Tutorial de SQL - Manual completo                                                        Page 1 of 90                     ...
Tutorial de SQL - Manual completo                                                                    Page 2 of 90         ...
Tutorial de SQL - Manual completo                                                               Page 3 of 90número exclusi...
Tutorial de SQL - Manual completo                                                   Page 4 of 90Seleção de tabelas IA sele...
Tutorial de SQL - Manual completo                                                     Page 5 of 90Mail: ruben@desarrollowe...
Tutorial de SQL - Manual completo                                                    Page 6 of 90Select * From clientes Wh...
Tutorial de SQL - Manual completo                                                Page 7 of 90                             ...
Tutorial de SQL - Manual completo                                                 Page 8 of 90podem nos ajudar em alguns m...
Tutorial de SQL - Manual completo                                                 Page 9 of 90As possibilidades como vemos...
Tutorial de SQL - Manual completo                                                Page 10 of 90e código limpo.Um outro exem...
Tutorial de SQL - Manual completo                                                Page 11 of 90Aqui foi usada a função WEEK...
Tutorial de SQL - Manual completo                                                 Page 12 of 90CREATE TABLE #nomeTable(nom...
Tutorial de SQL - Manual completo                                                            Page 13 of 90Acredito que mui...
Tutorial de SQL - Manual completo                                                  Page 14 of 90Esse tipo de função permit...
Tutorial de SQL - Manual completo                                                Page 15 of 90algo%, os recursos do BD pod...
Tutorial de SQL - Manual completo                                                Page 16 of 90Create Table pedidos(id_pedi...
Tutorial de SQL - Manual completo                                               Page 17 of 90Informe de Rubén AlvarezMail:...
Tutorial de SQL - Manual completo                                                    Page 18 of 90O banco de dados possui ...
Tutorial de SQL - Manual completo                                                               Page 19 of 90Conta-nos os ...
Tutorial de SQL - Manual completo                                                                      Page 20 of 90Função...
Tutorial de SQL - Manual completo                                                                Page 21 of 90/*Utilizando...
Tutorial de SQL - Manual completo                                                Page 22 of 90VARCHAR:      Armazena cadei...
Tutorial de SQL - Manual completo                                                               Page 23 of 90significa que...
Tutorial de SQL - Manual completo                                              Page 24 of 90* = Multiplicação/ = DivisiãoO...
Tutorial de SQL - Manual completo                                              Page 25 of 90Sub-consultas SQLSub-consultas...
Tutorial de SQL - Manual completo                                                       Page 26 of 90MAX (expressão)=   Ca...
Tutorial de SQL - Manual completo                                                  Page 27 of 90 GROUP BY DEPT_NO;A senten...
Tutorial de SQL - Manual completo                                                    Page 28 of 90Regras para a utilização...
Tutorial de SQL - Manual completo                                                  Page 29 of 90colunas, (com tipos de dad...
Tutorial de SQL - Manual completo                                                Page 30 of 90 COLUNA2 TIPO_DADO {NOT NULL...
Tutorial de SQL - Manual completo                                                 Page 31 of 90Definição de chaves para ta...
Tutorial de SQL - Manual completo                                                  Page 32 of 90     mãe, todas as filas d...
Tutorial de SQL - Manual completo                                                 Page 33 of 90funcionar, mas continuam ex...
Tutorial de SQL - Manual completo                                                                   Page 34 of 90A ordem A...
Tutorial de SQL - Manual completo                                                            Page 35 of 90     consultar e...
Tutorial de SQL - Manual completo                                                 Page 36 of 90 ALTER USER NOME_USUARIO ID...
Tutorial de SQL - Manual completo                                                                 Page 37 of 90 FROM {USUA...
Tutorial de SQL - Manual completo                                                Page 38 of 90 [ONLINE | OFFLINE];REUSE= R...
Tutorial de SQL - Manual completo                                                Page 39 of 90     desnormalizar alguma ta...
Apostila sql
Apostila sql
Apostila sql
Apostila sql
Apostila sql
Apostila sql
Apostila sql
Apostila sql
Apostila sql
Apostila sql
Apostila sql
Apostila sql
Apostila sql
Apostila sql
Apostila sql
Apostila sql
Apostila sql
Apostila sql
Apostila sql
Apostila sql
Apostila sql
Apostila sql
Apostila sql
Apostila sql
Apostila sql
Apostila sql
Apostila sql
Apostila sql
Apostila sql
Apostila sql
Apostila sql
Apostila sql
Apostila sql
Apostila sql
Apostila sql
Apostila sql
Apostila sql
Apostila sql
Apostila sql
Apostila sql
Apostila sql
Apostila sql
Apostila sql
Apostila sql
Apostila sql
Apostila sql
Apostila sql
Apostila sql
Apostila sql
Apostila sql
Apostila sql
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Apostila sql

4,072 views

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
4,072
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
3
Actions
Shares
0
Downloads
272
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Apostila sql

  1. 1. Tutorial de SQL - Manual completo Page 1 of 90 Tutorial de SQLManual por: Versão on-line:Criar Web, manuais e recursos para desenvolvimento web http://www.criarweb.com/manuais/32O que é SQLAs aplicações em rede são cada dia mais numerosas e versáteis. Em muitos casos, o esquemabásico de operação é uma série de scripts que dirigem o comportamento de uma base dedados.Devido à diversidade de linguagens e de base de dados existentes, a maneira de comunicarentre umas e outras seria realmente complicado de providenciar, a não ser pela existência depadrões que nos permite realizar as operações básicas de una forma universal.É justamente disso que se trata o Structured Query Language que não é mais do que umalinguagem padrão de comunicação com base de dados. Falamos portanto, de uma linguagemnormalizada que nos permite trabalhar com qualquer tipo de linguagem (ASP ou PHP) emcombinação com qualquer tipo de base de dados (MS Access, SQL Server, MySQL...).O fato de ser padrão não quer dizer que seja idêntico para cada base de dados. Na prática,determinadas bases de dados implementam funções específicas que não têm necessariamenteque funcionar em outras.À parte desta universalidade, o SQL possui outras duas características muito apreciadas. Poruma parte, apresenta potência e versatilidade notáveis que contrasta, por outra, com suaacessibilidade de aprendizagem.Informe de Rubén AlvarezMail: ruben@desarrolloweb.comTipos de camposComo sabemos, um banco de dados é composto por tabelas onde armazenamos registroscatalogados em função de diferentes campos (características).Um aspecto prévio a considerar é a natureza dos valores que introduzimos nesses campos.Visto que um banco de dados trabalha com todo o tipo de informações, é importante especificarque tipo de valor estamos introduzindo de maneira a, por um lado, facilitar a buscaposteriormente e por outro, otimizar os recursos de memória.Cada banco de dados introduz tipos de valores de campo que não necessariamente estãopresentes em outros. Entretanto, existe um conjunto de tipos que estão representados natotalidade destes bancos. Estes tipos comuns são os seguintes: Contém cifras e letras. Apresentam uma longitude limitada (255 Alfanuméricos caracteres) Existem de vários tipos, principalmente, inteiros (sem decimais) e reais Numéricos (com decimais). Booleanos Possuem duas formas: Verdadeiro e falso (Sim ou Não)http://www.criarweb.com/manuais/32/print.php 11/07/2008
  2. 2. Tutorial de SQL - Manual completo Page 2 of 90 Armazenam datas facilitando posteriormente sua exploração. Armazenar Datas datas desta forma possibilita ordenar os registros por datas ou calcular os dias entre uma data e outra... São campos alfanuméricos de longitude ilimitada. Apresentam o Memos inconveniente de não poder ser indexados (veremos mais adiante o que isto quer dizer). São campos numéricos inteiros que incrementam em uma unidade seu Auto- valor para cada registro incorporado. Sua utilidade é mais que evidente: incrementáveis Servir de identificador já que são exclusivos de um registro.Informe de Rubén AlvarezMail: ruben@desarrolloweb.comAdicionar um novo registroOs registros podem ser introduzidos a partir de sentenças que empregam a instrução Insert.A sintaxe utilizada é a seguinte:Insert Into nome_tabela (nome_campo1, nome_campo2,...) Values (valor_campo1,valor_campo2...)Um exemplo simples a partir da nossa tabela modelo é a introdução de um novo cliente queseria feito com uma instrução deste tipo:Insert Into clientes (nome, sobrenomes, endereço, cidade, código postal, e-mail, pedidos)Values (Pedro, Palotes, Percebe n°13, Londrina, 123456, pedro@criarweb.com, 33)Como se pode ver, os campos não numéricos ou booleanos vão delimitados por apóstrofes: .Também é interessante ver que o código postal foi salvo como um campo não numérico. Isto édevido a que em determinados países (Inglaterra,por exemplo) os códigos postais contémtambém letras. Nota: Se desejarmos praticar com um banco de dados que está vazio, primeiro devemos criar as tabelas que vamos preencher. As tabelas também se criam com sentenças SQL e aprendemos a fazer isso no último capítulo. Embora, de qualquer forma, pode ser que seja mais cômodo utilizar um programa com interface gráfica, como Access, que pode nos servir para criar as tabelas em banco de dados do próprio Access ou por ODBC a outros bancos de dados como SQL Server ou MySQL, por dar dois exemplos. Outra possibilidade em um banco de dados como MySQL, seria criar as tabelas utilizando um software como PhpMyAdmin.Obviamente, não é imprescindível preencher todos os campos do registro. Porém, poder serque determinados campos sejam necessários. Estes campos necessários podem ser definidosquando construirmos nossa tabela mediante o banco de dados. Nota: Se não inserirmos um dos campos no banco de dados se iniciará com o valor padrão que tivermos definido na hora de criar a tabela. Se não houver um valor padrão, provavelmente se inicie como NULL (vazio), no caso de que este campo permita valores nulos. Se esse campo não permitir valores nulos (isso se define também ao criar a tabela) o mais seguro é que a execução da sentença SQL nos dê um erro.É muito interessante, já veremos mais adiante o porquê, o introduzir durante a criação denossa tabela um campo auto-incrementável que nos permita atribuir um único número a cadaum dos registros. Deste modo, nossa tabela clientes apresentaría para cada registro umhttp://www.criarweb.com/manuais/32/print.php 11/07/2008
