• Like
  • Save

Loading…

Flash Player 9 (or above) is needed to view presentations.
We have detected that you do not have it on your computer. To install it, go here.

Like this document? Why not share!

Get course

on

  • 284 views

 

Statistics

Views

Total Views
284
Views on SlideShare
284
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
4
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Get course Get course Document Transcript

    • ___________________________________________________________________ 1 ___________________________________________________________________________ www.enfermagemadistancia.com.br INPI 900901900 TRIAGEM EM SERVIÇOS DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA Siga as instruções abaixo para navegar no ambiente virtual do Ead e obter êxito no curso. Após a inscrição, o usuário tem 30 dias para concluir o curso e emitir o certificado. Para fazer a avaliação digite seu e-mail e senha, na área do usuário (IDENTIFICAÇÃO), clique em ENTRAR, depois clique em MINHA CONTA, depois em MINHAS INSCRIÇÕES e, por fim, clique no ícone AVALIAÇÃO. O usuário deverá responder a avaliação existente na última página do material do curso e transcrever as respostas para o gabarito existente no site. Uma vez confirmada às respostas, a avaliação não será mais disponibilizada. Em seguida, você pode emitir o Certificado. Para emitir o certificado, em outro momento, digite seu e-mail e senha, na área do usuário, clique em ENTRAR, depois clique em MINHA CONTA, depois em MINHAS INSCRIÇÕES e, por fim, clique no ícone CERTIFICADO. O arquivo será visualizado no formato PDF, para que você possa salvar ou imprimir. Observação: No ato da avaliação o usuário recebe um e-mail informando o seu percentual de acerto. Para emitir o certificado, o usuário precisa obter pontuação igual ou superior a 6,00 na avaliação. Boa sorte! As urgências e emergências sejam elas clínicas ou traumáticas representam um fator de risco de vida importante quando não atendidas de maneira adequada e em tempo hábil, exigindo intervenção competente, segura e livre de risco. Nesse setor, a triagem e acolhimento são empregados para a seleção de clientes, para o atendimento imediato ou mediato segundo a gravidade da situação de cada um. A triagem em serviços de emergência é definida como atendimento aos pacientes críticos que necessitam de assistência imediata, com o objetivo de prolongar a vida ou prevenir consequências críticas à saúde. Mas que critérios têm que estabelecer para a escolha correta das vítimas? Antes de estudarmos esses critérios, vamos entender o significado de Urgência e Emergência. 1. DIFERENÇA ENTRE URGÊNCIA X EMERGÊNCIA Segundo o Conselho Federal de Medicina, em sua Resolução CFM n.° 1.451, de 10/3/1995 (CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA, 2003), temos: Urgência: ocorrência imprevista de agravo à saúde com ou sem risco potencial de vida, cujo portador necessita de assistência médica imediata. Emergência: constatação médica de condições de agravo à saúde que impliquem em risco iminente de vida ou sofrimento intenso, exigindo, portanto, tratamento médico imediato. Entretanto, sabemos que existem muitas confusões em torno do conceito desses dois termos. Assim, devido ao grande número de julgamentos e dúvidas que esta ambivalência de terminologia suscita no meio médico e no sistema de saúde, optamos por não mais fazer este tipo de diferenciação. Passamos a utilizar apenas o termo “urgência”, para todos os casos que necessitem de cuidados agudos, tratando de definir o “grau de urgência”, a fim de classificá-las em níveis. O grau de urgência é diretamente proporcional à gravidade, à quantidade de recursos necessários para atender o caso e à pressão social presente na cena do atendimento e inversamente proporcional ao tempo necessário para iniciar o tratamento.
    • ___________________________________________________________________ 2 ___________________________________________________________________________ www.enfermagemadistancia.com.br INPI 900901900  U = Grau de urgência  G = Gravidade do caso  T = Tempo para iniciar o tratamento  A = Atenção: recursos necessários para o tratamento  V = Valor social que envolve o caso 1.1.Gravidade É perfeitamente possível quantificar a gravidade do caso pelo telefone, por meio de perguntas objetivas dirigidas diretamente ao paciente ou à pessoa que ligou solicitando ajuda, utilizando uma semiologia que será definida e abordada nos protocolos específicos. Mais fácil ainda é quantificar as urgências nas transferências inter- hospitalares, quando o contato telefônico é feito diretamente entre médicos. 1.2.Tempo Tratamos aqui de utilizar o conhecimento dos intervalos de tempo aceitáveis entre o início dos sintomas e o início do tratamento. Quanto menor o tempo exigido, maior a urgência. Nas transferências inter-hospitalares, com o atendimento inicial já realizado, esta avaliação deve ser mais cuidadosa, para evitar precipitações. 1.3.Atenção Quanto maior for à necessidade de recursos envolvidos no atendimento inicial e no tratamento definitivo, maior será a urgência. Este subfator é o que mais influi na decisão de transferir o paciente. 1.4.Valor Social A pressão social que envolve o atendimento inicial pode muitas vezes justificar o aumento do grau de urgência de um caso simples. Este fator não pode ser negligenciado, pois muitas vezes uma comoção social no local do atendimento pode dificultar a prestação de socorro. É de pouca influência, porém, nas transferências inter-hospitalares. 