Uploaded on

Revista HMbio.

Revista HMbio.

More in: Education
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
944
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
3

Actions

Shares
Downloads
22
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Carta ao leitor Nesta edição da revista HMbio iremos abordar as características easpectos do Reino Plantae. Nosso objetivo é fazer com que você, caroestudante, melhore seu conhecimento na área da botânica de uma maneirasintetizada para que através dessas poucas páginas você possa adquirir oconhecimento necessário para ENEM’s e vestibulares que você tem aenfrentar. A empresa Hakuna Matata, que tem como foco “plantar oconhecimento”, ao pensar em todos que colaboraram com essa ideia dequalquer maneira que for, fica muito orgulhosa, pois o nosso principalobjetivo aqui foi alcançado, conseguimos plantar esse conhecimento emcada um dos participantes. Gostaríamos de agradecer ao professor Gustavo Franthesco, que foi oidealizador desse projeto, e que sem o apoio e ajuda dele aqui nãoestaríamos, e a toda a equipe Hakuna que foi de uma união ecomprometimento inigualáveis e que sem essa iniciativa em conjunto, estarevista não existiria. Tenho certeza que cada um ficou feliz com o resultado final, desseprojeto que parecia uma coisa tão difícil e surreal e que agora não só maisuma ideia, mas sim uma realização. Mais uma vez obrigado e parabéns a todos! 1
  • 2. Nossa equipe Carolina Dutra Tamyres Meyer Monique Goularte Paula Honorato Caroline Soares Thalyta Martins Thais Furtado Ligia Mannes Monique Anjos Edilson Vieira Bruna Freitas Karolili Alves Lorrayny Audrin Larissa Quadros Professor: Gustavo Franthesco2
  • 3. SumárioOrigem e Classificação das plantas......................................................................................................4Briófitas......................................................................................................................................................4Pteridófitas................................................................................................................................................5Gimnospermas. ..........................................................................................................................................5Angiospermas.............................................................................................................................................6Reprodução assexuada.............................................................................................................................8A planta em desenvolvimento.................................................................................................................9A planta em crescimento.........................................................................................................................9Os tecidos primários das angiospermas..............................................................................................9Epiderme.....................................................................................................................................................9Tecidos fundamentais............................................................................................................................10Os tecidos secundários das angiospermas........................................................................................10Disposição dos tecidos nas raízes.......................................................................................................10Estrutura secundária da raiz...............................................................................................................10Estrutura primária do caule..................................................................................................................11Estrutura secundária do caule..............................................................................................................11Adaptações especiais do caule..............................................................................................................11Morfologia da folha.................................................................................................................................11Adaptações especiais das folhas.........................................................................................................12Frutos e pseudofrutos...........................................................................................................................12Disseminação das sementes e dos frutos..........................................................................................12Absorção...................................................................................................................................................12Condução da seiva bruta........................................................................................................................12Condução da seiva elaborada................................................................................................................13Transpiração.............................................................................................................................................13Fotossíntese x Respiração....................................................................................................................13Hormônios