Problemas de nutrição e de doenças de plantas na agricultura moderna: Palestra tsuioshi yamada
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Problemas de nutrição e de doenças de plantas na agricultura moderna: Palestra tsuioshi yamada

on

  • 570 views

O glifosato é de uso quase universal na agricultura moderna. Assim sendo, para produzir com segurança é preciso conhecer seu mecanismo de ação e possíveis efeitos colaterais negativos.

O glifosato é de uso quase universal na agricultura moderna. Assim sendo, para produzir com segurança é preciso conhecer seu mecanismo de ação e possíveis efeitos colaterais negativos.

Statistics

Views

Total Views
570
Views on SlideShare
570
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
12
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment
  • A muda clonal obtida por cultura de tecidos foi cultivada no vaso durante 60 dias, quando foi aplicado o glifosato. O experimento foi colhido 60 dias após a aplicação de glifosato.
  • Crescimento (cm): diferença entre a altura medida na data da aplicação de glifosato e a com 60 dias após a aplicação.

Problemas de nutrição e de doenças de plantas na agricultura moderna: Palestra tsuioshi yamada Problemas de nutrição e de doenças de plantas na agricultura moderna: Palestra tsuioshi yamada Presentation Transcript

  • 1Piracicaba-SP20-21/09/2007Problemas de nutrição e de doençasde plantas na agricultura moderna:ameaças à sustentabilidade?Dr. T. YamadaIPNI – BrasilRua Alfredo Guedes, 1949 sala 70113416-901 Piracicaba-SPFone/fax: 19 3433 3254yamada@ipni.netwww.ipni.com.br
  • 2O glifosato é de uso quaseuniversal na agricultura moderna.Assim sendo, para produzir comsegurança é preciso conhecer seumecanismo de ação e possíveisefeitos colaterais negativos.
  • 3Objetivos do simpósio• Levantar os problemas de nutrição edoenças de plantas relacionados com ouso do glifosato na agricultura• Apresentar alternativas sustentáveis• Sugerir pesquisas futuras
  • 4GLIFOSATO - AÇÃO HERBICIDA● Afeta a rota do ácido chiquímico● Muito móvel na planta● Acumula nas pontas de raízes e ramos● Muito estável dentro da planta● Efetivo em concentrações muito baixas
  • 5Ação do glifosato e de micronutrientes na síntese de AIA, fitoalexinas, lignina e taninoGlicose 1 - fosfatoglicólisefosfo-enol-piruvato6 - fosfogluconatoB via p-pentoseeritrose - 4 - fosfatoMn CoDeoxi - D - arabinoheptulosonato 7 - fosfatoácido chiquímicoglifosatoácido corismáticoácido antranílico ácido prefênicotriptofanoZnBAIA Raízes e brotaçõesnovasfenilalanina tirosinaMn, Cu, B (?)fito-alexinas lignina taninoDefesa contra pragas e doenças
  • 6PROGRAMA20/Setembro/2007 (5ª Feira)08:00-10:00 Inscrição e entrega de materiais10:00-11:00 Problemas de nutrição e de doenças de plantas na agriculturamoderna: ameaças à sustentabilidade? Tsuioshi Yamada, IPNI Brasil, e-mail:yamada@ipni.net11:00-12:00 A rota do ácido chiquímico e sua importância à defesa da planta.Paulo Roberto de Camargo e Castro, ESALQ, e-mail: prcastro@esalq.usp.br12:00-14:00 Intervalo para almoço14:00-15:15 Dinâmica do glifosato nas rizosferas das plantas alvo e não alvo.Volker Römheld, Hohenheim University, Alemanha, e-mail: roemheld@uni-hohenheim.de15:15-16:30 Efeitos do glifosato na nutrição de micronutrientes de plantas. IsmailCakmak, Sabanci University, Turquia, e-mail: cakmak@sabanciuniv.edu16:30-17:00 Intervalo para café17:00-18:15 O níquel na nutrição mineral e na defesa das plantas contra doenças.Bruce Wood, USDA, Byron-GA, e-mail: Bruce.Wood@ars.usda.gov18:15-19:00 Debate – T. Yamada, moderadorDebatedores: Heitor Cantarella, IAC, e-mail:cantarella@iac.sp.gov.brRicardo Victoria Filho, ESALQ, e-mail: rvictori@esalq.usp.br
