A Sociedade Medieval - Literatura portuguesa

2,018 views
1,723 views

Published on

Texto sobre literatura portuguesa e a escrita medieval

Published in: Education
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
2,018
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
24
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

A Sociedade Medieval - Literatura portuguesa

  1. 1. ESTRUTURA SOCIAL A sociedade medieval é constituída por três classes ou ordens, mais ou menos bem delimitadas: clero, nobreza e povo. Originariamente essas classes distinguiam-se pela respectiva função: função religiosa , função guerreira , função trabalhadora . O clero zelava pelo bem estar espiritual e pela salvação dos homens; os nobres defendiam a comunidade das agressões; o povo sustentava, com o seu trabalho, toda a sociedade. No entanto, na realidade, os limites entre essas três ordens não eram tão rígidos como esta descrição faz supor. Entre um membro da baixa nobreza empobrecido e um burguês rico a diferença poderia não ser muito grande... Por outro lado, apesar da relativa rigidez houve sempre alguma mobilidade social: ao longo dos séculos a nobreza foi sendo renovada pela nobilitação de indivíduos de origem popular; e não é de excluir a ideia de que algumas famílias nobres, por empobrecimento progressivo, tenham perdido a sua ligação à classe de origem, integrando-se nos estratos superiores do terceiro estado — o povo. Clero O clero constituía uma classe aberta , na medida em que os seus membros eram recrutados entre o povo e a nobreza. Não era uma classe homogénea e há que distinguir entre o alto clero (bispos, abades e outros dignitários) e o baixo clero . Pela riqueza, pelo poder, pela consideração social e até pela origem, os altos dignitários da Igreja estão muito perto da nobreza, onde quase sempre são recrutados. Por sua vez muitos curas de aldeia mal se distinguem dos seus paroquianos, partilhando com eles a pobreza e a ignorância. Por esse motivo, as relações entre a hierarquia e o baixo clero nem sempre eram pacíficas. No entanto, os seus membros tinham em comum a função religiosa Constituía uma classe privilegiada : possuía isenção de impostos; regia-se por um direito próprio e tinha tribunais específicos; possuíam direitos sobre certos estratos populares na área sob seu domínio. Pela natureza das suas funções constituíam a classe mais culta , a única sistematicamente alfabetizada, o que explica que a cultura literária da Idade Média seja marcadamente religiosa. O seu poder tinha uma origem divina; por isso, o clero resistia ao poder régio e, por vezes, tendia a suplantá-lo. Em Portugal, por exemplo, o rei D. Sancho II foi afastado do trono por interferência directa do Papa, tendo sido substituído pelo irmão, o Conde de Bolonha, com o nome de Afonso III. Este episódio, aliás, está na origem de um número substancial de cantigas de escárnio e maldizer, como a seu tempo se verá. Nobreza Ao contrário do clero, era uma classe fechada , visto que a condição de nobre herdava-se com o nascimento — era nobre o filho de nobre. No entanto, o rei podia nobilitar membros destacados da burguesia, como forma de recompensar os seus serviços. Também não era uma classe homogénea . No século XII existiam ricoshomens , infanções e cavaleiros . Dois ou três séculos depois continuamos a
  2. 2. encontrar nela estratos diferenciados, embora com designações diferentes: vassalos do rei , cavaleiros e escudeiros . Era também uma classe privilegiada : possuía isenção de impostos e direito próprio. O seu poder económico vinha-lhe da posse da terra e do domínio que exerciam sobre os servos, que deviam ao seu senhor trabalho não remunerado e o pagamento de taxas diversas. O desenvolvimento da economia mercantil, com maior circulação da moeda, e a transformação dos servos em homens livres, a par da progressiva divisão da propriedade pelos descendentes, foi debilitando o poder económico da nobreza, que procurava reagir, lutando pela manutenção e aumento dos seus privilégios, pelo casamento com membros da burguesia, ou pelo envolvimento em actividades mercantis, em princípio vedadas aos membros da nobreza. Povo Também não era uma classe homogénea . Os vilãos eram homens livres , mas entre eles havia os mais abastados, que tendiam pela riqueza e pelo comportamento a aproximar-se da nobreza, a que alguns chegaram a ascender, e outros que viviam pobremente. Uns e outros, encontramo-los, tanto no campo como na cidade. Os servos (ou semi-servos) não tinham o mesmo grau de liberdade dos vilãos. Estavam na dependência de um senhor, nobre ou religioso, para o qual