Your SlideShare is downloading. ×
Formatação
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Introducing the official SlideShare app

Stunning, full-screen experience for iPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Formatação

579
views

Published on

Abordo a teoria para formatação de sistemas secundários de armazenamento.

Abordo a teoria para formatação de sistemas secundários de armazenamento.

Published in: Education

1 Comment
2 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total Views
579
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
32
Comments
1
Likes
2
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Sistemas Operacionais Aplicados Formatação
  • 2. Hard Disk Sistema de armazenamento em massa formado por vários discos (estou desconsiderando SSD por motivos financeiros) que é utilizado para alojar arquivos do sistema que serão utilizados para processamento ou resultado de processamento.
  • 3. Hard Disk
  • 4. Dúvida Como a informação é armazenada ou gerenciada? Armazenamento; Localização; Segurança; Eficiência.
  • 5. Pensando em Formatos Dividir a superfície em áreas, formadas por unidades pequenas que são gerenciadas.
  • 6. Formatação A formatação de um disco magnético é realizada para que o sistema operacional seja capaz de gravar e ler dados no disco, criando assim estruturas que permitam gravar os dados de maneira organizada e recuperá-los mais tarde.
  • 7. Tipos de Formatação Existem dois tipos de formatação, no caso do Hard Disk: • Formatação Física; • Formatação Lógica.
  • 8. Formatação Física A formatação física é feita na fábrica ao final do processo de fabricação, que consiste em dividir o disco virgem em trilhas, setores, cilindros e isola os bad blocks (danos no HD).
  • 9. Formatação Lógica Porém, para que este disco possa ser reconhecido e utilizado pelo sistema operacional, é necessária uma nova formatação, chamada de formatação lógica.
  • 10. Exemplo UNIX V7
  • 11. Exemplo UNIX V7
  • 12. Exemplo UNIX V7
  • 13. Sistema Microsoft • FAT16 (introduzido no MS-DOS 4.0); • FAT32; • NTFS. FAT = File Allocation Table NTFS = New Technology File System
  • 14. File Allocation Table Esta tabela guarda informações sobre a localização de cada arquivo dentro da unidade física para que elas possam ser salvas, recuperadas, alteradas ou deletadas posteriormente.
  • 15. FAT16 e FAT32 O FAT16, seu antecessor, utilizava clusters de até 64 KB enquanto o FAT32 pode utilizar clusters de 4 KB. Se um arquivo ocupa 4 KB de espaço, tanto no FAT16 como no FAT32 a ocupação será de 1 cluster, porém, no caso do FAT16 os 60 KB restantes serão alocados, apesar de ficarem fisicamente vazios.
  • 16. FAT16 e FAT32 FAT32 suporta partições de até 2 TB, tamanho de arquivos de 4 GB e o nome dos arquivos passou de 8 para 256 caracteres e superou o antigo limite de 3 caracteres para a extensão, embora este padrão ainda seja largamente utilizado.
  • 17. Padrão de Nome FAT (12 bits, usado pelos disquetes) FAT16 (para OS 16 bits ou 32 bits) FAT32 (só para SO a 32 bits).
  • 18. Problemas FAT Um dos maiores problemas do FAT diz respeito à segurança, pois neste sistema os ficheiros podem ser lidos ou escritos por qualquer utilizador. Por esse motivo, os Windows da família NT usam o NTFS que já oferece tal recurso.
  • 19. NTFS O NTFS foi desenvolvido quando a Microsoft decidiu criar o Windows NT.
  • 20. Prós NTFS  Aceita volumes de até 2 TB;  O tamanho do arquivo é limitado apenas pelo tamanho do volume;  Aceita nomes de volumes de até 32 caracteres;  Oferece suporte a compactação, criptografia e indexação;  Oferece suporte a clusters de 512 bytes;  É possível inserir imagem do sistema em um volume NTFS;
