Planejamento individualizado em terapia com radionuclídeos: física básica e possibilidade

  • 230 views
Uploaded on

Minicurso XIX CBFM 2014

Minicurso XIX CBFM 2014

More in: Education
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
No Downloads

Views

Total Views
230
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
0
Comments
1
Likes
1

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide
  • Você é profissional ou estudante ?
    https://www.polleverywhere.com/multiple_choice_polls/6Rb547qMgZGw4GN
  • Qual das imagens a seguir é de Medicina Nuclear ?
    https://www.polleverywhere.com/multiple_choice_polls/HXYxUT0RH9xZbaZ
  • O Lu-177 tem duas energias principais 113 kev (6%) e 208 kev (11%). Qual seria a melhor escolha de colimador para realizar a imagem deste radionuclídeo para as imagens de um paciente submetido à terapia ?
    https://www.polleverywhere.com/multiple_choice_polls/tOEdRlSl7lA4Cli
  • Qual o valos do pixel da posição de endereço 2,3 e 5,2 ?
    https://www.polleverywhere.com/multiple_choice_polls/RImGctjZ6bju9WP
  • Quail das imagens a seguir representa melhor o conceito de um efeito estocástico ?
    https://www.polleverywhere.com/multiple_choice_polls/ewmoZMfOQj260LS

