forma de entretenimento, mas tambémcomo um prestador de serviços que forma opinião einforma," explica Miriam Ramos, professora doServiço Nacional de Aprendizagem Comercial(Senac), de São Paulo.As funções que os estudantes envolvidos numprojeto como esse têm a desempenhar são várias."As pessoas, de modo geral, pensam que o locutorfala tudo de improviso", conta Miriam. Não é bemassim. A programação que vai ao ar é resultado do Jaqueline Teixeira, aluna datrabalho da equipe de produção. Marcar entrevistas, 7ª série, e Murilo Santosescolher as músicas e transformar o que está Silva, da 6ª, na Rádio Kruse:publicado nos jornais em notícia falada são algumas músicas e recados na horadas tarefas. Vale destacar o aprendizado com a do recreiolinguagem empregada nos programas: ela tem de serobjetiva, rápida, dinâmica e popular. "No rádio, a fala é parecida com a nossa", lembraMiriam.O tempo é preciosoUma rádio que se presa precisa de um bom nome. Batizada a emissora da escola, opróximo passo é determinar o formato da programação. Serão noticiários, musicais,humorísticos? Em um programa de variedades de 15 minutos, por exemplo, podem serreservados dois para as notícias, cinco para músicas e um para o intervalo comercial.Na segunda parte, entram uma entrevista de três minutos e um de prestação deserviço — com divulgação de eventos, achados e perdidos e recados. O tempo restanteé preenchido com mais música.Para incrementar a produção, o ideal é criar algumas vinhetas. Uma com o nome darádio e outras com os títulos dos diversos programas. A apresentação fica por conta deum casal. Vozes diferentes tornam a locução dinâmica. "Uma entrevista, por maisinteressante que seja o personagem ouvido, não pode durar meia hora," orienta 4
  • Miriam. "Para dar ritmo, uma saída é entremear conversa com música e falas deouvintes."A Escola Estadual Dom Miguel Kruse, de São Paulo, montou o seu estúdio em 2002. Oobjetivo era substituir a correria típica da hora do recreio por músicas e notícias.Depois de fazer uma análise minuciosa de qualidade e preço, a direção comprou algunsaparelhos. No ano seguinte, os integrantes do grêmio estudantil, sob a supervisão doscoordenadores pedagógicos, assumiram a Rádio Kruse. Agora, todos os dias, na horado intervalo, a garotada executa as músicas pedidas pelos demais estudantes, mandarecados apaixonados e aproveita para divulgar os eventos da comunidade e osprojetos da instituição. "O intervalo ficou mais agradável e tranqüilo", comemora adiretora Ângela Reis Lombardi. Linguagem radiofônica Os iniciantes no mundo do rádio vão entrar em contato com uma linguagem peculiar. Traduzimos aqui alguns dos jargões mais comuns e explicamos a função de cada recurso. Assinatura - É composta pelo nome e pelo slogan do programa. É veiculada no começo da programação ou no final de um bloco. Por exemplo, "Jornal Escola, notícias quentes sobre educação". BG - As iniciais vêm da palavra inglesa background, que significa fundo — no caso do rádio, feito pela música. A regra de utilização do BG é simples. Quando entra a fala do apresentador do programa ou do entrevistado, o volume da música abaixa para não competir com as vozes. Quando o tema do programa é alegre, músicas com ritmo acelerado podem ser colocadas de fundo. Já os mais sérios pedem uma trilha calma. Créditos - Relação com o nome de todos os que participaram da produção, da locução e da apresentação do programa. São lidos no final. Lauda - É uma folha de papel A4, onde consta a programação. O texto deve ser claro, sem rasuras e com um bom espaço entre as linhas. É digitada ou datilografada em letras maiúsculas para facilitar a leitura. Todos os participantes (locutor, apresentador, produtor e técnico de som) devem ter uma cópia. Spot - Pode ser um comercial ou uma mensagem institucional e tem a duração de 15 a 30 segundos. Os spots institucionais têm a função de chamar o ouvinte para a programação da rádio. Os dois tipos têm uma música instrumental de fundo e são sempre gravados.Um estúdio modelo"Para montar uma rádio, basta providenciar um microsystem com entrada paramicrofone e as caixas acústicas", garante Pedro Mourão, diretor da escola de músicaDomus. Para que o som chegue aos ouvintes, contrate um eletricista para cuidar dainstalação. Esse profissional vai determinar a quantidade e os tipos de fios necessáriose os melhores lugares para as caixas. A Escola Estadual Dom Miguel Kruse tem um 5
  • equipamento mais completo. Confira quais os aparelhos adquiridos pela direção e ospreços: Mesa de som e potência: As duas funcionam juntas. Nelas são conectados omicrosystem, o microfone, os fones de ouvido e o radiogravador. Dependendo daquantidade de canais, admitem mais equipamentos, como toca-discos e toca-CD. Dalisai também a fiação para as caixas de som. Tanto uma mesa de oito canais quanto apotência custam entre 370 e 590 reais cada uma. Microsystem: É composto de toca-CDs, rádio e toca-fitas e possui uma entrada paramicrofone. Ele serve para reproduzir os sons e viabiliza a gravação em fita cassete doque não pode entrar ao vivo, como os spots e as vinhetas. Custa cerca de 800 reais. Fone de ouvido O fone de ouvido (cerca de 40 reais) dá o retorno do som que estásendo executado. Se o estúdio é longe do pátio, quem comanda a mesa tem de saberquando uma música termina para colocar a próxima. As caixas de som do microsystempodem substituí-lo se colocadas dentro do estúdio. Caixa acústica: Um sistema de alto-falantes instalado no pátio reproduz o que estásendo veiculado no estúdio. Um conjunto de quatro caixas de 100 watts é o ideal paraum espaço onde cabem 100 pessoas. Cada uma custa cerca de 420 reais. Radiogravador: É um aparelho acessório. Seu uso é alternado com o domicrosystem. Enquanto um é utilizado, é possível preparar a próxima fita ou o CD queserá executado. Custa aproximadamente 250 reais. Microfone: Serve para captar as vozes e custa entre 80 e 110 reais.http://www.jornalvirtual.kit.net/radio.htmRevista: http://www.novaescola.com.br 6
  • Manual de criação e produção de uma rádio on-lineUNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL – IMES CURSO DECOMUNICAÇÃO SOCIAL – RÁDIO E TELEVISÃOJOSÉ ROBERTO DOS SANTOSTrabalho apresentado como parte do processo de certificação do curso de Rádio e TVdo IMES.Orientador: Prof.º Ms. Moisés dos SantosINTRODUÇÃOEste trabalho tem como objetivo mostrar de maneira simplificada as etapas demontagem e estruturação de uma rádio web. Uma rádio web consiste numa emissorade áudio que utiliza a Internet para transmitir sua programação, similar ao queacontece no rádio que usamos no dia-a-dia, só que, no caso da rádio web, ele éintegrado ao computador. Para entender melhor o que vem a ser este projeto, segueum breve histórico sobre cada veículo de comunicação.A definição mais apropriada para Internet é um sistema mundial de redes decomputadores – uma junção de rede em que os usuários em qualquer lugar do mundopodem obter informações de qualquer outro computador ou de pessoas, conversandopor meio de comunicadores, como Skype, MSN ou ICQ.O rádio, da forma que o conhecemos hoje, deve sua existência a alguns inventores doséculo 19 que decifraram seus segredos físicos para utilizar seus serviços no dia-a-dia.Entre eles se destacam: James Clerck Maxwell, que demonstrou a existência de ondaseletromagnéticas pela primeira vez em 1863; outro colaborador foi o alemão HenrichRudolph Hertz, que, em 1887, demonstrou o Princípio da Propagação Radiofônica,quando passamos a conhecer as chamadas “ondas hertzianas”.Entre outros inventores estava também o brasileiro Landell de Moura, padre cientistanascido no Rio Grande do Sul, inventor de sistemas de telefonia com e sem fio, alémde teses que previam a comunicação via satélite e os raios laser. Em 1904, Landell deMoura conseguiu, nos Estados Unidos, as patentes mundiais de três de seus inventos:telégrafo sem fio, telefone sem fio e o transmissor de ondas curtas. Mas a era do rádiosó teve início em 1919, quando a empresa americana Westinghouse instalou no pátioda sua fábrica uma grande antena e passou a transmitir música dentro de umapequena região, pois as ondas só alcançavam poucos quilômetros de distância. Ointuito da empresa era desencalhar um grande estoque de aparelhos de rádios, sobrasprovenientes da Primeira Guerra Mundial que não foram usadas em combate.No Brasil, a primeira transmissão feita foi um discurso do presidente Epitácio Pessoa,no Rio de Janeiro, comemorando o centenário da Independência, em 7 de setembro de1922. A empresa americana Westinghouse Eletric Co. instalou no Corcovado umtransmissor para que o discurso fosse transmitido a partir da Praia Vermelha. 7
  • O crescimento do rádio nos Estados Unidos se deu em alta velocidade –em 1921 eramquatro emissoras, mas, ao final de 1922, seriam computadas 382. A primeira estaçãode rádio brasileira foi criada por Henry Morize e Edgard Roquete Pinto, o últimoconsiderado o pai do rádio brasileiro por ter fundado, em 1923, a Rádio Clube do Riode Janeiro. Ela funcionava como um clube, onde os sócios pagam mensalidades parautilizar os serviços.A curta história da Internet começa ainda nos tempos da Guerra Fria, como sistema desegurança. Os norte-americanos criaram um sistema que permitia a rápidatransferência dos sistemas de controle para qualquer lugar do país, em caso dedestruição de algum centro de pensamento, como o Pentágono. Esse sistema consisteem vários computadores interligados por uma rede de fios, permitindo a troca deinformações entre várias partes do país.Mas, com o fim da Guerra Fria, os norte-americanos perceberam que não tinham maismotivos para manter em sigilo essa tecnologia e decidiram estendê-la para asuniversidades do país. Essa tecnologia passou, gradativamente, a outras universidadesdo mundo, criando a grande rede de computadores que conhecemos hoje,possibilitando conversas entre pessoas de qualquer lugar do planeta, transferindoarquivos de texto, imagens e sons.No Brasil, essa rede passou a ser mais conhecida após 1991, com a criação desistemas de rede com o apoio do Ministério de Ciências e Tecnologia. Mas foi só em1995 que a Internet passou a ter uso comercial, promovendo acesso às pessoascomuns, dentro de suas casas, o que só era permitido até então a universidades e aalguns órgãos públicos.Com base em toda a história de grandes descobertas e inventos, surgem as rádios viaInternet, ou rádio web. Isso propiciou a universalização do rádio, sem os limites deondas sonoras. Uma pessoa do Brasil pode ouvir uma rádio japonesa com qualidade desom como se estivesse no Japão e no mesmo tempo em que a notícia for divulgada lá,ela será ouvida aqui. Mas porque montar uma rádio na Internet? O principal motivopode ser a chance de qualquer pessoa divulgar para o mundo as suas opiniões, seusgostos e suas vontades. Não que uma rádio web venha a ser instrumento de desabafopessoal, como um diário ou um blog, mas é uma chance de pessoas que gostam detrabalhar em meios de comunicação apresentarem seus pontos de vista semprecisarem de autorização do governo ou de altos investimentos.Uma estrutura básica – como equipamentos para essa emissora (computadores,microfone, músicas e estúdio) e fontes de pesquisa, como jornais, revistas, acesso asites e softwares para a manutenção do sistema – gera custos iniciais que podemassustar as pessoas, à medida que são contabilizados, mas não impede que alguémcom vontade de seguir em frente consiga patrocinadores que possam, inclusive, gerarlucros para essa nova empresa.Existe também a possibilidade de encontrar alguns sites que produzem programasgratuitos para computadores, e que vão baratear os custos iniciais, funcionando comoincentivo. Esses programas vão desde sistemas para execução de áudios, comomúsicas, trilhas ou vinhetas, até aqueles que vão ligar o estúdio onde o som é captadoe que deixará os arquivos disponíveis para acesso ao vivo ou para acesso ao materialgravado. 8
