Definições de relações públicas de acordo com diversos autores
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Definições de relações públicas de acordo com diversos autores

on

  • 360 views

 

Statistics

Views

Total Views
360
Views on SlideShare
360
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
6
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft Word

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Definições de relações públicas de acordo com diversos autores Definições de relações públicas de acordo com diversos autores Document Transcript

  • Definições de Relações Públicas de acordo com diversos Autores “Relações públicas, como disciplina acadêmica e atividade profissional, tem como objetos as organizações e seus públicos, instâncias distintas, mas que se relacionam dialeticamente. É com elas que a área trabalha, promovendo e administrando relacionamentos e, muitas vezes, mediando conflitos, valendo-se para tanto de estratégias e de programas de comunicação de acordo com diferentes situações reais do ambiente social”. Kunsch, Margarida Maria Krohling. “Planejamento de Relações Públicas na Comunicação Integrada”, São Paulo: Summus, 1986, p. 44. “Relações Públicas é, antes de tudo, um processo intrínseco entre a organização, pública ou privada, e os grupos aos quais está direta ou indiretamente ligada por questões de interesses. Esses grupos em nosso caso recebem a designação de públicos. Este processo é um fenômeno que sempre existiu, apenas que somente neste século foi percebida sua importância. Caracteriza-se por ser multidimensional, dinâmico e histórico, das várias formas de interação das organizações em um sistema social, segundo estruturas políticas, econômicas, sociais, éticas, psicológicas e culturais”. Simões, Roberto Porto. Originalmente publicado no número 2 do jornal O Público, órgão informativo da Associação Brasileira de Relações Públicas – Seção Estadual de São Paulo, em agosto de 1979, página 4. “As relações públicas têm sido um instrumento cada vez mais presente nas estratégias das empresas dada a sua função administradora de conflitos entre o público interno/externo e o público externo/interno, além de agir no sentido de manter conceituação positiva para a empresa como um todo (…) Tem sido delegado às Relações Públicas a criação e condução dos departamentos de serviço aos consumidores, demandando uma formação profissional coerente com este novo papel de responsabilidade social”. GIACOMINI FILHO, Gino. Consumidor versus propaganda. São Paulo: Summus, 1991. Função do profissional de relações públicas As funções de Relações Públicas estão expressas no decreto n.º 63.283, de 26/9/1968, que regulamentou a profissão. Consideram-se atividades específicas de Relações Públicas as que dizem respeito: a) à orientação de dirigentes de instituições públicas ou privadas na formulação de políticas de Relações Públicas; b) à promoção de maior integração da instituição na comunidade; c) à informação e a orientação da opinião pública sobre os objetivos elevados de uma instituição; d) ao assessoramento na solução de problemas institucionais que influem na posição da entidade perante a opinião pública.
  • e) ao planejamento e execução de campanhas de opinião pública; f) à consultoria externa de Relações Públicas junto a dirigentes de instituições; g) ao ensino de disciplinas específicas ou de técnicas de Relações Públicas. GRUNIG, James E. , FERRARI, Maria Aparecida. e FRANÇA, Fábio. Relações Públicas: teoria, contexto e relacionamentos. São Caetano do Sul, SP: Difusão Editora, 2009 Relações Públicas no Brasil 30 de janeiro de 1914! Pela primeira vez no Brasil e talvez no mundo, criava-se um departamento com a denominação de Relações Públicas. Esta glória pertence à antiga “The Light and Power Co. Ltda.”, concessionária da iluminação pública e do transporte coletivo na capital paulista, conhecida durante muitos anos como “Light”, uma companhia canadense estabelecida no Brasil no Século