Transcript

  • 1. Planejamento individualizado em terapia com radionuclídeos: física básica e possibilidades Físico Médico - Tadeu Takao Almodovar Kubo, MSc tadeu@physrad.com.br XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014
  • 2. Não existe conflito de interesse nesta apresentação XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014
  • 3. Motivação XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014
  • 4. Estimativa de Câncer 2014 - INCa
  • 5. ROLL ANS 2014 Lu-177 e Y-90 Ra-223 XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014
  • 6. Apresentação interativa http://pollev.com/tadeukubo XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014
  • 7. XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014
  • 8. XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014
  • 9. Resposta B.O.L.D./MRI MRI PET/CT ? XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014
  • 10. Sumário • Equipamentos e métodos de imagens • Interação da radiação com a matéria • Grandezas e unidades • Avaliação analítica da dose • Dosimetria imagem • Programas disponíveis • Conclusão ?! XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014
  • 11. Medicina Nuclear XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014
  • 12. Tomografia Computadorizada Ressonância Magnética Medicina Nuclear PET/CT Medicina Nuclear SPECT Anatomia Funcional Resolução: raios X Técnicas de imagem XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014
  • 13. Diagnóstico Terapia Medicina Nuclear SPECT e SPECT/CT PET e PET/CT Planejamento de tratamentos Terapia com radionuclídeos XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014
  • 14. MRI CTSPECT PET Equipamentos XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014
  • 15. Formação das imagens Tomografia Computadorizada Fenômeno de transmissão Pesquisa de imagens googleXIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014
  • 16. Formação das imagens XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014
  • 17. Formação das imagens O paciente é a fonte XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014
  • 18. Formação das imagens SPECT Fenômeno de emissão Medicina Nuclear - CDPI - MD.XXIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014
  • 19. SPECT SPECT (Single Photon Emission Coputed Tomography) gecommunity.gehealthcare.com; Essentials of Nuclear MedicineXIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014
  • 20. Colimadores XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014
  • 21. Colimadores XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014
  • 22. Colimadores Imagens planas Powsner, Essentials of nuclear medicine, 2006XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014
  • 23. Colimadores Imagens planas Site: NuclearFieldsXIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014
  • 24. Colimadores Imagens planas Site: Phelps, 2013XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014
  • 25. Colimadores Imagens planas Site: Phelps, 2013XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014
  • 26. Cristal Imagens planas Site: Phelps, 2013XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014
  • 27. Cristal Imagens planas Site: Phelps, 2013XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014
  • 28. XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014 Fotomultiplicadoras
  • 29. Fotomultiplicadoras Imagens planares Powsner, Essentials of nuclear medicine, 2006XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014
  • 30. Fotomultiplicadoras Imagens planares Site: Phelps, 2013XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014
  • 31. Janelas de energia Imagens planares Powsner, Essentials of nuclear medicine, 2006XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014
  • 32. Janelas de energia XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014
  • 33. Comparação Comunicação pessoal com o Prof. Michael Ljungberg XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014
  • 34. Matriz Imagens planares Powsner, Essentials of nuclear medicine, 2006XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014
  • 35. Matriz Imagens planares Powsner, Essentials of nuclear medicine, 2006XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014
  • 36. Matriz Imagens planares Powsner, Essentials of nuclear medicine, 2006XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014
  • 37. Matriz Imagens planares Powsner, Essentials of nuclear medicine, 2006XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014
  • 38. Conhecer o equipamento QA & QC XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014
  • 39. Medicina Nuclear Dosimetria/Quantificaçã o XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014
  • 40. Produção do Radioisótopo (elaboração do fármaco) Decaimento físico do núcleo radioativo Interações dos fótons com a matéria e produção de partículas carregadas Cadeia esquemática XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014
  • 41. Interação da radiação com a matéria Powsner, Essentials of nuclear medicine, 2006XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014
  • 42. Interação da radiação com a matéria XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014 Powsner, Essentials of nuclear medicine, 2006
  • 43. Powsner, Essentials of nuclear medicine, 2006 Interação da radiação com a matéria XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014
  • 44. Produção do Radioisótopo (elaboração do fármaco) Decaimento físico do núcleo radioativo Interações dos fótons com a matéria e produção de partículas carregadas Transferência de energia das partículas carregadas para o meio Emissão de partícula Cadeia esquemática XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014
