AnáLise CríTica Susana
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

AnáLise CríTica Susana

on

  • 518 views

 

Statistics

Views

Total Views
518
Views on SlideShare
518
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
1
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    AnáLise CríTica Susana AnáLise CríTica Susana Document Transcript

    • Análise Crítica ao Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares Tudo o que sei é ela que me ensina. O que saberei, o que não saberei nunca, Está na biblioteca em verde murmúrio De flauta-percalina eternamente. Carlos Drumond de Andrade “Biblioteca Verde” O MODELO ENQUANTO INSTRUMENTO PEDAGÓGICOE DE MELHORIA.CONCEITOS IMPILICADOS O modelo de auto-avaliação das bibliotecas escolares surge como um documento que visa ser um “instrumento pedagógico e de melhoria contínua que permita...avaliar o trabalho da biblioteca escolar...as áreas de sucesso e aquelas que...requerem maior investimento, determinando, nalguns casos, uma inflexão das práticas”, sendo, portanto, orientador da qualidade do trabalho a desenvolver na BE. A importância do referido modelo nas escolas é reconhecida, pois permite identificar as prioridades para a melhoria, apontando um caminho e mostrando o que se pretende da biblioteca escolar. Os conceitos ou ideias-chave implícitos na construção e aplicação deste modelo são a “noção de valor”, que se prende com os resultados que contribuem para a concretização dos objectivos da escola onde se insere a BE; a “melhoria contínua” , que leva a reflectir sobre a mudança/melhoria que a BE provocou no processo ensino aprendizagem e no desenvolvimento de competências para a
    • aprendizagem ao longo da vida , e, ainda, a “necessidade de fazer a Auto-Avaliação”, pois só através da reflexão inerente a este processo, encontrando pontos fortes e pontos fracos, se conseguirão as mudanças concretas que se pretendem. PERTINÊNCIA DA EXISTÊNCIA DE UM MODELO DE AVALIAÇÃO PARA AS BIBLIOTECAS ESCOLARES Durante muito tempo, a avaliação das actividades de uma biblioteca resumia-se a um relatório final, suportado por questionários que, muitas vezes, identificavam factores quantitativos do serviço realizado: número de empréstimos, de visitas e de recursos físicos e humanos e verbas atribuídas e gastas. Faltava, no entanto, encontrar um modelo comum de actuação que permitisse, nas escolas, fazer a avaliação do trabalho realizado pelas BE’s. A ideia de que as Bibliotecas Escolares contribuem de forma significativa para a melhoria do processo ensino/aprendizagem e para o sucesso educativo está amplamente difundida internacionalmente e começa, agora, a ser aceite no nosso país. Assim, a pertinência de um modelo de auto-avaliação prende-se com vários aspectos, pois ele passa a permitir avaliar a actual qualidade e a eficácia da biblioteca escolar; permite apontar um caminho a seguir; desenvolver esforços para o implementar; estabelecer metas a atingir por todas as escolas e por todos os coordenadores de bibliotecas; orientar a criação de uma planificação estratégica, de modo a satisfazer mais alunos e professores; identificar pontos fortes e pontos fracos, de forma a determinar as prioridades das melhorias a implementar e apoiar, de forma mais eficaz, o ensino e a aprendizagem; mostrar as evidências do valor da biblioteca, do trabalho do coordenador e dos resultados obtidos.
