• Like
2semiotica
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

2semiotica

  • 5,034 views
Published

Semiótica - dos clássicos aos modernos

Semiótica - dos clássicos aos modernos

Published in Design , Technology , Spiritual
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
No Downloads

Views

Total Views
5,034
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
223
Comments
0
Likes
2

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. II. SEMIÓTICA e SEMIOLOGIA
  • 2. 1. O que é semiótica e semiologia?
    • A semiótica é uma filosofia cientifica da linguagem. Seu campo de estudo trata dos signos e dos processos significativos e da maneira como se relacionam na natureza e na cultura (semiose: criar e recriar significações).
      • 0 objeto de investigação são todas as linguagens possíveis.
      • Servem para a descrição, analise e interpretação da dimensão representativa dos objetos, processos e fenômenos.
    • A semiologia é o estudo dos signos especificamente criados pelos homens, A lingüística é um ramo da semiologia.
    A semiologia faz parte da semiótica ou a semiótica faz parte da semiologia?
  • 3. Criar e interpretar os signos é uma atividade que possibilita a linguagem e a linguagem possibilita a formação das sociedades. Pré - história e primeiras civilizações Pintura rupestre, Boca de Lapa do Sol, Brasil Máscaras "Savi", Rio Sepik, Nova Guiné Livro dos mortos 2635 a 2154 a.C. Escultura suméria, Irak, Tell Asmar, 2,900 - 2,600 a.C.
  • 4. A preocupação com a definição dos signos aparece nos Diálogos sobre a Linguagem de Platão. Semeion = signo Sema = sinal Grécia Clássica Cerâmica, Édipo, 470 a.C. Cerâmica, “A música “ 470 a.C . Atividade mito-poética = atividade semiótica Significar: revelar o escondido
  • 5. A Idade Média se caracteriza por um esforço interpretativo do mundo que tem origem: - Na disposição para prolongar a atividade mito poética do homem clássico através de uma sensibilidade ao sobrenatural. - Na codificação secreta dos cristãos perseguidos pelos romanos que depois se converte em um sistema pedagógico e em política cultural. - Na fuga do real da condição endêmica de angustia e de insegurança. O repertório simbólico é uma reação imaginativa ao sentimento de crise. Idade Média Simbolismo aberto ao conhecimento popular
  • 6. Aliud dicitur aliud demostratur O texto diz sempre alguma coisa diferente do que parece dizer Visão simbólico alegórica do universo: todo efeito é signo da própria causa Não se distingue símbolo de alegoria A alegoria transforma o fenômeno em conceito e o conceito em imagem.O particular vale como emblema universal. Dizer alguma coisa diferente do sentido literal. O símbolo transforma o fenômeno em idéia e a idéia em uma imagem por convenção ou regra. No símbolo não existe similaridade obvia entre o signo e o significado
  • 7. Hermenêutica: interpretação dos textos bíblicos Sentido literal – enunciado – ensina os fatos Sentido alegórico – ensina o que deves crer Sentido moral - ensina o que deves fazer Sentido anagôgico – ensina ao que deves tender Santo Agostinho funda a teoria dos signos: “ O signo é toda coisa que faz vir à mente alguma coisa além da impressão que a própria coisa causa aos nossos sentidos”
  • 8. Renascimento Nicolau de Cusa – conceito de forma formarum : pluralidade dos mundos. – conceito de contração : conciliação dos opostos Deus esta no universo inteiro e em cada coisa do universo contrai-se o universo inteiro (o centro em toda parte e a circunferência em lugar nenhum) Marsílio Ficino – Simpatia e semelhança : cosmos é uma rede de influencias em que o homem pode dominar por meio da astrologia, da simpatia e do talismã. Simbolismo hermético, permitido só aos iniciados Se o mundo é infinito e se todos os seres podem aparentar se segundo uma rede continuamente mutável de simpatias e semelhanças o simbolismo sempre permanecera aberto. Quanto mais aberto tanto mais misterioso e fechado aos não iniciados.
