Your SlideShare is downloading. ×
Pc Principios
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Introducing the official SlideShare app

Stunning, full-screen experience for iPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Pc Principios

296
views

Published on

os principios da permacultura

os principios da permacultura

Published in: Technology, Education

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
296
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
9
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. As Eticas Cuidar da Terra Significa cuidar de todas as coisas vivas e não vivas: Solos, espécies e suas variedades, atmosfera, bosques, micro-habitats, animais e as águas. Isto implica na realização de atividades inofensivas e reabilitadoras, conservação ativa e uso ético e moderado de seus recursos. Todas as ações que forem tomadas devem ser de tal maneira que os ecossistemas sejam substancialmente intactos e capazes de funcionar saudavelmente. Gaia é um sistema complexo, interdependente e em processo de evolução. Gaia está fora de nosso entendimento completo. Nossa única alternativa é cuidá-la com respeito e admiração.
  • 2. Cuidar das Pessoas Estimula a cooperação mútua entre as pessoas e as comunidades. As necessidades básicas de alimento, abrigo, educação, trabalho satisfatório, contato humano e convivência são levadas em consideração. O cuidado com as pessoas é importante apesar de ser uma pequena parte do sistema total da vida. Distribuição equitativa dos recursos Trata-se da distribuição do tempo, dinheiro e energia excedentes para conseguir os objetivos enfocados no cuidado com as pessoas e com a terra. Depois de haver cuidado de nossas necessidades básicas e desenhado nossos sistemas, buscando usar o melhor de nossas habilidades, podemos estender nossas influências e energias para ajudar  outras pessoas a entenderem este enfoque.   Para considerar a distribuição equitativa e a necessidade de limitar as necessidades, a população e o consumo, terão que atender dois conceitos importantes, a Capacidade de Carga e a Pegada Ecológica.
  • 3. Funções Múltiplas A idéia é planejar de forma que cada elemento usado em um sistema tenha funções múltiplas. Isto simplesmente aumenta a eficiência. Por exemplo, a estrutura de um depósito de ferramentas em um jardim pode ser usada para captação de água (do teto) que será armazenada em um tanque, ser usada para suporte de plantas trepadeiras, separação de diferentes ambientes no jardim e também esconder uma vista desagradável. Uma árvore grande usada para sombra pode apresentar outras funções também, por exemplo flamboiant e jacarandá são leguminosas (adubadoras) entretanto o ingá é uma leguminosa e comestível. O jatobá dá boa sombra, é também leguminosa, comestível e medicinal!
  • 4. Diversidade A estabilidade dinâmica nos sistemas é a base da diversidade de espécies e interações existentes. Nossos desenhos, devem tratar de incorporar e construir a mais ampla variedade e diversidade possível. Grandes áreas de monocultivos são invadidas por pragas e ervas indesejáveis. Em um cultivo ou jardim diversificado, nem as pragas e nem as ervas indesejáveis têm a oportunidade de criar um estado desbalanceado que cause danos. Use variedades de plantas e espécies para criar uma rica rede de interações e uma eclética mistura de associações entre todos os elementos do desenho.
  • 5. Reciclagem de Energia Segundo os princípios de Ecologia, a energia que provêm do SOL e seu fluxo através dos ecossistemas é a base da vida em nosso PLANETA. Os organismos que mantiverem sua porção desta energia por maior tempo possível e os que usarem essa energia de forma mais eficiente, serão os que provavelmente irão sobreviver e prosperar. Em termos de desenho, isto quer dizer que necessitamos criar ciclos de energia eficientes, densos e curtos dentro de cada parte do sistema. Um bom exemplo de reciclagem de energia é a COMPOSTAGEM. A energia presente dentro dos restos alimentícios, pasto podado e outros restos orgânicos, com a ajuda das bactérias e fungos poderão converter-se outra vez em nutrientes que as plantas poderão utilizar novamente para produzir novos alimentos. Energia que não se converte se perde, ou seja, o material orgânico quando tratado como lixo é exportado para fora do lugar, perdendo-se uma fonte de nutrientes.