  3. 3. Tutorial de SQL - Manual completo Page 3 of 90número exclusivo do cliente que será muito útil quando consultarmos várias tabelassimultaneamente.Informe de Rubén AlvarezMail: ruben@desarrolloweb.comApagar um registroPara apagar um registro nos servimos da instrução Delete. Neste caso devemos especificar qualou quais são os registros que queremos apagar. Por isso, é necessário estabelecer uma seleçãoque se realize mediante a cláusula Where.A forma de selecionar será vista; detalhadamente em capítulos posteriores. Agora, noscontentaremos em mostrar qual é o tipo de sintaxe utilizada para efetuar estas supressões:Delete From nome_tabela Where condicoes_de_selecao Nota: Se desejarmos praticar com um banco de dados que estiver vazio, primeiro devemos criar as tabelas que vamos preencher. As tabelas também se criam com sentenças SQL que aprendemos a fazer no último capítulo.Se quisermos, por exemplo, apagar todos os registros dos clientes que se chamarem Pedro,faríamos da seguinte forma:Delete From clientes Where nome=PedroTemos que ter cuidado com esta instrução, pois se não especificarmos uma condição comWhere, o que estamos fazendo é apagar toda a tabela:Delete From clientesInforme de Rubén AlvarezMail: ruben@desarrolloweb.comAtualizar um registroUpdate é a instrução que nos serve para modificar nossos registros. Como para o caso deDelete, necessitamos especificar por meio de Where quais são os registros que queremos fazerefetivas nossas modificações. Ademais, obviamente, teremos que especificar quais são os novosvalores dos campos que desejamos atualizar. A sintaxe é deste tipo:Update nome_tabela Set nome_campo1 = valor_campo1, nome_campo2 = valor_campo2,...Where condicoes_de_selecaoUm exemplo aplicado:Update clientes Set nome=José Where nome=PedroMediante esta sentença mudamos o nome Pedro por José em todos os registros cujo nome sejaPedro.Aqui também há que ser cuidadoso de não esquecer de usar Where, do contrário,modificaríamos todos os registros de nossa tabela.Informe de Rubén AlvarezMail: ruben@desarrolloweb.comhttp://www.criarweb.com/manuais/32/print.php 11/07/2008
  4. 4. Tutorial de SQL - Manual completo Page 4 of 90Seleção de tabelas IA seleção total ou parcial de uma tabela se realiza mediante a instrução Select. Em tal seleçãohá que especificar:-Os campos que queremos selecionar-A tabela na qual fazemos a seleçãoEm nossa tabela modelo de clientes poderíamos fazer, por exemplo, uma seleção do nome eendereço dos clientes com uma instrução deste tipo:Select nome, endereço From clientesSe quiséssemos selecionar todos os campos, ou seja, toda a tabela, poderíamos utilizar oasterisco * da seguinte forma:Select * From clientesTambém é muito útil filtrar os registros mediante condições que vêem expressas depois dacláusula Where. Se quiséssemos mostrar os clientes de uma determinada cidade usaríamosuma expressão como esta:Select * From clientes Where cidade Like Rio de janeiroAdemais, poderíamos ordenar os resultados em função de um ou vários de seus campos.Para este último exemplo poderíamos ordená-los por nome assim:Select * From clientes Where cidade Like Rio de janeiro Order By nomeTendo em conta que pode haver mais de um cliente com o esmo nome, poderíamos dar umsegundo critério que poderia ser o sobrenome:Select * From clientes Where cidade Like Rio de Janeiro Order By nome, sobrenomeSe invertêssemos a ordem " nome,sobrenome " por " sobrenome, nome ", o resultado seriadiferente. Teríamos os clientes ordenados por sobrenome e aqueles que tivessem sobrenomesidênticos se sub-classificariam pelo nome.É possível também classificar por ordem inversa. Se por exemplo quiséssemos ver nossosclientes por ordem de pedidos realizados tendo aos maiores em primeiro lugar escreveríamosalgo assim:Select * From clientes Order By pedidos DecresUma opção interessante é a de efetuar seleções sem coincidência. Se por exemplo,buscássemos saber em que cidades se encontram nossos clientes sem a necessidade de quepara isso apareça várias vezes a mesma cidade, usaríamos uma sentença desta classe:Select Distinct cidade From clientes Order By cidadeAssim evitaríamos ver repetido Rio de Janeiro tantas vezes quantos clientes tivermos nessacidade.Informe de Rubén Alvarezhttp://www.criarweb.com/manuais/32/print.php 11/07/2008
  5. 5. Tutorial de SQL - Manual completo Page 5 of 90Mail: ruben@desarrolloweb.comSeleção de tabelas IIQuisemos compilar na forma de tabela certos operadores que podem ser úteis em determinadoscasos. Estes operadores serão utilizados depois da cláusula Where e podem ser combinadoshabilmente mediante parênteses para otimizar nossa seleção a níveis bastante altos. Operadores matemáticos: > Maior que < Menor que >= Maior ou igual que <= Menor ou igual que <> Diferente = Igual Operadores lógicos And Or Not Outros operadores Seleciona os registros cujo valor de campo se assemelhe, não tendo emLike conta maiúsculas e minúsculas. Dá um conjunto de valores para um campo para os quais a condição deIn e Not In seleção é (ou não) válidaIs Null e Is Not Seleciona aqueles registros onde o campo especificado está (ou não) vazio.NullBetween...And Seleciona os registros compreendidos em um intervaloDistinct Seleciona os registros não coincidentesDesc Classifica os registros por ordem inversa Curingas * Substitui a todos os campos % Substitui a qualquer coisa ou nada dentro de uma cadeia _ Substitui só um caractere dentro de uma cadeiaVejamos a seguir aplicações práticas destes operadores.Nesta sentença selecionamos todos os clientes de Salvador cujo nome não seja Jose. Como sepode ver, empregamos Like ao invés de = simplesmente para evitar inconvenientes devido aoemprego ou não de maiúsculas.http://www.criarweb.com/manuais/32/print.php 11/07/2008
  6. 6. Tutorial de SQL - Manual completo Page 6 of 90Select * From clientes Where cidade Like salvador And Not nome Like JoseSe quiséssemos recolher em uma seleção aos clientes de nossa tabela cujo sobrenomecomeça por A e cujo número de pedidos esteja compreendido entre 20 e 40:Select * From clientes Where sobrenomes like A% And pedidos Between 20 And 40O operador In, será visto mais adiante, é muito prático para consultas em várias tabelas. Paracasos em uma única tabela é empregada da seguinte forma:Select * From clientes Where cidade In (Salvador,Fortaleza,Florianopolis)Desta forma selecionamos aqueles clientes que vivem nessas três cidades.Informe de Rubén AlvarezMail: ruben@desarrolloweb.comSeleção de tabelas IIIUm banco de dados pode ser considerado como um conjunto de tabelas. Estas tabelas, emmuitos casos, estão relacionadas entre elas e se complementam unas com outras.Fazendo referência ao nosso clássico exemplo de um banco de dados para uma aplicação de e-comercio, a tabela clientes que estivemos falando pode estar perfeitamente coordenada comuma tabela onde armazenamos os pedidos realizados por cada cliente. Esta tabela de pedidospode por sua vez, estar conectada com uma tabela onde armazenamos os dadoscorrespondentes a cada artigo do inventário.Deste modo poderíamos facilmente obter informações contidas nessas três tabelas como podeser a designação do artigo mais popular em uma determinada região onde a designação doartigo seria obtida na tabela de artigos, a popularidade (quantidade de vezes que esse artigo foivendido) viria da tabela de pedidos e a região estaria compreendida obviamente na tabelaclientes.Este tipo de organização baseada em múltiplas tabelas conectadas nos permite trabalhar comtabelas muito mais manejáveis e ao mesmo tempo, nos evita copiar o mesmo campo em várioslugares já que podemos acessa-lo a partir de uma simples chamada à tabela que o contém.Neste capítulo veremos como, usando o que foi aprendido até agora, podemos realizarfacilmente seleções sobre várias tabelas. Definiremos antes de nada as diferentes tabelas ecampos que vamos utilizar em nossos exemplos: Tabela de clientes Nome campo Tipo campo id_cliente Numérico inteiro nome Texto sobrenomes Texto endereço Texto cidade Texto cep Texto telefone Numérico inteiro email Textohttp://www.criarweb.com/manuais/32/print.php 11/07/2008
  7. 7. Tutorial de SQL - Manual completo Page 7 of 90 Tabela de pedidos Nome campo Tipo campo id_pedido Numérico inteiro id_cliente Numérico inteiro id_artigo Numérico inteiro data Data quantidade Numérico inteiro Tabela de artigos Nome campo Tipo campo id_artigo Numérico inteiro titulo Alfanumérico autor Alfanumérico editorial Alfanumérico preço Numérico realEstas tabelas podem ser utilizadas simultaneamente para extrair informações de todo tipo.Suponhamos que queremos enviar um mailing a todos aqueles que tiverem realizado um pedidonesse mesmo dia. Poderíamos escrever algo assim:Select clientes.sobrenomes, clientes.email From clientes,pedidos Where pedidos.datalike 25/02/00 And pedidos.id_cliente= clientes.id_clienteComo pode ser visto desta vez, depois da cláusula From, introduzimos o nome das duas tabelasde onde tiramos as informações. Ademais, o nome de cada campo vai precedido da tabela deproveniência separado ambos por um ponto. Nos campos que possuem um nome que sóaparece em uma das tabelas, não é necessário especificar sua origem embora na hora de lersua sentença possa ser mais claro tendo esta informação mais precisa. Neste caso, o campodata poderia ter sido designado como "data" ao invés de "pedidos.data".Vejamos outro exemplo mais para consolidar estes novos conceitos. Desta vez queremos ver otítulo do livro correspondente a cada um dos pedidos realizados:Select pedidos.id_pedido, artigos.titulo From pedidos, artigos Wherepedidos.id_artigo=artigos.id_artigoNa verdade a filosofia continua sendo a mesma que para a consulta de uma única tabela.Informe de Rubén AlvarezMail: ruben@desarrolloweb.comSeleção de tabelas IVAlém dos critérios até agora explicados para realizar as consultas em tabelas, SQL permitetambém aplicar um conjunto de funções pré-definidas. Estas funções, embora sejam básicas,http://www.criarweb.com/manuais/32/print.php 11/07/2008