tinham de trabalhar. À medida que os séculos passaram os servos foram ascendendo à condição de homens livres, engrossando as fileiras dos vilãos. Na sociedade medieval, os escravos foram sempre em número reduzido . Basicamente este grupo era constituído por cativos de guerra (mouros). Letrados Distinguem-se pela sua formação literária . Quase sempre oriundos da burguesia (a camada superior do povo) desempenham na sociedade tarefas especializadas para as quais adquiriram formação específica: físicos (médicos), boticários, tabeliães... Muitas vezes esses letrados eram membros do clero. Pela sua formação, ocupavam frequentemente posições importantes da administração régia. CULTURA A cultura literária era quase exclusiva do clero. Durante muito tempo só havia escolas nas catedrais e alguns mosteiros . Até ao século XV, os "livros" eram todos manuscritos e, por isso, extremamente caros. As oficinas de copistas funcionavam em alguns mosteiros e dedicavam-se a produzir textos para uso da Igreja. A língua utilizada era quase sempre o latim e o conteúdo essencialmente religioso. A partir do século XII, a cultura literária começou a sair para fora das catedrais e conventos. Com o desenvolvimento da burguesia, a pouco e pouco foram surgindo nas cidades escolas particulares , onde um mestre ensinava aos seus discípulos. A Igreja procurou controlar essa actividade, autorizando o ensino apenas àqueles que possuíssem a "licentia docendi" (daí o termo "licenciado") e sujeitando essas
  3. 3. pequenas aulas a uma autoridade comum (reitor). Surgiram assim as universidades ("universitas scholarium et magistrorum"), a primeira delas em Paris (1215), logo seguida por várias outras (entre elas, Lisboa, em 1288-1290). A maioria da população, inclusive muitos nobres, era analfabeta e vivia mergulhada numa cultura oral , que passava de pais para filhos. As manifestações menos pragmáticas dessa cultura eram constituídas por narrativas e cantigas que os jograis difundiam nas ocasiões festivas. Estas produções utilizavam, naturalmente, as línguas nacionais e estão na origem das literaturas europeias. ORIGEM DA POESIA TROVADORESCA Da literatura oral à literatura escrita Em todas as sociedades a literatura oral é anterior à literatura escrita. A cultura oral , transmitida de geração em geração, comportava todos os conhecimentos que permitiam às pessoas compreender a vida e o mundo à sua volta. Era uma cultura essencialmente pragmática , mas onde havia também espaço para a dimensão lúdica e estética . Faziam parte dela lendas , histórias míticas , narrativas versificadas , cantigas ... É essa literatura oral que está na origem das literaturas europeias, propriamente ditas, que se começaram a constituir nos séculos XI e XII. Aconteceu assim na península ibérica, com a poesia trovadoresca; na França, com a poesia provençal e as canções de gesta, etc. Que essas literaturas nacionais tenham começado pela poesia é fácil de entender, dada a sua origem oral. De facto, o verso, a rima, o ritmo facilitam a memorização e eram utilizados até nas narrativas. Poesia trovadoresca A expressão "poesia trovadoresca" é utilizada para designar as composições em verso produzidas na península ibérica, entre os finais do século XII e meados do século XIV . Trata-se de um conjunto de cerca de 1600 cantigas de carácter profano, a que poderemos acrescentar cerca de 400 poemas de conteúdo religioso. Esses poemas foram reunidos em cancioneiros diversos, tendo chegado até nós três deles. O mais antigo, provavelmente uma cópia do século XIV, é o chamado Cancioneiro da Ajuda. Conhecem-se outros dois, posteriores e mais completos, o Cancioneiro da Biblioteca Nacional e o Cancioneiro da Vaticana, ambos cópias feitas no século XVI, em Itália, a partir de um manuscrito mais antigo.> Apesar de escrita em galaico-português , não se trata de uma poesia estritamente portuguesa e galega, mas sim peninsular, uma vez que os cerca de 150 trovadores e jograis que as produziram eram oriundos de diversas regiões da península. Esses trovadores eram geralmente nobres, enquanto os jograis , que cantavam as cantigas nas feiras, romarias e até palácios, eram de origem popular. Nesses cancioneiros encontramos cantigas de amigo , em que o sujeito poético é uma donzela que exprime os seus sentimentos amorosos pelo amado (amigo), e cantigas de amor , nas quais o poeta dá expressão ao seu amor por uma dama. Há também cantigas de escárnio e maldizer ; de carácter satírico, como o nome indica, distinguindo-se pelo facto de as primeiras não nomearem directamente a pessoa a que se referem, o que acontece no segundo grupo.
