Redes de Computadores       CCNA 3.1 CISCO          WANs e RoteadoresCapítulo 6 Roteamento e Protocolos de             Rot...
Introdução ao roteamento• O roteamento é o processo usado por um  roteador para encaminhar pacotes para a rede  de destino.
Roteamento estático•   Como as rotas estáticas precisam ser    configuradas manualmente, qualquer    alteração na topologi...
Modo de operação de rotas             estáticas• Operações com rotas estáticas podem ser  divididas nestas três partes:  •...
O Comando ip route
Configurando rotas estáticas• Siga as etapas a seguir para configurar rotas  estáticas:1. Determine todas os prefixos, más...
Configurando rotas estáticas4. Repita a etapa 3 para todas as redes de destino definidas na   etapa 1.5. Saia do modo de c...
Faça como exercício
Configurando o encaminhamento de              rotas default• As rotas default são usadas para rotear  pacotes com destinos...
Configurando o encaminhamento de               rotas defaultip route 0.0.0.0 0.0.0.0 [endereço-de-próximo-salto|interface-...
Configurando o encaminhamento de               rotas defaultSiga as etapas a seguir para configurar rotas default:1.Entre ...
Configurando o encaminhamento de               rotas default4. Saia do modo de configuração global.5. Salve a configuração...
Verificando a configuração• Depois de configurar as rotas estáticas, é  importante verificar se elas estão presentes na  t...
Verificando a configuração
Verificando a configuração• O comando show ip route é usado para  confirmar se a rota estática está presente na  tabela de...
Verificando a configuração
Verificando a configuração• Siga as etapas a seguir para verificar a  configuração das rotas estáticas:  • No modo privile...
Verificando a configuração• Digite o comando show ip route.• Verifique se a rota configurada está na tabela de  roteamento.
Roteamento dinâmico• Um protocolo de roteamento permite que um  roteador compartilhe informações com outros  roteadores a ...
Protocolos de roteamento• RIP (Routing Information Protocol);• IGRP (Interior Gateway Routing Protocol);• EIGRP (Enhanced ...
Protocolo roteado• Um protocolo roteado é usado para direcionar  o tráfego dos usuários.• Exemplos de protocolos roteados:...
Sistema Autônomo• Um sistema autônomo (AS) é uma coleção de  redes sob uma administração comum, que  compartilha uma estra...
Sistema Autônomo
Finalidade do Protocolo de Roteamento• O objetivo de um protocolo de roteamento é  construir e manter a tabela de roteamen...
Como funciona
Identificando as classes• A maioria dos algoritmos pode ser classificada  em uma destas duas categorias:  • vetor de distâ...
Roteamento por vetor de distância• Os algoritmos de roteamento por vetor da  distância passam cópias periódicas de uma  ta...
Roteamento por vetor de distância
Roteamento por vetor de distância• Entretanto, os algoritmos de vetor da distância  não permitem que um roteador conheça a...
Roteamento por vetor de distância
Métricas de roteamento• As tabelas de roteamento contêm informações  sobre o custo total do caminho, conforme  definido pe...
Métricas de roteamento
Estado de Enlace• Os algoritmos de roteamento por estado dos  links mantêm um banco de dados complexo  com as informações ...
Este roteamento utiliza• Anúncios do estado dos links (LSA): Um LSA é um pequeno pacote de informações de roteamento que é...
Este roteamento utiliza• Algoritmo SPF: O algoritmo SPF é um cálculo realizado no banco de dados e que resulta na árvore S...
Determinação do caminho• Um roteador determina o caminho de um  pacote, de um link de dados para outro,  usando duas funçõ...
Função de Determinação de Caminho
Função de Comutação• Usa parte do endereço de rede para fazer a  escolha da interface que deve seguir, é um  método intern...
Função de Comutação
Configuração de roteamento•Ativar um protocolo de roteamento IP em um  • Primeiro definimos o protocolo de    roteamento (...
Tarefas
ComandosGAD(config)#router ripGAD(config-router)#network 172.16.0.0
Protocolos de roteamento• RIP – Um protocolo de roteamento interior por vetor  da distância;• IGRP – O protocolo de roteam...
RIP (Routing Information Protocol)• Suas principais características são as  seguintes:• É um protocolo de roteamento por v...
IGRP (Interior Gateway Routing Protocol)• Algumas das principais características do  projeto do IGRP enfatizam o seguinte:...
OSPF (Open Shortest Path First)• As principais características do OSPF são:• Protocolo de roteamento por estado dos links....
EIGRP• É um protocolo avançado de roteamento por vetor da distância.• Usa balanceamento de carga com custos desiguais.• Us...
BGP (Border Gateway Protocol)• É um protocolo de roteamento exterior por  vetor da distância.• É usado entre os provedores...
IGP versus EGP• Os protocolos de roteamento interior foram  concebidos para utilização em uma rede cujas partes  estejam s...
IGP versus EGP
Referência• Cisco Systems, Programa Cisco Networking  Academy (CCNA 3.1) - Módulo: WANs e  Roteadores Capítulo 06 - Roteam...
WANs e Roteadores Cap. 6 Roteamento e Protocolos de Roteamento - CCNA 3.1 Wellington
WANs e Roteadores Cap. 6 Roteamento e Protocolos de Roteamento - CCNA 3.1 Wellington
WANs e Roteadores Cap. 6 Roteamento e Protocolos de Roteamento - CCNA 3.1 Wellington
WANs e Roteadores Cap. 6 Roteamento e Protocolos de Roteamento - CCNA 3.1 Wellington
WANs e Roteadores Cap. 6 Roteamento e Protocolos de Roteamento - CCNA 3.1 Wellington
WANs e Roteadores Cap. 6 Roteamento e Protocolos de Roteamento - CCNA 3.1 Wellington
WANs e Roteadores Cap. 6 Roteamento e Protocolos de Roteamento - CCNA 3.1 Wellington
WANs e Roteadores Cap. 6 Roteamento e Protocolos de Roteamento - CCNA 3.1 Wellington
WANs e Roteadores Cap. 6 Roteamento e Protocolos de Roteamento - CCNA 3.1 Wellington
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

