Trabalho de l. portuguesa

  • 318 views
Uploaded on

 

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
318
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2

Actions

Shares
Downloads
1
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Mapa da Guiné bissau
  • 2. Hino Nacional
  • 3. Guiné Bissau HISTÓRIA A Guiné Bissau foi em tempos o reino de Gabu, parte do Império do Mali, e partes do reino sobreviveram até ao século XVIII. Os rios da Guiné e as ilhas de Cabo Verde estiveram dentre as primeiras regiões da África a serem exploradas pelos portugueses.
  • 4. .... O navegador português Álvaro Fernandes chegou à Guiné em 1446 e reclamou a posse do território, porém, poucas feitorias de comércio foram estabelecidas antes de 1600. A ocupação do território pela Coroa portuguesa só se deu a partir de 1558 com a fundação da vila de Cacheu. E foi criada em 1630 a Capitania-Geral da Guiné Portuguesa para a administração do território. A vila de Bissau foi fundada em 1697, como fortificação militar e entreposto de tráfico negreiro. Embora os rios e as costas desta área estivessem entre os primeiros locais colonizados pelos portugueses e aí tenham iniciado o tráfico de escravos com a instalação de feitorias no século XVII, não exploraram o interior até ao século XIX. A luta pela independência Durante três séculos constituiu a colônia da Guiné Portuguesa. Uma rebelião iniciou-se em 1956, liderada pelo Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC), fundada pelo intelectual guineense Amílcar Cabral, que estava no exílio em Conacri. A guerrilha do PAIGC consolidou o seu domínio do território em 1973, mas, no mesmo ano, Amílcar Cabral foi assassinado em Conacri. A independência chegou com a Revolução dos Cravos portuguesa de 1974, tendo sido antes declarada unilateralmente a 24 de setembro de 1973. A 10 de setembro de 1974, Guiné-Bissau foi a primeira colônia portuguesa na África a ter reconhecida sua independência.
  • 5. Dados do país • Línguas: português (oficial), português crioulo e dialetos regionais • Religião: animista, islâmica, minorias cristãs • Moeda: franco CEA • Natureza do Estado: república parlamentarista • Área: 36.125 km² (inclui o arquipélago de Bissagos e outras ilhas em sua costa) • Independência: 24 de setembro de 1973 (declarada) e 10 de setembro de 1974 (confirmada por Portugal)
  • 6. A Realidade do País • Mais de 45% de crianças em idade escolar não têm acesso ao ensino devido à falta de infraestrutura escolares e de professores qualificados. Estima-se que falta formação a 60 % dos profissionais de ensino e a qualidade da educação é uma das principais preocupações no pais. No ensino secundário, a situação é ainda mais grave, estimando-se que apenas 1 aluno em 1000 freqüente o último ano deste ciclo escolar.

No que respeita à paridade dos sexos, a Guiné Bissau está longe da igualdade, com rácios de 83 raparigas para cada 100 rapazes no ensino primário e de 44 raparigas para 100 rapazes no secundário.