  4. 4. Origem do lirismo trovadoresco Ao longo dos anos tem-se discutido muito a questão da origem desta poesia, tendo sido propostas várias explicações, nenhuma delas aceite de forma unânime. Alguns insistiram na origem popular: estas cantigas mais não seriam do que a apropriação de formas e temas populares por parte dos poetas. Outros quiseram fazê-las herdeiras da poesia em latim produzida por clérigos durante a Idade Média. Houve quem defendesse a sua dependência de formas poéticas moçárabes. Outros ainda pretenderam que ela teria surgido na península por simples imitação da poesia provençal (sul da França). Qualquer destas teses, se tomada em exclusividade, é radical e insuficiente para explicar o fenómeno. A posição mais consensual defende a acção combinada de todas essas influências . Na verdade, a arte reflecte sempre a sociedade que a produz, com a sua diversidade e as suas contradições. Mesmo quando uma influência externa é evidente, há sempre um processo de adaptação à realidade local, que passa pela integração de elementos autóctones ou anteriormente absorvidos. No caso da poesia trovadoresca é visível a presença de duas tradições poéticas que, de certo modo, se fundiram. É evidente que as cantigas de amigo, pela singularidade do sujeito poético feminino, pelo ambiente doméstico e rural que as caracteriza, pela sua estrutura paralelística, manifestam uma origem popular . Já as cantigas de amor reflectem claramente a influência provençal É sensato imaginar que o início deste surto poético entre a nobreza peninsular tenha surgido por influência da literatura provençal. Os contactos da península com a França eram mais intensos do que se poderia imaginar: a luta contra os mouros trouxe à península ibérica nobres franceses (o pai de Afonso Henriques, por exemplo); Santiago de Compostela era um dos principais centros de peregrinação e a ele acorriam, não apenas cristãos da península, mas também do resto da Europa; a corte portuguesa tinha relações intensas com a corte de Aragão, junto à Provença; o futuro rei Afonso III passou vários anos em França, na região de Bolonha. E uma vez iniciado o processo, a lírica popular acabou por ser também assimilada pelos trovadores, cruzando-se as duas influências, de tal modo que aspectos característicos das cantigas de amigo aparecem nas cantigas de amor e vice-versa. CANTIGAS DE AMIGO Lirismo feminino As cantigas de amigo são uma das manifestações da poesia trovadoresca. Têm em comum com as cantigas de amor o facto de a sua temática ser amorosa , mas, enquanto nestas o sujeito poético é o homem, naquelas é a mulher que exprime os seus sentimentos para com o "amigo" . Do ponto de vista didáctico, as cantigas de amigo têm uma vantagem suplementar: permitem distinguir com clareza o autor (ser real, com existência empírica cronologicamente datável) do sujeito poético (um ser de ficção, que só existe verdadeiramente no poema). É que, na formulação de Fernando Pessoa, "o poeta é um fingidor". Isto é, não devemos nunca confundir o poeta, ser de carne e osso,
  5. 5. com o sujeito poético, uma espécie de ser de papel, que só no papel existe, tal como, no discurso narrativo, é necessário distinguir o "autor" do "narrador". Ora, nos primórdios da literatura portuguesa, exactamente nas cantigas de amigo, encontramos já essa distinção feita com absoluta clareza. Assim, sabemos, sem margem para dúvidas, que o trovador (ou jogral) Pêro Viviaez compôs a cantiga "Pois nossas madres vam a San Simion", na qual uma donzela exprime o seu desejo de exibir a sua graça e beleza na festa do santo. Poesia tradicional e influência provençal Sabemos que as cantigas de amigo têm um carácter tradicional, ou seja, constituem a apropriação literária de antigas cantigas populares por parte dos trovadores rendidos à moda do trovar provençal. Na Idade Média, o termo "Provença" designava a região do sul da França com frente para o Mediterrâneo. O clima ameno, a equilibrada distribuição da propriedade, o comércio florescente, propiciaram o aparecimento nessa região de uma sociedade próspera, favorável a uma cultura do prazer. Foi aí que os membros da aristocracia encontraram condições para exprimirem através da poesia e da música sentimentos requintados . A poesia perde aqui o carácter didáctico que a Igreja lhe havia atribuído e passa a ser utilizada como forma de alcançar o prazer estético, de exprimir sentimentos mais humanos que