WANs e Roteadores Cap. 6 Roteamento e Protocolos de Roteamento - CCNA 3.1 Wellington

4,501 views

Published on

WANs e Roteadores Cap. 6 Roteamento e Protocolos de Roteamento - CCNA 3.1 Wellington

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
4,501
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
5
Actions
Shares
0
Downloads
364
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

WANs e Roteadores Cap. 6 Roteamento e Protocolos de Roteamento - CCNA 3.1 Wellington

  1. 1. Redes de Computadores CCNA 3.1 CISCO WANs e RoteadoresCapítulo 6 Roteamento e Protocolos de Roteamento
  2. 2. Introdução ao roteamento• O roteamento é o processo usado por um roteador para encaminhar pacotes para a rede de destino.
  3. 3. Roteamento estático• Como as rotas estáticas precisam ser configuradas manualmente, qualquer alteração na topologia da rede requer que o administrador adicione e exclua rotas estáticas para refletir essas alterações.
  4. 4. Modo de operação de rotas estáticas• Operações com rotas estáticas podem ser divididas nestas três partes: • O administrador da rede configura a rota; • O roteador instala a rota na tabela de roteamento; • Os pacotes são roteados usando a rota estática.
  5. 5. O Comando ip route
  6. 6. Configurando rotas estáticas• Siga as etapas a seguir para configurar rotas estáticas:1. Determine todas os prefixos, máscaras e endereços desejados. O endereço pode ser tanto uma interface local como um endereço do próximo salto (next-hop) que leve ao destino desejado.2. Entre no modo de configuração global.3. Digite o comando ip route com um endereço de destino e uma máscara de sub-rede, seguidos do gateway correspondente da etapa 1. A inclusão de uma distância administrativa é opcional.
  7. 7. Configurando rotas estáticas4. Repita a etapa 3 para todas as redes de destino definidas na etapa 1.5. Saia do modo de configuração global.6. Salve a configuração ativa na NVRAM, usando o comando copy running-config startup-config.
  8. 8. Faça como exercício
  9. 9. Configurando o encaminhamento de rotas default• As rotas default são usadas para rotear pacotes com destinos que não correspondem a nenhuma das outras rotas da tabela de roteamento.• Geralmente, os roteadores são configurados com uma rota default para o tráfego dirigido à Internet, já que normalmente é impraticável ou desnecessário manter rotas para todas as redes na Internet.
  10. 10. Configurando o encaminhamento de rotas defaultip route 0.0.0.0 0.0.0.0 [endereço-de-próximo-salto|interface-de-saída]A máscara 0.0.0.0, quando submetida à operação lógicaAND com o endereço IP de destino do pacote a serroteado, resultará sempre na rede 0.0.0.0.Se o pacote não corresponder a uma rota maisespecífica da tabela de roteamento, ele será roteadopara a rede 0.0.0.0.
  11. 11. Configurando o encaminhamento de rotas defaultSiga as etapas a seguir para configurar rotas default:1.Entre no modo de configuração global.2.Digite o comando ip route com 0.0.0.0 para o prefixo e0.0.0.0 para a máscara. A opção endereço para a rotapadrão pode ser tanto a interface do roteador local quese conecta às redes externas como o endereço IP doroteador do próximo salto. Na maioria dos casos, épreferível especificar o endereço IP do roteador dopróximo salto.
  12. 12. Configurando o encaminhamento de rotas default4. Saia do modo de configuração global.5. Salve a configuração ativa na NVRAM, usando o comando copy running-config startup-config.
  13. 13. Verificando a configuração• Depois de configurar as rotas estáticas, é importante verificar se elas estão presentes na tabela de roteamento e se o roteamento está funcionando conforme esperado.• O comando show running-config é usado para visualizar a configuração ativa na RAM e verificar se a rota estática foi inserida corretamente.
