Indicador de vendas
e de inadimplência
CNDL | SPC Brasil

Janeiro de 2014

Presidentes
Roque Pellizzaro Junior (CNDL)
Robe...
Inadimplência abre 2014 com alta de 7,84%,
o menor índice para janeiro dos últimos três anos
Para o SPC Brasil, juros alto...
empréstimos deve conter qualquer movimento de alta na inadimplência em 2014, que
deve continuar estável, mas em patamares ...
Recuperação de crédito
O número de cancelamento de registros de inadimplência, que reflete a recuperação
de crédito no var...
Número de consultas realizadas junto ao SPC Brasil
As vendas a prazo caíram 29,94% em janeiro, em relação a dezembro. Já n...
recuou 2,1% entre dezembro de 2013 e janeiro de 2014, ao passar de 111,2 para 108,9 pontos (série com
ajuste sazonal). Com...
Número de registros junto ao SPC Brasil
O número de registros de inadimplência da base do SPC Brasil caiu 2,28% em janeiro...
Número de cancelamentos realizados junto ao SPC Brasil
O número de pendências regularizadas, calculada a partir das exclus...
Indicador de vendas a prazo: consultas realizadas junto ao SPC Brasil
Variação em relação ao mesmo mês do ano anterior
12....
10
Séries históricas

Período

Mês contra igual mês do ano
anterior

Mês contra mês imediatamente
anterior

Vendas

Inadimplê...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Inadimplência abre 2014 com alta de 7,84%.

439 views
360 views

Published on

Para o SPC Brasil, juros altos e crédito escasso devem conter alta da inadimplência em
2014, que deve continuar estável, mas em níveis baixos. Já as vendas fecharam o mês
com alta de 5,07%.

Published in: Economy & Finance, Business
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
439
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
7
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Inadimplência abre 2014 com alta de 7,84%.