  • A proposta desta pesquisa é apresentar de forma simples como criar e desenvolveruma rádio web, possibilitando a veiculação de informações de um ponto para outrocom simplicidade e velocidade.CAPÍTULO 1 – RÁDIO WEB: ORIGEM E DESENVOLVIMENTONeste capítulo será apresentada a forma como se deu o surgimento de cada meio decomunicação, como eles se uniram com o passar do tempo e a evolução da tecnologia.Será apresentado também o conceito de rádio na Internet e como ela se desenvolveupelo mundo.1.1 O Conceito de Rádio Web O conceito de rádio web surgiu com a possibilidade dafusão das tecnologias do rádio com a Internet. Essa fusão é baseada, normalmente, naestrutura de uma rádio (AM/FM) transmitindo notícias, músicas e entretenimento, sóque agora com a possibilidade unir outras funções da Internet, como a publicação denotícias no site que já foram ditas pelo locutor. Também possibilita a publicação defotos e anúncios escritos, propiciando mais uma fonte de obtenção de renda para umarádio on-line.O que também chama a atenção é a forma de atingir diferentes públicos, pois omesmo site pode transmitir várias rádios ao mesmo tempo, desde emissoras só demúsicas, ainda assim divididas por estilo musical, até rádios especializadas emnotícias, ou ainda misturadas, com músicas e notícias.Segundo Lowell Thing (2003: 503) site pode ser definido, basicamente, como “coleçãode arquivos da web de um assunto particular, o que inclui um arquivo inicial chamadode homepage”. Resumindo, site é aquela página hospedada na rede de computadoresem que as pessoas divulgam seus produtos ou serviços para aqueles que estiveremnavegando na Internet.Outra grande vantagem de uma rádio na Internet é a possibilidade de escutar a suamúsica preferida ou notícias sobre a sua região de qualquer lugar do mundo, de umalan house ou da casa de um amigo, bastando apenas digitar um endereço eletrônico eabrir o seu programa de execução de músicas. Outra vantagem é que se podetransmitir uma rádio a partir de casa, com programas de computadores simples e deuso diário, incluindo aquele microfone simples que já vem com o kit multimídia, até amontagem de um estúdio profissional, incluindo isolantes acústicos, microfonesprofissionais e locutores graduados.O conceito de rádio web é muito amplo, atingindo desde pequenos nichos até grandesmassas, dependendo da direção que for dada à sua emissora.1.2 A Rádio Web no Mundo Com o crescimento das redes de banda larga em todo omundo, fazer transmissões de áudio via Internet tornou-se viável, considerando queagora é possível manter uma qualidade sonora similar ao de uma rádio FM, em algunscasos até melhor.Quando eram usadas redes dial-up, a taxa de transferência de arquivos era muitobaixa, o que desencorajava o público de prestar atenção ao conteúdo disponível, nãosó pela má qualidade de áudio, mas também por causa das constantes quedas deconexão. 9
  • Com a melhoria da qualidade das conexões, o número de emissoras aumentousignificativamente. Isso propiciou a criação de alguns sites que servem como catálogode rádios, indicando as diversas emissoras espalhadas pelo mundo, desde as AM/FMque retransmitem o sinal para grandes redes até as diversas emissoras virtuais que seespalham ao redor do planeta. O nível de profissionalização é tão grande, que asrádios são separadas por países e continentes e as brasileiras, por Estado.Visitando algumas dessas páginas é possível perceber que já existe uma grandepreocupação estética na maioria dos sites produzidos, tanto em relação à parte gráficaquanto à qualidade sonora. Por qualidade sonora entenda-se a grade musical e apreocupação com músicas de alta qualidade sonora, além da plástica da emissora, quenada mais é que o cuidado com o uso de vinhetas e trilhas, preparadas de acordo coma vocação da rádio.A maioria conta com locutores divididos por horário, como ocorre em rádiostradicionais. Há, inclusive, algumas transmissoras que utilizam recursos da Internet,como chats e e-mails para aumentar o contato com os ouvintes, permitindo que aprogramação seja feita em tempo real, de acordo com o pedido feito por cadafreqüentador da página.Mas esse novo veículo de comunicação não é composto apenas de novas empresas quedesejam “aventurar-se” no ramo da comunicação. Grandes veículos, como a BBC deLondres (Figura 1) e o Sistema Globo de Rádio (Figura 2) disponibilizam em seus siteslinks para que seja possível acompanhar a programação pelo computador. Link é adefinição para objeto selecionável de uma palavra, imagem ou objeto de informaçãopara outro lugar. Representa um vínculo entre páginas da Internet. Pode incluirseqüências de som ou vídeo.Já há algum tempo que essas empresas utilizam a Internet como meio de interaçãocom os ouvintes, recebendo via e-mail suas opiniões, sugestões ou reclamações, tantopara a mudança de algo que se relaciona com a emissora, quanto cobranças demelhorias de bens públicos – como escolas, hospitais, ruas, parques e praças.Uma prática muito difundida na Europa e que agora chega ao Brasil é a criação devárias emissoras segmentadas, todas dentro do mesmo site, ou portal. Entenda-se porportal uma grande página na qual é possível encontrar informações sobre diferentesassuntos no mesmo lugar. Exemplos de portais são o UOL [www.uol.com.br] e o Terra[www.terra.com.br]. Nem sempre o material transmitido é o mesmo que foi vinculadoem seu sinal AM/FM, pois algumas empresas começam a enxergar as vantagens deatender os variados públicos, criando canais além dos existentes no modeloconvencional.Há também a possibilidade de produção de emissoras de baixo custo, em que somentemúsicas são disponibilizadas para o internauta. O usuário entra com o nome do artistaou a faixa que procura e o sistema disponibiliza no ato o resultado da pesquisa, com apossibilidade de maiores informações sobre a faixa escolhida, como ficha técnica(autor, ano de gravação e nome do disco em que foi gravada) e um comparativo depreços entre os sites que comercializam essa obra.Em comum, todas essas emissoras abriram o leque para a comercialização de espaçopublicitário, seja com a venda de espaço gráfico ou com a publicidade divulgada emcada emissora, lembrando que, em vez de vender para o grande público, a intenção é 10
  • atender aos nichos de mercado, satisfazendo o gosto de uma minoria. O design dapágina será de grande utilidade para que aconteça o crescimento no número de visitase, assim, se tornem possíveis a comercialização da página e a obtenção de receita.Cuidados com as cores, letras (formato e tamanho) e a distribuição de conteúdo portoda a área gráfica contam pontos para a conquista ou repulsa do usuário.Páginas com baixa poluição visual tendem a conquistar mais facilmente as pessoas,pois elas conseguem compreender com maior facilidade a mensagem que é passada,de maneira rápida e simples. Uma curiosidade que J.B. Pinho traz em seu livro é quena Internet as pessoas têm a tendência de perder a concentração com mais facilidade,se comparado com jornais, revista ou tevê. Por isso, a aparência e o conteúdo devemser pensados com propriedade, pois se o usuário não passar do primeiro estágio, todaa sua preocupação com o áudio será em vão.CAPÍTULO 2 – LINGUAGEM: TÉCNICAS DE COMUNICAÇÃO NO RÁDIO E NA INTERNETNeste capítulo serão apresentadas as técnicas utilizadas no rádio e na Internet a fimde atrair a atenção do público (ouvinte ou internauta) para que utilize esses canais decomunicação como forma de adquirir informação e/ou entretenimento. Por fim, serásugerida uma linguagem apropriada para a rádio on-line, utilizando todos os recursospossíveis para atrair a atenção do público para esse novo veículo.2.1 A Linguagem Usada no Meio Rádio O meio rádio teve seu início na metade doséculo passado, começando de maneira simples com relação à infra-estrutura, fato quemudou drasticamente na passagem do século 20 para o 21, quando houve uma grandeevolução tecnológica, melhorando a qualidade das transmissões, facilitando o trabalhode produção e de todo o processo criativo.Com o passar do tempo, o rádio tornou-se o meio de comunicação mais popular noplaneta, graças à sua praticidade de transporte e manuseio. O rádio pode ser utilizadodentro de casa, no carro, andando na rua, de dia ou à noite, independente de regiãoou língua. Segundo Robert McLeish (2001: 16), um dos grandes atrativos do rádiocomo meio de comunicação é o fato dele ser um meio cego. Isso porque o ouvinteprecisa imaginar o que está acontecendo, seja o conteúdo passado pelo locutor, comouma notícia, uma entrevista ou um bate-papo com algum ouvinte pelo telefone. Aqueleque está escutando acaba imaginando toda a situação que o locutor narra, desde comodeve ser o profissional, fisicamente falando, até o local de algum fato descrito por ele.Essa é a grande vantagem desse meio. Trabalhar com o imaginário das pessoas é algotão saudável quanto uma mãe que conta histórias para o seu filho quando ele vaidormir. Enquanto a televisão dispõe dos recursos visuais para ilustrar o seu conteúdo,o rádio é profícuo em criar cenas impensáveis na TV, usando apenas recursos sonorosque servem como guia para que as pessoas possam “visualizar” o que está sendo dito.Comparando com os jornais, o rádio sofre a desvantagem do cliente não escolher oque vai ouvir; ele segue a linha editorial preestabelecida e, segundo McLeish, apenasdecide se vai ouvir ou se desligar do que é narrado. Por isso, o rádio requer umtrabalho de preparação muito bem elaborado, para que ao chegar aos ouvidos daspessoas, chame a atenção e faça com que elas não mudem de emissora.É possível chamar a atenção do ouvinte com uma notícia com a forma como ela é lida.Uma certa dose de interpretação é interessante, levando em consideração alguns 11
  • pontos, como entusiasmo, compaixão, raiva, dor e alegria. Independente da idade,sexo ou religião, o rádio permite uma aproximação dos profissionais com o seu públicojamais vista em outro meio de comunicação.Muitos programas, tanto em AM quanto em FM, usam a interação como forma dechamar a atenção dos ouvintes para participar da sua programação. Na pauta muitasvezes estão piadas – algumas vezes sem graça –, espaço para o público pedir suamúsica ou aconselhamentos por parte de profissionais sobre alguns temas, como sexoe política ou área de trabalho.É essa interação que a rádio na Internet deve buscar. Atualmente, além dos recursoscomo carta e telefone, contam com e-mails e salas de bate-papo virtuais (chats) paramanter ou incrementar a sua programação. Os limites municipais em que muitasrádios operam não serão mais problema para que a emissora conquiste público portodo o planeta.As rádios (AM/FM) possuem a característica de unificar diversos meios de comunicaçãoem um só veiculo. Os produtores e jornalistas buscam inspiração nos outros meios –jornais, revistas, livros e até mesmo na TV – para colocar uma notícia no ar ou paraproduzir programas de entretenimento para o seu público. Se a chegada da Internet jáfoi um avanço como fonte de pesquisa, a integração dos dois pode chamar a atençãodo público para encontrar diversas informações dentro da própria página da emissora.Imagine-se a situação: o locutor acaba de lançar um comentário no ar e discuti-lo porum determinado tempo com algum especialista no assunto e com os ouvintes, pormeio de salas de bate-papo, e-mail e telefone.Quando essa discussão for encerrada, a pauta discutida pode ser lançada dentro dosite da rádio on-line, com links que direcionarão a outras páginas relacionadas aoassunto, assim como se pode criar um fórum de discussão, no qual o público podeentrar e deixar o seu comentário, além de ouvir novamente toda a discussão, emarquivos para download.O download significa a transferência de dados ou arquivos entre computadoresconectados à Internet. Geralmente acontece de um computador-servidor, que onde opúblico acessa as informações, para um computador menor, os computadorespessoais. Será possível integrar prestação de serviço público, entretenimento, músicas.Pessoas de regiões distintas podem sugerir como melhorar algumas áreas carentes,que já tenham passado por alguma situação semelhante à levada em pauta,lembrando sempre a queda de fronteiras das ondas sonoras.As motivações de um radialista que usar a Internet devem continuar as mesmas:informar, instruir, entreter, chocar, transformar, apresentar opções, entre outras. Cadaprofissional do meio deve descobrir qual é a sua maior vocação, mas não deveesquecer que, segundo McLeish (2001: 24), precisa manter uma ligação entre oouvinte e o produtor.Uma emissora bem sucedida é mais do que a soma de seus programas; ela entende anatureza dessa amizade e seu papel de líder e prestador de serviços (McLEISH, 2001).Com essa citação, é possível compreender que a principal técnica para produzir umarádio é conhecer o público. Saber quais são seus gostos e preferências é fatorfundamental na hora de definir a linguagem e o estilo usados na emissora. 12
