Your SlideShare is downloading. ×
Surdez profunda
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Surdez profunda

503
views

Published on

Published in: Education

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
503
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
11
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1.  
  • 2. PUC - Rio Especialização Tecnologias em Educação - 2009/2010 Tutora: Izabella Saadi Cerutti Leal Reis Cursistas:Marilanda Janine de Oliveira Marilene Morais Mota Marques Marília Soares Pereira Nunes
  • 3. “ Línguas dependem do cérebro humano, não do ouvido.”
  • 4. Surdez profunda : o aluno apresenta uma perda auditiva acima de 91 dB, não percebe nem identifica a voz humana, impedindo que adquira a linguagem oral. Escuta apenas os sons graves que transmitem vibração (trovão, helicóptero). Anacusia : é a falta total de audição, deve ser trabalhado e estimulado o mais precocemente possível, tendo como conduta pedagógica o mesmo da surdez profunda .
  • 5. Língua Brasileira de Sinais – LIBRAS É o idioma utilizado pelos surdos. Língua de modalidade gestual-visual (porque utiliza a visão para captar a mensagem e movimentos das mãos e expressões corporal e facial para se comunicar) que possui estrutura e gramática própria, tendo a mesma denominação e status da língua oral-auditiva (sistema fonológico representado pelos fonemas de uma língua, concretizados pela articulação dos sons da fala). A Língua de Sinais não é uma língua universal. Procedimento Educacional
  • 6. Em abril de 2002, o Brasil reconhece a Língua Brasileira de Sinais pela lei nº10.436/2002 que determina a inclusão da LIBRAS como conteúdo curricular nos Cursos de Formação de Professores, de Educação Especial e de Fonoaudiólogia Reconhecimento da Libras
  • 7. DECRETO Nº 5.626, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2005. Regulamenta a Lei n o 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras, e o art. 18 da Lei n o 10.098, de 19 de dezembro de 2000.
  • 8.
    • Alunos com deficiência auditiva
    • Possíveis sinais de DA:
    • Demora para falar e troca fonemas também na escrita;
    • Não responde a voz normal;
    • Não atende de costas;
    • Fala muito alta ou muito baixa;
    • Vira a cabeça para ouvir
    • Olha para os lábios e não para os olhos;
    Importante:
  • 9. ADAPTAÇÕES DE ACESSO AO CURRÍCULO
    • Materiais e equipamentos específicos:
    • prótese auditiva,
    • treinadores de fala,
    • tablado,
    • softwares educativos específicos ;
    • textos escritos complementados com elementos que favoreçam a sua compreensão: linguagem gestual, língua de sinais e outros;
    • sistema alternativo de comunicação adaptado às possibilidades do aluno: leitura orofacial, linguagem gestual e de sinais;
    • salas-ambiente para treinamento auditivo, de fala, rítmico etc.;
    • posicionamento do aluno na sala de tal modo que possa ver os movimentos orofaciais do professor e dos colegas;
    • material visual e outros de apoio, para favorecer a apreensão das informações expostas verbalmente;
  • 10. 7 Passos para inclusão do aluno com surdez profunda   1º passo: Família aceitar a inclusão 2º passo: Escola e sociedade aceitar a inclusão e capacitar os professores. 3º passo: Professor regente aceitar a criança na turma como integrante do grupo. 4º passo: Professor de apoio e fonodiólogo para acompanhar a criança. 5º passo: Professor buscar estratégias diferenciadas, trabalhos em grupos é uma boa estratégia 6º passo: Utilizar os recursos tecnológicos 7º passo: Aluno portador de surdez profunda terá um excelente resultado se for tratado como qualquer outro cidadão.    
  • 11. “ Preparação prévia como professor para iniciar o processo educacional com aluno que tem surdez profunda, conhecendo apenas libras para comunicação, não sendo oralizado nem conhecendo português.”
  • 12. *Conhecer a surdez: anatomia e funcionamento do sistema auditivo; *Conhecer a Língua Brasileira de Sinais; *Ter em mãos dicionário ilustrado de libras; Sensibilizar o professor para a experiência com a surdez; *Estar em sintonia com o intérprete e o professor de recursos e o professor surdo no que tange a aplicação dos conteúdos e de aulas bem como a elaboração de provas;
  • 13. Adaptações do aluno em sala : *Acompanhamento de um intérprete; *Riqueza de materiais e recursos visuais ( imagéticos) para possibilitar a abstração dos significados. *Conscientização dos colegas em relação ao respeito de suas individualidades. * Instalação de artefatos tecnológicos necessários: *Sala com imagens visuais de todo tipo de referências que possam colaborar no aprendizado; *Alfabeto manual; *Mímica e dramatização; *Vídeo/ TV/ retroprojetor, computador, slides; *Softwares educativos; *Língua Portuguesa oral/ leitura labial; *Língua Portuguesa escrita ( palavras chave);
