• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
3ano 2bi geografia_pe2
 

3ano 2bi geografia_pe2

on

  • 1,281 views

 

Statistics

Views

Total Views
1,281
Views on SlideShare
1,264
Embed Views
17

Actions

Likes
0
Downloads
12
Comments
0

1 Embed 17

http://www.slideshare.net 17

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft Word

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    3ano 2bi geografia_pe2 3ano 2bi geografia_pe2 Document Transcript

    • Frente 1 Módulos 12 e 13: Agricultura<br />-> Importância:<br />• Durante três séculos o Brasil produziu cana-de-açúcar, e por um século o café. A partir de 1940 foi diversificada a sua produção.<br />• Até 1940 a agricultura era a principal fonte de renda do Brasil, atualmente é responstável por cerca de 21,3% do PIB nacional. Emprega cerca de 17% da mão-de-obra ativa do país.<br />• Demonstra uma relação cada vez mais intensa com a atividade industrial, passando a depender das atividades urbanas. Atualmente o foco é a agroindústria (máquinas, adubos, irrigação) e o campo que fornece matéria-prima.<br />-> Fatores Naturais (Brasil):<br />• Relevo: é planáltico e ondulado, exige cuidados, mas não chega a ser um empecilho à produção.<br />• Clima: Tropical, predominando o café, a cana, cacau, milho ou algodão. Ao sul (clima subtropical) permite a produção de trigo, uva soja e outros (culturas temperadas). Com a tropicalização produtos, como a soja ou o trigo, passaram a ser cultivados em áreas tropicais; O maior problema climático são os altos índices de chuva.<br />• Solo: É a camada superficial da rocha, que se decompôs por causa da ação do clima e das bactérias; cerca de 6% são solos férteis (no Brasil); como Massapé (litoral orientam do Nordeste, resultado da decomposição do calcário; se cultiva a cana), Terra Roxa (interior do Centro-Sul, resultado da decomposição do Basalto, tem cor vermelha; era plantado café, agora é cana), Solo de Várzea (junto aos rios, formado por aluviões, de cor cinza ou preta; para culturas de ambientes úmidos como o arroz).<br />• Erosão: destruição mecânica dos solos pela ação das enxurradas (solo desprotegido); perdem-se toneladas de solos férteis, provocando a voçoroca.<br />• Lixiviação: Empobrecimento do solo pela ação da água que “lava” os nutrientes, carregando-os para as camadas inferiores.<br />• Laterização: formação de uma crosta no solo pelo acúmulo de óxidos de ferro e alumínio, transportados para a superfície pela evaporação.<br />• Proteção: é a prevenção, protege o solo mantendo a cobertura vegetal original. Caso isso não seja possível a alternativa é o reflorestamento.<br />• Curvas de Nível: técnica de cultivo que segue as curvas das montanhas, permitindo um melhor escoamento da água sem provocar erosão.<br />• Terraceamento: em terrenos inclinados, corta-se a montanha em patamares para evitar a erosão.<br />• Adubação: Recoloca os nutrientes artificialmente para recuperar o solo lixiviado. <br />-> Distribuição das terras no Brasil:<br />• No Brasil existe mais de 5,2 milhões de propriedades; 53,1% ocupam 2,8% da área agrícola disponível; os minifúndios (propriedades com área inferior ao módulo rural, ou seja, incapazes de produzir seu sustento e progresso socioeconômico, normalmente abaixo de 10 ha).<br />• Os latifúndios (propriedades 600 vezes maiores do que o módulo rural da região, ou seja, mais de 1000ha) apresentam 0,9% de 42,3% da área agrícola disponível.