  • 2.2 Linguagem na Internet Nesse pouco tempo de existência, a Internet evoluiu naforma de criar seu conteúdo. O visual das páginas na web deve ser elaborado com amesma preocupação que for dedicada ao conteúdo, cativando o internauta a conhecermelhor o site visitado.De acordo com Luciana Moherdaui (2000: 34), “O jornalismo on-line não temperiodicidade, a sua dinâmica é determinada pelos acontecimentos que merecem sernoticiados”. Por jornalismo on-line entenda-se, nesse caso, a condição de estaratualmente conectado a um sistema de computadores ou telecomunicação.Dessa forma, o site não deve ser atualizado de qualquer maneira, só para chamar aatenção, mas com a preocupação de colocar informações que sejam atrativas e façama diferença de uma página para outra. Para estabelecer a qualidade, é importante teruma equipe para planejar as estratégias de criação e produção desse conteúdo, a fimde que essa página não seja mais uma dentre as milhares espalhadas pela rede.Patrick Linch e Sarah Horton apresentam, em seu livro Manual de estilo web, algumastécnicas para a produção de um site que possa competir comercialmente com osconcorrentes. Os dois sugerem que sejam definidos os objetivos, que é a estipulaçãodas metas e prazos para conclusão do projeto e também de suas etapas.Conhecer o público-alvo é outro fator importante, considerando que um adolescentetem uma maneira diferente de absorver informações, comparado a alguém de 30 anos.Definir a linguagem é um dos primeiros passos a serem dados para que a página tenhasucesso. Conhecer as características das pessoas que se pretende atingir tambémpode determinar a linguagem utilizada, pois dessa forma o internauta sentirá vontadede conhecer o que foi publicado.Visitar outras páginas que estão na rede servirá de inspiração na hora de montar oprojeto. Essa pesquisa servirá como informação sobre as tendências que o mercadotecnológico oferece e que o público aprova, eliminando uma etapa – a de tentardescobrir qual o formato que mais chama a atenção das pessoas.Uma boa página é aquela que oferece seus serviços de maneira clara e rápida. Se ointernauta precisar de muitos “cliques” para chegar onde deseja, possivelmenteacabará desistindo da procura. É importante lembrar que a maioria dos usuários daInternet visita várias páginas ao mesmo tempo.Explicando melhor, as pessoas têm o hábito, incentivado pelas facilidadesproporcionadas pelos instrumentos de busca da web, de pesquisar em vários sites aomesmo tempo. Portanto, se a página não apresentar um resultado satisfatório, esseusuário pode encontrar a resposta em outra página.Como forma de estímulo, existe no Brasil o prêmio I-best [www.ibest.com.br], queelege os melhores sites da rede em duas categorias: voto popular e júri especializado.Essa premiação possui a categoria Rádio, em que emissoras de radiodifusão que têmseu conteúdo publicado na Internet concorrem a esse prêmio.O que se pode concluir visitando alguns desses sites é que o foco principal está nainformação gráfica, cativando o ouvinte da rádio pelos olhos, fazendo com que este 13
  • descubra tudo que a empresa tem a oferecer no seu dia-a-dia. Muitas disponibilizamlinks para que os internautas de outras cidades possam ouvir a rádio pelo computador.Três rádios que normalmente disputam esse prêmio são a Jovem Pan, a Rádio Mix e aRádio 89 FM (Figura 3), todas de São Paulo. Essas emissoras possuem conteúdopublicado na Internet, de maneira fácil e atraente, sem que sejam necessários muitoscliques até encontrar o que se procura.A página principal, ou primeira tela, deve ser voltada para isso: direcionar o internautapara o assunto que ele procura. Assim, distribuir pequenos links pela tela facilitará avida daquele que está em busca de informação, como, por exemplo, resultados depromoções, notícias ou cadastro para participar de programas da emissora.Em termos de audiência, os brasileiros estão cada vez mais usando a rede mundial decomputadores. Segundo dados divulgados pelo site Folha On-line, em março de 2005os brasileiros passaram 14 horas e 57 minutos na frente do computador. Em fevereiroforam 13 horas e 13 minutos e em janeiro, 14 horas e 35 minutos.O número de usuários ativos no mesmo período permaneceu em 11,03 milhões depessoas. O tempo de navegação doméstica é gasto em páginas de e-mail e páginas decomunidades, como salas de bate-papo, blogs ou sites de relacionamento. O usuáriopassa em média 30% do tempo de navegação nesses assuntos. Em 2004, as páginasde comunidades representaram 19,5% do tempo total de navegação, e os e-mailsforam responsáveis por 12,4%. Serviços financeiros respondem por 6,1%, enquantoque 3% foram gastos em sites de notícias.Por blog entenda-se um diário criado pelo usuário, atualizado constantemente evisitado por um público conhecido, como amigos, colegas de trabalho ou simplesmentepessoas que se conheceram na Internet. Eles geralmente representam a personalidadedo autor ou do site em exibição. Porém, o autor é chamado de blogger.De acordo com Marcelo Coutinho Lima, diretor-executivo do Ibope Inteligência àépoca, “a Internet deixou de ser um meio de transmissão de conteúdo para tornar-seuma ferramenta de relacionamento social e comercial”. Essa declaração mostra que osusuários não estão interessados somente no que acontece no mundo financeiro oupolítico, mas sim voltados a si mesmos, procurando informações que os mantenhamligados no que acontece no mundo, como tendências de moda, estilos musicais ourelacionamentos afetivos.Procurando essa interação, a Apple criou o I-Tunes, sistema que permite aos usuáriosacessarem a distância os computadores de internautas que possuem as ferramentas eouvir as músicas disponíveis nele. Dessa forma, qualquer computador poderia virar umservidor de música. Mas como a popularidade do sistema cresceu de forma inesperada,a Apple tenta barrar essas transferências com medo de problemas com as gravadoras,no que diz respeito a direitos autorais, e já soltou no mercado uma atualização queimpede essas transferências.Um outro recurso que se tornou popular é o podcast. Basicamente essa tecnologiapode ser resumida como um diário de voz, ou audioblog. Usando um microfone e umI-Pod (Figura 4), é possível gravar fatos que ocorrem no seu dia-a-dia para seremescutados no futuro ou levar as músicas que estão no seu computador para qualquerlugar. 14
  • Mas o que tem virado moda é a criação de programas de rádio para seremtransmitidos por I-Pod. Como exemplo, Tim Bourquin criou o podcast EnduranceRadio,voltado ao público de esportes radicais. Esse programa já contou com o acesso demais de 15 mil pessoas e o dono dessa “estação” declara que “uma programação comoa minha não funciona no rádio tradicional”.Visitando alguns sites de busca e digitando a palavra podcast, esta lhe dará váriasopções de acesso a páginas sobre o assunto, desde as que armazenam programaspara outras pessoas acessarem até páginas que servem como guia – como é feito edivulgado o programa para que as pessoas possam encontrá-lo – ou ainda páginasapresentando informações sobre o funcionamento desse conteúdo.De acordo com reportagem de Guilherme Werneck, o ex-VJ da MTV norte-americanaAdam Curry começou com essa febre de podcast no fim de 2004 e em maio de 2005fechou contrato com uma rádio por satélite chamada Sirius, dos Estados Unidos, paraa produção de um programa diário sobre esse assunto.Grandes rádios começam a pensar nessa febre e disponibilizam seus programas nesseformato, como a BBC de Londres. A Infinity Viacom também adaptará uma de suasemissoras em São Francisco para transmitir programas nesse formato.A tecnologia de produção desses programas é similar à produção para rádiosconvencionais. Porém, a qualidade do áudio deve ser reduzida para facilitar atransmissão dos dados pela rede. Geralmente o formato usado é o WAV ou MP3, com256 Kbps (kilobites por segundo) de qualidade e sample rate de 44.100 kHz. Já parapodcast, o formato mais usado é o MP3, com 64 Kbps e 22.050 kHz. Um programa deuma hora nesse formato pode ter 30 MB. Se fosse usado o formato das rádios, oarquivo seria maior, passando os 3.000 MB.Uma pesquisa feita pela ESPM (Escola Superior de Propaganda e Marketing) divulgadaem 12 de maio de 2005 pelo site IDG Now (http://idgnow.uol.com.br/) mostra que80% dos jovens com idade entre 14 e 16 anos ficam pelo menos duas horas por dia naInternet. Pela pesquisa, 68% dos jovens na mesma idade ouvem músicas nocomputador, mas apenas 45% ouvem rádio quando estão na Internet. No Brasil, essenúmero cai para 26% quando a pergunta é se ouve rádio “sempre” ou“freqüentemente”.Com esses resultados é possível entender que o público jovem não quer mais ficarpreso a programadores de rádio que tocam as seqüências planejadas pelas regrascomerciais e sim fazer sua própria programação. Como, então, fazer uma rádio naInternet que chame a atenção do público e faça com que ele ouça sua emissora? ARádio Fênix (Figura 5) apresenta uma solução interessante para essa pergunta. Elaconsidera como seu público-alvo os brasileiros que estão no Japão e possibilita, pormeio de e-mail e salas de bate-papo, que seus ouvintes internautas façam aprogramação, pedindo músicas diretamente para o locutor que estiver no horário.Para que a programação seja atraente e chame a atenção de quem está acessando arádio, é importante criar uma grade de horários para que as pessoas não pensem queestão em um ambiente desestruturado e sem regras.2.3 Modelos de Programação Uma rádio web pode seguir três linhas de estilo: a dainformação, a do entretenimento ou uma híbrida, misturando diversão e notícias. Claro 15
  • que isso vai depender da estrutura que se tem à disposição para engrandecer oprojeto.Se a intenção é montar uma rádio de notícias, com jornalismo presente na maior partedo tempo, será preciso uma estrutura com jornalista(s), sonoplasta(s), motorista(s),além dos apresentadores, que devem ser imparciais, além de muito bem informados.Uma sugestão é formar parcerias com associações de bairro, de preferência que jápossuam algum tipo de publicação, o conhecido “jornal do bairro”. Esses grupos sãoindicados por terem experiência na região e poderem colaborar com matérias enotícias. Além de publicá-las no jornal, podem usar a rádio e até a página na Internetpara complementar as informações.Pode parecer contraditório, mas usar essa emissora para falar de uma determinadaregião é mais interessante do que fazer pesquisas de grande alcance. Para cobrir asinformações do Estado em que se mora, do país ou de crises internacionais já existemas grandes redes de rádio (como Bandeirantes e CBN), os grandes canais de TVabertas e fechadas (Globo, CNN, Fox) e os sites (Reuters e agências internacionais),que, para quem está começando, supõe-se ser uma concorrência desleal.Falar da região onde está localizada a rádio é importante, pois sempre tem aquela ruaque precisa ser asfaltada, o bar ou casa noturna que não respeita os horários desilêncio ou uma associação de artistas que ajuda pessoas necessitadas precisando deapoio e incentivo. A rádio web pode ser a voz dessa parcela significativa e é nessemomento que ela pode fazer sucesso.Munido de um gravador de voz (pode ser no formato K-7, MD ou digital) pode-seproduzir matérias, colher entrevistas, depoimentos ou reclamações das pessoas. Deposse desse material, a próxima etapa será passar para o computador e editá-la, comprogramas específicos que não sejam muito pesados (entenda-se por “pesados”programas para computador que ocupam muito espaço na memória para fazê-lofuncionar). Com esse material editado, resta torná-lo público, divulgando-o na rádio,que ainda pode contar com especialistas no assunto para complementar a informação.Lembrando que, ao editar uma matéria no formato de áudio, não é preciso ficarrestrito às falas das pessoas. É possível complementá-las com o uso de músicas, demaneira que funcionem como trilha musical para o assunto tratado. No entanto, seráimportante ter em mãos uma autorização dos autores, para que o usuário e sua rádiofiquem protegidos perante a lei contra processos por uso indevido da obra de terceiros.Essas músicas não precisam ser de artistas conhecidos. Podem ser de grupos locais ouregionais, que as compuseram e não têm um veículo para divulgá-las.É importante para a empresa produzir uma escala com os horários de entrada de cadaprograma no ar, a fim de que a equipe possa se organizar para a entrega de todo oconteúdo a tempo de sua veiculação e também para que o ouvinte saiba com facilidadequando o seu programa preferido será exibido.Normalmente os programas são distribuídos em escalas de 30 minutos, os chamadosblocos. Nada impede que se estenda um programa por mais tempo, chegando a umaou duas horas. Mas essas pausas de meia hora são interessantes até para quem 16