  • 6. Padrões Com atenção e observação dos sistemas naturais podemos perceber os padrões e planos complexos existentes e você não encontrará linhas retas ou quadrados perfeitos. Use os padrões da natureza como inspiração em seus planejamentos. Quando fazemos planos para uma propriedade estamos impondo padrões sobre a paisagem, portanto use padrões que sejam tão belos e funcionais como os que usa a natureza. Muitas idéias da Permacultura têm sido inspiradas desta maneira. Por exemplo: O conceito de “jardim de olho de fechadura” foi inspirado em um desenho encontrado em uma fatia de tomate
  • 7. Localização Relativa Cada árvore, cada planta, cada estrutura têm ambientes específicos para seu desenvolvimento. Plantar uma árvore de abacate em um lugar úmido e alagado provavelmente matará a árvore, pois a raízes apodrecerão. Tem mais sentido plantar como sistema de quebra-vento plantas fortes como por exemplo o tamboril. Este princípio requer que pensemos nas necessidades de cada elemento (botânica e horticultura) e também nas interações que irão se suceder por causa de sua colocação. Por exemplo: É uma boa idéia plantar árvores com alta necessidade de água (como os bambus, nogueiras, etc) próximo de um tanque ou represa .
  • 8. Recursos Biológicos A natureza é muito eficiente e tem desenvolvido métodos para executar quase todas as funções. Sempre que for possível devemos usar sistemas naturais para fazer o trabalho por nós. Por exemplo, podemos comprar materiais químicos feitos por seres humanos para combater problemas de pragas, ou podemos desenhar nosso sistema usando patos e/ou galinhas permitindo-lhes que andem na horta (de forma controlada) e permitindo-lhes que comam as pragas. Mesmo que algumas pragas tenham desenvolvido imunidade rapidamente contra os pesticidas modernos e caros, no passado não existiu exemplos de insetos desenvolvendo imunidade contra a ser comido por uma galinha. Podemos escavar a terra para fazer um cultivo de hortaliça em um jardim, ou podemos alimentar a terra e assegurar que tenhamos uma grande população de minhocas as quais farão o trabalho de aerar a terra e o fazem melhor que uma enxada ou pá. (É mais fácil para os músculos das costas).
  • 9. Planejando com as Elevações Obtém-se vantagem de uma situação, ao usar declives ou diferenças de altura, para fazer fluir a água e outros fluídos (como ar frio) para baixo. Colocando um grupo de tanques de armazenagem sobre o teto da casa, poderemos fazer irrigação sem necessitar comprar uma bomba. Sabendo que a água quente sobe, podemos construir um sistema de água quente que usa termosifão, em vez de usar outra bomba .
  • 10. Ótimo uso das Bordas Em Ecologia vemos que as bordas (áreas de transição) entre diferentes ecossistemas sempre são mais produtivas do que cada ecossistema individualmente. A área de borda pode manter espécies dos dois ecossistemas e também espécies únicas que só existem nesta borda. Por exemplo, um quebra-vento pode ser mais efetivo e mais produtivo quando construído em linha sinuosa do que em linha reta, pois apresenta maior área de borda e pode ser incorporado mais plantas úteis. Existem vários estilos de bordas e podem ser otimizadas. Por exemplo, podemos construir em um jardim um tanque pequeno com boa borda de água-terra. Este tanque poderá ter três ambientes, um aquático (para criar peixes ou plantas aquáticas), outro de brejo (para plantar cavalinha ou agrião) e mais distante, um ambiente de terra mais seca (para cultivos diversos). como aproveitá-las
