Your SlideShare is downloading. ×
Leishmania infantum
Leishmania infantum
Leishmania infantum
Leishmania infantum
Leishmania infantum
Leishmania infantum
Leishmania infantum
Leishmania infantum
Leishmania infantum
Leishmania infantum
Leishmania infantum
Leishmania infantum
Leishmania infantum
Leishmania infantum
Leishmania infantum
Leishmania infantum
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Leishmania infantum

679

Published on

Published in: Health & Medicine
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
679
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
16
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. LEISHMANIOSESCurso de Formação Inicial de Formadoresem Formato B-LearningLisboa, 4 de Maio de 2013Tânia Pereira Faria (Médica Veterinária)
  • 2. LEISHMANIOSESObjectivosCaracterizar a doença: O que são leishmanioses e como setransmitem?Identificar os principais hospedeiros associados à doença;Integrar a leishmaniose canina no conceito dasleishmanioses;Identificar os principais sintomas associados à doença emcães e gatos;Reconhecer a doença como sendo um problema de saúdepública. 2
  • 3. LEISHMANIOSESCONTEXTUALIZAÇÃO E MOTIVAÇÃOImportância significativa em termos médicos e veterinários(Dantas-Torres, 2006), uma vez que estes protozoáriosafectam várias espécies de mamíferos, entre os quais oHomem (Dedet, 2001);Os cães, domésticos e selvagens, são os principaishospedeiros reservatórios desta zoonose, mas outrasespécies de animais podem ser infectadas, incluindopequenos roedores e gatos (Neafie & Connor, 1976);Portugal : espécie Leishmania infantum, endémica em Trás osMontes e Alto Douro, Cova da Beira, Lousã, Lisboa, Setúbal,Évora e Algarve (Biomedical Research,2005). 3
  • 4. LEISHMANIOSESAgenda:1. O que são Leishmanioses e comose transmitem?2. O insecto vector3. Ciclo de vida da Leishmania4. Sinais clínicos no cão5. Sinais clínicos no gato6. Importância em saúde pública4
  • 5. LEISHMANIOSES1. O que são Leishmanioses e comose transmitem?Doenças parasitárias causadas por protozoáriosintracelulares pertencentes ao género Leishmania(Desjeux, 1996);Transmissão: Insectos vectores-Phlebotomus (P.) no VelhoMundo e Lutzomya (L.) no Novo Mundo (Desjeux, 1996);Leishmaniose canina: Leishmania infantum no VelhoMundo e Leishmania chagasi no Novo Mundo;Hospedeiros: cães, pequenos roedores, gatos, ovelhas,cabras, cavalos e o homem (Neafie & Connor, 1976).5
  • 6. LEISHMANIOSES2. O insecto vectorInsectos hematófagos (fêmeas) de actividadepredominantemente crepuscular ou nocturna;Concordantes gonotróficos (3 a 4 ciclos);Activos desde a Primavera até finais de Outono (excepto emregiões tropicais);Espécies Phlebotomus perniciosus e Phlebotomus ariasi-vectores na bacia mediterrânica e em Portugal (Pires et al,1991). 6
  • 7. LEISHMANIOSES3. Ciclo de vida da Leishmania(Fonte: Van Der Lugt e Stewart, 2003)Formas amastigotas de Leishmaniainfantum (oc x10, obj x100- Giemsa)(Fonte: Faria, 2007)7Formas promastigotas de Leishmaniainfantum (oc x10 e obj x40-IFI )(Fonte: Faria, 2007)A maioria dasleishmaniosessão zoonosesImportânciaem SaúdePública
