Seminário Internacional Michel Foucault: Perspectivas Corporeidade, Biopoder e Biopotência: Estudo, em Foucault, do Concei...
Na época clássica o corpo é descoberto como objeto de poder. Idealizava-se torná-lo dócil , quer dizer, submisso, obedient...
Segundo (Foucault 1971)   O corpo é marcado por práticas de controle, que podem ser definidas “como esquemas que o indivíd...
<ul><li>Fonseca Silva  traçou um caminho histórico para entender o discurso do cuidado com o corpo. </li></ul>
Grécia Clássica O governo do corpo tinha como objetivo a vida na polis e o desempenho do poder político. Regulava-se o cor...
Grécia Antiga A personificação da beleza estava ligada ao corpo do masculino, valorizado pela sua capacidade atlética, saú...
Era Cristã A beleza do corpo feminino era temida e associada à mentira, à astúcia, ao engano e à perdição. Mas não houve v...
Baixa Idade Média   A prática de exercícios físicos tinha como objetivo a preparação militar e a prática de atividades des...
Alta Idade Média   O cuidado de si, estava associada a prática do exercício físico que tinha como alvo à preparação milita...
Na Idade Média, houve reafirmação da beleza feminina como um mal, associada à  queda e à satã, à arma do diabo.
Renascimento Permanece o discurso em que a beleza feminina é associada a malignidade. Com a influência da escultura grega,...
A partir da Idade Clássica (século XVII), a beleza feminina começou a ser dissociada do valor moral e passou a ter valor f...
<ul><li>.  </li></ul>Século XVIII A partir deste período, começa-se a ligar o cuidado com o corpo, sob interesse político,...
Século XIX  O exercício físico é pautado por questões militares mas aparece associado a interesse de cientistas,  médicos ...
Século XX No início da segunda metade deste século, instaura-se uma nova ordem de poder-saber sobre o corpo,  a beleza dei...
O desenvolvimento industrial e a grande influência da mídia contribuem  para que o culto do corpo belo e saudável entre na...
Padrões de beleza
A partir do século XX a dominação capitalista em relação ao corpo  e a vida passa  da ordem jurídica-política para a ordem...
Foucault diz que onde há saber sobre um corpo, há uma relação de poder, há a produção de uma força de disciplinarização e ...
Fernando e Hélio afirmam que  na concepção de que  os corpos são alvos de saberes e poderes, acabam sendo constituído e co...
<ul><li>Segundo Foucault o poder, além de se utilizar da disciplina, criou também estratégia de controle sobre a duração d...
Focault afirma que o corpo é uma realidade biopolítica  e que o biopoder tem, portanto, duas pinças articulando-se entre s...
Foucault inserirá a medicina como forma de saber-poder. medicina é uma estratégia biopolítica. A medicina não faz valer se...
A liberdade estaria na capacidade de sermos senhores de nós mesmos, assumindo-nos como sujeitos ativos de relações em que ...
A prática de si acabaria sendo uma arte da  existência
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

ApresentaçãOepistemologia 2

2,124

Published on

Published in: Travel
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
2,124
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
4
Actions
Shares
0
Downloads
23
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

