Piscofins2012 24911274755769

496 views

Published on

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
496
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
4
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Piscofins2012 24911274755769

  1. 1. Entender a operacionalidade da apuração do PIS e da COFINSComo o PIS e a COFINS podem serdeterminantes nos planejamentos tributários
  2. 2. Obrigatória. Independe da vontade do contribuinte Permite o Governo O Conteúdo é expresso em moeda.Financiar seus objetivos A LC nº 104/01 admite dação em pagamento em bens imóveis. "toda prestação pecuniária compulsória, em moeda ou cujo valor nela se possa "toda prestação pecuniária compulsória, em moeda ou cujo valor nela se possa exprimir, que não constitua sanção de ato ilícito, instituída em lei eecobrada exprimir, que não constitua sanção de ato ilícito, instituída em lei cobrada mediante atividade administrativa plenamente vinculada” mediante atividade administrativa plenamente vinculada” Autoridade administrativa não O tributo não se confunde com tem liberdade de decidir se deve Somente lei pode instituir tributo. penalidade. O Fato gerador decorre ou não cobrar o tributo. Cabe ao Princípio de Legalidade.sempre de um comportamento lícito. agente público o deve de agir conforme a lei.
  3. 3. O artigo 149 da Carta Magna dispõe: O artigo 149 da Carta Magna dispõe:"Compete exclusivamente àà União instituir contribuições sociais, de "Compete exclusivamente União instituir contribuições sociais, deintervenção no domínio econômico ee de interesse das categorias intervenção no domínio econômico de interesse das categoriasprofissionais ou econômicas, como instrumento de sua atuação nas profissionais ou econômicas, como instrumento de sua atuação nasrespectivas áreas" (...). respectivas áreas" (...).Contribuições de Intervenção no Domínio Econômico Contribuições de Intervenção no Domínio EconômicoFinalidade interventiva eeextrafiscal (reguladora da econômia) . . Finalidade interventiva extrafiscal (reguladora da econômia)Só podem atingir Setores delimitados da Econômia (CIDE-Combustíveis) Só podem atingir Setores delimitados da Econômia (CIDE-Combustíveis)Contribuições Corporativas Contribuições CorporativasContribuições profissionais Contribuições profissionais instituídas em favor de categorias instituídas em favor de categoriasprofissionais ou econômicas eevinculam-se aaentidades representativas profissionais ou econômicas vinculam-se entidades representativasdesses segmentos sociais (CREA, CRC, CRM, OAB) desses segmentos sociais (CREA, CRC, CRM, OAB)Contribuições Sociais Contribuições SociaisFinalidade de custeio da do sistema de seguridade social Finalidade de custeio da do sistema de seguridade socialPIS (Programa de Integração Social); PASEP (Programa de Formação do PIS (Programa de Integração Social); PASEP (Programa de Formação doPatrimônio do Servidor Público); Patrimônio do Servidor Público); Contribuição Social para oo Contribuição Social paraFinanciamento da Seguridade Social ––COFINS; Contribuição ao Seguro Financiamento da Seguridade Social COFINS; Contribuição ao SeguroAcidente de Trabalho –– SAT; Contribuição ao Serviço Nacional de Acidente de Trabalho SAT; Contribuição ao Serviço Nacional deAprendizado Industrial - -SENAI Aprendizado Industrial SENAI
  4. 4. Programa de Integração Social Lei Complementar n.º 07/1970Funções:1.Promover a integração do empregado na vida e no desenvolvimento dasempresas;2.Financiar o programa de seguro-desemprego e o abono de um salário mínimoanual aos empregados que percebam até dois salários mínimos mensais deempregadores contribuintes do programa.
  5. 5. Contribuição para Financiamento da Seguridade Social Lei Complementar n.º 70/1991Funções:Financiar a seguridade social, assegurando os direitos relativos a saúde,previdência e assistência social
  6. 6. 3,65% 3,65% 3,65%PIS/COFINS PIS/COFINS PIS/COFINS
  7. 7.  Empresas optante pelo Lucro Presumido. A Receita tributável pode ser apurada pelo regime de competência (faturamento) oude caixa (recebimento), conforme opção do contribuinte. Se adotado o regime de caixa, este também deve ser adotado para apuração doIRPJ/CSLL Trimestral. Alíquotas básicas 0,65% (PIS) e 3,00% (COFINS)
  8. 8.  Vendas canceladas; Devoluções de vendas Isentas ou alíquota zero Descontos incondicionais concedidos; ICMS ST; IPI; Reversões de provisões; Recuperações de créditos baixados como perdas; Lucros e dividendos derivados de investimentos, inclusive os derivados deempreendimentos objeto de Sociedade em Conta de Participação (SCP); Receitas decorrentes das vendas de bens do ativo permanente; Receita decorrente da transferência onerosa, a outros contribuintes doICMS, de créditos de ICMS originados de operações de exportação.