divinos. A moda da poesia provençal espalhou-se pela Europa e chegou inclusive ao extremo da Península Ibérica. É que, nessas épocas remotas (séculos XI e XII) o isolamento não era absoluto. Havia já, entre as várias regiões, contactos bastante intensos, historicamente documentados, que faziam com que as novidades circulassem e se fizessem sentir a grande distância. Vale a pena lembrar que a monarquia portuguesa tem a sua origem num fidalgo de além Pirinéus, D. Henrique de Borgonha, pai do primeiro rei de Portugal, D. Afonso Henriques; frequentemente a casa real portuguesa procurava noivas em Aragão, região oriental da Península Ibérica, vizinha da Provença; Santiago de Compostela constituía na época um dos principais centros de peregrinação, atraindo gentes de toda a Europa; a ordem religiosa de Cister, originária da França, implantou-se também em Portugal, onde fundou vários conventos, entre eles o de Alcobaça. Sob influência da poesia provençal, alguns nobres da península começaram também a compor cantigas de amor e cantigas satíricas (escárnio e maldizer). Depois de familiarizados com a poesia amorosa de inspiração provençal, os trovadores apropriaram-se das cantigas de cunho popular e submeteram-nas, em maior ou menor grau, aos artifícios versificatórios da arte de trovar. É assim que, a par de formas puras de um e outro tipo, encontramos formas híbridas: cantigas de amor com refrão, por exemplo, e cantigas de amigo em que o paralelismo tradicional se encontra diluído. Características das cantigas de amigo Além do sujeito poético feminino , as cantigas de amigo têm outras características marcantes. O sujeito poético é, não apenas mulher, mas donzela , isto é, uma rapariga solteira, pertencente aos estratos médios do povo. Essas cantigas documentam bem a importância social da mulher, que era, na época, o garante da estabilidade
  6. 6. familiar, dado que os homens tinham que se ausentar frequentemente, envolvidos nas campanhas militares de defesa e ataque que opunham cristãos e mouros. A donzela aparece-nos inserida num ambiente doméstico e burguês, muitas vezes em diálogo com as amigas e a própria mãe e as cantigas documentam todas as fases e sentimentos do namoro. A natureza não é um simples cenário em que decorre a acção; apresenta uma espécie de vida própria, que documenta o animismo típico de sociedades mais primitivas. É sempre uma espécie de testemunha viva das alegrias e tristezas da donzela. Por vezes a sua personificação é total, como por exemplo na famosa cantiga “Ai flores, ai flores do verde pino” , onde as flores respondem e tranquilizam a donzela, saudosa e preocupada com a ausência do amigo. Essa natureza é frequentemente representada pela fonte, o rio, a praia, o campo. A atestar a antiguidade deste tipo de cantigas temos os arcaísmos que os trovadores conservaram, provavelmente porque tomavam do povo anónimo temas e versos inteiros que depois desenvolviam. Tendo em conta os temas e sobretudo os ambientes retratados é usual distinguir várias variedades nas cantigas de amigo: bailias ou bailadas; cantigas de romaria ; marinhas ou barcarolas; albas ou alvoradas, entre outras. Finalmente, as cantigas de amigo caracterizam-se pelo recurso em maior ou menor grau ao paralelismo , que consiste na repetição da ideia expressa numa estrofe na estrofe seguinte, formando pares, sendo cada uma delas encerrada por um refrão . As cantigas paralelísticas perfeitas têm as seguintes características: • Coplas de dois versos (dísticos), seguidos de refrão (um verso); • As coplas organizam-se em pares, de tal modo que a copla par repete integralmente as ideias expressas na copla ímpar anterior – paralelismo semântico (1-2, 3-4, 5-6, ...); • Utilização do leixa-prem — o 2º verso da copla 1 é o 1º verso da copla 3; o 2º verso da copla 2 é o primeiro da copla 4, etc. Uma cantiga paralelística perfeita obedece, portanto, ao seguinte esquema: Verso A Verso B Copla 1 Verso B Copla 3 Refrão 1º par Refrão 2º par Verso A' Copla 2 Verso B' Refrão CANTIGAS DE AMOR Verso C Verso B' Copla 4 Verso C' Refrão