2. SERVIÇOS DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA Os serviços de urgência e emergência constituem um importante componente da assistência à saúde no Brasil. Com o aumento dos indicadores de acidentes e violência, houve um crescimento da demanda por atendimentos desse setor. Entretanto, a superlotação dos pronto-socorros brasileiros é agravada por problemas organizacionais destes serviços, como o atendimento por ordem de chegada sem estabelecimento de critérios clínicos, o que pode acarretar graves prejuízos aos pacientes. (BRASIL, 2006). Dessa forma, o Ministério da Saúde, desde 2003, vem buscando alternativas para a organização da rede de atenção às Urgências e Emergências. Uma das estratégias foi à criação da Política Nacional de Atenção às Urgências, baseada na necessidade de estruturar uma rede de serviços regionalizada e hierarquizada de cuidados integrais às urgências de qualquer complexidade ou gravidade, desconcentrando a atenção efetuada exclusivamente pelos pronto-socorros (BRASIL, 2006). No setor público, a necessidade de manutenção de uma porta de entrada qualificada e integrada na atenção de urgência e emergência, tem determinado uma discussão em torno da regulação como conceito relacionado à capacidade de resposta frente às demandas de saúde, e como instrumento de ordenação e orientação da assistência, em seus diversos níveis. Dessa forma, a recente estruturação de centrais de regulação nos estados tem se apresentado como ferramenta importante para a implementação de regionalização da saúde, otimizando a busca pela melhor alternativa terapêutica do momento, de acordo com as necessidades do usuário. (DAVID, 2003)
    • ___________________________________________________________________ 3 ___________________________________________________________________________ www.enfermagemadistancia.com.br INPI 900901900 Assim, medidas têm sido adotadas para a organização desta sobrecarga de atendimentos, no intuito de minimizar o risco para os pacientes que esperam por atendimento médico, e apontam a triagem estruturada como uma das medidas mais importantes, uma vez que permite que pacientes mais graves sejam atendidos primeiro. De acordo com o Ministério da Saúde, a organização da Rede de Atenção às Urgências e Emergências (RUE) tem a finalidade de articular e integrar todos os equipamentos de saúde objetivando ampliar e qualificar o acesso humanizado e integral aos usuários em situação de urgência/emergência nos serviços de saúde de forma ágil e oportuna. São propostas da rede de urgência e emergência do MS:  Ampliação para Cobertura de 100% da População;  Regionalização;  Reajuste no Repasse Financeiro – 50% do Custeio Mensal;  Cronograma de Implantação 2011-2018. Mas o que entendemos sobre triagem? Como funciona? Quem a realiza? 3. TRIAGEM A palavra triagem na língua portuguesa é escolha, seleção. Triar vem do verbo francês e significa trier, tipar, escolher, e aplicado à área da saúde, o termo significa que é um processo no qual haverá priorização do atendimento de acordo com a necessidade de cada caso. (FERREIRA, 2001) Triagem é o primeiro atendimento prestado pelo profissional aos usuários dos serviços de saúde. Através dela, é realizado a avaliação inicial, seleção e encaminhamento dos clientes às unidades/especialidades adequadas à suas necessidades. Na triagem o indivíduo é avaliado de forma integral para que se identifique o tipo de atendimento necessário. Entende-se que o paciente deve ser visto como um todo, necessitando estar em sincronia consigo mesmo em todos os aspectos físico, mental, espiritual e com o mundo, uma vez que a doença é uma consequência do desequilíbrio e da desarmonia destes elementos, resultando em uma manifestação biológica de enfermidade. Outro aspecto a ser ressaltado é a valorização das questões culturais, as quais estão intimamente ligadas aos itinerários de saúde da população (AZEVEDO; BARBOSA (2007). Triagem é a classificação das vítimas em categorias, não exclusivamente relativas à gravidade, mas sim às situações em que mais beneficiarão do socorro prestado. O objetivo é aperfeiçoar a ação de socorro, salvando o maior número possível de vítimas. Após o atendimento no local, são transportadas para um atendimento hospitalar. A importância desse serviço está principalmente na prevenção de complicações e identificação de quadros agudos que implicam riscos de vida. Para o funcionamento adequado, é necessária a integração deste com outros serviços de saúde existentes no sistema, estabelecendo vínculos com os mesmos, de modo a permitir o adequado encaminhamento dos pacientes. Antes da realização da triagem, acontece o acolhimento, que é um modo de desenvolver o processo de trabalho em saúde, de forma a atender os usuários que procuram os serviços, ouvindo os seus pedidos e assumindo uma postura capaz de acolher, escutar e dar respostas mais adequadas aos usuários. Este processo inclui um atendimento com resolutividade e responsabilização, orientação para o paciente e sua família em relação ao atendimento e funcionamento dos demais serviços de saúde, e estabelecimento de meios para garantir o sucesso dos encaminhamentos, caso haja necessidade (BRASIL, 2004).