  • 11. Zonas O conceito de zonas trata do manejo de energia. Coloque mais perto do centro de atividades, as coisas que requerem muita atenção (energia) especialmente na forma de atividade humana. No geral isto quer dizer, próximo da casa. Um jardim de cultivo de verduras e ervas como acelga que necessita de cuidados frequentemente (que se visita na média de duas vezes ao dia) deve estar mais perto da porta ou próximo da cozinha. Uma área de árvores plantadas para uso de lenha pode estar localizada mais longe da casa. Em muitos livros de permacultura, este conceito de Zonas se divide com designações de: Zona 1 – O jardim de cultivo e hortaliças, atividade perto da casa. Zona 2 - Horto, galinheiro, etc. ... ... Zona 5 – Área de bosques silvestres, bosque natural, área de caça e recursos para colher. O ponto importante aqui é que existem vários níveis de intensidade em uso de energia.
  • 12. Elementos Múltiplos
    • O conceito de elementos múltiplos é como um sistema de segurança. Determina as funções e serviços que se necessita e planeja múltiplas formas para cumprir esta função. Caso uma das formas não funcione as outras podem garantir esta necessidade.
    • Por exemplo, a água é de vital importância para qualquer atividade humana e sua captação e armazenamento deve ser de grande prioridade.
    • A função de captação de água pode ser realizada através de sistemas de
    • captação de água da chuva de áreas de cobertura (tanques de captação)
    • swales (diques a nível para infiltração de água)
    • poço
    • açúdes
    • rios e lagos
    • reciclagem de águas.
    • Podemos usar este conceito em todas as funções importantes em nossos planejamentos.
  • 13. Setores É um conceito para mapear e planejar considerando a energia que flui através de um sistema e este fluxo acontece a partir de direções específicas. Estas direções são chamadas de setores. Por exemplo, em quase todas as áreas, as chuvas vêm das direções dos ventos principais. As áreas de declives onde o vento bate recebem chuva com mais frequência, sendo o lado oposto mais seco. Uma estrada de muita atividade ao lado de uma propriedade pode criar um setor caracterizado pelo trafego, ruído e contaminação. Montes de terra e barreiras densas de plantas diversas colocados nesta direção ajudam a reduzir os impactos negativos.
  • 14. Sucessão Natural Os Sistemas Naturais mudam constantemente, evoluindo, desenvolvendo e crescendo. Em nossos desenhos necessitamos planejar para o futuro para acomodar esta expansão natural. Simplesmente isto significa saber e permitir suficiente espaço para o crescimento de uma árvore. Por exemplo, uma mangueira pode tornar-se uma árvore grande, porém ela é muito pequena quando plantada inicialmente. No início a árvore se encontra muito sozinha, rodeada por muito espaço, porém através dos anos ela utilizará esse mesmo espaço ao madurar como árvore frutífera. A tendência dos sistemas em evoluir pela seqüência natural a partir de colonizadores, pioneiros e clímax pode ser utilizado de outra maneira. Primeiro, podemos substituir plantas úteis em cada nível. Em vez de permitir que uma área seja coberta por ervas invasoras e de folhas grandes, pode- se deliberadamente plantar herbáceas úteis ou fixadoras de nitrogênio como plantas de cobertura. As pioneiras podem ser plantas como a banana, mamão, etc. Finalmente, o estrato de clímax pode ser de árvores frutíferas grandes, de madeiras ou leguminosas como o jacarandá e ingá. Também pode-se juntar o sistema. Isto quer dizer que podemos usar plantas úteis para cada nível da sucessão, porém plantadas juntas e ao mesmo tempo. Estamos juntando-as e comprimindo o tempo. Assim podemos usar as plantas de cobertura (herbáceas), mamão (pioneiras) e mangas (clímax) ao mesmo tempo. As plantas de cobertura se estabelecem rapidamente e os mamões começam sua produção e muito mais tarde terão a sombra das árvores da manga desenvolvida. Os sistemas naturais também têm diferentes níveis dentro do sistema de Clímax - poucas leguminosas de vida curta, muitas árvores produtivas de estratos altos, plantas de baixa altura podem tolerar a sombra, umas plantas de cobertura que aguentam a sombra e ramadas. Ao combinar plantas, estamos tratando de criar grupos – combinações que funcionam juntas. Estas associações muitas vezes incluem uma árvore ou arbusto grande – uma leguminosa trepadeira (feijão, etc.) e uma camada de cobertura sobre a terra (ervas ou verduras de pouco cuidado como pepino e cebolinha).