  7. 7. O amor cortês Vimos já algumas das circunstâncias que favoreceram o aparecimento da poesia provençal, nos finais do século XI. Vejamos agora como surgiu e quais as características do amor cortês, típico desse lirismo. A prosperidade económica permitiu o aparecimento na Provença de pequenas cortes. Nesse ambiente requintado, os cavaleiros conviviam com as damas, suavizavam as suas maneiras rudes e entregavam-se aos prazeres da música, da dança, da poesia. O amor é o tema predominante dos seus poemas. Neles um trovador nobre exprime o seu amor por uma dama, quase sempre casada, pertencente a um estrato superior da nobreza. Trata-se de um amor idealizado, de inspiração platónica, sentimento puro, em que o impulso sexual é sublimado, porque o seu objecto é inacessível. Daí o sofrimento (a “coita” de amor), mas também o prazer de amar na esperança de uma improvável compensação. A exibição desse amor adúltero compreende-se, porque o casamento, na época, e sobretudo entre os nobres, era um mero “negócio”, com o qual se procurava manter ou aumentar o poder e o prestígio de uma família. No havia aí espaço para o sentimento. Na concepção dos trovadores o amor só era possível fora do casamento. Foi também nesta época que a figura de Nossa Senhora começou a assumir um papel de relevo na religião cristã e isso contribuiu para elevar o prestígio da mulher na sociedade medieval. Além disso, os trovadores transferem para o campo amoroso as relações típicas do feudalismo . O poeta assume-se como vassalo e reconhece a sua dama como “senhor”. Deve-lhe lealdade e obriga-se a prestar-lhe serviço. Esse “ serviço amoroso ”, que o trovador deve à sua dama, rege-se por normas estritas: • O amor pela dama devia ser expresso de forma comedida (“mesura”), de forma a não incorrer no seu desagrado (“sanha”); • A identidade da dona deveria ser escondida, referindo-se a ela, quando necessário, através de um pseudónimo (“senha”); • A vassalagem amorosa decorria em quatro fases: “fenhedor” – o trovador limita-se a exprimir o seu sofrimento; “precador” – ousa dirigir pedidos à dama; “entendedor” – o sentimento do trovador é correspondido; “drut” – o poeta transforma-se em amante. Tendo surgido em ambiente palaciano e obedecendo a regras rígidas, a poesia provençal apresenta com frequência um carácter artificial . Os motivos repetemse de poeta para poeta e a preocupação formal sobrepõe-se à expressão dos sentimentos. Cantigas de amor peninsulares Nem todos os traços característicos do trovar provençal foram incorporados nas cantigas de amor peninsulares , nomeadamente no que diz respeito às regras do amor cortês. Por exemplo, a fase de “drut” (amante) jamais aparece nas nossas cantigas de amor, mas apenas nas cantigas de escárnio e maldizer. Quanto aos artifícios versificatórios utilizados pelos provençais, é possível encontrálos também na poesia peninsular. Mas também no aspecto formal a imitação não é
  8. 8. absoluta, visto que em muitas cantigas de amor encontramos recursos típicos das cantigas de amigo, de cunho mais popular — o paralelismo semântico e o refrão —, de tal modo que podemos distinguir entre cantigas de mestria (ao estilo provençal) e cantigas de refrão . A análise comparativa das cantigas de amigo e cantigas de amor revela claramente que as primeiras são poemas para serem cantados, enquanto as segundas são poemas para serem lidos. As cantigas de amigo são manifestações de uma cultura oral, ao passo que as cantigas de amor são já produto da escrita literária. CANTIGAS DE ESCÁRNIO E MALDIZER A par da poesia lírica encontramos nos trovadores a poesia satírica . A tendência para criticar os vícios e os defeitos dos outros é característica de todas as sociedades e de todas as épocas. Por isso não é de estranhar que os trovadores tenham aplicado os seus dotes poéticos ao exercício da crítica individual e social. Nas cantigas de escárnio a crítica é feita de forma encoberta, sem que o objecto de crítica seja claramente identificado. Nas cantigas de maldizer a vítima da crítica é claramente identificada. Esses poemas satíricos têm um grande valor documental , visto que nos revelam qual a reacção das pessoas face a determinados acontecimentos e situações. Através dessas cantigas podemos perceber melhor a sociedade da época e ter acesso a informações que outros documentos, mais impessoais, não revelam. No conjunto de cantigas que chegaram até nós é possível distinguir um conjunto de temas que mais chamaram a atenção dos trovadores. São eles: • A entrega dos castelos ao conde de Bolonha . — Na sequência de um grave conflito que opôs o rei ao clero, em 1245 o papa retirou a D. Sancho II o título de rei e entregou o governo do país a seu irmão, o conde de Bolonha, futuro D. Afonso III. Seguiu-se um período de