  • 14. Ações de acolhimento coletivos que incluam os demais alunos e outros atores da escola: *Informar a comunidade escolar sobre a diferença relativa à surdez, suas especificidades e a língua de sinais; *Refletir sobre a necessidade de utilizar a língua de sinais no processo educacional e buscar formas para sua aquisição e desenvolvimento pelos demais alunos e profissionais da escola, a partir de suas relações com associações de surdos ou outras referências comunitárias;  * Desenvolvimento de atividades visando integração com os outros alunos *Trabalhos em grupos para estimular a cooperação e comunicação entre os alunos.
  • 15. Solução para entraves ao desenvolvimento didático devido a deficiência
    • Atendimento em período contrário ao da escolarização para desenvolver a modalidade oral da língua portuguesa:
    • Utilização da escrita na interação simultânea professor/ aluno ( conversação);
    • Escolha prévia de textos de acordo com a competência lingüística dos educandos;
    • Exploração do vocabulário e da estrutura do texto (decodificação de vocábulos desconhecidos, por meio de emprego de associações e analogias);
    • Interpretação de textos por meio de material plástico ( desenho, pintura e murais) ou cênico ( dramatização e mínica);
    • Adequação de conteúdos e objetivos;
    • Avaliação diferenciada, considerando-se a interferência de aspectos estruturais da língua de sinais.
  • 16. Execução de exercícios e provas
    • Planejar atividades amplas, que tenham diferentes graus de dificuldade e que permitam diferentes possibilidades de execução e expressão;
    • Propor várias atividades para trabalhar um mesmo conteúdo;
    • Criação de um glossário ilustrado com termos específicos
    • para ampliação do vocabulário de Português
    • Utilizar metodologias que incluam atividades de diferentes tipos, como pesquisas, projetos, oficinas, visitas, etc.;
    • Organizar o tempo das atividades propostas, levando-se em conta que atividades exclusivamente verbais tomarão mais tempo de alunos surdos;
    • Alterar objetivos que exijam percepção auditiva;
    • Utilizar diferentes procedimentos de avaliação que se adaptem aos diferentes estilos e possibilidades de expressão dos alunos.
    • Algumas áreas necessitarão de adaptações curriculares.
  • 17. Avaliação do aluno Os resultados de provas periódicas classificatórias não devem ser supervalorizadas, o que deve prevalecer são as observações diárias de caráter diagnóstico. Em relação a avaliação formal certos cuidados na elaboração e aplicação devem ser tomados.Conteúdos devem estar adequados ao que foi trabalhado durante as aulas de português escrito, as questões devem estar relacionadas umas as outras , delineando um contexto lógico em toda a prova.
  • 18. Softwares brasileiros ajudam surdos a seguir músicas Os programas trabalham com estímulos visuais e táteis, e podem ser utilizados no computador ou em celulares. BPM e VPM. O BPM Counter dá dicas de ritmo a partir de oito quadrados negros dispostos na tela do computador. Em uma música acelerada, os quadrados se colorem de vermelho para marcar batidas. Se o ritmo for lento, quadrados azuis se alternam no monitor. O deficiente pode, então, seguir a repetição deles com movimentos de pés ou mãos, por exemplo. Para as pistas de dança Com ele, a velocidade do ritmo é "traduzida" ao celular. A portabilidade, principal característica deste software, promete dar grande liberdade a deficientes que queiram dançar em uma festa. Atualmente, a maneira mais comum de perceber músicas sem a audição é estar em contato com as caixas de som, o que isola a pessoa do grupo e da pista de dança. O time está aprimorando a interface dos dois softwares para incluir avatares de símbolos da Libras (Língua Brasileira de Sinais), para aumentar a acessibilidade das ferramentas.
  • 19. Software “Free” Bilíngue usado para ensinar deficientes auditivos Coelho e Olga Freitas, professora da Escola Classe 308 Sul, do governo do Distrito Federal , criaram um software livre bilíngüe - em Libras e em português - que pode melhorar a inclusão desses brasileiros num universo de simplicidades, como o acesso à literatura e ao cinema. O programa está disponível na internet, de forma gratuita. Nele, os professores encontram aulas prontas que podem ser copiadas e dadas nas escolas para os alunos surdos. “Ele pode ser usado com aqueles que dominam a língua dos sinais, para ensiná-los a reconhecer a Língua Portuguesa”, explica Coelho. Outra característica do software é a possibilidade de os professores criarem aulas, deixando-as disponíveis na página para outros profissionais. Coelho esclarece que esse é um dos principais objetivos do site: criar um ambiente de troca de informações. “A idéia é que os professores possam utilizar o software para preparar suas aulas, e depois compartilhá-las.”
  • 20. Bibliografia e Webliografia DAMÁZIO, Mirlene Ferreira Macedo. Atendimento Educacional Especializado- Pessoa com Surdez . Brasília/DF :SEESP/SEED/MEC. 2007 ARANHA, Maria Salete Fábio. Saberes e práticas da Inclusão. Desenvolvendo competências para o atendimento às necessidades educacionais especiais de alunos surdos . Brasília/ DF :SEESP/MEC. 2005 http://www.fe.unb.br/educaesp/conhecendonee/auditivo.htm http://noticias.terra.com.br/interna/0,,OI3856437-EI11491,00.html http://www.crmariocovas.sp.gov.br/noticia.php?it=8874