  1. 1. Indicador de vendas e de inadimplência CNDL | SPC Brasil Janeiro de 2014 Presidentes Roque Pellizzaro Junior (CNDL) Roberto Alfeu Pena Gomes (SPC Brasil) Publicado em fevereiro de 2014 1
  2. 2. Inadimplência abre 2014 com alta de 7,84%, o menor índice para janeiro dos últimos três anos Para o SPC Brasil, juros altos e crédito escasso devem conter alta da inadimplência em 2014, que deve continuar estável, mas em níveis baixos. Já as vendas fecharam o mês com alta de 5,07% A quantidade de dívidas em atraso há mais de 90 dias no banco de dados de consumidores inadimplentes do SPC Brasil (Serviço de Proteção ao Crédito) aumentou 7,84% em janeiro deste ano, em relação ao mesmo período de 2013. Seguindo a mesma comparação, o volume de vendas parceladas realizadas pelos comerciantes em janeiro confirmou tendência de alta e também subiu 5,07%. O índice do SPC Brasil é divulgado pela CNDL (Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas) e leva em consideração mais de 150 milhões de consumidores cadastrados em 1,2 milhão de pontos de vendas espalhados por todo o Brasil. A alta de 7,84% interrompeu a tendência de desacelerações que a inadimplência no varejo vinha apresentando desde abril de 2013. Por outro lado, este é o menor índice apresentado para os meses de janeiro, de acordo com a série histórica do SPC Brasil. “Janeiro é um mês que historicamente temos alta da inadimplência. É um período em que o consumidor deixa de pagar muitas contas por causa do período de férias e por conta dos vários gastos que teve no final de dezembro. Mesmo assim, o crescimento foi menor do que nos anos anteriores”, avalia o presidente da CNDL, Roque Pellizzaro Junior. Para o líder do movimento lojista, o cenário econômico atual é de elevação da taxa básica de juros, maior seletividade na oferta de empréstimos por parte dos bancos e de menor confiança dos comerciantes varejistas. “Este panorama econômico faz com que o consumidor nos próximos meses tenha mais dificuldade para tomar crédito e fique mais atento na hora de pagar os compromissos. O arrocho na oferta de 2
  3. 3. empréstimos deve conter qualquer movimento de alta na inadimplência em 2014, que deve continuar estável, mas em patamares historicamente baixos”, analisa Pellizzaro Junior. Já em relação a dezembro de 2013, a quantidade de dívidas em janeiro no banco de dados do SPC diminuiu 2,28%, a menor taxa registrada desde fevereiro de 2013. Na avaliação do SPC Brasil, esse resultado de queda reflete o pagamento de contas que aconteceu em dezembro, fazendo com que o número de dívidas em atraso em janeiro fosse menor. Vendas a prazo O número de consultas ao banco de dados do SPC para vendas a prazo em janeiro cresceu 5,07%, em relação ao mesmo mês do ano anterior. Para o movimento lojista, o resultado é positivo e começa o ano próximo da previsão da CNDL para o crescimento médio do setor varejista em 2014: 4%, já descontada a inflação do período. No entanto, Roque Pellizzaro Junior acredita que o crescimento das vendas a prazo no varejo como um todo deve sofrer uma leve desaceleração ao longo do ano em função da alta dos juros, do baixo crescimento da massa salarial e da dificuldade que o país enfrenta para gerar novos empregos. “Por outro lado, o comércio de alimentos, bebidas, supermercados e produtos eletrônicos deve registrar altas pontuais, em função da Copa do Mundo”, pondera. Em relação a dezembro do ano passado, as vendas a prazo caíram 29,94%. De acordo com a economista-chefe do SPC Brasil, Luiza Rodrigues, esta queda pode ser em grande parte explicada pela sazonalidade. “Dezembro é um mês de forte atividade comercial em razão das festas de final de ano e, por isso, cria-se uma elevada base de comparação. Dessa forma, é natural que as vendas apresentem grandes quedas no mês de janeiro”, explica a economista. 3
