Your SlideShare is downloading. ×
Tv na educação
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Introducing the official SlideShare app

Stunning, full-screen experience for iPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Tv na educação

1,022
views

Published on

Monica Rabello de Castro …

Monica Rabello de Castro
Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade Estácio de Sá


0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
1,022
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
11
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. TV na Educação
    Monica Rabello de Castro
    Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade Estácio de Sá
  • 2. O surgimento da TV
    O surgimento da TV data de 1937, nos Estados Unidos, onde se desenvolveu como veículo de comunicação de massas a partir de meados do século XX.
    No Brasil, sua implantação ocorreu ao longo dos anos 50, com uma programação bastante pobre, que se mesclava a uma boa quantidade de anúncios comerciais.
  • 3. Dois modelos de TV que influenciaram a brasileira
    TV americana – vocação comercial
    A televisão comercial preocupa-se basicamente com a rentabilidade de seus produtos: comerciais, programas de auditório, e, para isto, há todo um investimento para melhor conhecer seu público.
    TV européia – vocação educativa
    A Europa tinha uma tradição fortemente humanista em contraposição ao funcionalismo e as práticas laboratoriais americanas. Os estados europeus, com o desenvolvimento da TV, assumem sua direção em benefício do cidadão, utilizando o meio sem distinção de classe, sem qualquer fim comercial e voltado para a formação social do indivíduo. Para os pensadores europeus, a cultura, a preservação, a formação do homem nunca poderia ser parte de uma indústria com fins capitalistas. Desta maneira, em tese, as emissoras européias já nasceram educativas.
  • 4. TV comercial no Brasil
    A televisão comercial brasileira originou-se do modelo americano de televisão, dirigiu-se a uma grande massa e, como tal, teve a preocupação em manter a audiência, geralmente paga por uma pesquisa que ajudasse a desenhar o perfil do telespectador.
    É nesse cenário que a televisão educativa brasileira nasce.
  • 5. A TV educativa brasileira
    A primeira emissora educativa a entrar no ar foi a TV Universitária de Pernambuco, em 1967. Entre 1967 e 1974, surgiram nove emissoras educativas cuja razão social e vinculação eram as mais diversas.
    Os Programas da TVE, inicialmente, eram presos ao “modelo aula pela TV”, a tendência atual é a da transmissão de programas com vários formatos mantendo a educação como fio condutor.
    Ainda hoje, porém, a audiência é muito pequena.
  • 6. Ambiente pouco propício à educação?
    A TV educativa nasce num ambiente pouco amigável, em função de uma vocação fortemente comercial da televisão na época, quando era feita visando basicamente a grande audiência.
    A TV não é bem recebida no meio educacional e as iniciativas de produção de programas educativos não têm grande penetração.
  • 7. A TV dentro de casa
    No Brasil, cerca de 150 milhões de pessoas vêem televisão todos os dias e a maior parte delas passa pelo menos três horas por dia diante da tela da TV.
    Crianças são o segmento mais significativo desse público porque, estando em casa mais tempo do que adolescentes e adultos, vêem um número muito maior de programas, em diferentes horários e canais e com endereçamentos muito distintos, isto é, produtos dirigidos a diferentes faixas etárias.
  • 8. A TV é fortemente consumida
    Pesquisas realizadas pelo IBOPE, pelo Instituto Kids e pela Midiativa, Organização Não-Governamental brasileira voltada para estudos da audiência infantil de TV, indicam que os programas prediletos das crianças são os que se destinam a adolescentes e adultos, tais como novelas, seriados e filmes de ação.
    Alguns milhões desses espectadores mirins têm pouco ou nenhum acesso a outros bens culturais, a atividades esportivas e mesmo a uma educação de qualidade e, por essa razão, têm na tevê sua principal fonte de informação e de lazer.
  • 9. A TV tem sido considerada nociva