  • estiver escutando o sinal para relaxar, dar uma volta e voltar descansado para acontinuação do programa.Criar uma planilha pode ajudar nessa distribuição de espaço, colocando de um lado osdias da semana e de outro os horários, como no modelo a seguir:DiaHorário Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Domingo 07h00 Jornal LocalJornal Local Jornal Local Jornal Local Jornal Local Jornal Local Jornal Local 07h30Esporte Esporte Esporte Esporte Esporte Esporte Esporte 08h00 Temático TemáticoTemático Temático Temático Educativo Educativo 10h00 Notícias Notícias NotíciasNotícias Notícias Notícias Notícias 11h00 Diversos Diversos Diversos Diversos DiversosDiversos Diversos 16h30 Jornal Local Jornal Local Jornal Local Jornal Local Jornal LocalEsporte Esporte 18h00 Especiais Especiais Especiais Especiais Especiais Cultura CulturaEste é um modelo de grade de programação meramente ilustrativo. Os horários dosprogramas e os temas devem se adaptar às necessidades da rádio e ao gosto doouvinte. Sendo assim, deve-se conhecer a fundo o público, pois dessa forma a chancede errar será menor. Note-se que, aos fins de semana (sábado e domingo), é possívelvariar os programas com relação ao tema, uma vez que as pessoas preferem ouvircoisas mais amenas e tranqüilas para sair da rotina da semana.Não se deve esquecer de estipular os horários de intervalo para a divulgação doscomerciais de seus patrocinadores. Esse intervalo não deve passar de 4 minutos,tempo suficiente para a entrada de renda na rádio sem que o público se disperse doque estava sendo falado. Quanto maior o intervalo, maior a possibilidade dos ouvintesmigrarem para outros veículos em busca de informação.Porém, se o interesse é divertir os ouvintes, a emissora deverá seguir um outrocaminho. O uso de músicas é uma ferramenta que costuma relaxar as pessoas no dia-a-dia. Dentre os vários estilos musicais existentes, deve-se equilibrar os diversosestilos, de maneira que não espante um grupo por causa de outros.Robert McLeish (2001: 131) declara que “A música, como a locução, vem emparágrafos. Não faria sentido terminar uma fala que não fosse ao fim de umasentença, e igualmente é errado fazer fade de modo arbitrário num número musical”.Isso mostra que as músicas de uma determinada seleção não devem ser jogadas dequalquer forma no ar, e sim trabalhadas de maneira a que a produção fique uniforme,sem pausas, descompassos ou “buracos” entre as músicas. Entenda-se por buracos osespaços sem nenhum tipo de áudio entre as músicas ou falas de um locutor.McLeish indica o uso do talk-over, que consiste em um locutor apresentar suaseqüência, ou terminar a sua apresentação, usando a introdução da primeira músicade sua programação. O início dessa música não deve ter falas, e sim somente osinstrumentos musicais tocando. Duas falas ao mesmo tempo confundem a atenção doouvinte, que não saberá se deve se preocupar com o que o locutor está dizendo oucom a música que está sendo tocada. 17
  • A construção de uma grade de programação também auxilia na produção musical deuma rádio. O modelo pode ser o usado para o jornalismo, apenas alterando oconteúdo, como no exemplo:DiaHorário Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Domingo 07h00 RomânticasRomânticas Românticas Românticas Românticas Românticas Românticas 09h00 PopPop Pop Pop Pop Pop Pop 11h00 Bom Almoço Bom Almoço Bom Almoço Bom AlmoçoBom Almoço Especial: A melhor banda Especial: A melhor banda 13h00 Tarde RockTarde Rock Tarde Rock Tarde Rock Tarde Rock Tarde Rock Tarde Rock 16h00 Pop PopPop Pop Pop Reggae Time Reggae Time 18h00 As Mais Pedidas As Mais Pedidas AsMais Pedidas As Mais Pedidas As Mais Pedidas Arena de Rodeio Arena de Rodeio 19h00Noite Sertaneja Noite Sertaneja Noite Sertaneja Noite Sertaneja Noite SertanejaBalada Fest Balada FestOs horários e os tipos de programas podem variar de acordo com a necessidade darádio, mas vale lembrar algumas convenções pertinentes ao veículo.Durante a manhã, deve-se evitar músicas rápidas ou agressivas. Como a maioria daspessoas costuma acordar nesse período do dia, elas normalmente estão em um ritmolento. É bom ter cuidado para não espantar o ouvinte. O horário do almoço pode seguira dica da manhã.Muitas pessoas gostam de comer com tranqüilidade. Se a programação for produzidade um modo muito radical, pode assustar o ouvinte, fazendo com que ele procure algomais relaxante.Também se deve evitar a transmissão de diálogos durante muitas horas do dia. Se aemissora é musical, deve transmitir músicas durante a maior parte do tempo. Claroque sempre se pode contar com alguns programas em que os ouvintes conversem como apresentador e participem ativamente da rádio, mas um período muito longo deconversa pode afugentar a audiência.Nessa grade de programação elaborada como modelo na Figura 7, os programas sãodescritos por nome ou pelo estilo a ser seguido durante a sua exibição, como nodetalhamento a seguir:1. Românticas: como é de costume, as músicas desse segmento são tranqüilas,normalmente lentas, boa para o despertar das pessoas sem muitos atropelos, nemacelerando o ritmo de vida logo pela manhã. Pode ser um programa apenas musical,mas que permita abertura para que o locutor leia cartas ou e-mail dos ouvintes quedesejam oferecer uma canção para alguém de seu interesse, ou ainda participação aovivo, falando por telefone ou pelos serviços de voz, como Skype ou MSN do própriocomputador.2. Pop: essa é uma seqüência que sempre atrairá um grande número de ouvintes.Tocará essencialmente as músicas que estão nas paradas de sucesso, filmes, novelas,enfim, que “fazem a cabeça” do povo. Dependendo da maneira que a programação forelaborada, haverá abertura para tocar todo tipo de som, desde o rock até o pagode,passando pelo samba, sertanejo ou qualquer outro estilo. No entanto, as transiçõesdevem ser feitas com cuidado. 18
  • 3. Bom Almoço: seria um programa de variedades, em que existe abertura paradiferentes assuntos. Está situado na hora da segunda refeição mais importante do dia,permitindo que tenha um estilo mais calmo e tranqüilo, para quem busca relaxar e teruma boa opção de diversão. Pode ter mais de um apresentador e convidados,produzindo um bate-papo leve e descontraído, também com a possibilidade departicipação ativa dos ouvintes. Note-se que este programa foi colocado somente desegunda a sexta-feira por necessitar de um grande trabalho de produção, separandoassuntos atuais e buscando convidados interessantes para o horário. De acordo com apreferência, pode ser apenas um horário musical, executando músicas que nãocomprometam o público na sua hora de descanso.4. Tarde Rock: o horário da tarde é o melhor para tocar músicas pesadas. Entenda-sepor “pesada” aquele tipo de música que usa seus instrumentos de forma bastantearrojada para a construção das melodias sonoras. Mas não se deve colocar apenasmetal, hardcore ou qualquer estilo que atenda a apenas um nicho. Deve-se variar amontagem das músicas, para que atenda a todos os gostos sem menosprezarninguém.5. Pop: repete-se o tópico 2. Seqüências de sucesso são uma boa opção para se tercomo coringa a fim de fazer uma transição na grade musical.6. As Mais Pedidas: é o programa das músicas mais pedidas do dia pelo ouvinte. Deve-se contabilizar os números de pedidos por e-mail ou telefone (se possuir um númeroespecífico para os ouvintes). Mas deve-se tomar cuidado para não cair nos pedidos defamiliares, que vão pedir músicas que os filhos tocam, mas que muitos não conhecem.7. Noite Sertaneja: esse programa pode cativar o público do interior do país, queaprecia muito esse estilo musical. Segue a mesma intenção do tópico 1, já que essetipo de música possui muitas vezes uma forma alegre e descontraída de serexecutada, ou seja, uma opção para quem quer relaxar em boa companhia, com umtoque romântico.8. Especial – A melhor banda: esse programa segue a linha pop de execução. Seriasempre com uma grande banda de sucesso, de variados estilos musicais, contando asua história e exibindo músicas que fazem o povo vibrar. É uma boa opção para os finsde semana, porque pode ser produzido, gravado e editado nos dias úteis, bastandoapenas a sua execução no horário programado. A escolha do artista pode ser feita porvotação realizada na página da rádio na Internet e apurada em real-time.9. Reggae-Time: também é um exemplo de programa semanal. Por ser de conteúdorestrito para aqueles que admiram esse estilo musical, é bom não estender muito pelagrade de programação, a fim de que o repertório não se esgote muito rápido nem osouvintes que não gostam desse segmento da música se ausentem da rádio. Pode serapresentado por especialistas no tema, como vocalistas de bandas (locais ou bandasfamosas). É um espaço inclusive para as músicas que não entram normalmente nagrade musical, os famosos “Lados”. Pode ser feito ao vivo, ou gravado durante asemana e reproduzido automaticamente no horário programado.10. Arena de Rodeio: outro programa segmentado para um público em particular,aquele que gosta de sair para festas ou casas noturnas para dançar ao ritmo countryou sertanejo. Possui estilo alegre e cativante, ideal para começar a noite de sábado ede domingo, preparando aqueles que pretendem divertir-se no fim de semana. 19
  • 11. Balada Fest: esse programa viria na seqüência do “Arena de Rodeio” por conter asmesmas características – dançante e alto-astral. Continuaria o clima de festa para ofim de semana, animando inclusive aqueles que não tem condições financeiras parasair ou preferem fazer a festa em sua própria casa.Essa grade de programação é apenas uma sugestão, cabendo ao produtor responsávela escolha dos programas e a decisão sobre o seu formato. Programas de humor podemser incluídos na grade, em programetes de 2 a 3 minutos ou na forma que preferir.Outra opção de grade de programação é uma mistura do jornalismo comentretenimento. Balancear as informações do dia-a-dia com músicas ou quadros dehumor é uma solução que pode baratear os custos de produção, sem perder o caráterinformativo da rádio.Muitas emissoras jovens e conceituadas utilizam essa fórmula para informar suaaudiência de uma forma mais leve e tranqüila, deixando a notícia com a cara que oouvinte gosta. Nesse caso, conciliar a notícia com músicas que sigam o mesmo tema éuma boa estratégia para dar tempo a quem estiver ouvindo o jornal para pensar sobreo assunto e participar da discussão.Mas a produção não precisa deixar notas informativas para que o locutor leia ao fim decada música. Criar programas com horários determinados para cada interesse ajudaráa equipe a fazer um trabalho de qualidade. Veja-se o exemplo: DiaHorário Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Domingo 06h00 Acorde comNotícias Acorde com Notícias Acorde com Notícias Acorde com Notícias Acorde comNotícias Músicas Músicas 08h00 Tire suas Dúvidas Tire suas Dúvidas Tire suas DúvidasTire suas Dúvidas Tire suas Dúvidas Espaço Motor Espaço Motor 10h00 Chat MusicalChat Musical Chat Musical Chat Musical Chat Musical Esporte Esporte 14h00 Informa-Ação Informa-Ação Informa-Ação Informa-Ação Informa-Ação Informa-Ação Informa-Ação 18h00 Resumo da Ópera Resumo da Ópera Resumo da Ópera Resumo da ÓperaResumo da Ópera Resumo da Ópera Resumo da Ópera 20h00 PoliesportivoPoliesportivo Poliesportivo Poliesportivo Poliesportivo Música Música 21h00 Passo àFrente Passo à Frente Passo à Frente Passo à Frente Passo à Frente Chat Musical ChatMusical1. Acorde com Notícias: é uma maneira de deixar o ouvinte informado com osprincipais acontecimentos do dia, intercalando músicas entre as informações, tomandoo cuidado para não colocar músicas dissonantes do assunto apresentado.2. Tire suas dúvidas: programa informativo, para que o ouvinte se informe de maneiradetalhada sobre os assuntos apresentados no programa anterior. Outra opção é levarconvidados ao estúdio, como médicos, professores ou qualquer profissional que presteconsultoria para o internauta que estiver ouvindo a rádio.3. Chat Musical: espaço para interação entre os ouvintes e o locutor do horário. Aprogramação musical pode ser feita com o pedido dos ouvintes presentes na sala debate-papo ou pelo envio de e-mails para o programa. O locutor pode ler as mensagensescritas pelos internautas, sugerir temas para discussão, enfim, produzir uma atraçãoque seja interessante e participativa para o seu público. 20
