Your SlideShare is downloading. ×
Grupo 07 a gramática na escola ppw
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Saving this for later?

Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime - even offline.

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Grupo 07 a gramática na escola ppw

1,786
views

Published on

Published in: Education

0 Comments
2 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
1,786
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
103
Comments
0
Likes
2
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Língua Portuguesa: o ensino de gramática 1
  • 2.  Para falarmos do ensino de gramática, é preciso lembrar antes que toda metodologia é resultado de uma série de opções que o professor faz, individualmente ou no contexto escolar isso configuram aquilo em que o professor acredita e, portanto, são elas que dão forma às atividades de ensino/aprendizagem em sala de aula. Desse modo, uma real mudança de postura metodológica do professor só acontecerá se as opções e crenças que o guiam no ensino-aprendizagem mudarem. 2
  • 3. O que é gramática O termo gramática pode ser usado com mais de um valor, por isto, para falar de ensino de gramática, é importante saber o que se entende por gramática. 3
  • 4. Há três concepções básicas e importantes de gramática: Gramática é o próprio mecanismo da língua presente nas mentes das pessoas e que lhes permite utilizar a língua tanto para dizer (falando ou escrevendo), quanto para compreender o que é dito (ouvindo ou lendo). É o que se chama de gramática internalizada. Esta é o saber lingüístico que um falante adquiriu, tendo em vista suas capacidades e o meio em que cresceu. Quando o aluno chega à escola, ele já sabe esta gramática. 4
  • 5. Gramática Descritiva Esta gramática resulta do trabalho dos lingüistas ou estudiosos da língua que buscam dizer como é o mecanismo da língua de que falamos, ou seja, como a língua é constituída (quais são suas unidades, categorias, construções) e como ela funciona. 5
  • 6. Gramática Normativa Esta é constituída por regras que a sociedade estabeleceu para o uso da língua. Por muito tempo a gramática normativa foi baseada exclusivamente na variedade da língua que chamamos de “culta e padrão” Esta variedade foi eleita pela sociedade sobretudo, por um critério elitista. 6
  • 7. Além desse critério outros são essencialmente: a) Lógicos baseados na estruturação do pensamento a partir da concepção de língua como forma de expressão do pensamento. 7
  • 8.  b) Políticos como o nacionalismo, que recomenda que não se usem estrangeirismos, ou seja, palavras e construções de outras línguas. 8
  • 9.  c) Comunicacionais pelos quais se recomenda a clareza, a precisão, a concisão da linguagem e se condenam como defeitos o que é difícil de compreender e deixa dúvida, a imprecisão. 9
  • 10.  d) Históricosque recomendam ou não o uso de determinados modos de dizer meramente por tradição. Este critério é altamente problemático, pois ele se aplica a alguns fatos e não a outros (por exemplo: ninguém exige que hoje se fale “asinha” em vez de “depressa”, porque antigamente era assim). 10
  • 11.  e) Estéticos pelos quais se recomenda fugir a tudo o que enfeie a língua como pleonasmos viciosos ex. “Vi com meu olhos”, ecos, cacofonias que é o som desagradável ex. “Aqui não tem pão, mas lá tinha” e se use o que a torne mais bela, como eufonia, figuras de linguagem, harmonia. 11
  • 12. Antigamente, a gramática normativa era constituídapor uma série de recomendações. O que se podia usarera o que estava de acordo com a norma culta e era“certo” e o que não se podia usar era o que não estavade acordo com a norma culta e era “errado”. O conceitode certo e errado foi substituído por outro: o deadequado e não adequado. Temos que ensinar a normaculta e padrão aos alunos, explicitando como ela é equando deve ser usada, mas não dizer para o aluno queo outro modo de dizer (que é permitido pelalíngua) nunca pode ser usado. 12
  • 13.  Cabe à escola ensinar a variedade chamada “Português padrão e/ou culto”, tendo cuidado para não impor essa variante como modelo único de uso da língua na fala e na escrita, mas sim como uma variedade importante em nossa sociedade e que devemos usar em dadas circunstâncias que devemos indicar aos alunos. 13
  • 14. É importante lembrar que a línguaapresenta variedades de três tipos: De região De classe social De sexo De histórico1. dialetos De idade Grau de Que vai do formal ao coloquial De função formalismo 3. registros Status Sintonia Tecnicidade Língua oral com várias Cortesia2.modalidades Língua escrita dimensões norma 14
  • 15. Concepção de LinguagemPodemos conceber a linguagem de três modos: a) como expressão do pensamento; b) como código objetivo de comunicação, pelo qual transmitimos informações aos outros; c) como forma de interação. 15
  • 16. Objetivos de ensino de LínguaPortuguesa Em nossas aulas de Português para falantes da língua, podemos agir com objetivos diferentes. Basicamente podemos: Formando pessoas que são capazes de analisar a língua, com conhecimento Ensinar sobre a língua teórico Formando usuários Ensinar a língua competentes da língua 16
