Infraestrutura para a Copa do Mundo

  • 83 views
Uploaded on

Infraestrutura para a Copa do Mundo: moradores das cidades-sede dão boas notas para estádios, bares e restaurantes, aeroportos, hotéis e turismo, mas reprovam transporte e saúde.

Infraestrutura para a Copa do Mundo: moradores das cidades-sede dão boas notas para estádios, bares e restaurantes, aeroportos, hotéis e turismo, mas reprovam transporte e saúde.

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
83
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
2
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Infraestrutura para a Copa do Mundo: moradores das cidades-sede dão boas notas para estádios, bares e restaurantes, aeroportos, hotéis e turismo, mas reprovam transporte e saúde. Até o dia 27 de junho, ainda antes do fim da primeira fase da Copa do Mundo de 2014, quase três milhões de pessoas1 já haviam passado pelas fan-fests organizadas nas 12 cidades- sede da competição. Ao permitir a entrada gratuita, as festas estimularam o engajamento e proporcionaram aos torcedores (brasileiros e estrangeiros) a oportunidade de vivenciar a Copa, independente de terem um ingresso para assistir às partidas. Dados do Ministério do Turismo também dão conta de que o país deve receber, durante todo o período da Copa, até 3,7 milhões de turistas2 , sendo que 600 mil serão estrangeiros. Com tanta gente nas ruas, em um evento desta magnitude, é possível dizer que o país se preparou adequadamente? Estádios, bares e restaurantes, hotéis e pousadas, aeroportos, segurança pública, saúde, transporte... O que pensam os moradores das cidades-sede sobre a qualidade dos serviços e sobre as condições gerais oferecidas para a realização do mundial da FIFA no Brasil? Para mapear as primeiras impressões sobre a competição e avaliar a infraestrutura de cada cidade- sede, o SPC Brasil realizou um estudo amplo, ouvindo residentes de todas as capitais escolhidas para receber os jogos da Copa de 2014. Entre 13 e 18 de junho (primeira semana do mundial) foram feitas 2.558 entrevistas pela web, com pessoas de todas as classes sociais, de ambos os sexos e idade igual ou superior a 18 anos. A margem de erro geral é de 2,0 p.p para um intervalo de confiança a 95%. 1 ‘Quase três milhões de pessoas já compareceram às Fan Fests nas 12 sedes da Copa’, por Gabriel Fialho. Portal da Copa. Ministério do Turismo. 26 de junho de 2014. Disponível em http://goo.gl/vGwAls 2 Grandes Números da Copa. Portal da Copa. Ministério do Turismo. Disponível em: http://www.copa2014.gov.br/pt-br/brasilecopa/sobreacopa/numeros
  • 2. Sete em cada dez residentes das cidades-sede acreditam que o país não se preparou suficientemente para receber a Copa do Mundo. Os brasileiros não parecem confiantes quanto à capacidade do país para receber e organizar adequadamente a Copa do Mundo de 2014. Na opinião de 74% dos entrevistados pelo SPC Brasil, os preparos para o mundial foram insuficientes. Por outro lado, apenas 12% acreditam que o preparo foi, sim, suficiente. Destaque para Brasília, onde uma parcela maior dos entrevistados (21%) compartilha dessa percepção mais positiva. Apesar da desconfiança em relação à organização do evento, 43% dos entrevistados acreditam que o mundial vai gerar incentivos ao turismo. Esse percentual é consideravelmente mais elevado em Manaus (54%) e Natal (54%). O Ministério do Turismo estima que os turistas movimentem até 6,7 bilhões de reais 3 no país, durante o mundial. Ainda com relação à percepção sobre os possíveis benefícios do evento, 33% dos entrevistados apontam, como principal contribuição da Copa, o fato de que o Mundial coloca o país em evidência e atrai investimentos externos. Para 31%, o maior benefício é a geração de mais empregos, ao lado do crescimento da economia e aumento do consumo. Dados levantados pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (FIPE), a pedido do Ministério do Turismo4 , apontam a geração de até um milhão de postos de trabalho, sendo 200 mil temporários, em virtude do mundial. 3 Grandes Números da Copa. Portal da Copa. Ministério do Turismo. Disponível em: http://www.copa2014.gov.br/pt-br/brasilecopa/sobreacopa/numeros 4 Copa do Mundo gera 1 milhão de empregos no Brasil. Portal da Copa. Ministério do Turismo. 19 de junho de 2014. Disponível em http://www.copa2014.gov.br/pt-br/noticia/copa-do-mundo-gera-1- milhao-de-empregos
  • 3. Finalmente, 28% da amostra preferem citar o investimento em infraestrutura (transporte, saúde etc.) como principal contribuição positiva. Vale destacar que 33% das pessoas ouvidas pensam que a Copa do Mundo não trará benefício algum para o país. Destaque negativo para São Paulo, onde 40% dos entrevistados compartilham dessa visão mais pessimista.