  • 4. Informa-Ação: programa de cultura que mostra exemplos de iniciativas bem-sucedidas de ajuda ao próximo. ONGs e institutos de apoio às pessoas que sejam otema principal, com reportagens ou debates sobre como melhorar a situação de algumgrupo que necessite de ajuda. Artistas que apóiem alguma iniciativa seriam de grandevalor à divulgação do programa e da entidade.5. Resumo da Ópera: horário reservado para um resumo dos principais fatos do dia,com espaço para a repercussão de todos os fatos importantes ocorridos ao longo doperíodo.6. Poliesportivo: em um país como o Brasil, deixar de falar de esporte e,principalmente, de futebol, é um grande desperdício. Mas o espaço deve ser dadoàquela academia do bairro ou à equipe que precisa de patrocínio para aparecer emostrar o seu potencial.7. Passo à Frente: um plantão noturno de notícias que mostra os fatos que serãoimportantes no dia seguinte. Os principais temas ou o furo de reportagem divulgadoem primeira mão pela emissora.8. Espaço Motor: programa que fala sobre automobilismo e os principais lançamentosdo mercado.9. Esporte: os eventos esportivos costumam ter grande destaque nos fins de semana.Por isso esse horário deve ser usado para manter o público informado sobre osimportantes acontecimentos do esporte.10. Chat Musical: esse programa aparece em horário diferente aos fins de semana,como opção para quem não pode sair de casa, mas não quer ficar sem companhia.Seja qual for o estilo adotado pela rádio, é importante saber o que o internauta queacessa o site gostaria de encontrar. Quais músicas, notícias e linguagem lhechamariam mais a atenção? Deve-se fazer sempre essas perguntas na hora de criarcada etapa da grade de programação e não ter receio de processar alterações quandoelas forem necessárias.CAPÍTULO 3 – A IMPLANTAÇÃO DA RÁDIO WEBNeste capítulo será apresentada a parte técnica de uma rádio na Internet. Quaissistemas utilizar? Que tipo de computador é melhor para essa finalidade? Essas sãoalgumas dúvidas que serão esclarecidas a partir de agora.3.1 Equipamentos NecessáriosToda empresa precisa de equipamentos, sejam eles simples ou sofisticados. Essavariação dependerá da capacidade do empreendedor de investir em tecnologia. Se orecurso financeiro for escasso, deve-se começar com uma infra-estrutura simples,utilizando apenas o necessário. Mas se o projeto possui um patrocinador, é melhorinvestir em equipamentos que darão melhores resultados em longo prazo, que nãoprecisem de substituições a curto e médio prazo. 21
  • Computadores, microfones, mesa de som, programas para conectar e operar o sistemapela Internet, servidores – todas essas dúvidas serão esclarecidas de uma maneirafácil de ser compreendida.Em entrevista realizada com Márcio Yonamine, coordenador da rádio web do CentroCultural São Paulo, o equipamento mínimo necessário é um computador Pentium IIcom 400 MHz de velocidade, com placa de som e conjunto multimídia, composto decaixas de som e microfone.O professor de ciências da computação do Imes, Jairo Marciano, complementa essainformação indicando um disco rígido de 80 gigahertz de memória para o início dostrabalhos da rádio web. Ele ainda declara que:O que mudaria de uma estação de trabalho para um servidor é a segurança. Então,para começar, não é preciso gastar muito dinheiro. Mas com o passar do tempo éinteressante para não correr o risco de invasão de hackers ou problemas com oequipamento.Nenhum dos dois recomenda o uso de servidores terceirizados. Para o professor JairoMarciano, as limitações contratuais que essas empresas impõem não são favoráveispara quem pretende montar um site trabalhando em streaming.Nilson Massayoshi, diretor artístico da Rádio Fênix no Brasil, que utiliza estruturasimilar a uma FM, declara:[...] Com dois computadores se consegue fazer um bom trabalho. Um seria ocomputador do ar e outro para a produção, usado para gravar, editar, criar roteiros,entre outras funções. Caso o locutor participe de chat com os ouvintes, será necessáriomais um computador.Ele ainda sugere que o computador usado para tocar as músicas seja o mesmo que faza transmissão pela Internet, reduzindo os custos de estruturação.Tanto a Rádio Fênix como a rádio web do Centro Cultural São Paulo utilizam servidorespróprios. A primeira mantém sua estrutura no Japão e a segunda compartilha osservidores da USP, que, segundo Márcio Yonamine, “é a melhor rede do Brasil”.Essa seria a estrutura básica para transmissão de dados a partir do estúdio para oservidor, que, por sua vez, distribuiria as informações para os internautas interessadosem ouvir essa rádio web.Deixando um pouco de lado os computadores e falando da estruturação do estúdio,alguns recursos serão importantes, como mesa de áudio, fones de ouvidos emicrofones.A única exigência para o estúdio é que suas paredes sejam acusticamente isoladas. Deacordo com o site da empresa Fibraben,[...] nas aplicações domésticas, conhecendo-se o material mais adequado às suasnecessidades, não há necessidade de mão-de-obra especializada. Você contratará 22
  • alguém para fazer um forro (para o teto) ou lambril (para as paredes), instalando omaterial isolante entre ele e a fonte por onde flui o ruído.Outro equipamento necessário é a mesa de áudio, que receberá diferentes fontes deáudio (CDs, MDs, vozes) e fará a mixagem, ou seja, controlará a forma como cadasom será usado na produção. Em produções “caseiras”, o Mixer que vem instalado noWindows pode ajudar. Em um sistema profissional, uma mesa de 16 canais érecomendada. Cada canal serve como entrada de áudio.Fones de ouvidos e caixas de som também são necessários. As caixas de som servempara monitorar o que está sendo transmitido. Os fones de ouvidos serão usadosquando o locutor falar ao vivo, pois se o locutor falar com as caixas de som ligadas,serão criadas microfonias, ruídos gerados pela realimentação de áudio no sistema.Para o locutor ser ouvido sem ruídos e interferências, devem-se usar microfones dequalidade, que não distorçam a sua voz. Para os iniciantes, os microfones que vêmjunto com o computador serão uma forma de captar a voz. Mas para uma estruturamaior, equipamentos profissionais, como o microfone da marca Shure SM7, dará bonsresultados.Hoje em dia a maioria das rádios em São Paulo dispõe de seu próprio acervo demúsicas, trilhas e vinhetas em computadores, facilitando a operação do sonoplasta.Mas é bom ter reservado um aparelho de CD e de MD em caso de alguma pane.Esses seriam os principais equipamentos para realizar o projeto de uma rádio web.Claro que a cada dia a tecnologia se renova e é importante estar atualizado sobretodas as novidades no mercado. Esse poderá ser mais um diferencial de uma emissorade rádio na Internet em relação às concorrentes.3.2 Sistemas e Serviços que Deverão Ser Utilizados Neste tópico serão sugeridosalguns programas de computador que poderão ser úteis na hora de montar e executaruma rádio web. Uma série de programas gratuitos está disponível na Internet empáginas como o Baixaki [www.baixaki.com.br] ou Super Downloads[www.superdownloads.com.br].Será preciso também um acesso à Internet. A melhor opção é o uso de Internet BandaLarga, graças à sua capacidade de transmissão de dados em alta velocidade, secomparada à conexão telefônica.Primeiro deve-se contratar um serviço de conexão à Internet. Empresas como Vivax[www.vivax.com.br] e Ajato [www.ajato.com.br] dispõem em seus sites informaçõessobre os tipos de conexão, planos e serviços a serem contratados.Ambas oferecem conexão 24 horas com linhas telefônicas liberadas, ou seja, sem ouso do telefone. Para prestar seu serviço, a Vivax pede a configuração mínima de (asinformações relacionadas às empresas prestadoras de serviço apresentadas naseqüência foram retiradas dos respectivos sites em 22/08/2005): - Windows e Linux:Pentium 100 MHz (para Windows, com sistema operacional Windows 95 ou superior ouLinux, com sistema operacional Conectiva 4.0, RedHat 6.1 ou Mandrake 7.0); -Macintosh: Power Macintosh ou Power PC com sistema operacional MAC OS 8.6 ousuperior; - Espaço livre no disco rígido de 200 MB; - Memória RAM de 32 MB; - Placade rede 10 base T com conector RJ45 (*); - Placa multimídia; - Placa de monitor comresolução SVGA. Já a empresa Ajato pede: - Processador Pentium 133 (desktop ou 23
  • notebook) ou Macintosh (desktop ou notebook) com System 7.5 ou superior; - 32 MBde memória; - 15 MB de espaço disponível em disco; - Unidade de disco de 3.5"; -Protocolo TCP/IP instalado; - 01 placa de rede padrão Ethernet 10 Mbps nocomputador para conectar ao cable modem; - 01 placa de vídeo SVGA, XGA ou 8514/AGraphics Card; - Mouse; - Windows 95 ou superior. A Vivax oferece os seguintesplanos:Produto Preço mensal (a partir de R$) VIVAX Empresarial 200 VIVAX Empresarial 350VIVAX Empresarial 500 VIVAX Empresarial 650 Taxa de instalação 114,90 209,90232,90 379,90 120,00 Figura 9: Valores referentes aos planos oferecidos e custo desua utilização.A Ajato dispõe essas informações após contato ao serviço de atendimento ao cliente.Os valores citados referem-se aos planos para empresas. Mas ambas as prestadorasapresentam valores residenciais.Além da conexão, uma rádio web precisa de provedor de serviços, prestados porempresas como IG [www.ig.com.br], Terra [www.terra.com.br] e UOL[www.uol.com.br], entre outros.A assinatura do UOL varia de R$ 49,90 a R$ 114,90. Já o site Terra cobra pelaassinatura mensal entre R$ 49,90 e R$ 199,00, de acordo com o plano escolhido. O IGcobra de R$ 59,90 a R$ 249,90 por seus serviços. Lembrando que os valoresreferenciados são para assinaturas empresariais na cidade de Santo André, no Estadode São Paulo, em 22/08/2005.O professor Jairo Marciano recomenda uma conexão banda larga de 512 K develocidade. Isso permitiria o acesso inicial de 30 ouvintes simultaneamente.Como referência, a Rádio Fênix começou com uma conexão que permitia 40 acessossimultâneos e atualmente chega a registrar picos de acesso de 1.200 ouvintessimultâneos. Nilson Massayoshi declara:É preciso ter uma estrutura muito grande para suportar essa invasão simultânea. Cadavez que atingimos esse limite é preciso fazer um upgrade de mais linhas.Para completar a estrutura, alguns softwares serão de grande importância narealização do projeto.O primeiro deles seria o Encoder. Esse programa fará a conversão do sinal de áudiopara a transmissão pela Internet. Esses programas estão disponíveis gratuitamentepara download no site da Microsoft, que disponibiliza o Windows Media Encoder e oShoutcast, que usa o Winamp agregado com plug-ins para a conversão desse sinal.Plug-ins são pequenos programas que auxiliam um software principal a executardeterminadas funções.Também será necessário um software que execute as músicas. A Rádio Fênix utiliza oPulsar, mas, segundo Nilson Massayoshi, existem programas gratuitos na Internet,como no site Winkochan[www.winkochan.com.br]. 24