<br />• Segundo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), estabelecimento agropecuário é todo terreno de área contínua, independente do tamanho ou situação (urbana ou rural), formado de uma ou mais parcelas, subordinado a um único produtor, onde se processa uma exploração pecuária. Ou seja, o cultivo do solo com culturas permanentes e temporárias, criação e recriação ou engorda de animais de médio e grande porte; criação de animais pequenos, silvicultura ou reflorestamento e a extração de produtos vegetais.<br />• A má distribuição de terras está junto ao processo de concentração cada vez mais intenso devido à mecanização e à expulsão do pequeno agricultor e ao avanço das frentes agrícolas. Fez surgir o ‘sem-Terra’ e o ‘grileiro’.<br />• Grileiro: Aquele que falsifica títulos de propriedades e vende-os como se fossem autênticos.<br />• Sem-Terra: conhecido como posseiro, invade propriedades com o objetivo de produzir, mesmo sem o título da terra. Hoje existem movimentos como o MST (Movimentos dos Trabalhadores Rurais Sem Terra), que invadiam para forçar o governo a fornecer reforma agrária.<br />• A Modernização da agricultura foi facilitada pela maior tecnologia e menor necessidade de novos espaços, embora a fronteira agrícola continuasse a se expandir. Caso aumente a produtividade, o discurso reformista, que questiona a estrutura agrária, perderá o sentido. O aumento da produtividade ocorre em ritmo acelerado, e a agricultura adquire cada vez mais o aspecto moderno e competitivo, mas ainda está longe de predominar em todo o país propriedades produtivas, geradoras de empregos diretos e indiretos.<br />• A estrutura agrária e fundiária do jeito que ainda se apresenta é fonte de problemas, no campo e nas cidades.<br />• Com a evolução da economia, a questão fundiária foi agravando; apesar do País ter se tornado urbano de fortes indústrias, o campo ainda guarda resquícios de seu período colonial. A modernização da agricultura, a subordinação do campo à cidade, a implantação e implementação da agroindústria não solucionaram os graves problemas sociais no campos relativos à má distribuição das terras.<br />• O surgimento de inúmeros movimentos sem-terra passaram a pressionar o governo e os proprietários. Essas invasões têm-se sucedido nos últimos anos, aumentando os conflitos e as mortes; a solução seria a reforma agrária, na qual o governo desapropriaria as terras que não estivessem sendo utilizadas; distribuindo-as aos sem-terra. Essa reforma agrária vem sendo discutida desde o fim da Segunda Guerra Mundial: década de 1940-50, criação de comissões para estudo do caso; década de 1960, primeira tentativa feita no governo de João Goulart, abortada pelo Golpe de 1964; outubro de 1964, foi criado o Incra, Instituto Nacional de colonização e Reforma Agrária, órgão responsável pelo cadastramento das terras e aplicações do Estatuto da Terra; 1985, criado o Ministério da Reforma Agrária, com obrigações de aplicar o PNRA, Plano Nacional de Reforma Agrária; 1988, a reforma foi inscrita na Constituição, cabendo ao governo federal promovê-la, passando a responsabilidade para o Ministério da Agricultura.<br />• A modernização da agricultura produtiva e competitiva não pode depender de políticas demagógicas de distribuição fundiária, nem do redirecionamento da produção visando apenas à improdutiva geração de itens de subsistência.<br />-> Sistemas agrários:<br />• Extensivo (roçado): grandes extensões de terra, que são subutilizadas, pequena inversão de capitais, mão-de-obra familiar, tecnologia rudimentar e baixos rendimentos. Produção de subsistência ou especulação, geralmente numa monocultura. Desflorestamento (coivara), esgotamento de solos, rotação de solos, pequeno rendimento, produção por homem e terra abundante. Uso do sistema itinerante (roça), bastante rudimentar, pouco ou nenhum adubo, levando a terra ao esgotamento e ao abandono.