  • 4. A infraestrutura da Copa nas cidades-sede: Estádios, bares e restaurantes, aeroportos, hotéis e turismo têm avaliação entre regular e boa. Transporte e saúde ganham nota ruim. O SPC Brasil fez uma série de perguntas sobre os principais serviços relacionados à infraestrutura das cidades- sede da Copa do Mundo. Os entrevistados deveriam dar notas de um (péssimo) a cinco (ótimo) para itens como: estádios, transporte, comércio, limpeza etc. No geral, as arenas dos jogos receberam avaliação positiva (3,9). E a impressão sobre os estádios ainda melhora quando são considerados apenas os moradores de Fortaleza (4,3), Manaus (4,3) e Natal (4,3). Considerando a infraestrutura dos bares e restaurantes, a nota geral é positiva (3,8). Nesse sentido, os moradores de Belo Horizonte mostram-se mais satisfeitos, atribuindo nota 4,0 ao item. A exemplo dos bares e restaurantes, os hotéis também tiveram boa avaliação geral (3,7); os residentes das cidades de Fortaleza e Natal deram as melhores notas (4,0) neste item.
  • 5. A avaliação geral do comércio foi de 3,6, com resultado ligeiramente melhor entre os residentes de Curitiba (3,7). Curiosamente, o Ministério do Turismo projeta que a capital paranaense será a cidade-sede com menor valor desembolsado por gastos de turistas: 297 milhões de reais5 , contra um bilhão de reais do Rio de Janeiro, para fins de comparação. No que se refere às condições oferecidas para o turismo / cultura / eventos durante a Copa do Mundo, os entrevistados dão nota positiva (3,5). Em Curitiba, Fortaleza e Manaus a avaliação melhora, indo para 3,8. Dentro do intervalo neutro, ficam os itens referentes às condições dos aeroportos, limpeza e segurança. O setor de transporte público é responsável por algumas das piores avaliações dos entrevistados. No geral, nota 2,2, a segunda mais baixa dentre todos os itens avaliados. Consideradas separadamente, todas as capitais seguem a mesma tendência, com avaliações negativas, à exceção de Curitiba, onde os moradores dão nota 3,1 para o transporte público. Assim como o transporte, o item “saúde pública” foi muito mal avaliado pelos entrevistados. A nota geral é 1,9, a mais baixa entre todos os itens considerados na pesquisa. E entre as 12 cidades-sede, apenas uma não apresentou resultado negativo: Manaus, com nota 2,6. 5 A Copa em Números. Ministério do Turismo. 12 de junho de 2014. Disponível em http://www.turismo.gov.br/turismo/noticias/todas_noticias/20140612_2.html
  • 6. Para 44%, segurança pública é determinante para que a Copa do Mundo seja bem avaliada, dentro e fora do país. Na percepção de 44% dos entrevistados pelo SPC Brasil, o item “segurança pública” é o mais importante para determinar se a Copa do Mundo será bem avaliada, tanto pelos brasileiros quanto pelo resto do mundo. Essa impressão é ainda mais forte entre os moradores de Belo Horizonte (54%). Vale ressaltar que 8% daqueles que foram aos estádios ao menos uma vez, em função do mundial, afirmaram ter sido vítimas de roubo ou furto. Além disso, é importante pontuar que dessa mesma amostra que participou do evento nos estádios, 81% declararam ter tomado algum cuidado extra com seus pertences nos dias das partidas. Na opinião de 27% da amostra, a condição dos estádios é o principal fator para determinar o sucesso da Copa. Outros 14% falam em saúde pública, enquanto 5% citam o transporte público. Finalmente, 4% da amostra preferem dizer que o mais importante será a condição oferecida nos aeroportos.
  • 7. 43% da amostra são favoráveis às manifestações, e mais da metade acredita que os protestos vão afetar negativamente a imagem do Brasil. O SPC Brasil também quis saber dos residentes das cidades-sede qual seria a posição deles sobre as manifestações que ocorreram e poderiam voltar a ocorrer no país, no período da Copa do Mundo. De forma geral, 11% da amostra disseram ter participado (ou ter a intenção de participar) de algum ato de protesto durante a competição. Questionados sobre o apoio às manifestações, 43% das pessoas ouvidas afirmaram ser favoráveis. A aprovação cresce entre os moradores de Fortaleza (51%) e Rio de Janeiro (50%). No geral, 37% da amostra dizem ser contra as manifestações. Mais da metade dos entrevistados (58%) acreditam que as manifestações vão afetar de forma negativa a imagem do Brasil. Destaque para a capital gaúcha, com 73%, e também São Paulo, com 63%. Apenas 18% dos entrevistados responderam que os protestos teriam impacto positivo na imagem do país. Destaque para Brasília, onde um percentual consideravelmente mais elevado (25%) compartilha dessa percepção mais positiva.