  4. 4. Recuperação de crédito O número de cancelamento de registros de inadimplência, que reflete a recuperação de crédito no varejo e a quitação de dívidas em atraso, foi positivo em janeiro de 2014 e apresentou uma alta de 9,12% sobre o mesmo período de 2013. Na avaliação de Luiza Rodrigues, o resultado está relacionado com a queda no número de registros, considerando a mesma base de comparação. “Com mais regularizações, cai o número de inadimplentes”, completa. Já na comparação mensal, o indicador em janeiro fechou em queda de -9,89%. Baixe o material completo em https://www.spcbrasil.org.br/imprensa/indiceseconomicos Informações à imprensa: Guilherme de Almeida (61) 3213-2030 | (61) 9536 9800 | (61) 3049-9550 guilherme.dealmeida@inpressoficina.com.br Vinícius Bruno (11) 3251-2035 | (11) 9-4161-6181 vinicius.bruno@inpressoficina.com.br 4
  5. 5. Número de consultas realizadas junto ao SPC Brasil As vendas a prazo caíram 29,94% em janeiro, em relação a dezembro. Já na comparação com janeiro de 2012, o indicador – construído a partir do número de consultas realizadas para compras a prazo, pagamentos em cheque e cartão de crédito – avançou 5,07%. A redução das vendas em janeiro, na comparação com dezembro, pode ser em grande parte explicada pela sazonalidade: dezembro é um mês de forte atividade comercial, em razão das festividades de final de ano, e por isso cria uma elevada base de comparação. Além do fator sazonal, entretanto, observa-se que em janeiro de 2014, a queda foi mais acentuada do que as observadas nos dois janeiros anteriores, na mesma base de comparação. Na opinião do SPC Brasil, essa queda mais acentuada que o normal do período pode ser creditada à desaceleração econômica. Na comparação com janeiro de 2013, as consultas para vendas a prazo cresceram 5,07%, mais que no mês anterior (em dezembro, o indicador tinha crescido apenas 2,90%). A aceleração é, muito provavelmente, um efeito base de comparação, já que janeiro de 2013 foi, também, mais fraco que os meses vizinhos. Por isso, o SPC Brasil espera que a taxa de crescimento seja menor já em fevereiro, até porque a massa salarial tem desacelerado (1) e o número de pessoas ocupadas tem caído (2). Tais fatores, acompanhados do aumento da inflação (3), contribuem para a perda de confiança no comércio (4). Dessa forma, o avanço de 5,07% registrado no mês superou as expectativas do SPC Brasil. (1) Segundo o Banco Central do Brasil, nos primeiros 10 meses de 2013, a massa salarial ampliada disponível cresceu 3,3% em termos reais em relação ao mesmo período do ano anterior. Foi o menor crescimento em cinco anos. A massa salarial ampliada disponível é obtida pelo Banco Central do Brasil através da soma de todos os salários e rendimentos, líquidos de imposto de renda, somados a benefícios de proteção social (como bolsa família) e benefícios previdenciários. Os dados foram corrigidos pela inflação (medida pelo IPCA) pelo SPC Brasil. Esse indicador mede, portanto, o poder de compra da população. (2) Segundo o IBGE, o número de pessoas ocupadas caiu 0,5% em dezembro de 2013, em relação a dezembro de 2012. É a terceira queda consecutiva nessa comparação. Em dezembro de 2012, ao contrário, a população ocupada (número de trabalhadores) crescia fortemente em relação ao ano anterior: 3,1%. (3) O índice IPCA cresceu 0,92% em dezembro de 2013 frente ao mês anterior, acumulando alta de 5,91% no ano, acima do verificado em 2012 (5,84%), acima das expectativas de mercado e do centro da meta de 4,5% de inflação. (4) O ICOM (Índice de Confiança do Comércio), calculado pela FGV, atingiu 118 pontos em janeiro de 2014, queda de 0,8% em relação ao mesmo mês de 2013. Já o ICC (Índice de Confiança do Consumidor) da FGV 5
  6. 6. recuou 2,1% entre dezembro de 2013 e janeiro de 2014, ao passar de 111,2 para 108,9 pontos (série com ajuste sazonal). Com o resultado, o índice manteve-se abaixo da média histórica de 115,9 pontos pelo décimo primeiro mês consecutivo e alcançou nível mais baixo desde junho de 2009. Indicador de Consultas SPC Brasil Variação (%) Jan.14/Dez.13 Jan.14/Jan.13 -29,94% 5,07% 6