  9. 9. 1.447,91 1.447,91
  10. 10. Faturamento Bruto: R$1.783,21Base de Cálculo: R$1.447,91Obs.: Deduzir 242,17 (ICMS/ST) e 93,13 (IPI)Alíquotas: 0,65% (PIS) 3,00% (COFINS)
  11. 11. Podem excluir da receita bruta o valor recebido a título de Vale-Pedágio, quando destacado emcampo específico no documento comprobatório do transporte.Podem excluir da BC do PIS e COFINS as importâncias pagas diretamente ou repassadas aempresas de rádio, televisão, jornais e revistas, atribuída à pessoa jurídica pagadora e àbeneficiária responsabilidade solidária pela comprovação da efetiva realização dos serviços.
  12. 12. Nas aquisições de direitos creditórios, resultantes de vendas mercantis a prazo ou de prestaçãode serviços, efetuadas por empresas de fomento mercantil (Factoring), a receita brutacorresponde à diferença verificada entre o valor de aquisição e o valor de face do título ou direitocreditório adquirido.A PJ que tenha como objeto social a compra e venda de veículos automotores deve apurar ovalor da BC nas operações de venda de veículos usados a diferença entre o valor pelo qual oveículo usado houver sido alienado, constante na nota fiscal de venda, e o seu custo deaquisição, constante da nota fiscal de entrada.
  13. 13.  Empresas tributadas pelo Lucro Real, seja anual ou trimestral. A Receita tributável pode ser apurada apenas pelo regime de competência(faturamento). Não se admite regime de caixa (recebimento). Alíquotas básicas 1,65% (PIS) e 7,60% (COFINS)
  14. 14. Consiste em compensar o valor do imposto devido em cada operação com o montante doimposto incidente nas operações anteriores;
  15. 15. 1. Pessoas jurídicas tributadas com base no Lucro Presumido ou arbitrado;2. Empresas optantes pelo Simples Nacional;3. Pessoas Jurídicas imunes, conforme art. 154, VI, CF . (receitas próprias)4. Bancos comerciais, bancos de investimentos, bancos de desenvolvimento, caixas econômicas, sociedades de crédito, financiamento e investimento, sociedades de crédito imobiliário, sociedades corretoras, distribuidoras de títulos e valores mobiliários, empresas de arrendamento mercantil, cooperativas de crédito, empresas de seguros privados e de capitalização, agentes autônomos de seguros privados e de crédito e entidades de previdência privada abertas e fechadas;5. Empresas de securitização de créditos;6. Operadoras de plano de saúde;7. Empresas particulares que explorem serviços de vigilância e transporte de valores na forma da Lei nº 7.102/1983;8. Órgãos públicos, as autarquias e fundações públicas federais, estaduais e municipais, e as fundações cuja criação tenha sido autorizada por lei;9. Sociedades cooperativas, exceto as agropecuárias e as de consumo.