  • 8. Estádios: preço é item mais criticado pelo torcedor. Até o dia 16 de junho e, portanto, pouco depois da abertura da Copa do Mundo, quase 1,4 milhão6 de ingressos haviam sido adquiridos por torcedores brasileiros. Em segundo lugar vinham os norte-americanos, com 200 mil bilhetes. Não é difícil concluir que o mundial será dos donos da casa, pelo menos no que se refere à presença maciça nas arenas das 12 cidades-sede. Baseado nisso o SPC Brasil procurou saber, de quem já vivenciou uma partida da Copa do Mundo de 2014, quais são as condições dos estádios. O que pensam os torcedores sobre o clima das arenas, a segurança no entorno, a qualidade dos serviços e os preços praticados, entre outros fatores? Mais uma vez, os entrevistados deveriam dar notas de um (péssimo) a cinco (ótimo). E o resultado geral é positivo em quase todos os itens analisados, à exceção dos preços. Começando com o fator “empolgação/ambiente” encontrado nas arenas da Copa do Mundo, a avaliação é 6 Saiba quais foram os países que mais compraram ingressos para a Copa do Mundo. Portal da Copa. 16 de junho de 2014. Disponível em http://www.copa2014.gov.br/pt-br/noticia/saiba-quais-foram-os- paises-que-mais-compraram-ingressos-para-a-copa-do-mundo
  • 9. positiva, com nota geral 4,0. Respondendo sobre a segurança dentro dos estádios, os moradores das cidades-sede dão nota 3,8. A segurança do lado de fora dos estádios também deixou boa impressão geral, com nota 3,5. O item “limpeza” recebeu avaliação igualmente positiva (3,5), com destaque para a arena das Dunas, em Natal (3,9). Já a organização na entrada dos estádios mereceu nota geral neutra (3,3). A organização na saída dos jogos, por sua vez, ficou com nota geral neutra (3,3). Com relação às vias de acesso para chegar até as arenas, os entrevistados deram nota geral neutra (3,2). O resultado melhora entre os torcedores que foram ao Estádio Nacional de Brasília (3,8). Já a infraestrutura de transporte mereceu nota geral 3,1, dentro do intervalo considerado neutro. Em todas as cidades-sede o resultado foi semelhante. A avaliação geral do item “estacionamento” foi a segunda pior encontrada na pesquisa (2,9), melhorando um pouco entre os torcedores da capital federal (3,2). E, por último, o aspecto com pior avaliação entre os residentes das cidades-sede foi o preço praticado nos estádios: nota geral 2,3.
  • 10. Conclusão Apesar de a maioria (74%) acreditar que o país não se preparou adequadamente para receber o mundial da FIFA, foram levantados diversos impactos positivos resultantes do evento, tais como o incentivo ao turismo, a atração de investimentos externos, a geração de empregos e o aumento do consumo. A maior preocupação dos entrevistados para que a Copa seja bem avaliada, tanto interna quanto externamente, é a segurança pública. A pesquisa do SPC Brasil apontou claramente o cuidado extra em dia de jogos, fator admitido por 81% da amostra que assistiu a pelo menos um jogo no estádio. A avaliação da infraestrutura das cidades-sede tem pontos positivos e negativos. De forma geral, as condições oferecidas nos estádios são consideradas boas, com avaliações positivas em itens como empolgação/ambiente, limpeza e segurança nas áreas interna e externa, e avaliações razoáveis no que diz respeito à organização na entrada e saída dos jogos, vias de acesso e estacionamento. Por outro lado, os torcedores mostram-se bastante insatisfeitos quanto aos preços praticados nos estádios. Mesmo temendo pela organização e pelo sucesso da Copa, os residentes das cidades-sede mostram-se satisfeitos com a infraestrutura de bares e restaurantes, hotéis, comércio, turismo e eventos culturais no país. Mas a impressão muda bastante no que diz respeito às condições de segurança, saúde e transporte públicos, itens que apresentaram as piores avaliações entre as pessoas ouvidas. Historicamente, vale ressaltar que esses são temas sensíveis para os brasileiros, em geral, em qualquer época do ano e independente de grandes eventos.