XIX. Na ocasião a direção da Light, sentindo a necessidade de um setor especializado para cuidar do seu relacionamento com os órgãos da imprensa e com os poderes concedentes, no sentido de desenvolver um trabalho de Relações Públicas com a imprensa, objetivou o esclarecimento da opinião pública. A direção desse Departamento de Relações Públicas foi entregue ao engenheiro Eduardo Pinheiro Lobo, nascido em 2 de dezembro de 1876, na cidade de Penedo (Alagoas). Durante dezenove anos, o engenheiro Lobo exerceu as funções de diretor de Relações Públicas da “Light”. Em 1973, o professor Teobaldo de Andrade perguntava: “Por que não considerar esse pioneiro o ‘Pai das Relações Públicas no Brasil’?” A Lei nº 7.197, de 14 junho de 1984, instituiu o “Dia da Nacional das Relações Públicas”, quando foi declarado Patrono das Relações Públicas Eduardo Pinheiro Lobo. Em reunião do então Conselho Nacional da ABRP, em 13 de dezembro de 1975, em São Paulo, foi instituída a “Medalha Eduardo Pinheiro Lobo”, destinada a premiar as pessoas físicas ou jurídicas, nacionais ou estrangeiras, que tenham relevantes serviços prestados à classe dos Profissionais de Relações Públicas. No campo governamental, a primeira manifestação do aparecimento de um serviço de Relações Públicas é indicada pela reorganização do Serviço de Publicidade Agrícola do Ministério da Agricultura e sua transformação em Serviço de Informação Agrícola (DecretoLei nº 2.094, de 28 de março de 1940). Na história das Relações Públicas em nosso país, destaca-se a contribuição do grupo liderado pelo professor Mário Wagner Vieira da Cunha, do Instituto de Administração da Universidade de São Paulo, quando foram realizadas, em 1949, várias conferências sobre Relações Públicas e suas correlações com a propaganda e as ciências sociais. Também em 1949, na cidade do Rio de Janeiro, o DASP promoveu o chamado “Curso de Relações com o Público”, tendo como professores Ibany da Cunha Ribeiro e Diógenes Bittencourt Monteiro.
  • Em 1953, a Escola Brasileira de Administração Pública da Fundação Getúlio Vargas, na cidade do Rio de Janeiro, realizou o 1o. Curso de Relações Públicas sob a regência do professor Carlson, e posteriormente foram ministrados outros, por Harwood Childs, da Universidade de Princeton, uma das maiores autoridades, especialmente no que se refere à opinião pública. Em São Paulo, o primeiro serviço de Relações Públicas, com esse título, deu-se em 1954, no Departamento de Águas e Esgotos, com a denominação de Seção de Relações Públicas. Em 1955, pelo Decreto no. 25.112 de novembro foram criados os Setores de Relações Públicas nas Secretarias de Estado e Órgãos diretamente subordinados ao Governador, em decorrência desse decreto, o antigo DEA promoveu um Seminário de Relações Públicas para os ocupantes dos cargos de redator do Serviço Público (julho de 1956), que contou com a participação dos professores: Neville Shepherd, May Nunes de Souza, Juarez Brandão Lopes, Benedito Silva, Florindo Villa Alvarez e outros. No segundo semestre de 1959, foi instituída a disciplina de Relações Públicas Governamentais no Curso de Administração Geral no então DEA. Em 1960 foi instalado o primeiro curso regular de Relações Públicas, “Curso Especial de Relações Públicas” e, em 1964, o curso foi transformado em Curso de Formação em Grau Médio, com três níveis. No Estado do Rio de Janeiro, o primeiro Serviço de Relações Públicas, na área governamental, foi criado pela Prefeitura de Niterói, graças ao trabalho de Noé Matos Cunha, em 1957. Fonte: http://www.portal-rp.com.br/historia/parte_05.htm Glossário: http://www.mundorp.com.br/rp.glossario.htm Relações Públicas: Referências Bibliográficas KUNSCH, Margarida Maria Krohling. Planejamento de Relações Públicas na Comunicação Integrada. São Paulo, Summus, 2003. Bueno, Wilson da Costa. Comunicação Empresarial: teoria e pesquisa. São Paulo, Editora Manole, 2003. CESCA, Cleuza G. Gimenes (org). Relações Públicas e suas interfaces. São Paulo, Summus Editorial, 2006. CIPRIANI, Fábio. Blog corportivo: aprenda como melhorar o relacionamento com seus clientes e fortalecer a imagem da sua empresa. São Paulo, Editora Novatec, 2006. FARIAS, Luiz Alberto de. A literatura de Relações Públicas. São Paulo, Summus, 2004. FRANÇA, Fábio. Públicos: como identificá-los em uma nova visão estratégica. São Catano do Sul/SP, Difusão Editora, 2004. KUNSCH, Margarida Maria Krohling. Planejamento de Relações Públicas na Comunicação Integrada. São Paulo, Summus, 2003. View slide
