• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Projeto   sherazade, rainha do saara
 

Projeto sherazade, rainha do saara

on

  • 448 views

 

Statistics

Views

Total Views
448
Views on SlideShare
445
Embed Views
3

Actions

Likes
0
Downloads
0
Comments
0

1 Embed 3

http://fence.tradablebits.com 3

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Projeto   sherazade, rainha do saara Projeto sherazade, rainha do saara Document Transcript

    • - 2 - SUMÁRIO 1. Num Piscar de Olhos | Resumo 2. Saara no Rio de Janeiro | Sinopse 3. Shalom & Salam! | Justificativa 4. A Linha do Horizonte| Metas 5. Aos quatro cantos | Imprensa 6. Heróis & Heroínas | Ficha Técnica 7. Impressões | Fotos 8. Os Laços do Destino | Currículos Elenco e Equipe 9. As Fontes de Inspiração | Bibliografia 10.O Mapa da Mina| Contatos
    • - 3 - NUM PISCAR DE OLHOS | RESUMO Sherazade, rainha do Saara é um espetáculo destinado ao público infanto-juvenil, de autoria de Suzana Abranches, atriz, autora e professora de Teatro. O projeto foi selecionado, através do edital do Fundo de Apoio ao Teatro - FATE 2012 -, para receber o patrocínio da Secretaria Municipal de Cultura do Rio de Janeiro, sendo o único infanto-juvenil em sua categoria. A direção é de Isaac Bernat, ator, diretor e professor de Teatro, que desenvolveu sua tese de Doutorado sobre o Griot africano (contador de histórias) Sotigui Kouyaté. O ponto de partida é o quarto de Nassim, onde todas as noites sua mãe, Sherazade, conta histórias para ele e para seu pai. Sherazade, também conhecida como Zazá, é nossa contemporânea, muçulmana, casada com o médico judeu Samuel e revende produtos do S.A.A.R.A. (Centro do Rio de janeiro). É Nassim quem faz a ponte com o público infantil, com perguntas típicas de um menino de oito anos, tais como “O que é iguaria?”. Objetos do quarto, ou tirados das sacolas provenientes da Saara, como lençóis, almofadas, castiçais e uma bicicleta, ajudam-nos a viajar para a antiga Pérsia, para o Egito, ou para a aldeia (imaginária) de Sefer. E nosso passaporte é carimbado com Cenário de Doris Rollemberg, Figurino de Marcelo Marques, Direção Musical de Charles Kahn, Direção de Movimento de Marcelle Sampaio, Programação Visual de Raquel Alvarenga e Desenho de Luz de Aurélio de Simoni. Com 60’ de duração, a peça segue a linha narrativa da heroína persa, na qual uma trama desemboca em outra e traz, além de sua própria história, uma fábula
    • - 4 - pacifista sobre Amir e Omar, gêmeos separados ao nascer, sendo Amir criado como judeu, e Omar como muçulmano. O encontro dos dois possibilita a reunião das duas partes de uma mesma família, que passa a se reconhecer maior e misturada, “feito tudo o que vem lá do Oriente”. A realização é da Mazal Produções, empresa de Suzana Abranches – autora, atriz e realizadora. O proponente da iniciativa junto à Prefeitura foi a Memória Viva Cultura que, desde 1994, criou e produziu espetáculos, livros de arte e exposições, e é coordenada por Adam Grzybowski, consultor histórico do texto. O espetáculo tem produção de João Ribeiro (www.joaoribeiro.com.br). No elenco, além de Suzana Abranches (voltando a trabalhar para o público infantil após “O Sítio do Pica Pau Amarelo”), Gustavo Ottoni, e Renato Valença. Os três vivem vários personagens, como num jogo dramático infantil, no qual crianças não pedem licença para entrar ou sair de uma fábula.
