Your SlideShare is downloading. ×
Atendimento educacional especializado à pessoa com surdez
Atendimento educacional especializado à pessoa com surdez
Atendimento educacional especializado à pessoa com surdez
Atendimento educacional especializado à pessoa com surdez
Atendimento educacional especializado à pessoa com surdez
Atendimento educacional especializado à pessoa com surdez
Atendimento educacional especializado à pessoa com surdez
Atendimento educacional especializado à pessoa com surdez
Atendimento educacional especializado à pessoa com surdez
Atendimento educacional especializado à pessoa com surdez
Atendimento educacional especializado à pessoa com surdez
Atendimento educacional especializado à pessoa com surdez
Atendimento educacional especializado à pessoa com surdez
Atendimento educacional especializado à pessoa com surdez
Atendimento educacional especializado à pessoa com surdez
Atendimento educacional especializado à pessoa com surdez
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Atendimento educacional especializado à pessoa com surdez

23,991

Published on

Estudo de cunho prático acerca do atendimento na rede regular e especializada à pessoa com surdez.

Estudo de cunho prático acerca do atendimento na rede regular e especializada à pessoa com surdez.

Published in: Education
0 Comments
6 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
23,991
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
342
Comments
0
Likes
6
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1.  
  • 2. ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO À PESSOA COM SURDEZ
      • Elainy Xavier
      • S imônica Salgado
      • C.A.E.E. Herbert José de Souza
  • 3. A inclusão do aluno com surdez deve acontecer desde a educação infantil até a educação superior, garantindo-lhe, desde cedo, utilizar os recursos de que necessita para superar as barreiras no processo educacional e usufruir seus direitos escolares, exercendo sua cidadania, de acordo com os princípios constitucionais do nosso país.
  • 4. Existem três tendências educacionais para a surdez: a oralista, a comunicação total e a abordagem por meio do bilinguismo.
    • Oralismo: visa à capacitação da pessoa com surdez para que possa utilizar a língua da comunidade ouvinte na modalidade oral, como única possibilidade lingüística. Nega a diferença entre surdos e ouvintes.
    • Comunicação total: considera as características da pessoa com surdez utilizando todo e qualquer recurso possível para a comunicação. Nega a língua natural das pessoas com surdez.
  • 5. MODALIDADES EDUCACIONAIS PARA SURDOS
    • ESCOLA PARA SURDOS
    • ESCOLA COMUM
  • 6. ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO PARA PESSOAS COM SURDEZ O AEE para alunos com surdez estabelece como ponto de partida a compreensão e o reconhecimento do potencial e das capacidades dessas pessoas, vislumbrando o seu pleno desenvolvimento e aprendizagem. Atendimento esse, assegurado em lei, de uma educação bilíngue , em todo o processo educativo. Dessa forma, as práticas de sala de aula comum e do AEE devem ser articuladas. Por meio de uma metodologia vivencial de aprendizagem, os alunos ampliam sua formação. O AEE promove o acesso dos alunos com surdez ao conhecimento escolar em duas línguas: em Libras e em Língua Portuguesa . A prática pedagógica do AEE parte dos contextos de aprendizagem definidos pelo professor da sala comum, que realizando pesquisas sobre o assunto a ser estudado elabora um plano de trabalho envolvendo os conteúdos curriculares.
  • 7. AEE envolve três momentos didático-pedagógicos: *Atendimento Educacional Especializado em Libras; *Atendimento Educacional Especializado de Libras; *Atendimento Educacional Especializado de Língua Portuguesa.
  • 8. Atendimento Educacional Especializado em Libras Trata-se de um trabalho complementar ao que está sendo estudado na sala de aula, de uma exploração do conteúdo, em Libras; em que o professor de AEE retoma as idéias essenciais, avaliando durante o processo o plano de atendimento do aluno com surdez. Para que o conhecimento seja construindo as aulas devem ser planejadas visando: valorização do aluno, desenvolvimento das habilidades, articulação entre o ensino comum e o AEE, identificação, organização e produção de recursos didáticos .