guerra civil, durante a qual vários alcaides, a quem D. Sancho II havia confiado castelos, entregaram essas fortalezas ao conde de Bolonha, violando desse modo o código de honra da nobreza. Os traidores foram violentamente criticados pelos trovadores. • A cruzada da Balteira — as soldadeiras eram uma espécie de bailarinas que se exibiam nas festas e eram conhecidas pelos seus comportamentos dissolutos. A mais famosa delas parece ter sido uma tal Maria Peres, conhecida por Balteira, que foi vítima frequente dos trovadores. Dado o seu estatuto e a natureza das críticas que lhe eram feitas, muitas dessas cantigas recorrem a uma linguagem obscena. • Escândalo das amas — O relacionamento amoroso de fidalgos com mulheres plebeias não era bem visto na época, embora fosse frequente. Daí as críticas dos trovadores, principalmente quando uma simples ama era louvada em cantigas de amor, como se fosse uma “dona”. • As impertinências do jogral Lourenço — Os jograis eram homens do povo a quem competia apenas executar em público as canções compostas pelos trovadores. Alguns deles tornaram-se, no entanto, exímios poetas e atreveram-se a compor as suas próprias cantigas, caindo no desagrado dos trovadores que ridicularizavam com frequência as suas pretensões. • A traição dos cavaleiros na guerra de Granada — Em 1264 o rei D. Afonso X de Castela viu-se obrigado a combater uma revolta da população moura sob o seu domínio, entretanto ajudados por cavaleiros vindos de África. Face à gravidade da situação, pediu o auxílio dos nobres da
  9. 9. península. Alguns deles, receosos do inimigo, furtaram-se ao combate e incorreram nas críticas do rei e outros trovadores. Cantigas de Amigo A ausência do amigo "Ai flores, ai flores do verde pino" Ai flores, ai flores do verde pino se sabedes novas do meu amigo! Ai Deus, e u é? (onde está?) Ai flores, ai flores do verde ramo, se sabedes novas do meu amado! Ai Deus, e u é? Se sabedes novas do meu amigo, aquel que mentiu do que pôs (combinou) comigo! Ai Deus, e u é? Se sabedes novas do meu amado, aquel que mentiu do que mh'á jurado! (me jurou) Ai Deus, e u é? - Vós me perguntades polo voss'amigo, (resposta da natureza) e eu ben vos digo que é san'e vivo: (são e vivo) Ai Deus, e u é? Vós perguntades polo voss'amado, e eu ben vos digo que é viv'e sano: (vivo e são) Ai Deus, e u é? E eu ben vos digo que é san'e vivo e seerá vosc'ant'o prazo saído: (combinado) Ai Deus, e u é? E eu ben vos digo que é viv'e sano e seerá vosc'ant'o prazo passado: (terminar o prazo) Ai Deus, e u é? ____ - processo do leixa-pren D. Dinis (CV I7I, CBN, 533)
  10. 10. Analise da cantiga de amigo de D. Dinis - "Ai flores, ai flores do verde pino" 1. Estrutura externa do texto (descrição formal) 1.1. Estrutura estrófica Poema composto por 8 dísticos (2 versos) seguidos de um monóstico (1 verso) que se repete no final de cada estrofe - o refrão [8x(2+1)]. 1.2. Estrutura métrica "Ai | Deus,| e | u | é?" 5 silabas métricas O monóstico é pentassilábico. Os dísticos são: "A|quel | que | men|tiu | do | que |mh'á| ju|ra|do!" 10 silabas métricas Os quatro primeiros são decassilábicos. "Vós | me | per|gun|ta|des | po|lo | vos|s'a|ma|do" 11 silabas métricas Os quatro últimos são hendecassilábicos. --------------------------------------- Parte em análise ----------------------------------------------- 1.3. Estrutura rimática 2. Temática do texto 2.1. Assunto 2.2. Tema 3. Categorias da narrativa presente no poema 4. Processos de enriquecimento da mensagem e seu significado 4.1. Nível fónico ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------
  11. 11. 4.2. Nível morfosintáctico Verbos presentes na cantiga: · Presente do indicativo - sabedes; digo; perguntais; é; perguntades - indispensável ao diálogo. Tem um valor de actualidade. · Futuro - será - aponta para a hipótese de desfecho feliz tem um valor de certeza, confortando a donzela, tranquilizando-a. · Pretérito Perfeito do indicativo - pôs; mentiu; mh'á jurado - valor de acção concluída. Remete para o passado, a despedida dos namorados e o momento da partida do amigo, em que ele marcou a data do regresso. 4.3. Nível semântico Figuras de estilo Personificação da natureza, através das flores do pinheiro: "Ai flores, ai flores do verde pino,/se sabedes novas do meu amigo!" (vs 1 e 2). A natureza personificada assume o papel de confidente, tratando-se neste caso de uma confidente eloquente, uma vez que responde à donzela. É a personificação da natureza que permite o diálogo, tornando a cantiga mais viva, fazendo dela um embrião de texto dramático (teatro). 