Your SlideShare is downloading. ×
Os formalismos   trabalho de línguistica - ufs slides
Os formalismos   trabalho de línguistica - ufs slides
Os formalismos   trabalho de línguistica - ufs slides
Os formalismos   trabalho de línguistica - ufs slides
Os formalismos   trabalho de línguistica - ufs slides
Os formalismos   trabalho de línguistica - ufs slides
Os formalismos   trabalho de línguistica - ufs slides
Os formalismos   trabalho de línguistica - ufs slides
Os formalismos   trabalho de línguistica - ufs slides
Os formalismos   trabalho de línguistica - ufs slides
Os formalismos   trabalho de línguistica - ufs slides
Os formalismos   trabalho de línguistica - ufs slides
Os formalismos   trabalho de línguistica - ufs slides
Os formalismos   trabalho de línguistica - ufs slides
Os formalismos   trabalho de línguistica - ufs slides
Os formalismos   trabalho de línguistica - ufs slides
Os formalismos   trabalho de línguistica - ufs slides
Os formalismos   trabalho de línguistica - ufs slides
Os formalismos   trabalho de línguistica - ufs slides
Os formalismos   trabalho de línguistica - ufs slides
Os formalismos   trabalho de línguistica - ufs slides
Os formalismos   trabalho de línguistica - ufs slides
Os formalismos   trabalho de línguistica - ufs slides
Os formalismos   trabalho de línguistica - ufs slides
Os formalismos   trabalho de línguistica - ufs slides
Os formalismos   trabalho de línguistica - ufs slides
Os formalismos   trabalho de línguistica - ufs slides
Os formalismos   trabalho de línguistica - ufs slides
Os formalismos   trabalho de línguistica - ufs slides
Os formalismos   trabalho de línguistica - ufs slides
Os formalismos   trabalho de línguistica - ufs slides
Os formalismos   trabalho de línguistica - ufs slides
Os formalismos   trabalho de línguistica - ufs slides
Os formalismos   trabalho de línguistica - ufs slides
Os formalismos   trabalho de línguistica - ufs slides
Os formalismos   trabalho de línguistica - ufs slides
Os formalismos   trabalho de línguistica - ufs slides
Os formalismos   trabalho de línguistica - ufs slides
Os formalismos   trabalho de línguistica - ufs slides
Os formalismos   trabalho de línguistica - ufs slides
Os formalismos   trabalho de línguistica - ufs slides
Os formalismos   trabalho de línguistica - ufs slides
Os formalismos   trabalho de línguistica - ufs slides
Os formalismos   trabalho de línguistica - ufs slides
Os formalismos   trabalho de línguistica - ufs slides
Os formalismos   trabalho de línguistica - ufs slides
Os formalismos   trabalho de línguistica - ufs slides
Os formalismos   trabalho de línguistica - ufs slides
Os formalismos   trabalho de línguistica - ufs slides
Os formalismos   trabalho de línguistica - ufs slides
Os formalismos   trabalho de línguistica - ufs slides
Os formalismos   trabalho de línguistica - ufs slides
Os formalismos   trabalho de línguistica - ufs slides
Os formalismos   trabalho de línguistica - ufs slides
Os formalismos   trabalho de línguistica - ufs slides
Os formalismos   trabalho de línguistica - ufs slides
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Os formalismos trabalho de línguistica - ufs slides

1,112

Published on

Published in: Education
0 Comments
2 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
1,112
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
27
Comments
0
Likes
2
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CURSO DE LETRAS – PORTUGUÊS / FRANCÊS Componentes: Maria Thaynan Valery dos Santos Priscila Elayne Yandra Eline
  • 2. A lingüística americana foi marcada a parti dos estudos das línguas ameríndias. Com o objetivo de conhecer essas línguas estadunidenses esteve integrada a antropologia. Por essa razão os lingüística americanos são especialista nas línguas ameríndias, o que também explica porque a tradição americana foi denominada pelo método descritivista. Boas que consagrou a maior parte de seus trabalhos às línguas indígenas da America, instala uma tradição, isto é, uma escola descritivista, que inspirou seus sucessores em particular SAPIR e BLOOMFIELD a desenvolver suas teorias.
  • 3. Podemos caracterizar o descritivismo pela escolha de uma abordagem teórica abstrata da linguagem destinada a produzir descrições práticas e eficaz de línguas particulares ( posição diferente da que será a partir dos anos 50, a abordagem chomyskiana, cujo objetivo será o de observar línguas particulares para chegar a uma teoria geral da linguagem).