    • - 5 - SAARA NO RIO DE JANEIRO | SINOPSE “Mãe, não consigo dormir. Conta uma história!”. Essa é a senha para Sherazade, perpetuar um ritual que começou com a jovem persa (hoje iraniana) de mesmo nome. “Toda noite é a mesma história! Ou melhor, cada noite é uma história diferente.”, diz a nossa contemporânea Sherazade, ou Zazá, carioca, muçulmana, revendedora de produtos da Sociedade dos Amigos e Adjacências da Rua da Alfândega - S.A.A.R.A. - , casada com o gastroenterologista judeu Samuel, e mãe de Nassim. A partir daí os três se multiplicam em vários personagens de uma trama iniciada no século XIV, quando o sultão Shariar, ao ser traído pela sultana, decreta que todas as suas futuras esposas sejam mortas após a noite de núpcias. Uma delas vem a ser Sherazade, filha do Vizir incumbido da árdua tarefa de arrumar as mal-fadadas esposas. Munida de coragem, imaginação e conhecimentos sobre arte, medicina e literatura, Sherazade envolve o sultão – e a nós – num emaranhado de histórias fascinantes que ela, habilmente, não conclui. Transportados ao Egito, conhecemos Amir e Omar, filhos do amor proibido entre Miriam e Ibrahim. Gêmeos, eles são separados ao nascer, sendo Amir criado como judeu e Omar como muçulmano. Quando a serpente cruza o caminho de Omar, um camelo o leva a Sefer (em hebraico, livro), a aldeia dos judeus, onde Miriam acende as velas do Shabat, acompanhada pelo caçula David. O encontro de Amir e Omar se dá à beira do rio Nilo e essa curva do destino sela a reunião de duas partes de uma mesma família, antes separada pela diferença de culturas e religiões. Após mil e uma noites ouvindo histórias, o Sultão Shariar já não quer mais a morte de mulher alguma porque aprendeu a “amar e confiar na mais maravilhosa de todas as mulheres.” Quanto à nossa Zazá, ela e sua família continuam a viver histórias, noite após noite, no quarto de Nassim, em meio a personagens, badulaques e salamaleques, tudo junto e misturado, guardando suas diferenças e sabores, como uma boa salada de tabule!
    • - 6 - SHALOM & SALAM| JUSTIFICATIVA A última vez que atuei num espetáculo para crianças foi em “O Sítio do Pica Pau Amarelo”, de Paulo César de Oliveira, no qual pude “reviver” a Emília, personagem que já tinha feito na TV Globo, entre 1983 e 1985. A partir de 1994, além de atuar, passei a dar aulas de Teatro em escolas particulares, cursos livres e, recentemente, no Morro Dona Marta, primeira comunidade brasileira a receber uma Unidade de Polícia Pacificadora, a UPP. Se há aspectos que distinguem crianças e jovens desses diferentes contextos sociais, há também os que os unem. Um deles é a violência, que, invariavelmente, permeia as improvisações dos alunos, seja de forma concreta ou metafórica. Essa experiência, somada à preocupação com as dramáticas idas e vindas no processo de Paz no Oriente Médio, trouxeram-me o desejo de levar ao palco uma história que explorasse as similaridades entre os povos semitas. Elas são inúmeras e se manifestam desde o idioma (ex: o nome Nassim é adotado até hoje por judeus e árabes), até em costumes ligados à religiosidade, como o uso da kipá (solidéu). Propositalmente intitulei e situei a peça no Saara, que tanto pode ser o deserto na África, como a Sociedade dos Amigos e das Adjacências da Rua da Alfândega, Centro do Rio de janeiro, onde a convivência pacífica e harmoniosa entre judeus e árabes é, há tempos, notória, e motivo de orgulho para o povo carioca. A primeira narrativa sobre Sherazade em língua ocidental data de 1704, escrita por Antoine Galland. Trata-se de uma compilação de histórias persas e indianas, das quais fazem parte Aladim, Simbad e Ali Babá, já bastante explorados literária e cenicamente.
    • - 7 - Sherazade, rainha do Saara é um espetáculo sobre uma mãe brasileira, contemporânea e muçulmana, homônima da jovem persa, que também conta histórias para seu filho e seu marido (judeu) não para se livrar da morte, mas para celebrar a vida familiar, num ritual de criatividade, respeito às diferenças e afeto. Shalom e Salam! Suzana Abranches
