Uploaded on

 

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
No Downloads

Views

Total Views
2,083
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2

Actions

Shares
Downloads
68
Comments
0
Likes
2

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Escola Básica e Secundária de Melgaço Ano Lectivo 2011/12 9ºB Eça de Queirós Trabalho Elaborado por: Paulo Palhares nº19 Paula Vidal nº18 Hugo Alves nº10
  • 2. Introdução Eça foi um homem socialmente empenhado e activo (pois para além de escritor foi também jornalista). Hoje, passado quase um século da sua morte, a sua vasta obra permanece viva e actual. Foi o autor dos famosos Os Maias e do O Crime do Padre Amaro , este último por muitos considerado o melhor romance realista português do século XIX. Como este trabalho é para a disciplina de Português, decidimos destacar as suas obras literárias e os aspectos mais importantes enquanto diplomata e embaixador de Cuba.
  • 3. Biografia José Maria Eça de Queirós nasceu em Póvoa de Varzim em 25 de Novembro de 1845 e é um dos nomes mais importantes da literatura portuguesa. Destacou-se pela originalidade e riqueza do seu estilo e da sua linguagem, nomeadamente pelo realismo e pela crítica social presente nos seus romances.
  • 4. A escrita de Eça de Queirós modernizou a literatura portuguesa. Dono de uma língua feroz e de um humor cáustico, escreveu romances fundamentais como A Relíquia e O Mandarim . Foi um observador atento da sociedade do século XIX e, com a força das palavras, lutou contra a ferrugem nacional. Viveu durante anos fora do País, o que lhe aperfeiçoou a inabalável lucidez. Eça de Queirós
  • 5. Em 1861, Eça de Queirós, com 16 anos, encontrava-se em Coimbra a estudar Direito e a fazer Teatro, sendo através deste último que teve o primeiro contacto com a literatura. Em Coimbra foi amigo de alguns dos maiores nomes que constituíram a Geração 70 , como Antero de Quental e Teófilo Braga, sendo que o próprio também fez parte desse movimento. Os seus primeiros escritos, publicados como folhetim na revista Gazeta de Portugal , foram nessa época. Eça de Queirós terminou o seu curso em 1866 e veio para Lisboa, onde começou a trabalhar como advogado. Uma carreira marcada pelo insucesso, ao contrário da escrita, que corria cada vez melhor. Mudou-se para Évora, onde fundou e dirigiu o jornal O Distrito de Évora , abrindo também um escritório de advogados. Percurso Académico e Profissional
  • 6. O Realismo na Literatura surge em Portugal após 1865, como resposta à formalidade e aos exageros do Romantismo . Eça de Queirós é apontado como o autor que introduz este movimento no país, sendo a sua principal forma de expressão o romance social e psicológico . A implantação efectiva do Realismo dá-se com a publicação do O Crime do Padre Amaro , seguido dois anos mais tarde pelo Primo Basílio , ambas obras de Eça, que são caracterizadas por métodos de narração e descrição baseados na observação e análise dos tipos sociais, físicos e psicológicos. Realismo em Portugal
  • 7. Em 23 de Outubro de 1869, Eça, acompanhando o conde de Resende, partiu para o Egipto, para assistir à inauguração do Canal de Suez . A duração desta sua viagem não foi muito longa, mas as memórias deixaram marcas, sendo que o escritor ia apontando tudo o que via e sentia nos seus cadernos de viagem, com a intenção de servirem mais tarde para publicação. No regresso a Lisboa, publicou a história da viagem no Diário de Notícias e foi enviado para Leiria como administrador municipal. Durante a sua estadia em Leiria, prestou provas para a carreira diplomática, até que em 1872, foi nomeado para o lugar de embaixador de Portugal em Cuba . Suas Viagens
  • 8. Em Cuba, a veia revolucionária de Eça veio ao de cima. Encarregou-se da defesa dos emigrados macaenses que trabalhavam nas grandes plantações. Passados seis meses, foi transferido para Newcastle, Reino Unido, onde passou os anos mais produtivos de sua vida, escrevendo A Tragédia da Rua das Flores e Os Maias . Vida em Cuba e no Reino Unido
  • 9. Eça de Queirós casou-se em 1886 com Emília de Castro e, passados três anos, regressou a Lisboa, juntando-se, pela primeira vez, aos jantares dos “Vencidos da Vida” - um grupinho que representava a incapacidade dos homens da Geração de 70 para mudar a vida política portuguesa. Eça de Queirós, mais tarde, acabou por adoecer e partiu, a conselho de especialistas, de Paris para a Riviera Francesa, e depois para os Alpes Suíços, pois tinha esperança que novos ares lhe fizessem bem. Faleceu em 16 de Agosto de 1900 , na sua casa na capital francesa. Os seus últimos feitos
  • 10. O seu último livro foi A Ilustre Casa de Ramires , sobre um fidalgo do século XIX, e os seus trabalhos foram traduzidos em aproximadamente vinte línguas. Eça foi também o autor da Correspondência de Fradique Mendes e A Capital , obra cuja elaboração foi concluída pelo filho e publicada, postumamente, em 1925. As suas últimas obras
  • 11. Conclusão Eça de Queirós foi um espantoso escritor que apreendeu a nossa maneira de ser e criticou-nos com palavras tão belas que faziam esquecer a ironia e crueldade. Eça foi um escritor realista, mas também um revolucionário e anarquista. No final deste trabalho, concluímos que Eça de Queirós influenciou muito a Literatura Portuguesa, não só com as suas obras mas também com a sua maneira de pensar.
  • 12. Bibliografia http://www.uniesp.edu.br/revista/revista7/pdf/10_eca_de_queiroz.pdf http://www.caestamosnos.org/Pesquisas_Carlos_Leite_Ribeiro/Eca_de_Queiroz.html http://cvc.instituto-camoes.pt/figuras/equeiros.html http://jbo.no.sapo.pt/eca/eca_de_queiros_bio_main.htm http://www.feq.pt/ http://www.citi.pt/cultura/literatura/romance/eca_queiroz/index.html