  • KUNSCH, Margarida Maria Krohling (org). Obtendo resultados com Relações Públicas. 2a ed. São Paulo, Pioneira Thomson Learning, 2006. LOPES, Boanerges. Jornalismo e Relações Públicas: ação e reação. Uma perspectiva conciliatória possível. Rio de Janeiro, Mauad, 2004. MESTIERI, Carlos Eduardo. Relações Públicas, a arte de harmonizar expectativas. São Paulo, Aberje Editorial, 2004. NASSAR, Paulo (org). Comunicação interna: a força das empresas. Vol.3. São Paulo, Aberje Editorial, 2006. PINHO, J.B. Comunicação nas organizações. Viçosa/MG, Editora Universidade de Viçosa, 2006. PINHO, J. B. Relações Públicas na Internet. São Paulo, Summus, 2003. SIMÕES, Roberto Porto. Informação, inteligência e utopia: contribuições à Teoria de Relações Públicas. São Paulo, Summus , 2006. SIMÕES, Roberto Porto. Relações Públicas e micropolítica. São Paulo, Summus , 2001. SOUSA, Jorge Pedro. Planificando a comunicação em Relações Públicas. Florianópolis/SC, Letras Contemporâneas, 2004. VIEIRA, Roberto Fonseca. Comunicação Organizacional: gestão de Relações Públicas. Rio de Janeiro, Mauad, 2004. VIEIRA, Roberto Fonseca. Relações Públicas: opção pelo cidadão. São Paulo, Mauad, 2002., Governança Corporativa ANDRADE, Adriana e ROSSETTI, José Paschoal. Governança corporativa: fundamentos, desenvolvimento e tendências. 2a ed. São Paulo, Atlas, 2006. BORGERTH, Vania Maria da Costa. SOX: entendendo a Lei Sarbanes-Oxley. São Paulo, Editora Manole, 2003. IBGC. Uma década de Governança corporativa: história do IBGC, marcos e lições da experiência. São Paulo, Saint Paul Editora, 2006. SILVA, Edson Cordeiro da. Governança corporativa nas empresas. São Paulo, Atlas,2006. STEINBERG, Herbert (org). A dimensão humana da Governança Corporativa. 3a ed. São Paulo, Editora Gente, 2003. Responsabilidade Social ALESSIO, Rosemeri. Responsabilidade Social das empresas no Brasil: reprodução de postura ou novos rumos? Porto Alegre, EDIPUCRS, 2004. S. Manual de mídia e direitos humanos. São Paulo,2001. CORULLÓN, Mônica Beatriz Galiano e MEDEIROS Filho, Barnabé. Voluntariado na empresa: gestão eficiente da participação cidadã. São Paulo, Peirópolis, 2002. DUPRAT, Carla Cordery. A empresa na comunidade: um passo-a-passo para estimular sua participação social. São Paulo, Global Editora; Porto Alegre/IDIS, 2005. View slide
  • FISCHER, Rosa Maria. O desafio da colaboração: práticas de Responsabilidade Social entre empresas e Terceiro Setor. São Paulo, Editora Gente, 2002. GRAYSON, David e HODGES, Adrian. Compromisso social e gestão empresarial. São Paulo, Publifolha, 2002. INSTITUTO ETHOS. Responsabilidade Social das empresas:a contribuição das universidades. Vol. 5. São Paulo, Editora Peirópolis, 2006. INSTITUTO ETHOS. O balanço social e a comunicação da empresa com a sociedade. São Paulo, 2002. KARKOTLI, Gilson. Responsabilidade Social Empresarial. Petrópolis/RJ, Editora Vozes, 2006. KARKOTLI, Gilson e ARAGÃO, Sueli Duarte. Responsabilidade Social: uma contribuição à gestão transformadora das organizações. Petrópolis/RJ, Editora Vozes, 2004. LIMA, Paulo Rogério dos Santos. Responsabilidade Social: a experiência do Selo Empresa Cidadã na cidade de São Paulo – 1999. São Paulo, EDUC/Fapesp, 2005. MCINTOSH, Malcom e outros. Cidadania corporativa: estratégias bem-sucedidas para empresas responsáveis. Rio de Janeiro, Qualitymark 2001. MELO NETO, Francisco Paulo de e BRENNAND, Jorgiana Melo. Empresas socialmente responsáveis: o novo desafio da gestão moderna. Rio de Janeiro, Qualitymark, 2004. MELO NETO, Francisco Paulo de e FLORES, César. Gestão da Responsabilidade Social corporativa: o caso brasileiro.. Rio de Janeiro, Qualitymark, 2001. SROUR, Robert Henry. Ética empresarial: a gestão da reputação. 