Start

13,126 views
12,816 views

Published on

0 Comments
4 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
13,126
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
3
Actions
Shares
0
Downloads
427
Comments
0
Likes
4
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Start

  1. 1. Simples Triagem e Rápido TratamentoTRIAGEMProcesso utilizado em situações onde a emergência ultrapassa a capacidade de resposta daequipe de socorro. Utilizado para alocar recursos e hierarquizar o atendimento de vítimas deacordo com um sistema de prioridades, de forma a possibilitar o atendimento e o transporterápido do maior número possível de vítimas.O primeiro socorrista que chega numa cena da emergência com múltiplas vítimas enfrenta umgrande problema. A situação é diferente e seus métodos usuais de resposta e operação nãosão aplicáveis. Este profissional deve modificar sua forma rotineira de trabalho buscando umnovo método de atuação que lhe permita responder adequadamente a situação.Como poderão então esses socorristas prestar um socorro adequado? Obviamente, se elesvoltarem sua atenção para a reanimação de uma ou mais vítimas, as outras potencialmenterecuperáveis poderão morrer.Portanto, logo que chegam na cena, esses primeiros socorristas devem avaliá-la, pedir reforçosadicionais e providenciar a segurança do local para, só então, dedicarem-se a seleção dasvítimas enquanto as novas unidades de socorro deslocam-se para o local da emergência.Esses socorristas aproveitam assim o seu tempo da melhor maneira iniciando um processo detriagem. Este é o primeiro passo para a organização dos melhores recursos na cena daemergência.Triagem – Termo dado ao reconhecimento da situação e seleção das vítimas por prioridadesna cena da emergência. Palavra de origem francesa que significa “pegar, selecionar ouescolher”.Podemos conceituar a triagem como sendo um processo utilizado em situações onde aemergência ultrapassa a capacidade de resposta da equipe de socorro. Utilizado para alocarrecursos e hierarquizar vítimas de acordo com um sistema de prioridades, de forma a
  2. 2. possibilitar o atendimento e o transporte rápido do maior número possível de vítimas.É de responsabilidade do socorrista que primeiro chegar ao local do acidente múltiplo, montarum esquema e separar as peças de um desastre de forma a propiciar o melhor cuidadopossível a cada pessoa envolvida, solicitando recursos adicionais e reforço para atenderadequadamente a ocorrência.Em resumo, o processo de triagem é usado quando a demanda de atenção supera nossacapacidade de resposta e, portanto, devemos direcionar nossos esforços para salvar o maiornúmero de vítimas possível, escolhendo aquelas que apresentam maiores possibilidades desobrevivência. O primeiro a chegar na cena deve dedicar-se à seleção das vítimas, enquantochegam as unidades de apoio.Obs.: Se a ocorrência supera a capacidade de resposta da guarnição do CB que primeirochegar ao local, deveremos iniciar um processo de triagem para avaliar e tratar a maiorquantidade possível de vítimas com potencial de recuperação. Se a guarnição se detém noatendimento de uma única vítima, todos os demais poderão não receber auxílio.Atualmente é o modelo adotado pela Associação de Chefes de Bombeiros do Estado daCalifórnia nos EUA. START é a abreviatura de Simple Triage And Rapid Treatment (TriagemSimples e Tratamento Rápido) .· Sistema de triagem simples.· Permite triar uma vítima em menos de um minuto.Esse método foi desenvolvido para o atendimento de ocorrências com múltiplas vítimas, poispermite a rápida identificação daquelas vítimas que estão em grande risco de vida, seu prontoatendimento e a prioridade de transporte dos envolvidos mais gravemente feridos.CÓDIGO DE CORES NO PROCESSO DE TRIAGEMCor VermelhaSignifica primeira prioridade:São as vítimas que apresentam sinais e sintomas que demonstram um estado crítico enecessitam tratamento e transporte imediato.Cor AmarelaSignifica segunda prioridade:São as vítimas que apresentam sinais e sintomas que permitem adiar a atenção e podemaguardar pelo transporte.Cor VerdeSignifica terceira prioridade:São as vítimas que apresentam lesões menores ou sinais e sintomas que não requerematenção imediata.Cor CinzaSignifica sem prioridade (morte clínica):São as vítimas que apresentam lesões obviamente mortais ou para identificação de cadáveres.