5. Classificação do texto 5.1. Género Cantiga de amigo, pois fala a donzela na 1ª pessoa "se sabedes novas do meu amigo!" (v. 5) 5.2. Variedade temática Tenção ou cantiga dialogada, uma vez que a natureza responde às interrogações da donzela. 5.3. Variedade formal Cantiga paralelística perfeita. O paralelismo constroí-se pelos seguintes artifícios: - substituição sinonimica (através de sinónimos) ex: verde pino/verde ramo amigo/amado - inversão da ordem das palavras ex: san'e vivo/viv'e sano - leixa-pren (deixa e retoma): · o segundo verso da 1ª estrofe é o primeiro da 3ª estrofe; · o segundo verso da 2ª estrofe é o 1º da 4ª estrofe
  12. 12. · e assim por diante... Cantigas de Amigo Bailadas ou bailias "Bailemos nós já todas três..." - Convite Bailemos nós já todas três, ai amigas, sô (debaixo) aquestas avelaneiras frolidas; e quen for velida (bela), como nós velidas, se amigo amar, sô aquestas avelaneiras frolidas (floridas) verrá (virá) bailar. Bailemos nós já todas três, ai irmanas, sô aqueste ramo destas avelanas (avelãs); e quen for louçana, como nós, louçanas (formosas), se amigo amar, sô aqueste ramo destas avelanas verrá bailar. Par Deus, ai amigas, mentr'al (enquanto outra coisa) non fazemos, sô aqueste ramo frolido bailemos, e quen ben parecer, como nós parecemos, se amigo amar, sô aqueste ramo so-l'que (sob o sol) nós bailemos, verrá bailar. Airas Nunez de Santiago (CV 462, CBN, 818)
  13. 13. Analise da cantiga de amigo de Airas Nunez de Santiago "Bailemos nós já todas três" 1. Estrutura externa do texto (descrição formal) 1.1. Estrutura estrófica Três quadras seguidas de refrão sob a forma de um dístico [3x(4x2)]. O primeiro verso do refrão aparece intercalado entre o 3º e 4º da quadra. Esta estrutura é idêntica à de alguns poemas árabes da época conhecidos por "Zéjel". Esta estrutura também foi encontrada em livros musicais do Mosteiro de S. Miguel de Limoges, na região dos mais antigos trovadores. 1.2. Estrutura métrica Os dísticos são: "Bai|le|mos | nós | já | to|das | três,| ai | a|mi|gas" Os versos da quadra são hendecassilábicos. "ver|rá | bai|lar" 4 silabas métricas O versos do refrão - dístico são tetrassilábicos . 1.3. Estrutura rimática A A emparelhada A B Cruzada A B Correspondência de sons: rima consoante ou pura "avelanas/louçanas" rima soante ou toante "amigas/frolidas" Sílaba Tónica frolidas/velidas - rima grave ou feminina amar/bailar - rima aguda ou masculina Classe de palavras amigas/frolidas -rima rica subst. adj. irmanas/avelanas - rima pobre substantivos 2. Temática do texto 11 silabas métricas
  14. 14. 2.1. Assunto O texto inicia-se com o convite de uma donzela a outras duas para que dancem sob as avelaneiras em flor. No entanto este convite acaba por se alargar a todas as donzelas que sejam belas e estejam apaixonadas. O convite reflecte-se nas duas restantes estrofes. 2.2. Tema O facto de as donzelas serem 3 e também 3 as estrofes leva-nos a considerar o valor simbólico deste número: totalidade, perfeição. Por outro lado, as donzelas dançam sob as avelaneiras em flor, facto que remete para a primavera e, consequentemente, para o amor. Notemos ainda que entre a 1ª e 2ª estrofes existe uma transformação significativa no último verso: Enquanto na 1ª é feita a referência à flor "avelaneiras frolidas", na 2ª já se refere o fruto "destas avelanas". Há, assim um sentido oculto que é importante desvendar: a passagem da flor ao fruto significa amadurecimento - as donzelas estariam maduras, prontas para o amor. Então podemos concluir tratar-se de uma dança ritual do amor (tema) em que as donzelas, terminam a adolescência, passam a ser consideradas mulheres (cerimónia de iniciação pré-conjugal). 3. Categorias da narrativa presente no poema Personagens Caracterização das personagens 3 donzelas "amigas" "irmanas" Espaço Tempo bailar - velidas Acção debaixo das avelaneiras na primavera/verão - louçanas - bem parecer Conclusão: importância do feminino - 3 donzelas 4. Processos de enriquecimento da mensagem e seu significado 4.1. Nível fónico a) pares rimáticos (efeitos rimáticos) amigas/velidas irmanas/louçanas · auto caracterização · auto elogio As três jovens dançam e simultaneamente auto elogiam-se "velidas/louçanas" o que podemos considerar como técnicas de sedução. 4.2. Nível morfosintáctico Classes de palavras a) Tempos verbais: · imperativo (Bailemos) com o valor de: - exortação (incentivo) - convite Função apelativa da linguagem · futuro do indicativo (verrá bailar) "conjugação perifrástica" - dois verbos que se conjugam em conjunto
