ESCRITURAÇÃO CONTABIL FEITA COM OBSERVÂNCIA DA LEI COMERCIAL    GARANTE A NÃO INCIDÊNCIA NA TRIBUTAÇÃO DE LUCROS DISTRIBUÍ...
a) distribuir quaisquer bonificações a seus acionistas; oub) dar ou atribuir participação de lucros a seus sócios ou quoti...
Entretanto, conforme disposto no § 2º do artigo 14 da Lei Complementar 123/2006, a mencionada limitação não se aplica na h...
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Importancia da escrituração contabil

995

Published on

ESCRITURAÇÃO CONTABIL FEITA COM OBSERVÂNCIA DA LEI COMERCIAL
GARANTE A NÃO INCIDÊNCIA NA TRIBUTAÇÃO DE LUCROS DISTRIBUÍDOS
REFERENTE A RESULTADOS APURADOS A PARTIR DE JANEIRO/1996
Como regra geral os lucros ou dividendos calculados com base nos resultados apurados a partir do
mês de janeiro de 1996, pagos ou creditados pelas pessoas jurídicas tributadas com base no lucro
real, presumido ou arbitrado, não estão sujeitos à incidência do imposto de renda na fonte, nem
integrarão a base de cálculo do imposto de renda do benefi

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
995
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
7
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Importancia da escrituração contabil