  • 4. É uma lingüística sincrônica e favorece a emergência e, mais tarde, a dominância do paradigma estruturalista na lingüística americana, já subjacente no século XIX através da influência importante de Whitiney.
  • 5. No primeiro terço do século XX, o descritivismo toma a forma do que denominamos posteriormente distribucionalismo cujas figuras principais são Bloomfield, depois Harris e Pike, aos quais é preciso acrescentar o francês Gross, introdutor dos métodos harissianos na França.
  • 6. Em 1933, Leonard Bloomfield publicou Langage, livro que marcou o inicio de uma era na lingüística e influenciou nos trabalhos da escola distribucionalista, também denominada neobloofieldiana, que propõe uma explicação comportamental ( behaviorista) dos fatos lingüísticas.
  • 7. A teoria proposta por Bloomfield é considerada behaviorista na medida em que há sempre um contexto de estimulo, resposta na qual o significado é criado.
  • 8. Bloomfield nasceu em Chicago,E.U.A,em 1887 e faleceu em 1949 Em 1933 publica seu livro chave, Linguagem.
  • 9. O livro Linguagem era considerado como uma espécie de bíblia do estruturalismo americano. Nesta obra, Bloomfield desenvolveu o conceito de fonema. Por tanto , enquanto a obra de Saussure começava a ser conhecida na Europa e a determinar o curso da linguística ocidental, Bloomfield desenvolvia, do outro lado do Atlântico uma teoria da linguagem de natureza descritiva, conhecida como distribucionalismo, que apresentava muitos princípios básicos semelhantes ao formalismo de Saussure.
  • 10.  Começou a tomar feições originais a partir de 1920  Dois nomes se elevaram acima da linha acadêmica: Edward Sapir e Leonard Bloomfield
  • 11. Concordam em priorizar o estudo da forma Bloomfield Sapir Mecanicista Mentalista
  • 12. Bloomfield adota uma perspectiva behaviorista ou seja comportamento. Enquanto Sapir fala de uma realidade psicológica do fonema. Bloomfield é explicitamente anti- mentalista.
  • 13. Comportamento humano é explicável a partir de dados externos. Linguagem é um comportamento e pode então ser estudada de maneira externa.
  • 14. Boomfield considera que a explicação dos fenômenos de linguagem ainda não é possível. Recursa todo historicismo e todo funcionalismo. O descritivismo de Bloomfield implica igualmente uma exclusão da significação: ele recusa a concepção mentalista do significado. Descrição é considerada impossível porque a apreensão desse conjunto é impossível.
  • 15. Significado é a forma linguística como a situação na qual o locutor a enuncia e a resposta resposta que ele provoca da parte do ouvinte. Apresenta uma definição por meio de duas formulações: Negativa e Positiva Negativa: ataca a postura mentalista e serve de apoio para a apresentação da concepção mecanicista e fisicista da significação. Positiva: de inspiração behaviorista.
  • 16. -A significação sobre o prisma do behaviorismo -A crítica à concepção mentalista da significação e a afirmação do mecanicismo. As noções de imagem mental ou de sentimentos não fazem mais do que recobrir movimentos muito concretos do corpo, classificados por ele em três tipos:
  • 17. Os processos de larga escala, são representados por formas de discursos convencionais. Ex: Eu tenho fome(eu estou bravo, apavorado etc.)  As contrações musculares e as secreções glandulares em escala reduzida, que diferem de pessoa para pessoa. Os movimentos silenciosos dos órgãos vocais que substituem os movimentos do falar e não são perceptíveis aos outros.
  • 18. O postulado fundamental da linguística é uma reflexão sobre a enunciação. Propõe uma organização das formas linguísticas da língua. As formas linguísticas sãos as unidades de sinal(Bloomfield fala em alguns momentos de “formas de sinal” ).
  • 19. Bloomfield distingue dois tipos de forma linguísticas: Formas lexicais: combinação de fonemas que possui um sentido estável em uma comunidade linguística Formas gramaticais: combinação de taxema.
  • 20. Bloomfield define a gramática de uma língua como um sistema de arranjo das formas linguísticas. Ele define quatro tipos de arranjos: • A ordem. • A modulação • A modificação fonética • A seleção das formas
  • 21. Harris nasceu em Belta,Ucrânia(1909- 1992). Foi um linguística americano,bastante conhecido pelo seu trabalho distribucionalista.