    • ___________________________________________________________________ 4 ___________________________________________________________________________ www.enfermagemadistancia.com.br INPI 900901900 Estudos revelam que os Serviços de Triagem conferem maior resolubilidade e acolhimento, na medida em que busca atender o usuário considerando os aspectos bio-psico-sociais do indivíduo e ressaltando a hierarquização dos serviços de saúde. (AZEVEDO; BARBOSA, 2007). Pires (2003) ressalta que, para um serviço de emergência, a questão central é identificar que dados coletar e quais os instrumentos utilizar para classificar os pacientes, no intuito de evitar que o processo de classificação seja guiado somente pela avaliação subjetiva e experiência do enfermeiro que classifica. A triagem é uma decisão que envolve o pensamento crítico dos profissionais envolvidos. Assim, o enfermeiro da triagem deve ter responsabilidade, autonomia e muita experiência clínica, uma vez que geralmente ele está sozinho no processo de classificação. Esse processo pode oferecer riscos, mas representa uma importante ferramenta para descrever a necessidade do cuidado individual e uniformização do atendimento (CHAVES, 1987). Algumas dificuldades têm sido apontadas pelos enfermeiros de triagem, como falta de pessoal, falta de protocolos que permitam ao enfermeiro solicitar exames laboratoriais e radiografias, e falta de acesso informatizado ao número de leitos disponíveis, entre outros. Dessa forma, é indispensável à utilização de escalas e protocolos que sejam instrumentos confiáveis para embasar o enfermeiro na classificação de risco dos pacientes que procuram os serviços de urgência e emergência. Aqui no Brasil, a utilização do acolhimento com classificação de risco nos serviços de urgência enquanto estratégia de ampliação do acesso e humanização das relações começou a ser discutida de forma mais concreta a partir da publicação da Portaria 2048/02, que regulamenta o funcionamento dos serviços de urgência e emergência do país. (BRASIL, 2002). Com a cartilha da Política Nacional de Humanização - PNH, a qual aponta o acolhimento com avaliação e classificação de risco como dispositivo de mudança no trabalho da atenção e produção de saúde, em especial nos serviços de urgência (BRASIL, 2004). Nesta mesma época foi lançado o Programa de Qualificação da Gestão no SUS (QualiSUS), que trouxe o investimento necessário às modificações tecnológicas e de ambiência para a efetiva implementação da ferramenta de classificação de risco nos serviços de urgência e emergência. O primeiro hospital brasileiro a implantar a classificação de risco foi o Hospital Municipal de Paulínia, em 1993, quando um Canadense implantou a proposta de classificação de risco, a partir da adaptação do protocolo canadense à realidade local. (GRUPO BRASILEIRO DE ACOLHIMENTO COM CLASSIFICAÇÃO DE RISCO, 2009). 4. BREVE HISTÓRICO DA TRIAGEM Não sabemos ao certo quando exatamente iniciou-se o processo de triagem, mas existem relatos do ano de 1898 de um hospital em Londres, os doentes começavam a aglomerar-se à porta às 08:30h, mas o mesmo só abria às 09:00h. Nesse período, uma enfermeira atendia a um por um dos doentes, questionando-o sobre sua principal queixa para então direcionar para o atendimento de um clínico ou de um cirurgião. Na Austrália, na década de 60, os pacientes que chegavam de ambulância eram priorizados, e os que caminhavam eram avaliados por ordem de chegada. Posteriormente, escalas foram desenvolvidas no sentido de unificar e padronizar a linguagem utilizada na triagem dos pacientes. Nos Estados Unidos a triagem foi inicialmente utilizada como estratégia para priorizar o atendimento aos soldados feridos nas guerras, no intuito de tratá-los e devolvê-los o mais rápido possível para o campo de batalha. Os soldados eram classificados quanto à gravidade de suas lesões como gravemente traumatizados considerados não viáveis, os que necessitavam
    • ___________________________________________________________________ 5 ___________________________________________________________________________ www.enfermagemadistancia.com.br INPI 900901900 de cuidado imediato, e aqueles que podiam aguardar tratamento com segurança. A triagem era considerada como uma tecnologia de guerra e de grandes catástrofes, não sendo até então aplicada à sociedade civil. Os responsáveis pela remoção dos feridos de um campo de batalha ou pelos cuidados médicos dividiam as vítimas em três categorias:  Aqueles a quem provável vivam, independentemente do tratamento recebido;  Aqueles a quem provável morram, independentemente do tratamento recebido;  Aqueles a quem a atenção médica imediata pode ter influência no prognóstico. Este modelo também pode ser utilizado atualmente em inúmeras situações de urgência, sobretudo quando apenas existem um ou dois paramédicos para vinte ou mais pacientes. Uma vez disponíveis os recursos materiais e humanos, os paramédicos optam pelo modelo de triagem adotado pela sua unidade de saúde. A abordagem moderna é mais científica. O prognóstico de categorização da vítima é frequentemente o resultado de avaliações fisiológicas. Alguns modelos de triagem, como o START, fazem uso de dados, podendo até ser calculados. 5. ACOLHIMENTO E TRIAGEM CLASSIFICATÓRIA DE RISCOS Como o próprio nome diz, o termo “triagem” implica numa técnica de escolha de quem será ou não atendido. Já a classificação de risco, refere-se à avaliação do paciente e determinação da prioridade do atendimento segundo a gravidade clínica, desconsiderando a lógica de exclusão da triagem. É importante ressaltar que para a maioria quase absoluta dos autores citados abaixo, os termos “triagem” e “classificação de risco” são entendidos como sinônimos. “O Ministério da saúde, através da Portaria 2048, propõe a implantação nas unidades de atendimento de urgências o acolhimento e a triagem classificatória de risco”. De acordo com esta Portaria, este processo “deve ser realizado por profissional de saúde, de nível superior, mediante treinamento específico e utilização de protocolos pré-estabelecidos e tem por objetivo avaliar o grau de urgência das queixas dos pacientes, colocando-os em ordem de prioridade para o atendimento” (BRASIL, 2002). O Acolhimento com Classificação de Risco – ACCR - se mostra como um instrumento reorganizador dos processos de trabalho na tentativa de melhorar e consolidar o Sistema Único de Saúde (SUS), como um instrumento de humanização. A estratégia de implantação da sistemática do Acolhimento com Classificação de Risco possibilita a ampliação da resolutividade ao incorporar critérios de avaliação de riscos, que levam em conta toda a complexidade dos fenômenos saúde/ doença, o grau de sofrimento dos usuários e seus familiares, a priorização da atenção no tempo, diminuindo o número de mortes evitáveis, sequelas e internações. A Classificação de Risco deve ser um instrumento para melhor organizar o fluxo de pacientes que procuram as portas de entrada de urgência/emergência, gerando um atendimento resolutivo e humanizado. A implantação do protocolo de classificação de risco garante a prioridade adequada dos atendimentos, e assegura que recursos sejam alocados de forma correta. Também possibilita a organização da assistência e o conhecimento de indicadores que direcionam a gestão do serviço e a necessidade de investimentos de recursos (MACHADO et. al., 2007). O sistema de classificação de risco foi criado com o intuito de se evitar intercorrências entre os pacientes graves que são atendidos pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Trata-se de um