  1. 1. ESCRITURAÇÃO CONTABIL FEITA COM OBSERVÂNCIA DA LEI COMERCIAL GARANTE A NÃO INCIDÊNCIA NA TRIBUTAÇÃO DE LUCROS DISTRIBUÍDOS REFERENTE A RESULTADOS APURADOS A PARTIR DE JANEIRO/1996Como regra geral os lucros ou dividendos calculados com base nos resultados apurados a partir domês de janeiro de 1996, pagos ou creditados pelas pessoas jurídicas tributadas com base no lucroreal, presumido ou arbitrado, não estão sujeitos à incidência do imposto de renda na fonte, nemintegrarão a base de cálculo do imposto de renda do beneficiário, pessoa física ou jurídica,domiciliado no país ou no exterior (art. 10 da Lei 9.249/1995). LUCRO PRESUMIDO OU ARBITRADONo caso de pessoa jurídica tributada com base no lucro presumido ou arbitrado, poderá serdistribuído, a título de lucros, sem incidência de imposto:I) o valor da base de cálculo do imposto, diminuída de todos os impostos e contribuições a queestiver sujeita a pessoa jurídica;(II) a parcela dos lucros ou dividendos excedente ao valor determinado no item I, desde que aempresa demonstre, através de escrituração contábil feita com observância da lei comercial, que olucro efetivo é maior que o determinado segundo as normas para apuração da base de cálculo doimposto pela qual houver optado, ou seja, o lucro presumido ou arbitrado. DISTRIBUIÇÃO DOS LUCROSDe acordo com a IN SRF 93/1997 (art. 48, parágrafos 7 e 8), o valor determinado conforme o item Ianterior (Lucro Presumido menos impostos e contribuições) pode ser distribuído após oencerramento do trimestre correspondente. Ou seja, se o trimestre corresponde ao 1o.trimestre/2001, então a distribuição poderá ocorrer a partir de 01.04.2001. DISTRIBUIÇÃO DOS LUCROS ANTES DO ENCERRAMENTO DO TRIMESTREA pessoa jurídica poderá distribuir lucros antecipadamente aos seus sócios antes do encerramentodo exercício social. Para isto deverá levantar balanços intermediários, semestrais ou em períodosmenores, com previsão contratual (para as sociedades limitadas) ou estatutária (para as sociedadesanônimas), observados o disposto no art. 204 da Lei 6.404/1976. DISTRIBUIÇÃO DE LUCROS OU DIVIDENDOS POR PESSOA JURÍDICA EM DÉBITO PARA COM A FAZENDA NACIONALO art. 17 da Lei 11.051/2004 procedeu à alteração no art. 32 da lei nº 4.357/64, dispõe queas pessoas jurídicas, enquanto estiverem em débito, não garantido, para com a União e suasautarquias de Previdência e Assistência Social, por falta de recolhimento de imposto, taxa oucontribuição, no prazo legal, não poderão:
  2. 2. a) distribuir quaisquer bonificações a seus acionistas; oub) dar ou atribuir participação de lucros a seus sócios ou quotistas, bem como a seusdiretores e demais membros de órgãos dirigentes, fiscais ou consultivos. SIMPLES NACIONAL – CONTABILIDADE – VANTAGEM TRIBUTÁRIA Júlio César ZanlucaA Lei Complementar 123/2006 instituiu o Estatuto Nacional da Microempresa e da Empresade Pequeno Porte, que vigora, na sua parte tributária, a partir de 01.07.2007.Além de propiciar elementos para análise comparativa com outras formas de tributação, acontabilidade pode reduzir a carga tributária global das optantes pelo Simples Nacional,conforme exposto a seguir. ISENÇÃO DE LUCROS DISTRIBUÍDOS - LIMITEConsideram-se isentos do imposto de renda, na fonte e na declaração de ajuste dobeneficiário, os valores efetivamente pagos ou distribuídos ao titular ou sócio damicroempresa ou empresa de pequeno porte optante pelo Simples Nacional, salvo os quecorresponderem a pró-labore, aluguéis ou serviços prestados.A isenção fica limitada ao valor resultante da aplicação dos percentuais de que trata o art. 15da Lei 9.249/1995, sobre a receita bruta mensal, no caso de antecipação de fonte, ou dareceita bruta total anual, tratando-se de declaração de ajuste, subtraído do valor devido naforma do Simples Nacional no período, relativo ao IRPJ.Base: § 1° do artigo 6º da Resolução CGSN 4/2007(na redação dada pela Resolução CGSN14/2007). Exemplo:Uma empresa comercial, com receita bruta mensal de R$ 30.000,00 e Receita Brutaacumulada em 12 meses de R$ 360.000,00.1. Aplica-se o percentual de presunção de lucro (tabela da Lei 9.249/1995) correspondente àatividade comercial, que é de 8%, sobre o valor da receita do mês (R$ 30.000,00 x 8% = R$2.400,00).2. Do valor apurado em (1), será subtraído o valor devido ao Simples Nacional, relativo aoIRPJ (este percentual está na primeira coluna de cada tabela, após a coluna “alíquota”):R$ 30.000,00 x 0,27% (alíquota correspondente ao IRPJ na Tabela do Simples - ReceitaBruta até R$ 360.000,00 - Tabela I – Comércio) = R$ 81,00.3. Subtrai-se (1 – 2) e teremos o valor que ser distribuído lucros com isenção neste mês:R$ 2.400,00 - R$ 81,00 = R$ 2.319,00. EMPRESA QUE POSSUA CONTABILIDADE
  3. 3. Entretanto, conforme disposto no § 2º do artigo 14 da Lei Complementar 123/2006, a mencionada limitação não se aplica na hipótese de a pessoa jurídica manter escrituração contábil e evidenciar lucro superior ao limite. Ou seja, provado através da contabilidade que o lucro apurado é superior ao determinado mediante a regra do § 1º do artigo 14, poderá este lucro ser distribuído com a isenção do imposto de renda. Assim, se o comerciante, no exemplo anterior, tiver um lucro apurado contabilmente de R$ 4.000,00 no mês, poderá distribuir este valor, sem tributação pelo imposto de renda. Isto evidencia uma vantagem inequívoca da manutenção da escrita contábil, cabendo aos contabilistas alertarem seus clientes sobre esta vantagem, providenciando o levantamento patrimonial - balanço de abertura - e início da escrituração contábil regular.Antonio Pinheiro de MatosSócio Somat Contadores

×