• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Tesouraria
 

Tesouraria

on

  • 25,019 views

 

Statistics

Views

Total Views
25,019
Views on SlideShare
25,018
Embed Views
1

Actions

Likes
4
Downloads
706
Comments
3

1 Embed 1

https://www.linkedin.com 1

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel

13 of 3 previous next Post a comment

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Tesouraria Tesouraria Presentation Transcript

    • Capítulo 7 FUNDAMENTOS E PRÁTICAS DE TESOURARIA 7.1 Técnicas de gestão de tesouraria 7.2 Relacionamentos bancários 7.3 Planejamento e controle do fluxo de caixa 7.4 Engenharia financeira Administração Financeira: uma abordagem prática (HOJI)
    • 7.1 Técnicas de Gestão de Tesouraria
    • 7.1 Técnicas de Gestão de Tesouraria Funções e atividades de tesouraria A finalidade básica da Tesouraria é assegurar os recursos e instrumentos financeiros necessários para a manutenção e viabilização dos negócios da empresa. FUNÇÕES DE TESOURARIA E RESPECTIVAS ATIVIDADES EXEMPLO. PLANEJAMENTO FINANCEIRO • Elaborar projeção de fluxo de caixa • Analisar estrutura de capital e propor alternativas de financiamento • Estabelecer política de aplicação financeira • Estabelecer política de financiamento de capital de giro ADMINISTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA • Controlar os recursos disponíveis em bancos e em caixa • Elaborar e analisar a Demonstração do Fluxo de Caixa Realizado • Fazer conciliação bancária • Planejar e executar ações para suprir insuficiências de caixa ..... .....
    • 7.1 Técnicas de Gestão de Tesouraria Sistema de tesouraria SISTEM A DE C ontas a Contas a TESO URAR IA pagar receber Previsão de fluxo de caixa Controle de fluxo de caixa C ontrole de C ontrole de investim entos financiam entos financeiros Sistem a de Contabilidade e orçam entos Figura 7.1 Sistema de tesouraria.
    • 7.1 Técnicas de Gestão de Tesouraria Controles internos de tesouraria Principais controles internos de Tesouraria: • fluxo de caixa • disponibilidades • aplicações financeiras • empréstimos e financiamentos • riscos financeiros (hedge) • contas a receber • contas a pagar
    • 7.1 Técnicas de Gestão de Tesouraria Fluxo de caixa como instrumento de gestão financeira Os encargos financeiros (ou receitas financeiras) devem ser alocados proporcionalmente aos recursos efetivamente utilizados por cada unidade de negócio ou operação, para mensurar corretamente a lucratividade de cada unidade. Com o controle de fluxo de caixa por unidade de negócio, é possível mensurar corretamente a lucratividade de cada unidade.
    • 7.1 Técnicas de Gestão de Tesouraria Quadro 7.3 Demonstração de resultado com apropriação de receitas ou encargos financeiros. DEMONSTRAÇÃO DE UNIDADE UNIDADE EMPRESA LENTA RÁPIDA RESULTADO Vendas líquidas 780.000 660.000 1.440.000 (-) Custos (materiais, mão-de-obra e CIF) (480.000) (480.000) (960.000) (-) Custos (depreciação) (3.528) (2.040) (5.568) (=) Lucro bruto 296.472 177.960 474.432 (-) Despesas gerais e de vendas (264.000) (168.000) (432.000) (=) Lucro antes dos juros e IR 32.472 9.960 42.432 (-) Encargos (Receitas) financeiros (24.884) 5.923 (18.961) (=) Lucro líquido antes do IR 7.588 15.883 23.471 (-) Imposto de renda (1.897) (3.971) (5.868) (=) Lucro líquido 5.691 11.912 17.603 Margem líquida 0,73% 1,80% 1,22%