    • ORGANIZAÇÃO ESTRUTURAL E FUNCIONAL. ADEQUAÇÃO E CONSTRANGIMENTOS O Modelo de Auto-Avaliação adopta uma aproximação à realidade por etapas que, tendo em conta o contexto interno e externo da BE, devem conduzir o professor bibliotecário a seleccionar o domínio a ser objecto de aplicação dos instrumentos. A organização estrutural do modelo integra as diferentes funções que são atribuídas a uma Biblioteca Escolar e organiza-se em quatro domínios: ♦ O domínio A: Apoio ao Desenvolvimento Curricular compreende dois subdomínios: A.1. Articulação da BE com as estruturas pedagógicas e A. 2. Desenvolvimento da literacia da informação; ♦ O domínio B refere-se à Leitura e literacias; ♦ O domínio C prende-se com os Projectos, Parcerias e Actividades Livres e de Abertura à Comunidade e compreende os subdomínios: C 1. Apoio a actividades livres, de natureza extra curricular e C2. Projectos e parcerias. ♦ O domínio D refere-se à Gestão da Biblioteca, com os subdomínios: D.1.Articulação da BE com a escola; D.2.Condições humanas e materiais para a prestação de serviços e D.3. Gestão da colecção. “O ciclo de avaliação completa-se ao fim de quatro anos e deve permitir uma visão holística e global da BE.” Este parece-me ser um modelo exigente, mas adequado aos objectivos que se propõe atingir. Quanto aos constrangimentos, é-me difícil fazer uma análise crítica uma vez que a Biblioteca que coordeno, a Biblioteca Escolar do Agrupamento Vertical de Escolas de Lordelo, apenas entrou na Rede de Bibliotecas Escolares no ano lectivo de
    • 2008/2009 (1º ano como biblioteca integrada) e, como tal, este modelo ainda não foi posto em prática na minha escola . INTEGRAÇÃO/ APLICAÇÃO À REALIDADE DA ESCOLA Sendo este ano, pela primeira vez Professora Bibliotecária a tempo inteiro, ainda não tenho uma opinião muito concreta sobre a implementação deste modelo. Sem descurar aspectos fundamentais como os referenciados pelos vários estudos internacionais relativos à avaliação das BE’S, considero que este processo de auto-avaliação deve fazer-se de forma integral, ou seja, tendo em consideração os aspectos de gestão dos recursos, mas também os aspectos relacionados com o impacto no processo ensino/aprendizagem. Deve ser um processo abrangente, tendo em consideração a escola no seu todo, o Plano Anual de Actividades e as metas e os objectivos constantes no Projecto Educativo de Agrupamento. Assim, concordo, “O Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares enquadra-se na estratégia global de desenvolvimento das bibliotecas escolares portuguesas...”. COMPETÊNCIAS DO PROFESSOR BIBLIOTECÁRIO E ESTRATÉGIAS IMPLICADAS NA SUA APLICAÇÃO “O modelo indica o caminho, a metodologia, a operacionalização. A obtenção da melhoria contínua da qualidade exige que a organização esteja preparada para a aprendizagem contínua. Pressupõe a motivação individual dos seus membros e a liderança forte do professor coordenador, que tem de mobilizar a escola para a necessidade e implementação do processo avaliativo.”
    • Importa, portanto, salientar que o professor bibliotecário deverá ser, acima de tudo, um profissional especializado (julgo ser isso que pretende a portaria nº756/2009 de 14 de Julho). Deverá assumir um papel de liderança neste processo de avaliação da Biblioteca Escolar, de modo a que todos reconheçam a importância da biblioteca na melhoria dos resultados escolares. Assim, Tem que ser capaz de: ♦ “Pensar estrategicamente; ♦ Gerir estrategicamente, de acordo com as prioridades da escola e para o sucesso; ♦ Promover uma cultura de avaliação; ♦ Comunicar permanentemente. Articular prioridades.” Concluindo, o professor bibliotecário deverá ter a capacidade, a motivação e a determinação de se tornar indispensável para o funcionamento da escola, de acordo com os objectivos inerentes a este projecto de mudança que começa agora a alicerçar-se: “The school librarian can run his or her program in collaboration with classroom teachers, reading specialists, and other educators, exciting students about books and media, as well as providing easy access to rich book and media collections. As a reading advocate, school librarians fulfill the teacher and instructional partnership expectations of Information Power.” BIBLIOGRAFIA Texto da Sessão; Modelo de Auto-Avaliação; “This Man Wants To Change Your Job” ficheiro A Formanda: Susana Ramalhete dos Santos Ladeira Martins