Vegetais................................................................................................................................14Auxina .......................................................................................................................................................14Outros fitormônios ................................................................................................................................14Efeitos da Luz sobre o desenvolvimento da planta.........................................................................14Questionário.............................................................................................................................................15Bibliografia...............................................................................................................................................16 3
  • 4. Origem e Classificação das plantas As plantas são organismos eucariontes fotossintetizantes, multicelulares e com diferenciação de tecidos. O ramo da Biologia que estuda as plantas é a Botânica. Acredita-se que as plantas tenham surgido a partir de um grupo de algas verdes, pois existem várias características que as aproximam. Na passagem evolutiva das algas verdes para as plantas, surgiram algumas características que se mantém por seleção natural, pois se revelaram muito adaptativas à vida no ambiente terrestre, possibilitando a expansão das plantas nesse ambiente. Duas características que se destacam são: •Camada de células estéreis envolvendo e Cladograma simplificado das plantas - Paula Honorato protegendo os gametângios. •Retenção de zigoto e dos estágios iniciais de desenvolvimento embrionário do gametângio feminino, conferindo grande proteção ao BRIÓFITAS embrião. As briófitas estão representadas pelos Tradicionalmente a planta tem sido dividida em seguintes grupos: dois grandes grupos: •Hepáticas: gametófito de corpo achatado, fixada ao solo por meio de rizóides. •Criptógamas: (cripto= escondido; gamae= gametas): plantas que possuem as estruturas produtoras de gametas pouco evidentes e se dividem em dois grupos, que são briófitas e pteridófitas. •Fanerógamas: (fanero= visível): plantas que possuem estruturas produtoras de gaetas bem visíveis. Todas desenvolvem sementes e por isso são também denominadas espermatófitas (sperma= semente). •Antoceros: gametófito com corpo multilobado; São divididas também em dois outros grupos que são os das gimnospermas que possuem sementes, mas não formam frutos e angiospermas que possuem sementes obrigatórias no interior de frutos. Todas as plantas apresentam ciclo de vida tipo haplonte-diplonte. Nesse tipo de ciclo há alternância de gerações, em que a geração •Musgos: plantas que geralmente possuem, gametofítica se alterna com a esporofítica. além dos rizóides, um eixo principal (caulóide) A geração gametofítica é formada por de onde partem os filóides. indivíduos chamados gametófitos, que são haplóides e produzem gametas por diferenciação celular e não por meiose. A geração esporofítica é composta de indivíduos chamados esporófitos, que são diplóides e produzem esporos por meiose. Na evolução das plantas verifica-se, portanto, a redução da fase gametofítica e maior desenvolvimento da fase esporofítica.4
  • 5. Musgo Avridthc Nas briófitas a água absorvida pelosrizóides é transportada de forma lenta pelo • Samambaias e avencas: São comunscorpo, pois elas são avasculares, e é essa em regiões tropicais. As folhas jovens dascaracterística que limita o tamanho dessas avencas formam os báculos. Na face inferior, asplantas, não ultrapassando de 20 centímetros de folhas maduras apresentam os esporângios,altura. formadores de esporos, que ficam reunidos As briófitas ocorrem preferencialmente formando os soros.em ambientes úmidos e abrigados de luz direta,dependendo da água para a reprodução sexuada Os esporos são liberados e ao germinarem dãoseus gametas masculinos são flagelos, e os origem ao gametófito. Em um mesmo prótalogametas femininos são chamados de oosfera e desenvolvem-se gametângios femininos esão imóveis. masculinos. Depois da fecundação da oosfera, A fecundação ocorre por ocasião de forma-se o embrião que dará origem aochuvas ou garoas, caindo no ápice de uma esporófito, reiniciando o ciclo de vida.planta feminina onde já existe água acumulada,esses anterozóides nadam em direção daoosfera, e ocorre a fecundação.PTERIDÓFITAS As pteridófitas foram às primeirasplantas vasculares, apresentando também, GIMNOSPERMAStecidos de sustentação, o que permiu que semantivessem eretas. A existência de vasos A grande evolução neste grupo depossibilitou o transporte rápido de água e sais plantas foi o surgimento da semente. Asminerais até as folhas, e de seiva elaborada das sementes destas plantas não estão protegidasfolhas para as demais partes da planta. Os pelo fruto, como nas angiospermas, porém aprincipais exemplos de pteridófitas são: semente garante enorme proteção e alimentação• Lycopodium e Selaginella: as espécies ao embrião.Lycopodium vivem em regiões árticas e O grupo das gimnospermas atuais étropicais, e as Selaginella são comuns em composto de quatro filos:regiões áridas e semi-áridas. Neste caso, osindivíduos permanecem em estado latente, só se - Cycadophytareproduzindo quando há aumento na umidadedo ar ou em épocas de chuva. 5