  • 7PROGRAMA21/Setembro/2007 (6ª Feira)08:30-10:00 Problemas relacionados ao glifosato e doenças de plantas noCanadá. Myriam Fernandez, Agriculture and Agri-Food Canadá, e-mail:fernandezm@agr.gc.ca10:00-10:30 Intervalo para café10:30-12:00 Mudanças induzidas pelo glifosato na resistência de plantas àsdoenças. Guri Johal, Purdue University, e-mail: gjohal@purdue.edu12:00-14:00 Intervalo para almoço14:00-15:30 Efeitos do glifosato em doenças de plantas. Don Huber, PurdueUniversity, e-mail: huberd@purdue.edu15:30-16:00 Intervalo para café16:00-17:30 Interações entre glifosato e microrganismos na rizosfera de plantasresistentes ao glifosato. Robert Kremer, University of Missouri, e-mail:kremerr@missouri.edu17:30-18:30 Debate – Paulo Roberto de Camargo e Castro, moderadorDebatedores: Marcus Matallo,Instituto Biologico,e-mail:matallo@biologico.sp.gov.brElza Alves, UNESP, Registro, e-mail: alves_elza@registro.unesp.br18:30-19:00 Sugestões para pesquisas futuras
  • 8Conceitos já bemfirmados• O glifosato passa da planta-alvo para anão alvo.• Importância do intervalo de tempo entrea dessecação e o plantio
  • 9O glifosato pode passarda planta-alvo paraa planta-não alvo
  • 106 dias após a aplicação10
  • 11Efeito de doses de glifosato no desenvolvimento daparte aérea do cafeeiro8% 4% 2% 1% 0%11
  • 12Efeito do glifosato no desenvolvimento do sistema radicular do cafeeiro8% 4% 2% 1% 0%12
  • 1313
  • 14Glifosato pincelado (ao redor de 4ml produto comercial) notronco recepado de tangerineira e efeito na planta ao lado,mostrando translocação do produto de uma planta para outra
  • 15Importância do intervalo de tempo entrea dessecação e o plantio no SPD
  • 16RESULTADOS OBTIDOS PELA POTAFOSFeijão com desseque e plante: dose crescente de glifosato, mesma coberturaConclusão: com mesma cobertura, quanto maior a dose, maior é o dano0% 2% 4% 8%
  • 170 plantas deBrachiaria10 plantas deBrachiaria20 plantas deBrachiariaRESULTADOS OBTIDOS PELA POTAFOSSoja convencional semeada 1 dia após dessecação:concentração constante de glifosato, volumes diferentesde plantas de coberturaConclusão: com mesma dose, quanto maior a cobertura, maior o dano40 plantas deBrachiaria80 plantas deBrachiaria
  • 18RESULTADOS OBTIDOS PELA POTAFOSEfeitos de doses de glifosato aplicadas em solo nú 1 dia antes doplantio, na germinação e no desenvolvimento de plantas de soja0 l/ha 3 l/ha 6 l/ha 9 l/ha 12 l/ha7 dapConclusão: também em solo nú, o efeito do glifosato foi proporcionalà concentração aplicada
  • 19+1 -1 -7 -14 -21Efeito do intervalo de tempo entre a dessecação ea semeadura da sojaMelhor desenvolvimento da planta após 2+ semanas da dessecaçãoFonte: GDT POTAFOS/ESALQ
  • 20Soja em Boa Vista, RR: mm variedade (convencional), mm adubação, na direita aplique e plante, naesquerda plantio após duas semanas da dessecação (Foto: Nonô Pereira, 23/08/2007) 20
  • 21Efeito do intervalo de tempo entre dessecação e plantio da soja –(desseque e plante na esquerda, e na direita com 2 semanas deintervalo. Fazenda de José Dirceu Vinhal, Boa Vista, RR, 23/08/07)
  • 22Ganhos de produtividadedessecação antecipada• Média das seis áreas de Farm-Test emsoja na região da COAMO:Dessecação antecipada x Aplique-Plante:+ 11,23 sacos ha-1Fonte: Jamil Constantin et al. 2005