<br />• Intensivo: propriedade comercial, próxima a grandes centros, disponibilidade de capitais, pequenas propriedades, mão-de-obra abundante e qualificada, culturas diversificadas (policultura), alto rendimento, voltado ao mercado urbano (consumo ou industrial). Uso permanente do solo, rotação de cultivos, fertilizantes, seleção de espécies, seleção de sementes, mecanização, produção por hectare, terra escassa.<br />• Plantation: Introduzido durante o período colonial; um sistema de grandes propriedades, grande inversão de capitais, aplicação de tecnologia (insumos e mecanização), mão-de-obra numerosa e barata (humilde até qualificada), trabalho assalariado, elevado rendimento, produz monocultura tropical (café, cacau, cana-de-açúcar), voltada para o mercado exterior ou industrial. <br />• Semi-intensivo: Modernização da agropecuária com a introdução de técnicas modernas, adoção de insumos industriais, mas com a disposição de terra abundante, grande impacto sobre os solos.<br />-> Utilização das terras:<br />• Lavouras permanentes: Compreendem a área plantada ou em preparo para o plantio de culturas de longa duração, que após a colheita não necessitem de novo plantio, produzindo por vários anos sucessivos.<br />• Lavouras Temporárias: Áreas plantadas ou em preparo para o plantio de culturas de curta duração (menor que um ano) e que necessitem de novo plantio após a colheita; incluíram-se também nessa categoria as áreas das plantas forrageiras destinadas ao corte.<br />• Terras em descanso: Terras utilizadas para o plantio de lavouras temporárias, que se encontram em descanso, por prazo menor que 4 anos em relação ao último ano de sua utilização.<br />• Pastagens naturais: Áreas destinadas ao pastoreio do gado, sem terem sido formadas mediante o plantio, ainda que tenham recebido algum trato.<br />• Pastagens plantadas: Áreas destinadas ao pastoreio e formadas mediante plantio.<br />• Matas naturais: Áreas de matas e florestas naturais utilizadas para extração de produtos ou conservadas como reservas florestais.<br />• Matas plantadas; áreas plantadas ou em preparo para o plantio de essências florestais, incluindo as áreas ocupadas com viveiros de mudas dessas essências.<br />• Terras produtivas não utilizadas: Áreas que se prestam à formação de culturas, pastos ou matas e não estejam sendo usadas para tais finalidades; foram incluídas as terras não utilizadas por período maios que 4 anos.<br />• Terras inaproveitáveis: áreas imprestáveis para formação de culturas, pastos e matas; são as areias, pântanos, encostas íngremes, pedreira etc.; e as formadas pelas áreas ocupadas com estradas, caminhos, construções, canais de irrigação, açudes, etc.<br />• No Brasil, explora-se a terra de maneira direta (o próprio proprietário explora sua terra, cerca de 60% das propriedades do Brasil são direta) e indireta (o proprietário cede sua terra para outros explorarem). Surge o Arrendatário (paga uma renda ao proprietário pela utilização da terra) , o parceiro (paga pelo uso da terra com parte de sua produção); e pelo meio (meeiro) estabelece o terço, quarto ou a forma que o parceiro combinar com o produtor.<br />• Quanto à mão-de-obra, aumento de trabalhadores temporários, destaque no ‘boia-fria’ ou volante, que vive na periferia de pequenas e médias cidades.<br />-> Pessoal ocupado:<br />• Responsável e membros não-renumerados da família: O produtor ou o administrador responsável pela direção do estabelecimento, recebendo quantia fixa ou cota-parte da produção.