A Guiné- Bissau tem um grave problema de alfabetização na população adulta, com taxas de 76,2% de analfabetos entre as mulheres e de 47,4 % entre os homens.
  • 7. Realidade do País
  • 8. CULTURA Guiné-Bissau possui uma herança cultural bastante rica e diversificada. Esta cultura que varia de etnia para etnia, passando desde da diferença lingüística, da dança, de expressão artística, de profissão, de tradição musical ate as manifestações culturais. A dança e contudo, uma verdadeira expressão artística dos diferentes grupos étnicos. Os povos animistas caracterizam-se pelas suas belas e coloridas coreografias. No dia a dia, estas fantásticas manifestações culturais podem ser observadas na altura das coletas, dos casamentos, dos funerais, das cerimônias de iniciação. Nas cidades, a musica e dominada pelo conhecido gumbe Guineense.O carnaval guineense e completamente original, com características próprias, tem evoluído bastante, constituindo uma das maiores manifestações culturais do Pais.
  • 9. IMAGENS SOBRE A CULTURA DE GUINÈ BISSAU
  • 10. Economia da Guiné-Bissau A Guiné-Bissau é um dos cinco países mais pobres do mundo, que depende, essencialmente, da pesca e da agricultura. A cultura de castanha-de-caju aumentou consideravelmente nos últimos anos, e fez com que o país alcançasse o sexto lugar no ranking de produção do caju. A Guiné-Bissau exporta peixe e mariscos, pequenas quantidades de amendoins, semente de palma e madeira.
  • 11. RELIGIÃO Religião predominante e o animismo (50%), cuja pratica e o culto antepassado, das forças físicas e dos feitiços. A religião muçulmana abrange 45% da população, existindo ainda um reduzido numero de cristãos, 5% católicos.
  • 12. Religião
  • 13. Moda Na Guiné-Bissau o vestuário da população varia consoante o local onde vivem, a idade e as possibilidades econômicas. Nas cidades do interior usam-se mais as roupas tradicionais, embora ás vezes os jovens optem por vestes mais atuais em algumas ocasiões como idas à discoteca e viagens à Capital. Na cidade de Bissau, o vestuário dos jovens e dos adultos é bastante mais moderno, embora alguns adultos prefiram manter o estilo tradicional africano.
  • 14. • Existem alguns grupos de moda, constituídos por jovens de ambos os sexos que desfilam em eventos socioculturais, principalmente em discotecas e night-clubs. São realizados também concursos de Miss nos Bairros e nas vilas, assim como o concurso Miss Guiné-Bissau, Miss Garandessa Na Moda (em que apenas participam mulheres adultas), entre outros.
  • 15. Vestuário de Guiné Bissau
  • 16. Carnaval A diversidade cultural de um “pequeno país gigantesco”, a Guiné-Bissau, mínimo na geografia mas com 23 etnias e 9 idiomas, concentra-se todos os anos em meados de Fevereiro na capital, Bissau, numa enorme e inebriante manifestação de alegria popular. Trata-se do Carnaval, tradição originalmente européia, mas que nesta nação africana assume matizes de identidade social e artística ímpares.
  • 17. • «Nesta perspectiva o festival é um pouco o desfile de vários grupos étnicos, é um festival de tradições, onde as máscaras ganham grande importância, e quase todas correspondem à simbologia étnica de cada grupo», frisa o realizador, acrescentando que «cada grupo concorre com uma rainha, máscaras e danças, mas ao mesmo tempo em que este desfile principal vai subindo até à tribuna principal, em frente ao palácio presidencial, tens constantemente, em paralelo, desfiles espontâneos, para baixo, para cima, para o lado, uma confusão completa.
  • 18. Bebidas Na Guiné Bissau não é diferente: o vinho de palma e o chá verde são os principais elementos de socialização deste povo. Como o próprio nome sugere, este vinho é uma bebida derivada da seiva da palma. Pode ser tomado fresco, quando ainda é doce e sem conteúdo alcoólico. Mas após algumas horas de fermentação ele vai se tornando alcoólico e quanto maior o tempo de fermentação, mais forte e azedo ele se torna.
  • 19. Bebidas
  • 20. Fome e Miséria A pobreza absoluta afeta duas pessoas em cada três e a pobreza extrema chega a uma pessoa em cada cinco. As mulheres são mais afectadas que os homens devido à sua pouca instrução que limita a sua participação na vida econômica e política. A má-nutrição afeta 19% das crianças, sendo que 4% são severamente mal-nutridas. Dispondo de condições climatéricas favoráveis e de solos férteis, aparentemente a Guiné-Bissau não deveria ter problemas em alimentar a sua população.
  • 21. • A guerra que ao longo de décadas tem devastado o pais, com ciclos de maior ou menor intensidade, penalizou fortemente o sector primário, historicamente frágil, de subsistência e pouco diversificado. • Segundo os dados fornecidos por este instituto internacional, Guiné-Bissau teve uma ligeira melhora no combate à fome, deixando o grupo onde a situação é classificada como “alarmante” e agora constando entre aqueles cujo nível é definido como “grave”.