    Sendo assim, é compreensível que os meios educacionais se preocupem com o considerável poder de penetração da televisão e, acima de tudo, com a influência que ela pode exercer sobre opiniões, crenças, valores e visões de mundo daqueles que com ela se relacionam mais intensamente, isto é, crianças em idade escolar. Por ela gerações aprendem a consumir e a conhecer a si e ao mundo.
    Mas parece haver muito exagero nessas preocupações.
  • 10. Algumas questões para reflexão
    Que uso foi feito da TV recursos desde sua produção em massa e distribuição na maioria das escolas?
    Por que televisão não participa até hoje de maneira mais efetiva na escolarização?
  • 11. Dimensões a considerar Alvo
    Para a formação escolar
    Para a formação de professores
    Para a Educação Informal (Campanhas)
    Pesquisas científicas
  • 12. Possibilidades e vantagens
    Acesso e alcance
    Recursos de imagem, som e texto
    Recursos que favorecem a interatividade
    Distribuição e arquivo
  • 13. Desvantagens
    Custo alto de produção
    Infra-estrutura sofisticada
    Limites para a interatividade
    Alterações possíveis apenas por processos ainda muito sofisticados
    Necessidade de aliar outras tecnologias
    Divulgação - pesquisas de mercado
  • 14. A TV efetivamente forma, não se pode fazer de conta que ela não está aí.
    De que modo ela deve estar na educação?
  • 15. A necessidade de uma educação para as mídias
    Para a educação, torna-se fundamental discutir e pensar sobre o quanto nós, professores, talvez saibamos muito pouco a respeito das profundas transformações que têm ocorrido nos modos de aprender das gerações mais jovens.
    O que é para os jovens estar informado ou buscar informação?
    De que modo seu gosto estético está sendo formado?
    O que buscam ver na TV?
    O que lhes dá prazer nessas imagens midiáticas?
    Com que figuras ou situações alunos e alunas se identificam mais? Que modos de representar visualmente os objetos, os sentimentos, as relações entre as pessoas são cotidianamente aprendidos a partir da linguagem da televisão?
    De que modo vamos aprendendo a desejar este ou aquele objeto, através das imagens e sons da TV?
    Que novos modos de narrar, de contar histórias, aprendemos através da experiência diária com a TV?
  • 16. A mídia-educação
    Cabe ainda favorecer, em contexto escolar, a experimentação de certas práticas bem próprias do fazer  televisivo (formatos, enquadramentos, iluminação, sonorização, duração, periodicidade etc.)  e também de ver televisão (sozinho, com amigos, com a família, com irmãos, na rua etc.), de modo a qualificá-las e ampliar as possibilidades de integração destas com outros saberes e práticas tradicionalmente ligados à escola.
  • 17. A mídia-educação
    Propor atividades que envolvam a criação de um roteiro, o uso de som e movimento, cenários, encenações etc., por exemplo, brincar de antecipar acontecimentos de um seriado ou telenovela, inventar finais alternativos ou outras possibilidades de desdobramento de uma certa narrativa audiovisual, usar a televisão para discutir a própria televisão, propor situações onde publicidade, propaganda e patrocínio possam ser discutidos e analisados, são algumas entre muitas possibilidades de articulação dos conteúdos, linguagem e formatos televisivos na construção de conhecimentos escolares.
  • 18. A mídia-educação
    Vale lembrar que não é preciso didatizar ou pedagogizar a TV para que ela faça parte do cotidiano da escola: produtos televisivos são produtos da cultura, tanto quanto textos literários ou canções populares, basta que estejam integrados às atividades escolares, de forma prazerosa e interessante, para que se tornem mais uma entre as muitas e variadas fontes de conhecimento à disposição de quem ensina.
  • 19. Considerações Finais
    Pouca exploração do recurso - possibilidade de produções de baixo custo
    Contexto Cultural - estímulo à criação de uma cultura de consumo das mídias
    Investimento (exemplos dos países desenvolvidos - escolas públicas com recursos tecnológicos para confecção e consumo de TV e vídeo)
    Inclusão Tecnológica