  16. 16. 1. Sujeitas à substituição tributária (cigarros, semeadores, plantadores, transplantadores e motocicletas);2. Relativas às operações de venda de veículos usados, adquiridos para revenda, bem assim dos recebidos como parte do preço da venda de veículos novos ou usados, quando auferidas por pessoas jurídicas que tenham como objeto social, declarado em seus atos constitutivos, a compra e venda de veículos automotores;3. Decorrentes da prestação de serviços de telecomunicação (call center, telemarketin g, telecobrança e teleatendimento em geral)4. Decorrentes da venda de jornais e periódicos;5. Decorrentes da prestação de serviços das empresas jornalísticas e da radiodifusão sonora de sons e imagens;
  17. 17. 6. Decorrentes de prestação de serviços de transporte coletivo rodoviário, metroviário, ferroviário e aquaviário de passageiros;7. Decorrentes de serviços prestados por hospital, pronto-socorro, clínica médica, odontológica, de fisioterapia e de fonoaudiologia, e laboratório de anatomia patológica, citológica ou de análises clínicas, bem assim os serviços de diálise, raios X, radiodiagnóstico e radioterapia, quimioterapia e de banco de sangue;8. Decorrentes de prestação de serviços de educação infantil, ensinos fundamental e médio e educação superior;9. Decorrentes da execução por administração, empreitada ou sub-empreitada de obras de construção civil;
  18. 18. 10. Decorrentes da prestação de serviços das agências de viagem e de viagens e turismo;11. Auferidas por empresas de serviços de informática, decorrentes das atividades de desenvolvimento de software e o seu licenciamento ou cessão de direito de uso, bem como de análise, programação, instalação, configuração, assessoria, consultoria, suporte técnico e manutenção ou atualização de software, compreendidas ainda como softwares as páginas eletrônicas;12. Decorrentes de prestação de serviço de transporte coletivo de passageiros, efetuado por empresas regulares de linhas aéreas domésticas, e as decorrentes da prestação de serviço de transporte de pessoas por empresas de táxi aéreo;
  19. 19. 13. auferidas por parques temáticos, e as decorrentes de serviços de hotelaria e de organização de feiras e eventos, conforme ato conjunto dos Ministérios da Fazenda e do Turismo;14. decorrentes de prestação de serviços das empresas de call center, telemarketing, telecobrança e de teleatendimento em geral;15. Decorrentes da prestação de serviços postais e telegráficos prestados pela Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos;16. Decorrentes de prestação de serviços públicos de concessionárias operadoras de rodovias;17. As receitas decorrentes de operações de comercialização de pedra britada, de areia para construção civil e de areia de brita. (aplicada apenas ao PIS/PASEP e não à COFINS).
  20. 20. Faturamento em sentido estrito, conforme Receita Bruta = Totalidade das Receitas.objeto social. Outras receitas não constantes no objeto,Outras receitas não constantes no objeto, mesmo auferida eventualmente.desde que auferida em caráter perene. As mesmas permitidas no regime cumulativo.Dedução das exclusões permitidas  Admite apenas regime de Competência Regime de Caixa ou Competência  Aproveitamento de créditos
  21. 21. Tributação PIS/COFINS no Tributação PIS/COFINS no Tributação PIS/COFINS no Tributação PIS/COFINS no momento da venda momento da venda momento da entrega momento da entrega (Simples Faturamento) (Simples Faturamento) (Simples Faturamento) (Simples Faturamento) CFOP 5.922 //6.922 CFOP 5.922 6.922 CFOP 5.117 //5.116 //6.117 //6.116 CFOP 5.117 5.116 6.117 6.116
  22. 22.  De bens industrial: além dosexceto em e lubrificantes,mercadorias sujeitas à incidência monofásica e à Na atividade para revenda, combustíveis relação às são insumos:substituição tributária; os produtos intermediários, o material de embalagem e • as matérias-primas, quaisquer outros bens que sofram alterações, tais como o desgaste, o dano e a perda de propriedades físicas ou químicas, em função da ação diretamente exercida De bens eoserviços, em fabricação, desde que e lubrificantes, utilizados como insumos: sobre produto inclusive combustíveis não estejam incluídas no ativo insumos imobilizado;  na produção ou fabricação de bens domiciliada no país, aplicados à venda; • os serviços prestados por pessoa jurídica ou produtos destinados ou  na prestação de serviços. do produto. consumidos na produção ou fabricação  e no comércio? Na prestação de serviços: além dos combustíveis e lubrificantes, são insumos: • Bens aplicados ou consumidos na prestação de serviços, desde que não estejam incluídos no ativo imobilizado; Com energia elétrica e energia térmica, consumidas nos estabelecimentos da pessoa jurídica.Este crédito abrange toda energia consumida nos estabelecimentos da pessoa jurídica, inclusive • Os serviços aplicados ou consumidos na prestação de serviço. Não será possível o crédito quando os serviços contratados junto a terceiros se destinem a atividades-ao setor administrativo; meio da pessoa jurídica contratante. Aquisições no mês
  23. 23. Com aluguéis de prédios, máquinas e equipamentos, pagos à pessoa jurídica, utilizadosnas atividades da empresa; Com contraprestação de operações de arrendamento mercantil pagas a pessoa jurídica;Com armazenagem de mercadoria e frete na operação de venda e na prestação deserviços, quando o ônus for suportado pelo vendedor;Com vale-transporte, vale-refeição ou vale-alimentação, fardamento ou uniformefornecidos aos empregados por pessoa jurídica que explore as atividades de prestação deserviços de limpeza, conversação e manutenção. As demais pessoa jurídicas não poderãodescontar créditos em relação a tais custos e despesas.
