Zabala

7,020 views

Published on

a prática educativa: como ensinar

0 Comments
2 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
7,020
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
134
Actions
Shares
0
Downloads
133
Comments
0
Likes
2
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Zabala

  1. 1. A PRÁTICA EDUCATIVA COMO ENSINAR ANTONI ZABALA *...A organização social da classe Professoras-alunas: Tania Costa, Francisnete, Maria Rita, Raymunda e Yara PARFOR - Alagoinhas, 22/08/2010
  2. 2. O PAPEL DOS AGRUPAMENTOS:
  3. 3. FORMAS DE AGRUPAMENTOS:  É imprescindível prever situações que favoreçam diferentes formas de se relacionar e interagir (grupos, equipes fixas e móveis, assembléias, trabalhos de campos, etc.)  Formas de agrupamento:  Homogeneidade ou a heterogeneidade:  Os agrupamentos têm sido determinadas mais pelo costume e pela história do que por uma reflexão do momento;
  4. 4.  CADA TIPO DE AGRUPAMENTO COMPORTA VANTAGENS E INCONVENIENTES, CERTAS POSSIBILIDADES E CERTAS POTENCIALIDADES EDUCATIVAS DIFERENTES.
  5. 5. CRITÉRIOS PARA AGRUPAMENTO Agrupamentos homogêneos heterogêneos Escola como grupo grande grupo x grupos/classes fixos x x grupos/classes móveis x x grande grupo x x equipes fixas x x equipes móveis x x individual
  6. 6. ATIVIDADES GERAIS DA ESCOLA
  7. 7. ORGANIZAÇÕES DO ENSINO SEGUNDO A LDB  A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (Lei n° 9.394/96) trata a escola e o aluno com uma ênfase que não havia sido ainda dada pelas leis que antecederam. Ao fixar diretrizes para a organização da educação nacional, sua principal característica é a flexibilidade.  As diversas possibilidades de organização da escola e do trabalho escolar. Procura atender às diferenças regionais e locais.  Séries anuais ou períodos semestrais – (organização ainda mais adotada em nossas escolas.
  8. 8. * Alternância regular de períodos de estudos, com momentos de permanência na escola e de realização de atividades práticas no local de residência do estudante. *Grupos não seriados, organizados com base na idade, na competência ou em outros critérios. *Ciclos que ampliam o tempo de aprendizagem e redistribuem os conteúdos escolares, possibilitando aos alunos avanços sucessivos na apropriação dos conhecimentos. Obs.: A LDB apresenta várias possibilidades para a organização da educação básica. Mas essas sugestões são dadas sempre com base na ideia de que cada sistema e cada escola têm suas peculiaridades.
  9. 9. DISTRIBUIÇÃO DO TEMPO E DO ESPAÇO  Na estrutura física das escolas, os espaços de que dispõe e como são utilizados corresponde a uma ideia muito clara do que deve ser o ensino. Parece lógica que a distribuição atual das escolas continue a ser um conjunto de salas de aula com um conjunto de cadeiras e mesas enfileiradas e alinhadas de frente para o quadro-negro e para a mesa do professor. Trata-se de uma disposição espacial criada em função do protagonista da educação, o professor.  Fazendo uma revisão histórica nossa tradição é herdada de um ensino centrado nos conteúdos factuais e conceituais e em formas disciplinares rígidas e uniformizadoras. Para todo um grupo de alunos que podia ser bastante numeroso.
  10. 10. O PAPEL DO ESPAÇO  Nesta organização os alunos são colocados de forma que possam receber facilmente as exposições e instruções do ensino.  Ao mesmo tempo esta disposição contribuía para manter a ordem.
  11. 11. O CENTRO DAS ATENÇÕES JÁ NÃO É MAIS O QUADRO NEGRO.  Tema problemático.  Criar um clima e um ambiente de convivência e estéticos que favoreçam as aprendizagens.
  12. 12. A DISTRIBUIÇÃO DO TEMPO NÃO É O MENOS IMPORTANTE  Devem variar de acordo com as atividades previstas e necessidades educacionais.  O tempo tem um papel decisivo na configuração das propostas metodológicas.  Mal administrado:  acontece o fracasso escolar.  A escola funciona apenas como transmissora.
  13. 13. PLANEJAMENTO DE PROFESSORES  A organização do planejamento das aulas, reduz a improvisação que, muitas vezes, é um dos fatores da falta de tempo.
  14. 14. CONCLUSÕES  A aula se configura como um microssistema definido por determinados espaços, uma organização social, certas relações interativas, forma de distribuir o tempo e um determinado uso de recursos didáticos, numa interação entre todos os elementos.
  15. 15. BIBLIOGRAFIA  ZABALA, Antoni. A prática educativa: como ensinar/ Antoni Zabala; trad. Ernani F. da F. Rosa – Porto Alegre: Artmed, 1998.  Progestão – Programa de Capacitação a Distâcia para Gestores Escoloares – Módulo IV – Caderno de Estudo.  Raízes e Asas – CENPEC – Centro de Pesquisas para Educação e Cultura. São Paulo  LDB – Lei de Diretrizes e Bases da Ecucação Nacional. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996.

×