2 ed. Rio de Janeiro, Elsevier, 2003. TENÓRIO, Fernando Guilherme (org). Responsabilidade Social Empresarial: teoria e prática. Rio de Janeiro, Editora FGV, 2004. ZACHARIAS, Oceano. SA 8000 – Responsabilidade Social – NBR 16000 – Estratégia para empresas socialmente responsáveis. São Paulo, Editora EPSE, 2004. Assessoria de Imprensa DUARTE, Jorge Antonio Menna. Assessoria de imprensa e relacionamento com a midia: teoria e técnica. São Paulo, Atlas, 2002. GARCIA, Maria Tereza. A arte de se relacionar com a imprensa. São Paulo, Editora Novatec, 2004. LUCAS, Luciane (org). Media training: como agregar valor ao negócio melhorando a relação com a imprensa. São Paulo, Summus Editorial, 2007. LOPES, Boanerges. Jornalismo e Relações Públicas: ação e reação. Uma perspectiva conciliatória possível. Rio de Janeiro, Mauad, 2004. VIANA, Francisco. De cara com a mídia: comunicação corporativa , relacionamento e cidadania. São Paulo, Negócio Editora, 2001. Comunicação Interna
  • CLEMEN, Paulo. Como implantar uma área de comunicação interna. Rio de Janeiro, Mauad, 2005. NASSAR, Paulo (org). Comunicação interna: a força das empresas. Vol.1. São Paulo, Aberje Editorial, 2003. NASSAR, Paulo (org). Comunicação interna: a força das empresas. Vol.3. São Paulo, Aberje Editorial, 2006. PINHO, J.B. Comunicação nas organizações. Viçosa/MG, Editora Universidade de Viçosa, 2006. Comunicação Mercadológica ANDERSON, Chris. A cauda longa: do mercado de massa para o mercado de nicho. Rio de Janeiro, Editora Campus, 2006. COBRA, Marcos e RIBEIRO, Áurea. Marketing: magia e sedução. São Paulo, Cobra Editora & Marketing, 2.000. FREDERICK, Newell. Fidelidade.com. CRM – O gerenciamento das relações com o consumidor na era do marketing pela Internet. São Paulo, Makron Books, 2.000. GOTTLIEB, Liana (org). Comunicação e mercado. Mestrado na Cásper Líbero: orientação e resultado. São Paulo, Iglu Editora, 2004. HARTLEY, Robert F. Erros de Marketing e sucessos. 8a ed. São Paulo, Editora Manole, 2001. KARSAKLIAN, Eliane. Comportamento do consumidor. São Paulo, Atlas, 2.000. RIFKIN, Jeremy. A era do acesso. São Paulo, Makron Books, 2.001. SCHMITT, Bernd e SIMONSON, Alex. A estética do marketing. São Paulo, Nobel, 2.000. SILVEIRA, Marcelo. Web Marketing usando ferramentas de busca. São Paulo, Novatec Editora, 2002. YANAZE, Mitsuru Higuchi (org). Marketing & Comunicação: funções, conceitos e aplicações. São Paulo, Editora STS, 2005. Auditoria de Imagem ARGENTI, Paul A. Comunicação Empresarial: a construção da identidade, imagem e reputação. Rio de Janeiro, Elsevier, 2006. Bueno, Wilson da Costa. Comunicação Empresarial: teoria e pesquisa. São Paulo, Editora Manole, 2003. BUENO, Wilson da Costa. Comunicação Empresarial no Brasil: uma leitura crítica. São Paulo, All Print Editora, 2005 (o livro está esgotado e será relançado pela Mojoara Editorial em 2007, atualizado e revisado). COSTA, Juan. Imagen corporativa en el siglo XXI. Argentina, La Crujía Ediciones, 2001. GALERANI, Gilceana Soares Moreira. Avaliação em Comunicação Organizacional. Brasília/DF, Assessoria de Comunicação Social, 2006.
  • FASCIONI, Lígia. Quem sua empresa pensa que é? Rio de Janeiro, Editora Ciência Moderna, 2006. LUCAS, Luciane (org). Com credibilidade não se brinca! A identidade corporativa como diferencial nos negócios. São Paulo, Summus Editorial, 2004. ROSA, Mário. A síndrome de Aquiles: como lidar com as crises de imagem. 2a ed. São Paulo, Editora Gente, 2001. ROSA, Mário. A era do escândalo. Lições, relatos e bastidores de quem viveu as grandes crises de imagem. São Paulo, Geração Editorial, 2003. ROSA, Mário. A reputação na velocidade do pensamento (Imagem e Ética na era digital). São Paulo, Geração Editorial, 2006. Compartilhe:     Share on Tumblr   Curtir isso: Curtir