  • 22. Fome  infelizmente em Guiné Bissau também existe
  • 23. Dança A música da Guiné-Bissau é normalmente associada com gênero poli-rítmico denominado de "gumbé," que constitui a primeira exportação musical do país. Diz-se que a cabaça ou simplesmente "cabaz" foi um dos primeiros instrumentos musicais da Guiné-Bissau e é usado de uma forma extremamente rápida, produzindo sons que também provocam complexas danças, sejam elas tradicionais ou modernas. O grande denominador de estilo Gumbé são as canções, muitas delas cantadas em Crioulo e revolvendo à volta de temas tais como a sociedade, as relações humanas e amorosas, a amizade, as controvérsias e muito recentemente noutros tópicos, nomeadamente o Sida e as questões políticas e da estabilidade do país.
  • 24. Danças
  • 25. .... A Guiné Bissau possui um rico artesanato. Possuem basicamente caracterizados em 3 tipos: o religioso, o utilitário e o semi-industrializado, para o consumo turístico. Apresenta formas muito variadas incidindo particularmente na escultura sacra, nos trabalhos em vime, na olaria, nos instrumentos musicais, nas jóias e nos panos exuberantes em sua beleza. Ressaltamos aqui então um aspecto curioso da tecelagem. A atividade é executada tradicionalmente por homens, a partir de algodão fiado pelas mulheres. Na verdade, muito mais do que apenas peças de vestuário ou um produto para comercializar, os panos assumem uma grande dimensão no campo social e religioso. apresentam-se em tecidos decorados em fio de algodão e em tecidos tingidos, que tanto podem ganhar o molde de uma peça de vestuário cotidiano ou serem usados pura e simplesmente da maneira tipicamente africana. As cores exuberantes são um sinal da apreciação das cores da natureza e um retrato do espírito alegre africano. Hoje em dia, a tecelagem guineense já deixa transparecer uma influência externa, derivada da importação de materiais.
  • 26. Artesanato
  • 27. Futebol
  • 28. Nome da seleção de Guiné Bissau Seleção Guineense de Futebol A equipe não possui nenhum jogador de renome internacional. Os mais conhecidos jogam em times de pequeno porte da ex- metrópole Portugal, com destaque para Sufrim Lopes, ex-jogador da Naval, mas que possui cidadania portuguesa.
  • 29. A seleção nunca participou da Copa do Mundo nem da Copa das Nações Africanas, onde chegou a ser banida em 1998 por ter desistido das Eliminatórias da CAN de 1996 com as mesmas em andamento. Seus resultados mais expressivos são na Copa Amílcar Cabral quando obteve o vice- campeonato da competição em 1983 e também obtendo por cinco vezes o quarto lugar em 1979, 1995, 2001, 2005 e 2007.
  • 30. Jogadores Famosos • Sufrim Lopes • Ankyofnna Encada • Inzaghi Donígio • Braíma Injai • Bocundji Ca • Dionísio • Adilson Cassamá • Almami Moreira
  • 31. REPÚBLICA DA GUINÉ-BISSAU Independência de Portugal: 24/09/1973 (Declarada), 10/09/1974 (Reconhecida) ex-Guiné Portuguesa (Portuguese Guinea) Lema: “UNIDADE – LUTA – PROGRESSO” (português), que aparece na faixa do Brasão de Armas adotado em 1973. Bandeira Nacional da República da Guiné-Bissau: Usa as cores pan- africanas da Etiópia (verde, amarela e vermelha) e a estrela de 5 pontas preta que simboliza a liberdade da África. Seu desenho foi fortemente influenciado pela bandeira de Gana, cujas cores detêm o mesmo significado: o vermelho simboliza o sangue dos mártires, o verde as florestas e o
  • 32. Literaturas de Guiné Bissau Uma poesia de combate Ah meu grito de revolta que percorreu o mundo que não transpôs o mundo o Mundo que sou eu ! Ah ! meu grito de revolta que feneceu lá longe Muito longe Na minha garganta ! Na garganta mundo de todos os Homens »
  • 33. Citações Mãe África Vexada Pisada calcada até às lágrimas confia e luta e um dia a África será nossa… »
  • 34. . Quisera nesta vida … afagar teus cabelos sugar o doce dos teus olhos transportar em arco-íris o néctar da tua boca e juntos caminharmos ante a ânsia e o sonho …
  • 35. • Guiné-Bissau devido a sua diversidade social e a étnica da Guiné-Bissau e também devido a sua herança histórica, criou uma gastronomia impar e rica. A gastronomia guineense é manifestada pelas várias comunidades no seu modo de vida diárias ou durante a celebração das suas tradições e nos seus cerimoniais. Seja ela a celebração de um acontecimento, de época, ou de uma tradição, a culinária guineense tem o seu ¨ingrediente¨ tradicional e natural e um vigor extraordinário. • A sua culinária assemelha a nossa a brasileira.
  • 36. Imagens do grupo