    • - 8 - A LINHA DO HORIZONTE I METAS A produção de Sherazade, rainha do Saara, realizada pela Mazal Produções, vem alcançando as seguintes metas: • Produzir e fazer longa carreira (trabalharemos em prol da continuidade) com um espetáculo destinado ao público infanto-juvenil (além dos adultos que acompanham as crianças, dos quais não podemos esquecer), tendo sido a primeira temporada – maio a junho de 2013 – no Teatro Maria Clara Machado (Planetário da Gávea), Rio de Janeiro, e a segunda até agosto, no Teatro Glauce Rocha, Centro da mesma cidade; • Ampliar o alcance da contrapartida social prevista no início do projeto. Em quase trinta sessões, nosso público foi composto de crianças e adultos pagantes e convidados de organizações não-governamentais, creches e escolas. Foram realizadas sessões extras durante as 13 semanas em cartaz na Gávea e no Centro do Rio de Janeiro, além da efetuada na Lona Cultural Dicró; • Investir na produção cultural e artística. Durante as fases de pré-produção, execução, divulgação e administração estiveram diretamente ligados ao espetáculo mais de trinta profissionais, além dos indiretos, vinculados à prestação de serviços, tais como gráfica, transporte e alimentação; • Contribuir para a formação de plateia, através de um espetáculo de conteúdo relevante, encenado por profissionais competentes, o que, certamente, estimula a frequência do público infantil e adulto às salas de teatro; • Democratizar o acesso à produção cultural e artística, disponibilizando, além dos 10% destinados para a SMC (estipulados pelo edital FATE 2012), mais 10% da lotação do teatro como ingressos gratuitos para crianças de escolas públicas, moradores de comunidades e organizações sociais, contatadas pela produção do espetáculo. A produção não economizou esforços para transportar gratuitamente crianças de sua comunidade ao teatro, além de garantir o ingresso gratuito; • Incentivar a leitura e a brincadeira imaginativa, uma vez que tudo o que aparece em cena faz parte do quarto do menino Nassim ou das sacolas de compras de sua mãe Sherazade, trazidas da Saara; • Trazer ao palco pequenas curiosidades sobre árabes e judeus, promovendo a simpatia e o respeito do público acerca dos dois povos primos; • Fomentar o respeito às diferenças, a tolerância e a Paz e • Prestar homenagem à maior contadora de histórias de todos os tempos!
    • - 9 - AOS 4 CANTOS | IMPRENSA I. Mídia espontânea (resultado da assessoria de imprensa)
    • - 10 -
    • - 11 -
    • - 12 -
    • - 13 -
    • - 14 -
    • - 15 -
    • - 16 -
    • - 17 - II. Mídia paga (investimentos) a) Cartazes: Laranjeiras, Praça São Salvador, Glória, Botafogo, Baixo Botafogo, Humaitá, Flamengo, Baixo Gávea, Leblon, Ipanema, Copacabana e Santa Teresa.
    • - 18 - b) Convite impresso: enviado para estreia estendido à temporada como flyer.
    • - 19 - c) Convite virtual: amplamente divulgado em diversas redes sociais de toda equipe técnica e elenco, além de envio por email.
    • - 20 - d) Programa: 12 páginas no formato A5.
    • - 21 - e) Busdoor: 30 ônibus das linhas 119, 133, 154, 161, 180, 569, 162, 573, 583, 593, 184, 511, 512 e 584. aplicação do anúncio em um ônibus
    • - 22 - f) OnBus: vídeo de 30 segundos com veiculação de 160 mil inserções em diversas linhas da Zona Sul do Rio. vídeo de 30” disponível em http://www.youtube.com/watch?v=WWJahzThRLM g) Jornal impresso: 3 anúncios no jornal de maior circulação do Rio, o Globo.
    • - 23 - h) Jornal virtual: 15 dias de exposição do banner da peça na editoria cultura do Rio Show (O Globo). aplicação do anúncio no site do RioShow frente e verso do banner para o site do RioShow
    • - 24 - i) Mobile (Android e iPhone): 15 dias de exposição do banner da peça nas principais editorias do Rio no site móvel do Rio Show (O Globo). aplicação do anúncio no mobile do RioShow frente e verso do banner para o mobile do RioShow