  • 9. O Atendimento Educacional Especializado para o ensino de Libras Ocorre diariamente, em horário contrário ao das aulas, na sala de aula comum. Este trabalhado é realizado pelo professor e/ou instrutor de Libras (preferencialmente surdo), de acordo com o estágio de desenvolvimento da Língua de Sinais em que o aluno se encontra. O professor e/ou instrutor de Libras organiza o trabalho do Atendimento Educacional Especializado, respeitando as especificidades dessa língua, principalmente o estudo dos termos científicos a serem introduzidos pelo conteúdo curricular. • Caso não existam sinais para designar determinados termos científicos, os professores de Libras analisam os termos científicos do contexto em estudo, procurando entendê-los, a partir das explicações dos demais professores de áreas específicas; • Avaliam a criação dos termos científicos em Libras, a partir da estrutura lingüística da mesma, por analogia entre conceitos já existentes, de acordo com o domínio semântico e/ou por empréstimos lexicais; • Os termos científicos em sinais são registrados, para serem utilizados nas aulas em Libras .
  • 10. Atendimento Educacional Especializado de Língua Portuguesa. O objetivo desse atendimento é desenvolver a competência linguística, bem como textual, dos alunos com surdez, para que sejam capazes de ler e escrever em Língua Portuguesa. Deve-se conceber, porém, que o processo de letramento requer o desenvolvimento e aperfeiçoamento da língua em várias práticas sociais, principalmente da escrita. A apropriação da Língua Portuguesa escrita, demanda atividades de reflexão voltadas para a observação e a análise de seu uso. A reflexão sobre a língua permite ao aluno conhecer e usar a gramática normativa, ampliando sua competência e desempenho linguístico.
  • 11. GRUPO DE IDEIAS @ Qual metodologia podemos empregar no ensino para pessoas com surdez? Discutam em grupo (05) e sugiram uma atividade prática a ser utilizada na rede comum ou A.E.E.
  • 12. Em se tratando da educação dos surdos existem alguns profissionais, com funções distintas, que se encarregam do processo: o professor regente, o intérprete de Libras, o instrutor de libras e o professor de AEE.
  • 13. O instrutor é aquele que tem o papel de ensinar a Libras. (No DECRETO Nº 5.626, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2005.) O intérprete é aquele que tem o papel de intermediar a comunicação entre o idioma do emissor ao idioma do receptor. Obs. É importante ressaltar que em todos os casos previstos nos incisos do Decreto , as pessoas surdas terão prioridade em cursos de formação e para ministrar a disciplina de Libras.
  • 14. Da capacitação no trabalho com alunos surdos Portarias Normativa nº 11, de 9 de Agosto de 2006 Ministério da Educação Gabinete do Ministro Institui o Programa Nacional para a Certificação de Proficiência em Libras e para a Certificação de Proficiência em Tradução e Interpretação de Libras-Língua Portuguesa-Prolibras. § 1º O Prolibras é um programa promovido pelo Ministério da Educação - MEC e desenvolvido por Instituições de Ensino Superior IES , que se destina a: I - certificar a proficiência em Libras, de pessoas, surdas ou ouvintes, com escolaridade de nível superior ou médio, para o ensino dessa disciplina, prioritariamente, em cursos de formação de professores e de fonoaudiólogos; II - certificar a proficiência em tradução e interpretação da Libras-Língua Portuguesa, para o exercício dessa função, prioritariamente, em ambientes educacionais . Obs. Um profissional com certificado de proficiência em LIBRAS, na prática, pode até comprovar a sua habilitação para o uso, mas não para o ensino, visto que este requer anos de estudos e pesquisas nessa língua e não apenas no uso.
  • 15. Diretrizes da Secretaria de Estado da Educação A atuação do intérprete e do instrutor de Libras é de extrema importância para junto com o professor propiciar a construção do conhecimento que leve o aluno ao pleno exercício de sua cidadania .
  • 16. Créditos BRASIL. Lei nº 10.436 de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais e dá outras providências, DF, 2002. ________ Decreto nº 5.626 de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002 e o art. 18 da Lei nº 10.098, de 19 de dezembro de 2000, DF, 2000. ________ Portaria Normativa nº 11 de 09 de agosto de 2006. Institui o Programa Nacional para Certificação de Proficiência em LIBRAS e para Certificação de Proficiência em Tradução e Interpretação de Libras - Língua portuguesa – Prolibras, DF, 2006. DAMÁZIO, Mirlene Ferreira Macedo. Atendimento Educacional especializado – Pessoa com surdez. Formação Continuada a Distância de Professores para o Atendimento Educacional Especializado Pessoa com Surdez- MEC/Brasília/DF – 2007. ALVEZ, Carla Barbosa/ FERREIRA, Josimário de Paula / DAMÁZIO, Mirlene Macedo. A Educação Especial na Perspectiva da Inclusão Escolar- Abordagem Bilíngue na Escolarização de Pessoas com Surdez – Brasília-2010. PERLIN,Gladis/ STROBEL,Karin - FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO DE SURDOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA - UFSC

×