  • 22. O trabalho dele se desenvolveu em três grandes etapas: Methods in Structural Linguistics – 1947 Mathematical Structure of Language – 1968 A Grammar of English on Mathematical Principles - 1982
  • 23. Os objetivos da linguística distribucional Para Harris o objetivo é mostrar, a partir da observação de um corpus finito de enunciados naturais, que o sistema da língua funciona segundo regularidades demonstráveis. Os métodos da descrição linguística Unidades estruturais da língua Determinação das regras Dois planos na língua Elementos fonológicos Elementos morfológicos
  • 24. Unidade da língua Os elementos fonemáticos Os elementos morfemáticos A distribuição Distribuição e significação
  • 25. Das unidades as frases Em segundo momento de sua pesquisa, nos anos de 1960, Harris interessa-se pelos planos da frase e do discurso,naturalmente,animado pela sua concepção das unidades da língua que repousa na hierarquização. A noção de transformação A transformação é uma ferramenta de ordenamento da língua. A análise do discurso Ele inventa a expressão análise do discurso, em 1952,em um artigo da revista Language.
  • 26. A analise de discurso de Harris tem por objetivo mostrar que as frases não se encadeiam arbitrariamente, que existe uma gramática desse encadeamento da gramática da língua, mas de que analise distribucional pode dar conta. O que seus sucessores, ligados as outras correntes ou em outros continentes, mostraram amplamente nos últimos cinquenta anos.
  • 27.   Nasceu em 9 de Junho de 1912 e faleceu em 31 de dezembro 2000. Também conhecido como Ken Pike. Estudou teólogo no Gordon College, obtendo graduação em 1933. Inicialmente queria servir de missionário na China, sendo negado o pedido, foi estudar idiomas ameríndios na sociedade internacional de linguística, na Universidade de Cklahomo em 1935, onde aprendeu o idioma misteca com falantes nativos do México.
  • 28. • Kenneth Pike pertence a outra vértice da sucessão bloomfieldiana: embora Harris aprofunde e formalize o postulado da centralidade da forma isolada no estudo da língua, Pike escolhe priorizar a dimensão funcional e semântico. Sua posição expressa por meio do que ele denominou tagmêmica, aparece então oposto ao distribucionalíssimo estrito de Harris. • Pike, linguística, antropológico, poeta e filósofo cristão, considera ter dois possíveis pontos de vista sobre os acontecimentos humanos: - Um ponto de vista externo, formal, sem hipótese sofre a função dos acontecimentos observados; esse é o ponto de vista que ele chama ético ( do inglês etec, maldado a partir de phonetic); para Pike, essa é a posição bloomfieldiana e harrissiana.
  • 29. - Um ponto de vista interno, semântico que integra a interpretação dos acontecimentos mediante sua função no mundo: esse é o ponto de vista êmico ( de emic, construído a partir de phonemic). Pike considera que o ponto de vista ético deve servir apenas como ponto de partida para uma investigação êmica dos acontecimentos humanos e das produções linguageiros em partículas.
  • 30. Para Pike, a linguagem não pode ser vista como sistema autônomo observável sem recurso a seu exterior. Ela é antes de tudo o que implica na relação com outros domínios da atividade humana ( Pike assume plenamente o behaviorismo de Bloomfield). A linguística inspirou-se em outras ciências humanas em partículas a psicologia, a sociologia e a antropologia. Sua concepção se exprime nos quatros afirmações seguintes: 1. A linguagem é um tipo de comportamento humano: • É uma fase da atividade humana que não deve ser tratada em sua essência como estruturalmente separada da atividade não verbal.
  • 31. 2. A linguagem deve ser considerados no contexto das relações humanas como um todo: • A atividade do homem constitui um todo estrutural, na medida em que não poder ser dividido em cortes, de níveis de compartimentos bem nítidos em que a linguagem estaria situada em um módulo comportamental, isolada dos outros comportamentos no plano de suas característicos de seu conteúdo e organização. A atividade verbal e não verbal é um todo unificado tanto na teoria quanto na metodologia, deveriam estar estabelecidos para trata-lo enquanto tal. 3. Uma teoria da linguagem é aplicável aos outros comportamentos humanos e às combinações de comportamentos verbais e não verbais: tratando de uma teoria unificada. 4. O comportamento humano é estruturado, ele não é fruto do acaso.