  3. 3. Conheça a tática de triagem STARTA tática de triagem , obedece a técnica denominado START (simples triagem erápido tratamento) por ser um método simples, que se baseia na avaliação darespiração, circulação e nível de consciência, dividindo as vítimas em quatroprioridadese utiliza cartões coloridos para definir cada uma das prioridades. A Prioridade deAtendimento às Vítimas obedece a seguinte ordem:
  4. 4. Cartão VermelhoVítimas que apresentam risco imediato de vida; apresentam respiração somenteapós manobras de abertura de vias aéreas ou a respiração está maior que 30movimentosrespiratórios por minuto; necessitam de algum tratamento médico antes de umtransporterápido ao hospital; necessitam ser transportadas rapidamente ao hospital paracirurgia.Cartão AmareloVítimas que não apresentam risco de vida imediato; necessitam de algum tipo detratamento no local enquanto aguardam transporte ao hospital.Cartão VerdeVítimas com capacidade para andar; não necessitam de tratamento médico outransporte imediato, possuem lesões sem risco de vida.Prioridade PretoVítimas em óbito ou que não tenham chance de sobreviver; não respiram, mesmoapós manobras simples de abertura da via aérea.Detalhamento das Áreas de PrioridadeNa área destinada às vítimas com Cartão Vermelho vão todos os pacientes comrisco de vida imediato e que terão uma evolução favorável se os cuidados médicosforeminiciados imediatamente. Aqui também irão os pacientes que necessitam de umtransporterápido até o hospital para serem estabilizados no centro cirúrgico.São os pacientes com:● Choque;● Amputações.● Lesões arteriais;● Hemorragia Severa;● Lesões por inalação;● Queimaduras em face;● Lesão de face e olhos;● Lesões intra-abdominais;● Insuficiência Respiratória;● Pneumotórax Hipertensivo● Lesões extensas de partes moles;● Queimaduras de 2º grau maior que 20% a 40%,ou de 3º grau maior que 10a 30%;Na área destinada às vítimas com Cartão Amarelo vão aquelas vítimas quenecessitamde algum atendimento médico no local e posterior transporte hospitalar, porém quenão possuem risco de vida imediato.São os pacientes com:● Fraturas;
  5. 5. ● TCE leve, moderado;● Queimaduras menores;● Traumatismos abdominais e torácicos;● Ferimentos com sangramento que necessitam suturas.Na área destinada às vítimas com Cartão Verde vão as vítimas que apresentampequenas lesões, geralmente estão sentadas ou andando, sem risco de vida e quepodemser avaliadas ambulatorialmente. São os pacientes que causam mais problemasnacena do acidente, geralmente estão com dor e em estado de choque e tendem aser poucocooperativos. Não entendem o fato de estarem agrupados numa certa árearecebendocuidados mínimos. É extremamente importante um apoio psicológico para manteressasvítimas nessas áreas, pois do contrário elas tendem a deixar o local, indosobrecarregar ohospital mais próximo.São os pacientes com:● contusões;● hematomas;● escoriações;● pequenos ferimentos.Na área destinada às vítimas com Cartão Preto vão as vítimas em óbito. Naquelassituações em que há um desequilíbrio entre os recursos médicos e o número devítimas,todos os pacientes com traumatismos severos, com poucas chances de sobrevida,tambémvão para essa área de prioridade.São os pacientes:● em óbito;● múltiplos traumas graves;● queimaduras de 2 e 3 grau extensas.Técnica STARTNesta técnica, como acima descrito, cabe à primeira guarnição que chega no localdo acidente, procurar congelar a área e iniciar a triagem preliminar, enquantosolicitaapoio, visando salvar o maior número de vítimas de óbito iminente. Assim ossocorristasdeverão realizara a triagem observando a RESPIRAÇÃO, PERFUSÃO e NÍVELDECONSCIÊNCIA.RespiraçãoAvaliar a freqüência respiratória e a qualidade da respiração das vítimas. Se avítima não respira, checar presença de corpos estranhos causando obstrução davia aérea.Remova dentadura e dentes soltos. Alinhe a cabeça cuidando da coluna cervical.Se após esse procedimento não iniciar esforços respiratórios, cartão PRETO. Se