  • 8. LEISHMANIOSES4. Sinais clínicos no cão8Doença crónica e deenvolvimento viscero-cutâneo, que pode atingirtodos os sistemas doorganismo.• Linfadenopatiageneralizada(aumentoganglionar);• Alopécia, úlceras edescamação secacutânea;• Atrofia dos músculosfaciais.(Fonte: Faria, 2007)
  • 9. LEISHMANIOSES94. Sinais clínicos no cão• Alopécia periocular, blefarite,queratoconjuntivite bilateral euveíte• Úlceras da córnea,queratoconjuntivite seca, cataratase glaucoma• Perda de peso ecaquexia• Glomerulonefrite einsuficiência renal ehepatica (Fonte: Faria, 2007)
  • 10. LEISHMANIOSES5. Sinais clínicos no Gato10(Fonte: Pennisi, 2002)• Lesões nodulares e ulcerativasem forma de crostas ou pápulasnas orelhas, nariz, lábios oupálpebras• Dermatite, alópécia,descamação
  • 11. LEISHMANIOSES6. Importância em saúde PúblicaA leishmaniose é uma zoonose (doença transmissível aohomem).A transmissão faz-se essencialmente por picada do mosquitoinfectado (flebótomo), no cão são (hospedeiro preferencial),mas o mosquito também pode picar o homem (Dedet, 2001)Devem-se identificar os animais infectados, tratar os doentes,controlar e vigiar toda a população de cães e também utilizarformas adequadas de prevenção11Divulgação da doença eformas de prevenção(panfletos )
  • 12. 12
  • 13. LEISHMANIOSESSíntese:As leishmanioses são doenças parasitárias causadas porprotozoários intracelulares, pertencentes ao géneroLeishmania e transmitidas pela picada de um insecto vector(Desjeux, 1996);Os cães são os principais hospedeiros reservatórios destazoonose;Provocam sintomas cutâneos e sistémicos no cão e gato;Como zoonose, pode afectar o homem. Deve ser feita umadivulgação e tomadas medidas de prevenção;Combater o desconhecimento em relação à leishmaniosee à sua importância em Saúde Pública.13
  • 14. LEISHMANIOSESReferências BibliográficasBiomedical Research: Field studies in North Portugal, 2005.Dantas-Torres S. F.,2006. Leishmune vaccine:the newest tool forprevention and control visceral leishmaniosis and its potential as atransmission blocking vaccine. Vet.Parasitol. 141:1-8;Dedet J.P., 2001 . Repartition geographique des leishmanioses. Méd.Mal. Infect. 31 suppl 2: 178-183;Desjeux, P.,1996. Leishmaniasis. Public Health Aspects and Control.Clin Dermatol; 14:417-423;Desjeux, P., 2001. The increase in risk factors for leishmaniasisworldwide. Trans. R. Soc. Trop. Med. Hyg. 95, 239-243.Faria,T.C.,2007. Estudo Sero-epidemiológico da infecção porLeishmania SPP. em cães e gatos do município de vila Franca deXira (Ribatejo,Portugal) utilizando o teste de imunofluorescênciaIndirecta.14
  • 15. LEISHMANIOSESReferências BibliográficasNeafie,R.C., Connor,D.H., 1976. Visceral leishmaniasis. In: Bindford,C.H., Connor, D.H. (Eds.),Pathology of Tropical and ExtraodinaryDisease, vol.1. Armed Forces Institute of Pathology, Washington,DC,pp.265-277;Pires,C.A.,Ribeiro,H.1991. The phlebotomine sandflies of Portugal.V. Observations on the ecology of the vectors of leishmania in theAlto Douro region. Parasitologia, 33(Suppl.1):63-68;Pennisi,M.G.2002. A high prevalence of feline leishmaniasis insouthern Italy. In: Killick-Kendrick,R.(Ed.), Canine Leishmaniasis:MovingTowards a Solution. Intervet International, Boxmeer,pp.39-48;Van Der Lugt,J.J.,Carlyon,J.F.and de Waal,D.T.1992. Cutaneousleishmaniosis in a sheep.J.S.Afr.Vet.Ass.63:74-77.15
  • 16. LEISHMANIOSES16taniavet@hotmail.comObrigada

×