  8. 8. Tutorial de SQL - Manual completo Page 8 of 90podem nos ajudar em alguns momentos a expressar nossa seleção de uma maneira maissimples sem ter que recorrer a operações adicionais por parte do script que estivermosexecutando.Algumas destas funções são representadas na seguinte tabela: Função Descrição Soma(campo) Calcula a soma dos registros do campo especificado Avg(Campo) Calcula a média dos registros do campo especificado Count(*) Proporciona o valor do número de registros que foram selecionados Max(Campo) Indica qual é o valor máximo do campo Min(Campo) Indica qual é o valor mínimo do campoDado que o campo da função não existe no banco de dados, pois o estamos gerandovirtualmente, isto pode criar inconvenientes quando estivermos trabalhando com nossos scriptsna hora de tratar seu valor e seu nome de campo. É por isso que o valor da função tem queser recuperada a partir de um apelido que nós especificaremos na sentença SQL a partir dainstrução AS. A coisa poderia ficar assim:Select Soma(total) As soma_pedidos From pedidosA partir desta sentença calculamos a soma dos valores de todos os pedidos realizados earmazenamos esse valor em um campo virtual chamado soma_pedidos que poderá ser utilizadocomo qualquer outro campo por nossas páginas dinâmicas.Obviamente, tudo que foi visto até agora pode ser aplicado neste tipo de funções de modo que,por exemplo, podemos estabelecer condições com a cláusula Where construindo sentençascomo esta:Select Soma(quantidade) as soma_artigos From pedidos Where id_artigo=6Isto nos proporcionaria a quantidade de exemplares de um determinado livro que foramvendidos.Outra propriedade interessante destas funções é que permitem realizar operações comvários campos dentro de um mesmo parênteses:Select Avg(total/quantidade) From pedidosEsta sentença dá como resultado o preço médio que estão sendo vendidos os livros. Esteresultado não tem porquê coincidir com o do preço médio dos livros presentes noinventário, já que, pode ser que as pessoas tenham tendência a comprar os livros caros ou osbaratos:Select Avg(precio) as preco_venda From artigosUma cláusula interessante no uso das funções é Group By. Esta cláusula nos permite agruparregistros aos quais vamos aplicar a função. Podemos por exemplo calcular o dinheiro gastadopor cada cliente:Select id_cliente, Soma(total) as soma_pedidos From pedidos Group By id_clienteOu saber o número de pedidos que foram realizados:Select id_cliente, Count(*) as numero_pedidos From pedidos Group By id_clientehttp://www.criarweb.com/manuais/32/print.php 11/07/2008
  9. 9. Tutorial de SQL - Manual completo Page 9 of 90As possibilidades como vemos são numerosas e pode ser práticas. Agora tudo fica à disposiçãode nossas ocorrências e imaginação.Informe de Rubén AlvarezMail: ruben@desarrolloweb.comAproveite seu banco de dadosBancos de dados deixaram há muito de ser simplesmente um repositório de informações usadospara, no máximo, organizar registros de tal forma que posteriormente pudessem ser indexadose/ou recuperados de alguma forma. Hoje eles são ferramentas poderosas nas tomadas dedecisões dentro das empresas que, aproveitando-se da grande quantidade de dados láexistentes, extraem análises de vários tipos para executarem os próximos movimentos e açõesem seus mercados.Mas o banco de dados por sí não opera milagres. É necessária a presença de um profissionalconhecedor de suas ferramentas e entranhas para tirar dele tudo aquilo que é possível. Esteprofissional normalmente conhecido por DBA (Database Administrator) é a peça fundamentalneste processo.Por outro lado, os desenvolvedores de software mesmo não sendo especialistas em bancos dedados como os DBAs, podem (e devem) aproveitar um pouco do que é oferecido por estasferramentas para criar aplicações mais rápidas, mais enxutas e mais “limpas”, aproveitandofunções existentes mas que na maioria das vezes são esquecidas no momento dodesenvolvimento. Sobre isso que vamos falar hoje: aproveitamento de funções de bancos dedados.Obs: neste artigo usarei exemplos com o banco de dados MySQL e a linguagem PHP. Entretantocom toda a certeza eles podem ser usados também com outras bases e linguagens de formasemelheante.Somando valores, e concatenando camposCom uma frequência impressionante, precisamos somar valores vindos de uma base de dados.Para fazer isso dentro do código do programa, podemos ter: $Rst = mysql_query("SELECT valor FROM tabela",$conexao); while($valor=mysql_fetch_row($Rst)){ $resultado = $resultado + $valor[0]; } print $resultado;Mas, que tal assim: $Rst = mysql_fetch_row(mysql_query("SELECT SUM(valor) FROM tabela", $conexao)); print $Rst[0];Hmmm... de 5 linhas para duas? Mas como?O “segredo” está na função SUM usada na segunda instrução. Ela simplesmente soma osvalores do campo e reduz um laço dentro do código. Com isso temos mais eficiência, velocidadehttp://www.criarweb.com/manuais/32/print.php 11/07/2008
  10. 10. Tutorial de SQL - Manual completo Page 10 of 90e código limpo.Um outro exemplo interessante pode ser visto quando, por exemplo, precisamos concatenar(unir) dois campos. Para criar uma tabela no código, faríamos assim: $Rst = mysql_query("SELECT nome, sobrenome FROM tabela",$conexao); while($valor=mysql_fetch_row($Rst)){ echo Nome Completo: .$valor[0].$valor[1].<br>; }Mas também pode ser feito assim: $Rst = mysql_query("SELECT CONCAT(nome, sobrenome) FROM tabela",$conexao); while($valor=mysql_fetch_row($Rst)){ echo Nome Completo: .$valor[0].<br>; }Observe que não temos redução de linhas mas de caracteres que deixam o código mais limpo eaproveitamos o processamento do banco ao invés do servidor web. A concatenação é feita pelafunção CONCAT no segundo exemplo e depois somente precisamos imprimir uma variável, aoinvés de duas, evitando assim problemas de interpretação.Datas? Não se percaMuitas vezes o trabalho com datas é um pesadelo para o programador. Soma de dias, meses,em que dia da semana caiu tal data e assim por diante.Como para strings, bancos de dados também possuem um conjunto interessante de funçõespara a manipulação de datas. Vamos ver algumas.A data atualJá vi muito programador criar função para a inserção de datas dentro de registros em bases dedados. Acredito que isso seja por não conhecer uma pequena mas muito útil função chamadanow(). Com ela, a data e/ou hora atual são armazenadas em campos que necessitam estevalor. mysql_query("INSERT INTO tabela (data) VALUES (now())",$conexao);Esta função simplesmente pega a informação de data e hora do servidor e insere no campo quedeseja (neste exemplo, em data). Mas cuidado; se o servidor está com a data/hora erradas, ovalor que será inserido também estará errado. Assim é interessante manter o servidor comhorário sempre sincronizado com time servers existentes na Internet.Além disso, em alguns momentos precisamos saber em que semana estamos do ano ou aindaquantas semanas faltam para o fim do ano. Ao invés de complexos códigos de linguagem,podemos usar a base de dados para nos informar este resultado rapidamente. Por exemplo, emque semana do mês estamos agora? print mysql_result(mysql_query("SELECT WEEK(now())",$conexao),0); // resultado: 18http://www.criarweb.com/manuais/32/print.php 11/07/2008
  11. 11. Tutorial de SQL - Manual completo Page 11 of 90Aqui foi usada a função WEEK que retorna o número da semana de uma determinada data.Neste caso, a data informada é “hoje” pois usamos como parâmetro de data a função now()que, como já apresentado anteriormente, é a data atual do servidor.Outra tarefa comum com datas é a soma de dias em uma data específica. Pode parecer simplesmas como o formato de data é diferente de formatos numéricos e strings, muitas vezes oresultado está errado e não sabemos porquê.A forma mais simples é novamente deixar o banco de dados trabalhar por você. Então paraacrescentar, por exemplo, dez dias à data atual, fazemos: print mysql_result(mysql_query("SELECT DATE_ADD(now(),INTERVAL 10 DAY)",$conexao),0); // resultado: 2006-05-16Com isso temos, em uma única linha, o valor que precisamos com a certeza que se trata deuma data válida, inclusive contando meses que possuem somente 28,29 ou 30 dias(experimente fazer a soma de 10 dias à data de 25/02/2006 e verá o resultado).ConclusãoPequenas e simples funções quando bem utilizadas facilitam a vida de qualquer desenvolvedor.Assim, antes de “quebrar a cabeça” com dezenas de linhas de código para resolver umproblema ou demanda, procure saber se as ferramentas que está utilizando não dispõem deformas mais simples para a solução deste problema. Muitas vezes a solução mais simples estádiante dos olhos e perdemos tempo tentando algo diferente.Estes exemplos são pequenos e simples se comparados a enorme gama de opções existentesnas bases de dados. Funções para data, strings, funções matemáticas e outras tantas estãodisponíveis na maioria das bases de dados relacionais existentes hoje em dia. Para o MySQL,acesse http://dev.mysql.com/doc/refman/4.1/pt/functions.html. Já para o PostgreSQL, acessehttp://www.postgresql.org/docs/8.1/static/functions.htmlEspero que tenha gostado e aprendido um pouco mais.Abraços!Obs: Os códigos deste artigo podem ser encontrados em http://www.michelazzo.com.br naseção de downloads.Copyright 2006 Paulino Michelazzo - http://www.michelazzo.com.brObra licenciada sob Creative Commons Developing Nations 2.0Informe de Paulino MichelazzoMail: paulino@michelazzo.com.brURL: http://www.devmedia.com.brTabelas temporárias no Sql ServerA sintaxe para criar uma tabela temporária no Sql Server é bastante simples, basta acrescentaro # antes do nome da mesma.Sintaxe:http://www.criarweb.com/manuais/32/print.php 11/07/2008
  12. 12. Tutorial de SQL - Manual completo Page 12 of 90CREATE TABLE #nomeTable(nomecampoA varchar(80),nomecampoB money)Tabelas temporárias são muito utilizadas quando precisamos reunir vários registros de váriastabelas em uma única seleção e exibi-las em uma aplicação qualquer (p.ex.: Delphi, VisualStudio, ASP.NET, etc.). .É fundamental para aplicações cliente/servidor onde vários usuários estão acessando aquelaprocedure ao mesmo tempo.Aqui vai um exemplo prático da utilização de tabelas temporárias.É importante saber que atabela temporária só existe enquanto a procedure está sendo executada, após a execução damesma ela é automaticamente excluída. Aproveitei para colocar um exemplo utilizando o CASEdo Sql ServerCREATE PROCEDURE TesteTabelaTemporariaascreate table #tmpTotalPage(mes smallint null,totalmes smallint null,mediames decimal(9, 3) null )Insert into #tmpTotalPage ( mes, totalmes, media)(select DATEPART(MONTH,data) as Mes, count(*) as TotalAcessos, nullfrom Acessos AS ACINNER JOIN CadastroTB AS C ON AC.idcad = C.idCadgroup by DATEPART(MONTH,data))select mes, totalmes,media = casewhen mes = 1 then totalmes / 31when mes = 2 then totalmes / 28when mes = 3 then totalmes / 30when mes = 4 then totalmes / 31when mes = 5 then totalmes / 30when mes = 6 then totalmes / 31when mes = 7 then totalmes / 30when mes = 8 then totalmes / 31when mes = 9 then totalmes / 30when mes = 10 then totalmes / 31when mes = 11 then totalmes / 30when mes = 12 then totalmes / 31endfrom #tmpTotalPagePor enquanto é só, até a próxima pessoal!Informe de Fabio CorreaURL: http://www.devmedia.com.brAdquirindo informações do Usuário com a classe Systemhttp://www.criarweb.com/manuais/32/print.php 11/07/2008
  13. 13. Tutorial de SQL - Manual completo Page 13 of 90Acredito que muitas pessoas já tiveram a necessidade de saber qual o nome do sistemaoperacional de um usuário, o seu login do Windows, o diretório home etc. em suas aplicações.Se você é um dos que se enquadram nessa situação, saiba que existe uma forma de adquiriressas informações: através da função System.getProperty().Segue um exemplo:public class Main{public static void main( String[] args ) {System.out.println("Usuario: " + System.getProperty("user.name").toUpperCase());System.out.println("Sistema Operacional: " + System.getProperty("os.name").toUpperCase());}}Veja a saída:Usuário: GLAUCIOSistema Operacional: WINDOWS XPAbaixo seguem alguns parâmetros para a função getProperty():os.arch – Retorna a arquitetura do Sistema operacionalos.version – Retorna a versão do Sistema operacionalos.name – Nome do Sistema Operacionaljava.version – Retorna a versão da JREjava.home – Diretório de Instalação Javajava.class.path – Retorna o Class Pathuser.home – Diretório home do usuáriouser.name – Nome da conta do usuárioA lista completa encontra-se neste endereço:http://java.sun.com/j2se/1.4.2/docs/api/java/lang/System.html#getProperties()Essa recurso também pode ser usado em JSPs:Código da JSP:Saída:http://www.criarweb.com/manuais/32/print.php 11/07/2008