  • 32. Pike enuncia quatro postulados universais afirmados para todo comportamento humano: 1. Todo comportamento intencional incluindo a linguagem, é dividido em unidade. A unidade distintiva de todo comportamento é o behaviorema ( termo formado por analogia com fonema, morfema, etc.) 2. As unidades são produzidas no contexto, O contexto afeta a forma: as frases devem ser sempre examinados em contexto pois a escolha do tipo de discurso afeta as unidades que o discurso é composto. 3. As unidades são organizadas de forma hierárquica. A noção da hierarquia é a pedra angular da tagmêmica: unidades menores manifestam-se como partes de unidades maiores. As unidades hierarquia gramatical são o morfema, a palavra, a expressão, a proposição, a frase, o parágrafo, o discurso monológico, a troca dialogada e a conversação.
  • 33. 4. Todo item ( todo fenômeno linguageiro) pode ser visto segundo diferentes perspectivas. Pike define três perspectivas que emergiriam três objetos diferentes, as partículas, as ondas e os campos: a- A perspectiva define o item em partícula. Sob esse ângulo, o item é discreto, individual. As palavras por exemplo são partículas. b- A perspectiva dinâmica define os itens em ondas. É a dinâmica dos itens que é preciso levar em conta, isto é, a maneira pela qual eles se imbricam uns aos outros e transformam-se em ondas. c- A perspectiva relacional leva a observação das relações das unidades no sistema. Uma série total de relações é um campo. As palavras que são interligadas umas às outras na língua, se inscrevem em um campo; encontradas em um contexto, diz-se que elas se inscrevem em um campo de discurso.
  • 34. Pike define a unidade como a associação do traço ( feature), definível por oposição com outras unidades, da manifestação ( realização no discurso) e da distribuição ( papel nas unidades mais amplas). Ele resume essa definição na fórmula: U=FMD. Retomando a noção do tagmema ( já mencionada por Bloomfield para quem o tagmema é um conjunto de taxemas). Pike a considera a unidade da gramática e propõe a seguinte definição: é a correlação de uma função gramatical específica com a classe de itens que assumem essa função. O tagmema se manifesta em um lugar particular, em uma frase onde desempenha uma função ( sujeito, predicado, núcleo, modificador) que os itens de sua classe são capazes de exercer.
  • 35. Caixa 1 ONDE ( nuclear ou marginal na sequência) [= Lugar]   Caixa 3 QUAL ou O QUE [=Classe]     Caixa 2 POR QUE [=Papel ou função]   Caixa 4 COMO É RELACIONADO ( no código, o quadro ou a referência, o universo do discurso, o tempo, o espaço ou a anáfora) [=Coesão]  
  • 36. O tagmêmica tem como objetivo final fornecer uma teoria que integre a informação lexical, gramatical e fonológica. Pike consequentemente, propôs uma teoria tagmêmica do discurso que é praticamente ignorada na França. Pike publicou vários trabalhos que tem por objeto o texto do discurso. Exemplo disso, foi seu estudo sobre “instruções de montagem de uma churrasqueira” apresentado e 1981. Ele utiliza a noção de universo de discurso. A tagmêmica é atualmente continuada pelos trabalhos de Longacre sobre as tipologias das formas de discurso.
  • 37. Maurice Gross, foi um linguista francês que desenvolveu a partir do fim da década de 1960 o léxico-gramática, um método e uma prática efetiva de descrição formal das línguas.
  • 38.  A base teórica que fundamenta o léxico-gramática é o distribucionalismo de Zellig S. Harris, e em especial, a noção de transformação. As convenções de notação para a apresentação das informações gramaticais são concebidas para ser o mais simples e transparentes possível. A metodologia do léxico-gramática está inspirada nas ciências experimentais e dá enfoque à coleta dos fatos e, consequentemente, à conferição com a realidade dos usos linguísticos, do ponto de vista quantitativo (descrição metódica do léxico) e qualitativo (precauções metodológicas).
  • 39. A posição de Gross é a de um empirismo; Fiel aos postulados harrissianos, Gross opta por tentar uma exploração sistemática da língua francesa (1975, p.10) O que é empírico – Que só se guia pela experiência e não pelo estudo.