  • 45. XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014 Interação da radiação com a matéria Powsner, Essentials of nuclear medicine, 2006
  • 46. XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014
  • 47. Grandezas e unidades Dosimetria/Quantificaçã o XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014
  • 48. A = λ.N = -dN/dt → A = A0 . e-λ.t Unidade (SI) Becquerel (Bq) = 1 desintegração por segundo Unidade antiga: Curie (Ci) → 1Ci = 3,7 x 1010Bq 1mCi = 37MBq λ= ln(2) T1/2 Atividade (A) XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014
  • 49. Meia-vida física XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014 6,02 h 110 min 68 min
  • 50. Meia-vida física XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014 67 h 6 h 64 h 160,8 h
  • 51. Meia-vida biológica XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014 64 h 160,8 h Meia-vida efetiva
  • 52. É uma medida da absorção de energia por qualquer meio material devido a qualquer tipo de radiação ionizante. D = energia = dE massa dm unidade no SI : Joule / Kg antiga Rad = 0,01 J/kg nova Gy (Gray) = 1 J / kg Dose absorvida (D) XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014
  • 53. Energia absorvida por unidade de massa e por unidade de tempo Taxa de dose absorvida ( D = D ) t . UNIDADE Gy/seg ou Rad/seg Dose absorvida (D) XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014
  • 54. wR (fator de peso da radiação) selecionados pela ICRP para representar os valores da Eficácia Biológica Relativa da radiação na indução de efeitos biológicos para baixas doses. Leva em consideração o fato de que radiações de diferentes tipos e/ou energias, em geral, produzem diferentes efeitos biológicos para a mesma dose absorvida HT =DTR * wRR DTR Dose absorvida média no tecido T HT Dose equivalente no tecido ou órgão Dose equivalente (HT) XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014
  • 55. CNEN-NN-3.01/PR2 (2011) Fatores de peso da radiação (wR) Remantiga nova Sievert ( Sv ) XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014
  • 56. wT - Fator peso para o tecido T HT - Dose equivalente para o tecido T Unidade no SI é o Joule/Kg com o nome especial de Sievert (Sv) E =  wT . HT Soma sobre todo o corpo T Dose efetiva (E) XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014
  • 57. CNEN-NN-3.01/PR2 (2011) XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014 Fator de ponderação dos tecidos (wT)
  • 58. MIRD 21 XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014
  • 59. MIRD Pamphlet 21, Bolch et al, JNM, 2009XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014
  • 60. Dose Tecido alvo (ex. medula óssea e rins) Tecido fonte Órgão/Tecido Dose (Gy) Rins 23 ou 27 Medula óssea 2 Powsner,2012/SWARD, World J Surg, v34, 2010/MIRD 19, 2003 177LuRadioterapia XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014
  • 61. Efeitos estocásticos e determinísticos XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014 • Efeito estocástico • Efeito determinístico
  • 62. XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014
  • 63. Grandezas Efeitos estocásticos XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014 • Dose equivalente • Dose efetiva
  • 64. Grandezas Efeitos determinísticos XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014 • Eficácia biológica relativa - dose ponderada (wT)- RBE-Weighted dose • Dose efetiva biológica - BED Stabin, M, Sem. Nucl. Med, 38,2008
  • 65. Dose Stabin, Semin Nucl Med 38:308-320, 2008 onde: •Dβ é a dose in rad; •C é a concentração do nuclídeo no tecido (uCi/g); •Eβ é a média da energia emitida por decaimento do nuclídeo; •T é a meia-vida do nuclídeo no tecido; •73,8 é um fator de conversão de unidades Marinelli, 1948 XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014
  • 66. Dose Stabin, Semin Nucl Med 38:308-320, 2008 onde: •Dt é a taxa de dose no alvo de interesse (Gy/s ou rad/h), •As = atividade (MBq ou μCi) na região da fonte S, •∑ = número de radiações com energia emitidas por transição nuclear, Ei = energia da radiação para a i-ésima radiação (MeV), • fi = fração de energia emitida em uma região da fonte que é absorvida na região do alvo; • mT = massa (kg ou g) da região do alvo; • k = constante de proporcionalidade (Gy.kg/MBq.s.MeV ou rad.g/μCi.h.MeV). Condição é distribuição uniforme da radiação XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014
  • 67. Dose Stabin, Semin Nucl Med 38:308-320, 2008XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014
  • 68. Dose XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014 Stabin, Semin Nucl Med 38:308-320, 2008
  • 69. MIRD 16 XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014
  • 70. MIRD 16 XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014 Aquisições de dados (MIRD 16): 1.Imagens planas, SPECT ou PET; 2.Monitoração externa com um detector de NaI ou GM; 3.Contagens de amostras de tecido, sangue e/ou biópsia; 4.Contagem de excretas.
  • 71. CT = CFP - CEsqP - CDirP XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014 Média geométrica (dosimetria) MIRD 16
  • 72. - Posição reprodutível; - velocidade de varredura:1,67 mm/s; - detectores diametralmente opostos180º; - matriz 256 x 1024; - Janelas de energia (FP, EsqFP e DirFP); - Colimador MEGP; ttj XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014 Média geométrica (dosimetria) MIRD 16