  24. 24. Em relação aos bens adquiridos no País ou no exteriora partir de 01/05/2004, poderão descontar créditossobre os encargos de depreciação de:  Máquinas, equipamentos e outros bens incorporados ao ativo imobilizado, adquiridos ou fabricados para locação a terceiros, ou para utilização na produção de bens destinados à venda ou na prestação de serviços;  Edificações e benfeitorias em imóveis próprios ou de terceiros, utilizados nas atividades da empresa.
  25. 25. Os encargos de depreciação devem ser determinados mediante a aplicação da taxa dedepreciação:Depreciação Normal: Taxa de depreciação fixada pela Receita Federal em função do prazo devida útil do bem.Depreciação Acelerada: Coeficientes de aceleração de depreciação em função dos turnos detrabalho:  Um turno de 8 horas : 1,0  Dois turnos de 8 horas: 1,5  Três turnos de 8 horas: 2,0
  26. 26. Depreciação acelerada incentivada: Somente para fins de apuração do PIS e COFINS, o contribuinte pode calcular créditos sobre o valor de aquisição dos bens do ativos imobilizado no prazo de: 4 anos (1/48 avos), no caso de máquinas e equipamentos destinados ao ativo imobilizado; 2 anos (1/24 avos), no caso de máquinas, aparelhos, instrumentos e equipamentos, novos, destinados ao ativo imobilizado e empregados em processo industrial do adquirente, e relacionados no Decreto 6.909/2009; 1 ano (1/12 avos), no caso de máquinas e equipamentos novos, destinados a produção de bens e serviços adquiridos a partir de maio de 2008
  27. 27. Devem ser aplicadas as regras de amortização no caso de gastos com edificações e benfeitoriasem imóveis de terceiros, cujo contrato estabeleça período definido de utilização do imóvel;Sobre o valor dos gastos será aplicada taxa anual de amortização fixada com base no número deanos restantes de existência do direito; Exemplo: a construção de um galpão em um terreno alugado. Sabendo-se que o término do contrato se dará em 4 anos, a taxa anual de amortizaçãoserá de 25%. A taxa mensal, a ser utilizada como base de cálculo, será a divisão desse percentualpor 12.
  28. 28.  Para a pessoa jurídica revendedora, as aquisições de mercadorias em relação às quais acontribuição seja exigida do fornecedor, na condição de substituto tributário;As aquisições de produtos que, nas fases anteriores da cadeia,se submeteram à incidência monofásica da contribuição; As aquisições de bens ou serviços não sujeitos ao pagamentoda contribuição, inclusive no caso de isenção, quando revendidosou utilizados como insumo em produtos ou serviços sujeitos àalíquota 0 (zero) , isentos ou não alcançados pela contribuição; Aquisições e os pagamentos efetuados a pessoas físicasdomiciliadas no país, por serviços prestados, como assalariado ounão, ou por compras realizadas.
  29. 29. Deverá ser estornado o crédito de PIS e COFINSrelativo a bens adquiridos para revenda ou utilizadoscomo insumos na prestação de serviços e na produçãode bens destinados à venda, que tenham sido furtados,roubados, inutilizados ou deteriorados, destruídos emsinistro;
  30. 30. A LC 123/2006 prevê que as ME e EPP optantes pelo Simples Nacional nãoapropriarão créditos relativos a impostos e contribuições. Logo as empresas que adquirem mercadoria de contribuinte do Simples Nacional, poderão descontar créditos de PIS/COFINS?O Ato Declaratório nº 15, de 26/09/2007, estabeleceu que as pessoas jurídicaspodem descontar créditos calculados em relação às aquisições de bens eserviços de pessoa jurídica optante pelo Simples Nacional.