  6. 6. iniciar respiração, cartão VERMELHO.Se a vítima respira numa freqüência maior do que 30 movimentos respiratórios porminuto, cartão VERMELHO.Vítimas com menos de 30 movimentos respiratórios por minuto não sãoclassificadasnesse momento, deve-se avaliar a perfusão.PerfusãoO enchimento capilar é o melhor método para se avaliar a perfusão. Pressione oleito ungueal ou os lábios e solte. A cor deve retornar dentro de 2 segundos. Sedemorar mais de 2 segundos, é um sinal de perfusão inadequada, cartãoVERMELHO.Se a cor retornar dentro de 2 segundos a vítima não é classificada até que seavalieo nível de consciência.Nível de ConsciênciaÉ utilizado para as vítimas que estejam com a respiração e perfusão adequadas. Osocorrista solicita comandos simples do tipo “Feche os olhos”; “Aperte minha mão”;“Ponha a língua para fora”. Se a vítima não obedece a esses comandos, cartãoVERMELHO.Se a vítima obedece a esses comandos, cartão AMARELO.O cartão VERDE é usado para os pacientes que estejam andando, ou que não seenquadre em numa das situações acima.Estartograma:Cartão Método START
  7. 7. Que é triagem de vítima?É a forma médica de classificação do estado em que se encontram as vítimas deum grande acidente, com o objetivo de salvar o máximo possível de vidas dentrode um critério de escolha universal de resgate.Como fazer esta triagem?Geralmente ela é feita por médicos que analisam o estado de cada vítima após oacidente e é classificado pelo sistema de cores usado pelo socorrista, como umaescala de sobrevivência. No pulso destes acidentados são colocados separadoresde triagem ou kit de triagem, anotando inicialmente a classificação.Quais são as cores usadas nestes kits (braceletes)?A-) Verde - Estado bom. Pode aguardar atendimento de pequenos ferimentos.B-) Amarelo - Estado que merece uma atenção mais urgente que o verde.Geralmente é feito o processo de imobilização provisória e outros procedimentos.C-) Azul - Estado dispensado de atendimento, poderá ter alta imediatamente.D-) Vermelho - Estado de atenção imediata, pode morrer a qualquer instante. Temprioridade sobre os demais.E-) Preto - Estado de morte ou pré-falecimento. Nada poderá ser feito. Sóaguardar remoções.Como fazer no caso de remoções imediata?
  8. 8. Após análise e colocação de bracelete de cores, o médico que fez osatendimentos urgentes, principalmente no vermelho e no amarelo, encaminha asvítimas para remoção imediata aos hospitais. Para orientar, este médico colocaráno pescoço da vítima uma ficha da sua avaliação e triagem, para que os outrosmédicos que forem receber em hospitais e centros cirúrgicos, já tenham asprimeiras informações: nome, estado de saúde, procedimentos já efetuados, etc.Como pessoas podem ajudar na remoção de vítimas?A indicação é o melhor meio de comunicação. Geralmente o médico possui um kitcompleto de triagem, com mantas em cores para serem estendidas ao chão, bemcomo bandeirinhas em cores de resgate para serem vistas de longe. As vítimasestarão separadas e já terão recebidos os primeiros socorros. (vide acimadescrição das cores)Se não houver médico no local, o que fazer?Nestas horas é que valem os treinamentos e cursos de traumas. Deve-se usar obom senso: primeiro chamando o resgate, mantendo a calma e observando osacidentados, aplicando-lhe o método universal de resgate, ou seja o método de"A"-"B"-"C"; procurando fazer uma separação, imobilizando o que puder e tentandoum meio urgente de remoção para os acidentados mais precários, levando-os atéo hospital mais próximo. Mas lembre-se, você não é médico, mas não poderádeixar o seu próximo sem socorro. Se tiver treinamento de resgate, vale a penaaplicá-los para auxiliar o profissional médico, mas se não tiver, tente buscarmédicos o mais próximo e rápido possível.Existe um estudo aplicado em acidente em geral sobre quanto representa os tiposde acidentados.ESTATÍSTICAS:Difícil estabelecer, cada caso é um caso. Geralmente 40% (quarenta por cento)das vítimas estão