    • ___________________________________________________________________ 6 ___________________________________________________________________________ www.enfermagemadistancia.com.br INPI 900901900 processo dinâmico de identificação dos pacientes que necessitam de tratamento imediato, de acordo com o potencial de risco, agravos à saúde ou grau de sofrimento (ABBÊS; MASSARO, 2004). A Classificação de Risco é um processo dinâmico de identificação dos pacientes que necessitam de tratamento imediato, de acordo com o potencial de risco, os agravos à saúde ou o grau de sofrimento. (BRASIL, 2004): 5.1.Missões do Acolhimento com Classificação de Risco 1) Ser instrumento capaz de acolher o cidadão e garantir um melhor acesso aos serviços de urgência/emergência; 2) Humanizar o atendimento; 3) Garantir um atendimento rápido e efetivo. 5.2.Principais objetivos do Acolhimento com Classificação de Risco  Escuta qualificada do cidadão que procura os serviços de urgência/emergência;  Classificar, mediante protocolo, as queixas dos usuários que demandam os serviços de urgência/emergência, visando identificar os que necessitam de atendimento médico mediato ou imediato;  Construir os fluxos de atendimento na urgência/emergência considerando todos os serviços da rede de assistência à saúde;  Funcionar como um instrumento de ordenação e orientação da assistência, sendo um sistema de regulação da demanda dos serviços de urgência/emergência.  Avaliar o paciente logo na sua chegada ao pronto-socorro humanizando o atendimento;  Descongestionar o pronto-socorro;  Reduzir o tempo de espera para o atendimento médico;  Determinar a área de atendimento primário, devendo o paciente ser encaminhado diretamente às especialidades conforme protocolo;  Informar os tempos de espera;  Promover ampla informação sobre o serviço aos usuários;  Retornar informações a familiares. O Acolhimento não é um instrumento de diagnóstico de doença. Ele apenas hierarquiza conforme a gravidade da vítima; determina prioridades de atendimento; não pressupõe exclusão e sim estratificação. 5.3.Equipe  Equipe multiprofissional:  Enfermeiro;  Técnico em Enfermagem;  Assistente Social;  Equipe Médica especializada;  Profissionais da portaria/recepção e Estagiários. 5.4.Processo de Classificação Acontecem com a identificação dos pacientes que necessitam de intervenção médica e de cuidados de enfermagem, de acordo com o potencial de risco, agravos à saúde ou grau de sofrimento, usando um processo de escuta qualificada e tomada de decisão baseada em protocolo e aliada à capacidade de julgamento crítico e experiência do enfermeiro. a) Usuário procura o serviço de urgência. b) É acolhido pelos funcionários da portaria/recepção ou estagiários e encaminhado para confecção da ficha de atendimento.
    • ___________________________________________________________________ 7 ___________________________________________________________________________ www.enfermagemadistancia.com.br INPI 900901900 c) Logo após é encaminhado ao setor de Classificação de Risco, onde é acolhido pelo Técnico em Enfermagem e Enfermeiro que, utilizando informações da escuta qualificada e da tomada de dados vitais, se baseia no protocolo e classifica o usuário. Nenhum cliente deverá ser dispensado sem ser atendido, ou seja, sem ser acolhido, classificado e encaminhado de forma responsável a uma unidade de saúde de referência. 5.5.Critérios de Classificação 1) Apresentação usual da doença; 2) Sinais de alerta (choque, palidez cutânea, febre alta, desmaio ou perda da consciência, desorientação, tipo de dor, etc.); 3) Situação – queixa principal; 4) Pontos importantes na avaliação inicial: sinais vitais – Sat. de O2 – escala de dor - escala de Glasgow – doenças preexistentes – idade – dificuldade de comunicação (droga, álcool, retardo mental, etc.); 5) Reavaliar constantemente poderá mudar a classificação. 5.6.Avaliação do Cliente (Dados coletados em ficha de atendimento)  Queixa principal  Início – evolução – tempo de doença  Estado físico do paciente  Escala de dor e de Glasgow  Classificação de gravidade  Medicações em uso, doenças preexistentes, alergias e vícios  Dados vitais: pressão arterial, temperatura, saturação de Oxigênio. Realizar o acolhimento com avaliação e classificação de risco, determina a agilidade no atendimento a partir da análise, sob a ótica de protocolo pré-estabelecido, do grau de necessidades do usuário, visando atenção centrada no nível de complexidade. A classificação de risco é considerada um dispositivo de humanização do atendimento, na medida em que o atendimento deve ser priorizado de acordo com a gravidade clínica e não de acordo com a ordem de chegada ao serviço (BRASIL, 2004). A enfermagem se insere neste contexto, na medida em que o enfermeiro tem sido o profissional indicado para ser o responsável por classificar o risco dos pacientes que procuram os serviços de urgência. 6. TIPOS DE TRIAGENS De acordo com o Ministério da Saúde (2002), a triagem classificatória deverá ser realizada por meio de protocolos pré-estabelecidos, por profissionais de saúde de nível superior, com treinamento específico; sendo proibida a dispensa de pacientes antes que estes recebam atendimento médico. Todo sistema organizado para atendimento às emergências deve ter um plano estabelecido para fazer frente a um acidente com múltiplas vítimas. O plano deve ser específico, estabelecido a partir de características locais e regionais. Entre muitos pontos, deve o plano estabelecer a forma mais eficiente de oferecer, simultaneamente, socorro a todas as vítimas. Em outras palavras, várias equipes de emergência, equipadas e preparadas, devem ser acionadas e as vítimas atendidas ao mesmo tempo. Muitas vezes, no entanto, por alguns minutos ou eventualmente horas, isto não é possível. Na impossibilidade, a primeira equipe que chegar ao local deve iniciar um processo chamado “triagem das vítimas”. Devemos também considerar que não existe um critério perfeito de triagem, variando de um sistema para outro e na dependência de