  • 6. processo chama-se poliembrionia e ocorre em - Ginkgophyta apenas um óvulo. Outro avanço das gimnospermas é a independência de água para a fecundação, pois surge o grão de pólen, que é o gametófito masculino em desenvolvimento, que se completa quando fecunda a oosfera. O processo de dispersão do grão de pólen é chamado de polinização. Quando o grão de pólen encontra o arquegônio, um tubo polínico é formado e depois se rompe, liberando anterozóides multiflagelados que nadam até o arquegônio fecundando a oosfera. A função do tubo polínico é levar o gameta até a oosfera, - Conipherophyta para que ele não dependa de água para a fecundação. A estrutura de reprodução é chamada de estróbilo e há plantas monóicas e dióicas. ANGIOSPERMAS Nas angiospermas os elementos relacionados com a reprodução sexuada encontram-se reunidos nas flores. As flores completas são formadas por pedicelo ou pedúnculo e um receptáculo, onde se inserem os verticilos florais: •Cálice: conjunto de sépalas, geralmente verdes; •Corola: conjunto de pétalas, que podem apresentar várias crês; - Gnetophyta •Androceu: formado pelos estames (constitui o sistema reprodutor masculino); •Gineceu: formado por um ou mais pistilos, cada um constituído por uma ou mais folhas férteis fundidas, chamadas capelo (constitui o sistema reprodutor feminino). •Estame: folha modificada em cuja extremidade diferencia-se a antera, no interior da qual se formam os grãos de pólen. O conjunto cálice-corola é denominado perianto. As gimnospermas possuem raízes, caule, folhas e sementes, mas não apresentam frutos.Os óvulos e as sementes de gimnospermas são expostos ao ambiente pelos esporofilos. A semente é o óvulo maduro portador de um embrião. As gimnospermas são heterosporadas e portadoras de megafilos. Diferente das outras plantas estudadas anteriormente, as gimnospermas produzem vários arquegônios com oosferas e, Esquema de flor de angiosperma vista em corte. consequentemente, vários embriões podem ser formados, porem apenas um sobrevive. Esse6
  • 7. Quanto ao sistema reprodutor, há flores Após a polinização, inicia se aque apresentam apenas o androceu ou o germinação do grão do pólen: forma-se o tubogineceu, sendo, portanto, flores masculinas ou polínico, que leva até o gametófito femininoflores femininas, respectivamente. A maioria duas células espermáticas. Uma delas unem-se ádelas, entretanto, possui androceu e gineceu, oosfera, formado o zigoto que, por váriasmas nelas geralmente se desenvolvem divisões mitóticas, dá origem ao embrião. Amecanismos que dificultam a autofecundação. outra une-se a dois núcleos n do gametófito Ao contrário do que ocorre com o pólen feminino (núcleos polares) que antes dadas gimnospermas, que só podem ser fecundação já se uniram, dando um só núcleotransportados pelo vento, o das angiospermas 2n. Na fecundação, forma-se um núcleo 3n, quepodem também serem transportados por dará origem a um tecido nutritivo chamandoanimais, dependendo da espécie da planta. endospermas. Fala-se então em dupla Nas espécies em que a polinização é fecundação, uma característica exclusiva dasfeita pelo vento, as flores apresentam estigmas angiospermas.plumosos e são em geral pouco vistosas. Após a fecundação óvulo, á medida queEntretanto quando apresentam polinização por se desenvolve para se transformar em semente,animais, geralmente por insetos, aves e perde água e seus envoltórios tornam-se menosmorcegos, as flores são vistosas ou apresentam permeáveis a água. Assim a semente nada maisodor característico o que atrai os animais. é que o óvulo desenvolvido após a fecundação. As flores geralmente possuem nectários, Em algumas angiospermas, o endosperma éestruturas que produzem o néctar, um líquido digerido pelo embrião antes de entrar emnutritivo que serve de alimento para insetos e dormência. O endosperma digerido é transferidopássaros. Ao se alimentarem do néctar, esse e armazenado geralmente nos cotilédones,animais acabam atuando como elementos folhas embrionárias que se tornam, assim, ricaspolinizadores. em reservas nutritivas. Isso ocorre, por exemplo, O pistilo, ou carpelo, é formado por uma em feijões, ervilhas e amendoins.ou mais folhas modificadas, que se fundem Á medida que a semente se forma, adando origem a duas partes: parede do ovário também se desenvolve, dando•Uma porção basal dilatada, denominada ovário, origem ao fruto. Este é formado, portanto, peloque contem o óvulo, no qual se desenvolve o desenvolvimento do ovário.gametófito feminino que forma a oosfera Ao germinar, a semente dá origem á(gameta feminino). planta jovem, (plântula), que por sua vez origina•Uma porção alongada, denominada estilete, a planta adulta.cujo ápice é o estigma. 7
  • 8. A proteção oferecida pelos frutos ás do reino, fruta do conde, papo de peru, louro e semente favoreceu muito a dispersão destas, a canela, dentre outras. Dicotiledôneas com pólen ponto de tornar as angiospermas as plantas mais distinto destas com características mencionadas abundantes em número de espécies. Elas na tabela são chamadas eudicotiledôneas. ocorrem em ampla diversidade de habitats, existindo dede espécies adaptadas a ambientes Reprodução assexuada áridos, como os cactos. As angiospermas são dividas em dois Além da reprodução sexuada, as plantas grandes grupos: monocotiledôneas e podem apresentar reprodução assexuada, sendo dicotiledôneas. A característica que dá nome a a forma mais comum a propagação vegetativa. esses grupos é o numero de cotilédones Essa forma de reprodução ocorre principalmente presentes na semente: as monocotilédones a partir de caules, pois eles apresentam botões possuem um cotilédone na semente e as vegetativos ou