<br />• Empregados permanentes: Pessoas contratadas para execução de tarefas permanentes ou de longa duração, mediante remuneração em dinheiro ou em quantia fixa de produtos, inclusive os membros das famílias dos empregados permanentes que efetivamente os auxiliam na execução de suas respectivas tarefas.<br />3362325-47625• Empregados Temporários: Pessoas contratadas para execução de tarefas eventuais ou de curta duração, mediante remuneração em dinheiro ou sua equivalência em produtos, inclusive os membros das famílias desses empregados que os auxiliam na execução de suas respectivas tarefas.<br />• Parceiros: Pessoas diretamente subordinadas ao responsável, que executam tarefas mediante recebimento de uma cota-parte da produção obtida com seu trabalho (meia, terça, quarta...), e os seus familiares que os ajudam na execução de suas taregas.<br />• Outra condição: Consideram-se todas as pessoas cujo regime de trabalho difere do regime dos grupos anteriores, tais como: agregados, moradores, etc.<br />-> Agronegócio:<br />• É a agricultura comercial de grande escala, com modernas propriedades, alta tecnologia e produção em larga escala, geralmente voltada para exportação.<br />• O Brasil é o maior produtor mundial de café, laranja e cana-de-açúcar. E é o maior exportados de carne bovina do mundo.<br />• O cultivo de lavouras de grãos aumentou no cerrado por conta do plantio de pastagens. Isso aumentou na integração entre a criação de gado de corte e o plantio de grãos; além de aumentar a produtividade. Ele utiliza a mesma área para lavoura durante três anos e depois a transfere por um ano para a pastagem; assim um quarto da propriedade é destinada à criação de gado e o restante para o plantio de lavouras (soja, algodão, milho e aveia).<br />• Na Agricultura de Precisão, utilizam-se informações de satélites e computação para aumentar a eficiência no controle de pragas e doenças e no uso de máquinas. O resultado é uma elevada produtividade.<br />• A Agricultura Familiar é caracterizada pelas pequenas propriedades onde trabalham famílias inteiras com no máximo dois empregados; é a que mais cria empregos no campo.<br />• Pronaf (Programa Nacional de Fortalecimento à Agricultura Famílias), possui diversos planos de crédito para o pequeno agricultor, para custear e financiar; os créditos de custeio são aqueles que se destinam à compra de insumos, adubos, sementes ou serviços; para plantio das lavouras ou para compra de rações para animais. Os créditos para investimentos são aqueles dirigidos à compra de bens duráveis (tratores, máquinas e implementos) ou à realização de benfeitorias, como matrizes, cercas, silos e estábulos.<br />-> Principais produtos agrícolas:<br />• Nas lavouras Permanentes: Algodão arbóreo; Banana; Cacau; Hévea; Café; Erva-mate; Pimenta-do-Reino; Uva; Laranja.<br />• Nas Lavouras Temporárias: Algodão arbustivo ou herbáceo; Juta; Arroz; Cana-de-Açúcar; Sisal; Milho; Tabaco; Feijão; Soja; Trigo; Mandioca.<br />-> Criação e rebanhos:<br />• Possui rebanhos entre os maiores do mundo: cerca de 230 milhões de cabeças. Ocupa 25% da superfície do país, com pastagens naturais e artificiais. Ainda possui baixa produtividade pela inadequada estrutura fundiária; baixo nível tecnológico e técnicas rudimentares.<br />• Criação Extensiva: Grandes áreas, gado criado à solta, pastagens naturais, falta de aplicação de técnicas avançadas de criação, baixo rendimento, ser destinada ao corte (carne), número reduzido de cabeças por hectare. Pode ser encontrado no Triângulo Mineiro, Campanha Gaúcha, sul do Pará.<br />• Criação Intensiva: Áreas limitadas, rebanhos pouco numerosos, alto rendimento, aplicação de métodos científicos, ser destinada à produção de leite, proximidade dos grandes centros urbanos. Pode ser encontrado no Vale do Paraíba, sul de Minas Gerais.