  • 17. Nossa proposta é que a formação de usuárioscompetentes da língua é o objetivo prioritário doensino de língua materna, embora não o único.Entende-se que um usuário da língua temcompetência comunicativa quando é capaz deusar os diferentes recursos da língua de formaadequada à produção e à compreensão de textos. 17
  • 18. Os recursos lingüísticos funcionam como pistas einstruções de sentido, para transmitir elementos designificação. Se os recursos da língua são pistas einstruções de sentido, ao trabalhar com o ensino degramática, adotamos, sobretudo, a concepçãopedagógica de que no ensino, para odesenvolvimento da competência comunicativa, agramática deve ser vista como um estudo dascondições lingüísticas da significação. 18
  • 19. Organização do Ensino Geralmente, as atividades de ensino/aprendizagem de língua materna costumam ser divididas e organizadas em cinco grandes blocos: 1- Vocabulário; 2- Gramática; 3- Produção de textos; 4- Compreensão de textos; 5- Ensino de recursos e convenções da língua escrita, incluindo ortografia e pontuação. 19
  • 20. Essa divisão em blocos das atividades deensino/aprendizagem de língua é mais uma questãode facilidade de organização didático-pedagógica,porque, na verdade, todos os elementos da línguaatuam em conjunto na constituição e funcionamentodos textos e fazem parte da gramática da línguaPortanto, deve-se entender essa divisão apenas comoum artifício para organizar o estudo da língua e otrabalho correspondente em sala de aula. 20
  • 21. As atividades de ensino de gramática podem serorganizadas a partir de dois pilares básicos: a) os recursos da língua; b) as instruções de sentido  No caso dos recursos da língua podemos partir e trabalhar verificando que efeitos de sentido eles são capazes de produzir em textos diversos.  No caso das instruções de sentido, partimos de um valor e buscamos todos os recursos da língua que podem exprimir a instrução de sentido em questão, estabelecendo diferenças entre eles. Exemplos são: comparação, quantidade, as modalidades (como a certeza e a incerteza), causa e conseqüência, alternativa, adição, oposição, tempo, lugar, modo, etc. 21
  • 22. Mais de uma vez falamos em recursos dalíngua. São recursos da língua: Todas as suas unidades: no plano fonético- fonológico, morfológico; lexical , sintático, semântico, textual. b) Todas as formas de construção : ordem direta ou inversa, a ordem em geral, coordenação, subordinação, repetições, concordância, etc. c) As categorias gramaticais: gênero, número, pessoa, tempo, modalidade, voz, aspecto d) Recursos supra-segmentais, tais como entonações, pausas, altura de voz, ritmo e) Outros. 22
  • 23. Ensino de gramática Como vimos, uma vez que nosso objetivo prioritário é o desenvolvimento da competência comunicativa o que vai orientar a escolha dos recursos da língua em função do efeito de sentido que se quer produzir e de acordo com a situação de interação comunicativa. Por exemplo: Se tenho sede, e quero conseguir água numa dada situação (por exemplo, um professor dando um curso em uma escola para colegas até então desconhecidos), posso falar de várias formas mas qual ou quais será(ão) mais ou menos adequado(s)? 23
  • 24. a) Fulano, vai buscar um copo de água para mim, anda! (com entonação de ordem)b) Estou com a boca seca.c) Fulano, seria muito difícil me arrumar um copo de água? (com entonação de pedido gentil)d) Por favor, alguém podia me arrumar um pouco de água para beber? (com entonação de pedido gentil) 24
  • 25.  A gramática da língua é uma só: é o mecanismo lingüístico que permite ao usuário da língua falar, escrever, ouvir e ler, comunicando-se por meio de textos lingüisticamente compostos. 25
  • 26. O texto sugere em Travaglia (1996), quatro tipos de atividades de ensino de gramática que tem como modo de abordar esse mecanismo e desenvolver a competência comunicativa dos alunos, são elas: a) gramática teórica; b) gramática de uso; c) gramática reflexiva; d) gramática normativa 26
  • 27. Estes tipos de atividade não precisam ser usadossempre separadamente, às vezes, para abordar umdado tópico, podemos lançar mão ao mesmo tempo demais de um tipo de atividade. É o caso, porexemplo, do que pode ser feito ao estudar acorrespondência entre oração adjetiva e adjetivo. Ex. Oaluno estudioso é aprovado. O aluno que estuda éaprovado.Uma atividade pode ser ao mesmo tempo de mais deum tipo, que são simultaneamente reflexivas e de uso. 27
  • 28. Considerações finaisComo se pode perceber, o ensino de gramática é um problema complexo, que envolvemúltiplas facetas que o professor não pode negligenciar ao preparar as atividades deensino/aprendizagem para trabalhar com seus alunos. Nosso objetivo, neste texto, foi chamara atenção do colega professor para questões básicas envolvidas no ensino/aprendizagem dagramática da língua, dentro de uma perspectiva textual- interativa, recomendada pelos PCN. 28
  • 29. ACADÊMICASAdriana PachecoElaine EvangelistaLuciane AndradeSilvia Cristina V. Borges 29