  • No caso da rádio web do Centro Cultural São Paulo, esse recurso não é utilizado, poisos internautas acessam o conteúdo da rádio no momento que for melhor. Não háprogramação ao vivo. Eles gravam os programas e os deixam disponíveis por tempoindeterminado no site, bastando um clique do internauta para ouvir o conteúdo.O professor Jairo Marciano recomenda o uso do Encoder da Microsoft, devido à suagrande popularidade, pois o programa que executa as músicas é instalado em conjuntocom a plataforma Windows, presente na maioria dos computadores em todo o mundo.O Encoder do Windows Media possui uma tela de introdução que auto-configura ocomputador conforme o usuário vai inserindo as informações que são solicitadas para atransmissão de áudio pela Internet.O principal dado a ser informado é o número de IP da conexão com a Internet. Paradescobrir esse valor, deve ser acessado o menu Iniciar, Programas, Acessórios e cliqueem Prompt de comando. Abrirá uma tela, em que basta digitar “ipconfig” (em letrasminúsculas) para que o computador dê essa informação.Este é o número que os ouvintes deverão acessar para ouvir a rádio na Internet. Érecomendado deixar o número de IP disponível no site para facilitar o acesso, usandosoftwares de edição de páginas da Internet.Para configurar o computador como o servidor da rádio web, deve-se abrir o Encoder,clicar em “broadcast a Live Evente”, e depois em OK. Na seqüência, selecionar a caixaao lado da palavra “áudio” e apertar “avançar”. Na terceira tela de configuração doEncoder, deve-se selecionar “Pull from the encoder” e mais uma vez apertar “avançar”.Agora o assistente de configuração fará o reconhecimento automático do número deIP. Essa tela também possui um botão chamado “find free port”. Ele deve serpressionado para que reconheça a porta na qual será feita a transmissão de dados.Então, deve-se ir novamente ao botão “avançar”.Agora é o momento de fazer a seleção da qualidade de áudio que pretende transmitir arádio web. É recomendado usar a taxa de 24 Kbps ou 37 Kbps, por possuírem boaqualidade de áudio e ocuparem pouca banda de transmissão. Deve-se apertar maisuma vez o botão “avançar”. Na tela “Archive File’”, selecionar apenas a caixa e indicaro caminho para salvar o arquivo de transmissão se se desejar arquivar todo oconteúdo transmitido pela emissora. Então, deve-se clicar em “avançar”.Na tela “Display Information”, será dado o nome da rádio, nome do autor e asdescrições sobre o conteúdo transmitido. Deve-se indicar as informações que foreminteressantes e finalizar a configuração clicando no botão “Concluir”. Por fim, deve-seapertar o botão “Start enconding” e a emissora estará pronta para ser ouvida porqualquer internauta.Vale a dica de um site, o No-IP [www.no-ip.com], que disponibiliza um programa queatualiza o número de IP a cada vez que se realiza a conexão com a Internet. Issoporque a maioria dos servidores usa o sistema conhecido como IP dinâmico, que trocaesse registro de acordo com a necessidade da conexão, dificultando a invasão de víruse hackers no computador. 25
  • A Microsoft fornece, junto com o pacote Office, o software FrontPage, uma ferramentasimples de usar, que não exige o conhecimento de códigos ou linguagens utilizadas porwebmasters. Para aqueles que dominam a técnica de webdesign, programas deanimação como o Flash e o Dreamweaver, ambos da Macromedia, ajudarão na criaçãode uma homepage sofisticada e atrativa.O número de IP não precisa estar descrito como o número que o computador indicou.É possível criar um hiperlink, ou seja, fazer com que uma palavra ou frase possibilite oacesso direto a uma página ou arquivo. Nesse caso, deve-se substituir o código“http://” pelo “mms://”. Dessa forma, em vez de o computador abrir uma página donavegador de Internet, ele executará o Windows Media Player, facilitando a conexãodo internauta com a rádio web.Com essa configuração realizada, a rádio estará pronta para ser ouvida pelosinternautas do mundo inteiro. Deve-se estar atento para a mudança do número do IPem caso de queda de conexão. É um dado que deve ser verificado e atualizado sempreque necessário. Assim a rádio na Internet estará sempre pronta para transmitirinformação ou entretenimento para aqueles que buscam fontes alternativas deconhecimento.CONCLUSÃOA história mostra que as pessoas sempre buscam evoluir e vencer desafios. E essasuperação sempre esteve aliada à descoberta e ao aprimoramento da tecnologia.Essa evolução tecnológica nos permite enviar e receber idéias, pensamentos ereflexões sobre os mais variados temas. E o que era limitado a ondaseletromagnéticas, com seu espaço físico controlado por concessões governamentais,agora encontra uma oportunidade de se expressar livremente pelos quatro cantos doplaneta.A realização desse projeto mostra que é possível montar uma rádio web com estruturavariada, desde as mais simples, como uma emissora criada para entreter amigos evizinhos, até empresas com estrutura profissional de transmissão.Vale ressaltar que o público acostumado a ouvir rádio tradicional precisa serconquistado, pois somente migrará para um novo serviço se encontrar um diferencial,que basicamente seria a interatividade.Essa interatividade varia desde participar de programas para a conquista de prêmiosaté discutir assuntos relevantes e auxiliar na produção de conteúdo, opinando sobre oque é interessante para aqueles que pretendem usar uma rádio web como fonte deentretenimento ou informação.Claro que sempre existirão adversidades que possam inviabilizar um projeto, comocustos ou falta de conhecimento técnico. Mas a tecnologia disponível na Internet, emsites de download e a possibilidade de esclarecer dúvidas com profissionais da área,via e-mail ou por comunicadores instantâneos como MSN ou Skype, serão ferramentasde apoio na efetivação da rádio web. 26
  • Muitas pessoas são receosas quanto ao uso da Internet e de ferramentas on-line poracreditar que são altamente complexas. Na época do surgimento dos computadores, atecnologia disponível restringia o conhecimento àqueles que dispunham de muitosanos de estudos sobre o tema. Hoje, no entanto, os softwares disponíveis para aconstrução de sistemas para redes de computadores buscam viabilizar o acesso paraaqueles que não possuem amplo conhecimento técnico sobre a Internet.Fazer uma rádio na Internet não é difícil, mas requer bastante pesquisa, pois não setrata de apenas mais um único meio de comunicação, agora são dois – a rádio e aInternet. Conhecer o público, saber o que ele quer ouvir e como quer interagir é devital importância, não só para uma rádio web, mas para qualquer conteúdo que sejapensado para obter lucro, pois somente com audiência os investidores vão considerarum projeto como uma oportunidade de negócios.Manter a parte gráfica da página atualizada com informações relevantes, desdenotícias do dia-a-dia até a apresentação da equipe que faz a rádio web funcionar, é umatrativo de grande importância, pois a homepage será o cartão de visitas para que ointernauta se torne um ouvinte.A tecnologia não se restringe ao uso da Internet. Empresas de tecnologia já estudam eplanejam disponibilizar seu conteúdo em celulares, incluindo jogos, músicas e serviçosbancários. A era do rádio digital também se aproxima, com algumas emissorastransmitindo seu sinal nesse novo sistema, como as rádios Eldorado, Jovem Pan,Bandeirantes, RBS e Sistema Globo de Rádio, em caráter de teste.Essa nova tecnologia aumenta a qualidade das transmissões, deixando a AM comqualidade de FM e a FM com qualidade de CD. Também permitirá o envio de textos quepoderão ser lidos pelo display do rádio, ou ainda a criação de emissoras porassinaturas. Quanto maior a variedade de serviços disponíveis, maiores são as chancesde uma emissora ser conhecido pelo público. Quanto mais fácil for o acesso, maior é apossibilidade de atrair os ouvintes para a programação.Interatividade, facilidade e estratégias bem planejadas. Com esses tópicos bemplanejados, será mais fácil uma rádio web ter resultados favoráveis.BibliografiaMídias impressas DOTTA, Silvia. Construção de sites. São Paulo: Global, 2000. EAGER,Bill. Por dentro da World Wide Web. São Paulo: Berkeley Brasil, 1995. GOMES, AlcidesTadeu. Telecomunicações, transmissão e recepção, AM e FM. 12.ed. São Paulo: Erica,1985. LYNCH, Patrick J.; HORTON, Sarah. Manual de estilo web, principios de diseñobásico para la creación de sitios Web. Barcelona: Editorial Gustavo Gili, 2004.MOHERDAUI, Luciana. Guia do estilo web. Produção e edição de notícias on-line. SãoPaulo: Senac, 2000. MOURA, Leonardo de Souza. Como escrever na rede: Manual deconteúdo e redação na Internet. Rio de Janeiro: Record, 2002. PATTERSON, Jeff;MELCHER, Ryan. Áudio on the web: The official IUMA Guide. s.l.: Peachpit Press, 1998.PEREIRA, Luciano Iuri; SILVA, Rafael Rodrigues; MARANGONI, Reinaldo.Webjornalismo, uma reportagem sobre a prática do jornalismo on-line. 2.ed.Indaiatuba, SP: Rumograf, 2000. PERRY, Paul. Guia do desenvolvimento multimídia.São Paulo: Berkeley Brasil, 1994. PINHO, J.B. Jornalismo na Internet: Planejamento eprodução de informação on-line. São Paulo: Summus, 2003. PRADO, Emilio. Estrutura 27
  • da informação radiofônica. 2.ed. Vol. 31. São Paulo: Summus, 1989. SEVERINO,Antônio Joaquim. Metodologia do trabalho científico. 21.ed. (revista e ampliada). SãoPaulo: Cortez, 2000. THING, Lowell. Dicionário de tecnologia. São Paulo: Futura, 2003.Mídias eletrônicas BADÔ, Fernando. (2003) Veja sites para assistir a TVs e ouvirmúsica. http://www1.folha.uol.com.br/folha/informatica/ult124u13799.shtml. BOGO,Kellen Cristina. (2005) A história da Internet - Como tudo começou...http://kplus.cosmo.com.br/materia.asp?co=11&rv=Vivencia.http://www1.folha.uol.com.br/folha/informatica/ult124u9782.shl. LOPES, Airton.(2003) Usuários retomam o streaming no iTunes.http://info.abril.com.br/aberto/infonews/062003/06062003-9.shl LUPINACCI, HeloisaHelena. (2002) Confira sites de rádios com notícias e músicas de todo o mundo.http://www1.folha.uol.com.br/folha/informatica/ ult124u11127.shtml. MANDL,Alexandre. (2004) Sites independentes desafiam gravadoras. http://www1.folha.uol.com.br/folha/informatica/ult124u15124.shtml. MORRIS, Charlie.(1999) Streaming Audio. http://wdvl.com/Multimedia/Sound/ Audio/streaming.html.RIBEIRO, Frederico. (2002) Ouça na rede a rádio que toca só o que você gosta. (1999)Nullsoft Shoutcast. [www.shoutcast.com]. (2002) Anunciantes querem audiência maisprecisa na Web. http://www1.folha.uol.com.br/folha/informatica/ult124u9240.shl(2002) Mais internautas se dispõem a pagar por conteúdo nos EUA.http://www.folha.uol.com.br/folha/informatica/ult124u10623.shl. (2002) Receba áudioe vídeo direto da Internet e grave "streaming".http://www1.folha.uol.com.br/folha/informatica/ult124u10358.shl. (2002) Use o PCpara ouvir rádios on-line e ficar informado.http://www1.folha.uol.com.br/folha/informatica/ult124u10357.shl (2002) WMNF 88.5FM. http://www.wmnf.org/. (2003) Adolescentes trocam televisão e telefone porInternet. http://www1. folha.uol.com.br/folha/informatica/ult124u13495.shtm. (2003)Serviço põe programação de rádios ao vivo na Internet. http://www1.folha.uol.com.br/folha/informatica/ult124u13563.shtml. (2004) Blogue passa a utilizarsons para atrair internautas.http://www1.folha.uol.com.br/folha/informatica/ult124u17526.shtml. (2004) Colocarsua rádio ou TV ao vivo na Internet. www.radios.com.br/ novo/criar2.htm. (2004)Internautas brasileiros superam americanos em tempo on-line. http://www1.folha.uol.com.br/folha/informatica/ult124u16018.shtml. (2004) Sites apostamem novos recursos de IM para manter audiência. http://www1.folha.uol.com.br/folha/informatica/ult124u15805.shtml. (2004) Sites oferecemcoleções de músicas para relaxar. http://www1.folha.uol.com.br/folha/informatica/ult124u17032.shtml. (2005) “O RealPlayer Plus inclui oplayer básico e mais os seguintes recursos Premium”.http://www.realnetworks.com.br/. (2005) Brasileiros batem recorde no tempo denavegação na Internet. http://www1.folha.uol.com.br/folha/informatica/ult124u18401.shtml. (2005) História dorádio. http://www.microfone.jor.br/historia.htm#aerado. (2005) História do rádio.http://www.radioclubecampobelo.com.br/historia _do_ radio.htm. (2005) RealNetworks – Start Streaming. http://www.realnetworks.com /info/startstreaming.html.(2005) Windows Media encoder 9 series sdk. http://www.microsoft.com/downloads/details.aspx?FamilyID=000a16f5-d62b-4303-bb22-f0c0861be25b&displaylan g=en&Hash=8PV9T64.ANEXO Entrevista 28