gemas, que podem formar raizes dicotiledôneas possuem dois cotilédones. e toda uma planta. Além do número de cotilédones, há Conhecendo as formas naturais de outras características que permitem distinguir as reprodução das plantas, vários mecanismos de monocotiledôneas das dicotiledôneas. É o que propagação vegetativa já foram desenvolvidos mostra resumidamente o quadro na abaixo: pelo ser humano, dos quais os mais utilizados são: estaquia, mergulhia, alporquia e enxertia. Atualmente tem se considerado um A enxertia é o modo mais utilizado. Essa terceiro grupo de angiospermas: um grupo mais técnica é vantajosa por vários motivos, dos basal de plantas com dois cotilédones. Elas têm quais se destacam os seguintes: algumas características que compartilham com * o desenvolvimento mais rápido; as monocotiledôneas, como o tipo de pólen e, *podem-se selecionar plantas com raizes geralmente, flores trímeras (compostas por três resistentes a certas doenças e utiliza-las como elementos). Essas plantas estão representadas cavalo. Com isso, a reprodução vegetativa de por vitória-régia, abacateiro, magnólia, pimenta8
  • 9. espécies sensiveis a essas doenças torna-se mais - A zona meristemática das raízes é protegidaeficiente. pela coifa ( estrutura com aspecto de capuz e Uma técnica cada vez mais utilizada é a formada por células vivas)da propagação vegetativa por cultura de tecidos. - A seguir, existe a zona lisa: células formadasQualquer célula nucleada da planta que não na zona anterior depois a zona pilífera: onde seesteja envolta por parede celular espessa é encontra os pelos absorventes (onde ocorre apotencialmente capaz de regenerar um absorção de água e nutrientes), depois da zonaorganismo inteiro. pilífera não consta aumento do comprimento da Nesses meios de cultura são adicionadas raiz.substâncias nutritivas e hormônios vegetais Seguindo observando uma planta, encontramosresponsáveis pelo crescimento e pela em seguida a zona de ramificações onde surgemdiferenciação das plantas. as raízes laterais. Atualmente tem sido possivel modificaro material genetico de interesse comercial pormeio de técnicas especiais que integram achamada Engenharia genética. Nesses casos,introduzem-se nas células das plantas trechos damolécula DNA de outros organismos, comobactérias. Esses trechos são incorporados aoDNA da planta, que fica alterada geneticamente:são as plantas transgenicas. Os segmentos de DNA introduzidos nasplantas são escolhidos visando desenvolvernovas caracteristicas que tragam algumbeneficio para o cultivo comercial dessasplantas. A produção dessas plantas temprovocado muitas discussões, pois isso gerariscos que podem causar algum mal ao serhumano e ao meio ambiente. No caule não há coifa e o meristemaA planta em desenvolvimento apical (gema apical) é muitas vezes protegido por folhas. A região do caule de onde partem as Um dos fatores que concorrem para a folhas e as gemas axilares é denominada nó.germinação é à entrada de água na semente, (por Gradualmente ocorre alongamento dasum processo físico denominado embebição) células entre dois nós consecutivos que ficampromovendo assim o aumento do volume da separados por uma região caulinar denominadasemente e o rompimento do seu tegumento. entrenó.Assim, o embrião cresce e a primeira parte de Devido ao alongamento das células dosseu corpo que emerge é a radícula (raiz), a entrenós que ocorre o crescimento emseguir emergem o caulículo (caule) e as folhas. comprimento do caule, chamado crescimento Quando a planta esta se desenvolvendo, ela primário.consome reservas contidas na semente e aomesmo temo em que novas folhas se formam e Os tecidos primários das angiospermascomeçam a fazer fotossíntese. A planta jovem absorve água e saia A partir dos meristemas apicais formam-seminerais do solo e com suas folhas sintetizando os meristemas primários, que são a protoderme,alimento. o maristema fundamental e o prócambio. O meristema fundamental dá origem aosA planta em crescimento tecidos fundamentais da planta representados basicamente pelos parênquimas, pelo O crescimento da planta depende da colênquima e esclerênquima.atividade dos meristemas apicais: - Células pequenas, não especializadas e com Epidermepares delgados. - A atividade mitótica é intensa, aumento o É geralmente uni estratificada, formada pornumero de células. células justaposta, achatadas, aclorofiladas e com grande vacúolo. 9
  • 10. Na superfície exterma pode haver Os tecidos secundários das angiospermas deposição de cutina ou cera, que são substancias impermeabilizantes. Diferenciam-se na A maioria das dicotiledôneas, e as epiderme estruturas como estômatos, tricomas, gimnospermas apresentam além do crescimento pelo e acúleos. primário, o crescimento secundário, em Cada estômato é formado por duas células espessura e decorrente da atividade de câmbios. clorofiladas que se dispõem de modo a deixar Nessas plantas surgem outros tecidos que estão entre elas uma abertura denominada ostíolo. relacionados com o crescimento do organismo Essas células podem abrir e fechar o ostíolo, em espessura. controlando a transpiração e as trocas gasosas O que da origem ao xilema e ao floema entre a planta e o ambiente. secundários é o procambio que permanece como Os ticomas são estruturas especializadas tecido meristemático (formado por uma única contra a perda de água por excesso de camada de células) entre o xilema e o floema transpiração, ocorrendo em plantas de clima passando a constituir o cambio fascicular ou