  • 40.  Gross organiza e dirige um trabalho sistemático de análise da estrutura sintático-semântica do francês.  Um método de análise transformacional derivado dos métodos propostos por Harris.  Ele usa critérios formais, que não levam em consideração o sentido.  Os resultados obtidos pela aplicação desses princípios metodológicos por algumas dezenas de linguistas durante algumas dezenas de anos fazem do léxico-gramatica uma empresa sem precedentes. Limitando-se ao francês, foram estabelecidos em torno de 13.000 entradas verbais, 10.000 entradas nominais, 12.000 entradas de frases fixas, 11.000 entradas adverbiais.  Desse total 75.000 entradas, 98% foram cruzadas e confrontadas com centenas de propriedades sintático-semânticas.
  • 41.  As primeiras concernem às frases elementares, de um só verbo:  A passivação;  A pronominalização;  A posposição do sujeito;  As transformações unitárias estabelece a relação de sentido entre as frases, que combinam duas estruturas. Ex: Zé salpica o bolo com um pouco de açúcar. Zé salpica um pouco de açúcar no bolo. Zé vai salpicar esse açúcar todo no bolo. Zé vai salpicar o bolo com esse açúcar todo.  As transformações binárias são as que permitem ligar duas frases elementares entre si. Ex: Max leu três desses livros e Luc recomendou doze livros a Max.
  • 42. Objetivo:  É associar aos critérios sintáticos;  Critérios semânticos; afim de articular os sentidos e o comportamento sintático;  Mas no começo da década de 1990 essa situação mudou aos construtores do léxico-gramática de recorrer cada vez mais facilmente a uma terceira precaução metodológica: o A utilização de exemplos atestados no corpus. Com efeito, por outro lado, com a criação do sistema Intex.
  • 43. O léxico-gramática assume claramente uma postura taxonômica, ou seja, recorrendo às palavras de Maurice Gross, o exame sistemático do léxico constitui um meio, certamente o único no momento atual, de aprender uma língua de maneira global, isto é, de construir uma imagem da língua que tenha uma característica de... Maurice Gross critica alguns princípios básicos da gramatica gerativa, como construção de modelos. ... a gramatica gerativa opõe a construção de modelos lógico- informático matemáticos a uma abordagem descritiva, qualificada de procedimental.
  • 44.   Noam Chomsky (Filadélfia, 7 de dezembro de 1928) é um linguista, filósofo e ativista político estadunidense. Tornou-se conhecido por suas críticas contra a política externa americana. É professor do Massachusetts Institute of Technology. Desenvolveu uma teoria que revolucionou o estudo da linguística.
  • 45. A importância dos trabalhos de Noam Chomsky pode ser medida pela sua repercussão mundial da linguística. O modelo gerativista se propõe explicar as manifestações da aquisição de linguagem partindo do principio de que a criança já nasce dotada de ”... uma capacidade inata de aquisição da linguagem”. A aquisição de uma língua materna é o resultado direto do amadurecimento dessa criança, ou seja, uma consequência de sua capacidade de formular suposições, respostas às questões que lhe surgem e de procurar e encontrar algumas semelhanças presentes na língua a ser adquirida.
  • 46. Chomsky é um aluno de Harris, marcado por seu trabalho sobre a tradução automática no MIT Instituto de Tecnologia de Massachusetts ( Massachusetts Institute of Technology – ESTADOS UNIDOS). Ele contesta o princípio harrisiano do corpus finito de enunciados naturais : se ele recebe e aceita a herança da formalização e do transformacionalismo, ele recusa a do empirismo descritivista.
  • 47. Chomsky propõe essa teoria em que uma das características é a evolução dos modelos: ele expõe o que chamamos sua “ teoria padrão” nos anos 50 e 60, depois a “ teoria padrão ampliada” nos 70, e propõe um último modelos nos anos 80, com desenvolvimentos nos anos 90: a “ teoria dos princípios e parâmetros”. Essa teoria muda a concepção que se tem da gramática universal. Segundo esta, a gramática universal é formada por princípios invariantes que são aplicadas do mesmo modo para todas as línguas, e parâmetros , onde os valores de acordo com cada língua, que dão origem às mudanças entre as línguas e as mudanças dentro da própria língua.