    • 7.1 Técnicas de Gestão de Tesouraria Arbitragem de taxas Quadro 7.6 Comparação de alternativas de financiamentos. ALTERNATIVAS DE EMPRÉSTIMOS CUSTOS MÉDIOS 1. EMPRÉSTIMO EM US$ US$ + 10% a.a. Prazo: 1 ano 2. EMPRÉSTIMO EM R$ 35% a.a. Prazo: 6 meses CUSTOS EQUIVALENTES EM US$: Hipóteses: Variação cambial = 7,5% US$ + 25,6% a.a. Variação cambial = 17,5% US$ + 14,9% a.a. Variação cambial = 22,7% US$ + 10% a.a. Variação cambial = 27,5% US$ + 5,9% a.a.
    • 7.1 Técnicas de Gestão de Tesouraria Política de aplicação financeira Aspectos a considerar na seleção e atribuição de limites operacionais de instituições financeiras solidez da instituição financeira qualificação e respeitabilidade dos executivos participação de capitais estrangeiros volume de negócios com a empresa (reciprocidade) liquidez e rentabilidade dos títulos
    • 7.1 Técnicas de Gestão de Tesouraria Aspectos de segurança em atividades de pagamentos Evitar o pagamento em "dinheiro vivo" Utilizar, preferencialmente, cheque e crédito em conta bancária por meio de TEDs e DOCs Os cheques devem ser cruzados e nominativos
    • 7.1 Técnicas de Gestão de Tesouraria Centralização de caixa Vantagens: a) maximização de recursos financeiros dentro da empresa ou grupo econômico; b) agilização no manuseio dos recursos, pois não depende de terceiros c) maior controle gerencial; d) economia de tributos e encargos financeiros.
    • 7.2 Relacionamentos Bancários
    • 7.2 Relacionamentos Bancários Terceirização de atividades de tesouraria Exemplos de atividades terceirizáveis • cobrança de duplicatas • administração de recursos financeiros ociosos • administração e negociação de seguros • cotação e fechamento de câmbio • controles de documentos de importação • pagamento de fornecedores • cobranças de duplicatas e carnês • cobranças de cheques devolvidos • protestos de títulos
    • 7.2 Relacionamentos Bancários Custo de reciprocidade bancária EXEMPLO. Reciprocidade em Empréstimo: aplicação financeira: Valor: $ 1.000.000 Valor: $ 200.000 Taxa de juro: 25% a.a. Taxa de juro: 18% a.a. Prazo: 3 meses Prazo: 3 meses 90/360 Juro do empréstimo: $ 1.000.000 x (1,25 − 1): $ 57.371,26 90/360 − (−) Juro da aplicação: $ 200.000 x (1,18 −1): ($ 8.449,33) (=) Juro líquido: $ 48.921,93 360/90 ($ 48.921,93 / $ 800.000 + 1) − 1 = 26,80% a.a.
    • 7.2 Relacionamentos Bancários Tarifas bancárias As tarifas bancárias são compostas de várias formas. Exemplos: • a tarifa do Banco Direto é de $ 2,10 por duplicata, debitada no final do mês, e faz o crédito da cobrança em D+1 (data da cobrança + 1 dia); • a tarifa do Banco Indireto é de $ 0,80 por duplicata, debitada no final do mês, e faz o crédito em D+2, e abre uma conta garantida com taxa de juros de 2,65% a.m.
    • 7.3 Planejamento e Controle de Fluxo de Caixa
    • 7.3 Planejamento e Controle de Fluxo de Caixa Demonstração de fluxo de caixa por atividades (1/2) Demonstração do Fluxo de Caixa Movimento do Dia Saldo Acumulado (Dia atual) R$ US$ R$ US$ A. ATIVIDADES DE OPERAÇÕES 1. Recebimentos de vendas 12.000.000 11.428.571 37.050.991 35.978.123 2. (-) Impostos sobre vendas e compras (600.000) (571.429) (2.723.012) (2.648.740) 3. (-) Materiais e serviços (5.000.000) (4.761.905) (17.450.028) (16.933.928) 4. (-) Salários e encargos sociais-fábrica (3.860.818) (3.777.708) 5. (-) Custos indiretos de fabricação (2.763.250) (2.703.767) 6. (=) Superávit (déficit) bruto operacional 6.400.000 6.095.237 10.253.883 9.913.979 7. (+) Outras receitas operacionais 45.830 44.843 8. (-) Despesas operacionais (1.500.000) (1.428.571) (4.396.432) (4.262.653) 9. (=) Resultado antes dos efeitos financeiros 4.900.000 4.666.666 5.903.281 5.696.169 10. (+) Juros recebidos 15.000 14.286 15.000 14.286 11. (-) Juros pagos (239.200) (227.810) (239.200) (227.810) 12. (+-) Ganho (perda) com inflação - 13. (+-) Ganho (perda) na conversão *** 3.792 *** (40.530) 14. (=) Superávit (déficit) de operações 4.675.800 4.456.934 5.679.081 5.442.115