quente. vascular. os pelos ocorrem na epiderme da raiz sendo Algumas células parenquimáticas adultas responsáveis pela absorção de água e de sais sofrem diferenciação, transformando-se em minerais do solo. células meristemáticas. Estas formaram os Os acules estruturas pontiagudas com chamados meristemas secundários, função de proteção da planta contra predadores representados assim por: felogênio ou cambio são frequentemente confundidos com espinhos. de casca e cambio interfascular (este forma o xilema e o floema secundários). Tecidos fundamentais Os tecidos formados pelos câmbios fascivascular e intervascular e pelo felogênio - Parênquimas- são tecidos formados por (cambio de casca) são considerados tecidos células vivas com parede celular delgada. diferenciados secundários. - Colênquima- é um tecido de sustentação da planta formado por células vivas geralmente Disposição dos tecidos nas raízes alongadas e com paredes espessadas. - Esclerênquima- é um tecido de sustentação da Observando cortes travessais a de uma planta formado por células mortas e com parede raiz podemos ver que: celular espessada. - Nas monocotiledôneas o padrão mais comum - Tecidos Vasculares: O xilema ou lenho é o apresenta no centro o parênquima medular ou o tecido responsável pelo transporte de água e sais esclerênquima e ao redor o xilema alterando-se minerais (seiva bruta). Enquanto o floema ou om floema. líber é um tecido condutor de substancias - Nas dicotiledôneas o padrão mais comum orgânicas derivadas da fotossíntese (seiva corresponde ao xilema no centro e estendendo- elaborada). se em direção a porção do cilindro central mais Tanto no xilema quanto no floema tem próxima ao córtex os feixes do floema alternam- vários tipos de células que podem ser originarias se com as projeções do xilema. de meristemas primários ou secundários. As - Entre o xilema e o floema das dicotiledôneas estruturas mais características e responsáveis existe o cambio fascicular, geralmente ausente pelo transporte de seiva bruta no xilema são os nas raízes de monocotiledôneas. A presença do elementos de vaso e traqueides. São células que cambio na raiz propicia o crescimento de sua durante a maturação passam a apresentar espessura. reforços de lignina e perdem seu protoplasma, Ao redor dessa estrutura vascular central tornando-se células mortas. As estruturas mais existe o periciclo, tecido originado por características do floema e responsáveis pelo procambio e a partir do qual se desenvolvem as transporte de seiva elaborada são os elementos raízes laterais secundarias. tubos crivados formados por células vivas, apesar de não apresentarem núcleo. Os Estrutura secundária da raiz elementos de tubos crivados estão associados a células vivas, com núcleo, chamadas células Raízes de dicotiledôneas podem apresentar companheiras. Elas contribuem para a crescimento secundário em decorrência da sobrevivência dos elementos crivados atividade do cambio vascular no cilindro anucleados. central, formando xilema e floema secundários e do felogênio formando a epiderme.10
  • 11. Estrutura primária do caule *Cladódio: caule aéreo modificado com função fotossintetizante ou de reserva de água. Ocorre Analisando cortes feitos transversais de em certas plantas que vivem em regiões comcaules, podemos ver que no caule de escassez de água. Um exemplo é o cacto, cujodicotiledôneas os feixes vasculares dispõem-se caule é sempre verde e apresenta folhasformando um circulo ao redor da medula, nas atrofiadas, transformadas em espinhos, o quemonocotiledôneas esses feixes encontram-se reduz a perda de água por transpiração;difusamente distribuídos pelo parênquima. *Rizoma: caule subterrâneo que se desenvolve paralelamente á superfície do solo. Dele podemEstrutura secundária do caule emergir folhas aéreas, como acontece com a bananeira; A maior parte das dicotiledôneas *Tubérculo: caule subterrâneo rico em materialapresenta crescimento secundário, consequência nutritivo. O exemplo típico é a batatinhada atividade dos câmbios felogênio e vascular. comum, em que é possível observar, como emO crescimento secundário pode acontecer de todo caule , a presença dos botões vegetativo ouforma contínua ou apenas em duas estações de gemas, popularmente conhecidos por ‘olhos’;um ano. Assim, plantas que inicialmente são outro exemplo é o gengibre.herbáceas passam a ter uma consistência *Bulbo: é a um só tempo caule e folhaslenhosa. Os câmbios intrafascicular e subterrâneo, como ocorre na cebola –a parteinterfascicular produzem floema secundário central, o prato,corresponde ao caule e delepara fora e xilema secundário para dentro, partem os catafilos, folhas modificadas queformando-se dois anéis concêntricos, um interno protegem gemas dormentes e que no bulbo temde lenho secundário e um externo de líber também a função de acumular substanciassecundário. O felogênio, tal como na raiz, nutritivas;produz súber para o exterior e feloderme para ointerior, originando a periderme (súber, Morfologia da folhafelogênio e feloderme). No súber existemestruturas denominadas lentículas através das Uma folha completa é constituída dequais podem ocorrer trocas gasosas entre as limbo ou lâmina, pecíolo, bainha e estípulas.células mais internas e o exterior, uma vez que o Qualquer uma dessas partes pode não estarsúber é um tecido impermeável à água e gases. presente numa folha, mas é raro ocorrer a falta Existem vários tipos de caules, dentre de limbo.eles o tronco, a haste, o colmo e o estipe. Há O limbo é a porção achatada e ampla datambém adaptações especiais de caule como o folha e é a principal estrutura responsável pelarizóforo, o caule rastejante dos tipos sarmento e fotossíntese e pela transpiração. Ele pode serestolho, o cladódio, o tubérculo e o bulbo. simples ou dividido em várias partes, todas com aspectos de pequenas folhas.Adaptações especiais do caule As folhas de dicotiledôneas geralmente são pecioladas, isto é, o limbo prende-se ao*Rizóforo: ramos caulinares que crescem em ramo caulinar por meio de um pecíolo; as folhasdireção ao solo; auxiliam na sustentação e de monocotiledôneas são invaginantes, pois seestabilização das plantas. prendem por uma bainha.