  • Entrevistado: Nilson Massayoshi Ue Ti Empresa: Rádio Fênix Cargo: Diretor Artístico –Brasil Tempo de profissão: 6 anos em rádio – 2 anos e meio na Rádio Fênix1. De onde veio à idéia de montar a rádio na Internet? O Japão não é desenvolvido“radiofonicamente” como aqui no Brasil. Então lá no Japão não tem uma rede de rádiocomo a Jovem Pan que consegue atingir todo o país via satélite. Sendo assim, a únicaforma de atingir o maior número de ouvintes é pela Internet, que é 10 vezes melhorque no Brasil. Falando do nosso público, os brasileiros que estão hoje no Japão elessão muito carentes, precisam de companhia e justamente a forma que eles encontrampara se comunicar com os parentes é através da Internet.2. O sinal que vocês transmitem aqui, lá é uma Fm? Não. Justamente por isso agenteoptou por fazer uma rádio pela Internet porque no Japão não existe uma rede derádio. Nem se fosse uma rádio especificamente feita para japonês, ela não existiria naforma de rádio. Dial preenchido que nem agente tem aqui em São Paulo, você vaivirando e tem várias rádios, metrópoles como Tóquio não tem. Fm no Japão não éexplorada, daí a dificuldade de fazer uma rádio, de atender todo o público Dekassegui,desses brasileiros que estão lá. Por isso foi decidido que seria feito através da Internet.3. Quais são as dificuldades de uma rádio ao vivo? Mais uma vez eu ressalvo ai paravocê que, a Internet foi uma opção de transmissão. Mas o intuito, a idéia da rádio foiser rádio como é feito FM. Tanto é que a gente não perde em nada para nenhuma FMaberta. Aqui nós aplicamos o que sabemos de rádio. Nunca foi pensado em fazer umarádio no automático, pra depois vir a fazer ao vivo. Começamos com a idéia de seruma rádio 24 horas ao vivo desde o inicio. Posso te dizer inclusive que fomos pioneirosem fazer uma rádio, nos moldes do Fm, na Internet. A dificuldade maior são os custos.É um custo muito elevado para fazer isso. Eu sempre digo que o projeto da RádioFênix dá certo devido ao fato que a rádio sobrevive de anunciantes e nós fazemos umarádio para um país desenvolvido, de primeiro mundo, onde a tecnologia na Internet émais avençada do que a nossa. Os nossos anunciantes todos são do Japão, então oque para eles seria o valor de um anúncio razoavelmente barato, digamos assim, pragente esse dinheiro vale 3 vezes mais. Na hora de negociar o comercial no Japão,negociamos em Iene, que será transformado em dólar. Eu não sei te dizer se caso eutentasse fazer uma rádio para sobreviver de anúncios do Brasil se daria certo.4. Qual a quantidade de brasileiros ouvindo a rádio, participando dela aqui no Brasil?No início, todo o departamento promocional, toda parte de divulgação, como outdoor etodo esse tipo de anúncio para divulgar a rádio sempre foram feitos no Japão. Até ametade do primeiro ano, nós sempre tivemos 75% de acessos de lá e o restante doBrasil e de outros países, como Estados Unidos, Portugal e por aí vai, sempre atingidoos brasileiros em outros países. Hoje acontece um fenômeno que eu não entendia, queé a audiência no Brasil. Por mais que eu não divulgue, por mais que eu não façanenhum tipo de propaganda aqui, o número de conexões é maior no Brasil, já passouo Japão. Eu tenho na escala o Brasil, com mais de 45%, Japão, Estados Unidos. Eufiquei preocupado com isso. Pensei: será que estamos perdendo audiência no Japão?Conversando com Ricardo Sam, o coordenador, ele me deu uma resposta muitosimples, no Brasil somos 17 milhões de pessoas, contra 280 mil brasileiros no Japão.Mesmo que eu atingisse toda a comunidade brasileira que está no Japão, umaporcentagem desse contingente que temos no Brasil bateria essa audiência. Graçasaos brasileiros que estão no Japão, à rádio acabou virando um ponto de encontrosentre aqueles que estão lá e os que ficaram. Isso ajudou no nosso crescimento semnenhum tipo de divulgação aqui. 29
  • 5. Apenas o conhecimento de técnicas de comunicação é suficiente para a produção daemissora ou é importante conhecer a parte técnica? Qual o elemento mais importante?É impossível um locutor de rádio ficar totalmente desplugado do que acontecem nessemundo de Internet, conexões, porque quando ele senta lá para fazer o horário eledepende muito da informática.Além do mais que muitas rádios estão trocando os cd’s por computadores, MP3. Já temesse lado que você não consegue ficar totalmente fora e aqui na Rádio Fênix, como olocutor precisa ficar logando o nome dele quando entra no ar, que automaticamentetroca à foto no site, ele tem que monitorar se a conexão está em ordem. Dessa forma,o locutor precisa desse aprendizado. Agora para o pessoal da técnica, tivemos queinventar muitas coisas, para superar todas as quedas e problemas que possamacontecer. 6. Quantos funcionários são necessários para produzir a Rádio? Como nóssomos uma rádio 24 horas no ar, a maior parte da nossa equipe é composta delocutores e apresentadores. São nove apresentadores, 10 locutores, dois produtores euma pessoa na parte técnica. Para uma rádio funcionar, basicamente, dependerá dasua grade horária, considerando a quantidade de locutores necessários e o número dehoras que a lei permite que ele esteja no ar, mais um ou dois produtores e umapessoa para cuidar da parte técnica.7. Quais os equipamentos necessários? O baixo custo são um dos fatores queauxiliaram na proliferação das rádios Web. Com dois computadores você conseguefazer um bom trabalho. Um que seria o computador do ar e outro para a produção,usado para gravar, editar, criar roteiros entre outras funções. Caso o locutor participede Chat com os ouvintes, será necessário mais um computador. Você pode utilizar ocomputador que transmite para ser o mesmo que toca as músicas, por isso que euresumiria em dois computadores, no mínimo.8. Quais os softwares usados? São gratuitos, pagos? Porque dessa escolha? Paraedição usamos o SoundForge e o Vegas. Para execução de música é usado umsoftware de automação de rádio, no nosso caso usamos o Pulsar. Existe uma empresaque é do Paraná, chamada Winkochan (www.winkochan.com.br) que possui algunsprogramas gratuitos que pode ser usado na emissora de rádio web.9. Como é a relação do público com a rádio? Nós optamos em não ser uma rádiodirecionada para um público. Antigamente as rádios não tinham essa segmentação,era bem variado. Com o tempo foi que apareceu essa divisão, em jovem, sertanejo edance e que até hoje funciona bem em rádio aberta. Só que nós buscamos umdiferencial, se a pessoa tem o trabalho de nos ouvir pela Internet, nós temos que darum retorno para ela, por ser fiel à marca “Fênix”. Só que esse ouvinte gosta dediferentes estilos musicais desde um Zezé di Camargo e Bruno e Marrone até umHoobastank, Maroon 5. Gosta de Celine Dion. A Internet hoje é uma confidente e nóssomos o companheiro dessas pessoas. O gosto do internauta pode variar de acordocom o humor no dia. E para se ter uma idéia, nós temos cerca de um milhão deacessos por mês no streaming, e o “roqueiro” ou “sertanejo” que conecta-se na Fênixrespeita o espaço do outro e não reclama. Se ele quiser criticar, pode fazer na hora. Sóque ele sabe respeitar e esperar, porque logo será tocada umaa música do gosto dele.10. Qual a importância da home-page? Quais os cuidados na sua elaboração? O nossopilar de sustentação sem dúvida é o site. Nós precisamos que as pessoas entrem nosite, que tem que estar em sintonia com o que fazemos no ar. Ele tem que ser ágil,com informações, ser dinâmico e, principalmente, tendo um site descente você 30
  • consegue os patrocinadores. A agilidade na atualização do site deve ser a mesma queaplicada pelos locutores no ar.11. A Internet é uma opção para a quem espera por um espaço na freqüência digital?Algumas pessoas chegaram a declarar que a nossa estrutura, utilizando nossosrecursos de interação, que estamos avançando para essa nova realidade, de uma rádioconvencional virar uma rádio digital. Se você me perguntar se eu pretendo a vidainteira trabalhar em uma rádio web eu digo que talvez sim, mas, além disso, queropartir para esse lado de rádio digital. Hoje eu não abriria uma Fm, dependendo deconcessão para entrar nesse mercado de Dial de São Paulo. Eu estaria voltado pararádio digital.12. Qual a quantidade de ouvintes por conexão? Como é feita a conexão com oservidor? Nós temos um grande problema que é suportar os acessos simultâneos, ohorário de pico. Quando começamos a rádio, tinhamos 40 ouvintes. Depois passoupara 100, 200, 300. Hoje o nosso maior pico de acesso, no horário do Japão,chegamos a quase 1.200 acessos simultâneos, entre nove e 10 horas da noite, que é ohorário que o pessoal chegou do trabalho e está acessando. É preciso ter umaestrutura muito grande, uma banda de conexão para suportar essa invasãosimultânea. Cada vez que atingimos esse limite, é preciso fazer um upgrade de maislinhas.13. Como é possível fazer essas alterações quando acontece o problema? Para isso énecessário contratar novas linhas, lá no Japão. A rádio funciona assim. Temos oestúdio, transmitindo o conteúdo em formato áudio, que entra no computador peloLine In da placa de áudio. Nesse computador existe o Windows Media Encoder, quetransforma esse som em dados e através desses dados vai navegando até o servidor.Se for fazer a rádio da sua casa, você vai encontrar o número de IP da sua linha deInternet e passar para os seus amigos. Mas por sua banda de conexão ser pequena, onúmero máximo de ouvintes simultâneos são 10. Se entrarem mais, todos deixam deouvir a transmissão. A sua Internet não vai ter banda para permitir, por exemplo, emum sinal de 32K, que é razoável de audição, conseguir mandar para 10, porque issovai virar 320, por isso que a sua Internet não vai agüentar. Para toda rádio web queexistir no mundo vai funcionar assim. O nosso estúdio está ligado a um computador-mãe, ou computador-servidor, que foi preparado para agüentar todas essas conexões,sendo que o ouvinte vai se conectar nesse servidor, então, todas as atualizações, ouupgrade devem ser feitos nesse computador. Essa estrutura não muda (estrutura narádio). Se fosse usar um serviço de hospedagem, que é pago por taxa detransferência, por exemplo, se alguém entra no seu site e baixa uma quantidade maiorde conteúdo do que o previsto no seu contrato, você passa a pagar por conexões, quequanto maior o número de conexões, maior o valor cobrado no final do mês. Nósoptamos por criar o nosso servidor em Tóquio, dedicado. Nós pagamos uma empresapara fazer a manutenção nesse equipamento. Isso evita que administradores de outraspáginas que utilizassem o nosso servidor nos trouxessem algum tipo de dano.14. Como é a concorrência entre as rádios Web no Japão? Por mais que a rádio sejanova, menos de dois anos, hoje temos concorrência da Jovem Pan Japão,Transamérica Japão e outras que começaram por lá. Nós da Rádio Fênix acreditamosque tínhamos de apresentar ao público um diferencial da nossa rádio para as rádiosque estão no Dial. E a nossa estratégia foi investir na interação. O ouvinte interage naprogramação 24 horas por dia. Isso não existe nem em rádio aberta. Algumas FM’sdeixam os ouvintes pedirem músicas, mas em determinados horários. Nós fazemos 31