  31. 31. Esta decisão NÃO possui efeito“erga omnes”
  32. 32. Na hipótese de a pessoa jurídica sujeitar-se à incidência "não-cumulativa" do PIS/PASEP e daCOFINS em relação apenas a parte de suas receitas, o crédito será apurado, exclusivamente, emrelação aos custos, despesas e encargos vinculados a essas receitas.No caso de custos, despesas e encargos vinculados às receitas sujeitas à "não-cumulatividade" eàquelas submetidas ao regime de incidência cumulativa dessa contribuição, o crédito serádeterminado, a critério da pessoa jurídica, pelo método de: a) apropriação direta, inclusive, em relação aos custos, por meio de sistema de contabilidade de custos integrada e coordenada com a escrituração; ou b) rateio proporcional, aplicando-se aos custos, despesas e encargos comuns a relação percentual existente entre a receita bruta sujeita à incidência não cumulativa e a receita bruta total, auferidas em cada mês.
  33. 33. Alíquota zero de PIS e COFINS Alíquota zero de PIS e COFINSAdubos Feijão comumAeronaves classificadas na posição 88.02 da TIPI Fertilizantes - Capítulo 31 da TIPIArroz descascado – 1006.20 da TIPI Leite fluido pasteurizado ou industrializadoArroz semibranqueado ou branqueado – 1006.30 da TIPI LivrosArtigos e aparelhos de prótese - 90.21.3 Ovos – posição 04.07 da TIPIArtigos e aparelhos ortopédicos – 90.21.10 Pão comum – posição 1905.90.90 da TIPICorretivo de solo de origem mineral – capítulo 25 daTIPI Papel destinado à impressão de jornais, até 30/04/2012Defensivos agropecuários – posição 38.08 da TIPI Pré-misturas próprias para fabricação de pão comumFarinha de trigo - 1101.00.10 da TIPI Produtos hortícolas e frutas – Capítulos 7 e 8 da TIPI Queijos Sementes e mudas destinadas à semeadura e plantio Trigo – posição 10.01 da TIPI Vacinas para medicina veterinária – posição 3002.30 da TIPI
  34. 34. Concentra a carga tributária de toda a cadeia de produção e comercialização em um contribuinte, desonerando as etapas subsequentes de comercialização. Setores sujeitos a Incidência Monofásica Alíquota Alíquota PIS/PASEP COFINS Combustíveis 5,08% 23,44% Farmacêutico 2,10% 9,90% Perfumaria, toucador e higiene pessoal 2,20% 10,30% Máquinas e veículos 2,00% 9,60% Autopeças 2,30% 10,80% Pneus novos de borracha e câmaras-de-ar de 2,00% 9,50% borracha Bebidas e embalagens (Cerveja, refrigerante e 2,50% 11,90% água )
  35. 35. Substituição Tributária de PIS e COFINSCigarros (Art. 5º da Lei nº 9.715, de 25.11.1998)Motocicletas (NCM 87.11)semeadores, plantadores e transplantadores (NCM 8432.30)
  36. 36. Receitas isentas de incidência de PIS e COFINSExportação de mercadorias para o exteriorTransporte internacional de cargas e passageirosVendas realizadas pelo produtor/vendedor às empresas comerciais exportadorasReceitas relativas às atividades próprias das entidades sem fins lucrativos
  37. 37. IsençãoRecursos recebidos a título de repasse, oriundos do Orçamento Geral da União, dos Estados,do Distrito Federal e dos Municípios, pelas empresas públicas e sociedades de economia mista;Exportação de mercadorias para o exterior;Serviços prestados a pessoas físicas ou jurídicas residentes ou domiciliadas no exterior, cujopagamento represente ingresso de divisas;Fornecimento de mercadorias ou serviços para uso ou consumo de bordo em embarcações eaeronaves em tráfego internacional, quando o pagamento for efetuado em moedaconversível;Transporte internacional de cargas ou passageirosAuferidas pelos estaleiros navais brasileiros nas atividades de construção, conservação,modernização, conversão e reparo de embarcações pré-registradas ou registradas no RegistroEspecial Brasileiro (REB), instituído pela Lei nº 9.432, de 8 de janeiro de 1997;Frete de mercadorias transportadas entre o País e o exterior pelas embarcações registradas noREB, de que trata o art. 11 da Lei nº 9.432, de 1997;Vendas realizadas pelo produtor-vendedor às empresas comerciais exportadoras nos termosdo Decreto-Lei nº 1.248, de 29 de novembro de 1972, e alterações posteriores, desde quedestinadas ao fim específico de exportação para o exteriorVendas, com fim específico de exportação para o exterior, a empresas exportadorasregistradas na Secretaria de Comércio Exterior do Ministério do Desenvolvimento, Indústria eComércio Exterior
