Uploaded on

 

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
No Downloads

Views

Total Views
7,087
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
235
Comments
0
Likes
3

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Capítulo 6 ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO 6.1 Recursos de curto prazo 6.2 Administração de disponibilidades 6.3 Administração de estoques 6.4 Administração de contas a receber Administração Financeira: uma abordagem prática (HOJI)
  • 2. 6.1 Recursos de Curto Prazo
  • 3. 6.1 Recursos de Curto Prazo Capital de giro Capital circulante Recursos aplicados em ativos circulantes Transforma-se constantemente dentro do ciclo operacional
  • 4. 6.1 Recursos de Curto Prazo 350 4 CAIXA 200 1 DUPLICATAS ESTOQUE DE A RECEBER MATÉRIAS-PRIMAS 3 260 200 50 ESTOQUE DE 60 Lucro 2 40 PRODUTOS ACABADOS Despesas Outros 40 Custos 60 Figura 6.1 Capital de giro no ativo circulante.
  • 5. 6.1 Recursos de Curto Prazo CUSTOS E DESPESAS 250 A PAGAR - 100 5 CAIXA 200 350 4 1 DUPLICATAS A RECEBER ESTOQUE DE MATÉRIAS-PRIMAS 3 200 60 260 ESTOQUE DE Lucro 50 PRODUTOS 2 40 ACABADOS Outros Despesas Custos 40 60 Figura 6.2 Capital de giro no ativo e passivo circulantes.
  • 6. 6.1 Recursos de Curto Prazo Capital circulante líquido corrente e o passivo corrente CCL = Diferença entre o ativo ATIVO PASSIVO ATIVO PASSIVO ATIVO PASSIVO Ativo Passivo Ativo Passivo Ativo Passivo Corrente Corrente Corrente Corrente Corrente Corrente CCL CCL Ativo Passivo Ativo Passivo Ativo Passivo Não Não Não Não Não Não Corrente Corrente Corrente Corrente Corrente Corrente CCL POSITIVO CCL NEGATIVO CCL NULO Figura 6.3 Situações de capital circulante líquido.
  • 7. 6.1 Recursos de Curto Prazo Fontes de capital de giro FONTES ATIVO CIRCULANTE PASSIVO CIRCULANTE (aplicação de capital de giro) EXIGÍVEL A LONGO PRAZO REALIZÁVEL A LONGO PRAZO PATRIMÔNIO LÍQUIDO ATIVO PERMANENTE O capital de giro pode ser financiado por qualquer das fontes.
  • 8. 6.1 Recursos de Curto Prazo Exemplos de fontes geradas pelas operações: duplicatas a pagar; impostos a recolher; salários e encargos sociais a pagar. De forma geral, essas são fontes não onerosas (exceto quando o fornecedor cobra juro pela concessão do prazo de pagamento). Exemplos de fontes geradas pelas atividades financeiras: financiamentos bancários; empréstimos bancários. Essas são fontes onerosas.
  • 9. 6.2 Administração de Disponibilidades
  • 10. 6.2 Administração de Disponibilidades Visão integrada do fluxo de caixa Principais contas operacionais: contas a receber (clientes); estoques; contas a pagar (fornecedores). Uma das principais funções do tesoureiro é assegurar o equilíbrio financeiro da empresa, controlando eficazmente as atividades de compra, estocagem, vendas e distribuição.
  • 11. 6.2 Administração de Disponibilidades Manutenção do saldo mínimo de recursos disponíveis Uma das finalidades da gestão de caixa é manter um saldo mínimo de recursos que possam ser transformados em dinheiro imediatamente. Finalidades: => pagamento de compromissos financeiros gerados pelas atividades operacionais; => amortização de empréstimos e financiamentos; => desembolsos para investimentos permanentes; => pagamentos de eventos não previstos.
  • 12. 6.2 Administração de Disponibilidades Capacidade de obtenção de caixa Limite máximo de recursos financeiros que a empresa consegue tomar no mercado (de terceiros e acionistas) As atividades da empresa devem ser planejadas dentro do limite da capacidade de obtenção de caixa A capacidade de obtenção de caixa depende, também, da capacidade de geração de caixa operacional
  • 13. 6.2 Administração de Disponibilidades Capacidade de geração de caixa operacional Quadro 6.1 Demonstrações financeiras da “Companhia Giro”. BALANÇO PATRIMONIAL to 0 en 0.00 m 0 Mês Inicial 1 2 3 4 Au $ 7 ATIVO de Caixa e Bancos 400.000 800.000 1.100.000 1.000.000 1.100.000 Duplicatas a receber 1.000.000 700.000 1.200.000 1.200.000 1.200.000 .0 00 00 Estoques 1.200.000 1.200.000 1.200.000 1.200.000 1.200.000 = $2 0 Imobilizado 400.000 400.000 400.000 400.000 400.000 õe s .0 0 Total do Ativo 3.000.000 3.100.000 3.900.000 3.800.000 3.900.000 ç 00 e ra $5 Op o= PASSIVO s tim é Fornecedores 650.000 650.000 850.000 650.000 650.000 pr Empréstim os bancários-CP 1.800.000 1.800.000 2.300.000 2.300.000 2.300.000 Em Financiamentos-LP 100.000 100.000 100.000 100.000 100.000 Patrimônio líquido 450.000 550.000 650.000 750.000 850.000 Total do Passivo 3.000.000 3.100.000 3.900.000 3.800.000 3.900.000 DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO 00 de 0 Mês 0 1 2 3 4 Soma .00 $ 4 cro Vendas líquidas 1.600.000 1.600.000 1.600.000 1.600.000 6.400.000 Lu (-) Custos (1.000.000) (1.000.000) (1.000.000) (1.000.000) (4.000.000) (-) Despesas (500.000) (500.000) (500.000) (500.000) (2.000.000) (=) Lucro 100.000 100.000 100.000 100.000 400.000