  14. 14. Tutorial de SQL - Manual completo Page 14 of 90Esse tipo de função permite que, por exemplo, quando um usuário acessar o sistema, seu loginseja obrigatoriamente o mesmo do Sistema Operacional. Isso oferece ao administrador dosistema total controle de quem está usando a ferramenta, garantindo que o usuário possui umaconta na Intranet.Informe de Glaucio GuerraURL: http://www.devmedia.com.brAlguns truques práticosEliminar chamadas aos bancos de dadosEm páginas do tipo portal nas que nas laterais se encontram links que são impressos a partir debancos de dados (distintas seções, serviços,...) existe sempre um efeito lentalizador devido aque se trata de páginas altamente visitadas que efetuam múltiplas chamadas a BDsistematicamente em cada uma de suas páginas.Uma forma de agilizar a visualização destas páginas é textualizando estes links a partir descripts internos. Colocamos o exemplo de Criarweb:Como se pode ver, na lateral existem seções como "Suas Páginas", "Manuais" cujos links estãoarmazenados no banco de dados. Entretanto, os links que se visualizam na página não foramobtidos por chamadas a banco de dados e sim que, cada vez que um novo elemento da seção éadicionado, isto se atualiza automaticamente, por meio de um script, um arquivo texto no qualo novo link é incluído e o mais antigo é eliminado. De fato, este arquivo de texto é o que éinserido no código fonte da página. Deste modo, evitamos meia dúzia de chamadas a bancos dedados cada vez que uma página é vista, o qual permite otimizar recursos de servidor de umamaneira significativa.Eliminar palavras curtas e repetiçõesEm situações na qual nosso banco de dados tem que armazenar campos de textoextremamente longos, e tais campos são requeridos para realizar seleções do tipo LIKE %http://www.criarweb.com/manuais/32/print.php 11/07/2008
  15. 15. Tutorial de SQL - Manual completo Page 15 of 90algo%, os recursos do BD podem se ver sensivelmente minguados Uma forma de ajudar agerenciar este tipo de buscas é incluindo um campo adicional.Este campo adicional pode ser criado automaticamente por meio de scripts e nele incluiríamos otexto original, do qual teremos eliminado palavras triviais como artigos, preposições oupossessivos. Além disso, nos encarregaremos de eliminar as palavras que estiverem repetidas.Desta forma poderemos diminuir sensivelmente o tamanho do campo que vai ser realmenteconsultado.Comentamos em outros capítulos que os campos de texto de mais de 255 caracteresdenominados memo não podem ser indexados. Se ainda depois desta primeira filtragem nossocampo continuar sendo longo demais para ser indexado, o que se pode fazer é corta-lo empedaços de 255 caracteres de maneira que o armazenemos em diferentes campos que poderãoser indexados e portanto, consultados com maior rapidez.Informe de Rubén AlvarezMail: ruben@desarrolloweb.comCriação de tabelasEm geral, a maioria dos bancos de dados possui potentes editores de bancos que permitem acriação rápida e simples de qualquer tipo de tabela com qualquer tipo de formato.Entretanto, uma vez que o banco de dados esteja hospedado no servidor, pode acontecer ocaso de que queiramos introduzir uma nova tabela já seja com caráter temporário (paragerenciar um carrinho de compra, por exemplo) ou permanente, por necessidades concretas denossa aplicação.Nestes casos, podemos, a partir de uma sentença SQL, criar a tabela com o formato quedesejarmos, o qual pode nos poupar mais que um quebra-cabeça.Estes tipos de sentenças são especialmente úteis para bancos de dados como Mysql, os quaistrabalham diretamente com comandos SQL e não por meio de editores.Para criar uma tabela devemos especificar diversos dados: O nome que queremos atribuir, osnomes dos campos e suas características. Ademais, pode ser necessário especificar quaisdestes campos vão ser índices e de que tipo serão.A sintaxe de criação pode variar ligeiramente de um banco de dados para outro já que os tiposde campos aceitos, não estarão completamente padronizados.A seguir explicamos meramente a sintaxe desta sentença e lhes propomos uma série deexemplos:SintaxeCreate Table nome_tabela(nome_campo_1 tipo_1nome_campo_2 tipo_2nome_campo_n tipo_nKey(campo_x,...))Ponhamos agora como exemplo a criação da tabela pedidos que empregamos em capítulosanteriores:http://www.criarweb.com/manuais/32/print.php 11/07/2008
  16. 16. Tutorial de SQL - Manual completo Page 16 of 90Create Table pedidos(id_pedido INT(4) NOT NULL AUTO_INCREMENT,id_cliente INT(4) NOT NULL,id_artigo INT(4)NOT NULL,data DATE,quantidade INT(4),total INT(4), KEY(id_pedido,id_cliente,id_artigo))Neste caso criamos os campos id os quais são considerados de tipo inteiro de uma longitudeespecificada pelo número entre parênteses. Para id_pedido requeremos que tal campo seincremente automaticamente (AUTO_INCREMENT) de uma unidade a cada introdução a umnovo registro para, desta forma, automatizar sua criação. Por outro lado, para evitar umamensagem de erro, é necessário requerer que os campos que vão ser definidos como índicesnão possam ser nulos (NOT NULL).O campo data é armazenado com formato de data (DATE) para permitir sua correta exploraçãoa partir das funções previstas a tal efeito.Finalmente, definimos os índices numerando-os entre parênteses precedidos da palavra KEY ouINDEX.Da mesma forma poderíamos criar a tabela de artigos com uma sentença como esta:Create Table artigos(id_artigo INT(4) NOT NULL AUTO_INCREMENT,titulo VARCHAR(50),autor VARCHAR(25),editorial VARCHAR(25),preco REAL,KEY(id_artigo))Neste caso pode-se ver que os campos alfanuméricos são introduzidos da mesma forma que osnuméricos. Voltemos a recordar que em tabelas que têm campos comuns é de vital importânciadefinir estes campos da mesma forma para o bom funcionamento da base.Muitas são as opções que se oferecem ao gerar tabelas. Não vamos a trata-las detalhadamente,pois sai do estritamente prático. Mostraremos somente alguns dos tipos de campos que podemser empregados na criação de tabelas com suas características: Tipo Bytes Descrição INT ou Números inteiros. Existem outros tipos de maior ou menor 4 INTEGER longitude específicos de cada banco de dados. DOUBLE ou Números reais (grandes e com decimais). Permitem armazenar 8 REAL todo tipo de número não inteiro. CHAR 1/caractere Alfanuméricos de longitude fixa pré-definida VARCHAR 1/caractere+1 Alfanuméricos de longitude variável Datas, existem múltiplos formatos específicos de cada banco de DATE 3 dados BLOB 1/caractere+2 Grandes textos não indexáveis BIT ou 1 Armazenam um bit de informação (verdadeiro ou falso) BOOLEANhttp://www.criarweb.com/manuais/32/print.php 11/07/2008
  17. 17. Tutorial de SQL - Manual completo Page 17 of 90Informe de Rubén AlvarezMail: ruben@desarrolloweb.comSQL e Programação de Banco de DadosQuero me apresentar a você e iniciar um contato periódico para tratarmos assuntosrelacionados à linguagem SQL e à programação de banco de dados. Trabalho com banco dedados há algum tempo e sei o quanto é importante trocar experiências com outrosprofissionais. Ninguém é capaz de extrair o máximo de um banco de dados, mas, juntos,podemos realizar mais e de uma maneira cada vez melhor.Minha experiência maior tem sido desenvolvida junto ao banco de dados Oracle, mas apadronização do comando SQL e pelo fato de os conceitos de programação de um banco dedados serem facilmente aplicados a qualquer outro banco de dados, faz com que possamostratar destes assuntos quase que universalmente.SQLA linguagem SQL (Structured Query Language) é a base para utilização de bancos de dadosrelacionais. Com a utilização dos comandos básicos (INSERT, DELETE, UPDATE e SELECT) pode-se resolver a maior parte dos problemas relacionados a manutenção e extração de dados nobanco de dados. Com o SQL é possível criar as estruturas básicas de armazenamento, comotabelas e índices. Também há comandos específicos da linguagem para o controle e segurançarelacionado a um banco de dados. Em princípio, os comandos SQL são divididos em: DDL (Data Definition Language) ou Linguagem de definição de dados DML (Data Manipulation Language) ou Linguagem de manipulação de dados DQL (Data Query Language) ou Linguagem de recuperação de dados DCL (Data Control Language) ou Linguagem de controle de dadosO SQL tem sido aprimorado ao longo do tempo. Duas entidades (ANSI – American NationalStandards Institute e ISO – International Standards Organization) vêm, desde 1986, publicandopadrões de especificação da linguagem SQL.Vamos discutir como abordar e tirar o máximo de proveito desta linguagem que éextremamente importante para todos os profissionais de banco de dados. Os principais tópicosque serão de interesse envolvem: Fundamentos da linguagem SQL Extensões e particularidades de cada banco de dados Melhoria no desempenho de consultas Utilização de funções analíticas em banco de dados Tendências do uso da linguagemNaturalmente a idéia é ter uma visão prática, com exemplos e com a abertura de umadiscussão entre todos os leitores.Programação de Banco de DadosOs comandos da linguagem SQL são muito poderosos, mas normalmente consegue-se melhoraro desempenho das aplicações através da programação do banco de dados. Ao desenvolvermódulos que sejam executados diretamente no servidor diminui-se o tráfego de informações narede, esconde-se boa parte das estruturas das tabelas e agiliza-se o processamento e retornodas mensagens. Internamento o banco de dados possui mecanismos integrados que permitemunir as estruturas tradicionais de programação com os comandos SQL.http://www.criarweb.com/manuais/32/print.php 11/07/2008
  18. 18. Tutorial de SQL - Manual completo Page 18 of 90O banco de dados possui mecanismos próprios que podem ser utilizados em favor dodesenvolvedor. Cada banco de dados possui um conjunto específico de comandos que definema linguagem de programação do banco de dados. No caso do Oracle, a linguagem é o PL/SQL, oSQL Server possui o Transact-SQL, o DB2 possui sua própria linguagem de programação, oPostGreSQL possui diversas extensões que podem ser utilizadas como linguagem deprogramação e o MySQL lançou sua mais recente versão com a possibilidade de programar oservidor. Cada banco de dados é único sob este aspecto, mas todos trabalham sobre osmesmos conceitos. É possível criar módulos programáveis, como funções, procedimentos,objetos, pacotes, gatilhos, etc. Em todos os casos, há um engine responsável pela integração eexecução dos módulos no servidor de banco de dados.Desta forma, os tópicos que serão trabalhados serão: Fundamentos de programação de banco de dados Aspectos avançados da programação Desempenho dos módulos Programação aliada à extração de dados gerenciais Tendências em programação de banco de dadosComo se pode notar, os tópicos são quase os mesmos da linguagem SQL. Também teremosartigos que poderão ser implementados, testados e melhorados por todos os leitores.Informe de Eber M. DuarteURL: http://www.devmedia.com.brFunções para buscas com datas em AccessBuscas com datas em Access Recebemos uma pergunta recentemente de um amigo quedesejava realizar buscas em Access utilizando, nas condições do Where, campos do tipo data.Depois de várias tentativas resgatamos umas anotações que podem ser interessantes parapublicar. Seguro que servem de ajuda a outras pessoas que tenham que trabalhar com datasem consultas de Access.A consulta era a seguinte:Tenho uma tabela com vários campos. Dois deles são datas, que correspondem com umintervalo. Um deles é a data de início do intervalo (datadesde) e outro a de final do intervalo(dataate)Queria saber como se pode fazer uma consulta SQL em Access para obter os registros cujointervalo de datas contenha o dia de hoje.Ou seja, que a data desde seja menor que hoje e data até seja maior que hoje.Estivemos primeiro fazendo duas provas sem êxito, comparando as datas com operadoresaritméticos. Em alguns casos obtivemos a resposta esperada, porém nem sempre funcionavamas sentenças e tínhamos problemas ao executa-las desde Access ou desde o servidor web,porque não devolviam os mesmos resultados.Função DateDiff()Afinal, a resposta que propusemos passou por utilizar a função DateDiff, que serve para obter adiferença entre duas datas. Por exemplo:DateDiff("y", #06/10/2004#, Now())http://www.criarweb.com/manuais/32/print.php 11/07/2008