em estado azul; 20% (vinte por cento) em amarelo; 20% (vintepor cento) em verde, e os outros 20% (vinte por cento) dividem-se em vermelhos epretos.fonte: http://www.marimar.com.br/resgate/curiosidades/curiosidades10.htmPostado por Enf. THAIS T. às 12:04Marcadores: Urgência e Emergência0 comentários: No trauma nós temos diversas escalas e tabelas que são utilizadas para a realização de triagens e para estabelecer o nível de gravidade das lesões nos diferentes sistemas do corpo humano. Nesta seção daremos ênfase as tabelas START e CRAMP utilizadas, respectivamente, na triagem de vítimas e para as escalas de GLASGOW e TRAUMA SCORE utilizadas para aferir o nível de comprometimento neurológico e o nível de gravidade global
  9. 9. das lesões. TABELA START - SIMPLE TRIAGE AND RAPID TREATMENT A tabela START é uma tabela de uso rápido utilizada na triagem de vítimas em situaçõesna qual o número de vítimas supera a capacidade de atendimento. O objetivo dessa tabelaé rapidamente separar as vítimas graves que possuem boa chance de vida das vítimas sem lesões ou invíaveis para que as primeiras tenham prioridade de atendimento. Na tabela o S significa SIM e o N significa NÃO. As vítimas são classificadas pela cor e dessa forma recebem a prioridade no atendimento na seguinte ordem: 1º vítimas VERMELHAS - 2º vítimas AMARELAS - 3º vítimas VERDES - 4º vítimas PRETAS. TABELA CRAMPA tabela CRAMP é utilizada com o mesmo objectivo da tabela START, com o diferencial que a tabela CRAMP possui parâmetros mais específicos e avalia a Circulação - Respiração -
  10. 10. Abdome - Motor - Palavra devendo estão ser utilizada por médicos. A classificação das vítimas também é feita através de cores e a prioridade de atendimento é a mesma do método START. Para obter a pontuação e assim classificar as vítimas segundo as cores, é necessário quese atribua pontos aos paramêtros da vítima, lembrando que sempre devemos considerar o pior parâmetro encontrado. Após atribuir a pontuação para cada item, devemos somar todos os pontos e com o total em mãos devems seguir a tabela abaixo para atribuir as cores:
  11. 11. ESCALA DE COMA DE GLASGOWA Escala de Coma de Glasgow é utilizada na classificação de traumas cranio-encefálico e serve para dar parâmetros de gravidade das lesões.O score é calculado somando as notas obtidas em cada item de acordo com a tabela da Escala de Glasgow, para cada item deve-se atribuir um único valor. Com o valor obtido pode-se verificar o gravidade da lesão.Se o Glasgow do paciente estiver entre 14-15 considera-se gravidade leve; sendo o valor entre 9-13 a gravidade é moderada e estando o valor entre 3-8 a gravidade da lesão é alta. Escala de Coma de Glasgow Abertura ocular Melhor resposta motora Melhor resposta verbal Espontânea 4 Obedece comandos 6 Orientado 5 Ao comando verbal 3 Localiza dor 5 Confuso 4 À dor 2 Retirada à dor 4 Palavras inapropriadas 3 Ausência 1 Flexão à dor 3 Sons incompreensíveis 2 Extensão à dor 2 Ausência 1 Ausência 1
  12. 12. TRAUMA SCORE O Trauma Score é uma escala que engloba valores de sinais vitais do paciente como freqüência respiratória e pressão arterial agregando a este valor o dado obtido na Escala de Glasgow. O valor deve ser calculado, como na Escala de Glasgow, atribuindo um valor para cada item da tabela e somando todos depois. Triagem em Acidentes com Múltiplas Vítimas Triagem baseada no Método START (Simple Triage And Rapid Treatment) - Processo contínuo Classificação e Identificação:– Socorro Imediato ou Cor VERMELHA– Prioridade secundária ou Cor AMARELA