<br />• Criação Semi-intensiva: Maior expansão atualmente.<br />34099509525Frente 2<br />Módulo 12: Região Sudeste<br />-> Aspectos naturais:<br />• Predomínio de planaltos de base cristalina do arqueoproterozoico.<br />• destaques nos Planaltos e Serras do Atlântico Leste e Sudeste; Planaltos e Chapatas da Bacia do Paraná e depressão Periférica da Borda Leste da Bacia do Paraná.<br />• Vegetação: A variedade de climas, solos e as peculiaridades da topografia proporciona uma grande diversidade de tipos de vegetação.<br />• Hidrografia: Predomínio de planaltos torna a região um centro dispersor de bacias. Destaques na Bacia do Paraná; Bacia de São Francisco; Bacia do Leste.<br />• Clima: Predomínio do clima tropical com duas estações definidas: verão chuvoso e inverno seco; destaca-se o clima tropical de altitude na região dos “Mares de Morros”.<br />-> Aspectos Humanos e Econômicos:<br />• Região Sudeste é a mais populosa e a mais povoada. SP, MG e RJ concentram 40% da população do Brasil.<br />• Sua população é majoritariamente urbana; destaques em São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte.<br />• Predominam adultos em sua estrutura etária.<br />• É a região mais industrializada do país; por ser a região economicamente mais desenvolvida, sua produção representa 66,2% do PIB industrial do Brasil.<br />• Devido à saturação de sua infraestrutura, vem conhecendo nos últimos anos um processo de descentralização industrial.<br />-> Sub-regiões geoeconômicas:<br />• (1) Macroeixo Rio-São Paulo: área mais importante da economia; compreende duas metrópoles nacionais e importantes industrialmente; seu relevo é de planícies litorâneas, com destaque para as baixadas santista e fluminense, além de um litoral intensamente recortado com falésias cristalinas. Destaque no Planalto do Leste, composta por Serras do Mar e da Mantiqueira, entremeadas por fossas e bacias sedimentares (Tietê, Paraíba do Sul). Clima predominantemente tropical de altitude, com altos índices pluviométricos nas encostas. Resquícios de Mata Tropical Atlântica em reservas florestais. Ao longo do Vale do Paraíba, inúmeras cidades crescem, num processo de conurbação. Em termos econômicos, seu destaque é o setor secundário ou industrial (indústrias mais simples para as mais sofisticadas); é a região que melhor atende nos serviços. Na agricultura, o destaque é na produção de hortifrutigranjeiros. Na Pecuária, evidencia-se a criação de gado leiteiro no Vale do Paraíba.<br />293370085090• (2) Sudeste Ocidental: O interior do Estado de São Paulo; relevo de baixada de registro, contrafortes da Serra de Paranapiacaba, Depressão Periférica Arenítica, cuestas basálticas e o Planalto Ocidental Paulista (arenito-basalto). O clima é tropical, com chuvas de verão e secas de inverno. Vegetação predominante é o cerrado. Rios são tributários do Rio Paraná (destaque nos Rios Grande, Tietê e Paranapanema). Região dominada por cidades de grande porte (Ribeirão Preto, Sorocaba, Bauru, Araçatuba, Marília, São José do Rio Preto, Araraquara e Presidente Prudente). O êxodo rural é constante e a população passa a ser predominantemente urbana. Destaque econômico na agricultura (laranja, cana, algodão, café) e criação extensiva de gado de corte. Tecnopolos: Campinas, São Carlos, Sorocaba, Botucatu e Ribeirão Preto.<br />• (3)Planalto Sul-Mineiro: região montanhosa dominada pela Serra da Mantiqueira; mares de morros, clima tropical de altitude. Possui a nascente do Rio São Francisco. Uma região com dinamismo da pecuária leiteira e o turismo (hidrominerais – Poços de Caldas, São Lourenço e Caxambu). Destaque para o crescimento tecnopolo de Pouso Algre.