  38. 38. São isentas da Cofins as receitas relativas às atividades próprias das seguintes entidades a. Consideram-se receitas derivadas das atividades próprias somente àquelas decorrentes de contribuições, doações, anuidades ou mensalidades fixadas por lei, assembléia ou estatuto, recebidas de associados ou mantenedores, sem caráter contraprestacional direto, destinadas ao seu custeio e ao desenvolvimento dos seus objetivos sociais. (IN SRF nº 247, de 2002, art. 47, § 2º) b. Para efeito de fruição desse benefício fiscal, as entidades de educação, assistência social e de caráter filantrópico devem possuir o Certificado de Entidade Beneficente de Assistência Social expedido pelo Conselho Nacional de Assistência Social, renovado a cada três anos, de acordo com o disposto no art. 55 da Lei nº 8.212, de 24 de julho de 1991. (IN SRF nº 247, de 2002, art. 47, § 1º)
  39. 39. Medida Provisória nº 2.158-35Templos de qualquer cultoPartidos políticosInstituições de educação e de assistência social que preencham as condições e requisitos doart. 12 da Lei nº 9.532, de 10 de dezembro de 1997Instituições de caráter filantrópico, recreativo, cultural, científico e as associações, quepreencham as condições e requisitos do art. 15 da Lei nº 9.532, de 1997Sindicatos, federações e confederaçõesServiços sociais autônomos, criados ou autorizados por leiConselhos de fiscalização de profissões regulamentadasFundações de direito privadoCondomínios de proprietários de imóveis residenciais ou comerciaisOrganização das Cooperativas Brasileiras (OCB) e as Organizações Estaduais de Cooperativasprevistas no art. 105 e seu § 1º da Lei nº 5.764, de 16 de dezembro de 1971
  40. 40. PIS Cumulativo 8109 PIS Não Cumulativo 5856COFINS Cumulativo 2172 COFINS Não Cumulativo 6912
  41. 41. Empresa comercialTributação pelo Lucro RealReceita decorrente do comércio: R$ 10.000,00Venda de veículo do imobilizado: R$ 22.000,00 Cálculo do PIS 10.000 X 1,65% = R$ 165,00 Cálculo da COFINS 10.000 X 7,6% = R$ 760,00
  42. 42. Empresa prestadora de serviçosTributação pelo Lucro RealReceita total decorrente de atividade industrial: R$ 200.000,00Valor do ICMS recolhido pelo industrial na condição de substituto tributário: R$ 10.000,00Receita decorrente de exportação: R$ 100.000,00Venda de terreno do ativo permanente: R$ 100.000,00 Cálculo do PIS: Base de cálculo 200.000 - 10.000 - 100.000 = 90.000 90.000 X 1,65% = 1.485 PIS = R$ 1.485,00 Cálculo da COFINS: Base de cálculo 200.000 - 10.000 - 100.000 = 90.000 90.000 X 7,6% = 6.840 COFINS = R$ 6.840,00
  43. 43. Considerando que uma empresa, Lucro Real, auferiu receitas com a atividade de construção civil por sub-empreitada, bem como revenda de materiais de construção: Receita obras de construção civil: R$ 1.000.000,00 Receita revenda de materiais de construção: R$ 90.000,00 Compra materiais de construção como insumo na prestação de serviço: R$ 400.000,00 Compra materiais de construção para revenda: R$ 60.000,00 Despesa de aluguel do estabelecimento da empresa: R$ 10.000,00 Depreciação do mês: R$ 35.000,00 REGIME CUMULATIVO – Base de cálculo = R$ 1.000.000,00 PIS: 1.000.000,00 x 0,65% = 6.500,00 COFINS: 1.000.000,00 x 3% = 30.000,00 REGIME NÃO-CUMULATIVO – Base de cálculo: 90.000,00 – 60.000,00 – 826,00 (aluguel) – 2.891,00 (depreciação) = 26.283,00 PIS: 26.283,00 x 1,65% = 433,67 COFINS: 26.283,00 x 7,6% = 1.997,51

×