  • 73. A) Sem paciente *mesmo protocolo de aquisição utilizado para a terapia do paciente Imagem de varredura do flood XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014 Média geométrica (dosimetria) MIRD 16
  • 74. B) Com paciente (antes da dose terapêutica) *mesmo protocolo de aquisição utilizado para a terapia do paciente Imagem de varredura do flood sob o paciente Média geométrica (dosimetria) MIRD 16 XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014
  • 75. C) Com paciente (após a dose terapêutica) *mesmo protocolo de aquisição utilizado para a terapia do paciente Imagem de varredura do paciente ttj XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014 Média geométrica (dosimetria) MIRD 16
  • 76. D) Sem paciente *mesmo protocolo de aquisição utilizado para a terapia do paciente Imagem de varredura da fonte de referência “fj não varia significativamente de 1, desde que a densidade de onde está a fonte ou a profundidade no corpo sejam grandes” (MIRD 16) XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014 Média geométrica (dosimetria) MIRD 16
  • 77. Média geométrica Transmissão Atividade ttj Método de vistas conjugadas - MIRD 16 Média geométrica (dosimetria) XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014
  • 78. Programas de imagens Método de vistas conjugadas - MIRD 16 XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014
  • 79. Massa dos órgãos densidade = massa/volume XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014
  • 80. XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014
  • 81. Superposição Solução - SPECT XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014
  • 82. SPECT XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014
  • 83. XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014 SPECT
  • 84. XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014 MIRD 23 Janelas de energia Janelas adjacentes para correção
  • 85. XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014 MIRD 23 Colimador Comunicação pessoal: Prof. Dr. Ljungberg Lund University Anterior Posterior
  • 86. XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014 MIRD 23 Tomografia Computadorizada Auxilia na compensação da atenuação em meios não uniformes e no PVE CT dual energy
  • 87. XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014 MIRD 23 Algoritmos de reconstrução e parâmetros de correção Sem correção Atenuação / Espalhamento Aten. / Esp. CDR Atenuação
  • 88. • Protocolo de aquisição específico; • Correção do tempo morto do equipamento; • Algoritmos de reconstrução; • Correção: Atenuação, Espalhamento e Resposta do sistema de detecção; • Definir o “alvo”; • Calibração do equipamento para quantificação absoluta; • Correção do efeito de volume parcial; • Atividade integrada no tempo; • Imagens Planas/SPECT - Aquisição de ambas (biocinética); • Conversão dos parâmetros de dose-absorvida (BED, EUD,etc). MIRD 23 Resumo XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014
  • 89. XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014 MIRD 24 15 de outubro de 2013
  • 90. MIRD 22 Dosimetria par partículas alfa XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014
  • 91. MIRD 22 Dosimetria para partículas alfa ɣ baixa estatística
  • 92. XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014
  • 93. XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014 Ga-68 Dosimetria PET/CT
  • 94. Medicina Nuclear PET/CT
  • 95. PET Positron Emission Tomography XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014
  • 96. PET (Pósitron Emission Tomography) Computacion y Sistemas. Vol.7 No. 3 pp.167-174; PET XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014
  • 97. PET Positron Emission Tomography XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014
  • 98. 70 CM X Y Z PET Positron Emission Tomography XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014
  • 99. PET Positron Emission Tomography XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014
  • 100. PET Positron Emission Tomography XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014
  • 101. PET Positron Emission Tomography XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014
  • 102. PET Positron Emission Tomography XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014
  • 103. PET Positron Emission Tomography XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014
  • 104. PET Positron Emission Tomography XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014
  • 105. PET Positron Emission Tomography Retroprojeção da LOR TOF - “time of flight” XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014
  • 106. Degradação da imagem PVE - Efeito de Volume Parcial XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014
  • 107. Degradação da imagem PVE - Efeito de Volume Parcial XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014
  • 108. Medidas específicas de cada paciente que influenciam nos valores de SUV: -Área da superfície corporal; -Massa magra (Kg); -Massa total (Kg) – mais utilizada como referência e intercomparação; “Matemáticos” XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014
  • 109. • Há duas maneiras mais comuns de reportar o SUV: • SUV médio: incorpora informações de múltiplos voxels tornando-se menos sensível ao ruído. • Discussão: varia de acordo com a ROI, ou seja, é sensível ao observador; • SUV máximo: é o maior valor dentro de uma ROI, ele independe da ROI, assumindo que o voxel de maior concentração está incluído. • Discussão: é mais suscetível ao ruído. O SUVmax é mais utilizado porque ele é menos dependente do observador e mais reprodutível do que o SUV médio. Métodos comuns (SUV) XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014