    • 7.3 Planejamento e Controle de Fluxo de Caixa Demonstração de fluxo de caixa por atividades (2/2) B. ATIVIDADES DE INVESTIMENTOS 15. (-) Investimentos permanentes - aplicação 16. (-) Imobilizado - aplicação (500.000) (476.190) (500.000) (476.190) 17. (-) Diferido - aplicação 18. (+) Investimentos permanentes - venda 19. (+) Imobilizado - venda 20. (+-) Resultado não operacional 21. (=) Superávit (déficit) de investimentos (500.000) (476.190) (500.000) (476.190) C. ATIVIDADES FINANCEIRAS 22. (+) Investimentos temporários - resgate 1.035.000 995.000 1.035.000 995.000 23. (+) Empréstimos - captação 24. (+) Integralização de capital 25. (+) Dividendos recebidos 26. (-) Investimentos temporários - aplicação (3.000.000) (2.857.143) (4.000.000) (3.847.143) 27. (-) Empréstimos - resgate (2.080.000) (2.000.000) (2.080.000) (2.000.000) 28. (-) Dividendos pagos 29. (=) Superávit (déficit) de financiamentos (4.045.000) (3.862.143) (5.045.000) (4.852.143) D. CAIXA 30. Superávit (déficit) (A + B + C) 130.800 118.601 134.081 113.782 31. (+) Saldo anterior 500.000 482.160 496.719 486.979 32. (=) Saldo final 630.800 600.762 630.800 600.762
    • 7.3 Planejamento e Controle de Fluxo de Caixa Classificação das atividades empresariais Os pagamentos e recebimentos são classificadas de acordo com as atividades empresariais: operações investimentos financiamentos
    • 7.3 Planejamento e Controle de Fluxo de Caixa Quadro 7.10 Demonstração do fluxo de caixa do “dia atual”. Demonstração do Fluxo de Caixa Movimento do Dia Saldo Acumulado Controle A. (Dia atual) ATIVIDADES DE OPERAÇÕES R$ US$ R$ US$ 1. Recebimentos de vendas 12.000.000 11.428.571 37.050.991 35.978.123 de fluxo 2. 3. (-) Impostos sobre vendas e compras (-) Materiais e serviços (600.000) (5.000.000) (571.429) (4.761.905) (2.723.012) (17.450.028) (2.648.740) (16.933.928) 4. (-) Salários e encargos sociais-fábrica (3.860.818) (3.777.708) de caixa 5. (-) Custos indiretos de fabricação 6. (=) Superávit (déficit) bruto operacional 6.400.000 6.095.237 (2.763.250) 10.253.883 (2.703.767) 9.913.979 7. (+) Outras receitas operacionais 45.830 44.843 diário 8. (-) Despesas operacionais 9. (=) Resultado antes dos efeitos financeiros (1.500.000) 4.900.000 (1.428.571) 4.666.666 (4.396.432) 5.903.281 (4.262.653) 5.696.169 10. (+) Juros recebidos 15.000 14.286 15.000 14.286 11. (-) Juros pagos (239.200) (227.810) (239.200) (227.810) 12. (+-) Ganho (perda) com inflação - 13. (+-) Ganho (perda) na conversão *** 3.792 *** (40.530) 14. (=) Superávit (déficit) de operações 4.675.800 4.456.934 5.679.081 5.442.115 B. ATIVIDADES DE INVESTIMENTOS 15. (-) Investimentos permanentes - aplicação 16. (-) Imobilizado - aplicação (500.000) (476.190) (500.000) (476.190) 17. (-) Diferido - aplicação 18. (+) Investimentos permanentes - venda 19. (+) Imobilizado - venda 20. (+-) Resultado não operacional 21. (=) Superávit (déficit) de investimentos (500.000) (476.190) (500.000) (476.190) C. ATIVIDADES