  19. 19. Tutorial de SQL - Manual completo Page 19 of 90Conta-nos os dias que passaram desde seis de outubro de 2004.Nós podemos utiliza-la como condição em um where de uma sentença SQL. Por exemplo, parauma sentença como esta:DateDiff("y",A,B) Se são iguais, a função devolverá zero. Se A é uma data anterior a B, então a função devolverá um número de dias que será maior que zero. Se A é uma data posterior a B, então devolverá um número de dias que será menor que zero.Temos que comparar o dia de hoje com as datas desde e ate. Hoje tem que ser maior quedesde e menor que ate. Fica como resultado esta sentença:SELECT * FROM vuelos WHEREDateDiff(y,datadesde,now())>=0and DateDiff(y,dataate,nom())<=0 Nota: Há que ter cuidado com o idioma das datas, pois em português se escrevem de maneira diferente que em inglês. Access tenta interpretar a data corretamente, por exemplo, se introduzimos 02/26/04 pensará que está trabalhando em datas em inglês e se introduzimos 26/02/04 pensará que estamos escrevendo as datas em português. O problema é com uma data como 02/02/04 que seu valor dependerá de como esteja configurado o Access, em português ou em inglês.Função DatePartServe para extrair parte de uma data. Recebe dois parâmetros, o primeiro indica mediante umstring a parte a obter. O outro parâmetro é a data com a que se deseja trabalhar.DatePart("m",data)Neste caso está sendo indicado que se deseja obter o mês do ano. Outro valor possível para oprimeiro parágrafo é, por exemplo "yyyy", que se utiliza para obter o ano com quatro dígitos.Um exemplo de sentença SQL que utiliza esta função pode ser a seguinte:SELECT DatePart("yyyy",validadedesde) FROM voosFunção DateAddEsta última função que vamos ver no presente artigo serve para acrescentar à data, algo comodias, meses ou anos. Para isso a função recebe três parâmetros, o primeiro corresponde comum string para indicar as unidades do que desejamos acrescentar, por exemplo, dias, meses ouanos. O segundo parâmetro é o número de dias, meses ou anos a adicionar e o terceiroparâmetro é a data a qual somar esses valores. Vemos um exemplo de sua sintaxe:DateAdd("yyyy",10,validadedesde)Neste exemplo a função DateAdd devolveria uma data dez anos posterior a validadedesde.Outros valores para o string do primeiro parâmetro são "d", para acrescentar dias, ou "m", paraacrescentar meses.Um exemplo do funcionamento desta função em uma sentença SQL é a seguinte:SELECT DateAdd("yyyy",10,validadedesde) FROM voosInforme de M. A. A. Tradução Juliana MonteiroMail: juliana@criarweb.comhttp://www.criarweb.com/manuais/32/print.php 11/07/2008
  20. 20. Tutorial de SQL - Manual completo Page 20 of 90Função em SQL para o cálculo de dias de trabalho/*Primeiramente declaramos que vamos criar uma função, neste caso se chama Dif Dias e recebe dois parâmetros, adata inicial do período e a final*/CREATE FUNCTION DifDias(@StartDate DATETIME,@EndDate DATETIME)RETURNS integerASBegin//Com esta variavel calculamos quantos dias "normais" existem na classe de datasDECLARE @DaysBetween INT//Com esta variavel acumulamos os dias totaisDECLARE @BusinessDays INT//esta variavel nos serve de contador para saber quando chegarmos ao ultimo dia da classeDECLARE @Cnt INT/*esta variavel eh a que comparamos para saber se o dia que esta calculando eh sabado ou domingo*/DECLARE @EvalDate DATETIME/*Estas duas variaveis servem para comparar as duas datas, se sao iguais, a funcao nos regressa um 0*/DECLARE @ini VARCHAR(10)DECLARE @fin VARCHAR(10)//Iniciamos algumas variaveisSELECT @DaysBetween = 0SELECT @BusinessDays = 0SELECT @Cnt=0//Calculamos quantos dias normais existem na classe de datasSELECT @DaysBetween = DATEDIFF(DAY,@StartDate,@EndDate) + 1/*Ordenamos o formato das datas para que não importando como se proporcionem se comparem igual*/SELECT @ini = (SELECT CAST((CAST(datepart(dd,@StartDate)ASVARCHAR(2))+/+ CAST(datepart(mm,@StartDate)ASVARCHAR(2))+/+CAST(datepart(yy,@StartDate)AS VARCHAR(4))) asvarchar(10)))SELECT @fin = (SELECT CAST((CAST(datepart(dd,@EndDate)ASVARCHAR(2))+/+ CAST(datepart(mm,@EndDate)AS VARCHAR(2))+/+CAST(datepart(yy,@EndDate)AS VARCHAR(4)))as varchar(10)))//Comparam-se as duas datasIF @ini <>@finBEGIN/*Se a diferenca de datas for igual a dois, eh porque so foi transcorrido um dia, portanto somente se valida de que naovai marcar dias de mais*/IF @DaysBetween = 2BEGINSELECT @BusinessDays = 1ENDELSEBEGINWHILE @Cnt < @DaysBetweenBEGIN/*Iguala-se a data que vamos calcular para saber se eh sabado ou domingo na variavel @EvalDate somando os diasque marque o contador, o qual nao deve ser maior que o numero total de dias que existem na classe de datas*/SELECT @EvalDate = @StartDate + @Cnthttp://www.criarweb.com/manuais/32/print.php 11/07/2008
  21. 21. Tutorial de SQL - Manual completo Page 21 of 90/*Utilizando a funcao datepart com o parametro dw que calcula que dia da semana corresponde uma data determinada,determinados que nao seja sabado (7) ou domingo (1)*/IF ((datepart(dw,@EvalDate) <> 1) and(datepart(dw,@EvalDate) <> 7) )BEGIN/*Se nao eh sabado ou domingo, entao se soma um ao total de dias que queremos desdobrar*/SELECT @BusinessDays = @BusinessDays + 1END//Soma-se um dia a mais ao contadorSELECT @Cnt = @Cnt + 1ENDENDENDELSEBEGIN//Se fosse certo que as datas eram iguales se desdobraria em zeroSELECT @BusinessDays = 0END//Ao finalizar o ciclo, a funcao regressa o numero total de diasreturn (@BusinessDays)ENDInforme de Rosendo Lopez RoblesMail: soulus@gmail.comSQL com OracleIntrodução:Antes de começar, gostaria de dizer que este curso está baseado em Oracle, ou seja, osexemplos expostos e o material foram atualizados sobre Oracle. Por outro lado dizer que achointeressante saber algo de SQL antes de começar com MYSQL, já que, embora existam algumasmudanças insignificantes, sabendo manejar SQL você saberá manejar MYSQL.Algumas características: SQL: Structured query language. Permite a comunicação com o sistema administrador de banco de dados. Em seu uso pode-se especificar o que quer o usuário. Permite fazer consulta de dados.Tipos de dados:CHAR: Têm uma longitude fixa. Armazena de 1 a 255. Se introduzimos uma cadeia de menos longitude que a definida se preencherá com brancos à direita até ficar completa. Se introduzirmos uma cadeia de maior longitude que a fixada nos dará um erro.http://www.criarweb.com/manuais/32/print.php 11/07/2008
  22. 22. Tutorial de SQL - Manual completo Page 22 of 90VARCHAR: Armazena cadeias de longitude variável. A longitude máxima é de 2000 caracteres. Se introduzimos uma cadeia de menor longitude que a que está definida, se armazena com essa longitude e não se preencherá com brancos nem com nenhum outro caractere à direita até completar a longitude definida. Se introduzimos uma cadeia de maior longitude que a fixada, nos dará um erro.NUMBER: Armazenam-se tanto inteiros como decimais. Number (precisão, escala) Exemplo: X=number (7,2) X=155862 à Erro já que só pode tomar 2 decimais X= 15586 à Bem Nota: A categoria máxima vai de 1 a 38.LONG: Não armazena números de tamanho grande, e sim cadeias de caracteres de até 2 GBDATE: Armazena a data. Armazena da seguinte forma: Seculo/Ano/Mes/Dia/Hora/Minutos/SegundosRAW: Armazena cadeias de Bytes (gráficos, áudio…)LONGRAW: Como o anterior, mas com maior capacidade.ROWID: Posição interna de cada uma das colunas das tabelas. Sentenças de consultas de dados Select: Select [ALL | Distinct] [expresao_coluna1, expresao_coluna2, …., | *] From [nome1, nome_tabela1, …, nome_tabelan] {[Where condicao] [Order By expresao_coluna [Desc | Asc]…]};Vamos explicar como ler a consulta anterior e assim seguir a pauta para todas as demais.Quando compomos [] significa que a que vai dentro deve existir, e sim, além disso, colocamos |http://www.criarweb.com/manuais/32/print.php 11/07/2008
  23. 23. Tutorial de SQL - Manual completo Page 23 of 90significa que deveremos escolher um valor dos que colocamos e não mais de um. Em troca secolocarmos {} significa que o que vai dentro das chaves pode ir ou não, ou seja, é opcional e secolocará segundo a consulta. Nota: No select o valor por default entre ALL e DISTINCT é ALL. Alias = O novo nome que se dá a uma tabela. Coloca-se entre aspas Order By = Ordena ascendentemente (Asc) (valor por default) ou descendentemente (Desc). All = Recupera todas as filas da tabela embora estejam repetidas. Distinct = Só recupera as filas que são distintas. Desc Emple; = Dá um resumo da tabela e suas colunas. Neste caso da tabela Emple. Not Null= Se aparecer em uma lista de uma coluna significa que a coluna não pode ter valores nulos. Null= Se estiver nulo. Nota: Note que cada consulta de SQL que fazemos temos de termina-la com um ponto e vírgula";".Vários exemplos para vê-lo mais claro: SELECT JOGADOR_NO, SOBRENOME, POSICAO, TIME FROM JOGADORES WHERE TIME_NO = FLAMENGO ORDER BY SOBRENOME;Este exemplo mostra o número do jogador (jogador_no) o sobrenome (Sobrenome), a posiçãona que joga (Posição), e o time (Time) ao que pertence.Selecionará todos os dados da tabela jogadores onde (Where) o nome do time (Time_No) forigual que a palavra Flamengo e se ordenará (order by) sobrenome. Observe também que nãopõe nem Distinct nem All. Por padrão, gerará a sentença com ALL. SELECT * FROM JOGADORES WHERE POSICAO = ATACANTE ORDER BY JOGADOR_NO;Este exemplo mostra todos os campos da tabela jogadores onde (Where) a posição for igualque Atacante e o ordena por número de jogador. Ao não colocar nada se supõe que éascendentemente (Asc). SELECT * FROM JOGADORES WHERE TIME_NAO = FLAMENGO AND POSICAO = ATACANTE ORDER BY SOBRENOME DESC, JOGADOR_NAO ASC;Neste exemplo seleciona todos os campos da tabela jogadores onde (Where) o nome do timefor igual a Flamengo e a posição dos jogadores for igual a Atacante. Por ultimo os ordena porSobrenome descendentemente e por número de jogador ascendentemente.Informe de Agustin JareñoMail: agustin@levanteweb.comURL: http://www.levanteweb.com/SQL com Oracle. OperadoresOperadores aritméticos:+ = Soma- = Subtraçãohttp://www.criarweb.com/manuais/32/print.php 11/07/2008