  14. 14. Verificando a configuração
  15. 15. Verificando a configuração• O comando show ip route é usado para confirmar se a rota estática está presente na tabela de roteamento.
  16. 16. Verificando a configuração
  17. 17. Verificando a configuração• Siga as etapas a seguir para verificar a configuração das rotas estáticas: • No modo privilegiado, digite o comando show running-config para visualizar a configuração ativa. • Verifique se a rota estática foi inserida corretamente. Se a rota não estiver correta, será necessário voltar ao modo de configuração global para remover a rota estática incorreta e inserir a correta.
  18. 18. Verificando a configuração• Digite o comando show ip route.• Verifique se a rota configurada está na tabela de roteamento.
  19. 19. Roteamento dinâmico• Um protocolo de roteamento permite que um roteador compartilhe informações com outros roteadores a respeito das redes que ele conhece e da sua proximidade com outros roteadores.
  20. 20. Protocolos de roteamento• RIP (Routing Information Protocol);• IGRP (Interior Gateway Routing Protocol);• EIGRP (Enhanced Interior Gateway Routing Protocol);• OSPF (Open Shortest Path First).
  21. 21. Protocolo roteado• Um protocolo roteado é usado para direcionar o tráfego dos usuários.• Exemplos de protocolos roteados: • IP (Internet Protocol); • IPX (Internetwork Packet Exchange).
  22. 22. Sistema Autônomo• Um sistema autônomo (AS) é uma coleção de redes sob uma administração comum, que compartilha uma estratégia comum de roteamento.• Para o mundo exterior, um AS é visto como uma única entidade.
  23. 23. Sistema Autônomo
  24. 24. Finalidade do Protocolo de Roteamento• O objetivo de um protocolo de roteamento é construir e manter a tabela de roteamento.• O protocolo de roteamento aprende todas as rotas disponíveis, coloca as melhores rotas na tabela de roteamento e remove rotas quando elas não são mais válidas.
  25. 25. Como funciona
  26. 26. Identificando as classes• A maioria dos algoritmos pode ser classificada em uma destas duas categorias: • vetor de distância: A abordagem de roteamento pelo vetor da distância determina a direção (vetor) e a distância para qualquer link no grupo de redes interconectadas. • estado do enlace: A abordagem pelo estado dos links, recria a topologia exata de todo o grupo de redes interconectadas.
  27. 27. Roteamento por vetor de distância• Os algoritmos de roteamento por vetor da distância passam cópias periódicas de uma tabela de roteamento de um roteador para outro.• Essas atualizações periódicas entre os roteadores comunicam as alterações de topologia.
  28. 28. Roteamento por vetor de distância
  29. 29. Roteamento por vetor de distância• Entretanto, os algoritmos de vetor da distância não permitem que um roteador conheça a topologia exata de um grupo de redes interconectadas, já que cada roteador vê somente os roteadores que são seus vizinhos.
  30. 30. Roteamento por vetor de distância
  31. 31. Métricas de roteamento• As tabelas de roteamento contêm informações sobre o custo total do caminho, conforme definido pela sua métrica.
  32. 32. Métricas de roteamento
  33. 33. Estado de Enlace• Os algoritmos de roteamento por estado dos links mantêm um banco de dados complexo com as informações de topologia.• Um algoritmo de roteamento por estado dos links mantém um conhecimento completo sobre os roteadores distantes e sobre como eles se interconectam.
  34. 34. Este roteamento utiliza• Anúncios do estado dos links (LSA): Um LSA é um pequeno pacote de informações de roteamento que é enviado entre os roteadores;• Banco de dados tipológico: Um banco de dados topológico é uma coleção de informações reunidas a partir dos LSAs;