FINANCEIRAS 22. (+) Investimentos temporários - resgate 1.035.000 995.000 1.035.000 995.000 23. (+) Empréstimos - captação 24. (+) Integralização de capital 25. (+) Dividendos recebidos 26. (-) Investimentos temporários - aplicação (3.000.000) (2.857.143) (4.000.000) (3.847.143) 27. (-) Empréstimos - resgate (2.080.000) (2.000.000) (2.080.000) (2.000.000) 28. (-) Dividendos pagos 29. (=) Superávit (déficit) de financiamentos (4.045.000) (3.862.143) (5.045.000) (4.852.143) D. CAIXA 30. Superávit (déficit) (A + B + C) 130.800 118.601 134.081 113.782 31. (+) Saldo anterior 500.000 482.160 496.719 486.979 32. (=) Saldo final 630.800 600.762 630.800 600.762
    • 7.3 Planejamento e Controle de Fluxo de Caixa Ajustes de conversão EXEMPLO DE AJUSTE DE CONVERSÃO Transação: Amortização de empréstimo externo Valor de amortização do financiamento US$ 2.000.000 externo: (x) Taxa de conversão da data atual: R$ 1,05 (=) Valor que deveria ser desembolsado, em R$ 2.100.000 R$: (-) Valor efetivamente desembolsado, em R$: R$ 2.080.000 (=) Ganho na conversão, em R$: R$ 20.000 ÷ (÷) Taxa de conversão da data atual: R$ 1,05 (=) Ganho na conversão, em US$: US$ 19.048
    • 7.3 Planejamento e Controle de Fluxo de Caixa Projeção de fluxo de caixa O Orçamento de Caixa tem a finalidade de apresentar com antecedência a provável situação financeira futura, no curto, médio e longo prazos, caso as transações ocorram dentro das premissas e condições planejadas. O Orçamento de Caixa pode ser elaborado para períodos mais curtos e, nesse caso, ele é conhecido como previsão de caixa ou projeção de fluxo de caixa.
    • 7.4 Engenharia Financeira
    • 7.4 Engenharia Financeira Fundamentos da engenharia financeira A finalidade da engenharia financeira atender necessidades específicas de uma empresa, combinando os já existentes ou criando novos produtos financeiros. Devem ser analisados cuidadosamente os impactos sob os aspectos legal, contábil, comercial, técnico, operacional, ambiental etc. Exemplos: operação financeira estruturada, operação off balance sheet, criação de SPC (special purpose company) etc.
    • 7.4 Engenharia Financeira Operações financeiras estruturadas C.1 Associação Usuário Empresa A.1 responsável Usuário pelo Projeto C.2 A.2 B.2 Empresa Instituição B.1 Operadora Financeira Figura 7.2 Esquema de financiamento de direito de uso de telefone.
    • 7.4 Engenharia Financeira Operação off balance Quadro 7.12 Balanço patrimonial após o financiamento de projeto. ATIVO PASSIVO Caixa 100.000 Fornecedores 2.100.000 Estoques 4.000.000 Financiamento de projetos 4.500.000 Clientes prestamistas 4.500.000 Patrimônio Líquido 3.000.000 Máquinas e equipamentos 1.000.000 Total do Ativo 9.600.000 Total do Passivo 9.600.000 Quadro 7.13 Balanço patrimonial após a transferência da obrigação e direitos. ATIVO PASSIVO Caixa 10.000 Fornecedores 2.100.000 Estoques 4.000.000 Patrimônio Líquido 2.910.000 Máquinas e equipamentos 1.000.000 Total do Ativo 5.010.000 Total do Passivo 5.010.000
    • 7.4 Engenharia Financeira Special purpose company Special purpose company (SPC), ou companhia de propósitos especiais, evita a alavancagem do patrimônio líquido da empresa que precisa financiar as suas vendas. A SPC pode ser criada com personalidade jurídica própria, como uma empresa normal, porém, deve constar em seu objetivo social a aquisição de direitos creditórios decorrentes de vendas de produtos e serviços.