<br />• (4)Triângulo Mineiro: Pertence ao Planalto Sedimentar do Paraná; local onde se vê formar o Rio Paraná, junção do Rio Grande com o Paranaíba. É uma região de clima tropical, vegetação de cerrado. Centros: Uberaba e Uberlândia. A principal atividade é a agropecuária de corte, extensiva. Uberlândia é destacável tecnopolo do estado de Minas Gerais.<br />• (5)Quadrilátero Ferrífero: Região de Minas Gerais, planaltos cristalinos antigos ricos em minérios (ferro, manganês), explorado pela companhia Vale do rio Doce e escoados por ferrovias para o Espírito Santo. Possui concentração de serviços e grande número de indústrias de base (siderúrgicas). Está ocorrendo a conurbação em torno de Belo Horizonte. Destaque para a refinaria de Betim.• (6)Sudeste Oriental: região da Serra da Mantiqueira e pela planície litorânea que abrange o norte do RJ e ES. O destaque é a metrópole de Vitória, com atividades portuárias. No Porto de Tubarão atividades de escoamento de minério de ferro e produção de aço para exportação. Destaque na cultura de café e na pecuária.• (7) Norte de Minas: Maior e mais vazia sub-região do Sudeste; clima semiárido e a economia gire em torno dos Vales dos Rios São Francisco e Jequitinhonha. Pequenas atividades pecuárias, produção de carvão vegetal ou agricultura de subsistência. Ocorre o êxodo populacional devido à pobreza.<br />Módulo 13: O Estado de São Paulo<br />-> Quadro natural:<br />•Relevo: é dividido em quatro: Planície Litorânea; Planalto Atlântico Oriental (Serras do Mar, Mantiqueira, Paranapiacaba – cristalinas); Depressão Periférica Sedimentar; Planalto de Arenito-Basalto (Serra de Botucatu).<br />• Clima: Predomínio do Tropical de altitude (regiões serranas) com verão seco e inverno chuvoso. O segundo predominante é o Subtropical.<br />• Vegetação: Dividida em Litoral (mangue, serras, mata úmida de encosta) e interior (mata tropical atlântica mesclada com manchas de cerrado).<br />• Hidrografia: Principal característica é a drenagem voltada para a Bacia do Paraná. Rios Principais: Tietê e Paranapanema. Rios Secundários: Ribeira de Iguape e Paraíba do Sul.<br />-> Quadro Humano:<br />• População predominantemente urbana. A urbanização segue pela história das indústrias, distribuindo-se ao longo das estradas.<br />• Pode-se dividir SP em duas regiões: Porção Leste (grande urbanização com região metropolitana, eixo da Dutra, Anhanguera e Castelo Branco. São Paulo, São José dos Campos, Campinas, Sorocaba e Santos) e Porção Oeste (mais rural, com grandes centros como Ribeirão Preto, Araçatuba, São José do Rio Preto, Bauru, Marília e Presidente Prudente).<br />-> Quadro econômico:<br />• Agricultura: a região mais produtiva do país. Agroindústria de exportação espalha-se pelos terrenos férteis do oeste com cana, café, soja e algodão (Ribeirão Preto, Araraquara e Marília). A agricultura de verduras, frutas, ovos espalham-se pelo cinturão verde.<br />• Pecuária: Pecuária Leiteira: nas regiões do vale do Paraína, Araraquara e são João da Boa Vista. Pecuária de Corte: concentrada no oeste do Estado de SP (Araçatuba, São José do Rio Preto e Presidente Prudente). Galinhas: 22,1% do nacional; equinos: 18,7% do nacional; bovinos: 8,9% do nacional; suínos: 6,2% do nacional.<br />• Indústria: É a grande característica econômica do Estado; possui cerca de 30% dos estabelecimentos do país e emprega 46% da mão-de-obra da indústria nacional. Participa com 40% do PIB brasileiro.