Your SlideShare is downloading. ×
0
Tp1
Tp1
Tp1
Tp1
Tp1
Tp1
Tp1
Tp1
Tp1
Tp1
Tp1
Tp1
Tp1
Tp1
Tp1
Tp1
Tp1
Tp1
Tp1
Tp1
Tp1
Tp1
Tp1
Tp1
Tp1
Tp1
Tp1
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Tp1

1,454

Published on

Published in: Technology
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
1,454
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
20
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Ministério da Educação
  • 2. TP1 LINGUAGEM E CULTURA
  • 3. Unidade 1 Variantes Linguísticas: dialetos e registros
  • 4. Relacionar língua e cultura. Seção 1 Objetivo
  • 5. O ramo da Lingüística chamado Sociolingüística, que se tem ocupado sobretudo da caracterização e do uso das variações lingüísticas, não é novo.
  • 6. Há muito tempo esses estudos teóricos vêm sendo realizados, tanto na Europa como nas Américas (inclusive no Brasil) , mas é bem mais recente sua aplicação ao ensino/aprendizagem de línguas, especialmente da língua materna.
  • 7. Essa aplicação está vinculada a outros avanços na compreensão da forma como se dá a aquisição e o desenvolvimento da linguagem e da própria concepção de linguagem.
  • 8. Entendemos agora a linguagem não como uma simples forma de comunicação (em que se valorizava sobretudo o locutor/emissor) , mas como interação, na qual os sujeitos envolvidos realizam uma ação de mão dupla, um influindo sobre o outro, em função do lugar que ocupam nessa interação.
  • 9. Reconhecer locutor e interlocutor como igualmente importantes no processo de interação, percebê-los como co-autores, exige um aprofundamento na análise das condições em que eles interagem.
  • 10. Reconhecer locutor e interlocutor como igualmente importantes no processo de interação, percebê-los como co-autores, exige um aprofundamento na análise das condições em que eles interagem.
  • 11. Crônica p. 15
  • 12. Podemos conceituar cultura como o conjunto de ações pensamentos e valores de uma pessoa ou de uma comunidade.
  • 13. Os valores tanto pessoais quanto dos grupos são constituídos historicamente: expressam a cultura dessas pessoas ou grupos e dependem basicamente das experiências de vida do indivíduo e de seu grupo, ocorridas em determinada época e lugar.
  • 14. A língua é, ao mesmo tempo, a melhor expressão da cultura e um forte elemento de sua transformação. A língua tem o mesmo caráter dinâmico da cultura.
  • 15. Identificar os principais dialetos do Português. Seção 2 Objetivo
  • 16. As incontáveis possibilidades de uso que qualquer língua oferece à comunidade que a usa são a melhor prova de que ela é um sistema, sim, mas aberto e em construção.
  • 17. A língua apresenta certas regularidades que todo falante deve seguir, sob pena de não criar um enunciado reconhecido como da língua e de não ser compreendido.
  • 18. São exemplos sempre repetidos: você não pode usar o artigo em outro lugar que não seja anteposto ao substantivo a que ele se refere: (* Poeta o é famoso) não pode usar uma preposição depois do termo regido (*Nós gostamos muito sorvete de)
  • 19. Um exemplo a mais: no português, é obrigatória alguma marca de plural, para fazer a concordância de número. Essa marca pode variar, conforme os usos dos grupos sociais. Os meninos doentes choravam sem parar. Os menino (ou minino) doente chorava sem parar (ou pará).
  • 20. A língua tem regularidades, um sistema a ser seguido. Mas, como é um sistema aberto, a língua oferece inúmeras possibilidades de variação de uso, que criam, junto com o contexto, interações sempre novas e irrepetíveis.
  • 21. As variações da língua são de duas ordens: 1- as variantes comuns a um grupo, chamadas dialetos; 2- as variantes do uso de cada sujeito, na situação concreta de interação, chamadas registros.
  • 22. Avançando na Prática p. 23
  • 23. O que é norma? É a forma de cada grupo usar a sua língua
  • 24. O sujeito aprende a sua língua em convívio com a família, amigos, enfim pessoas que estão ao seu redor e participam do seu cotidiano. Cada um vai assimilando os usos lingüísticos daquele grupo, ainda que construindo a seu modo esse seu saber.
  • 25. Essa norma de cada grupo constitui o que mais comumente chamamos DIALETO.
  • 26. Norma Padrão X Norma culta Idioleto X Dialeto Linguagem formal X Linguagem “Coloquial”
  • 27. Norma Padrão X Norma culta Idioleto X Dialeto Linguagem formal X Linguagem “Coloquial”

×