ApresentaçãOepistemologia 2

  1. 1. Seminário Internacional Michel Foucault: Perspectivas Corporeidade, Biopoder e Biopotência: Estudo, em Foucault, do Conceito de Corpo como Lugar de Investimento do Saber-Poder Médico e Conexão com o Conceito de Resistência como Prática de Si. Fernando Hiromi Yonezawa /UNESP Hélio Rebello Cardoso Jr./ UNESP Práticas e Dispositivos de Subjetivação: Poder-Saber nos Discursos do Cuidado de Si. Maria da Conceição Fonseca Silva /UESB Sobre Tiazinhas e Barbies: Um Estudo sobre Subjetivação e Corpos Femininos Will Bortolini Barp/ UFPR Ricardo Marinelli Martins/ UFPR
  2. 2. Na época clássica o corpo é descoberto como objeto de poder. Idealizava-se torná-lo dócil , quer dizer, submisso, obediente e por tanto, útil. Porém era importante também que os corpos permitissem captar, entender e explicar os seus funcionamentos, para a constituição de um saber que possibilitasse o aperfeiçoamento e a produção do poder. Cuidado de si: o corpo resignificando
  3. 3. Segundo (Foucault 1971) O corpo é marcado por práticas de controle, que podem ser definidas “como esquemas que o indivíduo encontra na sua cultura e que lhes são propostos, sugeridos e impostos pela sua cultura, sua sociedade e seu grupo social” Essa prática do cuidado com o corpo se constitui como um dispositivo de sujeição milenar.
  4. 4. <ul><li>Fonseca Silva traçou um caminho histórico para entender o discurso do cuidado com o corpo. </li></ul>
  5. 5. Grécia Clássica O governo do corpo tinha como objetivo a vida na polis e o desempenho do poder político. Regulava-se o corpo através de regime de saúde (alimentação, bebida, sono, relações sexuais). Associado à medicina.
  6. 6. Grécia Antiga A personificação da beleza estava ligada ao corpo do masculino, valorizado pela sua capacidade atlética, saúde e fertilidade. A mulher era vedada a prática do exercício físico e a maquiagem. Enquanto prática de embelezamento do corpo feminino, era considerada trapaça e desonestidade.
  7. 7. Era Cristã A beleza do corpo feminino era temida e associada à mentira, à astúcia, ao engano e à perdição. Mas não houve valorização da beleza do corpo masculino como na Grécia. No discurso do cuidado de si, as práticas de exercícios físicos e os jogos Olímpicos eram considerados rituais satânicos.
  8. 8. Baixa Idade Média A prática de exercícios físicos tinha como objetivo a preparação militar e a prática de atividades desportivas.
  9. 9. Alta Idade Média O cuidado de si, estava associada a prática do exercício físico que tinha como alvo à preparação militar dos soldados e a preparação dos nobres (prática de esgrima e de equitação). O objetivo era enobrecer o homem, fazê-lo forte e apto.
  10. 10. Na Idade Média, houve reafirmação da beleza feminina como um mal, associada à queda e à satã, à arma do diabo.
  11. 11. Renascimento Permanece o discurso em que a beleza feminina é associada a malignidade. Com a influência da escultura grega, os artistas da renascença redescobriram a graça de Vênus, das deusas, inverteram a lógica grega e exaltaram mais o corpo feminino do que o masculino. A beleza física era elevada à condição divina
  12. 12. A partir da Idade Clássica (século XVII), a beleza feminina começou a ser dissociada do valor moral e passou a ter valor físico e sexual. Idade Clássica
  13. 13. <ul><li>. </li></ul>Século XVIII A partir deste período, começa-se a ligar o cuidado com o corpo, sob interesse político, econômico e técnico.
  14. 14. Século XIX O exercício físico é pautado por questões militares mas aparece associado a interesse de cientistas, médicos igienistas e laboratórios de pesquisa, que visavam à produção de verdades sobre o cuidado e ao controle dos indivíduos. No final deste século,o cuidado com o corpo feminino e estava aliado às preocupações higiênicas como regime e saúde sobre o olhar medicinal e as experiências de embelezamentos eram segredos entre amigas.
  15. 15. Século XX No início da segunda metade deste século, instaura-se uma nova ordem de poder-saber sobre o corpo, a beleza deixa de ser um dom e passa a ser construção onde o governo do corpo passa a funcionar a serviço da indústria empresarial do corpo saudável.
  16. 16. O desenvolvimento industrial e a grande influência da mídia contribuem para que o culto do corpo belo e saudável entre na era das massas. As revistas femininas e masculinas funcionam como meios de difusão social das práticas estéticas, aliando valorização do cuidado corporal ao consumo, reforçando que a sociedade capitalista constrói os sentidos de seus corpos sobre os conceitos de produção.
  17. 17. Padrões de beleza
  18. 18. A partir do século XX a dominação capitalista em relação ao corpo e a vida passa da ordem jurídica-política para a ordem empresarial que controla e estimula o governo de si através da autocriação do corpo, que significa que a beleza é construída. Segundo Fonseca Silva, “ O corpo não está mais em moda. A moda é o corpo”.
  19. 19. Foucault diz que onde há saber sobre um corpo, há uma relação de poder, há a produção de uma força de disciplinarização e normalização.
  20. 20. Fernando e Hélio afirmam que na concepção de que os corpos são alvos de saberes e poderes, acabam sendo constituído e construído por esses saberes e que tem papel ativo na produção, reprodução e transmissão dos poderes. Foucault nos lembra da possibilidade de sempre termos o potente frescor de uma brisa, que nos revela a liberdade não como sendo algo que depende de escolhas, mas de novas criações nossas.
  21. 21. <ul><li>Segundo Foucault o poder, além de se utilizar da disciplina, criou também estratégia de controle sobre a duração da vida, dos nascimentos, das doenças, visando uma regulação das populações. </li></ul>
  22. 22. Focault afirma que o corpo é uma realidade biopolítica e que o biopoder tem, portanto, duas pinças articulando-se entre si: a biopolítica controlando o homem-espécie e a disciplina, adestrando o homem-corpo.
  23. 23. Foucault inserirá a medicina como forma de saber-poder. medicina é uma estratégia biopolítica. A medicina não faz valer seu poder apenas como trabalho, mas espalha seu discurso e tecnologia aproveitando-se de muitos outros saberes. A medicina é eminentemente social, ela prolifera seu controle na forma de uma rede, que pretende além de curara doenças, controlar os fluxos dos corpos utilizando-se do discurso da propriedade máxima da saúde
  24. 24. A liberdade estaria na capacidade de sermos senhores de nós mesmos, assumindo-nos como sujeitos ativos de relações em que naturalmente estaríamos em posição passiva.
  25. 25. A prática de si acabaria sendo uma arte da existência
  1. A particular slide catching your eye?

    Clipping is a handy way to collect important slides you want to go back to later.

×