Samba nfs
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Samba nfs

on

  • 944 views

 

Statistics

Views

Total Views
944
Views on SlideShare
913
Embed Views
31

Actions

Likes
0
Downloads
32
Comments
0

2 Embeds 31

http://tarcisioti.blogspot.com 27
http://tarcisioti.blogspot.com.br 4

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Samba nfs Samba nfs Presentation Transcript

    • UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PIAUÍ – UESPI Bacharelado em ComputaçãoSAMBANFSTarcísio Franco Jaime
    • UESPI – Universidade Estadual do Piauí - OPTATIVA I Samba  Foi criado para comunicação com protocolo NetBEUI no Windows.  Criado através da análise do tráfedoProf. Tarcísio Franco NetBIOS da rede. NetBIOS é a forma de como os dados são transportados.  Soluções em ambiente Unix para interligar redes heterogênias.
    • UESPI – Universidade Estadual do Piauí - OPTATIVA I Samba  Para o samba funcionar dois daemons são necessários: – nmbd : responsável pelo serviço de pesquisa e resolução de nomes.Prof. Tarcísio Franco – smbd: compartilhamentos de arquivos e impressoras e autenticação.
    • UESPI – Universidade Estadual do Piauí - OPTATIVA I Samba  Configuração do samba está disponível no arquivo /etc/samba/smb.conf  O arquivo é dividido em seções eProf. Tarcísio Franco parâmetros  As seções são definidas através dos couchetes “[ ]”
    • UESPI – Universidade Estadual do Piauí - OPTATIVA I Samba  Alguns nomes de seções são reservados para configurações específicas: – [global] : define configurações gerais tendo efeito a todos osProf. Tarcísio Franco compartilhamentos no servidor. – [homes] : acesso ao diretório home do usuário que tem permissão. – [printers] : opções gerais para controle das impressoras do sistema. Mapeia /etc/printcap
    • UESPI – Universidade Estadual do Piauí - OPTATIVA I Samba  Alguns nomes de seções são reservados para configurações específicas: – [profile] : define configuração do usuário Roaming Profiles.Prof. Tarcísio Franco Qualquer outra seção no arquivo smb.conf é tratado como compartilhamento. Ex.: [secao], [alunos], etc
    • UESPI – Universidade Estadual do Piauí - OPTATIVA I Samba  Nomes e grupos – netbios name = [nome do servidor] • Especifica o nome NetBIOS primário do servidor SambaProf. Tarcísio Franco – workgroup = [grupo de trabalho/dominio] • Diz qual o nome do grupo de trabalho/dominio a que o servidor Samba pertencerá – Server string = [identificacao] • Identificação enviada do servidor Samba para o ambiente de rede
    • UESPI – Universidade Estadual do Piauí - OPTATIVA I Samba  Restrições de acesso – guest account = [conta] • Define a conta local de usuário que será mapeada quando um usuário se conectar semProf. Tarcísio Franco senha(usuário guest) – invalid users • Define uma lista de usuários ue não terão acesso aos recursos do servidor ou compartilhamento – valid users • Semelhante ao invalid, mas permite somente os usuários especificados tenham acesso
    • UESPI – Universidade Estadual do Piauí - OPTATIVA I Samba  Níveis de autenticação – Security = [nivel] • Shared – usada principalmente quando apenas a senha é enviada por compartilhamento acessado para o servidor.Prof. Tarcísio Franco • User – o usuário precisa ter uma conta de usuário no linux para acessar seus compartilhamentos. • Domain – neste nível, o acesso só será prmitido quando a máquina for adicionada ao domínio com o smbpasswd. A conta de usuário será validada em um servidor PDC (controlador de domínio) • Server – a máquina Samba tentará autenticar o usuário em outro servidor. É usado quando configuramos um servidor de perfis de usuário ou logon separado do PDC.
    • UESPI – Universidade Estadual do Piauí - OPTATIVA I NFS – Netword File System • Protocolo foi desenvolvido originalmente para compartilhamento de arquivos UNIX e foi herdado pelo Linux •Prof. Tarcísio Franco Permite que diretórios sejam exportados para serem usados por clientes. • Permite montar compartilhamentos remotos. • É um serviço que pode ser totalmente transparente ao usuário.
    • UESPI – Universidade Estadual do Piauí - OPTATIVA I NFS – Netword File System • Para exportar usa-se, /etc/exports, com seguinte formato: diretorio maquina1(opçoes) maquina2(opçoes)Prof. Tarcísio Franco – diretório:caminho completo do diretório que será compartilhado – maquina1 e maquina2: define os computadors clientes que poderão ter acesso ao diretório, pode ser nome ou IP
    • UESPI – Universidade Estadual do Piauí - OPTATIVA I NFS – Netword File System • Para exportar usa-se, /etc/exports, com seguinte formato: diretorio maquina1(opçoes) maquina2(opçoes)Prof. Tarcísio Franco – opcoes : definem o tipo de acesso ro – o diretório écompartilhado somente como leitura. Opção padrão. rw – os cliente NFS, poderão ler e gravar no_root_squash – o superusuario da máquina cliente terá o mesmo nível de acesso na maquina servidora noaccess – nega o acesso ao compartilhamento
    • UESPI – Universidade Estadual do Piauí - OPTATIVA I NFS – Netword File System • Montar compartilhamento: mount -t nfs servidor:/home/publico /mnt/publicoProf. Tarcísio Franco • O serviço de NFS utiliza-se de alguns processos: – Portmap – Mountd – Nfsd – Statd – rquotad