Vegetais2007

4,829 views
4,647 views

Published on

cvbc

Published in: Technology
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
4,829
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
124
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Vegetais2007

  1. 1. O reino vegetal Outubro - 2007
  2. 2. O reino vegetal Classificação das plantas -de acordo com a evolução: vegetais inferiores (algas superiores:algas verdes, pardas e vermelhas), inter- mediários (briófitas e pteridófitas) e superiores (gim- nospermas e angiospermas); -de acordo com a presença de vasos: atraqueófitas (sem vasos: algas superiores e briófitas) e traqueófi- tas (com vasos: pteridófitas, gimnospermas e angios- permas); -de acordo com a localização dos órgãos reprodutivos: criptógamas (sem flores, órgãos reprodutivos inter- nos: algas superiores, briófitas e pteridófitas) e fane- rógamas ou espermatófitas (com flores e sementes: gimnospermas e angiospermas). A nomenclatura botânica considera cinco divisões no reino vegetal (taxonomicamente correspondentes aos filos animais): clorófitas, feófitas, rodófitas, briófitas e traqueófitas.
  3. 3. O reino vegetal Veja: - as clorófitas ou clorofíceas são as algas verdes; - as feófitas ou feofíceas são as algas pardas; - as rodófitas ou rodofíceas são as algas vermelhas; - as briófitas são os musgos, hepáticas e antoceros; - as traqueófitas são as plantas vasculares, ou seja, pteridófitas, gimnospermas e angiospermas.
  4. 4. O reino vegetal Algas superiores -Verdes (clorófitas ou clorofíceas): possuem clorofilas a e b, armazenam amido. Originaram os vegetais intermediários e superiores: Acetabularia Ulva Spirogyra - Pardas (feófitas ou feofíceas): possuem clorofilas a e c, não armaze- nam amido: Sargassum Padina - Vermelhas (rodófitas ou rodofíceas): possuem clorofilas a e d, não arma- zenam amido: Phorphyra Hypnea
  5. 5. Algas superiores O reino vegetal - Possuem ciclos haplônticos, haplo-diplônticos ou diplônticos: -ciclo haplôntico em Chlamydomona -ciclo haplo-diplôntico em Ulva -ciclo diplôntico em Codium
  6. 6. O reino vegetal Briófitas -Plantas com grande dependência da água emersa: não possuem raízes; seus gametas masculinos precisam nadar em busca dos gametas femini- nos – o meio líquido é, portanto, indispensável para a reprodução. Pos- em clorofilas a e b, armazenam amido. Possuem rizóides, caulóides e filóides. Apresentam ciclo haplo-diplôntico, com predomínio do gametó- fito haplóide. O esporófito, fugaz, é Estrutura de um musgo: Por serem avasculares, uma haste com uma rizóide, caulóide e filóide atingem apenas cerca bolsa, que cresce so- de 2 cm de altura bre o gametófito Principais representantes: musgos, hepáticas e antoceros:
  7. 7. O reino vegetal Briófitas Ciclo haplo-diplôntico de uma briófita (musgo): Anterozóides Esporófilo em desenvolvimento Esporófilo: haste e es- Oosfera Arque- porângio Anterídio gônio Esporos Protonema Gametófito Esporos germinando (n)
  8. 8. O reino vegetal Pteridófitas - Plantas ainda dependentes da água para a reprodução (chuva, alta umidade etc.): seus gametas masculinos precisam nadar em busca dos gametas femininos – o meio líquido é, portanto, indispensável para a reprodução. Possuem clorofilas a e b, armazenam amido. Possuem raízes, caules (em geral rizomas) e folhas. Apresentam ciclo haplo-diplôntico, com predomínio do espo- rófito diplóide. Alguns exemplos: avenca cavalinha samambaia samambaia-açú feto