  • 48. Trata-se de uma teoria das estruturas linguísticas exposta no livro Syntactic Structures - Estruturas Sintáticas (1957). Ela é centrada na sintaxe, que é para Chomsky o centro da análise de uma língua: para ele, a sintaxe é autônoma, e ela deve permitir “construir uma teoria geral formalizada a estrutura linguística e explorar os fundamentos de uma tal teoria”. A sintaxe é o estudo dos princípios e dos processos segundo os quais as frases são construídas nas línguas particulares. O estudo sintático de uma língua tem como objetivo a construção de uma gramática que pode ser considerada uma espécie de mecanismo que produz as frases da língua tomada para análise. (CHOMSKY, 1957) A sintaxe é o estudo dos princípios e dos processos segundo os quais as frases são construídas nas línguas particulares. O estudo sintático de uma língua tem como objetivo a construção de uma gramática que pode ser considerada uma espécie de mecanismo que produz as frases da língua tomada para análise. (CHOMSKY, 1957)
  • 49. Chomsky examina, no quadro de um modelo teórico da comunicação, o caso da máquina que parte de um estado inicial para chegar a um estado final. “ Suponha que o mecanismo comece no estado inicial, percorra uma sequência de estados (produzindo uma palavra em cada transição), e termine no estado final. Chamamos a sequência de palavras produzida de “frase”. Cada máquina, então define uma determinada língua, isto é, o conjunto de frases que podem ser produzidas dessa forma. Qualquer língua que possa ser produzida por um mecanismo desse tipo, nós denominamos de língua de estado finito.” ( Chomsky ) • É uma descrição em termos de estrutura sintagmática. O modelo propõe um conjunto de “ fórmulas de instrução ” que permitem engendrar frases por meio de um procedimento de derivação.
  • 50. O modelo da GT vai prolongar a melhorar o dos constituintes. Chomsky introduz novas regras, chamadas “ transformações gramaticais”. Uma t ransf ormação gramat i cal T opera sobre uma sequênci a dada [ . . . ] que possui uma est rut ura si nt át i ca dada, e a convert e Em uma nova sequênci a dando- l he uma nova est rut ura si nt agmát i ca deri vada. ( 1957) É uma “gramática gerativa que inclui também o conceito de transformação, ou seja, a aplicação de um conjunto de regras que convertem uma estrutura profunda de uma língua em estrutura superficial”
  • 51. Chomsky propôs uma arquitetura geral da gramática, organizada em três níveis sucessivos: • ESTRUTURA SINTAGMÁTICA : é o nível da construção de sequências de morfemas organizadas. • ESTRUTURA TRANSFORMACIONAL: as sequências de morfemas são submetidas ás transformações que produzem sequências de palavras. • MORFOFONOLOGIA: as sequências de palavras são convertidas em sequências de fonemas.
  • 52. Em 1965, no livro Aspectos da Teoria Sintática, Chomsky propõe uma teoria geral, que introduz dois conceitos que se tornam centrais em linguísticas que são as competência/ desempenho e estruturas profundas/superficiais, que dão uma dimensão metalista a seu modelo, uma vez que implicam a presença de esquemas internas ao sujeito, anteriores à produção das frases.
  • 53. Chomsky situa o trabalho do linguista ao lado da competência dos locutores, isto é, dos conhecimentos intuitivos que um sujeito falante tem de sua língua e de suas estruturas: Uma gramática não é um modelo do locutor ou do ouvinte [...] ela tenta caracterizar, da maneira mais neutra, o conhecimento da língua que fornece sua base à colocação em ato efetivo da linguagem pelo locutor-ouvinte ( 1965) Uma gramática não é um modelo do locutor ou do ouvinte [...] ela tenta caracterizar, da maneira mais neutra, o conhecimento da língua que fornece sua base à colocação em ato efetivo da linguagem pelo locutor-ouvinte ( 1965) A gramática transformacional postula a existência de transformações a partir de frases nucleares e, a partir disso, propõe que duas frases aparentemente diferentes baseiam-se em uma mesma estrutura profunda, comum às duas frases antes da transformação. EXEMPLOS: PIERRE PROMETE A MARIA VIR PIERRE PERMITE A MARIA VIR EXEMPLOS: PIERRE PROMETE A MARIA VIR PIERRE PERMITE A MARIA VIR
  • 54. • Componente sintático: é constituído pelas regras de reescrita que produzem esquemas sintáticos e pelas transformações que permitem o engendramento das estruturas superficiais a partir das estruturas profundas. • Componente semântico: está relacionado à interpretação, é constituído pelo conjunto dos dados necessários à compreensão; ele é articulado ao componente sintático no nível das estruturas profundas. • Componente fonológico: é o que está mais ligado às línguas particulares, e as variações são, por conseguinte, mais importantes.

×