Os sentidos atribuídos por alunos iniciantes de um curso regular sobre o estudo da língua inglesa

  • 254 views
Uploaded on

Resumo: Este estudo descreveu e interpretou os sentidos sobre o estudo da Língua Inglesa, por alunos iniciantes de um curso regular, através do projeto de Prática como Componente Curricular (entendida …

Resumo: Este estudo descreveu e interpretou os sentidos sobre o estudo da Língua Inglesa, por alunos iniciantes de um curso regular, através do projeto de Prática como Componente Curricular (entendida como a inter-relação da teoria com a realidade social), baseando-se no construto crenças no campo de ensino/aprendizagem de línguas. O intuito da pesquisa foi: (1) realizar um levantamento das sentidos/crenças de alunos iniciantes do curso de Inglês, do Centro de Línguas (Ação de Extensão da Faculdade de Letras/ UFG), Campus Jataí, em relação ao processo de se estudar/aprender língua inglesa, (2) expor os motivos que levaram os mesmos a optarem pela Língua Inglesa e (2) relatar as semelhanças entre as crenças dos participantes. O trabalho realizado foi de caráter qualitativo, no qual utilizamos o estudo de caso. Apenas um instrumento foi empregado: questionário do tipo semi-aberto. A partir da analise dos diferentes motivos que os levaram a cursar aulas de Inglês, os resultados apontam para crenças similares, como por exemplo: (a) o aprendizado da língua não acontece somente em sala de aula, é sim imprescindível o contato com outras fontes de estudo e (b) reconhecem a relevância do trabalho em grupos/pares no processo de ensino/aprendizagem da língua inglesa.
Palavras-chave: Estudo de caso; alunos iniciantes; estudo/aprendizagem de língua inglesa; Crenças.

More in: Education
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
254
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
8
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Os sentidos atribuídos por alunos iniciantes de um curso regular sobre o estudo da Língua Inglesa Aluno: Tácio Assis Barros Unidade Acadêmica: Câmpus Jataí/Coordenação de Letras Endereço eletrônico: tacio.barros@yahoo.com.br Resumo: Este estudo descreveu e interpretou os sentidos sobre o estudo da Língua Inglesa, por alunos iniciantes de um curso regular, através do projeto de Prática como Componente Curricular (entendida como a inter-relação da teoria com a realidade social), baseando-se no construto crenças no campo de ensino/aprendizagem de línguas.O intuito da pesquisa foi: (1) realizar um levantamento das sentidos/crenças de alunos iniciantes do curso de Inglês, do Centro de Línguas (Ação de Extensão da Faculdade de Letras/ UFG), Campus Jataí, em relação ao processo de se estudar/aprender língua inglesa, (2) expor os motivos que levaram os mesmos a optarem pela Língua Inglesa e (2) relatar as semelhanças entre as crenças dos participantes. O trabalho realizado foi de caráter qualitativo, no qual utilizamos o estudo de caso. Apenas um instrumento foi empregado: questionário do tipo semi-aberto. A partir da analise dos diferentes motivos que os levaram a cursar aulas de Inglês, os resultados apontam para crenças similares, como por exemplo:(a) o aprendizado da língua não acontece somente em sala de aula, é sim imprescindível o contato com outras fontes de estudo e (b) reconhecem a relevância do trabalho em grupos/pares no processo de ensino/aprendizagem da língua inglesa. Palavras-chave: Estudo de caso; alunos iniciantes; estudo/aprendizagem de língua inglesa; Crenças. 