    • - 25 - j) Fanpage: criação de uma página na maior rede social, com diversos eventos, promoções e divulgação de fotos, em www.facebook.com.br/sherazadedosaara. k) Site: criação do site www.sherazadedosaara.com.br com a pré-produção e produção.
    • - 26 - l) Banner para fachada: lona vinílica. aplicação do banner vinílico na fachada do Teatro Municipal Maria Clara Machado
    • - 27 - m) Displays: 2 displays vazados para fomentar a divulgação espontânea. n) vídeo: diversos vídeos captados para imprensa e um deles, o maior, com 60’, documentando toda a peça: todos disponíveis em http://www.youtube.com/channel/UCkJkKzmzPB7_Qdr7wabvzfA.
    • - 28 - HERÓIS & HEROÍNAS | FICHA TÉCNICA Texto | SUZANA ABRANCHES Direção | ISAAC BERNAT Elenco | SUZANA ABRANCHES, GUSTAVO OTTONI e RENATO VALENÇA Cenário | DORIS ROLLEMBERG Costureira de cenário | IONE RIBEIRO Diretor de palco e camareiro | MARCELO GOMES Figurino | MARCELO MARQUES Costureira de figurino | CRIS DUTRA Direção musical | CHARLES KAHN Assistente de direção musical | TAUÃ DE LORENA Direção de movimento | MARCELLE SAMPAIO Estagiário de direção de movimento | RODRIGO MAIA Iluminação | AURÉLIO DE SIMONI Projeto gráfico | RAQUEL ALVARENGA Vídeo | VIAGEM À LUA PRODUÇÕES (KIRK RUSSO) Ilustrador | BRUNO DANTE Web | GUILLERMO LUIS Foto | CLÁUDIA RIBEIRO Assessoria de imprensa | LEAD COMUNICAÇÃO (FLÁVIA TENÓRIO, RAFAELA PASSOS e CARINA REBECK) Mídias sociais | ALAINA PAISAN Consultoria histórica | ADAM GRZYBOWSKI Realização | MAZAL PRODUÇÕES (SUZANA ABRANCHES) Assistência de produção | LUIZA MALDONADO Produção | JOÃO RIBEIRO
    • - 29 - IMPRESSÕES | FOTOS Fotos de Cláudia Ribeiro
    • - 30 - IMPRESSÕES | FOTOS (cont.)
    • - 31 - OS LAÇOS DO DESTINO | CURRÍCULOS ELENCO E EQUIPE SUZANA ABRANCHES (Autora e Atriz) graduou-se em Licenciatura Plena em Teatro, pela UNIRIO. É professora de História do Teatro da CAL – Casa das Artes de Laranjeiras e preparadora de elenco da TV Record. Na TV Globo atuou em O Sítio do Pica Pau Amarelo, além de novelas e seriados. Seus trabalhos mais recentes foram Maria Esperança (SBT), Floribella (Band) e Bela, a Feia (Record). Foi uma das criadoras do grupo de humor O Grelo Falante, com o qual escreveu Garotas do Programa (TV Globo), os livros Tapa de Humor não Doi (Objetiva), Tomaladacá e Livro de Bolsa (Imago). Com o grupo, criou e protagonizou o filme Coisa de Mulher e, em 2010 escreveu, atuou e produziu seu primeiro texto solo, o Jogo de Palco Na Casa dos 40. A produção era de... ADAM GRZYBOWSKI (Consultor Histórico) é graduado em História (Gama Filho) e Filosofia (IFCS). É responsável pela MEMÓRIA VIVA, com a qual criou e produziu os livros de artes O Rio de Janeiro Continua Lindo, O Rio que Virou Moda e exposições, como Saudades do Brasil/A Era JK, Castro Alves é do Povo, Todas as Copas, O Museu Vai à Praia, Os Diretores Encenam seu Teatro, 50 Anos do Estado de Israel e Museu sobre Rodas. Essas exposições, e também o livro de humor judaico Cá entre Nós, contaram com a programação visual e desenhos de... GUILLERMO LUÍS (Web) concebeu plasticamente e produziu os eventos Woodstock, A Festa; Festival Bob Marola; Reveillón no Porcão; Festival de Inverno de Santa Teresa e as revistas Galera do Porcão, ZI-EX (Petrobrás) Transporte ISO 9001(empresas de transporte público do Estado do Rio). Durante dez anos produziu todo o material gráfico infantil do Grupo Porcão. Seus trabalhos mais recentes foram Na Casa dos 40 (de Suzana Abranches), Allan Kardec, Um Olhar para a Eternidade e Romeu & Romeu. RENATO VALENÇA (Ator) está concluindo seu Curso de Licenciatura Plena em Teatro na UNIRIO, onde foi colega de turma de Suzana Abranches. É ator, dublador e instrutor de