*Caule volúvel: caule aéreo que não é capaz de Outra diferença entre folhas desustentar suas folhas; eleva-se do solo dicotiledôneas e de monocotiledôneas refere-seenrolando-se em qualquer suporte ereto. as nervuras. As folhas de dicotiledôneas são*Caule rastejante ou prostrado do tipo peninérveas, isto é, possuem nervurassarmento: caule aéreo incapaz de sustentar suas ramificadas, enquanto as folhas defolhas, desenvolvendo-se rente ao chão. Fixa-se monocotiledôneas são paralelinérveas (possuemao solo por meio de raízes que se formam em nervuras paralelas).apenas um ponto. Exemplo: caules do chuchu eda aboboreira;*Caule rastejante do tipo estolho ou estolão:caule aéreo rastejante em que há enraizamentoem vários pontos. Se a ligação entre umenraizamento e outro for interrompido, de cadaponto pode se formar uma nova planta,representando uma forma de propagaçãovegetativa, como ocorre em morangueiros; 11
  • 12. Adaptações especiais das folhas pode ocorrer pelo vento (anernocoria), por meio de animais (zoócoria) ou pela água (hidrocória). Adaptações morfológicas especiais As espécies anemócorias apresentam permitem á folha desempenhar novas funções. sementes ou frutos leves, com pelos ou Algumas dessas adaptações estão resumidas a expansões aladas, facilitando seu transporte pelo seguir: vento. *gavinhas: têm sempre função de prender a Em muitas espécies zoócoras os frutos planta a um suporte. Exemplo: ervilha. são atraentes, servindo de alimento para os Entretanto, as gavinhas nem sempre são animais . Em outras espécies zoócoras ou frutos modificações de folhas. são secos, mas apresentam formações que os *brácteas: folhas sempre presentes na base das prendem ao corpo de animais. flores. Elas são geralmente pouco vistosas, mas As espécies hidrócoras possuem frutos podem ser coloridas, atuando como estruturas ou sementes que retém ar. de atração de insetos e pássaros, como em bico- de-papagaio e em primavera. Absorção *folhas de plantas carnívoras: folhas modificadas para a captura e digestão de insetos A absorção de água e sais minerais e de outros pequenos animais. ocorre principalmente na região dos pelos absorventes das raízes. Existem duas vias na Frutos e pseudofrutos qual a água e os sais nela dissolvidos atingem o cilindro central. Uma dessas atravessa o Os frutos são estruturas auxiliares no citoplasma das células do córtex da raiz; os sais ciclo reprodutivo das angiospermas: protegem são transferidos de uma célula para outra, e as sementes e auxiliam em sua disseminação. também criam um gradiente de concentração Eles correspondem ao ovário amadurecido, o que cria um fluxo da água de uma célula para que geralmente ocorre após a fecundação. Caso outra, por osmose. E a outra passa entra as não ocorra a fecundação, não há formação de paredes celulares, mas não atravessam o sementes e o fruto chama-se partenocárpico, citoplasma, e os sais são transportados por caso da banana e da laranja-da-baía. difusão. Nas duas vias tem que passar pelo Os pseudofrutos são estruturas citoplasma por causa das estrias de Caspary, suculentas que contém reservas nutritivas, mas isso antes de atingir o xilema. que não se desenvolvem a partir de um ovário. A água é transferida por osmose e os sais Os pseudofrutos podem ser: por um processo ativo, assim formando a seiva *simples: provenientes do desenvolvimento do bruta, que será distribuída das raízes até as pedúnculo ou do receptáculo de uma só flor. folhas. Exemplo: maçã, pêra. A planta necessita de nutrientes minerais, *agregados ou compostos: provenientes do os macronurientes que são: o nitrogênio, o desenvolvimento do receptáculo de uma única potássio, o fósforo, o cálcio, o enxofre e o flor, com muitos ovários. Exemplo: morango, magnésio. Esses são os nutrientes que as plantas em que vários aquênios ficam associados a uma mais necessitam. E os micronutrientes que são: parte carnosa correspondente ao receptáculo da o ferro, o magnésio, o boro, o zinco, o cobre, o flor; molibdênio e o cloro. *múltiplos ou infrutescências: provenientes do desenvolvimento de ovários de muitas flores de Condução da seiva bruta uma inflorescência que crescem juntos numa estrutura única. Exemplo: amora, abacaxi e figo. O xilema apresenta os elementos de vaso e os traqueídes, células mortas que se dispõem de Disseminação das sementes e dos frutos modo a formar longos e estreitos canais desde a raiz até as folhas. Sendo estreitos, poderíamos A semente, após seu desenvolvimento, é supor que a água ascendesse por capilaridade, disseminada no meio ambiente por vários devido à propriedade de adesão e coesão que as mecanismos, que podem envolver adaptações moléculas de água possuem. A ascensão cessa das próprias sementes ou dos frutos que as quando o peso da coluna líquida torna-se maior contêm. do que a adesão das moléculas de água à parede A dispersão das sementes é um do tubo. Esse fenômeno é capaz de elevar a mecanismo importante para o sucesso da seiva bruta a menos de 1 metro do solo, não espécie, uma vez que permite aos organismos a explicando o transporte em plantas maiores. exploração de novos ambientes. A disseminação12