1. Introdução O interesse de analise em relação às crenças de alunos de Língua Inglesa no aspecto do processo de ensino/aprendizagem de línguas cresceu muito recentemente, pois as mesmas podem induzir o processo de aprendizagem do aluno, os sentimentos e o conhecimento acerca desse professo assim como as ações dos professores em relação ao ensino (Johnson, 1994). Tomamos BARCELOS (1995) para definição de crença: um conhecimento intuitivo (implícito ou explícito) dos aprendizes constituídos de mitos, pressupostos culturais e ideias sobre como aprender língua. Esse conhecimento – compatível com sua idade e nível socioeconômico – é baseado na sua experiência educacional anterior, leituras prévias e contatos com pessoas influentes. (BARCELOS, 1995, p.40) Torna-se fundamental, logo, promover uma reflexão sofre o assunto, pois entender melhor como essas crenças podem afetar o desempenho de aprendizado de um aluno é extremamente importante para os próprios alunos, colegas acadêmicos e mesmo
  • 2. para os professores de Línguas, os quais podem, caso a crença os afete negativamente, investigar melhor essa relação de impacto, tornando, quem sabe, um aprendizado mais contextualizado de modo a abrir a mente do aluno para o mundo do ensino/aprendizagem de uma língua estrangeira. Sendo assim, esta pesquisa objetiva analisar algumas das crenças de dois alunos iniciantes de um curso livre de língua inglesa, em um centro de línguas de uma universidade federal do interior de Goiás em relação ao estudo da língua inglesa. A reflexão sobre as crenças apresentadas pelos alunos em relação ao ensino/aprendizagem de Língua Inglesa, o estabelecimento da comparação entre as crenças dos participantes, a identificando pontos convergentes e divergentes e a identificação se existem crenças que possam interferir negativamente na aprendizagem dos participantes são alguns pontos específicos, os quais são de grande relevância para esta pesquisa, visto que ambos os participantes, nos resultados finais, têm crenças diferentes, as quais influenciarão de forma direta no aprendizado da língua ao decorrer dos anos. Será possível notar então,segundo as crenças que aqui serão apresentadas, o quão diferenciado é o assunto crenças em relaçãoa dois estudantes de LE dentro de uma mesma sala de aula. 1.2 Fundamentação Teórica Visto que o aluno passa a ocupar um lugar peculiar no processo de ensino/aprendizagem de LE, desde a década de 70, vemos que a importância das crenças sobre aprendizagem tem sido relacionada principalmente com sua influencia na abordagem de aprender dos alunos e no ensino autônomo e ainda, segundo Pajares (1992), elas têm influencia na organização da definição de tarefas das pessoas. É imprescindível citar alguns pesquisadores, como Abraham &Vann (1987), Erlbaumet al.(1993), Riley (1997) e Yang (1992), como referencia, pois indicam que as crenças podem influenciar estratégias de aprendizagem de línguas. A ênfase deste estudo recai sobre a identificação das crenças apresentadas pelos participantes através de ume estudo de caso, o qual surgiu, segundo André (2005), na sociologia e na antropologia, ao final do século XIX e início do século XX, visto que desde essa época as condições sociais já davam sinal para que o homem começasse a se tornar mais singular, objetivo, e com isso características e atributos da vida social foram sendo realçados, os quais, de acordo com Ana Bock (2003), influenciam atitudes e pensamentos da natureza humana.