  • 14. 6.2 Administração de Disponibilidades Administração do ciclo financeiro DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO (antes da redução do prazo de fabricação) - Quadro 6.4 Dia 0 15 30 45 60 75 90 Receita bruta 0 0 0 0 700.000 0 0 (-) Impostos 0 0 0 0 (120.000) 0 0 (-) Custos 0 0 0 0 (480.000) 0 0 (-) Despesas operacionais 0 0 0 0 (50.000) 0 0 (-) Juros (2% a.m.) 0 0 0 (1.791) (4.794) (4.842) (6.084) (=) Lucro líquido 0 0 0 (1.791) 45.206 (4.842) (6.084) $ 32.489 em 90 dias DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO (após a redução do prazo de fabricação) − Quadro 6.5 Dia 0 15 30 45 60 75 Receita bruta 0 0 0 700.000 0 (-) Impostos 0 0 0 (120.000) 0 (-) Custos 0 0 0 (480.000) 0 (-) Despesas operacionais 0 0 0 (50.000) 0 !! (-) Juros (2% a.m.) 0 0 tempo 0 (1.791) (4.794) (6.036) (=) Lucro líquido 0 enos 0 m 0 48.209 (4.794) (6.036) em lucro Mais $ 37.379 em 75 dias
  • 15. 6.2 Administração de Disponibilidades Aplicação de fundos ociosos RENDA FIXA Certificado de depósito bancário (CDB) Recibo de depósito bancário (RDB) Fundos mútuos de renda fixa Títulos da dívida pública RENDA VARIÁVEL Ações Fundos mútuos de renda variável Fundos mútuos cambiais
  • 16. 6.3 Administração de Estoques
  • 17. 6.3 Administração de Estoques Responsabilidade pela administração dos estoques A responsabilidade pela administração dos estoques é dos gerentes da área de operações, porém o administrador financeiro pode (e deve) influir sobre os níveis de estoques por meio de controles gerenciais, bem como sobre as formas de compras e financiamentos. O capital de giro investido em estoques gera custos financeiros.
  • 18. 6.3 Administração de Estoques Decisão sobre compra a vista ou compra a prazo Tabela de preço do fornecedor: a. preço a vista: $ 10.000 b. preço para 30 DD: $ 10.400 Taxa de juros embutida no preço a prazo: $ 10.400 / $ 10.000 − 1 = 0,04 ou 4%
  • 19. 6.3 Administração de Estoques Lote econômico de compras O lote econômico de compras é a quantidade ótima de compra de um item de estoque, considerando: (a) custos de pedidos; (b) custos de manutenção de estoques; e (c) custos administrativo de controle e pagamento. 1/2 LEC = [(2 x S x O) / C] (equação 6.1) Onde: LEC = lote econômico de compra; S = demanda, em unidades por período; O = custo unitário de emissão de pedido; C = custo unitário de manutenção de estoque.
  • 20. 6.3 Administração de Estoques Adiantamentos a fornecedores Adiantamento: recurso financeiro entregue ao fornecedor sem que haja o correspondente fornecimento de material, equipamento ou serviço. Por esse motivo, é recomendável entregar o recurso financeiro mediante apresentação de garantia.
  • 21. 6.4 Administração de Contas a Receber
  • 22. 6.4 Administração de Contas a Receber Análise e concessão de crédito A análise de crédito deve considerar os 5 Cs: caráter capacidade capital collateral condições
  • 23. 6.4 Administração de Contas a Receber Política de crédito A política de crédito trata dos seguintes aspectos: prazo de crédito seleção de clientes limite de crédito. Aumento do prazo médio de crédito implica aumento da necessidade líquida de capital de giro (Figura 6.5). Mês 1 2 3 4 5 Venda 1.556.923 1.556.923 1.556.923 1.556.923 1.556.923 Recebimento 1.556.923 1.556.923 Duplicatas a receber 1.556.923 3.113.846 4.670.769 4.670.769 4.670.769 Figura 6.5 Evolução do saldo de duplicatas a receber (hipótese para três meses).
  • 24. 6.4 Administração de Contas a Receber Política de cobrança A política de cobrança deve ser implementada em conjunto com a política de crédito. Maior facilidade em concessão de crédito aumenta o volume de vendas. Por outro lado, aumenta o volume de inadimplência.
  • 25. 6.4 Administração de Contas a Receber Administração financeira de contratos Principalmente em contratos de longo prazo ou fabricação sob encomenda, os eventos financeiros (recebimentos) estão desvinculados dos faturamentos. Quadro 6.9 Cronograma financeiro e faturamentos. ANO 0 1 2 3 TOTAIS Assina-tura Conclusão da Conclusão Teste dos EVENTOS do obra de desvio das obras de equipamen- Contrato do leito concreta-gem tos geradores original RECEBIMENTOS 10% 15% 50% 25% 100% FATURAMENTOS: Materiais 10% 30% 10% 50% Mão-de-obra 15% 15% 5% 35% Gerenciamento 5% 5% 5% 15% Total 30% 50% 20% 100%