  • 23Ganhos de produtividade comdessecação antecipadaMILHO: Média das estações experimentaisda COAMO e da COPACOL:Dessecação antecipada x Aplique-Plante:+ 18,50 sacos ha-1Fonte: Jamil Constantin et al. 2005
  • 24Efeito da época de aplicação do glifosato no desenvolvimento da soja RR2 semanas após plantioAplique e plante3 semanas após plantio1 semana após plantio24
  • 25Época de Planta coberturadessecação Av. preta Azevém Pousio21 dap (100)%(100)%(100)%14 dap -2,1 -7,3 -3,77 dap -6,8 -18,5 -12,30 -11,2 -23,4 -17,27 ddp -17,4 -25,9 -21,2Efeito da época de dessecação da planta de cobertura comglifosato na produtividade da soja RR.dap = dias antes do plantio; ddp = dias depois do plantioFonte: Aroldo Marochi, Monsanto em Campo Newsletter,Março 2006, Edição VIII, Ano II.
  • 26PC e PD (cobertura de milheto): perda da raiz pivotantePinusplan, Uberlândia 2006/0758,7 sc/ha 48,3 sc/haFoto: T. Yamada, 13/03/2007
  • 27
  • 28Efeito da época de aplicação do glifosato no desenvolvimento da parteaérea da soja RRT PE0 dPE3 dVE VC V2
  • 29T PE0 dPE3 dVE VC V2Efeito da época de aplicação do glifosato no desenvolvimento do sistemaradicular da soja RR
  • 30Ameaças àsustentabilidade• Efeitos do glifosato na nutrição deplantas• Efeitos do glifosato na incidência dedoenças (vários mecanismos)• Seleção de invasoras resistentes aoglifosato• Efeitos residuais do glifosato no solo enas sementes• Efeitos do glifosato aplicado via aéreacomo maturador da cana
  • 31Clorose foliar momentânea em soja RR após aplicação de glifosatoClorose foliar momentânea em soja RR após aplicação de glifosato(Explicação: o glifosato afeta organismos redutores de Mn)(Explicação: o glifosato afeta organismos redutores de Mn)Imobilização de ManganêsImobilização de ManganêsFonte: Don Huber, Potafos (2005)
  • 32Efeito do glifosato nos organismos redutores de Mn darizosfera, 3 semanas após sua aplicação na soja RRTratamentosOrganismosredutores de Mn *Organismosoxidantes de Mn*Sem glifosato 7.250 750Com glifosato 740 13.250* colônias por grama de soloFonte: Don Huber, 2005 Mn2+Mn4+glifosato
  • 33Deficiência de Ni ou toxidez de glifosato?This pecan tree was deficient in Ni. The right branch was treated in earlyspring with a single foliar spray of nickel sulfate, whereas the left branchwas not treated. Growth effects were visible by about 14 days after thetreatment.Picture: Bruce Wood Source: Better Crops, 2007
  • 34T. Yamada – USDA Station, Byron, GA13/07/07Deficiência de Ni ou toxidez de glifosato?
  • 35Dr. Bruce Wood, USDA em S. J. Rio Pardo, 18/09/07Deficiência de Ni ou toxidez de glifosato?“Estou 99%convencido queestes sintomas sãode deficiência deNi”.Toxidez de glifosato
  • 36James Rahe em cafezal naregião de Franca, 13/03/2007Guri Johal e Don Huber,S.J.R.Pardo, 18/09/2007Glifosato e doenças
  • 37Efeito da esterilização do solo naatividade herbicida do glifosatoSintomas nos seedlings mortos no solo não esterilizado similares aos sintomas dedamping off causados por Pythium spp.glyphosate ( dose per plant)Fonte: James Rahe, 2007
  • 38Alta incidência da Morte da Espiga de trigoAlta incidência da Morte da Espiga de trigo((FusariumFusarium Head Blight) em SaskatchewanHead Blight) em Saskatchewan“Fatores de risco de produção”associados com a Morte deEspiga:Ambiental (chuva, temperatura)Fatores de Produção da Cultura –**Glifosato aplicado 18 – 36meses antes do plantio do trigoteve a mais consistente relaçãocom a Morte da Espiga ao longodos anos estudados.M. Fernandez (2003). Report to SaskatchewanAgriculture Development Fund.