  • 3. Portanto, finalizamos a fundamentação teórica com White (1999), o qual aponta que as expectativas dos estudantes de LE são desenvolvidas diante as suas experiências, as quais também são moldadas por suas, em outras palavras, as crenças dos alunos os guiam nas concepções de aprendizagem de línguas e influencia a aproximação que eles adotam para aprender uma linga estrangeira, neste caso o Inglês. 2. Metodologia A modalidade de estudo utilizada foi a pesquisa qualitativa, dentro da qual optamos pelo estudo de caso. O estudo de caso é uma tática de analise que concebe um método o qual abraça tudo em abordagens especificas de coletas e analise de dados (YIN, 2001), adotamos esta tática, pois o assunto é amplo e complexo não podendo ser estudado fora do contexto onde ocorre naturalmente. O estudo de caso é uma forma particular de estudar, e neste caso é fundamental abordar a complexidade do assunto crenças quando se fala em alunos iniciantes de um curso livre de idiomas, os quais enfrentarão desde o começo o impacto, seja positivo ou negativo, de suas crenças no aprendizado da segunda língua. Logo, essa técnica de estudo nos permite focalizar o quão longínquo é o espaçamento da diferença de crenças entre dois alunos de um mesmo nível e de uma mesma sala de aula, nos baseando na lógica indutiva, através de um questionário semi-aberto para a coleta de dados, não aprofundando detalhes acerca dos alunos. Esperamos aqui que o estudo de caso seja suficiente para abordarmos crenças superficiais dos participantes da pesquisa, permitindo aos leitores a construção de novos conhecimentos e compreensão acerca do assunto. 2.1 Contexto e Participantes da Pesquisa O local de realização da pesquisa foi o curso de Inglês do Centro de Línguas o qual é uma Ação de Extensão da Faculdade de Letras/ UFG. Foi fundado em 1995. O seu objetivo principal é oferecer cursos de línguas – portuguesa, estrangeiras e LIBRAS – e, eventualmente, jornadas pedagógicas, cursos temáticos e oficinas de textos, bem como oportunidade de estágio não obrigatório para alunos da Faculdade de Letras que atuam como bolsistas nas diversas áreas do referido Centro. Os participantes do estudo foram dois: dois alunos iniciantes (Caesar e Kate) e um do curso de língua inglesa. Acentuamos que foram utilizados pseudônimos,
  • 4. escolhidos pelos próprios acadêmicos, com o objetivo de garantir a privacidade dos mesmos. Kate possui acima de 20 anos, nunca estudou inglês antes e optou pelo curso de Inglês para “Tentar Ciência sem fronteiras e Provas de Pós- Graduação” (Questionário). Caesar, também ingressante, possui entre 20 e 25 anos, o único contato que teve com a língua inglesa foi no ensino fundamental e médio. Escolheu o curso de Inglês por “Duas necessidades fundamentais: Primeiro a interação com textos e livros na língua inglesa (clássicos da literatura, principalmente); Segundo, na necessidade de um mestrado, e por isso, da segunda língua para poder trabalhar com livros teóricos que exigem muito mais do que o inglês apreendido nas escolas públicas brasileiras” (Questionário). 2.2. Instrumentos de coleta de dados Apenas um instrumento foi empregado na coleta dos dados deste estudo. O questionário empregado era do tipo semi-aberto (Nunan, 1992) e continha quatro seções. Escolhemos questionário como um dos instrumentos para coletar os dados necessários para a pesquisa porque, segundo Johnson (1992), demanda menos tempo e menos custos. Na primeira seção, com dez questões, buscamos colher informações pessoais dos participantes como, por exemplo, idade, quantidade de tempo que estudam Inglês e quais as razões que os levaram a aprender o idioma, dentre outras. Na segunda parte, com quinze questões, havia a busca de respostas mais objetivas por parte dos participantes, numa escala Likert1 . Na terceira seção, os participantes precisavam completar quatro frases como, por exemplo, “Eu estudo inglês porque...” e “Aprender inglês é...”, com o objetivo de elaborar metáforas que conduziriam a indícios de suas possíveis crenças. Por fim, na seção quatro, os participantes se depararam com três questões, como por exemplo, “Em sua opinião, qual é o papel do Inglês na sua vida hoje?”, de forma a se expressarem livremente. 1 “A escala Likert consiste tipicamente de um conjunto de enunciados que expressam alguma afirmação sobre o objeto atitudinal, seguido cada enunciado de alternativas que indicam o grau de concordância ou discordância de cada respondente em relação ao seu conteúdo” (Omote, 1998, s/p).