    • ___________________________________________________________________ 8 ___________________________________________________________________________ www.enfermagemadistancia.com.br INPI 900901900 diversos factores, como a magnitude e a área de abrangência do desastre, tipo de desastre (produtos perigosos, terremotos, etc.), qualificação das equipes e equipamentos, dentre muitos outros pontos. A triagem é também específica para uma finalidade como, por exemplo:  Triagem para iniciar o socorro no local  Triagem para colocar as vítimas em áreas específicas na zona do desastre  Triagem para o transporte da zona de desastre para o atendimento hospitalar  Triagem no atendimento hospitalar  Triagem para o transporte inter hospitalar Lembramos sempre que um método de triagem perfeito não existe. Cada serviço deve adotar, para suas características operacionais, o método que melhor lhe convier. Abaixo, listamos alguns tipos de triagem: 6.1.Triagem por telefone O conceito de triagem por telefone não é novo, já que pediatras e outros especialistas a têm utilizado por décadas para a tomada de decisões importantes. Alguns hospitais podem desenvolver seus próprios sistemas de triagem por telefone, que ainda podem ser adquiridos por meio de vendedores comerciais. O uso desse sistema fica centralizado em um grupo de enfermeiros, que falam diretamente com os pacientes no telefone e então os direcionam ao atendimento de emergência ou urgência, ou para uma consulta médica não urgente em poucas horas. Em muitos casos, o enfermeiro da triagem oferece conselhos de saúde para aqueles pacientes que não necessitam ir diretamente ao serviço. Esses sistemas usualmente confiam em computadores, com enormes bancos de dados de informação médica para guiar as enfermeiras, e, na avaliação de alguns médicos, fornecem consistência e padronizam a qualidade do atendimento. (DAVID, 2003). Muitos são os questionamentos quanto ao fato de que a triagem por telefone não tem a vantagem do contato visual fornecido pela triagem face a face. Em relação à atenção psiquiátrica de urgência, encontram-se queixas contra a figura do chamado “médico porteiro”, sobretudo por uma crescente tendência de medicalização dos problemas de saúde mental. Em relação às outras urgências, esta parece ser uma prática mais comum nos casos em que os pacientes já mantêm um vínculo com o médico. (DAVID, 2003) 6.2.Triagem Simples Geralmente utilizada no local de um acidente ou em algum cenário de desastre com múltiplas vítimas, de forma a categorizar pacientes entre aqueles que precisam de atenção crítica e transporte imediato daqueles com lesões menos graves. Este passo pode ser iniciado antes mesmo do transporte estar disponível. A categorização de clientes com base na gravidade das lesões pode ser apoiada pelo uso de etiquetas de triagem ou marcação com fita colorida. A triagem simples identifica quais as pessoas que requerem tratamento médico avançado. No campo, a triagem também define prioridades nas evacuações para os hospitais. 6.3.Modelo S.T.A.R.T. A sigla S.T.A.R.T., do termo Simple Triage and Rapid Treatment, ou Triagem Simples e Tratamento Rápido, é um método que pode ser executado em situações de emergência por leigos ou pessoas com pouca formação médica. Não se destina, contudo, à supervisão ou instrução de pessoal ou técnicas médica. A triagem separa as vítimas em quatro grupos:
    • ___________________________________________________________________ 9 ___________________________________________________________________________ www.enfermagemadistancia.com.br INPI 900901900  Aqueles a quem não há auxílio possível;  Os feridos que necessitem de transporte imediato;  Os feridos cujo transporte possa ser adiado;  Aqueles com ferimentos ligeiros, que não necessitem de cuidados urgentes. No método S.T.A.R.T. as vítimas devem ser evacuadas da seguinte forma:  Mortos são deixados no local de óbito, cobertos se necessário. Note-se que neste método ninguém é categorizado como falecido excepto se não estiver a respirar e os esforços de reanimação não tenham tido sucesso.  Imediato ou prioridade 1 (vermelha) são evacuados por helicóptero ou ambulância, uma vez que precisam de cuidados avançados imediatamente ou no prazo de uma hora. Estes pacientes encontram-se em estado crítico e morreriam sem assistência médica emergente.  Protelado ou prioridade 2 (amarelo) podem ver a sua evacuação adiada até todas as vítimas de prioridade 1 terem sido transportadas. Estes pacientes estão estáveis, mas requerem assistência médica.  Secundário ou prioridade 3 (verde) não são evacuados até terem sido transportados todos os pacientes com grau superior. São pacientes que não necessitam de atenção médica avançada pelo menos nas horas seguintes e encontram-se aptas a caminhar, apenas necessitando de curativos. No processo de triagem para iniciar o socorro no local do desastre, feito pela primeira equipe a chegar ou na ausência de número suficiente de socorristas, um dos métodos mais utilizados é o START - Simple Triage And Rapid Treatment que identifica as vítimas por fitas coloridas ou etiquetas (tarjetas) coloridas ou cartões de triagem. São utilizadas as seguintes cores: COR VERMELHA: Socorro imediato. Primeira prioridade ou Prioridade imediata - São vítimas que requerem atenção imediata no local ou têm prioridade no transporte. Incluem-se aqui as vítimas: a) Com hemorragia externa importante; b) As que, encontradas em parada respiratória, respiraram após uma manobra de abertura das vias aéreas; c) As que respiram com FR maior que 30 rpm; d) As que respiram e apresentam reenchimento capilar levando mais que 2 segundos ou ausência de pulso radial; e) As que respiram abaixo de 30 rpm, apresentam pulso radial e reenchimento capilar em até 2 segundos, mas não respondem ordens simples. Estas situações geralmente correspondem a vítimas com trauma grave, dificuldade respiratória, trauma de crânio, hemorragia com choque, queimaduras severas, etc. COR AMARELA: Segunda prioridade ou prioridade secundária - Socorro deve ser rápido, mas deve aguardar vítimas com maior prioridade. São vítimas sem indicativo de que virão a morrer nos próximos minutos, se não forem socorridas. Devem ser consideradas amarelas as vítimas que não se enquadram nos critérios anteriores e que não deambulam e estão orientadas, conseguindo cumprir ordens simples. Geralmente são vítimas com fraturas, lesões torácicas ou abdominais sem choque, lesão de coluna ou queimaduras menores.