  • 110. • SUVpico/peak : envolve os valores médios dos voxels que estão na vizinhança do voxel de maior atividade. “Suavização dos valores” • Discussão: utilizar o SUV peak é como adicionar uma suavização extra na imagem. (Não é implementado e/ou utilizado na práica clínica e há variações de métodos para este mesmo significado) ; Métodos comuns (SUV) XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014
  • 111. Métodos comuns (SUV) XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014
  • 112. • Varibilidade entre os equipamentos; • resolução espacial (PVE); Fatores técnicos
  • 113. • Varibilidade entre os equipamentos; • resolução espacial (PVE); Degradação da imagem XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014
  • 114. • Varibilidade entre os equipamentos; • resolução espacial (PVE); Degradação da imagem XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014
  • 115. • Parâmetros de reconstrução: • Tamanho da matriz da imagem; • “Suavização da imagem” (FWHM); • “Campo de visão” - Field of View (FOV); • TOF x non-TOF; • Número de iterações; • Reformatação da matriz; Fatores técnicos (SUV) XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014
  • 116. • Parâmetros de reconstrução: • Tamanho da matriz da imagem; Fatores técnicos (SUV) XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014
  • 117. • Parâmetros de reconstrução: • Tamanho da matriz da imagem; Fatores técnicos (SUV) XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014
  • 118. • Parâmetros de reconstrução: • “Campo de visão”- Field of View (FOV); Fatores técnicos XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014
  • 119. • Parâmetros de reconstrução: • TOF x non-TOF Fatores técnicos XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014
  • 120. • Parâmetros de reconstrução: • Número de iterações; Fatores técnicos XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014
  • 121. • Parâmetros de reconstrução: • Número de iterações; Fatores técnicos XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014
  • 122. Fatores técnicos XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014
  • 123. Alguns artefatos XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014
  • 124. Alguns artefatos XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014
  • 125. Alguns artefatos XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014
  • 126. XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014 Ga-68 Dosimetria PET/CT
  • 127. XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014 Ga-68 Dosimetria PET/CT
  • 128. Programas Quantificação de imagens XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014
  • 129. Programas XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014
  • 130. Programas Michael Ljungberg michael.ljungberg@med.lu.se Irène Buvat XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014
  • 131. Programas XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014
  • 132. IEEE TNS, vol43,3,1996 Programas XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014
  • 133. IEEE TNS, vol43,3,1996XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014
  • 134. Tópicos (ESTUDO…) Voxel Kernel Convolution (VKC) Utiliza a hipótese de tecido homogêneo Direct Monte Carlo (DMC) Utiliza a tomografia, levando em conta a real distribuição espacial e a heterogeneidade do meio; Many different tools were developed to implement the DMC method, including the EGS-based 3D-RD software by Prideaux et al (2007), the OEDIPE tool by Chiavassa et Botta et al. Page 2 Phys Med Biol. Author manuscript; available in PMC 2014 May 29. NIH-PA Author Manuscript NIH-PA Author Manuscript NIH-PA Author Manuscript al (2005) based on the MCNPX code, the DOSIMG program based on the EGS4 code (Liu et al 2001), the DPM program (Wilderman and Dewaraja 2007), other tools based on the MCNP-4B code (Yoriyaz et al 2001) or the GEANT4 code (Kost et al 2011), and, most recently, the RAYDOSE software based on the GEANT4 code (Marcatili et al 2013) and the MCID tool based on MCNP5 (Vergara Gil et al 2012). XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014
  • 135. Terapia (interesse) Literatura (doença) • Critérios (inclusão); • Tipos de radiofármacos; • Tamanhos das lesões; • Protocolo de administração; • Dosimetria. Literatura (Física/Imagem) • Radionuclídeos; • Equipamentos; • Controles de qualidade; • Calibrações; • Desempenho do sistema; • Simuladores; • Programas disponíveis; • Protocolo de aquisição. Testes (Equipamento/NEMA) • Resolução espacial; • Qualidade da imagem • Avaliar as correções de espalhamento e atenuação; • Taxa de contagem; • Medidas de sensibilidade; Protocolo definido • Escrita do trabalho; • Aprovação do CEP; • Reuniões; • Treinamento da equipe • Radioproteção; • Administração/Internação (ou não); • Aquisição; • Instrução para o paciente. Sugestão de fluxo de trabalho XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014
  • 136. Por que individualizar? • massa, altura, IMC; • biocinética; • tamanho (dimensão, área) da lesão; • indicação clínica; XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014
  • 137. Atenção! XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014
  • 138. Conclusão?! XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014
  • 139. XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014 Conclusão?! • “Com as ferramentas certas, com a atividade certa, para o paciente certo, no momento certo, promove o tratamento certo e um benefício real para o paciente”
  • 140. XIX CBFM - 17 a 20 de agosto de 2014
  • 141. Obrigado!