Your SlideShare is downloading. ×
Patologia das fundações
Patologia das fundações
Patologia das fundações
Patologia das fundações
Patologia das fundações
Patologia das fundações
Patologia das fundações
Patologia das fundações
Patologia das fundações
Patologia das fundações
Patologia das fundações
Patologia das fundações
Patologia das fundações
Patologia das fundações
Patologia das fundações
Patologia das fundações
Patologia das fundações
Patologia das fundações
Patologia das fundações
Patologia das fundações
Patologia das fundações
Patologia das fundações
Patologia das fundações
Patologia das fundações
Patologia das fundações
Patologia das fundações
Patologia das fundações
Patologia das fundações
Patologia das fundações
Patologia das fundações
Patologia das fundações
Patologia das fundações
Patologia das fundações
Patologia das fundações
Patologia das fundações
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Patologia das fundações

17,576

Published on

0 Comments
5 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
17,576
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
455
Comments
0
Likes
5
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. PATOLOGIA DE FUNDAÇÕES• O recalque diferencial é o problema mais comum nas fundações;• As fundações são calculadas como se as cargas e a resistência do terreno fossem uniformes, quando na realidade isso raramente acontece;• Em função da não uniformidade das cargas e do terreno, ocorrem os recalques diferenciais nas fundações com o aparecimento de rachaduras no prédio;• As fissuras, geralmente, são bem mais largas na parte superior do prédio, sendo possível, em alguns casos, que a viga de fundação não mostre lesão alguma visível a olho nu;
  • 2. PATOLOGIA DE FUNDAÇÕES• As fissuras costumam aparecer quando o desnível entre os apoios atinge 1/500 a 1/1000 do vão livre;• As fissuras nas alvenarias aparecem inicialmente nas zonas tracionadas, podendo, entretanto, surgirem lesões nas zonas comprimidas em casos mais graves;• Havendo aberturas nas paredes, elas orientam a fissuração;• A tendência de uma parede contínua sobre um cedimento central, é formar uma parábola abatida.
  • 3. 1 - Tipos de Recalques• Recalque total – Catedral do México: deformou sem problemas para a estrutura porque os recalques não foram diferenciais;• Recalque diferencial por desaprumo –Torre de Pisa;• Recalque por distorção angular.
  • 4. 2- Imprecisão dos Métodos Teóricos de Previsão de Recalques• Dificuldade de avaliar a real interação entre o solo e a estrutura;• Distribuição de cargas em função do reassentamento ao longo do tempo;• Velocidade dos recalques – quanto mais lentos, melhor para a estrutura;
  • 5. 2- Imprecisão dos Métodos Teóricos de Previsão de Recalques• Critérios diferentes para areias (que apresentam recalques rápidos) e argilas (que apresentam recalques lentos). Como geralmente encontram-se misturadas, a avaliação é complicada;• Dificuldade de avaliar a interferência de construções vizinhas;• Efeitos das próprias fundações.
  • 6. 3- Fatores Condicionantes para os Recalques Diferenciais• Deslizamento do solo em terrenos inclinados;• Fundação contínua que passa sobre um lugar onde se aterrou um poço, resultando daí uma diferença de resistência do solo;• Secagem ou saturação do solo diferenciada entre um trecho e outro, ocasionando contração ou expansão (árvores ou capeamentos com contrapisos impermeáveis de uma área vizinha bastante extensa);