    • ___________________________________________________________________ 10 ___________________________________________________________________________ www.enfermagemadistancia.com.br INPI 900901900 COR VERDE: Terceira prioridade ou prioridade tardia – Vítimas deambulando, com lesões menores e que não requerem atendimento imediato. Não devem ser consideradas isentas de lesão. Apenas não são prioritárias naquele momento. COR PRETA: prioridade zero ou última prioridade - vítimas consideradas em morte óbvia ou em situações de grande dificuldade para reanimação. É importante enfatizar que neste último caso, só pode ser considerada cor preta, se não houver socorristas suficientes. Se houver, todo esforço deve ser tentado para todas as vítimas, exceptuando-se apenas aquelas em morte óbvia. 6.4.Triagem avançada Na triagem avançada, os médicos podem decidir que determinados pacientes com lesões muito graves não devem receber tratamento avançado porque é improvável a sua sobrevivência. Os recursos devem assim ser orientados para pacientes com lesões menos graves. Uma vez que o tratamento é intencionalmente retirado de determinados pacientes, a triagem avançada tem implicações éticas. É usada para desviar recursos de pacientes com poucas hipóteses de sobrevivência de forma a aumentar a possibilidade de outros que seja mais provável sobreviverem. 6.5.Triagem contínua Na cena do desastre, a triagem deve ser considerada um processo contínuo, ou seja, constantemente deve ser repetida em cada vítima, mesmo para as que já receberam um socorro inicial, pois a situação pode alterar-se e uma vítima considerada de baixa prioridade pode alguns minutos depois, necessitar de cuidados imediatos para que se mantenha viva. É uma abordagem à triagem em situações de múltiplas vítimas, que leva em conta tanto as observações fisiológicas como os padrões comportamentais em situações de desastre, que afectam o número de pacientes que procura determinado hospital e a forma como esse hospital responde a essa procura. A Triagem Contínua Integrada conjuga três formas de triagem com aumento progressivo na especificidade de forma a rapidamente identificar as vítimas de desastre com maior urgência de cuidados, enquanto harmoniza as necessidades de pacientes individuais em relação aos recursos disponíveis. Contudo, cada sistema de triagem de grupo, individual ou hospitalar pode ser usado a cada estágio de avaliação. 6.6.Mudança de prioridade Vítimas são todas as pessoas envolvidas no acidente e não apenas as que apresentam lesões ou queixas. Nunca deixe de identificar uma vítima que deambula sem lesão aparente ou sem queixa. No processo de avaliação contínua, ou melhor, de reavaliação, muitas vítimas podem mudar de prioridade. Uma vítima rotulada de verde pode apresentar lesão interna e evoluir para choque, ou lesão de crânio com piora do quadro de consciência, apenas para citar alguns exemplos. Devem ser reclassificadas e as providências devem ser tomadas de acordo com a nova categoria. 7. ESCALAS E PROTOCOLOS UTILIZADOS NA CLASSIFICAÇÃO DE RISCO De uma forma geral, tem sido recomendada a utilização de escalas/protocolos que estratifiquem o risco em cinco níveis, pois estas apresentam maior fidedignidade, validade e confiabilidade na avaliação do estado real do paciente (GORANSSON et al., 2005).
    • ___________________________________________________________________ 11 ___________________________________________________________________________ www.enfermagemadistancia.com.br INPI 900901900 O Protocolo é um instrumento de apoio que visa à identificação rápida e científica do doente de acordo com critérios clínicos para determinar em que ordem o paciente será atendido. Trata- se de um modelo em que diferentes enfermeiros obtêm os mesmos resultados na análise do cliente, aumentando a agilidade e a segurança nos serviços de urgência (BRASIL, 2004). Após a triagem, os pacientes são encaminhados aos médicos especialistas. Uma vez realizado o atendimento, o paciente deverá ter sua referência garantida, por meio do encaminhamento realizado às centrais de regulação ou aos fluxos previamente pactuados (BRASIL, 2002). 7.1.Avaliação da Triagem a) Avaliação subjetiva da queixa: início / curso / duração  Quando começou? O que você estava fazendo quando começou?  Quanto tempo dura?  Ela vai e volta?  Ainda está presente no momento?  Onde é o problema? Se for dor:  Descreva as características e intensidade.  Ela irradia?  Há algo que agrava ou alivia os sintomas?  Se a dor está ou esteve presente características e intensidade.  Há alguma história prévia semelhante? Qual foi o diagnóstico? b) Avaliação objetiva: pode distinguir a área de tratamento e se o paciente requer cuidado / intervenções rápidas  Aparência física – cor, pele, atividades.  Grau de angústia: angústia severa ou não angustiado.  Resposta emocional: ansiedade ou indiferença.  Sinais vitais completos se o tempo for suficiente ou se são necessários para distinguir o nível de triagem.  Avaliação física. c) Informações adicionais  Alergias  Medicações 7.2.Classificação por cor Em relação à Triagem Hospitalar, há uma série de sistemas. Entre eles, destaca-se o Sistema de Triagem de Manchester (STM). É um sistema composto por cinco níveis de urgências, determinado por cores e tempo de atendimento. Essa escala de triagem implantada em 1996 em Manchester, Inglaterra e atribui cores para identificar a gravidade do atendimento, da seguinte forma: Prioridade Cor Classificação I Vermelho Ressuscitação II Vermelho Emergência III Amarelo Urgência IV Verde Menor urgência
