Your SlideShare is downloading. ×
  • Like
Dicas e Princípios Básicos do Linux
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Now you can save presentations on your phone or tablet

Available for both IPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Dicas e Princípios Básicos do Linux

  • 1,380 views
Published

Dicas e Princípios Básicos do Linux

Dicas e Princípios Básicos do Linux

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
1,380
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
34
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Sistemas Operacionais II Dicas e Princípios Básicos do Linux
  • 2. Conceitos Básicos
    • O que significa distribuição (distro)?
    • Qual distribuição devo utilizar?
    • O que é um sistema multiusuário ?
    • O que é Kernel ?
    • O que é ambiente X ?
    • O que são terminais ou consoles ?
    • O que é super usuário (root)?
  • 3. Conceitos Básicos
    • O que é Case Sensitive ?
    • O que são diretórios ocultos e para que servem?
    • Qual pacote corresponde a minha distribuição?
      • “ .rpm” são derivados de distribuições Red Hat;
      • “ .deb” são derivados de distribuições Debian;
      • “ .tgz” são derivados da distribuição Slackware;
  • 4. Terminal de Comandos
    • Utilizamos um terminal de comandos para gerenciamento do sistema operacional linux, no Ubuntu ele pode ser acessado pelo menu.
  • 5. Permissões
    • Existem basicamente três partes que compõem um arquivo/diretório e podem ser reconhecidas como:
    • dono: responsável pelo arquivo;
    • grupo: grupo do responsável;
    • outros: outros usuários.
  • 6. Permissões
    • Utilizamos letras para exibir (na visão humana) o nível de proteção de arquivos e diretórios, no qual:
    • r: representa leitura
    • w: representa escrita
    • X: executar arquivo
  • 7. Permissões
    • Tais permissões podem ser divididas em quatro partes para indicar: tipo, proprietário, grupo e outros
    • Exemplo:
    • drwx------ ... 2 wester ............. 512 Jan ... 29 23:30 .. Arquivos/
    • -rw-rw-r-- ... 1 wester ....... 280232 Dec .. 16 22:41... notas.txt
  • 8. Permissões: Tipos
    • d => diretório
    • b => arquivo de bloco
    • c => arquivo especial de caractere
    • p => canal
    • s => socket
    • - => arquivo "normal"
  • 9. Representação Numérica
    • A representação em letras é uma representação para a interação como o ser humano, também é possível usar uma representação numérica.
    • r = 4
    • w = 2
    • x = 1
  • 10. Representação Numérica
    • Exemplos:
    • -rw-r--r-- (644)
    • -rwxr-xr-x (755)
    • -rwxrwxrwx (777)
  • 11. Conhecendo o Prompt de Comandos
    • Ao abrir o terminal este já inicia com o cursor pronto para receber comandos.
    • Neste exemplo o usuário se chama wellington e o nome da máquina wvm.
  • 12. Conhecendo o Prompt de Comandos
    • Neste exemplo aparece ~ que significa que estamos localizados no diretório home.
    • Já o símbolo $ indica que estou logado como usuário comum, se estiver na conta do Super Usuário root deveria aparecer # no lugar de $.
  • 13. Conhecendo a Estrutura de Diretórios
    • No Linux, toda estrutura de diretórios começa no barra (/), que significa início.
  • 14. Diretórios padrões
    • É padrão nas distribuições os diretórios:
    • /bin, /etc, /home, /lib, /usr, /dev, /sbin, /tmp e /var
    • É opcional:
    • /mnt, /sys, /boot, /proc e /opt
  • 15. Executando aplicações
    • Aplicações podem ser invocadas através do terminal (lembra do capítulo 2 do livro do Tanenbaum?)
    • Exemplo (no Ubuntu):
  • 16. Executando aplicações
    • Para abrir um programa e liberar o terminal utilize um & ao final do comando.
    • Exemplo:
  • 17. Procurando por Comandos Digitados
    • Possibilita encontrar comandos que foram digitados no terminal caso não se recorde do comando por completo.
    • Digite Ctrl + R (se estiver em uma VM utilize o Ctrl da esquerda)
  • 18. Procurando por Comandos Digitados
    • Será exibido uma linha:
    • (reverse-i-search)`’:
    • Digite uma letra de um comando já digitado.
  • 19. Referência
    • MENDONÇA, Tales Araújo. Manual de Sobreviência: Dicas e Comandos do Mundo Linux