  24. 24. Tutorial de SQL - Manual completo Page 24 of 90* = Multiplicação/ = DivisiãoOperadores de comparação e lógicos:!> = Diferente>= = Maior ou igual que<= = Menor ou igual que = = Igual queLike = Utiliza para unir cadeias de caracteres. Propriedades: % = representa qualquer cadeia de caracteres de 0 ou mais caracteres. _= representa um único caractere qualquer.Not = NegaçãoAnd = e a and b Certo se são certas a e b.Or = o a or b Certo se a ou b são certasVejamos dois exemplos:Obtemos os dados dos jogadores cujos sobrenomes comecem com a letra "S": SELECT SOBRENOMES FROM JOGADORES WHERE SOBRENOMES LIKE S%;Obtemos aqueles sobrenomes que tiverem uma "R" na segunda posição: SELECT SOBRENOMES FROM JOGADORES WHERE SOBRENOMES LIKE _R*;Obtemos aqueles sobrenomes que começam por "A" e tem uma "o" em seu interior: SELECT SOBRENOMES FROM JOGADORES WHERE SOBRENOMES LIKE A%O%;Comprovação com conjuntos de valores: In= permite saber se uma expressão pertence ou não a um conjunto de valores. Between= permite saber se uma expressão está ou não entre esses valores:Exemplo: SELECT SOBRENOMES FROM JOGADORES WHERE JOGADOR_NUM IN (10, 20);Seleciona os sobrenomes dos jogadores onde o número de jogador (Jogador_num) seja (In) ou10 ou 20 SELECT SOBRENOMES FROM JOGADORES WHERE SALARIO NOT BETWEEN 15000000 AND 20000000;Seleciona os sobrenomes dos jogadores onde o salário destes não esteja entre (Not Between)15000000 e 20000000.Informe de Agustin JareñoMail: agustin@levanteweb.comURL: http://www.levanteweb.com/http://www.criarweb.com/manuais/32/print.php 11/07/2008
  25. 25. Tutorial de SQL - Manual completo Page 25 of 90Sub-consultas SQLSub-consultas:Consulta que se faz sobre os dados que nos dá outra consulta. Seu formato é: SELECT______ FROM________ WHERE CONDICAO OPERADOR (SELECT ______ FROM ___________ WHERE CONDICAO OPERADOR); Exemplo:Obtemos os jogadores com a mesma posição que "Sanchez": SELECT SOBRENOME FORM EMPLE WHERE POSICAO = (SELECT OFICIO FROM EMPLE WHERE SOBRENOME LIKE GIL);Selecionamos em todos os campos da tabela Jogadores cuja sede está em Madrid ou Barcelona:SELECT * FROM JOGADORES WHERE EQUIPE_NOM IN (SELECT EQUIPE_NOM FROM SEDE WHERE LOC IN (MADRID, BARCELONA); FROM SEDE WHERE LOC IN (MADRID, BARCELONA);Informe de Agustin JareñoMail: agustin@levanteweb.comURL: http://www.levanteweb.com/Funções SQLFunções de valores simples:ABS(n)= Devolve o valor absoluto de (n).CEIL(n)=Obtém o valor inteiro imediatamente superior ou igual a "n".FLOOT(n) = Devolve o valor inteiro imediatamente inferior ou igual a "n".MOD (m, n)= Devolve o resto resultante de dividir "m" entre "n".NVL (valor, expressão)= Substitui um valor nulo por outro valor.POWER (m, exponente)= Calcula a potência de um número.ROUND (numero [, m])= Arredonda números com o número de dígitos de precisão indicados.SIGN (valor)= Indica o signo do "valor".SQRT(n)= Devolve a raiz quadrada de "n".TRUNC (numero, [m])= Trunca números para que tenham uma certa quantidade de dígitos deprecisão.VAIRANCE (valor)= Devolve a média de um conjunto de valores.Funções de grupos de valores:AVG(n)=Calcula o valor médio de "n" ignorando os valores nulos. Conta o número de vezes que a expressão avalia algum dado com valorCOUNT (* | Expressão)=não nulo. A opção "*" conta todas as filas selecionadas.http://www.criarweb.com/manuais/32/print.php 11/07/2008
  26. 26. Tutorial de SQL - Manual completo Page 26 of 90MAX (expressão)= Calcula o máximo.MIN (expressão)= Calcula o mínimo.SUM (expressão)= Obtém a soma dos valores da expressão.GREATEST (valor1, valor2…)= Obtém o maior valor da lista.LEAST (valor1, valor2…)= Obtém o menor valor da lista.Funções que devolvem valores de caracteres:CHR(n) = Devolve o caractere cujo valor em binário é equivalente a "n".CONCAT (cad1, cad2)= Devolve "cad1" concatenada com "cad2".LOWER (cad)= Devolve a cadeia "cad" em minúsculas.UPPER (cad)= Devolve a cadeia "cad" em maiúsculas.INITCAP (cad)= Converte a cadeia "cad" a tipo título.LPAD (cad1, n[,cad2])= Adiciona caracteres à esquerda da cadeia até que tenha uma certalongitude.RPAD (cad1, n[,cad2])= Adiciona caracteres à direita até que tenha uma certa longitude.LTRIM (cad [,set])= Suprime um conjunto de caracteres à esquerda da cadeia.RTRIM (cad [,set])= Suprime um conjunto de caracteres à direita da cadeia.REPLACE (cad, cadeia_busca [, cadeia_substitucao])= Substitui um caractere ou caracteres de uma cadeiacom 0 ou mais caracteres.SUBSTR (cad, m [,n])= Obtém parte de uma cadeia.TRANSLATE (cad1, cad2, cad3)= Converte caracteres de uma cadeia em caracteres diferentes,segundo um plano de substituição marcado pelo usuário.Funções que devolvem valores numéricos:ASCII(cad)=Devolve o valor ASCII da primeira letra da cadeia "cad". Permite uma busca de um conjunto de caracteres em umaINSTR (cad1, cad2 [, comeco [,m]])=cadeia, mas não suprime nenhum caractere depois.LENGTH (cad)= Devolve o número de caracteres de cad.Funções para o manejo de datas:SYSDATE= Devolve a data do sistema.ADD_MONTHS (data, n)= Devolve a data "data" incrementada em "n" meses.LASTDAY (data)= Devolve a data do último dia do mês que contém "data".MONTHS_BETWEEN (data1, data2)= Devolve a diferença em meses entre as datas "data1" e "data2".NEXT_DAY (data, cad)= Devolve a data do primeiro dia da semana indicado por "cad" depois dadata indicada por "data".Funções de conversão:TO_CHAR= Transforma um tipo DATE ou NUMBER em uma cadeia de caracteres.TO_DATE=Transforma um tipo NUMBER ou CHAR em DATE.TO_NUMBER= Transforma uma cadeia de caracteres em NUMBER.Informe de Agustin JareñoMail: agustin@levanteweb.comURL: http://www.levanteweb.com/Agrupamento e combinação de elementos com SQLAgrupamento de elementos. Group by e Having:Para saber qual é o salário médio de cada departamento da tabela Jogadores seria: SELECT TIME_NO, AVG (SALARIO) "SALARIO MEDIO" FROM JOGADOREShttp://www.criarweb.com/manuais/32/print.php 11/07/2008
  27. 27. Tutorial de SQL - Manual completo Page 27 of 90 GROUP BY DEPT_NO;A sentença "Select" possibilita agrupar um ou mais conjuntos de filas. O agrupamento se realizamediante a cláusula "GROUP BY" pelas comunas especificadas e na ordem especificada.Formato: SELECT… FROM… GROUP BY COLUNA1, COLUNA2, COLUNAN… HAVING CONDICAO GROUP BY …Os dados selecionados na sentença "Select" que leva o "Group By" devem ser: Uma constante. Uma função de grupo (SUM, COUNT, AVG…) Uma coluna expressa no Group By.A cláusula Group By serve para calcular propriedades de um ou mais conjuntos de filas. Se seseleciona mais de um conjunto de filas, Group By controla que as filas da tabela original sejamagrupadas em um temporário.A cláusula Having se emprega para controlar qual dos conjuntos de filas se visualiza. Avalia-sesobre a tabela que devolve o Group By. Não pode existir sem Group By.Having é parecido ao Where, porém trabalha com grupos de filas; pergunta por umacaracterística de grupo, ou seja, pergunta pelos resultados das funções de grupo, o qual Wherenão pode fazer.Combinação externa (outer joins):Permite-nos selecionar algumas filas de uma tabela embora estas não tenham correspondênciacom as filas da outra tabela com a que se combina. Formato:SELECT TABELA1.COLUNA1, TABELA1.COLUNA2, TABELA2.COLUNA1, TABELA2.COLUNA2 FROM TABELA1, TABELA2 WHERE TABELA1.COLUNA1 = TABELA2.COLUNA1 (+);Isto seleciona todas as filas da tabela "tabela1" embora não tenham correspondência com asfilas da tabela "tabela2", se utiliza o símbolo +.O resto de colunas da tabela "tabela2" se preenche com NULL.Union, intersec e minus:Permite combinar os resultados de vários "Select" para obter um único resultado. Formato: SELECT… FROM… WHERE… OPERADOR_DE_CONJUNTO SELECT…FROM…WHERE…UNION= Combina os resultados de duas consultas. As filas duplicadas que aparecem se reduzema uma fila única.UNION ALL= Como a anterior, porém aparecerão nomes duplicados.INTERSEC= Devolve as filas que são iguais em ambas consultas. Todas as filas duplicadas serãoeliminadas.MINUS= Devolve aquelas filas que estão na primeira "Select" e não estão na segunda "Select".As filas duplicadas do primeiro conjunto se reduzirão a uma fila única antes que comece acomparação com o outro conjunto.http://www.criarweb.com/manuais/32/print.php 11/07/2008
  28. 28. Tutorial de SQL - Manual completo Page 28 of 90Regras para a utilização de operadores de conjunto: As colunas das duas consultas se relacionam em ordem, da esquerda à direita. Os nomes de coluna da primeira sentença "Select" não tem porque ser os mesmos que os nomes da segunda. Os "Select" necessitam ter o mesmo número de colunas. Os tipos de dados devem coincidir, embora a longitude não tem que ser a mesma.>Informe de Agustin JareñoMail: agustin@levanteweb.comURL: http://www.levanteweb.com/Manipulação de dados com SQLInsert, Update e Delete:Insert:Adicionam-se filas de dados em uma tabela: INSERT INTO NOMBTABELA [(COL [,COL]…)] VALUES (VALOR [,VALOR]…);Nometabela= É a tabela na que se vão inserir as filas.Propriedades: Se as colunas não se especificam na cláusula Insert se consideram, por padrão, todas as colunas da tabela. As colunas às quais damos valores se identificam pelo seu nome. A associação coluna valor é posicional. Os valores que se dão às colunas devem coincidir com o tipo de dado definido na coluna. Os valores constantes de tipo caractere tem de ir fechados entre aspas simples ( ) (os de tipo data também).Com Select:Adicionam-se tantas filas como devolva a consulta: INSERT INTO NOMBTABELA [(COL [,COL]…)] SELECT {COLUNA [, COLUNA]… | *} FROM NOMETABELA2 [CLAUSULAS DE SELECT];Update:Atualiza os valores das colunas para uma ou várias filas de uma tabela: UPDATE NOMETABELA SET COLUNA1= VALOR1, …, COLUNAN= VALORN WHERE CONDICAO;Set= Indica as colunas que vão se atualizar e seus valores.Com Select:Quando a subconsulta (orden select) forma parte de SET, deve selecionar o mesmo número dehttp://www.criarweb.com/manuais/32/print.php 11/07/2008
  29. 29. Tutorial de SQL - Manual completo Page 29 of 90colunas, (com tipos de dados adequados) que os que existem entre parênteses ao lado de SET. UPDATE NOMETABELA SET COLUNA= VALOR1, COLUNA2= VALOR2, … WHERE COLUNA3= (SELECT…)OU UPDATE NOMETABELA SET (COLUNA1, COLUNA2, …)= (SELECT …) WHERE CONDICAO;Delete:Elimina uma ou várias filas de uma tabela:DELETE [FROM] NOMETABELAWHERE CONDICAO;Informe de Agustin JareñoMail: agustin@levanteweb.comURL: http://www.levanteweb.com/Chaves primárias com SQL com OracleRollback:Permite ir até o último COMMIT feito ou em seu padrão até o começo das ordens com o queestas não se executam.Commit:Quando executamos ordens, estas não são criadas na tabela até que coloquemos esta ordem,portanto as mudanças realizadas se perderão se ao sair do programa não realizarmos estaação. Pode se programar para que seja feito automaticamente.Algumas ordens que levam COMMIT implícito: QUIT EXIT CONNECT DISCONNECT CREATE TABLE CREATE VIEW GRANT REVOQUE DROP TABLE DROP VIEW ALTER AUDIT NO AUDITCriação de uma tabela:Seu primeiro caractere deve ser alfabético e o resto pode ser letras, números e o caracteresublinhado. CREATE TABLE NOMETABELA (COLUNA1 TIPO_DADO {NOT NULL},http://www.criarweb.com/manuais/32/print.php 11/07/2008