    • ___________________________________________________________________ 12 ___________________________________________________________________________ www.enfermagemadistancia.com.br INPI 900901900 V Azul Não urgente FONTE: (MAFRA et al, 2006) Avaliar  Queixa: início, evolução e duração;  Aparência física;  Resposta emocional;  Escala de dor;  Escala de coma de Glasgow;  Medicação atual;  Alergias;  Outros dados: sinais vitais, saturação de O2, escala de dor e escala de Glasgow, glicemia. Intuição/experiência: Não serão utilizadas para diminuir a prioridade, só para aumentar; 7.2.1. Paciente Típico da Prioridade I  Intervenção Médica: Imediata  Reavaliação de Enfermagem: Cuidados contínuos 7.2.2. Paciente Típico da Prioridade II  Intervenção Médica: em menos de 15 minutos  Reavaliação de Enfermagem: a cada 15 minutos. 7.2.3. Paciente Típico da Prioridade III  Intervenção Médica: em menos de 30 minutos  Reavaliação de Enfermagem: a cada 30 minutos. 7.2.4. Paciente Típico da Prioridade IV  Intervenção Médica: em menos de 1 hora  Reavaliação de Enfermagem: a cada 1 hora. 7.2.5. Paciente Típico da Prioridade V  Intervenção Médica: no mesmo dia ou no dia seguinte. De acordo com a Lei do Exercício Profissional de Enfermagem, cabe ao enfermeiro realizar a Classificação de Risco, uma vez que a Lei n.º 7.498/86 incumbe privativamente ao enfermeiro, a Consulta de Enfermagem e a realização de técnicas de maior complexidade, que exijam conhecimentos científicos adequados, e a capacidade de tomar decisões rápidas (NISHIO; FRANCO, 2011). Com esse Protocolo Clínico de classificação de risco por cores, os serviços de urgência atendem em primeiro lugar os doentes mais graves e não necessariamente os que chegarem antes. A seleção acontece a partir de uma observação prévia, na qual um conjunto de sintomas ou de sinais é identificado para atribuir uma cor ao paciente. A cor corresponde ao grau de prioridade clínica no atendimento e a um tempo de espera recomendado. 8. IMPORTÂNCIA DO ENFERMEIRO EM SERVIÇOS DE TRIAGEM Pesquisas revelam que triagens realizadas por médicos são menos eficazes que as realizadas por enfermeiros. Isso se explica pelo fato de que a formação do profissional médico, por ser voltada para diagnóstico e tratamento, seria um mau aproveitamento de suas habilidades utilizá- lo para o Serviço de Triagem. Já o profissional enfermeiro, em sua formação, aprende a prestar assistência aos pacientes preocupando-se também com a infra-estrutura
    • ___________________________________________________________________ 13 ___________________________________________________________________________ www.enfermagemadistancia.com.br INPI 900901900 que o cerca. Adquire ainda uma visão de conjunto pelo fato de conversar com o paciente, ouvir suas queixas, saber o que o levou até o hospital, enfim conhecer suas necessidades biopsicossociais. 9. CONSIDERAÇÕES FINAIS Aos serviços de emergência aumentam a procura com permanência e períodos de tratamento mais longos e cada vez mais é importante ter sistema de triagem rápido e preciso garantindo tempo adequado para o atendimento médico. (PIRES, 2007). A triagem é o ato de priorizar os pacientes com base em história limitada com antecedentes pessoais, alergias, medicamento de uso e os sinais vitais tanto para a urgência com para aqueles que receberão atendimento de emergência. Como na maioria dos serviços de emergência, são muitos os clientes que aguardam na própria recepção, lotada, várias horas antes do atendimento médico, por isso é de extrema importância um modelo que tenha uma excelente sensibilidade assim identificando pacientes com potencial alto de piora clínica durante esse tempo de espera. (PERONDI; SAKANO; SCHVARTSMAN, 2008). É importante percebermos que o processo de triagem no serviço de emergência não possui caráter excludente, mas sim de organização do fluxo de atendimento do paciente no SUS, e seleção dos meios adequados para diagnóstico e tratamento dos problemas identificados. Essa ação, objetiva a possibilidade de uma maior resolutividade aos serviços, aumento da satisfação do usuário e da equipe de saúde, racionalização quanto à acessibilidade e fluxos internos, e otimização dos tempos e recursos utilizados. Esperamos que esse curso tenha contribuído a cerca do assunto estudado. Mas, vale lembrar que na Urgência e Emergência, existem algumas divergências entre protocolos e rotinas e que é importante entender que frente a uma situação de urgência, devemos estar cientes de nossos atos visando sempre à melhora do quadro da vítima. E continuem com os estudos!