dramaturgia. Em Teatro atuou em Depois da Última Escada, Peter Pan (tendo recebido o prêmio de MELHOR ATOR no Festival de Teatro de Inverno do Sated, em 2007). Dirigiu, ao lado de Mareliz Rodrigues, Anos 80 - Um Musical de Filho para Pai, Salada de Fábulas, O Reino dos Mal Educados. Integrou o elenco das séries Constrangidos (Canal 14-NetCidade) e Barataflamejante (Multishow). GUSTAVO OTTONI (Ator) é Bacharel em Teatro (UNIRIO) e formado no Curso Básico da Escola de Música Villa Lobos. Adaptou, concebeu e atua no espetáculo O Alienista, Uma Leitura Esquizofrênica, do conto de Machado de Assis, tendo se apresentado este ano em diversas cidades de Portugal, além do Festival de Curitiba e do Projeto Boca de Cena (SESC/ CBTIJ). Com mais de trinta anos de profissão, seus trabalhos mais recentes foram As Escravas do Amor, adaptação e direção de João Fonseca para o folhetim de Nelson Rodrigues (Cia Os Fodidos Privilegiados); Um Inimigo do Povo, de Henrik Ibsen; Antígona, adaptação de
    • - 32 - Fátima Saadi para a obra de Sófocles (Cia. Pequeno Gesto) e As Eruditas, de Molière, com a Cia Limite 151. Em 1992 atuou no espetáculo Rastros, Faros e Outras Pistas, de Ivani Callado, cujo contrarregra era... JOÃO RIBEIRO (Produtor) é administrador de gente e ativos. No audiovisual produziu dezenas de ações, como anúncios para grandes marcas (Antarctica, Ford, Havaianas etc.) e elaboração do canal NET TV. Também trabalhou na iniciativa privada, como gerente de projetos, e na esfera pública, como trainee de comunicação da área institucional. Produziu os espetáculos Meu Filho É Um Doce (indicado ao prêmio Shell na categoria especial) e o musical O Diário de Anne Frank (indicado e premiado no Festival de Teatro do Rio de Janeiro), dirigido por... ISAAC BERNAT (Diretor) é Doutor e Mestre em Teatro pela UNIRIO. Professor da Universidade da CAL (Casa das Artes de Laranjeiras) e da UniverCidade. Como ator, teve várias indicações a prêmios, tendo recebido o Prêmio Coca-Cola por As Aventuras de Pedro Malazartes. Ainda como ator, seus trabalhos mais recentes foram Jantando com Isabel, de Furio Lonza e Mulheres Sonharam Cavalos, de Daniel Veronese. Dirigiu Comédia sem Título, Eu Lírico, A Árvore que Fugiu do Quintal, Dois Perdidos Numa Noite Suja e Calando Deu, entre outras. Em 2012 dirigiu Querida Helena Sergueievna, indicado ao PRÊMIO SHELL pelo cenário de... DORIS ROLLEMBERG (Cenógrafa) é Doutora e Mestre em Teatro pela UNIRIO, onde leciona Cenografia. Graduada em arquitetura pela UFRJ, foi a responsável por inúmeros cenários de Teatro, como Chagall, O Poeta com Asas de Pintor; Marat/ Marat; Esperando Godot; A Dona da Estória; Henrique IV; Medeia; Na Solidão dos Campos de Algodão e Yolanda. Seus trabalhos foram indicados 14 vezes para os prêmios SHELL, CONTIGO, ZILKA SALABERY, MAMBEMBE, SATED, COCA-COLA e CULTURA INGLESA. Sua Direção de Arte do curta Não me Condenes Antes que me Expliques recebeu dois prêmios e, em 1999 foi premiada por Sobrados e Mocambos. Em 2006 ganhou MELHOR CENÁRIO por Robinson Crusoé, no Festival de Campos. Seus cenários de Tambores da Noite e Um Céu de Asfalto eram iluminados por... AURÉLIO DE SIMONI (Iluminador) ilumina Teatro, Dança e Shows há trinta e cinco anos, com mais de 500 trabalhos. Em Teatro podemos destacar: As Lágrimas Amargas de Petra von Kant, Emilly, A Caravana da Ilusão, Ao Terceiro Dia – Lima Barreto, O Carteiro e o Poeta, O Inimigo do Povo, D. Juan, Ô Abre Alas, O Avarento, Bugiaria, South American Way, Conduzindo Miss Daisy, Longa Jornada de um Dia Noite Adentro, Com a Pulga Atrás da Orelha e E Daí. Recebeu vários prêmios, dentre os quais MAMBEMBE (1982, 1989 e 1998), COCA-COLA (1991, 1992, 1998 e 1999), SATED (1991, 1994), SHELL (1992, 1995, 1996, 1997) e SHARP (1998). Em O Nosso Amor, A Gente Inventa trabalhou com... MARCELLE SAMPAIO (Diretora de Movimentos) é bailarina e atriz, graduada em Licenciatura Plena em Dança pela Faculdade Angel Vianna, onde é professora desde 1998. Dançou na Companhia da coreógrafa Lia Rodrigues, de 1999 a 2006, apresentando-se em festivais pelo Brasil, Europa, América do Norte e América do Sul. Criou e dançou com Frederico Paredes o espetáculo Cada Um para o Kunsten