<br />Frente 3<br />Módulo 12: EUA<br />-> Formação do território dos EUA:<br />• é formado por 50 estados; é o quarto país em extensão, em terras descontínuas.<br />• O processo de formação territorial dos EUA sofreu um grande abanco a partir de 1776 (independência), expandindo-se para o Oeste.<br />• 1776: Independência das Treze Colônias (Nova Hampshire; Massachusetts; Nova York; Rhode Island; Connecticut; Pensilvânia; Carolina do Norte; Carolina do Sul; Georgia; Delaware; Maryland; Nova Jersey e Virgínia).<br />• 1783: reconhecimento da independência pela Inglaterra, que cede o território dos Grandes Lagos e do meio-norte (Wisconsin; Michigan; Illinois; Indiana; Ohio; Kentucky; Tennessee; Mississípi e Alabama).<br />• 1803: EUA compra da França a Louisiana, que se estendia do Rio Mississípi até as Rochosas (Montana; Dakota do Norte; Dakota do Sul; Wyoming; Minnesota; Iowa; Nebraska; Colorados; Kansas; Missouri; Oklahoma; Arkansas e Louisiana).<br />• 1819: EUA compra a Flórida da Espanha.<br />• 1845: EUA incorpora o Texas, americanos invadem o território mexicano.<br />• 1846: a Inglaterra cede território noroeste (Washington; Idaho e Oregon).<br />• 1853: Guerra com o México; EUA invade e anexa o território da Califórnia; Nevada; Utah; Arizona e Novo México.<br />• 1867: EUA adquire da Rússia o Alasca e as Ilhas Aleutas.<br />• 1898: Anexação do Havaí, Guam, Filipinas e Porto rico; após guerra com Espanha.<br />• 1903: término da construção do Canal do Panamá.<br />• 1916: EUA compra da Dinamarca as Ilhas Virgens.<br />-> Aspectos Naturais:<br />• Relevo: no oeste as Montanhas Rochosas (dobramentos recentes sujeitas a instabilidade e vulcanismo), no centro as Planícies (Rio Mississípi) e no leste Planaltos Antigos (geologicamente estáveis, como os Apalaches, ricos em carvão mineral).<br />• Clima e Vegetação: Predomínio de clima temperado. Ao oeste, litoral da Califórnia, Temperado Mediterrâneo com maqui e o garrigue; ao sudoeste, Desértico com xerófitas; nas Rochosas, temperado frio e seco; no centro, Temperado seco com estepes e pradarias; no sudeste, Subtropical com vegetação subtropical; no leste, temperado oceânico com florestas coníferas.<br />• Hidrografia: Destaque na Região dos Grandes Lagos (nordeste do país), Rio são Lourenço (Canadá), Rios Mississípi-Missouri (navegáveis, nas planícies centrais), Bacias dos rios Ohio, Tennessee, Arkansas e Vermelho, Rio Colúmbia (potencial hidrelétrico) e o Colorado (irrigação).<br />-> População:<br />• Metade da popuçação se concentra na região nordeste (Grandes Lagos, Vale do Ohio e Costa Atlântica).<br />• Concentrações no sul do país (Rio Mississípi, Texas e Novas Orleans) e na costa do Pacífico (Los Angeles e São Francisco).<br />• Vazios demográficos no oeste, nas Montanhas Rochosas, nas Planícies Centrais e no Alasca.<br />• População predominantemente adulta e urbana; predomínio de brancos e negros concentrados no sul e nas grandes cidades. Existe também uma pequena porção de hispânicos, asiáticos e ameríndios.<br />• Imigrantes, de 1800 a 1920 chegaram mais de 44 milhões de imigrantes, começando com europeus (ingleses e irlandeses), escandinavos e alemães; depois mediterrâneos (italianos), eslavos e judeus; depois povos amarelos (chineses e japoneses) e povos latinos. Atualmente recebe imigrantes europeus, canadenses e mexicanos.<br />Módulo 13: México e América Central<br />->México - Aspectos Naturais:<br />• Relevo Geologicamente instável.<br />• Rede Hidrográfica pobre.<br />• Clima Árido com Xerófitas.<br />• Floresta Tropical.<br />-> México - Aspectos Humanos:<br />• País populoso. 52% adultos e 75% urbana.<br />• Mestiços (astecas e maias).<br />• Baixo padrão de vida.