  15. 15. valor de ordem - exortação colectiva: particular ------------------- geral 3 amigas/irmanas quen for velida quen for louçana quen bem parecer Conclusão: Tenta alargar-se o âmbito do ritual. Trata-se de um apelo ás donzelas, estando presente o tópico do feminino, característico das cantigas de amigo. b) Adjectivos: velidas (v. 3) auto-caracterização louçanas (v.9) das personagens Conclusão: Também presente o tópico do auto-elogio, igualmente característico das cantigas de amigo. As donzelas sentem-se seguras e confiantes porque são amadas: "se amigo amar" (refrão). --------------------------------------- Parte em análise ----------------------------------------------- 4.3. Nível semântico 5. Classificação do texto 5.1. Género 5.2. Variedade temática 5.3. Variedade formal
  16. 16. Cantigas de Amigo Romarias ou Peregrinação "Pois nossas madres vam a San Simon" Pois nossas madres vam a San Simon de Val de Prados candeas queimar, nós, as meninhas, punhemos d' andar con nossas madres, e elas enton queimen candeas por nós e por si e nós, meninhas, bailaremos i. Nossos amigos todos lá iran por nos veer, e andaremos nós bailand'ant'eles, fremosas (en) cós, (sem manto) e nossas madres, pois que alá van, queimen candeas por nós e por si e nós, meninhas, bailaremos i. Nossos amigos iran por cousir (comtemplar) como bailamos, e poden veer bailar moças de bon parecer, e nossas madres, pois lá queren ir, queimen candeas por nós e por si e nós, meninhas, bailaremos i. Pero de Viviães (CV 336, CBN, 698) Analise da cantiga de amigo de Pero de Viviães- "Pois nossas madres vam a San Simon" --------------------------------------- Parte em análise ----------------------------------------------- 1. Estrutura externa do texto (descrição formal) 1.1. Estrutura estrófica 1.2. Estrutura métrica
  17. 17. 1.3. Estrutura rimática 2. Temática do texto 2.1. Assunto 2.2. Tema 3. Categorias da narrativa presente no poema -------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 4. Processos de enriquecimento da mensagem e seu significado 4.1. Nível fónico a) pares rimáticos nós/cós As donzelas propõem-se dançar sem manto para que os amigos melhor apreciarem as formas dos seus corpos. Esta atitude, é obviamente, mais uma técnica de sedução. A presente cantiga, juntamente com a cantiga de Airas Nunez "Bailemos nós já todas três, ai amigas" revela-nos uma faceta curiosa das donzelas da Idade Média: Elas eram hábeis sedutoras. 4.2. Nível morfosintáctico Classes de palavras a) Tempos verbais: · Presente do indicativo - van - valor de facto, futuro próximo, apresenta o facto como certo. Essa certeza atinge maior expressão na 3ª estrofe: "Bailemos, podem veer". · futuro do indicativo - iran; bailaremos; andaremos - valor de facto certo ou provável: as donzelas planeiam a sedução dos amigos. Presente do Conjuntivo - punhamos; queima - valor de exortação, de ordem. As donzelas exortam-se mutuamente a partir e revelam a sua disposição de encarregar as mães de cumprirem as tarefas relacionadas com o sagrado. b) Orações subordinadas causais: Introduzidas por "Pois". O facto de o texto começar por uma oração subordinada causal marca que é a decisão das mães de irem à romaria que permitira a realização do projecto das donzelas. Torna-se evidente um conflito de gerações mãe/filha, característico das cantigas de amigo - as motivações diferem:
  18. 18. Mãe - queimar candeias | pagar promessas | actividade sagrada Filha - bailar | convite ao amor | actividade profana 4.3. Nível semântico Figuras de estilo - Anáfora "Nossos amigos..." início da 2ª estrofe e da 3ª estrofe coloca em evidência a verdadeira razão que motiva as donzelas a acompanharem as mães à romaria: dançar diante dos namorados e serem apreciadas por eles. 5. Classificação do texto 5.1. Género Cantiga de Amigo, pois fala a donzela na 1ª pessoa "E nós, meninhas, bailaremos i." 5.2. Variedade temática Cantiga de romaria porque à referência a um local de peregrinação "Pois nossas madres vam a San Simon/de Val de Prados candeas queimar," (vs 1 e 2). 5.3. Variedade formal Cantiga de refrão - existência de refrão e na existência de paralelismo.

×