  30. 30. Tutorial de SQL - Manual completo Page 30 of 90 COLUNA2 TIPO_DADO {NOT NULL}, … ) TABLESPACE ESPACO_DE_TABELA;Características: As definições individuais de colunas se separam mediante vírgulas. Não se coloca vírgula depois da última definição de coluna. As maiúsculas e minúsculas são indiferentes.Os usuários podem consultar as tabelas criadas por meio da vista USER_TABLES.Integridade de dados:A integridade faz referência ao fato de que os dados do banco de dados têm que se ajustar àsrestrições antes de se armazenar nele. Uma restrição de integridade será:Uma regra que restringe classe de valores para uma ou mais colunas na tabela.Restrições em create table:Usamos a cláusula CONSTRAINT, que pode restringir uma só coluna ou um grupo de colunas deuma mesma tabela.Existem dois modos de especificar restrições: Como parte da definição de colunas. Afinal, uma vez especificadas todas as colunas.Formato: CREATE TABLE NOME_TABELA (COLUNA1 TIPO_DE_DADO {CONSTRAINT NOME_RESTRICAO} {NOT NULL} {UNIQUE} {PRIMARY KEY} {DEFAULT VALOR} {REFERENCES NOMETABELA [(COLUNA, [,COLUNA]) {ON DELETE CASCADE}} {CHECK CONDICAO}, COLUNA2... ) {TABLESPACE ESPACO_DE_TABELA} ;CREATE TABLE NOME_TABELA (COLUNA1 TIPO_DADO , COLUNA2 TIPO_DADO, COLUNA3 TIPO_DADO, ... {CONSTRAINT NOMERESTRICAO} [{UNIQUE} | {PRIMARY KEY} (COLUNA [, COLUNA])], {CONSTRAINT NOMERESTRICAO} {FOREIGN KEY (COLUNA [, COLUNA]) REFERENCES NOMETABELA {(COLUNA [, COLUNA]) {ON DELETE CASCADE}}, {CONSTRINT NOMERESTRICAO} {CHECK (CONDICAO)} … )[TABLESPACE ESPACO_DE_TABELA];Informe de Agustin JareñoMail: agustin@levanteweb.comURL: http://www.levanteweb.com/http://www.criarweb.com/manuais/32/print.php 11/07/2008
  31. 31. Tutorial de SQL - Manual completo Page 31 of 90Definição de chaves para tabelas e restriçõesChave primária: Primary keyÉ uma coluna ou um conjunto de colunas que identificam univocamente a cada fila. Deve serúnica, não nula e obrigatória. Como máximo, podemos definir uma chave primária por tabela.Esta chave pode ser referenciada por uma coluna ou colunas. Quando se cria uma chaveprimária, automaticamente se cria um índice que facilita o acesso à tabela.Formato de restrição de coluna: CREATE TABLE NOME_TABELA(COL1 TIPO_DADO [CONSTRAINT NOME_RESTRICAO] PRIMARY KEY COL2 TIPO_DADO…)[TABLESPACE ESPACO_DE_TABELA];Formato de restrição de tabela: CREATE TABLE NOME_TABELA (COL1 TIPO_DADO, COL2 TIPO_DADO,…[CONSTRAINT NOMERESTRICAO] PRIMARY KEY (COLUNA [,COLUNA]),…)[TABLESPACE ESPACO_DE_TABELA];Chaves alheias: Foreign Key:Está formada por uma ou várias colunas que estão associadas a uma chave primária de outraou da mesma tabela. Pode-se definir tantas chaves alheias quantas se necessite, e podem estarou não na mesma tabela que a chave primária. O valor da coluna ou colunas que são chavesalheias deve ser: NULL ou igual a um valor da chave referenciada (regra de integridadereferencial).Formato de restrição de coluna: CREATE TABLE NOME_TABELA (COLUNA1 TIPO_DADO [CONSTRAINT NOMERESTRICAO]REFERENCES NOMETABELA [(COLUNA)] [ON DELETE CASCADE] … )[TABLESPACE ESPACO_DE_TABELA];Formato de restrição de tabela: CREATE TABLE NOME_TABELA (COLUNA1 TIPO_DADO, COLUNA2 TIPO_DADO, … [CONTRAINT NOMERESTRICAO] FOREIGN KEY (COLUNA [,COLUNA]) REFERENCES NOMETABELA [(COLUNA [, COLUNA])] [ON DELETE CASCADE], )[TABLESPACE ESPACO_DE_TABELA];Notas: Na cláusula REFERENCES indicamos a tabela a qual remite a chave alheia. Há que criar primeiro uma tabela e depois aquela que lhe faz referência. Há que apagar primeiro a tabela que faz referência a outra tabela e depois a tabela que não faz referência. Eliminado em cascata (ON DELETE CASCADE): Se eliminarmos uma fila de uma tabelahttp://www.criarweb.com/manuais/32/print.php 11/07/2008
  32. 32. Tutorial de SQL - Manual completo Page 32 of 90 mãe, todas as filas da tabela detalhe cuja chave alheia seja referenciada se eliminarão automaticamente. A restrição se declara na tabela detalhe. A mensagem "n filas eliminadas" só indica as filas eliminadas da tabela mãe.NOT NULL: Significa que a coluna não pode ter valores nulos.DEFAULT: Proporcionamos a uma coluna um valor padrão quando o valor da coluna não seespecifica na cláusula INSERT. Na especificação DEFAULT é possível incluir várias expressões:constantes, funções SQL e variáveis UID e SYSDATE.Verificação de restrições: CHECK: Atua como uma cláusula where. Pode fazer referência a umaou mais colunas, porém não a valores de outras filas. Em uma cláusula CHECK não se podemincluir sub-consultas nem as pseudo-consultas SYSDATE, UID e USER. Nota: A restrição NOT NULL é similar a CHECK (NOME_COLUNA IS NOT NULL)UNIQUE: Evita valores repetidos na mesma coluna. Pode conter uma ou várias colunas. Ésimilar à restrição PRIMARY KEY, salvo que são possíveis várias colunas UNIQUE definidas emuma tabela. Admite valores NULL. Assim como em PRIMARY KEY, quando se define umarestrição UNIQUE se cria um índice automaticamente.Vistas do dicionário de dados para as restrições:Contém informação geral as seguintes:USER_CONSTRAINTS: Definições de restrições de tabelas propriedade do usuário.ALL_CONSTRAINTS: Definições de restrições sobre tabelas as quais pode acessar o usuário.DBA_CONSTRAINTS: Todas as definições de restrições sobre todas as tabelas.Criação de uma tabela com dados recuperados em uma consulta:CREATE TABLE: permite criar uma tabela a partir da consulta de outra tabela já existente. Anova tabela conterá os dados obtidos na consulta. Realiza-se esta ação com a cláusula AScolocada ao final da ordem CREATE TABLE. CREATE TABLE NOMETABELA (COLUNA [,COLUNA] )[TABLESPACE ESPACO_DE_TABELA] AS CONSULTA;Não é necessário especificar tipos nem tamanho das consultas, já que vêm determinadas pelostipos e os tamanhos das recuperadas na consulta.A consulta pode ter uma sub-consulta, uma combinação de tabelas ou qualquer sentença selectválida.As restrições COM NOME não se criam em uma tabela desde a outra, só se criam aquelasrestrições que carecem de nome.Informe de Agustin JareñoMail: agustin@levanteweb.comURL: http://www.levanteweb.com/Supressão e modificação de tabelas com SQLSupressão de tabelas:DROP TABLE: suprime uma tabela do banco de dados. Cada usuário pode eliminar suas própriastabelas, porém só o administrador ou algum usuário com o privilégio "DROP ANY TABLE" podeeliminar as tabelas de outro usuário. Ao suprimir uma tabela também se suprimem os índices eos privilégios associados a ela. As vistas e os sinônimos criados a partir desta tabela deixam dehttp://www.criarweb.com/manuais/32/print.php 11/07/2008
  33. 33. Tutorial de SQL - Manual completo Page 33 of 90funcionar, mas continuam existindo no banco de dados, portanto deveríamos elimina-los.Exemplo: DROP TABLE [USUARIO].NOMETABELA [CASCADE CONSTRAINTS];TRUNCATE: permite suprimir todas as filas de uma tabela e liberar o espaço ocupado paraoutros usos sem que reapareça a definição da tabela do banco de dados. Uma ordemTRUNCATE não se pode anular, assim como também não ativa os disparadores DELETE. TRUNCATE TABLE [USUARIO.]NOMETABELA [{DROP | REUSE} STORAGE];Modificação de tabelas:Modificam-se as tabelas de duas formas: Mudando a definição de uma coluna (MODIFY) ouacrescentando uma coluna a uma tabela existente (ADD):Formato:ALTER TABLE NOMETABELA{[ADD (COLUNA [,COLUNA]…)][MODIFY (COLUNA [,COLUNA]…)][ADD CONSTRAINT RESTRICAO][DROP CONSTRAINT RESTRICAO]};ADD= Adiciona uma coluna ou mais no final de uma tabela.MODIFY= Modifica uma ou mais colunas existentes na tabela.ADD CONSTRAINT= Adiciona uma restrição à definição da tabela.DROP CONSTRAINT= Elimina uma restrição da tabela.Na hora de adicionar uma coluna a uma tabela há que ter em conta: Se a coluna não estiver definida como NOT NULL pode-se adicionar em qualquer momento. Se a coluna estiver definida como NOT NULL pode-se seguir estes passos: 1. Adiciona-se uma coluna sem especificar NOT NULL. 2. Dá-se valor à coluna para cada uma das filas. 3. Modifica-se a coluna NOT NULL.Ao modificar uma coluna de uma tabela, há que ter em conta: Pode-se aumentar a longitude de uma coluna em qualquer momento. É possível aumentar ou diminuir o número de posições decimais em uma coluna de tipo NUMBER. Se a coluna for NULL em todas as filas da tabela, pode-se diminuir a longitude e modificar o tipo de dado. A opção MODIFY… NOT NULL só será possível quando a tabela não contiver nenhuma fila com valor nulo na coluna que se modifica.Adição de restrições:Com a ordem ALTER TABLE se acrescentam restrições a uma tabela.Formato:ALTER TABLE NOMETABELAADD CONSTRAINT NOMECONSTRAINT…Eliminação de restrições:http://www.criarweb.com/manuais/32/print.php 11/07/2008
  34. 34. Tutorial de SQL - Manual completo Page 34 of 90A ordem ALTER TABLE com a cláusula DROP CONSTRAINT; com a que se eliminam as restriçõescom nome e as atribuídas pelo sistema. Formato:ALTER TABLE NOMETABELADROP CONSTRAINT NOME_CONSTRAINT,NOME_RESTRICAO:Informe de Agustin JareñoMail: agustin@levanteweb.comURL: http://www.levanteweb.com/Gerenciamento de vistas em SQLCriação e uso de vistasNão contém informação por si mesmas, e sim, estão baseadas nas que contém outras tabelas ereflete os dados destas.Se se suprime uma tabela a vista associada se invalida. Formato: CREATE [OR REPLACE] VIEW NOMEVISTA [(COLUNA [,COLUNA])] AS CONSULTA;AS CONSULTA= Determina as colunas e as tabelas que aparecerão na vista.[OR REPLACE]= Cria de novo a vista se já existia.Para consultar a vista criada, USER_VIEWS:SELECT VIEW_NAME FROM… Nota: ao eliminar as tabelas, as vistas dessas tabelas não se eliminam e ficam inutilizadas.Eliminação de vistasFaz-se com DROP VIEW. Formato:DROP VIEW NOMEVISTA;Operações sobre vistasPode-se realizar as mesmas operações que se fazem sobre as tabelas. Restrições: Atualização. Se uma vista está baseada em uma só tabela, pode-se modificar as filas da vista. A modificação da vista muda a tabela sobre a qual está definida. Eliminação de filas através de uma vista= Para eliminar filas de uma tabela através de uma vista, esta se deve criar: Com filas de uma só tabela. Sem utilizar a cláusula GROUP BY nem DISTINCT. Sem usar funções de grupo ou referências a pseudo-colunas. Atualização de filas através de uma vista: Para atualizar filas em uma tabela através de uma vista, esta tem que estar definida segundo as restrições anteriores e, ademais, nenhuma das colunas que vai se atualizar terá definido como uma expressão. Inserção de filas através de uma vista: Para inserir filas em uma tabela através de uma vista, há que ter em conta todas as restrições anteriores e, ademais, todas as colunas obrigatórias da tabela associada devem estar presentes na vista. Manejo de expressões e de funções em vistas: Pode-se criar vistas usando funções, expressões em colunas e consultas avançadas, porém unicamente se emparelhamhttp://www.criarweb.com/manuais/32/print.php 11/07/2008