  7. 7. Número de registros junto ao SPC Brasil O número de registros de inadimplência da base do SPC Brasil caiu 2,28% em janeiro de 2014, em relação a dezembro de 2013. Na comparação de janeiro de 2014 com janeiro de 2013, houve crescimento de 7,84%, revertendo a queda verificada em dezembro de 2013 contra dezembro de 2012 (-4,44%). Como um todo, a comparação mensal sugere que a inadimplência continuou caindo em janeiro, na mesma linha dos os dados do Banco Central (1). A queda, entretanto, foi mais moderada que a verificada nos meses anteriores: a queda de janeiro de 2014 em relação a dezembro de 2013 (-2,28%) foi a menor verificada para o mês nos últimos três anos. Isso pode significar que a redução da inadimplência está perto do fim. A alta na comparação anual, após quatro quedas seguidas, aponta na mesma direção. A elevação dos juros, o crescimento menos intenso do estoque de crédito no país (especialmente no segmento de recursos livres) e a menor confiança do comércio sugerem que os próximos meses serão de mais aperto e seletividade no crédito. Tais atitudes devem prevenir uma alta expressiva da inadimplência, mas mesmo assim a inadimplência deve parar de cair. (1) Segundo o Banco Central do Brasil, a inadimplência em dezembro continuou a trajetória declinante iniciada nos últimos meses de 2012, e passou de 3,7% ao final de 2012 para 3,0% em dezembro de 2013. Indicador de registros do SPC Brasil Variação Jan.14/Dez.13 Jan.14/Jan.13 -2,28% 7,84% 7
  8. 8. Número de cancelamentos realizados junto ao SPC Brasil O número de pendências regularizadas, calculada a partir das exclusões dos registros de inadimplência no banco de dados do SPC Brasil, caiu 9,89% em relação a dezembro de 2013. Na comparação com janeiro de 2013, houve um aumento de 9,12%. A queda do número de recuperações em janeiro em relação a dezembro corresponde a um movimento típico de início de ano. Isso porque o período é caracterizado pela concentração de diversos pagamentos, como IPVA, IPTU, matrículas e materiais escolares. Dessa forma, sobra menos dinheiro para a regularização de dívidas. A queda de janeiro de 2014 foi, porém, mais intensa do que a observada no mesmo período de 2013. O aumento observado pela variação anual também foi superior ao observado em janeiro de 2013. O aumento do número de cancelamentos está em linha com a queda na do número de registros, considerando a mesma base de comparação: com mais regularizações, cai o número de inadimplentes. Indicador de Recuperação SPC Brasil Variação (%) Jan.14/Dez.13 Jan.14/Jan.13 -9,89% 9,12% 8
  9. 9. Indicador de vendas a prazo: consultas realizadas junto ao SPC Brasil Variação em relação ao mesmo mês do ano anterior 12.38% 12.32% 11.23% 8.93% 8.39% 8.67% 8.23% 7.73% 8.26% 7.01% 5.12% 7.34% 5.61% 7.45% 5.37% 5.07% 4.11% 3.88% 2.90% 2.24% 1.83% 0.67% 0.82% 2.60% -0.62% jan/12 abr/12 jul/12 out/12 jan/13 abr/13 jul/13 out/13 jan/14 Indicador de vendas a prazo: consultas realizadas junto ao SPC Brasil Variação em relação ao mês imediatamente anterior 32.28% 28.65% 13.40% 10.22% 7.68% 2.97% 1.21% 5.60% 2.40% -6.60% -5.57% 1.59% -1.61% 0.80% 3.18% 1.32% 1.10% -5.87% -4.07% -3.50% -3.74% -3.62% -24.53% -27.92% jan/12 -29.94% abr/12 jul/12 out/12 jan/13 abr/13 jul/13 out/13 jan/14 9
  10. 10. 10
  11. 11. Séries históricas Período Mês contra igual mês do ano anterior Mês contra mês imediatamente anterior Vendas Inadimplência Vendas Inadimplência jan/14 5,07% 7,84% -29,94% -2,28% dez/13 2,90% -4,44% 28,7% -1,73% nov/13 2,60% -3,22% -3,62% 0,75% out/13 4,11% -1,17% 3,18% 0,07% set/13 1,83% -0,34% 1,32% 0,72% ago/13 -0,62 0,72% 0,80% 1,34% jul/13 0,82% -1,94% 1,21% 0,73% jun/13 0,67% 1,52% -3,74% 1,13% mai/13 2,24% 1,97% 1,59% 2,22% abr/13 7,34% 5,84% 1,10% 0,12% mar/13 12,38% 10,58% 10,22% 3,61% fev/13 11,23% 6,65% -4,07% -1,03% jan/13 3,88% 11,80% -24,53% -3,27% dez/12 5,37% 13,80% 32,28% -1,17% nov/12 8,26% 12,81% -1,61% -0,30% out/12 8,67% 12,48% 5,60% 6,25% set/12 5,61% 8,21% -6,60% -1,31% ago/12 8,93% 5,75% 2,97% -1,28% jul/12 7,01% 6,84% 2,40% -2,45% jun/12 7,45% 10,15% -3,50% -3,10% mai/12 8,23% 16,85% 7,68% 2,84% abr/12 5,12% 18,81% -5,87% 2,56% mar/12 12,32% 14,32% 13,40% 4,20% fev/12 8,39% 13,83% -5,57% -1,68% jan/12 7,73% 12,31% -27,92% -2,71% 11

×