    • ___________________________________________________________________ 14 ___________________________________________________________________________ www.enfermagemadistancia.com.br INPI 900901900 TRIAGEM EM SERVIÇOS DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA AVALIAÇÃO Atenção! Ao realizar avaliação se faz necessário o preenchimento do gabarito em nossa página para que possamos avaliar seu rendimento e emitir o seu certificado. Clique no link abaixo e siga as instruções. http://www.enfermagemadistancia.com.br/conta-do-usuario.php Clique no botão Entrar na área do usuário, digite seu e-mail e senha. Uma vez logado clique no botão Minha Conta, depois na aba Inscrições e, por fim, clique no ícone . 1) Dentre as alternativas abaixo, qual a alternativa falsa? a) As urgências e emergências representam um fator de risco de vida importante quando não atendidas de maneira adequada e em tempo hábil; b) A triagem serve apenas para diminuir o tempo de trabalho do médico. c) Triagem e acolhimento são empregados para a seleção de clientes, para o atendimento imediato ou mediato segundo a gravidade da situação de cada um. d) A triagem tem o objetivo de prolongar a vida ou prevenir consequências críticas à saúde. 2) De acordo com o Conselho Federal de Medicina, em sua Resolução CFM n.° 1.451, de 10/3/1995, o termo EMERGÊNCIA, significa: a) Constatação médica de condições de agravo à saúde que impliquem em risco iminente de vida ou sofrimento intenso, exigindo, portanto, tratamento médico imediato. b) Constatação médica de condições de agravo à saúde que NÃO impliquem em risco iminente de vida ou sofrimento intenso, não exigindo, portanto, tratamento médico imediato. c) Constatação médica de condições de agravo em que o cliente deve permanecer na fila de atendimento, não sendo de forma alguma, priorizado o seu atendimento. d) Nenhuma das alternativas acima. 3) Os serviços de urgência e emergência constituem um importante componente da assistência à saúde no Brasil, principalmente com o aumento dos indicadores que influenciam nessa superlotação. Que indicadores são esses? a) Mortalidade Infantil b) Mortalidade Materna c) Acidentes e Violência d) Aumento no número de Postos de Saúde 4) Triagem é o primeiro atendimento prestado pelo profissional aos usuários dos serviços de saúde. Através dela, é realizado: a) A avaliação inicial, seleção e encaminhamento dos clientes às unidades/especialidades adequadas à suas necessidades. b) Avaliação geral onde é apenas coletado os dados do cliente e logo após o encaminha para atendimento médico sem nenhuma intervenção c) Avaliação específica do cliente sem nenhuma alteração na fila de espera,
    • ___________________________________________________________________ 15 ___________________________________________________________________________ www.enfermagemadistancia.com.br INPI 900901900 seguindo, portanto, o ritmo normal de atendimento dos pacientes. d) Nenhuma das alternativas acima 5) Triagem é a classificação das vítimas em categorias, não exclusivamente relativas à gravidade, mas sim às situações em que mais beneficiarão do socorro prestado. E seu maior objetivo é: a) Otimizar a ação de socorro, salvando o maior número possível de vítimas. b) Salvar apenas os que têm risco de sobreviver sem nenhuma sequela. c) Diminuir a fila no setor da recepção e encaminhá-los a outro setor hospitalar d) A Triagem acontece no local do acidente apenas para desobstruir o fluxo das estradas e não para prioriar o atendimento das vítimas. 6) Existem muitos métodos de triagem. Uma das abordagens modernas mais utilizadas na triagem pré-hospitalar seria o método: a) Por telefone b) START c) STOP d) Manchester 7) Em relação à abordagem moderna mais utilizada na triagem hospitalar, seria o método: a) Por telefone b) START c) STOP d) Manchester 8) O Ministério da Saúde lançou um instrumento reorganizador dos processos de trabalho na tentativa de humanizar esses atendimentos. Estamos falando de que estratégia? a) Privatização dos serviços b) Aumento do número de Médicos; c) Acolhimento com Classificação de Riscos d) Sistema Único de Saúde 9) Em relação ao Acolhimento. a) É um instrumento de diagnóstico de doença. b) Apenas hierarquiza conforme a gravidade da vítima, determinando prioridades de atendimento. c) É um instrumento de exclusão d) Nenhuma das alternativas acima. 10) Pesquisas revelam que triagens realizadas por médicos são menos eficazes que as realiza das por enfermeiros. Qual a justificativa? a) O Enfermeiro tem mais paciência para organizar uma fila, enquanto o médico está mais apto a tratar o cliente em seu tratamento específico. b) O Enfermeiro serve apenas para escutar e o médico para medicar. c) O Enfermeiro está mais apto a prestar assistência aos pacientes preocupando- se com o seu cuidado como um todo, enquanto o Médico estaria mais apto a tratar o cliente em seu tratamento específico. d) Nenhuma das alternativas acima.
    • ___________________________________________________________________ 16 ___________________________________________________________________________ www.enfermagemadistancia.com.br INPI 900901900 REFERENCIAS 1- ABBÊS, C.; MASSARO, A. Acolhimento com classificação de risco. Brasília: Ministério da Saúde, 2004. 2- AZEVEDO, JMR. BARBOSA, MA. Triagem em Serviços de Saúde: Percepções dos usuários. Revista Enfermagem - UERJ, Rio de Janeiro, 2007 3- BRASIL. Conselho Nacional de Secretários de Saúde. SUS: avanços e desafios. Conselho Nacional de Secretários de Saúde. Brasília: CONASS, 2006 4- BRASIL. Ministério da Saúde. Acolhimento com Avaliação e Classificação de Risco. Brasília, 2004. 5- BRASIL. Ministério da Saúde. Política Nacional de Atenção as Urgências. 3. ed. Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2006 6- BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria GM/MS n.º 2048, de 5 de novembro de 2002. Brasília, 2002. 7- BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria Executiva. Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. HumanizaSUS - acolhimento com avaliação e classificação de risco: um paradigma ético-estético no fazer em saúde. Brasília, 2004. 8- CFM - Conselho Federal de Medicina – Resolução 1451 de 10 de março de 1995. 9- CHAVES, DPL. Estudo sobre triagem no serviço de emergência. Revisão de literatura. Revista Gaúcha de Enfermagem, v.8, n.2, p.181-196, 1987. 10- DAVID, H.M.S.L. Atores, cenários, regulação: notas sobre a atenção em urgência e emergência no setor de saúde suplementar. Brasília: Agência Nacional de Saúde Suplementar, 2003. 11- FERREIRA, ABH. Mini Aurélio: século XXI. 4. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2001. 12- MAFRA, A. A. et al. Acolhimento com Classificação de Risco . Belo Horizonte: Hospital Odilon Behrens. 2006. 13- NISHIO, E. A.; FRANCO, M. T. G. Modelo de Gestão em Enfermagem: qualidade assistencial e segurança do paciente. Rio de Janeiro: Elsevier, 2011. 14- PERONDI, M.B.M.; SAKANO, T.M.S. SCHVARTSMAN, C. Utilização de um sistema informatizado de atendimento em pronto-socorro pediátrico com sistema de escore clínico de triagem. Einstein. São Paulo: 2008. 15- PIRES, PS. A Triagem no Pronto Socorro. In: Calil, AM, Paranhos, WY. O Enfermeiro e as Situações de Emergência. São Paulo: Atheneu 2007.