  • 39Fonte: Kremer, POTAFOS (2005)Incidência deFusarium na rizosfera da soja RRBarras verticais denotam DMS (p<0.05)010203040506070800 10 20 30 40 50 60Dias após a primeira aplicção do herbicidaControlGlyphosateDelta Center - 1998
  • 40Superinvadora – Johnsongrass em lavoura de soja no norte da ArgentinaFonte: Science vol 316, 25/05/2007 www.sciencemag.org
  • 41Transferência do problema para a cultura seguinte?Semente de lavoura dessecada em pré colheita com glifosato:efeito na germinação e desenvolvimento dos seedlings+ Glifosato-GlifosatoFoto de Odair Costa
  • 42Transferência do glifosato para cultura seguinte?Sintoma de toxidez em pomar reformado de citros quenão recebeu pulverização de glifosato: residual do solo?
  • 43Cana de açúcar: efeito do glifosato pulverizado nasfolhas ou aplicado no soloVia solo (L/ha)Via foliar (ml/ha)Resultados obtidos pela POTAFOS
  • 44Pulverização foliar Aplicação no solo•Via foliar: doses menores que as recomendadas afetaram odesenvolvimento•Via solo: doses 10 vezes maiores que as recomendadas nãoafetaram o desenvolvimento.Cana de açúcar: efeito do glifosatopulverizado nas folhas ou aplicado no soloDose(ml/ha)0 80,68 a 248,9 a 36,42 a50 61,91 ab 163,0 ab 35,33 a100 64,06 ab 167,2 ab 32,17 ab200 48,25 b 138,8 ab 20,33 b300 40,98 b 129,7 b 1,17 c400 43,05 b 139,2 ab 0,42 cg / planta g / planta cmP.Aérea (M.S.) Raíz (M.V.) Crescimento Dose(L/ha)0 89,27 a 203,9 ab 39,67 a3 84,84 a 276,6 a 39,83 a6 75,53 a 189,0 ab 29,28 a12 77,31 a 173,7 b 36.00 a24 77,23 a 213,7 ab 36,44 a48 88,40 a 210,1 ab 36,67 aCresc.g / planta g / planta cmP.Aérea (M.S.) Raíz (M.V.)
  • 45Novas tecnologias para redução(ou a eliminação) do uso do glifosato• Culturas perenes: manejo da coberturavegetal com roçadeira ecológica• Culturas anuais em SPD: uso de culturasde cobertura (ex.: nabo forrageiro,Crotalaria breviflora, C. spectabilis,ervilhaca peluda, tremoço branco)manejadas com rolo-faca.
  • 46Manejo convencional na citriculturaVisita da Dra. Myriam Fernandez, Janeiro 200646
  • 47Manejo sustentável nacitricultura
  • 48Manejo sustentável nacitriculturaArachis pintoiErvilhaca peludaCrotalaria juncea
  • 49Manejo sustentável na cultura da maçã: aboliu uso de acaricida com aeliminação do uso de glifosato (Yoshinori Katsurayama, Adilson JoséPereira, Gilberto Gava, S. Joaquim-SC)
  • 50Nabo forrageiro, fazenda do Eng. Agrônomo Seiji Kimoto, Campo Mourão, PR(Foto tirada em 19/08/2006)
  • 51Manejo do nabo forrageiro na áreacomercial da fazendaEntrelinha do milho, sem a presença de daninhas, após somenteaplicação de atrazina em pós-emergência, sem dessecação pré-semeadura.
  • 52Conclusões• Glifosato afeta a nutrição mineral das plantas, além de torná-las mais suscetíveis às doenças.• Uso cauteloso ou eliminação do seu uso:- nas culturas perenes: roçadeira ecológica e plantas decobertura. Já implementada, adoção muito fácil.- nas culturas anuais em SPD: rotação de culturas, plantas decobertura, rolo faca. Ainda em fase experimental.• Uso via aérea: deveria ser proibido, como ocorre no Canadá.
  • 53Sugestões parapesquisa• Nutrição mineral de plantas RR• Mecanismos envolvidos na perda daresistência às doenças de plantas• Efeitos na saúde animal via cadeiaalimentar• Efeitos na saúde animal via aplicaçãoaérea
  • 54OBRIGADOPELA SUAATENÇÃO!Dr. T. YamadaIPNI – BrasilRua Alfredo Guedes, 1949 sala 70113416-901 Piracicaba-SPFone/fax: 19 3433 3254yamada@ipni.netwww.ipni.com.br