  • 9. Barroco - Iluminismo S. XVII Francis Bacon – código binário John Locke – Doutrina dos signos “Semeiotike”: distingue as idéias (signos que representam as coisas) e as palavras (signos que representam idéias) Thomas Hobbes – signos: rede de tramas mentais S. XVIII Johann Lambert Tratado “Semiotik” Limiar semiótico: Abaixo: sensações involuntárias, Acima: signos com cognição simbólica Diderot : linguagem distorção da realidade (linguagem não verbal superior) Iconicidade : correspondência entre signo e mundo J.L. David, “O juramento dos Horatii”, 1784 Leonardo Flores, Santa Margarita, S.XVIII, Bolívia
  • 10. Símbolo: pluralidade inaferrável dos sentidos, continua levitação do significado Revalorização da metáfora como meio do conhecimento O discurso artístico vai se diferenciando do discurso filosófico Estética do idealismo: autonomia Eugene Delacroix, “A liberdade guiando o povo” 1830
  • 11. 2. Semiótica e semiologia modernas 1857-1913 1839-1914 A semiótica moderna Ferdinand de Saussure Semiologia Charles Sanders Peirce Semiótica Sistema binário Sistema triádico Significado – Significante Representamen – Objeto - Interpretante
  • 12. a) Sistema binário Significado – significante CADEIRA Semiologia : o estudo do sistema de signos na vida social
  • 13. Relações sintagmáticas Horizontal – o signo mantém associação com o signo que esta antes e com aquele que vem depois. Elementos explícitos: in presentia Hoje faz calor Relações paradigmáticas Vertical – se reporta à língua que é um registro semântico estável. Elementos implícitos: in absentia Ontem fez frio : o oposto ausente
    • Dicotomia dos tipos de relações no signo
    • Relações sintagmáticas
    • Relações paradigmáticas
  • 14. Dicotomia entre língua e fala : o primeiro o uso social (o sistema) e o segundo o uso individual (a norma) Dicotomia entre sincronia (atual) e diacronia (anterior) Dicotomia entre tipos de normas, diatópicas (variantes regionais) e diastráticas (variantes culturais) Estou estudando - Estou a estudar To estudando Romaria Tu podes Você pode
  • 15. Primeira tricotomia: a tricotomia do signo Signo (representamen) – objeto – interpretante I Quali-signo, sin-signo, legi-signo Quali – signo Qualidade sígnica imediata Sin - signo Qualidade sígnica singularizada Legi – signo Convenção substitutiva, normas, padrões a) Sistema triádico
  • 16. Signo (representamen) – objeto – interpretante I ícone – índice - símbolo Ícone – semelhança Índice – relação direta sem ser semelhante Símbolo – arbitrário e convencional $ Segunda tricotomia: a tricotomia do signo - objeto
  • 17. Signo (representamen) – objeto – interpretante I rema, dicente, argumento Terceira tricotomia: a tricotomia do signo - interpretante Rema - termo Não informa nem justifica Vestido Dicente – informa Mas não justifica Vestido de grife cara
    • Argumento – persuasivo
    • Justifica
    • Dedutivo
    • Indutivo
    • Abdutivo
    • Vestido de grife cara, por tanto para festa especial
  • 18. Signo Quali-signo Transparente, líquido preto, vidro, liso Sin-signo Forma curvilínea 25cm de altura por 8 de diâmetro maior Legi-signo Manual de fabricação Objeto Ícone Ilustração da Garrafa Índice Consumismo Símbolo Jovialidade Interpretante Rema O que é? Bebida Para que serve? Matar a sede O que é para mim? Bebida gaseificada doce Dícente “ Essa porcaria é gostosa” Argumento Sucesso de Marketing e vendas no mundo SIGNO Diagrama sintético do signo
  • 19. WEBTECA
    • Panorama da Semiótica: de Platão a Pierce, por Winfried Noth googlebooks
    • O que é Semiótica, por Lucia Santaella , ISSUU
    • Semiótica, perguntas e respostas, Centro de Estudos Peirceanos
    • Iconicidade e Verossimilhança, semiótica aplicada ao texto verbal, por Darcilia Simões