    • - 33 - Festival Des Arts na Bélgica. Como diretora de trabalhou com os diretores: Cininha de Paula, Thierry Tremouroux, Gilberto Gavronski, Fábio Ferreira, Felipe Vidal e Tato Consort. Em 2012 trabalhou com Isaac Bernat em Calango Deu, que contava com a Programação Visual de ... RAQUEL ALVARENGA é atriz e designer gráfica. Graduada em Teatro e Publicidade em Belo Horizonte, desenvolveu a identidade visual das peças Cara Preta, da Maldita Cia. de Investigação Teatral, Estamos trabalhando para você e Álbum de Família. No Rio de Janeiro, desde 2009, fez os projetos gráficos das peças Fã-Clube, da Cia. Físico de Teatro; Valsa nº6; O Cara, de Miguel Thiré; Alguém me viu por aí?, de Jarbas Albuquerque; e O que restou do sagrado, de Mário Bortolotto, além do design gráfico do BRECHA COLETIVO – do qual é integrante, da ocupação do teatro Glauce Rocha JUNTO: Práticas de Proximidade; dos espetáculos O que Você Gostaria que Ficasse e Anticorpos. LEAD COMUNICAÇÃO é comandada pela jornalista Flávia Tenório e está no mercado há mais de 15 anos, atuando nas áreas de assessoria de imprensa, eventos, relações públicas, conteúdo e ações corporativas. Entre dezenas de ações no cenário cultural, destaca-se do portfólio de teatro infantil o Grupo Giramundo (o espetáculo Histórias de Alexandre, com Antonio Karnewale) e a peça Momo e Senhor do Tempo (com direção de Cristina Moura). CHARLES KAHN (Diretor Musical) é arranjador, compositor e professor de Música. Leciona na CAL (Casa das Artes de Laranjeiras) e na Escola Martins Penna. Organizou quatro edições do Festival de Música do SESC e de Furnas. Fez a Direção Musical de vários espetáculos, como A Gaiola das Loucas, Segundas Intenções, As Atrizes, A Presidenta, Chão de Estrelas, Laços, A Barca do Inferno, Du- vi-de-o-dó, Passa Passatempo, Soldadinho de Chumbo, Com o Rio na Barriga. Recebeu o Prêmio MOLIÈRE, por Jardins de Infância; FETAERJ, pela trilha de O Rinoceronte e Rio Cine Festival, por Meu Vizinho Comprou um Carro, além de indicações aos prêmios SHARP e COCA-COLA. Ingressou no Teatro em 1980, com A Muralha da China, de cujo elenco faziam parte Isaac Bernat e Suzana Abranches.
    • - 34 - AS FONTES DE INSPIRAÇÃO | BIBLIOGRAFIA Garaudy, Annie. O AMOR ENTRE OS ÁRABES. 2a ed., Lisboa: Plátano Editora, 1973. Khawam, René R. AS MIL E UMA NOITES Tradução: Rolando Roque da Silva. 4a ed., São Paulo: Editora Brasiliense, 1991. Gullar, Ferreira (Seleção e Tradução) AS MIL E UMA NOITES – CONTOS ÁRABES. 2a ed., Rio de Janeiro: Editora Revan, 2000. Leeson, Robert e Balit, Christina. MINHA IRMÃ SHERAZADE – Editora Salamandra, 2001. Smullyan, Raymond. O ENIGMA DE SHERAZADE E OUTROS INCRÍVEIS PROBLEMAS DAS MIL E UMA NOITES. Tradução: Sergio Flaksman, 1a ed., Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1997. Piñon, Nélida. VOZES DO DESERTO. 3a ed., Rio de Janeiro: Editora Record, 2005. Crispun, Denise. Histórias de Sherazade. Texto teatral. Chalita, Mansour. AS MIL E UMA NOITE. Rio de Janeiro: Graphos.
    • - 35 - O MAPA DA MINA | CONTATOS Produção João Ribeiro (21) 9197-5542 ou 2236-3746 jr@joaoribeiro.com.br | www.joaoribeiro.com.br Mazal Produções Suzana Abranches (21) 8116-8932 ou 2205-4766 suabran@ism.com.br www.sherazadedosaara.com.br www.facebook.com/sherazadedosaara http://www.youtube.com/channel/UCkJkKzmzPB7_Qdr7wabvzfA