  • 13. Existem outras duas teorias para explicar a A explicação mais aceita para acondução da seiva bruta das raízes até as folhas: translocação foi proposta pelo botânico Ernstpressão positiva da raiz e coesão-tensão. Munch, em 1927, é denominada Teoria do fluxo A pressão positiva é o transporte ativo de em massa. Segundo essa teoria, a seivasais para o interior do xilema da raiz, o que elaborada move-se através do floema, ao longoprovoca aumento da concentração osmótica em de um gradiente decrescente de concentraçãorelação à solução aquosa do solo. Há grande desde o local em que é produzida até o local ementrada de água por osmose no xilema da raiz, que é consumidaimpulsionando a seiva bruta para cima. Esse fenômeno está restrito a algumas Transpiraçãoplantas de pequeno porte submetidas a certascondições especiais. O excesso de seiva bruta A transpiração corresponde à perda de águapode inclusive sair sob a forma de gotas pelos sob a forma de vapor. E o principal órgão dela éhidatódios, estômatos que perderam a a folha, na qual a transpiração pode ocorrer porcapacidade de abertura e fechamento do poro e meio da cutícula que reveste a epiderme, queque se localizam nas bordas das folhas de certas pode ser chamada de transpiração cuticular queplantas. Esse fenômeno é a gutação. Ela ocorre é pouco intensa e independente do controle doquando a transpiração é muito lenta ou ausente. organismo, e a transpiração estomática no qual é A pressão da raiz não explica a condução da o principal mecanismo de perda de água pelaseiva bruta até a copa de árvores altas. O que planta e depende do controle do organismo.melhor explica é a teoria da coesão-tensão, A abertura e o fechamento dos estômatosformulada pelo botânico Henry Dixon; que são controlados por vários fatores, o principal écriou a teoria de Dixon e segundo essa teoria, a a água. E se as plantas estiverem com seuperda de água por transpiração nas folhas suprimento adequado de água, as célulasatuaria como uma forma de sucção da água. estomáticas permanecem túrgidas, ou seja, o A perda de água por transpiração nas ostíolo aberto, e se não estiver suprimentofolhas faz com que suas células fiquem com insuficiente às células perdem a água, e assimforça de sucção aumentada. Com isso, tendem a fecham o ostíolo.absorver água do xilema. A água passa então doxilema para as células do clorênquima das Fotossíntese x Respiraçãofolhas. As moléculas de água ficam muitocoesas e são puxadas sobtensão. Os alimentos produzidos por fotossíntese Forma-se uma coluna contínua de água no são utilizados pela própria planta para ainterior do xilema, desde as raízes até as folhas. execução das diferentes funções vitais. A Segundo essa teoria da coesão-tensão a liberação da energia desses alimentos é feitaabsorção e a condução de água estão pela respiração.relacionadas com a transpiração. A nutrição e o desenvolvimento da planta dependem do equilíbrio entre esses doisCondução da seiva elaborada processos. A fotossíntese depende da luz (aumentando-se a intensidade luminosa, há A seiva elaborada, rica em açucares aumento da taxa de fotossíntese). Já a respiraçãoproduzidos por fotossíntese, é conduzida das independe da luz.folhas para as diversas partes da planta através A intensidade luminosa na qual a taxa dedos elementos crivados do floema ou líber. fotossíntese se iguala a da respiração é Nas dicotiledôneas e nas gimnospermas, os denominada ponto de compensação fóticavasos liberianos localizam-se na casca do caule (PC).Nessa intensidade de luz todo o oxigênioenquanto os vasos lenhosos, que conduzem a produzido por fotossíntese e consumido pelaseiva bruta, localizam-se mais internamente. respiração, e todo o gás carbônico produzido Retirando-se um anel completo da casca de por respiração é consumido pela fotossíntese.um tronco, podemos notar, após algumas O valor do PC varia dependendo da espéciesemanas, que a casca logo acima do corte fica de planta:com acumulo de seiva elaborada, o que estimula - Heliófitas: plantas de sol, só se desenvolvema formação de tecido no local. bem com muita luz -> PC maior. - Umbrofilas: As folhas continuam a receber a seiva plantas de sombra desenvolvem-se bem combruta, mas a s raízes e as demais partes abaixo pouca luz->PC menor.do corte deixarão de receber a seiva elaborada.Dessa forma por falta de nutrição a plantamorrera. 13