  35. 35. Este roteamento utiliza• Algoritmo SPF: O algoritmo SPF é um cálculo realizado no banco de dados e que resulta na árvore SPF.• Tabelas de roteamento: Uma lista das interfaces e dos caminhos conhecidos.
  36. 36. Determinação do caminho• Um roteador determina o caminho de um pacote, de um link de dados para outro, usando duas funções básicas: • Uma função de determinação do caminho; • Uma função de comutação (switching).
  37. 37. Função de Determinação de Caminho
  38. 38. Função de Comutação• Usa parte do endereço de rede para fazer a escolha da interface que deve seguir, é um método interno que não olha a topologia da rede.
  39. 39. Função de Comutação
  40. 40. Configuração de roteamento•Ativar um protocolo de roteamento IP em um • Primeiro definimos o protocolo de roteamento (RIP, IGRP, EIGRP ou OSPF); • Depois definimos as redes (números); • Depois é com os roteadores .
  41. 41. Tarefas
  42. 42. ComandosGAD(config)#router ripGAD(config-router)#network 172.16.0.0
  43. 43. Protocolos de roteamento• RIP – Um protocolo de roteamento interior por vetor da distância;• IGRP – O protocolo de roteamento interior por vetor da distância da Cisco;• OSPF – Um protocolo de roteamento interior por estado dos links;• EIGRP – O protocolo avançado de roteamento interior por vetor da distância da Cisco;• BGP – Um protocolo de roteamento exterior por vetor da distância.
  44. 44. RIP (Routing Information Protocol)• Suas principais características são as seguintes:• É um protocolo de roteamento por vetor da distância.• A contagem de saltos é usada como métrica para seleção do caminho.• Se a contagem de saltos for maior que 15, o pacote é descartado.• Por padrão, as atualizações de roteamento são enviadas por broadcast a cada 30 segundos.
  45. 45. IGRP (Interior Gateway Routing Protocol)• Algumas das principais características do projeto do IGRP enfatizam o seguinte:• É um protocolo de roteamento por vetor da distância.• A largura de banda, carga, atraso e confiabilidade são usados para criar uma métrica composta.• Por padrão, as atualizações de roteamento são enviadas por broadcast a cada 90 segundos.
  46. 46. OSPF (Open Shortest Path First)• As principais características do OSPF são:• Protocolo de roteamento por estado dos links.• Protocolo de roteamento de padrão aberto, descrito na RFC 2328.• Usa o algoritmo SPF para calcular o menor custo até um destino.• Quando ocorrem alterações na topologia, há uma enxurrada de atualizações de roteamento.
  47. 47. EIGRP• É um protocolo avançado de roteamento por vetor da distância.• Usa balanceamento de carga com custos desiguais.• Usa características combinadas de vetor da distância e estado dos links.• Usa o DUAL (Algoritmo de Atualização Difusa) para calcular o caminho mais curto.• As atualizações de roteamento são enviadas por multicast e são disparadas por alterações da topologia.
  48. 48. BGP (Border Gateway Protocol)• É um protocolo de roteamento exterior por vetor da distância.• É usado entre os provedores de serviço de Internet ou entre estes e os clientes.• É usado para rotear o tráfego de Internet entre sistemas autônomos.
  49. 49. IGP versus EGP• Os protocolos de roteamento interior foram concebidos para utilização em uma rede cujas partes estejam sob controle de uma única organização.• Um protocolo de roteamento exterior é concebido para utilização entre duas redes diferentes que estejam sob controle de diferentes organizações.• Um protocolo de roteamento exterior deve isolar sistemas autônomos.
  50. 50. IGP versus EGP
  51. 51. Referência• Cisco Systems, Programa Cisco Networking Academy (CCNA 3.1) - Módulo: WANs e Roteadores Capítulo 06 - Roteamento e Protocolos de Roteamento.

×