  9. 9. O reino vegetal Pteridófitas Ciclo haplo-diplôntico de uma pteridófita (samambaia) o protalo é o indivíduo haplóide, fugaz (gametófito) por mitose, dentro do arquegônio se forma a oosfera (n) esporos também por mitose, dentro do anterídeo se formam os anterozóides (n) havendo água, anterozóides nadam em busca da oosfera nos soros estão os esporângios, onde ocorre meiose, surgindo os esporos (n) ocorre a fecundação, a formação do zigoto, que se desenvolve originando um novo esporófito soros a samambaia é o indivíduo diplóide, duradouro (esporófito)
  10. 10. O reino vegetal Gimnospermas - Plantas que já não dependem da água para a reprodução, pois neste grupo surge o tubo polínico, estrutura que carrega o anterozóide (núcleo masculino) para se encontrar com a oosfera. Possuem clorofilas a e b, armazenam amido. Possuem raízes, caules, folhas, “flo- res” e sementes (sem frutos, “nuas”, daí o nome: gimno = nú, esperma = semente). Apre- sentam ciclo haplo-diplôntico, com predomínio absoluto do esporófito diplóide. Alguns exemplos: araucária (conífera) cica (cicadaceas) ginkgo (gingcoleas) welwitscia (welwitsceas)
  11. 11. O reino vegetal Gimnospermas Ciclo haplo-diplôntico de uma gimnosperma (casuarina) “flores” (estróbilos) masculinas Semente de gimnosperma “flores” (estróbilos) femininas tegumento endosperma embrião Em gimnospermas e angiospermas, o vegetal duradouro é o esporófito (2n). O gametófito é o interior do pólen e do óvulo. Detalhe do grão de pólen (“alado”) Óvulo A polinização em gimnospermas é feita pelo vento (anemófila).
  12. 12. O reino vegetal Angiospermas - Plantas que também não dependem da água para a reprodução, pois este grupo apresenta já bastante consolidado o tubo polínico, estrutura que carrega o anterozóide (núcleo germinativo masculino) para se encontrar com a oosfera. Possuem clorofilas a e b, armazenam amido. Possuem raízes, caules, folhas, flores, sementes dentro de uma “bolsa” (fruto - daí o nome: angio = bolsa, esperma = semente). Apresentam ciclo haplo-diplôntico, tam- bém com predomínio absoluto do esporófito diplóide. Alguns exemplos: coqueiro milho cajueiro capim alecrim
  13. 13. O reino vegetal Ciclo haplo-diplôntico de uma angiosperma estame estilete pistilo o óvulo (megasporângio) e o seu interior, o saco embrionário célula mãe do megás- embrião poro tegu- núcleos polares mento Embrião O saco embrionário tem oito núcleos, conforme zigoto o esquema acima. A oos- fera quando fecundada por um dos núcleos germinati- estilete vos origina o embrião. O FECUNDAÇÃO encontro do outro núcleo germinativo com os dois núcleos polares forma um tecido triplóide, com fun- ção de nutrir o embrião, denominado endosperma.
  14. 14. O reino vegetal Ciclo haplo-diplôntico de uma angiosperma Veja o grão de pólen, o tubo polínico e seus três núcleos. O núcleo vegetativo sofre apoptose quando o tubo polínico penetra no óvulo. Grão de pólen com o núcleo vegetativo e germinativo núcleos polares grão de pólen tubo polínico oosfera núcleos germi- nativos
  15. 15. O reino vegetal Ciclo haplo-diplôntico de uma angiosperma Saco embrionário germinativo Óvulo Núcleo vegetativo Oosfera O núcleo germinativo se divide Veja mais detalhes: A parede do óvulo origina o tegumento da semente. O zigoto, resultante da fecundação da oosfera origina o embrião. A fusão do segundo núcleo germinativo com os núcleos polares origina o endos- Tegumento perma, tecido de reserva que nutre o embrião. Endosperma Embrião
  16. 16. O reino vegetal As plantas angiospermas estão divididas em dois principais grupos: mono e dicotiledôneas:
  17. 17. O reino vegetal A evolução da relação gametófito (n) e esporofito (2n) nos vegetais intermediários e superiores: fase haplóide duradoura, fugaz e muito fugaz

×