  13. 13. – Prioridade Tardia ou Cor VERDE– Prioridade Zero ou Cor PRETA Quatro passos para executar a triagem:• Socorro Imediato ou cor Vermelha– Atenção imediata no local e prioridade no transporte– Respiram com FR > 30 mov/min.– Respiram e apresentam reenchimento capilar > 2 segundos ou ausência de pulso radial.– Respiram abaixo de 30 mov/min, apresentam pulso radial mas é incapaz de seguir orientações.– Hemorragia externa importante.– Trauma grave, dificuldade respiratória, trauma de crânio, choque hipovolêmico, queimaduras severas, etc.• Prioridade Secundária ou Cor Amarela– Não deambulam, FR < 30 rpm, reenchimento capilar < 2 segundos ou pulso radial presente e obedece a ordens simples.– Fraturas, lesões torácicas ou abdominais sem choque, lesão de coluna ou queimaduras menores.• Prioridade Tardia ou cor Verde– Vítimas deambulando, com lesões menores e que não requerem atendimento imediato.• Prioridade Zero ou Cor Preta– Morte óbvia ou situações em que haja grande dificuldade para reanimação e poucos socorristas. Os Quatro Passos– Passo 1 - pacientes que podem ser atendidos tardiamente e que possam caminhar até uma área escolhida. Cor Verde
  14. 14. – Passo 2 - checar respiração. Para cada paciente que não possa caminhar é checada a respiração. Nenhuma avaliação é precisa. A respiração está lenta, normal ou rápida.• Cor Preta - sem respiração.• Cor Vermelha - respiração > 30 mov/min.• Cor Amarela/Vermelha - respiração < 30 mov/min– Passo 3 - avaliar a perfusão. Observar o pulso radial ou o reenchimento capilar. Aqui pode-se descobrir uma hemorragia grave e se fazer uma compressão direta que pode ser mantida por um paciente que se encontra deambulando.• Cor Vermelha - RC > 2 segundos ou pulso ausente• Cor Amarela/Vermelha - RC < 2 segundos e pulso presente.– Passo 4 - avaliar o estado de consciência:• Cor Vermelha - Não obedece ordens• Cor Amarela - Obedece ordens PASSOS A SEGUIR NA APLICAÇÃO DO MÉTODO START PRIMEIRO PASSO O socorrista entra na cena da emergência, identifica e conduz (poderá ser utilizado um megafone para isso) as vítimas que podem caminhar para uma área de concentração previamente delimitada. Estas vítimas receberão uma identificação verde, entretanto, esse não é o momento de rotulá-las com etiquetas ou fitas, sendo que tal providência será realizada posteriormente e de forma individual. SEGUNDO PASSO Os socorristas iniciam a avaliação das vítimas que permaneceram na cena de emergência e que não apresentam condições de caminhar. Deverá ser avaliada a respiração. A respiração está normal, rápida ou ausente ? Se está ausente, abra imediatamente as VAS, com a técnica de “elevação do mento” para determinar se as respirações iniciam-se espontaneamente. Se a vítima continua sem respirar, identifique-a com a etiqueta/fita de cor preta (Não perca tempo tentando reanimar a vítima). Se a vítima está inconsciente e necessita ajuda para manter as VAS abertas providencie auxílio de voluntários que estejam na cena da emergência ( vítimas código verde podem auxiliar ). Toda vítima inconsciente, em princípio, será classificada no final
  15. 15. como código vermelho, por não responder à ordens simples. Avalie a freqüência respiratóriade vítimas conscientes e caso sua freqüência respiratória seja superior a 30 MRM, receberáuma etiqueta/fita de cor vermelha (nesses casos, tente conseguir voluntários para manterabertas suas VAS). Caso a respiração esteja normal (menor de 30 MRM), vá ao passoseguinte.TERCEIRO PASSOVerifique a perfusão através da prova do enchimento capilar ou através da palpação do pulsoradial. Se o enchimento capilar é superior a 2 segundos ou se o pulso radial está ausente, avítima deverá receber a etiqueta/fita de cor vermelha. Se o enchimento capilar é inferior a 2segundos ou se o pulso radial está presente, vá ao passo seguinte. Qualquer hemorragia graveque ameace a vida deverá ser detido nesse momento. Posicione a vítima com as pernaselevadas, salvo contra-indicações, para prevenir o choque (novamente tente conseguirvoluntários para fazer pressão direta sobre o local do sangramento e prevenir o choque).QUARTO PASSOVerifique o nível de consciência da vítima. Se a vítima não consegue executar ordens simplesemanadas pelo socorrista, deverá receber a etiqueta/fita de cor vermelha. Se a vítima executacorretamente as ordens simples recebidas, receberá a etiqueta/fita de cor amarela.

×