  • 7. 3- Fatores Condicionantes para os Recalques Diferenciais• Estacas seccionadas;• Influência das fundações de prédios vizinhos;• Adoção de sistemas diferentes de fundação num mesmo prédio;• A presença de raízes junto as fundações através da força mecânica que seu crescimento produz.
  • 8. 4- Correção das Lesões em Fundações• Verificar se o recalque estabilizou ou não. Quando estabilizou, muitas vezes basta corrigir as fissuras;• Monitorar o nível dos alicerces e usar selos de gesso ou vidro para avaliar se as fissuras são ativas;• Construção de vigas laterais;• Reforço com perfis metálicos;• Reconstrução da fundação no trecho com cedimento;• Compactação do solo com estacas de compressão;• Reforço com microestacas de reação do tipo Mega.
  • 9. TRANFERÊNCIA DE CARGAS superfície do terreno
  • 10. TRANFERÊNCIA DE CARGAS superfície do terreno Bulbo de Pressões
  • 11. BULBO DE PRESSÕES Solo resistente Solo pouco resistente
  • 12. BULBO DE PRESSÕES Solo resistente PROBLEMAS !!! Solo pouco resistente
  • 13. CONCEITOS• CAPACIDADE DE CARGA – É a carga que provoca a ruptura da fundação; – É influenciada pelas dimensões e pelo posicionamento da fundação, mas depende principalmente da resistência e da compressibilidade do solo e da posição do nível d’água.
  • 14. CONCEITOS• RUPTURA – Ocorre quando a tensão no interior do maciço de fundação supera a resistência do material provocando a destruição da estrutura do solo ou da rocha ao longo de uma determinada superfície (plano de ruptura).
  • 15. CONCEITOS• ADENSAMENTO DO SOLO – É uma deformação do solo que ocorre a medida em que a água vai sendo expulsa pelo excesso de pressão aplicada pela fundação
  • 16. RECALQUES Aterro (1o estágio) superfície
  • 17. RECALQUE HOMOGÊNEO Aterro (2o estágio) superfície deformação no solo de fundação
  • 18. RECALQUE DIFERENCIAL Aterro (2o estágio) superfície deformação maior em uma porção
  • 19. RECALQUE Recalque (mm) tempo
  • 20. RECALQUES DIFERENCIAIS argila mole argila mole rocha rocha
  • 21. RECALQUES DIFERENCIAIS argila mole argila mole rocha rocha
  • 22. RECALQUES DIFERENCIAIS argila mole argila mole rocha sã rocha sã
  • 23. RECALQUES DIFERENCIAIS argila argila areia compacta areia compacta rocha sã rocha sã
  • 24. TORRE DE PISA 59 m1174 - 1350 22 m
  • 25. TORRE DE PISA Areia argilosa (4,3 m) Areia pura (6,3 m) Argila marinha
  • 26. TORRE DE PISA Bulbo de pressões
  • 27. PRÉDIOS DE SANTOSCamada de areia, entre6 e 10 m, compacta, boa.Abaixo dela há umacamada de argilamarinha do 10 ao 30 mde profundidade, um solomuito mole. Areia pouco argilosaUm prédio com cargamaior atritando sobre aareia, comprime essaargila, gerando recalques Argila marinhadiferenciais.
  • 28. PRÉDIOS DE SANTOS
  • 29. PRÉDIOS DE SANTOS
  • 30. PRÉDIOS DE SANTOSEdifícioNúncioMalzoni
  • 31. PRÉDIOS DE SANTOS ( Núncio Malzoni)1a etapa: execução deoito estacas de cada ladodo edifício, com diâmetrovariando de 1,0 a 1,4m, eprofundidade média de 57m, atingindo um soloresidual resistente e segurosituado abaixo da camadade argila mole. Na foto ao lado, pode-seobservar a camisa metálicautilizada para conter o solodurante a execução dasestacas.
  • 32. PRÉDIOS DE SANTOS ( Núncio Malzoni)2a etapa: foramexecutadas 8 vigas detransição com cerca de4,5 m de altura parareceber os esforços dospilares e transmiti-los àsnovas fundações.
  • 33. PRÉDIOS DE SANTOS ( Núncio Malzoni)3a etapa: 14 macacoshidráulicos acionados por seisbombas, instalados entre as vigasde transição e os novos blocos defundação, foram utilizados parareaprumar o edifício. Os vãos em que estavam osmacacos foram preenchidos comcalços metálicos e, após,concretados.
  • 34. PRÉDIOS DE SANTOS
  • 35. PRÉDIOS DE SANTOS

×