  • 14. Hormônios Vegetais Outros fitormônios Os hormônios vegetais ou fitomônios Hormônio - local de produção e efeitos. atuam no crescimento das plantas. Auxinas, Giberelinas – são produzidas em meristemas. giberalinas, citocininas, acído abscísico e etileno Sementes, folhas jovens e frutos, estimulam o são os principais hormônios. alongamento e a divisão celular. Etc. Citocininas – produzidas nas raízes e Auxina conduzidas para toda a planta. Estimulam a divisão e a diferença celular. Etc. Existem vários tipos de auxina naturais que Etileno – é um gás produzido em várias partes são produzidas pela sua própria planta. Embora da planta. Atua na indução do amadurecimento que algumas auxinas sintéticas são fabricadas dos frutos e promove a abscisão. em laboratório. Uma auxina natural conhecida Ácido abscísico (ABA) – é produzido nas como AIA (acido-indolil-aótico) que é folhas no caule e no ápice. Inibe o crescimento produzido no ápice caulinar em folhas jovens e das plantas. sementes que ficam em desenvolvimento. Uns dos vários efeitos das auxinas na planta são: Efeitos da Luz sobre o desenvolvimento da •Crescimento do caule e da raiz: que são os que planta promovem alongamento das células e não sua divisão. Efeito da aplicação d AIA sobre o A luz não possui um papel importante crescimento. apenas na fotossíntese, mas também na Esse gráfico apresenta uma aplicação de morfogênese vegetal, os principais efeitos se referem à germinação das sementes, ao estiolamento, ao desenvolvimento e à floração. •Fitocromo: Os efeitos morfogenéticos mencionados estão relacionados à captação de luz por um pigmento denominado fitocromo, que ocorre de duas formas: uma inativa chamada de fitocromo R e uma ativa, chamada fitocromo F. O fitocromo R transforma-se em fitocromo F ao absorver luz vermelha de comprimento de onda ao redor de 660nm (vermelho curto), O fitocromo F pode ser convertido em fitocromo R ao absorver luz vermelha de comprimento de diferentes concentrações de AIA. onda de 760nm (vermelho longo) ou se • Tropismos: são auxinas que controlam permanecer escuro. os tropismos que são movimentos orientados por um estímulo e que ocorrem em função do Vermelho curto crescimento. Exemplo: FITOCROMO R FITOCROMO F Estímulos de luz – fototropismo; Força da gravidade da terra – gravitropismo ou Escuro ou vermelho longo geotropismo; Produção de raízes adventícias: fazem que o •Fotoblastismo: É o efeito da luz sobre a grupo de células se desdiferem. germinação das sementes. Algumas sementes Formação de frutos: dão origem ás sementes germinam apenas quando estimuladas pela luz, após a fecundidade, durante seus como as de alface, esse tipo de sementes são desenvolvimentos produzem grande quantidade chamadas de fotoblásticas positivas, outras de auxinas que estimulam o ovário a formar sementes, como as de melancia, por exemplo, frutos. tem a germinação inibida pela luz, estas são Abscisão: as folhas velhas apresentam chamadas de fotoblásticas negativas. concentração de auxinas inferiores ao do caule que forma a camada de abscisão. Causando a queda da folha.14
  • 15. QUESTIONÁRIO•Luz e Estiolamento: Estiolamento é oconjunto das características apresenta das poruma planta que se desenvolve no escuro. Asprincipais características são: ausência de 1. Qual a importância da luz na morfogêneseclorofila, apresentando cor branca amarelada,folhas pequenas, caule muito mais longo e ápice vegetal das plantas?caulinar em forma de gancho. O estiolamento asplantas recém-germinadas do atrito com o solo e 2. Quais as diferenças entre uma planta quefaz com que elas cresçam mais rapidamente em se desenvolve no escuro, e uma planta quedireção à luz, ao atingi-la a planta passa a ter se desenvolve em ambientes com muita luz?desenvolvimento normal. 3. O que é fotoperiodismo?•Fotoperiodismo: São respostas biológicasrelacionadas com a duração do dia e da noite, 4. Como ocorre a absorção da água e dosespecialmente da noite, que varia de acordo com sais minerais através da planta?as estações do ano. As plantas percebem essasvariações por meio do fitocromo e tem a 5. O que é transpiração cuticular efloração influenciada por elas. Quanto aofotoperiodismo, as plantas são classificadas em: transpiração estomática? Qual sua função? Plantas neutras: Florescem independente 6. “São os órgãos reprodutivos dasdo comprimento da noite. ex:tomate angiospermas, são o aspecto mais marcante Plantas de dias curtos: Florescem para as distinguir de outras plantas quequando submetidas a um período escuro mais ou produzem sementes. Auxiliam asigual ao seu período critico (claro). Ex: angiospermas a alcançar uma grandemorango adaptabilidade e a ampliar os ecossistemas Plantas de dias longos: Florescem abertos para elas”.quando submetidas a períodos escuros menores A afirmação se refere á que parte da planta?ao período crítico (claro). Ex: alface Acredita-se que os fitocromos 7. Um dos fatores que concorrem para adesencadeiam a síntese de certos hormônioschamados de florígenos ou hormônios de germinação é a entrada de água na semente,floração, estes migram das folhas através do promovendo assim o aumento do volume dafloema, induzindo a floração. semente e o rompimento do seu tegumento. Qual o nome desse processo? 8. O que seria uma Epiderme? 9. O que é prótalo das pteridófitas? 10. Complete: "Nos diversos grupos de plantas, o gameta feminino, chamado ___________, é sempre imóvel. Já os gametas masculinos são glafelados nas briófitas e nas pteridófitas, recebendo nesses casos o nome de __________. Nas gimnospermas e nas angiospermas, entretanto, eles não são flagelados e são chamados ______________". Confira as respostas em: http://hmbio.blogspot.com 15
  • 16. BIBLIOGRAFIA Biologia-volume único/Sônia Lopes, Sergio Rosso.-1. Ed.-São Paulo : Saraiva, 2005. vestibularseriado.com.br amigosdotufao.blogspot.com http://www.biologados.com.br/images/gnetophy ta_welwitschia_estrobilo.jpg http://2.bp.blogspot.com/_4UfJIzs3JXA/Sj5KZ8 euaiI/AAAAAAAAAAo/6SMrVZ3cJ8Y/s320/p inha.jpg http://biology.unm.edu http://www.thaigoodview.com http://biology.unm.edu/ccouncil/Biology_203/S ummaries/Non-floweringPlants.htm http://www.not1.xpg.com.br/briofitas-e- pteridofitas-ciclos-e-caracteristicas-biologia- vegetal/ http://mateusrafaelbioifes.wordpress.com/ http://mateusrafaelbioifes.wordpress.com/16