  35. 35. Tutorial de SQL - Manual completo Page 35 of 90 consultar estas vistas. Também podemos modificar filas sempre e quando a coluna que vai se modificar não for a coluna expressada em forma de cálculo ou com funções. Nota: Não é possível inserir filas se as colunas da vista contém cálculos ou funções.Mudanças de nomeRENAME muda o nome de uma tabela, vista ou sinônimo. O novo nome não pode ser umapalavra reservada no nome de um objeto que o usuário tiver criado. As restrições deintegridade, os índices e as permissões dadas ao objeto se transferem automaticamente aonovo objeto.REANME NOME_ANTERIOR TO NOME_NOVO;Com esta ordem não podemos re-nomear colunas de uma tabela, estas se re-nomeiammediante CREATE TABLE AS…Informe de Agustin JareñoMail: agustin@levanteweb.comURL: http://www.levanteweb.com/Usuários em OracleÉ um nome definido no banco de dados que se pode conecta-lo e acessar a determinadosobjetos segundo certas condições que o administrador estabelece.Os objetos do dicionário de dados aos que um usuário pode acessar, encontram-se na vistaDICTIONARY, que é propriedade do usuário SYS. DESC DICTIONARY;Com a ordem: SELECT TABLENAME FROM DICTIONARY;Visualizam-se os objetos do dicionário de dados aos que se pode acessar.Criação de usuários: CREATE USER NOME_USUARIO IDENTIFIED BY SENHA_ACESSO [DEFAULT TABLESPACE ESPACO_TABELA] [TEMPORARY TABLESPACE ESPACO_TABELA] [COTA {INTEIRO {K | M} | UNLIMITED } ON ESPACO_TABELA] [PROFILE PERFIL];DEFAULT TABLESPACE= Atribui a um usuário o tablespace padrão para armazenar os objetosque crie. Se não se atribui nenhum, o tablespace padrão é SYSTEM.TEMPORARY TABLESPACE= Especifica o nome do tablespace para trabalhar temporais. Se nãose especifica nenhum, o tablespace padrão é SYSTEM.QUOTA= Atribui um espaço em megabites ou kilobites no tablespace atribuído. Se não seespecifica esta cláusula, o usuário não tem cota atribuída e não poderá criar objetos notablespace. Para ter espaço e acesso ilimitado a um tablespace é: GRANT UNLIMITED TABLESPACE NOME_TABLESPACE;PROFILE= Atribui um perfil a um usuário.Modificação de usuários:http://www.criarweb.com/manuais/32/print.php 11/07/2008
  36. 36. Tutorial de SQL - Manual completo Page 36 of 90 ALTER USER NOME_USUARIO IDENTIFIED BY SENHA _ACESSO [DEFAULT TABLESPACE ESPACO_TABELA] [TEMPORARY TABLESPACE ESPACO_TABELA] [COTA {INTEIRO {K | M } | UNLIMITED } ON ESPACO_TABELA [PROFILE PERFIL];Eliminação de usuarios: DROP USER USUARIO [CASCADE];CASCADE= Suprime todos os objetos do usuário antes de elimina-lo.Informe de Agustin JareñoMail: agustin@levanteweb.comURL: http://www.levanteweb.com/Gerenciamento em Oracle com SQLPrivilégiosé a capacidade de um usuário dentro do banco de dados a realizar determinadas operações ouacessar a determinados objetos de outros usuários.Privilégios sobre os objetosPermite-nos acessar e realizar mudanças nos dados de outros usuários. Exemplo: O privilégiode consultar a tabela de outro usuário é um privilégio sobre objetos. GRANT {PRIV_OBJETO [, PRIV_OBJETO]… | ALL [PRIVILEGES]} [(COL [,COL]…)] ON [USUARIO] OBJETO TO {USUARIO | ROL | PUBLIC} [,{USUARIO | ROL | PUBLIC}…] [WITH GRANT OPTION];ON= Especifica o objeto sobre o qual se dão os privilégios.TO= Identifica aos usuários ou rols aos quais se concedem os privilégios.ALL= Concede todos os privilégios sobre o objeto especificado.WITCH GRANT OPTION= Permite que o receptor do privilégio ou rol se atribua a outros usuáriosou rols.PUBLIC= Atribui os privilégios a todos os usuários atuais e futuros: O propósito principal dogrupo PUBLIC é garantir o acesso a determinados objetos a todos os usuários do banco dedados.Privilégios de sistemaDão direito a executar um tipo de comando SQL ou a realçar alguma ação sobre objetos de umtipo especificado. Por exemplo, o privilégio para criar TABLESPACES é um privilégio de sistema.Formato: GRANT {PRIVILEGIO | ROL} [, {PRIVILEGIO | ROL}, …] TO {USUARIO | ROL | PUBLIC} [,{USUARIO | ROL | PUBLIC}] [WITH ADMIN OPTION];WITH ADMIN OPTION= Permite que o receptor do privilégio ou rol possa conceder essesmesmos privilégios a outros usuários ou rols.Retirada de privilégios de objetos aos usuários REVOKE {PRIV_OBJETO [,PRIV_OBJETO]… | ALL [PRIVILEGES]} ON [USUARIO.]OBJETOhttp://www.criarweb.com/manuais/32/print.php 11/07/2008
  37. 37. Tutorial de SQL - Manual completo Page 37 of 90 FROM {USUARIO | ROL | PUBLIC} [, {USUARIO | ROL | PUBLIC}]…;Retirada de privilégios de sistema ou rols aos usuários REVOKE {PRIV_SISTEMA | ROL} [,{PRIV_SISTEMA | ROL}]… FROM {USUARIO | ROL | PUBLIC} [,{USUARIO | ROL | PUBLIC}]…;RolesConjunto de privilégios agrupados. Formato:CREATE ROLE NOMEROL [IDENTIFIED BY SENHA]; Nota: Um rol pode decidir o acesso de um usuário a um objeto, mas não pode permitir a criação de objetos.Supressão de privilégios nos rolesREVOKE NOMEPRIVILEGIO ON NOMETABELA FROM NOMEROL;REVOKE NOMEPRIVILEGIO FROM NOMEROL;Supressão de um rol DROP ROLE NOMEROL;Estabelecer um rol padrão ALTER USER NOMEUSUARIO DEFAULT {[ROLE NOME_ROL] | [NONE]};NONE= Faz com que o usuário não tenha rol padrão.Perfis:Conjunto de limites aos recursos do banco de dados: CREATE PROFILE NOMEPERFIL LIMIT {NOME DOS LIMITES} {INTEIRO [K | M] | UNLIMITED | DEFAULT };UNLIMITED= Não há limites sobre um recurso em particular.DEFAULT= Pega o limite do perfil default.Eliminação de um perfil: DROP FILE NOMEPERFIL [CASCADE];Gerenciamento de tablespacesUm tablespace é uma unidade lógica de armazenamento de dados representada fisicamente porum ou mais arquivos de dados. Recomenda-se não misturar dados de diferentes aplicações emum mesmo tablespace.Para criar um tablespace CREATE TABLESPACE NOMETABLESPACE DATAFILE NOMEARQUIVO [SIZE INTEIRO [K | M] [REUSE] [DEFAULT STORAGE (INITIAL TAMANHO MINEXTENTS TAMANHO MAXEXTENTS TAMANHO PCTINCREASE VALOR )]http://www.criarweb.com/manuais/32/print.php 11/07/2008
  38. 38. Tutorial de SQL - Manual completo Page 38 of 90 [ONLINE | OFFLINE];REUSE= Reutiliza o arquivo se já existe ou o cria se não existe.DEFAULT STORAGE= Define o armazenamento por omissão para todos os objetos que se criamneste espaço da tabela. Observe a quantidade de espaço se não se especifica na sentençaCREATE TABLE.Modificação de tablespaces ALTER TABLESPACE NOMETABLESPACE {[ADD DATAFILE NOMEARQUIVO [SIZE INTEIRO [K | M] [REUSE] [AUTOEXTEND ON… | OFF] ] [REANME DATAFILE ARQUIVO [, ARQUIVO]… TO ARQUIVO [, ARQUIVO]] [DEFAULT STORAGE CLAUSULAS_ARMAZENAMENTO] [ONLINE | OFFLINE] };ADD_DATAFILE= Adiciona ao tablespace um ou vários arquivos.AUTOEXTEND= Ativa ou desativa o crescimento automático dos arquivos de dados dotablespace. Quando um tablespace se enche podemos usar esta opção para que o tamanho doarquivo ou arquivos de dados associados cresça automaticamente. Autoextend off: desativa o crescimento automático.RENAME_DATAFILE= Muda o nome de um arquivoe existente do tablespace. Esta mudança temque ser feita através do sistema operacional e, depois, executar a ordem SQL.Eliminação de tablespaces DROP TABLESPACE NOMETABLESPACE [INCLUDING CONTENTS];INCLUDING CONTENTS= Permite eliminar um tablespace que tenha dados. Sem esta opção sóse pode suprimir um tablespace vazio.Recomenda-se colocar o talespace offline antes de elimina-lo para certificarmos de que nãohaja sentenças SQL que estejam acessando dados do tablespace, em cujo caso não seriapossível elimina-lo.Quando se elimina um tablespace os arquivos associados não se apagam do sistemaoperacional, portanto teremos que elimina-los de forma manual.Informe de Agustin JareñoMail: agustin@levanteweb.comURL: http://www.levanteweb.com/Otimizar consultas SQLA linguagem SQL é não procedimental, ou seja, nas sentenças se indica o que queremosconseguir e não como tem que fazer o intérprete para consegui-lo. Isto é pura teoria, pois naprática todos os gerenciadores de SQL têm que especificar seus próprios truques para otimizaro rendimento.Portanto, muitas vezes não basta com especificar uma sentença SQL correta, e sim que alémdisso, há que indicar como tem que fazer se quisermos que o tempo de resposta seja o mínimo.Nesta seção, veremos como melhorar o tempo de resposta de nosso intérprete ante umasdeterminadas situações:Design de tabelas Normalize as tabelas, pelo menos até a terceira forma normal, para garantir que não haja duplicidade de dados e aproveitar o máximo de armazenamento nas tabelas. Se tiver quehttp://www.criarweb.com/manuais/32/print.php 11/07/2008
  39. 39. Tutorial de SQL - Manual completo Page 39 of 90 desnormalizar alguma tabela pense na ocupação e no rendimento antes de proceder. Os primeiros campos de cada tabela devem ser aqueles campos requeridos e dentro dos requeridos primeiro se definem os de longitude fixa e depois os de longitude variável. Ajuste ao máximo o tamanho dos campos para não desperdiçar espaço. É normal deixar um campo de texto para observações nas tabelas. Se este campo for utilizado com pouca freqüência ou se for definido com grande tamanho, por via das dúvidas, é melhor criar uma nova tabela que contenha a chave primária da primeira e o campo para observações.Gerenciamento e escolha dos índicesOs índices são campos escolhidos arbitrariamente pelo construtor do banco de dados quepermitem a busca a partir de tal campo a uma velocidade notavelmente superior. Entretanto,esta vantagem se vê contra-arrestada pelo fato de ocupar muito mais memória (o dobro maisou menos) e de requerer para sua inserção e atualização um tempo de processo superior.Evidentemente, não podemos indexar todos os campos de uma tabela extensa já que dobramoso tamanho do banco de dados. Igualmente, tampouco serve muito indexar todos os campos emuma tabela pequena já que as seleções podem se efetuar rapidamente de qualquer forma.Um caso em que os índices podem ser muito úteis é quando realizamos petições simultâneassobre várias tabelas. Neste caso, o processo de seleção pode se acelerar sensivelmente seindexamos os campos que servem de nexo entre as duas tabelas.Os índices podem ser contraproducentes se os introduzimos sobre campos triviais a partir dosquais não se realiza nenhum tipo de petição já que, além do problema de memória jámencionado, estamos lentificando outras tarefas do banco de dados como são a edição,inserção e eliminação. É por isso que vale a pena pensar duas vezes antes de indexar umcampo que não serve de critério para buscas ou que é usado com muita freqüência por razõesde manutenção.Campos a Selecionar Na medida do possível há que evitar que as sentenças SQL estejam embebidas dentro do código da aplicação. É muito mais eficaz usar vistas ou procedimentos armazenados por que o gerenciador os salva compilados. Se se trata de uma sentença embebida o gerenciador deve compila-la antes de executa-la. Selecionar exclusivamente aqueles que se necessitem Não utilizar nunca SELECT * porque o gerenciador deve ler primeiro a estrutura da tabela antes de executar a sentença Se utilizar várias tabelas na consulta, especifique sempre a que tabela pertence cada campo, isso economizará tempo ao gerenciador de localizar a que tabela pertence o campo. Ao invés de SELECT Nome, Fatura FROM Clientes, Faturamento WHERE IdCliente = IdClienteFaturado, use: SELECT Clientes.Nome, Faturamento.Fatura WHERE Clientes.IdCliente = Faturamento.IdClienteFaturado.Campos de Filtro Procuraremos escolher na cláusula WHERE aqueles campos que fazem parte da chave do arquivo pelo qual interrogamos. Ademais se especificarão na mesma ordem na qual estiverem definidas na chave. Interrogar sempre por campos que sejam chave. Se desejarmos interrogar por campos pertencentes a índices compostos é melhor utilizar todos os campos de todos os índices. Suponhamos que temos um índice formado pelo campo NOME e o campo SOBRENOME e outro índice formado pelo campo IDADE. A sentença WHERE NOME=Jose AND SOBRENOME Like % AND IDADE = 20 seria melhor que WHERE NOME = Jose AND IDADE = 20 porque o gerenciador, neste segundo caso, não pode usar o primeiro índice e ambas sentenças são equivalentes porque a condição SOBRENOME Like % devolveria todos os registros.http://www.criarweb.com/manuais/32/print.php 11/07/2008

×