  • 5. 2.3. Análise dos dados Elegemos os procedimentos da pesquisa qualitativa na análise dos dados. Primeiramente realizamos uma leitura total dos dados a fim de alcançar categorias. Posteriormente, foi feita uma leitura precisa, apontando nossas impressões, com o objetivo de despertar indagações e levantar relações entre as partes. Por fim, foi capaz notar diferentes temas que se configuraram em três de análise, a saber: (1) Motivos de estudar a língua Inglesa, (2) Crenças sobre aprendizagem de inglês e (3) Crenças sobre o lugar ideal para se aprender a língua inglesa. 3. Resultados Neste segmento, expomos primeiramente os motivos que levaram os participantes a estudarem a língua, o papel da língua inglesa, hoje, para eles se foram influenciados na escolha da língua estrangeira e em segundo os sentidos atribuídos, pelos participantes da pesquisa, ambosiniciantes de um curso regular, sobre o estudo da Língua Inglesa, ou seja, as suas possíveis crenças. Aluno participante – Caesar O participante ressalta os motivos de estudar Inglês: “Eu estudo Inglês por que preciso ler e entender o mundo a minha volta que a cada dia torna-se mais envolvido pelo inglês, isso pensando o desenvolvimento das novas tecnologias que quase sempre estão em inglês”. Ao ser indagado se foram influenciado por alguém a optar pelo Inglês, ele responde: “Ninguém em particular. Curso inglês por gostar de ler e algumas obras que não possuem traduções para o português, são facilmente encontradas no inglês.” O participante relata o papel do Inglês, hoje, para si: “É uma diversão. Com ele vou poder ler e ouvir a opinião e a cultura que rola no mundo atual. E ler o que quiser, lembrando que já há algum tempo estou acompanhando uma série literária: Os legados de Lorien. Que geralmente está em inglês e demora muito para sair para o português. Assim que terminar o meu terceiro curso superior vou tentar um mestrado, e talvez, ir atrás de um doutorado no exterior, de preferencia nos EUA ou na Inglaterra”. (1) Crenças sobre aprendizagem/estudo do Inglês: Foi possível perceber que para o aluno participante no processo de aprender/estudar a língua inglesa (a) Estudar Inglês depois de adulto não é perda de tempo; (b) estudar Inglês é melhor, pois é mais
  • 6. rápido que outras línguas; (c) Estudar Inglês é “interessante do ponto de vista do dialogo, é uma língua bem flexível e também garante certa facilidade quando o país em que se encontra fala o inglês como meio comercial ou mesmo cotidiano. O inglês domina o mundo e o mundo fala o inglês”; (d) não basta frequentar as aulas para se aprender Inglês; (e)é importante o aluno trabalhar em grupos; (f) Aprender inglês “não é tão simples como alguns pensam. Cada um enfrenta certas dificuldade[s], já que as séries iniciais não desempenharam o devido trabalho na alfabetização da segunda língua” e (g) estudar inglês não é semelhante a estudar português (2) Crenças sobre o lugar ideal para se aprender a língua inglesa: para o aluno iniciante (a) Alunos de escola particular aprendem inglês melhor e (b) É impossível aprender inglês na escola pública. Aluna participante – Kate A participante destaca o intuito de estudar a língua Inglesa: “Uma oportunidade melhor na vida profissional e realizar meu sonho de fazer estagio fora do Brasil, de preferencia em um lugar que de valor em minha futura profissão (Enfermagem). E sem contar que as melhores pesquisas realizadas na área da saúde são realizadas por Americanos, ou seja, suas pesquisas estarão em Inglês”. Quando questionada se alguém a influenciou a estudar a língua Inglesa, temos a seguinte resposta: “Minha irmã”. O papel do Inglês, hoje, na vida do participante: “Eu consigo me diferenciar dos demais que não tem Inglês, pois em uma entrevista de trabalho, seleção de Pós- graduação ou ate mesmo estagio o Inglês tem um peso muito grande. E futuramente acredito que o Inglês ira fazer uma seleção entre os profissionais de saúde e demais profissão”. (1) Crenças sobre ensino/aprendizagem de inglês: foi possível inferir que a participante parece possuir as seguintes crenças em relação ao processo de se ensinar/estudar a língua inglesa: (a) Estudar Inglês é essencial para viver na sociedade atual; (b) Estudar Inglês “não pode ser apenas em sala de aula mas também em casa a cada dia”; (c) Estudar Inglês depois de adulto não é perda de tempo; (d) Não há hora certa para começar a aprender Inglês; (e) Aprender inglês “é um obstáculo muito grande