  • 21. Prós NTFS  É um sistema de arquivos muito mais seguro que o FAT;  Permite políticas de segurança e gerenciamento;  Volumes NTFS são menos vulneráveis a fragmentos;  Melhor desempenho, em geral;  Volumes NTFS podem se recuperar de um erro mais facilmente.
  • 22. Contra NTFS  Se usado em uma mídia removível, ela pode se corromper mais facilmente;  Não é possível otimizar para remoção rápida;  Apenas versões a partir do NT 3.1 reconhecem volumes  Pode ser necessário drivers extra para acesso a plataformas não-Windows;
  • 23. Contra NTFS  É mais lento que o FAT32, pois pelas diversas diretivas de segurança tanto de acesso quanto de leitura e gravação tornam a partição mais lenta que FAT32 que não possui nenhuma diretiva de segurança ou confiabilidade adequado.
  • 24. Sistemas de Formatação Linux Ext = extended file system
  • 25. Ext Foi o primeiro sistema de arquivos criado especificamente para o Linux. Ele foi desenvolvido por Rémy Card para substituir o sistema de arquivos do MINIX (Minix FS), que havia sido inicialmente utilizado por Linus Torvalds para o recém-criado Linux.
  • 26. Ext2 O Ext2 é um sistema de arquivos para dispositivos de blocos (disco rígido, disquete, pen drive). Foi desenvolvido para o Linux por Rémy Card para substituir o Ext, que também havia sido criado por Rémy Card.
  • 27. Superbloco Ext2 Utilizado para armazenar informações sobre um sistema de arquivos específico.
  • 28. Objeto Inode Um Objeto Inode possui toda informação necessária para que o Sistema de Arquivos possa manipular os arquivos e/ou diretórios. Cada arquivo é representado por um inode no Sistema de Arquivos. O Objeto Inode é instanciado no momento de abertura do arquivo.
  • 29. Objeto Inode Um nome de arquivo é um identificador que pode ser alterado, mas o inode é único para o arquivo e permanece o mesmo enquanto o arquivo existir.
  • 30. i-node
  • 31. Ext3 O Ext3 é um sistema de arquivos desenvolvido por Stephen C. Tweedie para o Linux, que acrescenta alguns recursos ao Ext2, dos quais o mais visível é o journaling.
  • 32. Journaling Um sistema de arquivos com journaling dá permissão ao Sistema Operacional de manter um log (journal), de todas as mudanças no sistema de arquivos antes de escrever os dados no disco. Normalmente este log é um log circular alocado em uma área especial do sistema de arquivos.
  • 33. Journaling Este tipo de sistema de arquivos tem a oferecer uma melhor probabilidade de não sofrer corrupção de dados no caso de o sistema travar ou faltar energia, e uma recuperação mais rápida, pois não necessita verificar todo o disco, somente aqueles que pertenciam a um log que não fora fechado devidamente.
  • 34. Formatos que usam Journaling Exemplos de sistemas de arquivos que suportam journaling, Ext3, Ext4, JFS, JFFS, JFFS2, LogFS, NTFS, Reiser4, ReiserFS e XFS.
  • 35. Criando uma HD SATA No Virtual Box acesse as configurações da maquina virtual.
  • 36. HD Criada
  • 37. Procurar a HD no SA Abrir o Linux e navegar até /dev
  • 38. fdisk O comando fdisk foi desenvolvido para ajudar o administrador a manipular sistemas de arquivos e dispositivos de E/S do tipo Especial de Bloco. (ver Tanenbaum: Sistemas Operacionais Modernos capítulo de E/S)
  • 39. Listando com fdisk
  • 40. Acessando nova HD
  • 41. Opções do fdisk
  • 42. Criando uma partição
  • 43. Criando uma tabela de Arquivos
  • 44. Formatação Lógica
  • 45. Comando Mount Sabendo que o sistema de arquivo do Linux inicia sua montagem a partir da raiz (ver Tanenbaum capítulo de Sistema de Arquivos), usamos o comando mount para fazer a montagem dos dispositivos de E/S no sistema de arquivos.
  • 46. Visualizando a montagem
  • 47. UUID do Sistema de Arquivos
  • 48. Tabela de Arquivos
  • 49. Referência • Ubuntu 9.10 • http://www.aied.com.br