<br />• Forte emigração para os EUA.<br />-> México - Aspectos Econômicos:<br />• Agricultura: ocorre na porção centro-sul do país, com clima menos rigoroso. Ao norte cultiva-se algodão; ao centro, milho e trigo; nas encostas da Sierra Madre, o café; no litoral Atlântico, a cana.<br />• O México foi o primeiro país da América a promover uma reforma agrária com a criação dos éjidos, cooperativas agrícolas indígenas.<br />• As sierras mexicanas são ricas em minerais metálicos (chumbo e cobre). Possui petróleo; PEMEX monopolizou a produção deste desde 1938, mas foi flexibilizado nos anos 1990.<br />• Concentra-se no triângulo formado por Guadalajara, Cidade do México e Monterrey, as indústrias. Destaque nos setores petroquímicos, têxtil, automobilística, siderúrgica e metalúrgica.<br />-390525-4762500<br />-447675171450-> América Central – Aspectos Naturais:<br />• Território pequeno, dividido em porção ístimica (continental) ou insular (Grandes Antilhas, Pequenas Antilhas e Bahamas).<br />• Relevo: de origem recente, geologicamente instável, pequenos vulcões presentes e frequentes movimentos sísmicos.<br />• Clima: com influência da maritimidade, clima tropical úmido com chuvas das massas atlânticas. Destacam-se tornados e ciclones.<br />• Vegetação: com o clima úmido, formou-se Florestas úmidas e exuberantes (Floresta Tropical Úmida), que atualmente está sendo devastada pelo homem.<br />• Hidrografia: Rios de pequena extensão e de curso acidentado, sem apresentar destaques.<br />-> América Central – Aspectos Humanos:<br />• É povoada; predomínio de jovens (por causa da elevada taxa de natalidade e mortalidade).<br />• Elevado grau de mestiçagem entre brancos e negros na porção insular.<br />• Brancos e ameríndios na porção ístmica.<br />-> América Central – Aspectos Econômicos:<br />• Países subdesenvolvidos, na periferia do capitalismo (exceto Cuba). Baixo padrão social, economias dependentes do capital externo e grande desigualdades sociais.<br />• Agricultura: de subsistência, produção de milho. Nos plantations o cultivo de café, cana, tabaco e cacau; destinado à exportação.<br />1657350156210• Pecuária: Atividade pouco desenvolvida (por causa da escassez de terras); criação de gado leiteiro próximo às cidades.<br />• Mineração: Atividade restrita, com destaque para a bauxita na Jamaica, e o níquel em Cuba.<br />• Indústria: baixo nível de industrialização, destacando petroquímicas nas Antilhas de origem multinacional (EUA). Destaque na Costa Rica.<br />• Turismo: atividade importante para a maioria dos países, principalmente nas Pequenas Antilhas.<br />• Política: intervenção dos EUA na região tem provocado crises institucionais na Nicarágua, Cuba, Haiti, Granada e Panamá (entre outros). O Canal de Panamá, que permaneceu sob controle americano até 1999, foi devolvido ao Panamá em 2000.<br />-161925210820<br />-> Cuba:<br />• Cuba vive sob embargo econômico imposto pelos EUA desde o início da década de 1960. Esse embargo associado ao fim da URSS e do socialismo,, agravou a crise em Cuba, que enfrenta sérios problemas da alimentação e da energia.<br />• O governo cubano procura, na medida do possível, atrair investimentos externos, que nos anos 1990 destinaram-se ao desenvolvimento do turismo.<br />• Paraísos Fiscais: Países ou possessões estrangeiras que possuem legislações bastante flexíveis sobre o trânsito de capitais em seus sistemas financeiros, e baixos impostos que atraem investimentos especulativos e, principalmente, possibilitam o trânsito de capitais entre setores legais e ilegais da economia, sendo, portanto, interessantes as atividades relacionadas ao narcotráfico.<br />