  • 7. em minha vida, mas com dedicação e paciência vou conseguir”; (f) Estudar Inglês particular é o ideal e (g) É importante o aluno trabalhar em grupos. (2) Crenças sobre o lugar ideal para se aprender a língua inglesa: os resultados sugerem que para o participante (a) (f) Para se aprender inglês é necessário passar algum tempo no país onde se fala essa língua e (b) Alunos que frequentam escolas privas de Inglês aprendem o idioma melhor. Hoje o conhecimento de determinada língua estrangeira tornou-se uma necessidade, não só para o mercado de trabalho, mas também por possibilitar o acesso a informações, sendo assim, finalizamos esta seção com a reflexão em relação a ambos participantes terem apresentado diferentes motivos para a escolha da língua. Enquanto o participante Caeser demonstra não ter tido “pressão” em escolher o Inglês, e expressar que, para ele, o estudo da língua é diversão, a participante, Kate, parece ser pressionada pela parte profissional e social a adquirir essa segunda língua, e que mesmo com essa diferença, é possível perceber crenças em comuns entre os participantes. 4. Considerações finais Assim, esta investigação reflete novas descobertas no campo de aprendizagem de língua estrangeira, pois segundo esses alunos, (a) começar estudar uma língua estrangeira na fase adulta não é perda de tempo, apesar de entenderem que há sim um grau maior de dificuldade na aprendizagem, (b) o aprendizado da língua não acontece somente em sala de aula, é sim imprescindível o contato com outras fontes de estudo, (c) reconhecem a relevância do trabalho em grupos/pares no processo de ensino/aprendizagem da língua inglesa e (d) ressaltam que alunos frequentadores de cursos livres de Inglês aprendem mais do que alunos que não os frequentam. Visto que as crenças estão associadas ao comportamento dos indivíduos, elas podem interferir de forma positiva ou negativa no processo de ensino/aprendizagem e na construção do conhecimento, por isso a necessidade desse tipo de investigação, a qual proporciona uma análise reflexiva sobre o papel fundamental das crenças no construto do aprendizado de alunos de língua estrangeira. BIBLIOGRAFIA ANDRÉ, M. E. D. A. Estudo de Caso em Pesquisa e avaliação educacional. Brasília: Liber Livro Editora, 2005.
  • 8. ARRUDA, C. F. B. O processo de ressignificação de crenças e de mudança na prática pedagógica de um professor de inglês em educação continuada. 2008. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada). Belo Horizonte: UFMG, 2008. BARCELOS, A. M. F. A cultura de aprender língua estrangeira (inglês) de alunos de Letras. 1995. 140 p. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada) – Instituto de Estudos da Linguagem, Unicamp, Campinas, 1995. BOCK, A. M. B. A perspectiva sócio-histórica na formação em psicologia. 2003. Petrópolis, RJ. Editora Vozes, 2003. FIGUEIREDO, F. J. Q. de. Correção com pares: os efeitos do processo de correção dialogada na aprendizagem da escrita em língua inglesa. 2001. Tese (Doutorado em Letras: Estudos Linguísticos). Belo Horizonte: UFMG, 2001. FINARDI, K. Teachers’ use of and beliefs on ludic language in the foreign language class. 2004. Dissertação (MestradoemLetras). Florianópolis: UFSC, 2004. JOHNSON, D. Approaches to Research in Second Language Learning. New York: Longman, 1992. LIMA, S. dos S. Crenças de uma professora e alunos de quinta série e suas influências no processo de ensino e aprendizagem de inglês em escola pública. 2005. Dissertação. (Mestrado em Estudos Linguísticos). São José do Rio Preto: UNESP, 2005 NUNAN, D. Research Methods in Language Learning. Cambridge: Cambridge University Press, 1992. PAJARES, F.M. Teachers' beliefs and educational research: Cleaning up a messy construct. Review of Educational Research, v. 62, n.3, p. 307-332, 1992. White, C. (1999). Expectations and emergent beliefs of self-instructed language learners, System, 27, 443-457. YIN, Roberto K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 2ª Ed. Porto Alegre. Editora: Bookmam. 2001.