  • isso o dia inteiro. Tem gente de rádio convencional que vem nos visitar e ficaespantado. Nós estamos tocando uma música, mas não sabemos qual será a próxima.Nós só temos preparado a grade comercial. Não existe uma grade de programaçãomusical, só comercial. Isso agente inovou. Nós falamos diretamente com o nossopúblico, diferente das outras que foram apenas retransmitir o sinal do satélite pelaInternet no Japão. Hoje nós transmitimos em três qualidades: 20kbps, para quemconecta aqui do Brasil em conexões discadas, em média que é 32 kbps e na qualidadealta que é 64 kbps que é similar a qualidade de CD.15. Do ponto de vista Legal, o que foi necessário para ter a rádio na Internet? Nãoexiste uma forma de recolhimento de direito autoral na Internet, um ECAD. Como euestou na Net, eu não tenho como descobrir de onde o meu público está acessando. Euposso ter o Canadá inteiro conectado. Como é que alguém vai conseguir cobrar osdireitos. As leis na Internet variam de país para país e as gravadoras têm outras coisasmais importantes para se preocupar, como os programas de download de MP3. No quediz respeito à empresa, nós não somos uma rádio, pois não transmitimos no sinalaberto. Em nosso registro está descrito como produtora artística. Legalmente nóssomos um site, como o IG ou qualquer outro site. Também penso que somos menosprejudiciais do que sites de download, pois nós executamos a música, mas nãodisponibilizamos para baixar.16. O que acha do futuro da Rádio Web? Nossa idéia deu certo devido às facilidadesque encontramos, como transmitir em 32 kbps, com Speedy de um mega. Hoje umaconexão caseira no Japão são 10 megas. Eu acho que o andamento aqui será similar.Eu acho que rádio web é uma boa alternativa para ONG’s, que ao invés de ficaremdisputando concessão comunitária para prestação de serviço, seria mais fácil montaruma rádio na Internet e atingir o público do seu interesse. Claro que não é todo mundoque tem um computador em casa, mas se um dia o computador se tornar um bempopular, que todo mundo vai ter em casa, acho que vai estar sempre presente, não vaiacabar. 25-05-2005Entrevistado: Márcio Yonamine Empresa: Rádio Web – Centro Cultural SP Cargo:Coordenador Tempo de profissão: 2 anos1. De onde veio à idéia de montar a rádio na Internet? O nosso ex-diretor, que hoje ésecretário, sempre viu a Internet com bons olhos, pois além de ser muito nova, étambém barata. Por exemplo, é mais barato publicar um catálogo na Internet do queimpresso. E como começou o processo de digitalização da discoteca do Centro Cultural,ele pensou em como divulgar esse material de uma maneira que não fosse somentepara quem estivesse no Centro Cultural. Daí veio à idéia da rádio na Internet.2. Quais são as dificuldades de uma rádio on demand? Apesar de tecnicamente serbarata, a rádio web envolve produção e uma série de outras coisas que requerdinheiro, coisa que a rádio nunca teve. Nós temos que fazer uma rádio diferente dasoutras. Justamente instalar alguma coisa diferente do que é feito em rádio comum. Epor não termos estrutura técnica, resolvemos que não seria uma rádio 24 horas no ar.Vamos investir em programas de nível de qualidade bom, ou com uma coisa diferente,com pesquisa diferenciada dos demais. O on demand é quando disponibilizo arquivosno site que pode ser acessado a qualquer dia e qualquer hora, quantas vezesquiserem. Um fato interessante disso é que as pessoas podem acessar o acervo 32
  • quando elas quiserem, por isso os nossos programas tem que ser produzidos demaneira que não pareçam velhos ou ultrapassados.3. Apenas o conhecimento de técnicas de comunicação é suficiente para a produção daemissora ou é importante conhecer o lado operacional? Primeira coisa é saber quem éo seu público. Segunda é descobrir se vai ser ao vivo ou não. Definir o público é definira sua estrutura de rede, devido às restrições de conexão da Internet. Para se ter umaidéia, uma conexão de Speedy que custa 100 reais por mês você consegue conectar 10pessoas simultaneamente, enquanto que um link de Embratel de dois megas quecomporta 300 pessoas custa 3.000 reais por mês.4. Quantos funcionários são necessários para produzir a Rádio? Eu que coordeno, temo produtor e locutor que é o Marquito, tem a Rita que é locutora e produtora também,tem o técnico de áudio que é o Eduardo e têm dois estagiários que é a Flavinha e oPaulo. O mínimo necessário é uma pessoa só. Por exemplo, eu coordeno a partetécnica e artística ao mesmo tempo. Todas as coisas passam pelo meu aval. São duascoisas completamente diferentes. Uma coisa é você sentar e pensar a programação.Outra coisa é você cuidar de servidor, edição, cuidar de linguagem de programação.5. Quais os equipamentos necessários? Deve ter um computador e um link para aInternet. Aconselho a ter um processador no mínimo um Pentium II 400 e uma placade som, umas caixinhas para ouvir e conteúdo, microfone.6. Quais os softwares usados? São gratuitos, pagos? Porque dessa escolha? Paraservidor pode usar o Linux com um servidor chamado Icecast, que é o melhor e maisbarato. Para editar eu aconselho softwares bons, como Sound Forge e o Vegas, domesmo fabricantes. Existe um programa que chama Dynabolic, que é um servidor derádio que funciona pelo Cd. Não mexe me nada na sua máquina, nem no seu Windows.7. Como é a relação do público com a rádio? Esse negócio de público para a gente foidifícil, por estar relacionado à digitalização do acervo da discoteca. As pessoas quevem para o Centro Cultural são muito diversificadas, por isso imaginamos que tinhaque ter um público variado para a rádio. Então nós acabamos segmentando osprogramas. Tem um programa de bandas independentes, tem programa de músicasantigas, tem programas da nova MPB, entre outros. O nosso objetivo é atingir opúblico jovem, então mesmo os programas com músicas antigas são produzidos deuma maneira que o jovem ouça. Nós também disponibilizamos no site um e-mail paraque entrem em contato com agente. Eu também tenho como saber quem é meupúblico usando um sistema que marca quem está acessando a rádio pelos acessosregistrados em nosso servidor. Graças a esses dados eu sei que pessoas acessam onosso conteúdo de fora do país. Para o futuro pretendemos migrar nosso site para umalinguagem XML, que permite interagir com outras fontes receptoras de dados, comocelular, TV digital, enfim, multiplataforma.8. Qual a importância da home-page? Isso é uma coisa engraçada, porque uma rádiona internet é uma coisa visual. Você vai se conectar como? Pelo computador, que temum monitor. Então uma coisa que agente tenta é fazer essa relação, na medida dopossível, de imagem e som. Inclusive, nós pedimos autorização para uso de imagem esom quando fazemos entrevistas, pois além de gravar o áudio, nós tambémdisponibilizamos fotos no site. Uma Web Rádio precisa de imagem, não digo vídeo,mas foto, para ilustrar os programas. 33
  • 9. Como é feita a conexão com o servidor? (servidor próprio, terceirizado? Qual o maisindicado). Foi feito um convênio com a ECA, inclusive, a melhor rede do Brasil é a daUSP. Fizemos um convênio para usar o servidor deles. Como aprendemos a mexer comLinux, software livre, fizemos a seguinte troca: passamos o nosso know-how dessaárea e eles nos deixam usar o servidor, além de terem espaço aberto para inseriremprodução aqui na rádio.10. Qual a quantidade de ouvintes por conexão? Funciona assim, a pessoa nãorecebem sinal dentro de casa. Elas precisam fazer uma requisição para o servidor. Oservidor tem que fazer o link entre o computador do usuário e o computador quefornece o áudio. Dependendo do tamanho da conexão caberá um determinado númerode pessoas que esse servidor vai distribuir. Nesse ponto o on demand é similar a umarádio ao vivo na Internet.11. Uma rádio na Internet deve ser pensada de uma maneira local, para o bairro ecomunidades, ou atingir o maior número de pessoas pelo mundo? Com a globalizaçãovocê acaba descobrindo coisas interessantes do seu bairro sem querer. Lembro que euficava horas no Napster, baixando músicas. E o mais legal era descobrir bandaspraticamente vizinhas, que eu não ouviria na rádio, mas ouço na Internet. As bandasmais legais que eu conheço hoje eu ouvi primeiro na Internet. Bandas nacionaisinclusive.12. O que acha do futuro da Rádio Web? Eu acho que a rádio na Internet ela não temmuito haver com a rádio normal. Eu tenho curiosidade em ver os MP3 playersfuncionando em celulares, por ter vantagem de ser móvel. Quando eu estava fazendoo meu TCC de “TV na Internet” eu achava que tudo viraria uma rede só. É maiseconômico e mais fácil. A dificuldade hoje é a mobilidade. A pessoa não pode ficar sóna frente do computador. Ela precisa se movimentar. Em questão de programação éque as gravadoras estão falindo. Está acontecendo uma fragmentação. As informaçõesvão se concentrar menos em certos lugares. Vai ter muito mais informação diluída. Eeu espero que tenha uma educação para isto. Pessoas saibam procurar, correr atrás.Eu acho que é necessária uma formação do ouvinte, senão a sua rádio não terápúblico. O ouvinte vai ter uma idéia e começará a produzir, pois a percepção do caravai mudar tanto que nós vamos ter que nos adaptar para satisfazer. O que nóstentamos fazer aqui é satisfazer gregos e troianos.Dia 26-08-2005Entrevistado: Professor Jairo Marciano Empresa: Imes Cargo: Professor Auxiliar doscursos de Tecnologia Tempo de profissão: Dois anos1. O que é uma Rádio Web? Com a globalização não existem mais fronteiras. Existemmuitos brasileiros morando fora do país, por exemplo, ou estrangeiros morando noBrasil, e isso diminui a distância do ouvinte com a rádio de sua preferência. É umagrande oportunidade para ONG’s criarem seus canais de comunicação, uma vez que ocusto é muito baixo. Tirando a parte de conexão que é onde vai gastar um pouco mais,hoje, qualquer equipamento vendido em lojas pode se transformar em uma rádio web.Ele já vem com a placa de som que é o básico que precisa o microfone você compraem qualquer lojinha e lógico, a qualidade da rádio vai depender do quanto vocêinvestir nela. 34
  • 2. Existem variações de formato de rádio web? A cara do site você faz do jeito quequiser. Agora os formatos dependem dos encoders. O “Mídia Player” tem um, oWinamp também tem o formato dele. O que muda é a maneira de codificar o dado etransmitir na Web. O que é codificar? É colocar no formato digital e padrão, menor,para que ele possa ser transmitido, pois do jeito cru não é possível mandar por causada banda de transmissão que você tem. Compacta-se o sinal em formato menor paratransmitir on-line e dar performance, sem muito atraso, pois, normalmente uma rádioWeb tem um atraso. Você pega uma rádio Fm e uma na Web, você vai ver que ela temum atraso.3. O que é necessário para a estruturação de uma Rádio Web? Qualquer computadorque você comprar hoje atenderia a sua necessidade. Um Pentium 4 com 512 mega dauma ótima performance para você, não precisa ser um servidor. Disco rígido vaidepender se for para gravar ou transmitir o programa. Se for somente ao vivo, semgravar nada, você não precisa de muito espaço, mas se for gravar ai sim vai sernecessário espaço, pois som ocupa muita memória. Para saber quanto espaço emdisco é necessário, tem um cálculo para ser feito. Hoje um arquivo em MP3 de boaqualidade ocupa quatro mega, ai você multiplica pela quantidade de músicas que serãotocadas e tem o quanto de espaço necessário, em uma qualidade de transmissão paraWeb. Um micro Pentium quatro, com 512 de memória e, talvez, uns 80 Gigahertz dedisco, você “brinca” bastante com uma web-rádio. Esse seria o mínimo para começar.O que mudaria de uma estação de trabalho para um servidor é a segurança, então,para começar não é preciso gastar muito dinheiro. Mas com o passar do tempo, éinteressante para não ter risco de invasão de hackers ou problemas no equipamento.4. Quantos computadores são necessários? O ideal seriam dois. Um para trabalhar comedição, gravar programa, que precisaria de um pouco mais de espaço em disco. Ooutro computador é para transmitir ao vivo, falar com o ouvinte. É recomendadoseparar as máquinas para não ter risco de falhas no funcionamento.5. Qual o formato de áudio mais recomendado para a transmissão? WAV, MP3, WMA?Pelo ambiente que você esta pensando em usar o ideal seria o WMA, pois a ferramentamais fácil para acessar essa rádio seria o da Microsoft, por ter muita gente usando. Eletrabalha no formato WMA por isso é o mais recomendado. Não digo que é o melhor,mas é o mais popular.6. É recomendado o uso de servidor próprio ou alugado? Normalmente quando umapessoa hospeda um site ela deixa a página salva no servidor. Mas nem sempre vaifuncionar a sua Web rádio, devido a restrições do contrato padrão, não vai conseguirveicular ele ai por ser uma atividade específica e consumir muita banda. O ideal é fazerum contrato com uma banda larga qualquer, como Speedy, Virtua e use umcomputador para hospedar, que é melhor do que deixar em servidores terceirizados.Uma banda larga mínima seria de 512 K de velocidade, que permitira que sua rádiofosse acessada por 30 ouvintes simultaneamente.7. É importante que o profissional de informática entenda de rádio? Não precisa. Esseprofissional deve conhecer bem de Web, o ambiente Web como um todo. Trabalharcom rede e com web design. Pode acontecer de uma pessoa trabalhar com esses doisambientes, mas duas pessoas seria o suficiente. 35
  • 8. Quais os cuidados necessários com a homepage, considerando a parte gráfica esegurança? Na parte de segurança é recomendado ter um firewall, pois esse programabloqueará invasões de terceiros, os hackers, que queiram alterar todo o seu site esistema de transmissão de dados. Na parte gráfica é importante não deixar o sitecansativo. Deve-se preocupar com as cores da página, deve ser leve, pois se a páginademorar muito para carregar, o internauta logo mudará para outra página, de algumconcorrente e deixar o site com fácil acesso ao seu conteúdo, sem precisar de várioscliques para chegar às informações desejadas 36